1. Spirit Fanfics >
  2. Jamais Vu >
  3. Redhead, Robin Hood and Kisses

História Jamais Vu - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


não revisado, espero que gostem!

Capítulo 6 - Redhead, Robin Hood and Kisses


 

Taehyung respirava profundamente, tentando a todo custo se manter calmo, quando na verdade estava o completo oposto.

Tinha pânico por tanta exposição, dançar não era seu forte. Ele não era acostumado e muito menos gostava da ideia, e somente estava ali porque fora coagido pela rainha e Jimin. Céus, onde estava com a cabeça em ter aceitado essa proposta?

Ensaiar durante este mês que se passou tão rápido, fora tranquilo, afinal estava entre conhecidos, os ômegas criados, e Jimin, que era uma pessoa extremamente paciente ensinando-o. Mas agora, que estava no andar superior ao salão de festas, na sacada, observando todas aquelas pessoas amontoadas lá embaixo, parecendo pequenas formigas enclausuradas no formigueiro, a ansiedade assolava seu peito. Achava que não seria capaz.

- Quer se acalmar, Tae? - Cochichou Jimin, perto de sua orelha, para que somente ele escutasse. - Ensaiamos muito para esse momento, vai dar tudo certo.

Ver o Kim mais jovem tão nervoso assim fazia o Park lembrar de seu melhor amigo, Taemin. Curiosamente, Jimin chamava Taehyung por ''Tae'' também, era mais uma forma de se lembrar todos os dias do seu tão amado amigo, que nem sabia mais se o veria novamente. Além disso, apesar de ser um excelente dançarino, Lee Taemin sempre ficava muito nervoso antes de apresentações, e cabia ao ruivo consolá-lo.

- Não sei Jiminie, estou tão nervoso. Acho que irei desistir, será melhor para todos assim, eu...

- Tae! - Ditou forte, virando o acastanhado de frente para si, colocando as mãos pequeninas nos ombros do outro ômega. - Não vou deixar você nadar e nadar, e morrer na praia. - Taehyung franze o cenho, levemente confuso. - Estou querendo dizer que esse é o seu momento. Irá sair da sua zona de conforto e se você enfrentar esse medo, amanhã será uma pessoa muito mais forte.

- V-você acha?

- Não teria o treinado por todo esse tempo se não soubesse que leva jeito. Não perderia meu tempo, e sabe que se algo ocorrer errado neste baile, a culpa será inteiramente minha. Confio em você. - Ele sorri, genuinamente, deixando nítido o sorriso em formato de quadrado.

- Eu também não o teria treinado se não soubesse que leva jeito com espadas, Jiminie, ainda que precise melhorar muito.

- Ya, você deveria me iludir mais! - Comentou sorrindo e contagiando ainda mais o outro.

Afinal, os dois estavam ficando tão próximos aos poucos, que Jimin nem mais conseguia sentir toda a melancolia e tristeza de dias atrás. E tudo isso por causa de Taehyung e Seokjin. Durante esse mês que se passou, fora gratificante poder passar um pouco do seu conhecimento com a dança, e também, aprender um pouco mais sobre as espadas, estava começando a aprender a conviver melhor com toda essa loucura. Era isso que a vida era. Uma agridoce loucura.

- Então... Eu vou dançar. - Dissera incerto.

- Sim, e vai arrasar!

- Como está minha aparência? Tentei passar um pouco de maquiagem sozinho, mas estou incerto se ficou bom ou não.

- Está perfeito, Tae. - Falou, sorrindo com a timidez súbita do outro. Taehyung era tão bonito e nem percebia isso. - Você é muito lindo, desse jeitinho aí. Sendo um ômega guerreiro ou dançarino.

O Kim se emocionou por alguns segundos. Era gratificante escutar um elogio tão puro, e que incidia tanto no seu ponto fraco. Por um momento, Taehyung sentia que suas inseguranças eram insignificantes, e que esse era, realmente, seu momento. Iria testar seus limites.

- Obrigado, Jimin. - Por fim disse.

O ruivinho sorriu em confirmação, sentia-se feliz pelo outro, e entendia perfeitamente seus sentimentos. A insegurança poderia ser seu calcanhar de Aquiles, assim como fora para Jimin, por muitos anos.

O Park não deixava transparecer, mas apresentar-se na frente de uma multidão da qual não tinha ideia de quantas pessoas seriam o deixava levemente ansioso, mesmo que a dança seja algo natural para si, lidar com muita exposição ainda era um ponto em que precisava melhorar muito, apesar de dar tudo de si numa performance.

Aos poucos, os convidados iam se acomodando nas diversas mesas espalhadas pelo salão, deixando apenas as passarelas principais desocupadas, que estavam com tapetes vermelhos estendidos pelo chão, onde os criados dançariam.

Na parte norte do recinto, estava um grande altar devidamente montado. Jungkook estava ali sentado, bem ao centro, num enorme trono todo adornado em ouro, contrastando com sua figura pálida coberta pelas roupas inteiramente negras. Ao lado direito, estava o rei, e na outra extremidade, a rainha, ambos com roupas esvoaçantes e caras, na cor prata.

Já nas laterais do salão, estavam todos os ômegas, estrategicamente posicionados em suas devidas posições, e ao sul, estavam Jimin e Taehyung, que aguardavam a chegada de Seokjin, preocupados, pois o loiro estava um bocado atrasado, e os três fariam uma apresentação solo.

Uma música começa a soar, baixinha, e vai aumentado gradativamente, enquanto os criados entram pelas laterais do salão, descendo as escadas que ligavam o andar superior ao inferior.

Caminhavam graciosamente, assim como Jimin ensinara, sempre de olhar erguido e peito estufado. Iam espalhando-se pelo local, uns ficando entre as mesas dos convidados, pois dançariam pertinho de todos.

Então, uma marcha começa a ressoar, era a deixa para a iniciação da dança. E assim, todos os criados começaram a movimentar-se.

- Onde está seu irmão, hein, TaeTae? - Indagou Jimin, mordendo os lábios, para descontar o nervosismo. Seokjin era importantíssimo para toda a dança.

- Não tenho a mais leve ideia, pensei que você soubesse, ele saiu de nosso quarto dizendo que iria até o seu, depois eu não o vi mais.

- Bem, sim, ele foi lá, até o maquiei, mas Jungkook chegou de surpresa e pediu para ele sair.

- Jungkook? - Perguntou com um sorrisinho.

- Qual é a graça?

- É a segunda vez que acontece de um estar no quarto do outro.

- Ele só me deu ordens, nas duas vezes, não tem o que especular. - Se mentira matasse, Jimin estaria durinho no chão agora. Claramente omitiu a parte em que Jungkook inalou seu cheirinho de tão perto, passando o nariz por seu pescoço, além de ter perguntado sobre o cio do ruivinho novamente. Mas sabia que se dissesse isso, as implicâncias de Taehyung e seu irmão só aumentariam. Os dois fantasiavam um romance entre o lúpus e o Park.

- Não disse nada, ora.

- Acho bom, Kim Taehyung.

O acastanhado sorri quadrado mais uma vez, achava uma graça quando o ruivo ficava irritado por causa de suas insinuações.

Estavam tão distraídos na conversa, que nem perceberam que o outro ômega havia chegado ao recinto, interrompendo-os.

- Arh... Cheguei! - Dizia ofegante.

- Porra, por que demorou tanto? - Indagou Jimin. - Correu uma maratona, foi? Que diabo aconteceu com você?

- S-só... Um m-minuto. - Falou, apoiando as mãos nos joelhos, descansando alguns segundos. - Assim que Jungkook mandou-me sair de seu quarto, eu fui até o meu, terminar de arrumar-me para o baile. Estava vindo para cá, mas antes estava espionando alguns dos convidados, para saber se tinha algum alfa bonitinho do qual eu poderia flertar, e então...

- Então...!? - Instigou Taehyung.

- E-eu acho que vi Kim Namjoon.

- Tem certeza disso, Jinnie?

- Bom, não estou louco. Tenho quase certeza de que o vi, sim. Mas também não descarto a possibilidade de ter sido apenas um mal entendido. Sabes bem como o mago não anda em lugares públicos, por que iria vir até o Norte? Ainda mais sendo uma festa tão importante assim, não acho que faria isso.

- Isso está muito estranho. - Divagou Taehyung, dando as costas aos outros dois ômegas, andando pelo local, enquanto parecia maquinar algo em sua mente.

- Esse tal de Kim Namjoon é aquele mago do qual você falou para irmos atrás, não é, Jin? - Indagou Jimin.

- Ele mesmo. - Confirmou.

- Por que acham que ele é tão perigoso?

- É uma longa história, na verdade. - Respondeu Taehyung, virando-se para os dois. - Desde quando éramos crianças ouvíamos os rumores sobre Kim Namjoon.

- Ele tem algum tipo de parentesco com vocês? Sabe, por causa do sobrenome...

- Não, não. Apesar de não sermos nobres, o sobrenome Kim é nortista, e somos os únicos por aqui. Até hoje não sabemos ao certo porque ele também se chama assim, no mínimo curioso.

- De fato. - Divagou Jimin, também emergindo em pensamentos profundos. - Por que... Por que queriam ir atrás dele, então? Se é tão perigoso assim.

- Nós não sabemos se é realmente perigoso. Os rumores correm soltos por todo reino, mas ninguém, de fato, sabe sobre Kim Namjoon. Por isso sempre dizem que é melhor manter-se afastado. - Explicou Seokjin. - Sugeri que fôssemos até ele para sabermos mais sobre você, Jimin, mas pensando bem, se ele realmente fosse um mago e encontrássemos com ele, teríamos essa confirmação de uma vez por todas.

- Não sei, Jinnie... É arriscado. - Completou Taehyung.

- Teríamos Jungkook ao nosso lado, ele nunca perde uma batalha.

- Não acho que Jungkook iria se dispor a ir nessa ''aventura'' somente por causa de Jimin.

- O que há tanto para saber sobre mim? - Perguntou o ruivo.

Os dois mantiveram-se num silêncio que incomodou o Park.

- O que as pessoas falam sobre os beijados pelo fogo, Jimin, é que eles são bruxos. Especula-se isso há mais de cem anos. Porém hoje em dia as coisas estão melhores. Antigamente eram queimados em fogueiras em praças públicas.

Jimin ligou os pontinhos em sua cabeça, e tudo levava a crer que Taehyung estava falando sobre a idade média, período em que ruivos foram queimados vivos, num ato de covardia e crueldade, somente por causa de uma crença popular que os rotulava como bruxos.

Felizmente o Park não tinha voltado tanto no tempo assim, senão estaria completamente perdido. Não seria capaz de sobreviver um dia sequer, com toda a sociedade querendo caçá-lo. Imagine ser ômega, ruivo, na idade média. Céus!

A músico de fundo ia parando aos poucos, enquanto que os ômegas que apresentavam-se no andar inferior terminavam de executar os últimos passos da coreografia.

- Conversaremos mais sobre isso num outro momento. - Falou Jimin. - Vamos fazer o nosso melhor, meninos.

E então, quando todos os ômegas saíram pelas laterais do salão, uma nova música começou a soar, e os três desciam as escadas lentamente, preparando-se para fechar o ciclo de iniciação do baile.

Seokjin ia na frente, seguido de Jimin ao meio, e Taehyung logo atrás. Os três andavam tão delicadamente que todos os olhares foram atraídos para si, em segundos. Chamavam atenção, ora.

Os irmãos Kim estavam vestidos completamente de preto, enquanto Jimin estava de vermelho, para contrastar.

Ao chegarem ao centro do salão, os três posicionaram-se lado a lado. O Park deu uma última olhada para Taehyung, lhe transmitindo segurança. Então começaram a mover-se num ritmo lento, preciso, executando movimentos leves e delicados.

Todos olhavam para os três ômegas ao centro, mas uma pessoa em específico estava completamente hipnotizado pelo ruivo.

No topo do altar, Jungkook não conseguia desgrudar seus olhos de Jimin, que parecia ser tão gracioso, que somente serviu para instigar ainda mais os pensamentos do lúpus. Ele era lindo e diferente. Suas madeixas ruivas mexiam-se rebeldemente, enquanto alguns fios ficavam grudados na testa, dando um ar ainda mais sexy para o pequeno. Seu corpo requebrava tanto, e era tão flexível, e seu cheiro deveria estar uma delícia.

O alfa estava atravessando uma linha tênue entre agarrar aquele ômegazinho de jeito, e manter sua compostura de alfa sério e disciplinado. Mas tudo naquele ruivinho mexia consigo. Seu jeito de andar, sua aparência, seus cabelos e, até mesmo seu jeito atrevido de respondê-lo. O futuro rei gostava disso muito mais do que queria admitir.

O Park agora dançava sozinho, ao centro. Deitou-se ao chão, contorcendo-se e executando os últimos passos da coreografia, e ao levantar-se, começou uma série de piruetas e pulos no ar. Era tão gracioso e belo como um cisne, mas era melhor, com essa roupa toda vermelha como sangue e seus cabelos ruivos como fogo. Então, num último movimento, findou a apresentação, parando de frente ao altar, olhando diretamente para o lúpus. Ofegava bastante, pelo esforço, e não desviava o olhar por nada.

Poderia ter ficado ali por mais algum tempo, mas palmas tão altas começaram a rondar sua audição, que acabou desviando sua atenção do alfa para todos os convidados ali presentes. Jimin não conseguiu se conter, e abriu um sorriso enorme, curvando-se levemente em forma de agradecimento. Logo tratou de andar para a lateral do salão, encontrando os outros ômegas.

- Pelos deuses, Jiminie, você foi incrível! - Falou Seokjin animado, o puxando para um abraço, o qual fora prontamente correspondido.

- Uh, obrigado amigo. - Disse feliz. - Mas eu acho que Taehyung foi mais, vocês não acham pessoal? - Perguntou alto, para os outros criados que observavam a cena.

Pouco a pouco alguns ômegas da multidão iam concordando, e o Kim mais novo abriu um lindo sorriso. Era como se as pessoas tivessem esquecido sobre a imagem de Taehyung, e o viam como uma pessoa normal, e não uma aberração. Sentiu-se tão bem, e tudo isso graças a Jimin.

Agora, acreditava um pouco mais em si mesmo. Poderia um dia ser um grande guerreiro, e no outro, ser um lindo ômega que dança suavemente, e mesmo assim, não perder sua delicadeza, poderia ser belo.

- Obrigado, Jiminie. - Disse, o abraçando apertado. - Você me desculpa?

- Pelo que, TaeTae?

- Sinto que fui cruel demais desde que chegou, estou tão envergonhado. O julguei mal.

- Você já pediu desculpas, Taehyung.

- Não custa nada pedir de novo. - Dizia, enquanto ainda estavam abraçados. Por um momento Jimin quis chorar, porque o acastanhado era uma pessoa tão boa, o que o atormentava era o ambiente em que se encontrava. Mas também sentia-se melancólico, nostálgico, e paradoxalmente, muito feliz. Era um sabor agridoce. Sentia-se bem pelas companhias que tinha consigo agora, mas sentia tanta falta de sua casa, que o deixava atormentado. Então deixou escapulir algumas poucas lágrimas. - Está chorando, Jiminie?

- Não é que... Sabe, meus sentimentos me confundem, estou feliz por estar aqui com vocês, mas sinto tanta falta da minha casinha, e da minha mãe.

- Oh, compreendo. - Taehyung colocou as mãos nos ombros de Jimin. - Imagino que deve ser muito difícil para si, mas, enquanto estiver aqui, terá a mim e Seokjin. - Falou, puxando o irmão, e os dois deram um abraço de urso no Park.

Desfizeram o abraço, e alguns dos ômegas que estavam ali começaram a elogiar Jimin, e agradeceram pela paciência que tivera com eles durante esse um mês. De certa forma, isso havia beneficiado o ruivo, assim como aconteceu com Taehyung. As pessoas confiavam mais em si, e viam que ele não representava perigo algum.

Em meio a conversas jogadas fora, Jimin nem percebeu quando alguém aproximou-se de si, somente quando vira que os ômegas com quem estava conversando, curvaram-se levemente para a pessoa atrás de si, e quando virou, ali estava a rainha.

- Criado Park, fizera um ótimo trabalho. - Ditou curta.

- Obrigado senhora, foi uma honra. - Respondeu, e ela sorriu sem mostrar os dentes.

- Muito bem, podem aproveitar a festa a partir de agora. Estarão em descanso até amanhã antes do almoço, então aproveitem. - Retirou-se do local, indo de encontro ao rei, e o filho que ainda estavam no altar.

- Por essa eu não esperava. - Comentou Seokjin. - Eu vou dançar com algum alfa bonito, vejo vocês por aí. - E saiu.

- Quer ir dar uma volta, Tae?

- Pode ser.

Então os dois saíram caminhando e conversando pelo salão. Jimin estava admirado com tudo, obviamente. Era bem diferente das festas que aconteciam em seu tempo, aquilo se parecia mais com uma festa de quinze anos de uma debutante, só que bem mais careta e formal. A única coisa boa daquilo tudo, era a roupa deslumbrante que o Park vestia, estava sentindo-se muito belo, e sua mente precisava disso, depois de dias sendo tratado como um capacho.

Conversavam sobre os convidados, e Taehyung ia explicando um pouco mais de como funcionava o reino, quem eram os nobres e quais famílias dominavam a região.

- Está atraindo muitos olhares, hein. - Comentou Taehyung.

- Você também, querido. - Disse Jimin brincalhão, aplicando no outro um aperto leve em sua barriga, numa zona que fazia o Kim sentir cócegas. - Eles estão olhando por causa do meu cabelo, devem estar com medo.

- Não sei, acho que o acharam muito bonito.

- Pouco provável.

Sentiu seu corpo esbarrar em alguém e já estava pedindo milhões de desculpas para quem quer que fosse. Quando seu olhar subiu, notou ser um homem baixinho, de cabelos negros e lisos, assim como os de Jungkook. Pelo cheiro, podia constatar que era um alfa, porém, era bem baixinho para a sua classe, apesar de ainda ser mais alto que Jimin, algo que não era difícil de acontecer.

- M-me desculpe, não tive a intenção. - Ditou o ruivo, enquanto Taehyung apenas olhava surpreso, e com uma leve vontade de rir do desastre do amigo.

- Tudo bem, não há problema algum. - Ele respondeu sorrindo, mostrando suas gengivas fofinhas e os olhinhos puxados. Poxa, ele era um alfa bem fofo. - Pude notar que se destacou muito na dança esta noite, deixo aqui minha sincera admiração.

- Muito obrigado, senhor. - Falava Jimin educadamente, e dessa vez, o irmão Kim revirava os olhos, conhecia bem a peça.

- Já está tentando cortejá-lo, Yoongi? - Indagou, cruzando os braços e rindo sarcástico. Conhecia o outro desde que eram crianças, assim como Jungkook, a diferença é que Yoongi partira muito cedo para o Sul, onde assumiria suas obrigações por lá.

- Oh, não o tinha visto aí, Kim. - Virou-se levemente, para ficar de frente para o outro. - Você cresceu muito. - Abriu um sorriso gengival. - Devo dizer que me surpreendi contigo dançando, não é algo que eu esperaria ver nem se o mundo estivesse acabando.

- Pois acostume-se porque irei dançar a noite inteira! - Falou num tom irritadiço, saindo de perto dos dois, se perdendo na multidão.

- O que deu nele? - Perguntou Jimin, para ninguém em particular.

- Ele me odeia desde criança, é normal esse tipo de situação. - Comentou rindo mais ainda.

- Então cresceram juntos?

- Sim. Eu, Taehyung, Seokjin e Jungkook.

- Oh, crescera com Jeon também...

- Sim. - Falou observando o serzinho a sua frente, com lindos cabelos ruivos. Era um rosto completamente novo para si, nunca ouvira falar do outro. - Afinal, quem é você?

- Me chamo Park Jimin, sou... Um criado aqui do castelo. - Murchou ao dizer. Não poderia revelar seu segredo para qualquer um, só poucas pessoas sabiam no castelo. Também não poderia falar sobre a sua vida normal, e isso era frustrante, pois agora essa era a sua vida, e só tinham se passado alguns dias desde que chegara e o ruivo passou de Park Jimin para um mero criado comum do castelo, sem um passado e uma história interessante. Era um ninguém.

- Oh, mesmo? Que surpresa. Sou Min Yoongi, rei do Sul, é um prazer imenso ter a companhia de um ômega tão belo.

- O prazer é meu, senhor. - Jimin não se faria de rogado, o tal Min era muito bonito e não deixaria de flertar com ele, afinal, estava solteiro, e não morto.

- Seu cabelo é natural dessa cor? É um belíssimo punhado de madeixas que tem aqui. - Disse enquanto entrelaçava os dedos no cabelo de Jimin, este que aproveitou o carinho.

Antes que pudesse responder, sentiu a mão de Min Yoongi ser retirada de sua cabeça com força, e logo uma figura alta se prostrou ao seu lado, olhando para o rei do sul.

- Tire suas mãos nervosinhas do meu criado, Yoongi. - Falou com aquela voz rouca, e o Park reconheceu que era Jungkook.

- Ora, Jungkook, sempre um doce de pessoa. Há quanto tempo, não? Não vai ao Sul há anos...

- Não há nada que me interesse por lá.

- Nem eu, um grande amigo seu? Estou magoado, devo admitir. - Fez um drama, apertando os olhos e colocando uma mão na altura de seu coração, arrancado uma risadinha do ruivo, e um olhar furioso de Jungkook. - Por que está tão tenso? É seu aniversário, aproveite a festa, vá dançar com algum ômega, porque é exatamente isso que farei. - Disse, abrindo um sorriso diabólico. - Gostaria de me acompanhar, Jimin?

- Eu... - Em reflexo, olhou para o lúpus, que estampava em seu rosto o quanto odiaria que isso acontecesse. - Claro, vamos dançar.

- Ruivinho... - Sussurrou para somente Park escutar, mas ele fingiu-se de surdo e saiu as pressas junto à Yoongi. 

O Min guia o ômega até o meio do salão, ficando na área onde os convidados poderiam dançar livremente sem esbarrarem nas mesas, e então os dois começam a rodopiar no ritmo da música.

Yoongi passa uma de suas mãos pela cintura de Jimin, enquanto o outro descansa seu braço no pescoço do alfa, e assim, alguns dos olhares do local começam a se voltar para os dois ao centro. Certamente, o cabelo do ruivo chamava muita atenção, ainda mais se estivesse dançando junto ao rei do Sul.

Porém alguém estava detestando toda a situação. De longe, o lúpus observava os dois rodopiando, enquanto seu lobo se remoía dentro de si, louco para ir até lá acabar com essa palhaçada.

- Há quanto tempo, Jungkook-ssi. - Sussurrou uma voz feminina, atrás de Jeon, que despertou-o de seus pensamentos. Ao virar-se, deparou-se com Min Sung Ryung, madrasta de Yoongi. - Quem é aquele que tanto observa daqui de longe? Está dançando junto à Yoongi...

- Senhora Min. - Cumprimentou. - É apenas um de meus criados, ninguém em especial.

- Um criado, uh... Não acha que ele está muito... Solto?

Jungkook parou para pensar sobre o que a mulher dissera, e de fato, Jimin estava se soltando demais, e ainda o contrariou e foi dançar com o Min. Teria uma conversa com o outro depois que a festa acabasse.

- Decerto - Apenas concordou, sem muita emoção. Não estava interessado em qualquer conversa que a outra tinha a oferecer, mas em respeito, fingiria escutar-lhe.

- É uma bela festa essa que está fazendo, deve estar feliz com tudo isso.

- Sim.

- É um homem de poucas palavras, Jungkook-ssi, sempre notei. - Ela falou, dando uma risadinha, e logo inserindo mais um milhão de assuntos dos quais o lúpus não se interessava minimamente.

Só não findava aquela conversa ali mesmo, porque afinal, ela era uma figura muito respeitada em todo o reino, e seu pai o mataria se soubesse que fora rude com alguém tão importante, então tentou fazer um pouco mais de esforço para aguentar a mulher tagarelando, mas no final, nem precisou disso tudo, pois foram interrompidos. De uma forma não tão boa.

De repente, todo o salão ficou escuro, como se uma espécie de cortina de fumaça preta tivesse se infestado por todo o recinto. Estava tudo tão embaçado, que a visão de todos os convidados fora comprometida, mas ainda era possível escutar os gritos de alguns.

- Mas o que é isto!? - Alguém gritou. - Roubaram minhas jóias!

E então uma histeria coletiva se instalou, e mais exclamações como aquela estavam sendo ouvidas. Até que, pouco a pouco, a fumaça fora se dissipando.

Jimin e Yoongi checavam se estavam bem, enquanto Taehyung rapidamente foi ao encontro dos dois. Seokjin também surgiu da multidão, aproximando-se. Jungkook apenas franzia o cenho em confusão com o acontecimento, sem ligar para as reclamações histéricas de Min Sung Ryung, que dizia ter tido seu colar furtado.

- O que está acontecendo, Tae? - Perguntou Jimin, ao longe.

- Eu realmente não sei. Não faço ideia.

Enquanto as pessoas continuavam olhando umas paras as outras, em busca de detectar que pertences seus foram roubados, Min Sung Ryung aproximou-se aos poucos de onde os três estavam e berrou.

- Foi você, não foi? - Disse, apontando para Jimin, que esbugalhou os olhos.

- Fui eu o que, senhora?

- Ora, foi você que fez essa bagunça toda! Beijado pelo fogo, deve ter usado um feitiço para nos distrair e então roubar todas as joias dos convidados. Ladrão!

- O que... Eu não, não fiz nada... Eu...

- Quem mais poderia ter feito? Admita ômega nojento!

Jimin começou a se desesperar com as acusações daquela mulher que nunca havia visto em sua vida. Como areia se esvaindo de suas mãos, o Park via ali a sua pequena "reputação" se acabar tão rápido como começou. Agora todos do salão o olhavam com olhos inquisitivos e até raivosos, por acreditarem na fala da madrasta de Min.

- Eu juro, eu...

Antes que pudesse terminar suas explicações, um som de trompete fora ouvido, muito alto, fazendo com que todas as atenções se voltassem para o altar, onde o rei e a rainha estavam amordaçados, presos nos tronos onde sentavam-se. Os dois se debatiam a todo custo, tentando se livrar das amarras. Também balbuciavam desesperados, mas nada podia ser entendido, pois suas bocas estavam ocupadas com um pedaço de tecido, impossibilitando a fala.

E então, um homem pendurado numa corda, pousou no trono do meio, onde Jungkook estava sentado antes.

Ele era magro, estatura alta, e roupas completamente verde musgo. Os cabelos lisos e loiros balançavam, enquanto ele fazia as manobras e aterrissava no assento.

Ergueu seu olhar para a multidão e abriu um sorriso em formato de coração tão lindo, que até alguns convidados poderiam esquecer o que estava acontecendo para venerar aquele homem tão lindo.

- Senhores, não foi o beijado pelo fogo quem lhes roubou. - Disse, enquanto seu sorriso aumentava de tamanho, e ele descia do trono, para se apoiar na sacada que o dava uma belíssima visão dos convidados com os rostos erguidos para poderem vê-lo. - Fui eu. - E então gargalhou, erguendo dos dedos fazendo um sinal de ''V''.

Todos o olhavam minuciosamente, surpresos com a afirmação.

- Quem é você? - Jungkook tomou a frente, caminhando entre a multidão para se aproximar mais do outro, embora estivessem em andares diferentes.

- Senhor Jeon e demais senhores e senhoras presentes neste castelo. - Largou o trompete no chão, logo em seguida ajeitando um pouco de suas roupas amarrotadas. - É um prazer conhecê-los. Sou Robin Hood.

- Robin Hood já morreu a séculos, seu insolente. Exijo que fale seu nome imediatamente! - O lúpus cuspiu as palavras, sentindo a raiva começar a se alastrar por seu corpo. Quem ousava interromper sua festa de aniversário daquela forma, e ainda roubara os pertences dos convidados? Não o deixaria sair ileso.

- Sim, sou um admirador dele, e por enquanto, não saberão meu nome. Só lhes digo que assim como ele, também confisquei suas joias caras, e usarei para um bem maior. - Disse, enquanto sacava um arco que estava preso em suas costas. - Aliás, vocês reis deveriam saber governar melhor seu povo, pois parece que são apenas homens ricos preocupados com a própria grandeza. - Falava encarando o rei do Norte agora, depois direcionou o olhar para Yoongi. - Incompetentes e supérfluos, esse é só o começo do que está por vir. Diante mão já aviso que posso aparecer a qualquer momento, então sugiro que escondam bem seus pertences mais caros. - Sorriu faceiro. - Adeus! - Cantarolou a última parte.

E então, atirou com seu arco em direção a uma janela, quebrando o vidro, depois atirou novamente para firmar uma flecha pelo lado de fora, fazendo com que sua fuga fosse ainda mais espetacular, pois pulara em direção ao ''precipício'' e saiu correndo noite a fora, antes mesmo que Jungkook pudesse tentar impedi-lo, algo que realmente feriu o ego do lúpus. Era inadmissível deixá-lo fugir tão facilmente.

Atordoados, os burburinhos entre os convidados começaram a tomar conta do salão, e rapidamente todos iam se dispersando e indo embora. Não ficariam por ali mais nenhum minuto. 

- Nossa, o que rolou? - Jimin falou para ninguém em específico. - Quem era esse aí?

- Não faço ideia, Jiminie, nunca o vi em toda a minha vida. - Respondera Taehyung. - E você, Yoongi?

- Também não faço ideia. - Falou. - Mas seja lá quem for este sujeito, conseguiu deixar Jungkook bastante irritado, é possível sentir seu cheiro mais forte daqui. - Apontou com o queixo para o lúpus, que tinha se distanciado um bocado e subiu até onde os pais estavam amordaçados, tratando de soltá-los.

- Isto é um ultraje! - Comentou o rei, somente para que o filho e a Rainha Jeon escutassem. - Quem diabos aquele filho de rameira pensa que é? Cax! - Gritou pelo chefe da guarda do castelo, que aproximou-se rapidamente, como se sua vida dependesse disso. - Quero que descubra imediatamente quem era aquele homem!

Jungkook desamarrou as mordaças da mãe, que tentou recuperar a compostura, mas nesta altura do campeonato, todos já estavam comentando sobre o ocorrido, não tinha mais onde se esconder.

- Inferno! - Exclamou o rei. - Tratarei de descobrir quem era aquele insolente, e quando tiver seu nome em mãos, iremos executá-lo, Jungkook.

O Alfa lúpus apenas acena com a cabeça, concordando. Olhou aéreo pelo salão, que agora estava muito mais vazio. Até os criados se recolheram, apenas restando ali alguns poucos convidados, os irmãos Kim, Jimin, Yoongi e sua madrasta.

Desceu do altar junto de sua mãe e se aproximaram dos outros.

- Está tudo bem contigo, senhora Jeon? - Perguntou Taehyung, e ela afirmou com um acenar.

- Senhora Min, queira vir comigo por favor. - Puxou a madrasta de Yoongi, separando-as do grupo, a fim de conversar privadamente com a outra.

- Ainda não consegui processar tudo que aconteceu - Falou Jimin. - Meu Deus, todos devem achar que sou uma pessoa horrível agora.

- Não dê importância a isto, Jiminie. - Falou Taehyung. - Aliás, a senhora Min sempre fora muito nervosa. - Comentou baixinho, para que só o ruivo escutasse. - Sabe que o que ela disse não é verdade.

- Eu sei, mas... Não deixa de ser frustrante escutar coisas tão horríveis. Posso ser muita coisa, mas ladrão não sou. - Disse tristinho, não era de ferro afinal. - E também, as pessoas acreditam no que querem, e já tenho uma tendência a causar desconfiança nos outros. - Emburrado, cruzou os braços.

Jungkook, que estava quase cuspindo fogo pelas ventas, amoleceu um pouco seu humor, ao escutar a voz de Jimin reclamando. Ficou muito irritado por toda essa situação e seu pai mais ainda, trataria de resolver isso o quanto antes, e descobriria quem era o desgraçado que desdenhou de si.

- Ya, Jungkook. - Exclamou Yoongi. - Tem ideia de quem poderia ser? O desgraçado nem mesmo cobriu o rosto.

- Não sei, Yoon. Não sei mesmo, mas seja quem for, descobrirei o quanto antes, ele não sairá ileso disso nem que os deuses estejam ao seu lado.

- Colocarei alguns de meus homens pelas cidades grandes do reino, ele há de se esconder em algum lugar, não tem como fugir para sempre.

- Também colocarei informantes por aí. - Suspirou Jungkook, passando a mão pelas madeixas, numa forma de tentar dissipar a tensão. - Vocês foram roubados?

- Infelizmente fui. - Respondeu Yoongi.

- Eu e Jimin não temos nada valioso, então ele não nos roubou nada. - Falou Taehyung.

- Decerto. - Rebateu o lúpus. - Yoongi, fica para dormir aqui esta noite?

- Infelizmente não vou poder, Jungkook. Tenho negócios a resolver amanhã cedo, no centro do Reino, mas acho que Min Sung ficará. - Falou, ajeitando suas vestes amarrotadas, depois que o tal "Robin Hood" mexeu. - Jimin... - Sussurrou, atraindo o olhar de Jungkook.

Yoongi se distanciou um pouco do alfa, para ir de encontro até o ômega, que o olhava com olhinhos tristinhos.

- Peço desculpas em nome de minha madrasta, estou tremendamente envergonhado. - Pegou a mão do ruivo, depositando um beijinho ali.

Jungkook quase rosnara com o ato, mas controlou-se e não expressou nada. Estava achando muito estranho essa súbita aproximação. Já Taehyung não se controlou, e revirou seus olhos.

- T-tudo bem, senhor, eu...

- Pode me chamar de Yoongi, Jimin.

- Certo, Yoongi. - Sorriu.

{...}

 

- Hoseok! Por aqui! - Sussurrou uma vez entre as árvores da floresta.

- Namjoon? É você? - Respondeu.

- Sim, venha por aqui.

Então o loiro correu em direção ao matagal, encontrando o Kim ali. Estava usando uma roupa inteiramente preta, era uma espécie de manta, com capuz, para que pudesse ter seu rosto coberto e evitasse de alguém reconhecê-lo.

- Espero que a cortina de fumaça tenha sido o suficiente para conseguir roubar a todos. - Disse Namjoon.

- E foi. - Sorriu o outro. - Consegui roubar quase todos os convidados mais ricos, e ainda deu tempo de amarrar o rei e a rainha. - Tirou a bolsa que carregava em seu ombro, largando-a no chão e abrindo-a, mostrando ao Kim o tanto de joias que conseguiu pegar. - Aquele Jungkook é bem nervosinho, acho que precisamos ter um cuidado maior com ele.

- Sem dúvidas, ele é a única pessoa no reino do qual temos que ter precaução. Aliás, depois do que fez com certeza o rei quererá vingança, temos de voltar para a cidade o quanto antes. 

- Acha que virão atrás de nós?

- Sim. Se forem inteligentes, já devem estar mandando informantes por todo o reino, temos de ser mais cuidadosos. Ninguém pode chegar até nós.

{...}

 

Mais tarde, naquela mesma noite, Jimin e os irmãos Kim estavam no quarto do ruivo, fofocando sobre todos os acontecimentos do baile. No fim das contas, não aconteceram somente coisas ruins, haviam as boas também, como o fato de Seokjin tagarelar aos ventos o quanto dançara com um alfa belíssimo.

- Ele é um soldado da cidade. - Disse Jin. - Tão lindo...

Taehyung comentou que quando se afastou de perto de Jimin e Yoongi, era porque precisava relaxar um pouco a mente, comentou que o Min o levava aos extremos de suas emoções ruins, pois sempre implicou muito com o ômega acastanhado, desde sua aparência, até o seu jeito, e por isso, sempre nutriu um certo desprezo pelo alfa.

Jimin só sabia de rir dos irmãos, pois os dois juntos era risada na certa. Era engraçado a forma como Seokjin implicava com Taehyung, só para vê-lo irritado e dizer que ficava fofo assim, mas era perceptível o quanto eles se amavam, mesmo com as briguinhas de mentira.

- Amados, eu vou tomar um copo de água, volto já. - Ditou Jimin.

Saiu do quarto e nem precisou caminhar tanto até a cozinha, porque os dormitórios dos criados eram perto do recinto. Porém, na metade do caminho, acabou por se apoiar na parede do corredor escuro, pois havia sentido uma vertigem muito forte, debilitando-o por alguns segundos.

O Park puxa um pouco sua camisola do corpo, sentindo um calor repentino lhe percorrer por inteiro, e após alguns segundos, tornou a caminhar novamente para a cozinha.

Ainda atordoado, o ômega nem mesmo percebeu que havia alguém ali também, sobre a penumbra de uma das janelas. Continuou caminhando até um armário de madeira, a fim de pegar um copo, mas eles estavam tão altos que nem conseguia alcançar. Como outro ômega fora capaz de colocá-los ali em cima?

Obstinado a alcançar o objeto, o Park começou a dar pulinhos, mas de nada adiantaram, até que tentou se suspender por cima de um móvel de madeira embaixo de si, mas fora interrompido por uma mão grande, que puxou seu braço e, consequentemente, levou seu corpo para trás, que se chocou com o corpo de outra pessoa.

- O que... Me solta! - Falou um pouco alto, tentando se debater nas mãos de quem o segurava.

- Shh... Ruivinho, não precisa de escândalo. - Disse a voz rouca, perto de sua orelha, fazendo o menor arrepiar. E só pelo apelido ele já sabia que se tratava de Jungkook.

O alfa havia pegado-o de jeito, colocando uma mão na boca do ruivo, e a outra segurando-o pela cintura, para que não pudesse gritar, nem se debater.

Em resposta, Jimin lambeu a mão de Jungkook, que logo retirou de sua boca.

- Você me assustou alfa, que droga! - Respondeu, se livrando das mãos do lúpus também, com um solavanco, e virou-se ficando de frente para o outro. Porém esse foi seu erro, porque agora estava encurralado entre o móvel e Jungkook, que não parecia ter nenhuma intenção de se afastar. - O que está fazendo aqui?

- Vim beber um pouco de água. - Respondeu. - Estava deslumbrante hoje dançando daquela forma. - Falou baixinho, curvando-se um pouco, para aproximar seu rosto do outro. - Estava uma delícia.

- E-eu não tive a intenção. - Comentou, pousando as mãos no móvel atrás de si, apertando-as em tensão.

Ficar perto do alfa confundia seus sentidos e ele se sentia bastante irritado consigo mesmo por se sentir assim, mesmo sabendo o quanto o outro era um completo estúpido na maior parte do tempo.

De súbito, a vertigem voltara com força total, cegando Jimin e deixando-o atordoado, ele sentia como se fosse desmaiar, e uma febre o assolou.

- É claro que não teve, você é gostosinho naturalmente. - Sussurrou, findando a distância que ainda restava entre os corpos.

Colou-se tanto ao outro, que uma de suas pernas ficou entre as pernas do ruivo. Se se aprumasse mais um pouquinho, os membros poderiam se tocar, mas por enquanto, ainda estavam sob essa tensão.

- S-soube aproveitar a festa, d-diferente de você, que nem dançou como a rainha lhe pediu.

- Eu não danço, ruivinho. - Divagou. - E nem tive a oportunidade, aquele insolente atrapalhou tudo.

- Se não dança, como sabia o que fazer naquele dia em que estávamos no salão?

- Minha mãe sempre obrigou-me a praticar, desde criança aprendo, só não o faço publicamente, é ridículo.

- E-eu n-não acho. Muito p-pelo contrário, a-amo dançar e...

Jungkook notou o cheiro do ômega se intensificar e franziu o cenho. Estava mais forte do que nunca.

- Jimin... Você entrou no cio? - Perguntou.

- E-eu não... P-pare de perguntar isso! Eu já d-disse que meu c-cio não está p-perto!

- Então por que droga você está cheirando tão bem?

Jungkook fechou os olhos, inalando a fragrância docinha do outro, cheirava a maturação de ômega, e o estava entorpecendo aos poucos. Estava louco para avançar no outro, e faria isso, se não tivesse escutado um barulho na porta, abrindo-a.

Min Sung Ryung entrava na cozinha.

Mas o que era isso? Todos estavam com sede subitamente...

Jungkook agarrou a cintura de Jimin e levou-o para outro cômodo, dentro da cozinha, ali ficavam os mantimentos do castelo, era uma espécie de despensa.

Ninguém poderia ver o que estava acontecendo, ainda mais se fosse a madrasta de Yoongi, ela certamente daria com a língua nos dentes, e antes do amanhecer seu pai já estaria sabendo do ocorrido.

Felizmente, os esforços de Jungkook valeram a pena, e a mulher não conseguiu ver os dois, muito menos ouvi-los. O problema era o cheiro de Jimin, que estava ficando tão forte que o Jeon temia que logo, logo a mulher pudesse ser capaz de senti-lo também.

Estava num conflito. Ao mesmo tempo em que queria abafar o cheiro doce, queria avançar nele e cheira-lo até sucumbir. Era um odor tão puro e gostoso, seu lobo apreciava muito, mas trataria de tentar se controlar, pelo menos até que Min Sung saísse dali.

Só havia um problema. Jimin.

- J-jungkook. - Sussurrou.

Caralho.

Fora a coisa mais manhosa que o lúpus escutara. Lentamente se virando, Jungkook encontrou Jimin recostado em algumas sacas de arroz, levemente aberto para si, com um olhar suplicante, silenciosamente atraindo o alfa para si.

A boquinha deliciosa estava aberta, soltando lufadas de ar. Seu pijama agora parecia ser uma prisão, e Jimin tentava arrancá-lo do corpo, enquanto olhava para Jungkook.

- T-tire isso de mim... - Ofegou, puxando a vestimenta. - Por favor, alfa.

- Porra. - Era o que podia falar.

Jungkook partiu em direção ao ômega, imediatamente colocando seu rosto no pescocinho do outro, cheirando-o como podia. Jimin estava tão malditamente sexy se contorcendo e pedindo que ele tirasse sua roupa, que alfa aguentaria essas provocações?

- E-eu... Não s-sei o que está a-acontecendo comigo, alfa, m-me ajuda, por favor. - Falou, puxando o corpo másculo para si, e enroscou uma das pernas na cintura do outro, que agarrou sua coxa e a apertou.

- Gostoso... - Jungkook apertava as carnes fartas do ômega, agora lambendo o pescoço branquinho, arrancando gemidinhos e súplicas baixinhas. - Será que já está molhadinho lá embaixo?

- Oh... N-não diga essas coisas... - Apoiou a mão no peito do outro, tentando afastá-lo, mas acabou tendo o efeito contrário, ao sentir o alfa mais próximo ainda, colando as intimidades.

O lúpus observava, entorpecido, as expressões do mais baixo. Aquela boquinha deliciosa, carnuda e bem desenhada, que se abria como se fosse falar algo, mas tudo que saía eram suspiros deliciosos.

- Ah ruivinho, fique quieto. - Falou, colocando a mão novamente naquela boca, impedindo que falasse.

Em resposta, o Park mordeu sua pele gostosamente, arrancando um suspiro do lúpus, que retirou a mão, somente para pegar um punhado de fios da nuca do ruivo e puxá-lo com força, mostrando sua pele.

Jimin estava encurralado, totalmente sem saída, levemente aberto para que o corpo do alfa se encaixasse perfeitamente ao seu, enquanto tinha uma expressão de prazer no rosto, tentando provocar o alfa a todo custo.

- Se Min Sung souber o que estamos fazendo vamos ter problemas, então trate de não fazer barulho. - Ditou impaciente, semicerrando os dentes.

- D-deixa que e-escute, eu... P-preciso que m-me toque, alfa... Oh! - Grunhiu alto, sentindo uma pontada em seu baixo ventre.

Estava tão sedento, que nem conseguia raciocinar a quem estava pedindo para tocá-lo. Se estivesse lúcido, jamais deixaria aquele alfa abusado chegar perto.

Porém agora não tinha escolha, precisava se aliviar, e não se faria de rogado, imploraria ao lúpus para que satisfizesse suas vontades.

Jungkook, vendo o desespero de Jimin, estava quase cedendo aos seus pedidos, mas não poderia fazer isso, pelo menos não agora. Tentando controlar seus impulsos, o alfa segura os dois pulsos do ruivo e os coloca acima de sua cabeça, impossibilitando que ele se mexa.

- Pare de se mexer, droga. - Falou Jungkook, firmando ainda mais os apertos. - Espere alguns instantes, e então eu juro que...

Interrompeu sua fala, pois Jimin começou a roçar seu membro no do alfa, fazendo um atrito gostoso entre os corpos. Jungkook apenas fechou os olhos novamente, aproveitando o contato e gemendo em resposta. Que ômega mais atrevido!

A medida em que Jimin ia se mexendo, Jungkook ia perdendo o controle. Seu pau endurecia completamente conforme o outro o provocava. O Park continuava roçando sua intimidade no outro, e como estava muito molhado, o lúpus pôde sentir seu líquido molhando sua roupa também, entrando em contato com seu pênis tão duro.

Seu lobo rugia em aprovação, e podia sentir o lobo de Jimin inquieto também, aproveitando todas essas sensações tão boas.

- Jungkook. - Falou suplicante. - Me fode.


Notas Finais


Nossa, o que rolou KKKK

e esse final hein? Amei demais escrever esse capítulo, espero que vocês tenham gostado. O próximo vai ser ótimo, estejam prepados uahuaha

não esquece de favoritar e deixar um comentário, até o próximo 💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...