História Je te veux de retour - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Chloé Bourgeois, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nathanaël, Nino, Plagg, Tikki
Tags Adrienette, Adrinette, Ladrien, Ladybug, Ladynoir, Marichat, Miraculous
Visualizações 433
Palavras 1.106
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Uhh... sim, mais uma fanfic.
Eu não podia deixar essa ideia de lado TnT
Sowy hehe.
Espero que gostem! ^^

Capítulo 1 - La fin de l'engagement


Fanfic / Fanfiction Je te veux de retour - Capítulo 1 - La fin de l'engagement

Adrien se encontrava minutos antes trancado no escritório, estava com a mão em frente a boca enquanto analisava alguns papéis em sua mesa. Tomava um café ainda de olho nos papéis, deu uma olhada no relógio de soslaio e deu de ombros, voltando a checar tudo aquilo ao lado do seu notebook.

            Marinette havia acabado de sair da empresa, entrou na limousine e descansava os pés doloridos pelo salto enquanto falava com Alya. Se mantia um pouco distraída que ora nem percebia que sua melhor amiga estava falando.          

            — Sim, eu sei. Nino tentou falar com ele recentemente, ele já não é o mesmo Mari, não sei o que aconteceu... — A morena dizia através da ligação, porém não obteve resposta da azulada. — Mari? Marinette!

            — Hã? Ah, perdão, eu só... estava pensando um pouco. — suspirou cansada olhando a janela.

            — Não tem problema, imagino sua situação. Nos falamos depois então, certo? Você precisa descansar. Se cuide, querida.
 

            — Você também... beijos. — a ligação se encerrou e Marinette abaixou o celular do ouvido lentamente, mordendo o lábio e olhando para seu anel de noivado. Logo a limousine chega na mansão Agreste e a mesma desce, para na frente da porta principal e respira fundo.

            Marinette entra, dá "oi" para Adrien, mas logo eles já estavam brigando de novo.

            — Você... você não é o Adrien que eu conheci. — a azulada diz com lágrimas nos olhos, olhando os olhos verde esmeralda de seu noivo.

 

            — O Adrien que você conheceu não existe mais! — Ele grita, fazendo Marinette arregalar os olhos e dar um passo para trás.

            Ela hesitou. O olhando profundamente enquanto chorava. — ACABOU, ADRIEN! — Exclamou.

            Adrien desfez a expressão que estava, a olhando com tristeza. Aquelas palavras cortaram-lhe o coração. Sentiu sua voz sumir e Marinette continuava o olhando. Ela parecia que iria explodir, se já não tivesse explodido. A olhava perplexo, sem voz, sem conseguir pensar.

            A azulada soluçava forte. Vendo que Adrien continuava imóvel, apenas saiu de seu escritório e subiu para o quarto, o antigo quarto dos dois, abriu o armário e pegou uma muda de roupa, logo partindo para o banheiro. Encheu a banheira enquanto se despia, ainda soluçando. Quando já cheia, desligou a torneira e entrou na água, chorando mais ainda.

            Quando finalmente Adrien encontrou sua voz, ele deu um grito que ecoou pela mansão inteira, começou a quebrar o próprio escritório. Jogava coisas no chão, dava murros em armários e quebrava taças caras. Pôs a prateleira toda para baixo com apenas uma batida. Estava fora de si, quem visse não reconheceria. E, quem diria, que aquele adolescente doce, gentil e carinhoso, se tornasse frio e egoísta, igual ao próprio pai.

            ~

            Marinette estava deitada ainda chorando no quarto de hóspedes. Não conseguia cessar o choro, falava com Alya e Tikki.

            — Ai meu Deus, querida! Eu não acredito que vocês romperam o noivado! — Alya diz meio perplexa pela ligação — Não chora, Mari, vai ser melhor do que ficar sofrendo por ele, com Adrien te maltratando. Você já sabe onde vai ficar?

 

            — E-eu vejo i-isso com o t-tempo... — falou entre soluços, Tikki apenas acariciava os cabelos de Marinette em consolo.

 

            — Tudo bem... se precisar, a casa está sempre aberta para você Mari. — a morena disse em modo de consolo — Nino quer falar com você. Vou ficar aqui do lado qualquer coisa, tá? 

            — T-tá... — fungou o nariz de leve.

            — Fala Mari. Poxa... fiquei sabendo isso do Adrien. Esse não é mais meu mano. Que treta 'issaí. — Nino falou meio hesitante pela ligação. — 'Cê sabe que "nóis" 'tamo aqui com você pra tudo, né? Se cuida, Mari. Beijão.

 

            Fungou de novo o nariz — O-obrigada Nino... — sussurrou com a voz rouca.

            — Ah, Mari... queria estar aí para te abraçar. — Alya volta pra ligação.

            — S-sim...

            — Bom... você precisa dormir. Te deixarei então. Qualquer coisa apenas me ligue, qualquer hora, okay? Te amo. Se cuida. Boa noite...

 

            — T-te amo. Boa n-noite... — diz com algumas lágrimas escorrendo e Tikki continua em silêncio acariciando seus cabelos. Logo, Marinette pega no sono.

 

            Adrien depois de quebrar boa parte do escritório, subiu para o banheiro, tomou um banho e entrou no quarto. Como sempre, impecável. Seus olhos verdes estavam apagados e inchados, nariz vermelho. Havia chorado e gritado bastante. Estava sem voz.   

            Ao entrar no quarto, logo deparou com o mesmo vazio, sem nenhum sinal de Marinette. É claro que ela não estaria ali. Será que... será que Mari já foi? Se perguntou mentalmente e correu ao guarda-roupa. Tudo dela ainda estava ali. Ele ficou imensamente feliz por isso, mesmo sabendo que ela partiria logo, logo.

            ~

            O loiro acordou aproximadamente 9 horas da manhã, mais tarde que o normal, se levantou e percebeu o quarto no mesmo estado. Desceu as escadas e foi tomar café, ela não estava lá. Nem na cozinha, nem na sala, nem no escritório, jardim, banheiro... Marinette não se encontrava em lugar nenhum.

            Adrien correu até o quarto novamente, abriu o guarda-roupa e a única coisa que viu foi o anel de noivado no armário vazio da sua, agora, ex-noiva.

            ~         

            — Nino... eu não sei o que fazer. Não sei onde ela está, Alya não me atende, nem os pais da Mari e nem mesmo a própria. Eu não consigo mais... — diz, deixando uma lágrima cair.

            Ele havia se encontrado com o melhor amigo, ou, amigo, levando em conta o jeito que as coisas estavam. — Está desesperado? Solitário? Cansado? Sozinho? Triste? Sente a falta dela? — Nino indagou pausadamente ao loiro. — Pois é. É isso que acontece quando 'cê não cuida de quem tu ama. — Adrien olhou perplexo para o amigo.

            — Eu fiz o que eu pude...

            — Não, Adrien, não! Você falando isso só vai continuar rabugento e sozinho. Você vai sentir cada vez mais a falta dela até não aguentar e ir atrás da Mari. E quando você ver ela sorrindo para outro, vai entender o quanto poderia ter feito ela feliz e não fez.

            Aquelas palavras fizeram Adrien arregalar os olhos. Não por ter vindo de Nino, que era desleixado até. Mas sim porquê a ficha realmente caiu. Adrien havia perdido o amor da sua vida. Ele havia a desprezado. E agora ele se sentia tão sozinho. Suas pupilas brilhavam com uma tristeza infinita, não sabia reagir. Parecia que havia morrido.

            — Eu sou seu amigo, Adrien. E é por isso que falarei o seguinte... — Ele deu uma pausa, olhando para o gatuno que continuava em estado de choque. — Marinette é o tipo de mulher que te quer mas não precisa de você.  

 

 

            Adrien voltou a arregalar os olhos. Uma lágrima caiu. Depois outra, depois outra. Todos os momentos juntos á sua joaninha, pareciam agora tão distantes.

 

            — Eu quero a Mari de volta.


Notas Finais


Espero que tenham gostado.
Beijos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...