História Jealousy. - Capítulo 42


Escrita por:

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alix Kubdel, Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Jalil Kubdel, Lila Rossi (Volpina), Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mestre Fu, Mylène Haprèle, Nathalie Sancoeur, Nathanaël, Nino, Nooroo, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Sabrina, Tikki, Tom Dupain, Wayzz
Tags Adrinette, Drama, Ladynoir, Marichat, Personagens Originais, Plakki
Visualizações 784
Palavras 2.149
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Luta, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olaaaaaaaaaaaa pessoinhaxx!
Tia Scar finalmentchy apareceu dnv qq
Não tenho nada a dizer, só que a semana ta corrida -q
Espero que gostem do cap de hoje <3
Vou responder os comentários amanhãaaa! <3
Me desculpem por qualquer errinho ortográfico! <3

Capítulo 42 - Capítulo XXXIX



POV Marinette


Eu tentava, juro que tentava.
Tentava com todas as forças o empurrar, não lhe corresponder, ou até lhe dar um tapa, mas eu não conseguia. O beijo do loiro era bom, muito bom, e eu mesmo sem perceber, correspondi. 
No fundo, minha mente gritava dizendo para que eu não fizesse isso, que ele poderia estar apenas brincando comigo, e que eu estaria traindo Chat, mesmo não tendo nada "concreto" com ele, mas meu coração simplesmente ignorava. Porcaria de sentimentalismo sempre vencendo a razão!
Ele pediu passagem, e eu cedi, fechando meus olhos. Soltei o livro, que caiu com um estrondoso som no chão de madeira do local, e passei meus braços ao redor de seu pescoço, puxando seu rosto ainda mais contra o meu. Nossas línguas começaram a dançar juntas, em uma sincronia só nossa, enquanto ele levava sua mão para minha cintura, me empurrando contra a estante de livros, com cuidado para não derrubar nada.
Amaldiçoei o ar quando o mesmo se fez falta, e senti Adrien descendo sua boca em direção ao meu pescoço, beijando aquela região. Suspirei baixo, enquanto passava minha unha em sua nuca. Logo nos soltamos, e ele encarou meu rosto. Ambos estávamos sem fôlego, e eu com certeza estava corada.
- E aí, sei ou não sei? - Ele perguntou, ainda enquanto recuperava o fôlego.
- Precisa de umas aulas. - Eu disse. - Vem cá.
Puxei-o pela camisa, colando minha boca na dele. Começamos a nos beijar com voracidade dessa vez, pedi passagem e ele cedeu, iniciando uma briga por espaço entre nossas línguas. Ele envolveu seus braços em volta de minha cintura, puxando meu corpo para o seu, e me colando com ele, praticamente. Só paramos ao ouvir uma falsa tosse, e quando olhamos, vimos a bibliotecária nos olhando.
- Posso saber o que fazem nessa parte da biblioteca? - Ele perguntou, com os braços cruzados. Eu e Adrien nos largamos na hora. - Pelo que sei, vocês não tem idade para estarem nessa área.
- É... - Eu disse. - É que a gente ouviu o barulho do livro caindo, e viemos coloca-lo no lugar.
- E ele então acabou caindo com a boca na sua? - Ela perguntou, com uma expressão fria. Engoli em seco. Nossa.
- É melhor irmos, sabe? - Adrien disse. - Temos um trabalho pra terminar e já estamos atrasados.
- Pois é! - Eu disse, dando um sorriso nervoso.
Adrien me puxou pela mão, e ouvimos a mulher dizendo um baixo "essas crianças de hoje". Ri baixo, e quando percebi, estava em uma fileira mais afastada com o loiro, que não perdeu a chance de me dar um selinho.
- Podemos continuar? - Ele perguntou, com um sorriso safado, e só então caí na real.
Eu estava estava agarrando Adrien Agreste, meu crush de anos,  na biblioteca do colégio, sendo que na noite passada, eu estava me agarrando com Chat.
Engoli em seco, e arregalei os olhos. 
- Melhor terminarmos o trabalho. - Eu disse, com um sorriso nervoso no rosto. - Temos que discutir nossa opinião sabe?
- Temos tempo. - Ele disse, chegando perto de mim.
- Temos não! Vamos. - Eu disse, saindo praticamente que voando dali e indo para o local em que estávamos antes.


POV Autora


Enquanto o casal estava discutindo as opiniões, com um loiro um pouco confuso pela mudança da azulada, na sala de artes, Lila e Nathanael se aproveitavam pelo local estar vazio para poderem fazer o trabalho, e claro, conversar.
- Então você sempre gostou de arte? - Lila perguntou, debruçada sobre o balcão, enquanto encarava o ruivo que escrevia na folha.
- Sim. - Ele respondeu, dando um sorriso minimo. - Sempre foi uma das minhas paixões sabe? 
- Sei. - Ela disse. 
- E você? Sempre gostou de interpretar? - Ele perguntou, levantando o rosto para encara-la.
- Ah sim. - Ela disse. - Me lembro de sempre que eu ia no Coliseu, eu fingia interpretar algum personagem de desenho e coisa do tipo.
- Você deveria ser fofa fazendo isso. - Ele disse, dando um sorriso fofo, fazendo com que a italiana se derretesse por dentro.
- Obrigada. - Ela disse, colocando alguns fios de cabelo atrás da orelha. - Sinto saudades dessa época.
- Também sinto de quando eu era criança. - Ele disse, e suspirou. - Menos responsabilidades, sabe?
- Aham. - Ela concordou. - Menos pressão.
- Pois é. - Ele disse. - Mas você sente falta da Italia?
- Não muito. - Ela disse. - Muitas coisas aconteceram lá, coisas que prefiro deixar lá. Prefiro mais Paris.
- Paris é melhor mesmo. - Ele disse, e eles riram. - Cidade do amor, pena que não possuímos namorados.
- Pois é. - Ela deu um riso. - Mas você sabe, aquela sua ex foi uma idiota por te largar, você é...maravilhoso.
- Obrigado. - Ele disse, corando um pouco, e olhando nos olhos da italiana. - Você também.
- E também é um ótimo artista. - Ela disse, sustentando seu olhar, e se aproximando dele, que aproximou-se também.
- E você uma ótima atriz. - Ele disse, e seu olhar recaíu sobre os lábios da italiana.
- Nath. - Ela o chamou, e ele engoliu em seco, achando que a mesma iria o xingar por olhar tão descaradamente para sua boca.
- O que? - Perguntou, receioso.
- Me beija. - Ela disse, e ele a olhou, vendo o desejo em seus olhos. 
Nathanael se aproximou mais dela, e puxou seu rosto com toda a delicadeza do mundo, encostando seus lábios nos dela gentilmente, em um beijo cheio de afeto e ternura.  A italiana nunca havia sido beijada desse jeito antes, afinal, nunca havia realmente procurado por amor, e quando sem querer achava alguem que gostava dela verdadeiramente, nunca correspondia, mas hoje era totalmente diferente.
Nathanael era totalmente diferente.
Retribuiu instântaneamente, pouco ligando se poderia entrar alguém ali, queria aproveitar o máximo daquele momento com a primeira pessoa que ela poderia dizer que sentia algo de verdade, que não tinha nada a ver com fama ou algo relacionado. Ela gostava de Nathanael mesmo ele sendo apenas um simples desenhista do ensino médio, que era o que muitos diziam, mas para ela, ele não era um simples desenhista, ele era o seu desenhista, mesmo eles não estando em um relacionamento ou algo do tipo.
Quando o ar se fez falta, eles se separaram ofegantes, e ela aproveitou a oportunidade para se aproximar ainda mais do ruivo. Se levantou, e sentou em seu colo, puxando-o para mais um beijo, dessa vez mais profundo e com mais desejo por parte de ambos. Agradeciam internamente pela sala de artes não ter câmeras, por não ser muito frequentada. A italiana levou sua mão até os cabelos do ruivo, puxando-os levemente durante o beijo. Assim que se separaram novamente, se encararam. A italiana riu ao ver o pequeno rubor que apareceu nas bochechas de Nathanael, e o mesmo a acompanhou na risada.
- Vamos, precisamos terminar esse trabalho. - Ele disse, rindo.
- Ah claro. - Ela disse. - Mas tenha certeza que depois que terminarmos esse, iremos terminar o nosso na minha casa.
Nathanael após ouvir aquelas palavras, pode sentir que seu rosto atingiu uns 10 tons de vermelho, pelo riso que a italiana soltou.
- Vamos logo, boba! - Ele disse, voltando a atenção aos papéis em sua frente.


~~ Quebra de Tempo ~~


Uma meia hora depois, o sinal tocou anunciando que a quinta aula já iria começar, e todos se dirigiram para a sala. Deu para ver que aquele dia fez com que algumas pessoas se aproximassem, principalmente um ruivo e uma italiana, que assim que apareceram de mãos dadas no corredor, chamou a atenção de uma mestiça e sua melhor amiga.
- Eu sabia! - Mari disse, baixinho.
- Nunca mais vou ver a mesa da sala de artes do mesmo jeito que antes. - Alya disse, e recebeu uma cotovelada de leve de Marinette. - O que foi? Aposto que eles fizeram coisas naquela mesa!
- Nath não é assim, Aly! - Mari disse, bufando e cruzando os braços. - Ele é um amorzinho, tenho certeza que ele nunca faria isso sobre uma mesa.
- Os quietos são os piores, Mon Chérie! - Alya disse, apertando as bochechas de Marinette. - E será que esses meninos morreram no banheiro? 
- Alya, não faz 2 minutos que eles entraram ali. - Mari disse, revirando os olhos e se encostando na parede.
- E falando nos meninos. - Alya disse, com um sorriso malicioso e se encostou ao lado de Mari. - Como foi fazer o trabalho na biblioteca com o modelinho?
- F-Foi normal! - Mari disse, corando ao se lembrar dos beijos trocados com o loiro.
- VOCÊS SE PEGARAM! EU SABIA! - Alya praticamente gritou, atraindo a atenção de alguns estudantes que passavam ali. Mari passou a mão no rosto, tentando esconder o quanto estava envergonhada.
- Alya! Cala a boca, puta que pariu! - Mari disse. - Não nos pegamos, só...nos beijamos, pronto, falei!
- E isso não é se pegar? - Alya disse, com a mão no queixo. - Enfim, pelo menos ganhei a aposta com o Nino.
- Aposta? Que aposta? - Perguntou a azulada, olhando-a incrédula.
- Ér....hãnnn... - Alya disse, tentando pensar numa desculpa até que os meninos saíram do banheiro. - Nossa, finalmente! Achei que estivessem pagando boquete um para o outro ali dentro.
Mari corou, se lembrando da ultima noite, e colocou a mão no rosto, algo que não passou despercebido pelo loiro, que sorriu de canto sem a mesma perceber.
- Alya meu amor. - Nino disse com um sorriso no rosto. - Você sabe que minha fruta é outra, para ser sincero, a unica que gosto é a que fica no meio da suas pernas.
Marinette e Adrien riram baixo, enquanto a Alya corava como um pimentão. Alya deu um tapa no braço do Nino, e eles saíram andando na frente.
- Eles se merecem. - Adrien disse, chegando perto da azulada.
- Pois é. - A azulada disse. - São um casal e tanto.
- Bom, vamos pra sala? - O loiro perguntou, com um sorriso de canto.
- Claro. - A azulada respondeu, e o mesmo puxou sua mão, entrelaçando com a dele.
Marinette deu um sorriso desengonçado, pois por dentro ela estava praticamente surtando com as confusões de seu coração, mas decidiu que pensaria nisso depois.
Entraram na sala e sentaram-se um ao lado do outro, minutos depois, Caline entrou e recolheu os trabalhos. Enquanto corrigia, passou um exercício na lousa.
Marinette tentava de todo o jeito fazer o exercício, mas não conseguia. Já havia apagado e refeito umas 5 vezes, na 6ª vez, bateu o lápis com tanta força na folha que ouviu até um riso baixo do loiro.
- Precisa de ajuda? - O mesmo a perguntou.
- Não. - Ela respondeu, séria, enquanto se concentrava mais uma vez na folha em sua frente. - Eu consigo.
- Só tenta não rasgar a folha. - Ele disse, voltando a atenção para sua folha.
Marinette bufou, e depois de 3 frustradas tentativas, resolveu finalmente aceitar a ajuda do loiro, que a ajudou com um sorriso no rosto. Assim que terminaram, Marinette pegou seu caderno de desenho e começou a fazer alguns esboços. O loiro observava atentamente cada traço que a azulada fazia, e como ela era perfeccionista.
Fazia algum tempo que Marinette não fazia nenhum esboço, por estar um pouco ocupada com a vida de heroína e tudo mais, mas agora precisava fazer seu vestido para o baile da Chloe que seria em menos de 2 semanas. Ficou perdida em seu mundinho até que ouviu o sinal tocar, anunciando o final do período da manhã e liberando os alunos para o lanche. Marinette guardou seu material e deixou ali na sala pois não iria almoçar em casa, e sim na escola, nem percebeu que todo mundo já havia saído da sala, de tão presa em seu mundinho que estava. Assim que saiu da sala, foi em direção a cantina e comprou um sanduíche de frango e um refrigerante, sentou-se ao lado de Alya e Nino, e estranhou por Adrien não estar ali. Ao indaga-los sobre isso, Alya disse que o loiro havia dito que iria almoçar com o pai ou algo assim, afinal, estava prestando atenção em outra coisa.
Marinette voltou a comer seu sanduíche, e quase engasgou quando Alya perguntou se a mesma estava voltando com a paixonite pelo modelo. Marinette riu nervosa, e disse que não. A morena ia responder, mas logo parou com a boca aberta olhando para um ponto fixo. Mari, curiosa, olhou para onde a morena olhava, dando de cara com Chat Noir conversando com Damocles.
Marinette engoliu em seco, com medo do que aconteceria no periodo vespertino. 
 


Notas Finais


O que será que esse gatin vai fazer hein? ¬u¬ Já to até com medo qq
Espero que tenham gostadooo! <3
Perguntas, comentários, sugestões e opiniões são sempre bem-vindos! <3
Vejo vocês nos comentários e no próximo capítuloooo!
Beijãoooooooooo! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...