História Jardim de Sentimentos - Capítulo 1


Escrita por: e bugs-

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags A Fera, Bela, Conto De Fadas, Fluffy, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Mnhouse, Tema De Julho, Tema Do Mês
Visualizações 101
Palavras 7.125
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, LGBT, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Alô!~
AAAA eu não consigo expressar minha felicidade direito por estar participando desse projeto fantástico com pessoas tão carinhosas. Bom, espero que gostem, boa leitura.

Capítulo 1 - O Garoto de Sweater Amarela


Rosas são flores de grande simbologia.

As rosas vermelhas carregam consigo um significado muito forte

ligado ao amor e à paixão.

 

Existem diversas cores que se apoderam das rosas,

no entanto, as vermelhas são as mais chamativas e desejadas.

As rosas vermelhas simbolizam a atração ardente e a paixão sem fim entre casais.

 

Significam igualmente grande respeito e devoção pela pessoa amada;

é um sinal de muito amor e carinho.



 

Jeon Jungkook odiava ficar doente.

 

Aliás, o garoto nem tinha noção de como raios havia gente que gostava de estar tão debilitado somente para faltar à escola. Qual é o gosto de ter o nariz pingando, a febre nas alturas e o corpo recheado de calafrios? Ele realmente não entendia o interesse de ficar ranhoso, entupido e com o rosto escaldando horrores; para além de suar imenso enquanto ficava colado na cama.

 

Jeongguk odiava ficar parado.

 

Ele tinha a necessidade de se movimentar, de ser ativo fisicamente e de entreter-se. Ficar deitado em uma cama, “vegetando” e pensando na vida era tedioso demais para o moreno, ele não entendia a graça disso. O garoto fazia questão de descansar, como qualquer pessoa saudável, porém, era complicado ‘pra Jeongguk ficar doente; se sentia uma espécie de fardo, por vezes inútil. Toda essa negatividade perante adoecer era gerida pela afeição que tinha por desporto, mais especificamente: por beisebol.

 

Jungkook era o pitcher da equipe da sua escola - denominada por Tigers -, ou seja, tinha o dever de realizar os arremessos, buscando constantemente facilitar a eliminação adversária. Para além disso, o moreno também se dava lindamente no posto de center fielder, do qual era responsável por defender a porção central do outfield - área do campo. Com tamanhas funções que possuía, Jeongguk sentia-se completamente inútil ao ser obrigado a se trancar em casa para melhorar.

 

Isso mesmo, o-b-r-i-g-a-do! Porque, sejamos sinceros, qualquer um tem noção de que Jeon Jungkook jamais aceitaria ficar enfurnado no próprio quarto.

 

Por parte, fora obrigado pelo próprio treinador; Kim Namjoon, um homem de cabelos avelã e olhos aguçados contendo um sorriso acolhido por duas covinhas adoráveis, sendo este. Namjoon era um treinador exigente, pretendia que os seus jogadores transmitissem força de vontade e gana pela vitória mas, principalmente, gosto por jogar. Chegava a ser um pouco assustador quando ficava bravo; os olhos se tornavam semicerrados, lhe dando um ar felídeo, os lábios comprimiam-se e a respiração pesava nos pulmões. Kim Namjoon não gostava de ser desrespeitado, isso era um dos seus piores pesadelos, ficava possesso quando algum jogador lhe recebia com maus modos.

 

Apesar dos “pesares”, o Kim era alguém bastante compreensivo, carinhoso, acolhedor e muito manso, com isso, entendia perfeitamente quando os pirralhos puxavam demais de si mesmos; que era o caso de Jeongguk. Na verdade, Jeongguk sempre exagerava, não só nos treinos como também nas aulas, o garoto pretendia ficar sempre no topo e se orgulhar dos seus feitos. O único problema visível nesse requisito era o próprio estado físico, e até mental do Jeon, visto que este se cansava ao extremo para fazer um bom trabalho. Os dias que permanecia trancafiado no quarto em época de provas eram a prova viva do quanto o pirralho se esforçava e dava o melhor de si, jamais abandonaria uma matéria por não a entender de primeira, os objetivos que lhe marcavam a mente eram baseados em tornar a tentar mesmo que errasse; e obviamente que esse ditado era igualmente utilizado nos treinos de beisebol.

 

Jungkook se recusava a descansar, para além de ser aborrecido o atrasava em relação às suas atividades diárias, sendo assim, o moreno decidia continuar a trabalhar sem pausas, sem meios de repouso; somente com muito suor, sangue e lágrimas. No entanto, qualquer ser humano possui limites e os do Jeon se referiam à gripe que o atormentou semanas antes de um jogo importantíssimo para a equipe Tigers. Ele sequer suspeitava de ter adoecido, ‘pra Jeongguk estava tudo perfeito e exatamente igual, aliás, muito menos entendia a razão pela qual seu treinador o havia enviado para casa.

 

Bom, talvez fosse pela febre altíssima, ou pelo nariz escorrendo e constantemente fungando, também poderia ser pelo suor repentino ou esgotamento inesperado perante os poucos exercícios que eram realizados minutos antes dos treinos. Quem raios queria Jeongguk enganar? Ele estava um completo caos. Um caos de cabelos chocolates negrumes colados na testa suada, olhos turmalina inchados como duas bolotas, rosto rubro até às orelhas e nariz com o dobro do tamanho. Jungkook estava com um aspecto de morto vivo, o que, certamente, não agradava a ninguém. Então, para o melhor de todos, era preferível que o moreno permanecesse em casa enquanto se recuperava daquela maldita gripe.

 

Hm, mas algo está em falta… Ah, pois é, ainda não foi referido a suposta “outra parte” pela qual o Jeon havia sido obrigado a descansar na própria residência! Bom, essa outra causa possuía igualmente nome e sobrenome: Park Jimin, seu melhor amigo. Porém, apelidado de mochi pelo pitcher. Aliás, Park Jimin tinha bastantes apelidinhos criados por Jeongguk, como por exemplo: Jimin-ah, Jiminie, Minnie, MinMin, Min-a, Ji, entre outros. Os comuns eram remetentes ao respeito que Jeon tinha em relação à idade do melhor amigo ━ visto que era dois anos mais velho que si ━ então, vez ou outra, acabava por o chamar de hyung ou Jimin-ssi, apesar de ser muito raro.

 

Ai, ai… Park Jimin, o que falar desse garoto tão doce mas ao mesmo tempo tão arteiro? O maldito loiro obrigara Jeongguk a descansar bastante para que conseguisse se recuperar a tempo antes do jogo ━ o qual ocorreria na próxima semana. Ordenara que o moreno tomasse os devidos remédios no horário certo, assim como também mandou que este se alimentasse apropriadamente e dormisse bastante. Para confirmar que o jogador estava melhorando ━ e para não o deixar tão solitário, visto que o Park sabia o quanto Jeon detestava ficar sozinho ━, decidiu visitar o melhor amigo, trazendo consigo um saco translúcido que continha variados lanchinhos; as embalagens dos diversos doces e salgados eram perceptíveis através do mesmo devido às cores garridas e alegres, Jimin achava aquela simples observação adorável.

 

Jimin e Jungkook mantinham uma forte amizade desde o secundário, ambos se moldaram à personalidade de cada um; obtiveram conhecimento dos seus gostos e desgostos, adaptaram-se tanto aos defeitos como as qualidades um do outro, lanchavam juntos por volta do meio dia e até verificaram os horários ‘pra confirmarem se conseguiam estar juntos no intervalo. Nada seria capaz de destruir algo tão puro como aquele laço afetivo que os regia, mesmo que discutissem durante horas, dias, semanas, meses… Tudo seria capaz de se resolver. O tempo era algo precioso para ambos e qualquer desentendimento era resolvido com calma e paciência, bom, pelo menos na maior parte das vezes.

 

Quando mais pequeno, Jungkook não era muito sociável, geralmente era o garoto excluído da turma, aquele que ninguém escolhia para brincar ou fazer trabalhos, o menino que se escondia no fundo da sala ‘pra passar despercebido. Era um jovem muito sossegado, silencioso e, no entanto, bastante egoísta, assim como orgulhoso e até um pouco bruto a falar com terceiros. Como costumava ficar solitário na escola, Jeongguk trazia consigo diversos jogos ou qualquer objeto de entretenimento e isso aumentava o seu egoísmo visto que nunca os emprestava; alegava que somente tinha medo que estragassem suas coisas mas, na verdade, não queria que outras pessoas tocassem no que era seu. E o moreno permaneceu com esse mau hábito durante vários anos, o que era dele não era ‘pra se mexer e ponto final, preferia ficar sozinho do que ter amigos que o pertubassem ou que quebrassem seus materiais.

 

Por volta da sétima ou oitava série, um aluno novo fora aceito na escola que Jungkook frequentava e transferido para a mesma turma do moreno, ah, ele se recordava perfeitamente desse dia!

 

Jeongguk estava sentado em umas das carteiras no fundo da sala, perto da janela. Os passarinhos cantarolavam lá fora e cortavam o imenso céu azulão como flechas, os franzinos raios solares atingiam seus cabelos petróleo onduladinhos e iluminavam o ecrã do celular que tinha em mãos ━ o que incomodava Jungkook, pois tornava-se mais complicado de visualizar o jogo do qual se entretia. A certo momento, o moreno arregaçou as mangas da camisa branca meio amarrotada devido ao ligeiro calor e cruzou a perna ao colocar o pé direito no joelho esquerdo, obrigando-o a ajustar os jeans rasgados e vagamente largos.

 

Estava irritado, passara mais de meia hora jogando e ainda não atingira o próximo nível; ele costumava ser muito mais rápido. A bota timberland que calçava batia incessante no chão brunido da sala de aula, provocando um batuque incômodo que atraiu imediatamente a atenção do professor.

 

━ Jeon! ━ A voz abrupta fez o garoto levantar a face rapidamente tamanho o susto que tivera. Todavia, ao invés de prestar atenção no sermão que o mais velho ditava, Jungkook fora apanhado de surpresa ao reparar no garotinho que permanecia em pé perto da lousa. Certeza que era mais novo que si; sua estatura era pacata e ainda possuía um rosto de neném ━ algo extremamente adorável, pelo menos na perspetiva de Jeongguk ━, a blusa amarela que vestia tinha mangas que lhe rondavam os cotovelos e com a bainha enfiada para dentro do cós d’uns mom jeans azuis. O moreno também reparou nos all stars turquesa surrados e nas meias brancas que lhe atingiam as canelas; o menino era terrivelmente fofo.

 

E, meu Deus, Jeon não conseguia raciocinar direito com a beleza imensa que aquele anão portava; ele parecia um bonequinho de porcelana. Os olhos eram escondidos por uns óculos redondos que constantemente lhe escorregavam pelo narizinho e um sorriso angelical mantinha-se nos lábios tão vermelhos quanto uma rosa.

 

O garoto arrastou a destra pelos fios dourados, desfazendo possíveis nós de cabelo e puxando tudo ‘pra trás, o que se tornou bastante… atraente, na visão de Jeongguk.

 

━ Jeon Jungkook, você está prestando atenção no que eu estou falando?

 

━ O-O q-quê? ━ Pronunciou desorientado.

 

Gargalhadas encheram o local em poucos minutos, afinal, a distração do moreno perante o novato era mais do que óbvia. Jeongguk observou anestesiado o loiro levar uma das mãos até à boca para que escondesse igualmente o riso, na obstante, isso não irritara o moreno; na verdade, só aumentara a fofura que ele provinha. Ah, o garoto era estupidamente lindo, como raios iria o Jeon suportar aquela aparência tão doce quanto açúcar?

 

━ Por favor, me entregue seu celular, Jeongguk. Farei questão de o entregar no final da aula.

 

Obviamente que o moreno não pôde argumentar ou negar a ordem do superior, simplesmente bufou frustrado e se ergueu do assento velho e meio desconfortável da cadeira de madeira.

 

A cada passo que dava em direção ao professor, a visão do amorenado se focava cada vez mais no novato, por mais que desejasse ser discreto, Jungkook não conseguia, o loiro era demasiado bonito e interessante de analisar. Jeon queria estudar cada cantinho daquele novo ser tão belo. Teve oportunidade de constatar, quando a distância tornou-se escassa, nos encantadores olhos azuis, beirando o cinza, que o baixinho continha. Para além das poucas e claras sardas que lhe decoravam a cana do nariz.

 

Um sorriso bonito ━ como o próprio ━ moldou os lábios encarnados do de cabelos cor trigo, fazendo o mais alto engolir em seco e sentir gotículas de suor escorregarem fujonas pela testa enquanto coçava a nuca totalmente desnorteado. Meu Deus, seria ele um anjo?

 

Entregou o aparelho eletrónico ao professor de química ━ em muito contragosto ━ e tornou a encarar o mar tempestuoso que enfeitavam o par de olhos do novato, de seguida se focou na constelação que o mesmo possuía no nariz que decaía aos poucos para as bochechas, parecia um verdadeiro universo recheado de estrelas. Demorou mais tempo que o necessário para virar as costas e retornar ao seu lugar, mas isso pareceu agradar o pequeno loiro ━ que tentou novamente conter uma gargalhada toda fofinha; suas bochechas haviam ficado mais rosáceas ao esconder o riso e isso fez Jeongguk sorrir tímido pela beleza estonteante do novato.

 

Um aceno de cabeça proveio do professor, pronunciando mudo para que o baixinho continuasse com a apresentação que fora interrompida.

 

━ Olá! ━ Jeongguk tremera com apenas uma palavra. A voz era tão...tão irreal. Rebatia dócil e lenta contra as quatro paredes da sala, fugia da boca vermelha com uma calmaria peculiar e possuía um tom estupidamente manso. Ele ansiava descobrir mais curiosidades sobre o novato. ━ Eu me chamo Park Jimin e acabei de ser transferido para essa escola. É um prazer conhecer vocês!

 

Park Jimin se curvou ligeiro ━ mantendo educação perante os demais ━ e esperou que o professor indicasse um lugar para se sentar; cochichos borbulhavam entre os alunos curiosos, alguns viravam os troncos para trás e conversavam com os colegas, outros jogavam bolinhas de papel onde escreviam mensagens debochando do superior ou em relação ao novo aluno, uma ligeira confusão havia se instalado por ali. No entanto, Jeongguk predominava parado enquanto assimilava cada traço e informação sobre Park Jimin. Jeon estava surpreso. Bem, aquele loiro já era uma total surpresa desde a cabeça aos pés, talvez o moreno se habituasse de tanto se surpreender com ele.

 

Poucos minutos depois, Jimin já se dirigia para o seu lugar ━ que, infelizmente, era na outra pontinha da sala ━, e Jungkook pôde reparar na mochila violeta coberta por pins coloridos que o mais velho carregava nas costas, sentiu o coração derreter pela fofura sem fim do outro. Park Jimin era adorável. E muito bonito. Jeongguk queria o conhecer, será que ele também havia ficado curioso em relação à presença do moreno? Ele rezava para que sim, afinal, era a primeira vez que Jeon se sentia tão tentado a aproximar-se de alguém; era uma sensação nova e até meio esquisita, provocava-lhe uma ânsia que picava a boca do estômago.

 

Quando o Park contornou ligeiramente o corpinho ━ todo bem feito e delicado, vale ressaltar ━, seus olhares tornaram a se enlaçar um no outro, como se pretendessem decorar até a cor de cada um. As famosas borboletas floresceram na barriga do de cabelos escuros, criaram um rebuliço mais agravante que uma tempestade, Jungkook corou devido ao encarar singelo e muito méleo dos olhos perigosamente azuis alheios, sentiu as mãos suarem e as orelhas queimarem, decidiu desviar o olhar meio atrapalhado enquanto friccionava as palmas uma na outra.

 

Jungkook jurou escutar uma risadinha suave do outro lado, quando voltou a observar o loiro, reparou em como ele se encolhia nas próprias roupas tentando inutilmente cessar a gargalhada. As mãozinhas pequeninas escondiam sua boca e os olhos formavam duas meia luas adoráveis, em conjunto das bochechas que se tornaram cor de rosa. Jeongguk deixou um sorriso escapar, totalmente fascinado na imagem do loiro rindo contido.

 

Aquele fora o primeiro dia que Jeon viu Park Jimin. Os outros seguiam-se eufóricos e agitados; o que fora um grande choque para o mais novo, visto que não estava habituado a possuir uma rotina turbulenta; tudo isso fora provocado pelo maldito loirinho que lhe causava um tremendo alvoroço na sua cabeça. Bastava o mesmo somente passar à sua frente que Jungkook imediatamente sentia-se corar, era ridiculamente embaraçoso, sendo assim, o moreno tentava se esconder do Park o máximo que conseguia. Ficava conformado em o observar de longe. Aliás, Jeongguk constatou que ele era um verdadeiro docinho por tanto observá-lo diariamente.

 

Jimin estava sempre pronto a ajudar os colegas, mesmo que não os conhecesse direito ou ainda não tivesse feito amizade com eles. Geralmente, auxiliava em matérias dos quais os mesmos possuíam dificuldade, como por exemplo línguas ━ Park era excelente em humanas ━, explicava os exercícios com mais calmaria e paciência do que os professores, dava dicas em como realizar redações de acordo com o pedido das provas e, caso se tratasse de algum língua estrangeira, Jimin esclarecia como melhorar a pronúncia. O mais velho costumava emprestar qualquer tipo de material que fosse necessário a terceiros, se alguém estivesse triste era ele quem fazia questão de aconselhar e apoiar o colega, sempre permanecia uns minutos a mais depois da aula de educação física para ajudar o professor a organizar aparelhos e utensílios de ginástica e até ordenava os livros da biblioteca com Beth ━ a bibliotecária escolar. Fora instantâneo Jeongguk se apaixonar por Jimin.

 

Com isso, o Park acabou por se tornar um pouco popular, tinha amigos em turmas e anos diversificados, mas sempre preferia se acomodar no grupo de seus melhores amigos; que era constituído por Min Yoongi, Jung Hoseok e Kim Seokjin. Por coincidência ━ ou talvez por obra do seu imenso azar ━, Jungkook não gostava dos garotos que acompanhavam Jimin.

 

Kim Seokjin era um veterano três anos mais velho que si, era esperto, educado, prestativo, vaidoso e muito cavalheiro. Parecia um verdadeiro príncipe e os cabelos alvos somente contribuiam ainda mais para a sua essência encantadora, para além das expressões faciais tão harmônicas. Ele e o Park haviam se conhecido no horário da merenda, o baixinho estava no refeitório e acabou por tropeçar nos cordões soltos enquanto caminhava perto de onde Seokjin estava almoçando; o coitado deixou o tabuleiro que carregava com comida espatifar no chão, parecia um festival de cores em meio do piso lustroso. Jeongguk se lembrava de avistar Jimin acariciando o próprio joelho machucado e tentando retirar os resíduos de alimentos que se acumularam no queixo, aliás, o moreno estava pronto para correr até ao loirinho e o tentar ajudar com todo o seu carinho, porém, alguém fora mais rápido, alguém que Jeon passou a não gostar. Seokjin se agachara em frente a Jimin, perguntou se estava tudo bem e, de seguida, lhe limpou o rostinho com um guardanapo; ainda ofereceu sua mão direita para o erguer do chão e fez questão de pegar no tabuleiro encarnado, entregando ao dono de bochechas rubras e óculos escorregando pelo nariz.

 

A partir desse dia, Jimin passou a ficar acompanhado de Seokjin. E, bom, através dele o Park fizera novas amizades.

 

Como, por exemplo, Jung Hoseok. Outro hyung incrivelmente bonito que parecia um verdadeiro raio de sol por tanta alegria que espalhava. De cabelos ruivos, pele morena brilhosa e sorriso radiante, Hoseok continha uma animação interior que chegava a ser palpável apenas pela maneira de falar, Jeongguk percebeu que isso atraiu Jimin em poucos minutos. Hoseok simplesmente possuía uma positividade natural e ainda fazia questão de tentar alegrar o dia ruim de alguém, talvez fosse por sua bondade espontânea que tanta gente se sentia afeiçoada a ele. Para além de espalhar sorrisos em qualquer canto dos corredores, o ruivo também era bastante afetivo e carinhoso, o que resultava em abraços e muitos mimos perante os seus melhores amigos. E, apesar do Jung distribuir carinho por todos os amigos que lhe acompanhavam, Jeongguk não apreciava a maneira em como o ruivo abraçava exageradamente Jimin, ou quando lhe fazia algum cafuné nos curtinhos cabelos dourados, ou quando brincava com os dedinhos pequenos e gordinhos dele durante as aulas de música enquanto escutavam o prodígio Min Yoongi tocar piano.

 

Por falar em Min Yoongi; Jungkook o odiava. O garoto de cabelos negros e pele leitosa era, deveras, o membro do grupo que mais esgotava a paciência de Jeon e quem mais fazia seus ciúmes irem às alturas. Jeongguk sabia o quão pouco afetuoso e carinhoso Yoongi era, o mesmo alegava sequer gostar de afeto em excesso, no entanto parecia querer depositar toda a sua ternura para o anão de jardim loirinho, um pouco irônico, não? Yoongi cantarolava músicas românticas para Jimin, era habitual o mesmo entrelaçar as mãos e lhe sussurrar cantado alguma frase bonita o suficiente ‘pra fazer o Park sorrir tímido e atrapalhado. Depois, seguiam-se os abraços; Min Yoongi gostava de abraçar Jimin e se enterrar em suas t-shirts coloridas, e quando o inverno chegou, esse hábito “piorara”, visto que o moreno baixinho colava o corpo no do loiro para poder se aquecer. Jeongguk odiava assistir o veterano tocar piano enquanto encarava Jimin com uma intensidade grotesca, ou quando escondia o rosto envergonhado na curva do pescoço dele por cada elogio aleatório que o Park lhe dedicava, ou até quando o analisava apaixonado em meio das aulas. Sinceramente, Jeongguk detestava tudo o que Yoongi fazia com Jimin, sem tirar nem pôr.

 

Com a chegada do tempo frio, Jungkook teve a oportunidade ━ ou, como ele gostava de dizer, o milagre ━ de conhecer Park Jimin, o menino bonito do outro canto da sala do qual possuía, não uma queda, mas sim um penhasco de sentimentos; um jardim imenso de sentimentos.

 

Era uma manhã escura de segunda-feira chuvosa e repleta de ventania, a temperatura glacial obrigava aos cidadãos a se afundarem em moletons, casacos grossos, gorrinhos e luvas. Algumas partículas de neve encontravam-se em cantos não específicos da cidade, as gotas de orvalho congelavam nas folhas das plantas e tanto os narizes como as bocas da população predominavam vermelhinhos. Jungkook percorria o habitual caminho que lhe daria à escola, o cimento estava molhado e recheado de poças, uma carranca pesava-lhe a face e as mãos geladas ━ com as pontinhas dos dedos avermelhadas ━ se escondiam nos bolsos do casaco camurça números maiores que si, assim como os fios marrons ligeiramente enrolados ━ que eram cobertos pelo grande capuz. As botas timberland surradas faziam gotas d’água respingar e um chapinhar chato surgir.

 

O moreno estava terrivelmente desanimado para ir à escola, nem mesmo a presença do Park seria capaz de o animar ━ pelo menos era o que suponha. Ficara acordado até à uma da manhã jogando video game e se esquecera de fazer as tarefas de matemática, apesar de ser uma disciplina que gostava e julgava ser um pouco fácil. Então, como ainda estava ensonado e irritado por tanto frio, Jeon apenas desejava acabar logo as aulas e ir ‘pra casa se enrolar em imensos cobertores.

 

Enquanto resmungava mentalmente de tudo o que fosse possível, uma correria encharcada soa à sua esquerda, assim como um vulto ou uma espécie de borrão. Água molhara a borda das calças denim escuras que o Jeon vestia quando aquela maldita pessoa apressada pisara em uma poça, o que só fez piorar seu humor matinal. “A fera” retirou um dos fones que ocupavam seus ouvidos e desacelerou os passos.

 

━ TENHA CUIDADO, PORRA!

 

O berro assustou tanto o outro indivíduo que o mesmo acabou por dar um saltinho e tropeçar desengonçado, caindo todo atrapalhado no chão húmido e protegendo aflito o rosto com os braços. Quando este se colocou de joelhos para ajeitar a mochila, Jungkook sentiu o coração falhar quase três batidas.

 

A mochila violeta… Os cabelos loirinhos… A estatura pequenina… Ah, não!

 

Bom trabalho e um “parabéns” para Jeon Jungkook: o garoto que fizera seu crush, vulgo o menino mais doce do universo, quase bater de cara no cimento molhado. Ele só queria enterrar-se porque, sinceramente, morto ele já estava. Mas antes mesmo de gritar um mísero “perdão” em puro pânico, o moreno correu desajeitado até à bolinha encolhida e trémula em busca de ajudar e se desculpar.

 

Os passos pesados fizeram Jimin ter outro susto, porém, ao invés de encontrar um adolescente rebelde, entroncado, recheado de piercings e tatuagens à sua frente, fora recebido por um garoto de bochechas escarlates e olhos que mais pareciam duas bolotas de tão arregalados. A respiração ofegante fazia uma sutil fumaça de vapor dançar ‘pra fora da boca entreaberta que possuía uma nuance punicea devido ao enorme frio, as mãos grandes e tremendamente gélidas agarraram as suas com rapidez e as acolheram em preocupação.

 

━ Meu Deus, Jimin hyung, me desculpa! ━ Exclamou extremamente alarmado, as sobrancelhas grossas se arquearam ao serem franzidas e umas leves ruguinhas se aglomeraram na testa. ━ Eu não sabia que você iria se assustar tanto ao ponto de cair, me perdoe.

 

━ C-...Como você s-sabe o meu nome? ━ Gaguejou o Park ainda atordoado com o rosto todo vermelhinho.

 

━ A-Ah...B-Bom...e-e-eu… ━ E pronto, agora estavam os dois vermelhos de vergonha e mal pronunciando uma sequer palavra.

 

━ Eu peço desculpa. ━ Interrompeu Jimin prontamente. ━ Eu não sei se te incomodei, se te assustei ou se sua roupa ficou suja por correr tão perto de você, mas peço desculpa.

 

━ N-Não, espere, não é preciso pedir desculpa! Eu que soltei um berro do nada e te fiz cair, perdão.

 

Jimin soltou uma risadinha, risadinha essa que fez Jeon sentir quase um zoológico inteiro no estômago.

 

━ Está tudo bem, eu costumo ser bastante desastrado também, não se preocupa.

 

━ Está tudo bem mesmo? Não se machucou? ━ E depois das duas últimas perguntas aflitas, Jungkook passou a analisar as mãozinhas incrivelmente fofas do menor, girando-as entre seus dedos à busca de alguma ferida; Jeongguk lhe ajeitou igualmente os óculos no nariz.

 

Park ficou envolto na maneira cuidadosa e meticulosa em como o mais alto lhe estudava preocupado, como se ele fosse feito de porcelana ou tivesse ocorrido algo de muitíssimo grave consigo. Era até engraçado mas, especialmente, muito fofo. Jimin entrelaçou as mãos nas dele e sorriu amistoso, tentando esconder a vergonha sentida, afinal, ele tinha o costume de observar Jeongguk em quase todas as disciplinas; o achava muito bonito e a vontade de conhecê-lo era muito grande, todavia tinha medo que o outro não quisesse falar consigo. Ele estava sempre sozinho, somente acompanhado do celular, dos fones e de algum jogo portátil, também parecia um pouco difícil de engatar uma conversa com ele pois era meio rude ao responder. Jimin percebeu ao longo dos dias o quão orgulhoso e possessivo Jungkook era perante ao que lhe pertencia, visto que era impossível o fazer emprestar algo.

 

Jimin tinha receio de ser rejeitado após invadir o espaço pessoal do moreno, desde que fora transferido para aquela escola gostava de ficar olhando sutilmente Jeongguk quando este estava distraído. Era tão bonitinha a maneira que ele ficava concentrado nas matérias que eram de seu gosto particular ━ o loiro até fizera questão de saber as disciplinas que mais lhe entretinham ━, Jimin apreciava igualmente sair sorrateiro no meio do refeitório, alegando aos amigos que iria ao banheiro, para observar o garoto sentado embaixo da sombra de uma árvore, de olhos cerrados e face completamente serena enquanto escutava uma música qualquer nos fones. Isso acontecia mais no verão, Jimin descobrira que Jeongguk até que gostava de ficar um pouco ao ar livre, sentindo a brisa calorosa roçar nos braços descobertos pelas típicas blusas pretas, por vezes desenhava ou tirava fotos amadoras da paisagem à sua frente. Mas Jimin não passava disso, mesmo que fosse bastante extrovertido, nunca teve coragem de se aproximar dele, o medo por acabar sendo desprezado dominava a vontade de começar uma possível amizade.

 

Se bem que Jeongguk não parecia um monstro carrancudo naquele momento; enquanto estava agachado à sua frente, de calças húmidas na bainha e de face corada.

 

━ Sim, está mesmo tudo bem. ━ Com a dada confirmação, um fraco sorriso aliviado surgiu nos lábios vermelhinhos do maior, Jimin teve de se recuperar durante alguns segundos após obter a chance de visualizar os já conhecidos dentinhos frontais avantajados de Jeongguk, eram simplesmente adoráveis. O Park até pensara em lhe apelidar de coelhinho cada vez que tinha a rara sorte de ver o sorriso aberto do moreno. ━ O-Obrigado pela p-preocupação.

 

Jungkook pensou que o loiro devia estar morrendo de frio devido ao fato de não parar de gaguejar, mal conseguia pronunciar uma frase decente, o que obviamente preocupou o mais novo ━ pobre e ingênuo Jeon Jungkook que não entendia os sentimentos recíprocos. Sendo assim, ajudou Jimin a erguer-se e retirou o casacão que vestia para depositá-lo em cima dos ombros finos do menor; Jimin o encarou em confusão ━ e com as bochechinhas coradas.

 

━ Você deve estar com frio. ━ Comentou ao olhar para baixo e chutando uma pedrinha do chão, ainda tímido. ━ Fique com ele até chegarmos na escola.

 

━ Está bom...Obrigado, de novo!

 

Lado a lado, começaram a caminhar devagarinho, os olhares permaneciam no solo, os rostos rubros e as cabeças baixas; apesar da distância entres os corpos ser mínima. Jimin vestiu as mangas do casaco, percebendo o quão grande ficava em si, suas mãos foram completamente cobertas e os ombros quase ficavam descobertos pela vestimenta ser pesada e demasiado larga. Arregaçou as mangas ━ com certo custo ━ e pegou no capuz, colocando-o nos cabelos e cobrindo uma boa parte da testa. Jimin parecia se afundar naquela peça de roupa. Se concentrou ‘pra desvendar e decorar o aroma que ali se instalava ━ o qual descobriu ser uma espécie de perfume de cereja ━ e quase soltou uma gargalhada pelo doce odor não se encaixar com a personalidade distante e bruta do moreno.

 

O caminho foi percorrido com calmaria e lentidão, nenhum dos dois se comunicava por pura vergonha, apenas observavam a paisagem ao redor ‘pra se distraírem; as folhas da estação anterior permaneciam caídas e úmidas no chão devido a inúmeros dias de chuva violenta, o cheiro de grama molhada apoderava-se de seus olfatos e o chapinhar dos sapatos nas poças servia como música ambiente. O vento impulsionava as vestes ‘pra trás e fazia corpos estremecer de frio, Jimin chegou a ficar preocupado com Jungkook, que tinha apenas um moletom cinza no tronco.

 

━ Você não está com frio? ━ Indagou o loiro o olhando de soslaio.

 

━ Não, estou bem.

 

Jimin prestou atenção em como Jeongguk retirava o outro fone do ouvido e o passou a enrolar em volta do próprio celular, pretendendo guardá-lo no bolso frontal das calças.

 

━ Você… não respondeu à minha pergunta. ━ Fora uma maneira tosca de engatar conversa, mas não custava tentar.

 

━ Hm? ━ Balbuciou confuso. ━ Oh, d-desculpe, mas eu não lembro do que perguntou.

 

O menor sorriu pela maneira atrapalhada de Jeon que, na sua visão, chegava a ser bastante fofa. Jimin gostava de como o mais alto coçava a nuca ou ficava de face coradinha e de mãos trêmulas.

 

━ Como você sabe meu nome?

 

━ Ah… Eu lembro desde que você entrou na escola, quando se apresentou à turma.

 

━ Pensei que já tivesse esquecido desde esse dia, afinal, foi há bastante tempo.

 

━ Eu...Err...Eu tenho boa memória…

 

Jimin escondeu o grande sorriso que lhe rasgava os lábios com a destra.

 

━ E como você se chama? ━ Fingiu não saber, ele tinha o pressentimento de que a desculpa “ter boa memória” não iria ser convincente o suficiente.

 

━ Jeon Jungkook.

 

━ É um prazer te conhecer, Jungkookie!

 

Jungkook não soube ao certo o que sentir depois de escutar o novo apelido, mas sabia que gostara. Nunca pensou que iria apreciar tanto alguém lhe relacionar com um nome diferente, no entanto, Jimin fazia tudo ser diferente. Jungkookie soava bem, porém, somente na boca do Park; o tom de voz daquele anãozinho encaixava perfeitamente no novo apelido oferecido a Jeon.

 

━ O prazer é meu, Jimin-hyung…

 

━ Hyung? Ah, então quer dizer que eu sou mais velho que você? ━ Comentou fingindo surpresa. ━ Nossa, mas você é tão alto! Nunca iria suspeitar que fosse o meu dongsaeng.

 

Jeongguk sequer tentou segurar a gargalhada, afinal, sua altura não era nada de chocante, a realidade é que era bastante fácil ser mais alto que Park Jimin.

 

━ Jimin-hyung, você que é baixo demais! ━ Tornou a rir, capturando a atenção do mais velho apesar da voz roufenha. ━ Quase todo o mundo é mais alto que você.

 

━ Que absurdo, eu sou muito alto!

 

E com a última afirmação, Jeon deixou-se rir livremente e sem pausas; aquilo só podia ser uma piada. Os olhinhos se espremeram e sutis rugas afloram nos cantos dos mesmos, o nariz contraiu e as maçãs do rosto se elevaram pelo sorriso largo que rasgava os lábios vermelhinhos. Jimin praticamente estudou o maior, sorrindo encantado ao descobrir diversas pintinhas sorrateiras em vários cantos do rosto esculpido alheio, para além de se sentir tentado a acompanhar o riso do mais alto. Tão bonito, porém, tão perigoso de tocar.

 

Como uma rosa.

 

Jeon Jungkook era como uma rosa, bonita de observar, com pétalas encarnadas garridas, uma cor tão saliente que chegava a vibrar no olhar de alguém. Mas era repleto de espinhos que machucam ao tocar. E Jimin tinha medo de se machucar. Então, para que isso não acontece, para que não se magoasse a si mesmo, o loiro tentaria cortar os espinhos com o maior cuidado e cautela do mundo. Ou melhor: Jimin tentaria cortar as garras da fera que era Jeon Jungkook.

 

E foi exatamente isso que aconteceu.

 

Depois da primeira conversa que iniciaram naquela segunda-feira friorenta, o mais velho passou a convidar Jeongguk para ficar consigo e com seus amigos depois de todas as aulas, porém, o moreno sempre rejeitava, dizia que preferia ficar sozinho. Sendo assim, o Park alegava que ficaria com ele, caso não se importasse, o que pareceu uma ideia radiante para Jeon. Durante o almoço, Jimin ficava acompanhado de seu habitual grupo de amigos, recebendo constantemente sermões e acusações de que o loiro os havia abandonado, no entanto, este sempre repetia que era temporário, obviamente que os três decidiram acreditar cegamente no mais baixo.

 

Park Jimin moldou Jungkook, cuidou dele, o fez alguém melhor. Como um jardineiro que cuida de seu jardim, de seu canteiro, de suas rosas.

 

Ele acompanhava Jungkook para tudo o que era lado, de manhã ficavam escondidos nos cantos dos corredores enquanto o loirinho observava-o muito atento jogar um video game qualquer; ao entardecer, o moreno se dirigia à biblioteca para desenhar um pouco, visto que lá fora estava demasiado frio, essa era a parte favorita do dia para Jimin. O modo como as mãos grandes e de dedos finos ━ porém, calejados ━ seguravam delicadamente no lápis de ponta suave e carvão escuro, o jeito que deslizava o objeto pela folha tornando-a menos vazia e cortando aquele tom branco sem graça, a maneira como esborratava alguma linha grosseira demais na sua perspetiva… Todos estes simples aspetos cativavam a atenção do pequeno Park, o faziam se apaixonar ainda mais por Jeongguk. Ele costumava fazer esboços de flores ou plantas, afirmava que achava bonito, especialmente rosas. Não se dava ao trabalho de colorir pois receava arruinar o desenho, apesar de deixar essa mania de lado assim que Jimin passou a encorajá-lo a pintar as obras de arte que produzia; acabou por ficar satisfeito com os novos resultados.

 

Jungkook também passou a emprestar qualquer material que Jimin lhe pedisse, claro, com muita delicadeza e com um “por favor” no finalzinho. Mas, ao passar do tempo, quando o loiro se esquecia de pedir alguma coisa com a mansidão de antes, Jeongguk não se importava em emprestar na mesma, afinal, sabia que o mais velho apenas se esquecia, não era intencional. O primeiro dia que outro colega ━ sem ser o próprio Jimin ━ lhe requisitou algo emprestado, Jeon decidiu ceder ao seu egoísmo; com isso, mais pessoas lhe pediam por algo, sendo objetos ou auxílio. O moreno reparou nas consequências positivas que a humildade trazia, então, o orgulho que antes lhe atolava abandonava-o aos poucos, mesmo que fosse em passinhos de bebê.

 

Com a chegada da primavera, Jimin motivou o mais novo a conviver com outras pessoas para além de si, como, por exemplo, os seus amigos; o que, a princípio, deixou Jeongguk cheio de ciúmes. Afinal, o Park retonara a ficar acompanhado com o grupinho de antes, parecia querer deixar o moreno de parte. Porém, Jeon entendeu que o “abandono” do loiro servia como estímulo para que este não dependesse tanto de si, então, com muito esforço - e somente passado duas ou três semanas ━ reuniu coragem suficiente para tentar conversar com os seus colegas de turma. De primeira, não obteve resultados muito bons devido à sua fama de aluno arrogante, mas Jeongguk era teimoso e persistiu em dar incontáveis passos para seu próprio benefício.

 

Quando Jimin o chamava de fofo ou adorável, não sabia que mais gente concordaria com ele, todavia, bastantes pessoas ━ especialmente meninas ━ pareciam se encantar na maneira como Jeongguk tentava puxar conversa ou agia. Era um pouco desengonçado e ainda permanecia um pouco acuado, meio tímido, mas isso se foi perdendo com o tempo. Conseguiu fazer vários amigos na turma e de anos diversificados, o que lhe foi uma grande surpresa. Ao reparar nas boas reações que recebia por ser um pouco mais comunicativo, Jungkook passou a ser igualmente mais gentil e afável, o que fez terceiros entenderem que a dita “fera” possuía, na verdade, uma personalidade muito dócil.

 

Depois de poucos meses, Jungkook decidiu voltar a se relacionar com o loiro - para além de o ter deixado orgulho o bastante, estava morrendo de saudades - e com isso o moreno pôde aprender o quão demonstrar afeto e carinho era bom. Ao se reencontrarem, Jimin passou a lhe dar imensos abraços nas ocasiões mais inesperadas, para além de sorrateiros beijinhos na bochecha, na testa ou na pontinha do nariz ━ o que fazia o pobre Jeon derreter de tão quente que sua face ficava. O moreno queria retribuir, e foi o que fez, também lhe oferecia todo o amor que conseguia, mesmo que não estivesse habituado a tal coisa. Para além da ternura que passou a ser esbanjada de si, Jeongguk também foi apresentado ao confidente grupo de amigos de Jimin, mesmo que estivesse relutante quanto a isso.

 

Em pouco tempo, tornaram-se grandes amigos; algo que o loiro achara extremamente engraçado e até irónico.

 

Jimin ficara muito orgulhoso do Jeon, para além de sua maneira de agir, pensar e opinar ter mudado, ele havia começado a praticar esportes e mesmo que ainda preferisse video games, o tempo que passava ao ar livre somente aumentava, assim como a sua saúde tanto física como mental. Jungkook mudara para melhor graças a ele; ao menino baixinho de cabelos loiros e sorriso grande. Jeongguk mudara por si mesmo, porém tendo a ajuda do Park consigo. E, sinceramente, ele não optaria por outro auxílio, afinal, não era todos os dias que um anjo decidia apoiar uma temerosa fera a enfrentar seus defeitos e dificuldades.

 

Sendo assim, Jeongguk era e sempre seria eternamente agradecido a Park Jimin por o ensinar a mudar da maneira mais gentil e bonita possível; através do amor.

 

Não fora fácil, mas desafios não eram suposto ser fáceis.

 

E mesmo que, de momento, não fosse capaz de confessar seus sentimentos para o loiro, sabia que estava tudo bem. Ele sabia que Jimin não lhe abandonaria apenas por sentimentos amorosos não recíprocos, o carinho da linda amizade que tinham estava à frente disso - apesar de doer um pouquinho pensar que o anão de jardim não o amava da mesma maneira. Jimin fora um bem que curara todos os seus males e, sinceramente, Jeongguk achava que não existia agradecimento tão sincero capaz de expressar o quão sortudo ele se sentia ao ter alguém como o loirinho do seu lado.

 

As recordações e lembranças do passado se esvaíram repentinas ao ouvir a porta de entrada ser destrancada, provavelmente era o seu melhor amigo, pois somente ele e os pais do próprio Jeon possuíam uma cópia da chave.

 

Passos, leves como uma bailarina, pisavam graciosos contra os degraus que dariam aos quartos da residência, poucos segundos depois duas batidas soaram do outro lado; Jungkook pronunciou um “entre” meio rouco e até um pouco baixo demais, porém, o indivíduo “misterioso” fora capaz de o escutar. A porta de seu quarto fora aberta, revelando Park Jimin com sua habitual e estonteante beleza, carregando no tronco uma adorável sweater amarelo mel. Lindo, como sempre, Jeongguk nunca se cansaria de o admirar.

 

━ Oi! ━ Cumprimentou o mais velho animado enquanto ocupava o espaço esquerdo vazio da cama.

 

━ Oi. ━ Retrucou sorrindo murcho e de nariz entupido. O mais alto observou Jimin balançar um saquinho que tinha em mãos.

 

━ Trouxe os docinhos que prometi a você. ━ Disse risonho. ━ Ah, e alguns remédios também.

 

Jeon fungou, contornando os ombros pequeninos do loiro num abraço lateral.

 

━ Anjo Jiminie agindo novamente.

 

━ Eu não sou um anjo! ━ A dócil gargalhada do menor contagiou o outro. ━ Eu só gosto de cuidar de você. Além disso, o jogo ‘tá se aproximando, você precisa de melhorar logo.

 

Jungkook riu enquanto acenava positivamente, o mais baixo enroscou a mão na sua e entrelaçou os dedos, depois deixou a cabeça descansar no ombro dele, sentindo o moreno se acomodar ao seu lado.

 

━ Você tem andado a comer bem?

 

━ Sim.

 

━ Descansou bastante?

 

━ Uhum.

 

━ Não se esforçou muito, né?

 

━ Ai, Minnie, eu não sou mais uma criança…!

 

━ Eu sei, eu sei - De novo, o riso melodioso encantou os ouvidos alheios -, eu só me preocupo contigo.

 

━ Você se preocupa demais.

 

━ Não é como se eu pudesse evitar.

 

O sorriso méleo e amável que sustentava os lábios carnudos e encarnados do melhor amigo fizera o mais alto apertar ligeiramente o aperto entre as palmas e os dedos, desejando estar mais perto, desejando mais carinho.

 

━ Não precisa de se preocupar tanto, eu já disse que é só uma gripe.

 

━ Você sempre diminui a gravidade dos problemas, pare com isso, Kookie… ━ E, como sempre, Jimin o embalara na sua habitual mansidão e atos demasiado delicados. Era como mágica.

 

O Park observou o quarto ━ este já muito bem conhecido por si ━ à sua volta, desenhos feitos pelo próprio moreno enfeitavam as paredes cremosas tediosas, Jeongguk aprendera igualmente a dar vida aos ambientes que habitava; algo que também orgulhava Jimin. Porém, uma nova obra de arte decorava o local, o loiro estava apenas tentando descobrir onde estava; ele sabia que alguma coisa mudara.

 

Quando olhou para o criado mudo no lado direito, conseguiu visualizar uma folha A3 expondo uma belíssima e única rosa vermelha recheado de espinhos cortados a meio. Parecia desabrochar com vivacidade e vontade, a vibrância das cores deixavam certa alegria presente. Jimin estava feliz por Jeongguk aproveitar o tempo livre para fazer algo do qual não praticava há muito tempo: desenhar, ainda por mais flores. O Park adorava quando Jeon decidia desenhar alguma coisa relacionada à natureza devido ao fato de expressar tão bem pelo papel.

 

Jimin admirava o modo em como os sentimentos de Jeongguk ficavam tão explícitos ao desenhar, era fantástico. Ultrapassava a euforia que o mesmo sentia quando jogava beisebol ━ Jimin também apreciava vê-lo treinar, era incrível o modo que o moreno se esforçava tanto.

 

Chegava a parecer que Jeon possuía um vasto campo de sentimentos demasiado complexos e sem fim aparente…


 

Um vasto e imenso jardim de sentimentos.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, bolinhos! Agradeço à equipe extremamente amorosa de MNHouse por me ajudar no que foi preciso.
Fanfic: @bugs-
Betagem: @smaxyjjk
Design: @Nichu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...