1. Spirit Fanfics >
  2. Jeon Farofa >
  3. No banheiro: uma prudência

História Jeon Farofa - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


aaa era pra eu ter voltado no sabado mas nada deu certooo :(( desculpaa
enfim
uns dias atrasado mas aqui estouu o/
uou, 13k mds como podee :o nossa, se um dia eu postar um cap com 20k ninguem se surpreende porfa kkk

espero que gostemm <33
boa leitura pra vcs szsz

Capítulo 10 - No banheiro: uma prudência


Fanfic / Fanfiction Jeon Farofa - Capítulo 10 - No banheiro: uma prudência

Jeongguk sempre viu o ódio como um sentimento muito intenso, porque dele, muitas coisas se desencadeavam além de breves faltas de entendimento entre as duas partes. O ódio não era conhecido como ser passageiro, pelo contrário, ele marcava e sempre definiria tal indivíduo com quem não consegue se entender, como alguém que odeia.

Para ele, um sentimento como esse, era difícil de ser driblado, por assim dizer. Vencer o ódio que supostamente sentia por uma pessoa, é um tanto complicado de deixar de sentir.  Como essa é somente uma parcela de toda a confusão que acontecia entre si e Taehyung, o delinquente de cabelos vermelhos que odiou à primeira vista, ainda tinha mais uma coisa; as razões por trás de aquilo tudo estar acontecendo.

Se antes disso alguém tivesse questionado Jeongguk se era possível ter relações mais profundas com uma pessoa que odeia, ele com certeza responderia ser totalmente fora de cogitação, não era como se fosse confortável com uma pessoa que somente vê seus defeitos e lhe odeia principalmente por eles.

De primeira, Jungkook viu aquele Kim como um verdadeiro problemático que só ligava para arrumar encrenca com o primeiro que visse em sua frente. E de fato, talvez fosse isso. Taehyung nunca dar a mínima para muita coisa e somente pensar em zonear desde que passou a ser o famoso delinquente naquele círculo estudantil de alunos que frequentam a escola.

Já para o ruivo, viu aquele Jeon como um garoto mimado, esbanjando sua imagem de aluno exemplar e certinho. Descobrir que o mais novo, na realidade era um tanto esquentado e possuinte de uma personalidade igualmente complicada e confusa como a sua, foi uma tremenda novidade.

No entanto, as coisas pareciam estar cada vez mais tomando um rumo que logo, seria inevitável e irreversível. Taehyung e Jungkook acabariam em uma rua sem saída ou então, em uma floresta onde todas árvores eram iguais e não mais haveria como distinguir qual era o caminho de volta. 

Conforme o relacionamento daqueles dois acelerava, tomando uma proporção que rumava para a de uma relação séria, o ódio que um dia sentiram, se dissipava e perdia totalmente o sentido inicial, como se nunca tivesse existido em primeira instância. 

Além disso tudo, ainda havia o fato de que Jungkook nunca foi um garoto de tomar iniciativas por conta própria, quanto menos quando o assunto era algo intimo e constrangedor demais de se pedir.

Mas, naquele momento, o garoto se perdeu por completo, entregando-se por inteiro às necessidades que gritavam em seu interior, ao desejo que não mais podia negar que sentia por aquele ruivo, pelas coisas que queria fazer com ele e pelas que queria que ele fizesse consigo. 

Talvez sua personalidade de garoto esquentadinho tivesse aflorado conforme se envolvia com Taehyung, porque o Jeongguk de antes - aquele que Jin, Hoseok e Jimin conheciam muito bem - não seria capaz de pedir uma coisa daquela, muito menos se entregar facilmente a desejos e necessidades sexuais. 

— N-no banheiro? — Jeongguk espantou-se, seu rosto obtendo uma coloração ainda mais vermelha de total vergonha ao ouvir as palavras do delinquente.

Taehyung olhou em volta e ajeitou uma das alças da mochila sobre seu ombro, trocando o skate de braço para poder livrar sua destra. Voltou a encarar o garoto certinho envergonhado e quase arrependido de ter aberto a boca, ou talvez nem tanto assim. 

— Quer fugir da escola para irmos para minha casa? — Sugeriu, como se fosse uma coisa simples e fácil de se fazer, enquanto tirava seu celular do bolso e pressionava o botão para acender o ecrã.

— E-eu não disse que precisava ser agora.. — Jungkook se desesperou, ansiando por voltar atrás naquilo antes que de fato, o Kim quisesse transar no banheiro da escola ou algum lugar que não fosse muito recomendável para tal coisa. — N-nós temos que ir pra aula! — Exclamou, sendo inevitável não gaguejar e deixar aquilo soar como uma fuga do que aconteceria dependendo do ruivo.

— Ah, ainda é muito cedo, minha irmã 'tá vagabundeando em casa. — Tae praticamente lamentou-se ao recordar de um fato importante quando observou o horário na tela, só assim vendo que não haveria jeito e pôde guardar o aparelho de volta.

— Taehyung. — O Jeon começou de novo, procurando as palavras que deveria dizer para tirar aquelas ideias obscenas da cabeça do ruivo ou então, não parecer tão necessitado em plena sete horas da manhã.

E talvez realmente estivesse depois da maldita madrugada que passou e as horas que pouco dormiu. Seus pensamentos e sua mente sempre acabavam sendo invadida por aquele indivíduo de cabelos vermelhos e piercings. Invadida e sendo poluída como bem era da vontade alheia.

— Você disse que queria antes de qualquer coisa. — Explicou-se, como se fosse óbvio e compreensível o que queria dizer com isso. — Vamos. Ninguém vai no banheiro tão cedo. — Estendeu sua destra e sem mais delongas, pegou na mão do Jeon.

Jungkook nem conseguiu procurar por palavras ou métodos de evitar aquilo, porque afinal de contas, ele mesmo havia começado, havia pronunciado seus desejos e suas vontades interiores com relação a fazer sexo com Taehyung uma outra vez.

O Kim se pôs a caminhar, guiando o mais novo pela escadaria e pelos corredores vazios. Tiveram de ser cuidadosos até chegarem ao banheiro e inicialmente, varrer o local com os olhos, confirmando se não havia ninguém por ali.

Não era nem sete e vinte da manhã e dois alunos insolentes estavam matando aula para fazer algo imensamente insano dentro da escola, quando deveriam estar sentados em suas devidas carteiras, presenciando as aulas e sendo bons alunos – ou para o caso de alguns, ao menos tentando ser.

— Aquela. — O Kim apontou para a última  cabine e não demorou a guiar o garoto para a mesma, que apenas seguia seus passos sem dizer uma palavra sequer, não negando ou sendo contra a impaciência do ruivo depois de ter ciência do que queria.

Jungkook ficou estático quando o delinquente ficou em sua frente, encarando-o de um modo estranho, como se estivesse evitando olhar para um ponto específico de seu rosto, mais precisamente o par de lábios avermelhados e inquietos do garoto que estavam levemente trêmulos devido ao nervosismo.

— Tudo bem se eu te beijar? — Taehyung questionou, ansiando por não deixar o Jeon confuso caso agisse como bem queria, realizando coisas que podiam de algum modo, confundi-lo ou ser contra sua vontade.

Mais uma vez, o mais novo ficou surpreso com o modo como o Kim havia começado a tratar-lhe. Não bastava toda a gentileza e o cuidado do dia anterior, ainda estava começando a perguntar coisas que para ele, eram um tanto desnecessárias.

Irritado com a certa hesitação que aquele ruivo estava passando, ergueu sua destra e agarrou o ruivo pelo colarinho, trazendo-o mais para perto em um ato brusco e repentino.

— Cala a boca, Taehyung. — Proferiu um tanto irritadiço com um sorriso apreciador por fim quebrando a distância mínima que separava suas bocas uma da outra, roçando seus lábios delicadamente nos do Kim, que ainda processava aquela falta de paciência do mais novo.

E de um segundo para outro, Jeongguk simplesmente desligou-se de seu ego automático, de toda a dura e trabalhosa pesquisa que fez depois da primeira vez que fizeram aquilo.

A sede e o estado devorador de Taehyung naquele dia era uma coisa, que no momento, deixou o Jeon confuso, mas ansiando por ver mais uma vez. Queria presenciar de novo, queria trocar aquele momento íntimo com seu inimigo uma segunda vez, queria muito ver a expressão que o ruivo fazia quando atingia seu ápice e quando tocava-o de inúmeras maneiras.

Jungkook queria tudo isso e não negaria mais, muito menos excederia e colocaria um limite de coisas que não deveriam ser feitas durante a transa, como beijar. Não dava a mínima para isso, porque no fundo, queria muito envolver sua boca na de Taehyung, sentir a língua alheia com aquele maldito piercing, bagunçando-o.

Uma vez que o mais novo tomou a iniciativa e beijou o ruivo, não mais percebeu hesitação por parte do mesmo. Aquele roçar breve de lábios que logo ativou a ansiedade e o desejo de Taehyung em também sentir o gosto da boca do garoto.

De modo afoito, o ruivo não perdeu tempo e atacou os lábios do Jeon, não tardando a inserir sua língua e se colocar a bagunçá-lo como bem sabia que conseguia fazer somente beijando-o de tal maneira.

Ergueu a mão e deixou a alça de sua mochila escorregar de seu ombro, largando-a em um canto no chão daquela cabine que estavam prestes a se enfiar e ali dentro, queimar e ferver em luxúria.

Deixou seu skate repousar em pé contra a parede da cabine e enfim livre de objetos que somente atrapalhariam, pôde colocar as mãos sobre os ombros do Jeon, subindo para o pescoço do garoto ao mesmo tempo em que o devorava, empurrando-o para dentro da cabine, fechando a porta atrás de si.

Quebrou aquele ósculo intenso e quente envolvendo suas línguas e se atentou em virar-se brevemente para passar o trinco na porta, trancando-os ali dentro e evitando que pudessem ser interrompidos mais tarde.

Jungkook observou o Kim agachar-se perto de sua própria mochila e abrir um zíper, buscando por alguma coisa no fundo da bolsa. Retirou de dentro o pacote de camisinhas e o recipiente que continha lubrificante, trocando um breve olhar com o mais novo.

O Kim deixou no jeito o que iriam precisar logo logo e aproximou-se de novo do garoto, que deu um passo para trás, sua coluna chocando-se contra a porta da cabine apertada que dividia com Taehyung.

O olhar do ruivo queimava intensamente sobre si, mas o Jeon não estava se importando em queimar-se por igual. Agarrou o tecido da camiseta do mais velho, trazendo-o mais pra perto o quanto antes.

Taehyung estava começando a gostar daquela maneira tímida e sem-vergonha que Jeongguk o puxava pela camiseta, como se não quisesse perder tempo. Apreciou da iniciativa do mais novo e aproximou sua boca do ouvido alheio, assim sendo mais fácil sussurrar.

— Você precisa ficar quietinho, Jungkook. — Alertou ao pé da orelha do garoto, aproveitando para mordiscar o lóbulo e deixá-lo todo arrepiado, os pêlos de sua nuca se eriçando e todo seu corpo excitando-se ao ouvir tais palavras, ansiando pelo que o ruivo faria.

— H-hum. — Concordou em um resmungo baixo, encarando o mais velho, que cedeu a tentação que era ver aquele par de lábios cheinhos e gostosos, se entreabrindo.

O delinquente amava a textura, o sabor e a delicadeza que a boca de Jeongguk tinha. Sentia-se provocado e testado quando o garoto correspondia aos seus beijos de uma maneira tão ousada como estava fazendo, causando confusão com sua língua que explorava o interior de sua cavidade oral.

Tomando a direção do ósculo de volta para si, Tae chupou a língua do garoto e depois, abusou da sensação peculiar que a pequena jóia que tinha perfurada, conseguia causar no garoto.

As mãos do ruivo desceram para a cintura do mais novo, onde fincou-as com possessão ainda por cima do uniforme. Inseriu uma de suas pernas entre as do Jeon, friccionando contra a região que já cedia a excitação e o fervor do momento, deixando evidente o surgir de uma ereção marcando bem a calça alheia.

Esfregar sua perna contra aquela região apenas deixou Jeongguk ainda mais bagunçado em meio ao beijo que o encrenqueiro lhe envolvia; repleto de saliva e molhado ao extremo.

A falta de ar era um incômodo, o fato de perder o fôlego era ainda mais irritante. Cortada a conexão íntima e o ritmo sensual e afoito que suas línguas uma hora se agitaram, o Kim apreciou da expressão entregue e bagunçada do Jeon, quando mal haviam começado.

— Eu gosto de ver essa expressão. — Confessou mirando intensamente o rosto do mais novo, que tentava recuperar o ritmo de sua respiração antes que o ruivo voltasse a devorá-lo, cada vez mais sem piedade alguma.

Encarou Taehyung de volta e quis reclamar perante aquele elogio, se é que poderia chamar assim. Não era bem um elogio, mas uma confissão do que deixava o ruivo excitado e determinado a fazê-lo derreter-se em prazer.

Desceu suas carícias para o pescoço branquinho do Jeon, enquanto desviava suas mãos da cintura e buscava pelos botões da camiseta que se conectavam para cobrir o dorso desnudo e pálido.

Intercalando entre sucções breves e passadas de língua por toda extensão da curvatura do pescoço, Taehyung desfez o encontro de um, dois, três botões. 

Chupava a tez daquela região que tanto gostava de marcar, retirando alguns resmungos sôfregos por parte do Jeon, que queria evitar ter marcas justamente ali, onde mais tarde, poderia ficar vermelho por demais ou até mesmo roxo, se o Kim prosseguisse com tal insistência.

Notando que Jungkook não queria ter chupões à mostra, resolveu afastar sua boca do local, finalizando seu serviço na região com breves selares sobre alguns pontos tomados por uma vermelhidão resultante.

Desabotoou o restante, para assim puxar as mangas da camiseta, um lado de cada vez. Deixou a veste recair até os cotovelos do garoto, ficando presa ali, livrando todo o dorso que Taehyung judiaria em igual.

Não iria conter-se em marcar uma região que não ficaria à mostra mais tarde, então, uma breve troca de olhar intensa com o garoto certinho, o delinquente praticamente adquiriu a liberdade de fazer o que bem queria ali.

Da última vez, havia bagunçado Jeongguk da melhor maneira tocando-o naquela típica região erógena que era seu par de mamilos rosadinhos. Tae pousou uma das mãos sobre um deles, sentindo o quão estavam durinhos e eriçados, excitados e ansiando por seus toques.

— Jungkook, seu corpo consegue ser mais honesto que você. — Apreciou, afirmando enquanto apertava um dos mamilos entre seu polegar e indicador, causando no garoto uma onda repentina de surpresa ao ter a região tocada aparentemente um tanto brusco, no entanto, a sensibilidade do local estava triplicada.

Os olhos do Jeon acompanharam o modo obsceno e estimulante que Taehyung apertava um de seus mamilos e aproximava a boca do outro, sem muito rodeio abocanhando-o para chupá-lo com certa intensidade.

O ruivo ergueu o olhar, fitando o rostinho contorcido em ansiedade e desejo do garoto. Tal visão apenas o incentivava a brincar com aquele local, sabendo que Jungkook gostava.

Ora mordiscava, ora chupava e apenas passava a língua, focando em passear a bolinha de seu piercing, fazendo o Jeon sentir ainda mais o quão aquilo era bom e certamente prazeroso levando em conta os resmungos baixinhos que ele deixava escapar.

Taehyung desviou seus toques com as mãos para a barra da calça do garoto, puxando-a o suficiente para fazê-la chegar até as coxas e os joelhos, podendo enfim deslizar com facilidade, poupando-o do trabalho.

— Jeongguk, eu vou te recompensar pela sinceridade. — Proferiu quando ajoelhou-se e a expressão do garoto foi um tanto desesperada imaginando o que o mais velho faria a seguir. — Você só precisava ficar quieto, hum? — Reforçou o aviso, aconselhando o mais novo a ser discreto.

Por mais que gostasse de ouvir Jungkook gemendo alto e estridente, ainda mais quando estivesse penetrando-o fundo e forte, ali não podiam. A excitação e o prazer seria duplicado por estarem fazendo em um lugar como aquele, então, temia que o garoto não conseguisse se conter, ainda mais quando partisse para o que estava prestes a fazer, ajoelhado rente ao corpo em pé do Jeon.

— T-taehyung, não faz isso. — Pediu, no entanto, erguer as mãos ou mexer-se para evitar aquilo não era uma coisa que estaria disposto a fazer para parar o Kim.

— Por que não? — Tae quis saber, erguendo sua mão e tocando a ereção rígida, distribuindo uma breve carícia notando a umidez do tecido da veste íntima. — Você está molhado, Jungkook. — Evidenciou, deixando-o ainda mais envergonhado e sem jeito.

— V-você não precisa fazer isso.. — Tentou dizer, mas o ruivo parecia determinado o suficiente, apalpando seu pênis e apertando a ereção em provocação, por pouco não o fazendo gemer alto.

— Mas eu quero fazer. — Insistiu, subindo os toques para a barra da cueca que Jungkook usava, enfim abaixando-a de uma vez só, liberando o membro ereto e molhado do mais novo, que expelia pré-gozo em antecipação. — Eu quero te chupar bem, Jeongguk. — Protestou, aparentando finalmente convencê-lo.

A realidade era que o garoto certinho não estava negando aquilo por não gostar ou por não querer, era porque não tinha certeza se seria capaz de conter os sons que escapariam de sua boca. Resistir aos toques e a Taehyung era pedir demais, por isso, estava receoso.

— Se gemer muito alto comigo te chupando, eu vou meter em você. — O Kim proferiu encarando o Jeon enquanto agarrava o pênis entre seus dedos, usando do líquido  que era expelido na base, espalhando-o por toda extensão com breves movimentos de sobe e desce.

Observou a boquinha de Jungkook se entreabrindo minimamente, como se tivesse sido uma tentação aquela masturbação lenta e realizada em um movimento tão vagaroso. Até aí, havia sido possível de conter-se.

O olhar de Taehyung sobre si se dispersou quando encarou o pau duro e molhado rente ao seu rosto, representando os efeitos que causava no garoto apenas beijando-o e brincando com seus mamilos. E não era do tipo que não assumia a responsabilidade. Pelo contrário, fazia questão de assumir sendo este o caso.

O Kim colocou sua língua para fora, imediatamente resultando na visão do garoto em pé, focando no piercing que certamente seria seu grande inimigo se tratando de receber um boquete do ruivo e dessa vez, um de verdade que lhe favorecia até mesmo no quesito de posição.

Passeou a língua pela ponta, retirando alguns gemidos manhosos e baixinhos do Jeon, que sentia todo seu corpo queimar, suas orbes enevoando-se em êxtase no instante em que de modo súbito, Tae abocanhou sua extensão, surpreendendo-o demais.

— A-ah, Taehyung! — Gemeu um tanto alto demais, tomado pela surpresa e pela sensação prazerosa que era sentir a cavidade úmida e molhada recebendo-o tão bem.

O delinquente começou com mamadas vagarosas, apenas instigando Jeongguk e torturando-o consideravelmente com aquela velocidade. Intercalava entre chupadas profundas e breves sugadas na glande molhada e vermelhinha do mais novo.

Jungkook sentia cada vez mais seu corpo enfraquecer, cedendo ao anseio por atingir seu ápice quando o Kim lhe chupava tão lentamente, entrecortando trocas breves e repentinas de velocidade, tanto como em um momento engolia mais sua extensão  e em outro, pouca. 

Inconscientemente, o Jeon tomado pela luxúria e pelo estado que se encontrava, direcionou suas mãos para os cabelos vermelhos do Kim, passeando-a ali, como se estivesse contendo-se em meter fundo na garganta do ruivo. Desviou os toques para as orelhas repletas de brincos e piercings. Imensamente atraente.

Ter uma visão daquelas era de fazê-lo enlouquecer, porque aquele Kim era simplesmente fora de sério pagando um oral. Na primeira vez, não havia se mostrado muito dedicado em mamar seu pau e sim estocar seus dedos, por isso, Jeongguk havia se perdido naquele mar de sensações.

Mas agora, somente tendo seu pau estimulado e sendo abrigado pela cavidade oral do Kim, era insano, totalmente banhado no mais denso prazer. Satisfazia-o ver a cabeça de seu pau ora apresentando certo formato em uma das laterais das bochechas alheias ora toda sua extensão sendo meramente engolida.

Tae ergueu as mãos e tocou os pulsos do garoto, seu olhar emitindo certa confirmação, como se estivesse permitindo o Jeon em estocar seu membro sem hesitação. Deveria entregar-se de uma vez àquela ansiedade, aquele desejo, aquela vontade e aquele fetiche interior.

O Jeon tinha a boca semi aberta e mordeu o lábio inferior com a tentação que foi, não resistindo e voltando suas mãos para tocar os fios tingidos de vermelho escarlate do Kim, entrelaçando seus dedos em meio para adquirir firmeza e poder comandar a intensidade e a velocidade com que o ruivo lhe mamava.

Os gemidos saíam inconscientes da boca do garoto quando este não suportou e recostou a cabeça na cabine, extasiado e afoito, suas mãos guiando o delinquente a chupá-lo bem a uma velocidade considerável e uma intensidade insana,

Sentiu aquele típico formigamento em seu baixo ventre, seu ápice se aproximando cada vez mais. Voltou a encarar com atenção Taehyung engolindo seu pau, quase engasgando-se quando o garoto certinho se precipitava e estocava sua garganta fundo.

O Kim apreciava da honestidade e do estado entregue de Jeongguk, cedendo aos desejos interiores e a tentação que era tudo aquilo. Também estava ficando duro só de chupar o garoto e ver que ele estava tão necessitado e desesperado metendo em sua boca daquela maneira.

Um gemido estridente ecoou no banheiro masculino do colégio e o Jeon guiou o ruivo à direção de seu membro uma última vez, desfazendo-se dentro da boca do mesmo, que afastou-se tossindo algumas vezes.

Totalmente tomado pelo prazer e pelo calor daquele momento, Jungkook nem se deu conta da merda que havia feito. Havia acabado de gozar na boca de Taehyung e por assim dizer, não havia sido sem querer ou então, havia sido apenas um pouco.

Havia sido muito. Havia acabado de encher a boca do ruivo de porra e isso o preocupou e o deixou desesperado quando voltou a abrir os olhos e deparou-se com o Kim ali em pé, as mãos espalmadas na porta da cabine como se estivesse encurralando-o.

Taehyung passou o polegar por um dos cantos de seus lábios que estava sujo de sêmen e colocou a língua para fora uma outra vez, lambendo o resquício do líquido que escorria de seu dedo, deixando Jeongguk por pouco boquiaberto.

— V-você.. — Não tinha nem forças para pronunciar-se, tamanho o espanto que foi ver que o ruivo havia engolido seu gozo e não somente o que havia sido depositado de imediato dentro de sua boca, não havendo escolha, mas também o que havia escorrido para fora.

Um sorriso singelo apossou-se da boca do Kim, que virou-se sem dizer nada e caminhou até o vaso sanitário depois de pegar o lubrificante, abaixando a tampa e sentando-se, as pernas abertas e guiando as mãos a dar dois tapinhas sobre as  próprias coxas, enquanto encarava o Jeon estático encostado na porta.

— Vem. — Foi a única coisa que disse, como se praticamente ordenasse ao garoto, que ainda sem saber se o ruivo havia ficado bravo por conta do que havia acabado de fazer, resolveu acatar tal ordem.

Jungkook se aproximou a passos receosos tanto pelo fato de ter acabado de fazer uma coisa absurda com o delinquente quanto pelo que viria a seguir. Notando a hesitação do garoto, assim que o mais novo estava próximo o bastante, Taehyung agarrou-o pela cintura, trazendo-o para perto no mesmo instante. 

— Aqui. — Disse quando enfim colocou o Jeon em seu colo, podendo apreciar muito bem do peso do menor sobre si, quanto mais do rostinho um tanto confuso e inquieto do mesmo, típico de alguém que tinha total ciência de que praticamente havia feito algo proibido. 

Sentar-se sobre as pernas um tanto abertas demais do ruivo daquele jeito fez o garoto sentir com clareza a ereção alheia pulsando apertadíssima por debaixo daquela calça que guardava um volume que agora, Jungkook conhecia muito bem, tanto que até sentia certa vergonha de pensar sobre. 

Mas não era como se aquele garoto certinho estivesse com vergonha alguma naquele instante. O que estavam fazendo com certeza, não tinha como ser feitios de pessoas tímidas e que sentiam vergonha com facilidade. Alguém como Jungkook que tinha uma fama como perfeitinho e exemplar na escola, tinha partes de sua personalidade, que não eram mostradas naquele local ou para indivíduos a sua volta. 

— Relaxa, você não fez nada demais. — Confortou o mais novo vendo que ele parecia nervoso com relação ao que havia feito, se permitido aproveitar do boquete o quão lhe havia sido permitido.

Ainda assim, Jeongguk não se sentia confortável com o que havia feito e perceber que o Kim parecia tão excitado e duro que deveria estar chegando a doer, o fez sentir-se mal. Naquele silêncio, o Jeon encarava-o um tanto fixo, ponderando no que podia fazer, exatamente. 

Antes de qualquer coisa, o garoto não perdeu tempo e direcionou suas mãos até o cós da calça do delinquente, ansiando por inseri-las ali dentro e livrar o membro do mais velho daquele aperto, buscando por ao menos aliviá-lo com uma breve masturbação.

— Jungkook. — O Kim chamou-o, percebendo a necessidade e o desespero do menor que cessou seus movimentos quando ouviu-o chamando pelo seu nome em um tom um tanto surpreso pela honestidade do garoto naquela terça-feira. 

— Eu quero.. — Começou dizendo, mas sua voz morreu no meio do caminho, como se não tivesse adquirido coragem o suficiente para revelar o que estava tentando fazer invadindo o uniforme do ruivo. 

Um singelo sorriso apossou-se de um dos cantos dos lábios de Taehyung, que claramente interpretou e leu Jeongguk inteirinho naquele mesmo instante. O mais novo queria lhe dar prazer em igual e isso era algo novo, além de consideravelmente diverso da primeira vez que fizeram na garagem de sua casa.

— Você não precisa fazer isso hoje, Jungkook. — O delinquente alegou descendo suas mãos para a cintura do garoto, firmando-as ali por um breve instante enquanto trocava um olhar um tanto peculiar com o menor sobre si.

Tal troca de olhar não durou muito porque o Jeon logo desviou sentindo certa vergonha e timidez ao realizar o que Tae queria dizer com aquelas palavras; unicamente servi-lo e fazê-lo sentir-se bem, como já havia feito lhe pagando um boquete enlouquecedor daqueles. 

O Kim aproveitou e apanhou o tubo de lubrificante que havia deixado próximo dali, abrindo-o no mesmo instante e lambuzando dois dedos de sua destra para que pudesse preparar o Jeon.

Vagarosamente desviou a canhota que ainda pousava delicada e quieta na cintura do mais novo, direcionando-a até uma das nádegas, aproveitando para fincá-la ali e sentir a farteza da região sobressaltando-se pelos vãos de seus dedos de uma maneira deslumbrante. 

Não demorou a usar daquele toque para afastar um pouco as bandas e poder aproximar seus dígitos lambuzados de lubrificante do buraquinho apertado de Jungkook, que sentiu toda aquela sensação peculiar lhe percorrer o corpo quando sentiu o ruivo circundando o local para inicialmente espalhar o líquido. Tal sensação era como se ansiasse o quanto antes por ter aqueles dedos compridos e esguios invadindo-lhe da maneira gostosa que o mais velho bem sabia fazer. 

O delinquente inseriu seu médio lentamente, percebendo a respiração do garoto pesar quando enfim penetrou-o por completo. Começou a estocá-lo algumas vezes seguidas, ajudando a elasticidade da região para que pudesse inserir seu indicador e iniciar as movimentações que assimilavam-se ao de uma tesoura, abrindo e fechando de modo lento e instigante, preparando o menor com cuidado.

Taehyung sabia que o garoto certinho gostava de ter seus dedos brincando em seu interior, preenchendo-o de uma maneira tão breve e única. Também sabia o quão Jeongguk ficava manhoso quando tinha seu ponto doce surrado e se ja tirava gemidos sôfregos só te estar preparando-o delicadamente daquele jeito, mal podia esperar por encontrar o ponto específico e fazê-lo enlouquecer de excitação e prazer.

— T-taehyung, a-ah! — O mais novo já gemia pouco contido contra sua orelha, seus braços a volta do pescoço do Kim, agarrado a ele enquanto o sentia ser capaz de estocar três dedos em seu interior.

Quando o ruivo conseguiu atingir aquela profundidade em especial cuja tinha ciência e quase total certeza de que se encontrava o ponto doce do garoto, não perdeu nem um segundo em pressionar a parede interna e sentir o corpo sobre si vacilar com a repercussão que tal ação causou. 

Junto daquela sensação repentina de ter seu ponto doce pressionado sem muita piedade, Jungkook sentiu uma pontada em seu pau, além de surpreendê-lo com o gemido manhoso e esganiçado que escapou de sua própria garganta, sendo a prova concreta de que o Kim havia acertado em cheio. 

Sem hesitar, Taehyung aproveitou para estocar aquele ponto, vendo que o Jeon estava ficando muito duro uma segunda vez, quase sendo incapaz de conter os gemidos que saíam de sua boca e soavam tão próximos do ouvido do mais velho e também arqueando a coluna, investindo contra seus dedos que invadiam-o bem, surrando sua próstata. 

Somente ter os dígitos do Kim preenchendo seu interior daquela maneira fazia o pau do garoto certinho pingar em antecipação pelo que viria depois que estivesse devidamente preparado e sua entradinha estivesse alargada o suficiente para receber o membro do ruivo e proporcionar prazer a ele em igual. 

O Jeon desviou a atenção para a calça do uniforme de seu suposto arqui-inimigo, notando que a situação parecia cada instante pior. Podia ver que Taehyung estava muito excitado - tanto que seu pau chegava a latejar, ainda mais quando se permitia sentir o aperto daquele buraquinho - e ao mesmo tempo, contendo-se para que pudesse fazer aquilo sem causar dor ou mais incômodo. 

Um tanto irritado pela exceção de cuidado que o delinquente estava tendo consigo mesmo com seu estado crítico, Jungkook agarrou o braço do Kim e o fez retirar os dígitos de seu interior, consequentemente cessando aquela preparação que já estava demorando demais para seu gosto.

Sem nem dar importância à expressão confusa que o ruivo fez quando praticamente deixou-o sem escolhas a não ser parar, Jungkook não hesitou em desabotoar e descer o zíper da calça do Kim.

O garoto certinho agarrou o pênis do delinquente entre seus dedos, sentindo com clareza a ereção rígida ao extremo. Apanhou o preservativo e notou o quão Taehyung lhe encarava. 

Podia notar que o ruivo estava igualmente ansioso e impaciente, mas ainda assim, se encontrava contendo-se. O mais novo rasgou o pacotinho usando de seus dentes, não perdendo tempo. 

O Kim sentia que estava presenciando uma parte oculta da personalidade daquele garoto, a parte que era ousada, sem muita vergonha assim e que conseguia ser mais sensual que o normal.

Envolveu o preservativo em toda a extensão do membro ereto do delinquente abaixo de si, que ainda parecia receoso quanto aquela antecipação fora dos planos. 

— Jungkook, eu.. — Tae começou dizendo, mas o garoto aproximou de seus lábios, firmando a pressão de uma das mãos sobre seu ombro, se sustentando enquanto segurava o pênis do Kim em mãos, direcionando-o para sua entrada melada que piscava em ansiar pelo membro alheio. — Você sabe que pode doer. — O ruivo pareceu preocupado por alguns instantes, mas o Jeon apertou rudemente sua ereção, o fazendo grunhir.

— Mais que isso? — Indagou depois de causar uma leve dor ao Kim, apertando seu pênis que latejava de tão duro. Envolveu-o com a camisinha e voltou a direcioná-lo. — Então. — Obteve a razão, sentindo a cabeça do pau do ruivo bater contra seu buraquinho.

Jeongguk respirou fundo e mirou o rosto de Taehyung, encontrando ali a determinação que lhe faltava. O Kim havia se esforçado e lhe proporcionado um prazer inimaginável com aquele boquete há pouco, agora, precisava ajudá-lo a se aliviar em igual.

Impulsionou-se para baixo, enfim sentando sobre o pênis do ruivo de forma lenta, retirando mais um grunhido rouco do mesmo, já que sentir aquele aperto aos poucos foi uma tremenda tortura.

— D-droga. — Jeongguk gemeu em xingamento contra o ouvido do mais velho, abraçando-o com força e permanecendo sem se mover durante alguns segundos, recuperando-se do impacto que aquilo teve até mesmo em si.

Ter todo o tamanho fora da média daquele ruivo lhe preenchendo ainda era uma das coisas que Jungkook achava difícil se acostumar, até porque a profundidade que o pau do Kim atingia chegava a ser extasiante. 

— Dói? — Tae questionou erguendo sua mão e afagando brevemente os fios negros do mais novo, que apenas apertou-se mais contra si, não ousando se mexer ainda, aproveitando daquele momento de apenas sentir toda a extensão alheia dentro de si.

— Não. — Respondeu em negação, afastando-se para encarar o ruivo nos olhos, revelando sua expressão bagunçada e de extremo prazer quando sentou lentamente, sentindo-o atingi-lo cada vez mais fundo que o fez até mesmo perder o ar. — Eu gosto. — Confessou, percebendo o quão sua honestidade aquele dia estava surpreendendo o Kim.

Tae deslizou seu toque para a nuca do mais novo, puxando-o para mais um selar quente enquanto o percebia se sentir confortável o suficiente para começar a se mover, levantando-se brevemente para voltar a sentar, um ritmo de cavalgada lento.

Gemidos escapavam da boca do Jeon, conforme este sentava sobre o pau do ruivo, que tinha uma expressão também tomada por prazer, observando o mais novo dedicado em cavalgar de uma maneira que se assimilava a sua vida depender daquilo.

— Porra, Jeongguk. — Reclamou quando o mais novo diminuía a velocidade de propósito, somente para apreciar da expressão rancorosa que o Kim fazia em resultado disso.

Agarrou a cintura alheia e se pôs a ajudá-lo a aumentar a velocidade das sentadas, também impulsionando sua pélvis para cima, acertando o garoto certinho bem fundo e rápido, observando o modo como sua boquinha se entreabria trêmula e o modo como seus olhos enevoavam no mais denso prazer.

— T-taehyung! — Exclamou alto, agarrando-se contra o Kim uma outra vez, vendo que este estava tomando a liderança do ato, estocando contra si mesmo não estando em uma posição que lhe fosse favorável.

Gostava de fazer aquilo, estocá-lo de uma maneira intensa quando o garoto menos esperava, porque assim, sabia muito bem que o fazia delirar e gemer seu nome sôfrego e necessitado daquele jeitinho.

— M-mais, T-tae. — Pediu em um tom de voz que implorava e soava tão manhoso e derretido, seu pedido não demorando a ser acatado pelo ruivo que estocava mais, guiando-o a sentar com voracidade sobre seu pau.

Jeongguk sentia Taehyung fundo dentro de si, entrando e saindo, vez ou outra surrando sua próstata com intensidade, lhe causando sensações absurdas de prazer. Nunca podia imaginar que seria tão bem fodido daquele modo, dentro daquela cabine no banheiro masculino.

Aquele ponto estava sendo estocado com muita insistência, trazendo sensações ainda mais desconhecidas para o Jeon, que abraçava o delinquente e gemia ao pé de seu ouvido constantemente.

Começando a se sentir envergonhado pelos gemidos pouco controlados e soando rente à orelha alheia, Jeongguk tratou de apelar para uma maneira de conter-se ao menos um pouco quando seus olhos miraram o pescoço do ruivo.

Distraiu-se e conseguiu conter minimamente os sons que escapavam e saíam rasgando de sua garganta, quando manteve a pele da curvatura do pescoço do Kim entre seus dentes, sugando-a e mordendo-a com certa força vez ou outra.

O delinquente se surpreendia com Jeongguk a cada momento. Primeiro, a iniciativa de pedir para transar, depois o estado entregue se permitindo meter fundo e intenso em sua garganta naquele boquete. Agora, estava até mesmo sendo ousado e despejando chupões como bem queria.

— N-não, Tae, eu..me sinto estranho. — Afirmou e o Kim sorriu em satisfação ao perceber que estava prestes a mostrar um novo universo àquele garoto perfeitinho.

— Porra. — Taehyung xingou pelo fato de aquela posição estar lhe desfavorecendo quando o assunto era deixar o mais novo doidinho de prazer. 

O Kim segurou o garoto e levantou-se com ele em seu colo, surpreendendo-o de imediato. Pressionou-o contra a porta da cabine para sustentá-lo devidamente e pôde voltar a estocá-lo, desta vez atingindo-o mais fundo e rápido que outrora.

Jungkook apenas agarrava-se mais contra si e os gemidos chegavam a sair entrecortados tamanha a intensidade com que Taehyung estocava constante e cada vez mais intenso, determinado a fazer o mais novo gozar somente de ser fodido.

O Kim aumentou a velocidade, estocando seu ponto doce o mais forte e rápido que podia, sentindo a voz do garoto sobre si até mesmo vacilar de tanto que os gemidos saíam incessantes.

Sentiu um aperto envolver seu membro e assim percebeu que Jeongguk havia enfim atingido seu ápice, sujando o próprio abdômen de porra. O Kim franziu o cenho devido ao aperto exagerado que o ápice do mais novo repercutiu e estocou mais algumas vezes também atingindo seu orgasmo, preenchendo o preservativo.

Voltou os passos que se deu ao trabalho de dar para chegar até ali e foder Jeongguk contra a porta e enlouquecê-lo de prazer, para poder sentar-se sobre o vaso sanitário novamente.

O ruivo ajudou-o a se erguer um pouco para poder se retirar de dentro de si. Livrou seu membro da camisinha e deu um nó, lançando-a na lixeira disposta ali do lado.

Jeongguk permanecia grudado em si, abraçando-o tão fortemente como se estivesse escondendo-se. E realmente estava, tamanha a confusão que foi ter gozado daquele jeito, sem nem ser tocado na frente ou se dado ao trabalho de fazer isso por conta própria buscando atingir seu ápice.

— Jeongguk. — Tae chamou-o, aproveitando da situação para envolver seu braço à volta da cintura do garoto, abraçando-o de volta.

Aquilo tudo parecia muito surreal para o Kim. Aquele sexo em si, era como se já estivessem namorando e fossem íntimos e se importassem um com outro do mesmo modo como um casal se importaria durante aquele momento. Não era uma transa casual ou sem compromisso, não parecia ser.

O mais novo estava sem palavras e sem jeito de encarar o ruivo. Havia gozado tão gostoso duas vezes e uma delas, não havia entendido exatamente como havia sido capaz, apenas tendo Taehyung metendo fundo e forte.

Permaneceram daquele jeito durante um tempo, até que finalmente o Jeon criou coragem e afastou-se, não conseguindo encarar o ruivo nos olhos de primeira. O mais velho envolveu suas mãos nas bochechas de Jungkook e o fez encará-lo.

— Eu te disse que ia te mostrar algo bom dessa vez, Jeongguk. — Voltou a pronunciar-se e o de madeixas negras conformou-se enfim, seguindo as palavras do Kim. — É melhor a gente ir agora.

Jungkook se levantou do colo do ruivo e suas pernas quase vacilaram e cederam ao seu estado trêmulo devido aos espasmos que seu corpo todo ainda lidava. Pegou sua calça e vestiu-se, puxou uma enorme quantidade de papel higiênico e limpou sua barriga, lançando o papel todo amassado na lixeira.

Tae também abotoava sua camiseta enquanto guardava o restante que tinha de camisinhas não usadas e o lubrificante, na mochila. Pegou-a e jogou nos ombros, pegando seu skate e aguardando o mais novo terminar de abotoar a camiseta.

O ruivo abriu a boca para falar alguma coisa, mas calou-se no instante em que Jeongguk lhe encarou. No final das contas, não tinha coragem de fazer aquilo. Por mais que quisesse, não era capaz de falar aquilo se não fosse por meio de uma proposta, um acordo ou o que fosse. Por que era tão covarde em chamar aquele garoto para sair, depois de tudo que já haviam feito?

O mais novo rapidamente desviou o olhar também, envergonhado pelo que haviam acabado de fazer dentro daquela cabine. Se aquilo começasse a se tornar um hábito, estariam ferrados, porque nenhum dos dois conseguia controlar a sede e o desejo que nutriam um pelo outro.

Taehyung, muito menos. Seus desejos interiores sempre foram de devorar Jeongguk como bem podia, fazê-lo pedir por mais, fazê-lo sentir imenso prazer e gozar bem.

E agora, aquele Jeon, cuja imagem era de garoto certinho e perfeitinho, estava se corrompendo e desejando uma coisa um tanto perigosa. Estava desejando ser devorado por aquele delinquente sempre que ficassem sozinhos.

— E-então, eu vou indo na frente. — Alegou, puxando o trinco da porta daquela cabine e saindo um tanto apressado, como se realizar os pensamentos que estava tendo, fosse demais para sequer conseguir encarar Taehyung.

A mesma coisa se passava com o Kim. Certo rubor atingiu-lhe a face quando o Jeon saiu, as imagens do que haviam feito estavam frescas em sua mente e tudo que havia sentido e visto, deixaram-o um tanto mexido. Justamente porque naquela madrugada, havia se visto com um novo fetiche e vontade querendo Jungkook sentando em si, quem poderia dizer que realmente iria acontecer? Muito mais que o garoto viria lhe pedir para tentarem aquilo mais uma vez?

— Caralho. — Murmurou para si mesmo, erguendo a mão e cobrindo os lábios ainda estático dentro daquela cabine, a mochila nas costas e o skate por debaixo do braço.

Jeongguk caminhava apressado pelos corredores. Não podia nem cogitar a ideia de ser visto, porque seu material estava dentro da sala e ele mesmo, não estava lá como deveria estar.

O fato de que havia matado pelo menos  a primeira aula para transar com seu inimigo no banheiro, começou a soar um tanto alarmante ecoando várias vezes dentro de sua mente. Conforme virava a esquina de cada corredor, ansiando por chegar logo em sua sala e se dedicar aos estudos, podendo esquecer o que haviam acabado de fazer ou ao menos tentar.

Na sala do terceiro ano B, a professora passava os exercícios na lousa, enquanto certa baderna tomava conta em meio a conversas daqui e conversas dali.

Yoongi virou-se bruscamente, assustando Namjoon e Seokjin que sentavam-se juntos logo atrás. Por mais incrível que pudesse parecer, seu companheiro de mesa havia faltado e o Min queria muito perguntar dele.

— Joon. — Chamou pelo de cabelos roxos, que arqueou uma das sobrancelhas indagando-se o que ele queria. — Em casa hoje? O que acha? — Sugeriu, chamando o mais velho para, sem duvidas, ir assistir pornô.

Desde que havia pego no pau de Park Jimin e o sentido duro roçar contra sua bunda naquela madrugada terrorista de domingo, não conseguiu conter como estava se sentindo inquieto e extremamente necessitado de assistir pornografia e se confirmar hétero e não traumatizado pela genitália de um certo baixinho que o que não tinha de tamanho, tinha de pinto.

Namjoon chegou a ponderar, mas quando olhou para o loiro ao seu lado, simplesmente engoliu os próprios lábios e somente balançou a cabeça negativamente para o amigo.

— Foi mal, Suga, ‘tô meio enrolado essa semana. — Deu uma desculpa qualquer, vendo que o namorado lhe analisava de soslaio, somente vendo qual seria sua resposta perante aquele convite.

— E o Tae? — Questionou para o Kim, que ainda o encarava, sentindo alguns chutes por debaixo da mesa por não estar atento assinalando na apostila os exercícios de química que teriam de fazer para nota.

— Ele parece ocupado também. — Disse, recordando-se de que não estava vendo Taehyung com frequência naquela semana. — Não vi ele essa semana. — Confessou para o amigo, que concordou.

— Ah, eu vi ele hoje no caminho. — Lembrou-se, tirando o celular do bolso. — Vou ver se ele topa. — Voltou a dizer e Namjoon apenas concordou, podendo claramente notar o quão o de cabelos verdes parecia desesperado.

Yoongi abriu o chat de conversa com o amigo ruivo e digitou alguma coisa, bloqueando o celular novamente.

— Ei, loiro. — Chamou pelo colega de mesa de Namjoon, nem se importando com o olhar do Kim tentando alertá-lo que Jin não estava muito de bom humor naquela manhã.

— Seokjin. — Corrigiu aquele delinquente, lhe lançando um olhar extremamente sério por detrás daqueles óculos que pendiam sobre seu nariz.

— Cadê o nanico? — Questionou, não conseguindo conter sua curiosidade em saber o motivo da falta de Jimin.

Depois daquele apelo em exigir ver o amiguinho debaixo de Yoongi já que ele já havia visto o seu, não era de se esperar que o Park mataria as aulas e nem voltaria para a sala após a conversa que tiveram no laboratório.

— Jimin disse que estava ocupado armando a rede. — Jin respondeu franzindo o cenho, evidenciando que não entendia em igual o que seu amigo quis dizer com aquilo por mensagem.

— A rede?

— Não entendi também. — Seok deu de ombros, voltando a passar a caneta pela apostila. — Acho que ele vai pescar. — Sugeriu, não convencendo nem um pouco o Min.

— Pescar?

— Sim, ele disse que precisava caçar uma enguia elétrica ainda essa semana. — Jin deu todas as respostas que obteve por meio de mensagem quando perguntou para Jimin onde ele estava, já que não havia vindo para o colégio ou pelo menos, chego até a sala de aula que estudavam. 

— U-uma enguia elétrica?! — Yoongi exclamou indignado, levantando-se subitamente com as mãos espalmadas na mesa de Namjoon, atraindo olhares de todo o local, principalmente da professora que escrevia na lousa. — Puta merda! — Completou, como se não tivesse adquirido atenção o suficiente com aquele alvoroço repentino.

Yoongi agora sabia muito bem que além de demoníaco, Park Jimin era totalmente louco. E também tinha certa ideia da suposta enguia elétrica que o de cabelos rosas estava querendo caçar. A dele.

— Professora, estou passando mal! — O de cabelos verdes afirmou erguendo a mão e pegando sua mochila. — Tchau, obrigado! — Disse saindo correndo da sala de aula.

Se Park Jimin precisava caçar uma certa enguia ainda aquela semana, a única coisa que precisava fazer era fugir e matar o resto daquela semana específica. Somente esperaria o fogo do Park esfriar um pouco e sua determinação em vê-lo totalmente nu, esvair.

A professora nem se deu ao trabalho de ir atrás daquele aluno encrenca e mandou seus alunos esquecerem aquilo e voltarem aos afazeres, assinalar os exercícios que deveriam fazer para aumentarem um pouco a nota horrível que grande parte da sala havia obtido.

Seokjin sentiu seu celular vibrar dentro de seu bolso e por mais certinho e exemplar que fosse, pegou-o em mãos e disfarçadamente desbloqueou com sua senha e pressionou o aplicativo de mensagens para ver de quem havia recebido uma mensagem.

 

MOCHI: Hyung, eu preciso de um favor seu.

 

O loiro pendeu a cabeça para o lado, confuso com o que aquele favor poderia se tratar, exatamente. Não como se esperasse um favor decente vindo de Park Jimin, mas como o de cabelos rosas estava meio sumido, por assim dizer, ponderou o que podia ser. Claro que para o Park estar sumido, o teor de tal favor seria ainda mais perigoso, no caso.

 

MOCHI: Sabe, a enguia.

Pede pro Namjoon o contato daquele malandro de cabelo pistache.

Por favorzinho?

 

Confuso, Seokjin cutucou o de cabelos roxos ao seu lado, que não demorou muito a desviar a atenção da lousa e lhe encarar de volta. Entregou o celular para o namorado e este deu de ombros quando terminou de ler, pegando o seu para pegar o contato do Min e passar para Jimin, já que parecia estar precisando.

 

JIN: Aqui [email protected]

 

MOCHI: É isso mesmo?

Augusto de quê?

 

JIN: Te passei já, para de graça.

Se não vem pra escola, não enche o saco.

Folgado.

 

MOCHI: Hyung, espera, espera!!

Pode me fazer só mais um favorzinho??

Fala pro Namjoon falar pro Yoongi que tem uma gata querendo ficar com ele.

 

— O que? — Jin arregalou os olhos minimamente quando terminou de ler as mensagens com o Park. — Joonie,será que esse é o motivo por que Yoongi saiu correndo? — Mostrou o chat para o de cabelos roxos ao seu lado, que ponderou.

— Não tenho certeza. — Namjoon franziu o cenho e pensou por alguns instantes. — Deveria avisar ele sobre isso? — Pediu a opinião ao Kim, que deu de ombros.

— Ele parecia desesperado por alguma atenção, talvez uma garota lhe faça bem, não? — Sugeriu, voltando a rabiscar fórmulas químicas na folha de rascunho, buscando chegar na resposta daquela questão.

— Você tem razão. — Nam concordou, pegando seu celular e desbloqueando-o. — Só vou avisá-lo e te ajudo nesse exercício — Proferiu, digitando rapidamente e enviando, guardando o aparelho de volta no bolso e se dedicando a ajudar o loiro nos estudos.

 

Jimin ergueu o punho para o alto de um modo vitorioso, como se acabasse de ter lançado sua penúltima jogada, ainda não se permitindo revelar a Min Yoongi, as cartas que tinha na manga, as que usaria para um belo xeque-mate.

O Park correu para fora da escola e logo se dirigiu para o ponto de ônibus mais próximo, pegando o que lhe levaria para o bairro de sua casa. Quando chegou, foi extremamente cuidadoso enfiando a chave na porta e destrancando-a.

Para sua sorte, aquele era o exato horário que sua irmã entrava no banho para se arrumar para a faculdade. O de cabelos rosas caminhou pela residência, rumando para o quarto da irmã, antes passando pelo banheiro da casa e encostando a orelha na porta, ouvindo claramente o som da água do chuveiro caindo.

Sentiu-se ainda mais sortudo e correu para o quarto da jovem, entrando e seus olhos quase sendo cegados por tanta decoração feminina, tanto rosa e tanto brilho e arrumação para um único lugar. 

Entrou no cômodo e avistou o celular de capinha igualmente rosa com detalhes de glitter, uma coisa purpurinada demais aos olhos de Jimin, que pegou o aparelho em mãos e tentou a senha da irmã algumas vezes, não demorando a chegar na certa graças a sua boa memória; o dia do aniversário daquela melhor amiga esquisita, Kim Moonbyul. 

Acertando a senha em cheio, o Park pôde enfim ir para o aplicativo de mensagens, tirando o seu próprio celular do bolso para voltar às mensagens que havia trocado há pouco com Seokjin, vendo aquele nome de usuário outra vez para adicioná-lo na conta do Kakao de sua irmã.

Pensou no que podia mandar e que de fato, acabasse soando como uma garota. Por mais que tentasse pensar, parecia difícil e complicado demais parecer uma menina chamando um cara para sair. O tempo se esgotando e Jimin teve de pensar em algo logo para obter uma resposta imediata.

Yoongi estava chegando em sua casa quando sentiu seu celular vibrar em seu bolso. Pegou-o e avistou uma mensagem de um usuário desconhecido. Abriu o chat e primeiramente, correu olhar a foto de perfil; uma garota muito bonita. Interessado e curioso, foi olhar a mensagem que ela havia enviado-o, já sabendo de Namjoon que havia uma querendo ficar consigo, ou seja, se fosse aquela, o Min estava feito. E ocupadíssimo aquela tarde todinha. 

 

PARK YONGSUN: Oi, gatinho~.

Tudo bem? 

 

O de cabelos verdes animou-se no mesmo instante, correndo para dentro de casa. Lançou a mochila sobre o carpete na sala e se jogou no sofá, ainda calçando seus tênis surrados.

— Yoongi, querido, o que eu disse sobre entrar de sapatos em casa? — A velhinha se aproximou com uma bandeja de cookies recém tirados do forno. — Quer biscoitos? 

— Vou aceitar, vovó. — Respondeu animado, levantando-se para pegar alguns biscoitos e enfiar na boca, deixando a velhinha contente em ver o neto comer tão bem, por mais que seu horário de chegar em casa, fosse suspeito, mas a senhorinha nada podia fazer, apenas voltar para a cozinha e vistoriar o bolo que ainda estava no forno. 

 

AGUST D: Oi, gata.

Melhor agora, e você?

 

Park Jimin espantou-se com aquela resposta, quase sendo impossível conter-se e não gargalhar. Aquela era nova, ou se diria, famosa? Bom, ao menos vindo de Min Yoongi, era uma novidade, não imaginou que ele era do tipo clichê quando se tratava de conquistar garotas.

 

PARK YONGSUN: Hum, eu ficaria melhor na sua cama~~

 

AGUST D: Com certeza, linda.

O que acha de daqui a pouco, nove e meia?

 

— Uou, desesperado. — Jimin exclamou indignado quando passou os olhos pela tela, sua boca se abrindo em um O considerado, dando de ombros e voltando a digitar para encerrar aquela conversa, deixando combinado quando se encontrariam antes que sua irmã saísse do banho.

 

PARK YONGSUN: Não sou tão fácil assim, gatinho~

Sexta-feira, oito e meia da noite.

 

Yoongi esfregou as palmas assim que enviou o endereço à suposta garota da foto e combinou de esperá-la em sua casa na sexta, mal sabendo que havia enviado onde morava, para o próprio diabo em si. Nunca imaginaria que estava sendo enganado daquela maneira, mas fazia parte de cair na rede armada por Jimin, afinal de contas.

Tinha certeza que valeria a pena esperar e que seria uma ótima noite, só precisava dar um jeito em sua avó, incentivá-la a dar uma volta pela vizinhança e conversar com as velhinhas. Ou deveria arrumar um encontro às cegas para ela, o que fosse necessário para livrar a casa para receber uma garota.

Antes que pudesse deixar aquilo por encerrado, o Park teve uma ideia que não daria tanto na cara assim até sexta-feira, porque com certeza, aquele delinquente devia estar desesperado e iria chamar sua irmã no chat de novo. Yongsun iria pirar se descobrisse.

 

PARK YONGSUN: Vou te adicionar no meu outro perfil~

Um perfil só pra coisas especiais, se é que me entende...

 

AGUST D: Beleza.

 

PARK YONGSUN: A gente conversa por lá, gatinho~

 

Jimin correu apagar aquela conversa quando ouviu o chuveiro sendo desligado. Bloqueou o contato de Yoongi para que ele não se confundisse e enviasse mensagem ao usuário verdadeiro de sua irmã e saiu correndo do quarto dela, dirigindo-se para o seu já com o celular em mãos pronto para colocar em prática a segunda parte de seu plano para armar a rede. 

 

Taehyung e Jeongguk retornaram à sala de aula, entrando somente na terceira aula daquele dia, isso para não arrumar confusão com a professora que estava dando as duas primeiras. 

De fato, aqueles dois estavam agindo estranho, o que chegou a causar cochichos entre os colegas de classe. A grande dúvida que pairava era: aqueles dois encrenqueiros haviam arrumado briga de novo?

No intervalo, o grupo de amigos certinhos estava reunido. Apesar de alguns relacionamentos secretos, não cederiam tão rápido em serem vistos com um grupo de delinquentes e por isso, havia apenas trocas breves de olhares discretos a distância. 

A mesma coisa se passava com o grupo dos três problemáticos transferidos. Dois mal haviam chegado e já estavam sendo corrompidos. Não pegaria nada bem serem vistos em igual sentando-se na mesa da rodinha de nerds, não mesmo.

Jeongguk sugava o canudinho de seu suco com certa intensidade, mal percebendo que com sua mão, apertava consideravelmente a caixinha, amassando-a sem nem notar.

— Meu deus, Jungkook, esse suco vai espirrar na sua fuça desse jeito! — Seokjin exclamou indignado enquanto fatiava um pedaço do bolo que havia trazido.

— Hyung, hyung! — O garoto imediatamente largou o suco e pegou seu pratinho de plástico, estendendo-o na direção do loiro, que mirou-o desconfiado alguns instantes para logo alimentar o mais novo. — Valeu. — Agradeceu com o garfinho de plástico entre os dentes, um sorriso contente no rosto.

— A formiga do grupo nunca muda, não é mesmo? — Hoseok indagou bagunçando o cabelo do Jeon, que nem teve forças de reclamar, apenas tirou o garfo dos lábios e cortou um pequeno pedaço da fatia que havia ganhado. 

Inconscientemente, Jeongguk acabou levando sua atenção na direção da mesa em que os delinquentes se sentavam. Esbarrar com Taehyung encarando-o fixamente não era o que o garoto certinho esperava, ainda mais quando o olhar daquele ruivo parecia um tanto sério e irritado.

Indagando-se o por que do ruivo estar sério daquele jeito, o mais novo sentiu Hoseok parar de mexer em seus fios, bagunçando-os por completo. Com isso, o Kim voltou a prestar atenção na conversa com Namjoon, já que o delinquente de cabelos verdes não estava.

— Aliás, o que é isso no seu pescoço? — Jin perguntou preocupado, notando uma vermelhidão incomum no pescoço do garoto branquelo. — Está vermelho! — Indignou-se trocando um olhar confuso com Hoseok, que se sentava ao lado do Jeon e também se colocou a observar de mais perto, a curvatura da tez alva banhada em um tom avermelhado.

Sem pensar duas vezes, Jungkook desesperou ao voltar à realidade e perceber do que seus dois amigos estavam falando; sobre seu pescoço vermelho, um dos amplos resultados da prudência no banheiro há nem uma hora com um certo indivíduo insolente e teimoso que era Taehyung.

— Ah, i-isso? — Exclamou de volta, levando uma das mãos para o pescoço, passando a mão na região para pensar melhor o que iria falar. — Deixei a janela aberta a noite, sabe? Muito calor! Daí Pernilongos, butucas, borrachudos? — Riu um tanto nervoso, só assim realizando que seus amigos lhe encaravam ainda mais confusos e com pouca crença no que havia acabado de inventar.

— Mas Jungkook, é do outro lado.. — O mais velho ali apontou, deixando o Jeon sem saber o que dizer, muito menos como reagir já que havia deixado as coisas ainda piores. Que tipo de pessoa levava picada de pernilongo e não sabia nem ao certo onde havia sido, se coçava pra caramba?

Apenas voltou a agarrar um pedaço de bolo, dessa vez um tanto maior com mais recheio e cobertura de chantilly, enfiando sem mais delongas dentro da boca, as bochechas ficando infladas.

— Hyung, esse bolo está delicioso! — Comentou erguendo o polegar da destra em um jóia para elogiar as habilidades culinárias e excelentes em quesito de confeitaria de Kim Seokjin, que sorriu, dispersando o assunto - que era a real intenção do Jeon.

— Gostou? 

— Está muito bom, Jin hyung! — Voltou a elogiar e pegar mais um pedaço e enfiar na boca, o recheio de chocolate e a cobertura de chantilly dava um toque especial no sabor, fazendo-o querer mais. 

Jeongguk apesar de ser um garoto certinho e aparentemente, entediante na visão de muitos naquele colégio, ele tinha gostos um tanto comuns. Era do tipo que não recusava doce e gostava muito mais de comer coisas que tinha açúcar, sendo a “formiga” do círculo de amigos, também taxado de cobaia dos experimentos doces de Seokjin.

Não tão longe dali, Taehyung e Namjoon mal conversavam. Ou melhor, conversavam. No entanto, um deles apenas escutava e não dava muito a mínima para o que quer que o mais velho estava tagarelando sem parar, sua cabeça cheia demais para sequer conseguir prestar atenção no que o de cabelos roxos falava, provavelmente sobre jogos, festas e garotas, como sempre.

— Ei, Tae. — O de cabelos roxos chamou-o, estalando os dedos para atrair sua atenção ao menos uma vez. — Quem é a vampira? — Quis saber com um sorrisinho sacana nos lábios, encarando o belo chupão que o ruivo tinha no pescoço.

— Vampira? — Tae franziu o cenho, encarando Namjoon e certificando-se do ponto que o mesmo encarava de modo fixo.

— Mano, esse é daqueles que diz "Uma foda selvagem no banheiro da escola." — Nam disse risonho só para sacanear com o ruivo, já que o conhecia muito bem para saber que além de não tolerar provocações do tipo, o delinquente não gostava que apontassem suposições absurdas, que naquele caso, não eram nada absurdas, levando em conta que havia de fato acontecido entre ele e Jeongguk há pouco.

Porém notar que em alguma coisa, havia acertado com aquela suposição tosca, ou melhor, pela expressão do Kim que acabou deixando quase evidente de que havia praticamente acertado em cheio, deixou o mais velho um tanto surpreso e incrédulo, perguntando-se quem poderia ter sido a pessoa com quem Tae havia se divertido. 

— Espera. Eu acertei em cheio, não foi? — Exclamou um tanto indignado por realizar e confirmar aquilo segundo a expressão óbvia de Taehyung, que piorou e deixou ainda mais na cara quando ouviu tais palavras.

— Não é nada disso. — O ruivo retrucou desviando o olhar e ansiando por fazer o de cabelos roxos deixar aquilo quieto, aliás, nem era de sua conta se tinha um chupão no pescoço ou se havia transado com alguém no banheiro da escola.

Ao menos, não deveria ser, mas conhecendo como Namjoon era complicado se tratando de saber sobre suas artimanhas e suas ficantes, seria difícil fazê-lo mudar de assunto, quanto mais instigá-lo a deixar aquilo quieto. Notar que a situação aparentava ser alarmante apenas o deixou curioso e interessado, para o azar de Taehyung.

— Sério, isso é uma novidade. — Afirmou não dispersando seu tom ou seu semblante de surpresa e indignação. — Você nunca deixou ninguém te marcar assim. — Comentou insistindo no assunto, até porque aquilo era muito estranho para o seu gosto e era óbvio que não podia perder a chance de importunar o ruivo.

Sabia muito bem que Taehyung sempre foi do tipo difícil e um tanto complicado quando o assunto era deixar evidências. No caso, nunca havia permitido que ninguém deixasse um chupão em seu pescoço e era por isso que Namjoon estava tão curioso em saber quem era a suposta ficante atual do Kim - que deveria ser mais do que especial para ter acessibilidade a um desses luxos.

— Você sabe que um desses fica por dias. — Voltou a afirmar. — Por isso nunca deixou ninguém fazer em você. — Proferiu as mesmas palavras do ruivo uma vez quando questionado por que não deixar as garotas fazerem isso consigo. 

— E daí? — Exclamou cada instante mais sem paciência e saco com Namjoon insistindo naquilo, chegando até mesmo a usar suas próprias palavras um dia ditas, contra si. 

O de cabelos roxos aproximou-se mais e mesmo estando do outro lado da mesa, pôde notar que por trás daquele vermelho vivo que mais tarde estaria mesclado a um roxo intenso, havia algumas leves marcas de dentes, evidenciando o quão intenso havia sido.

— Isso está mais pra possessivo do que qualquer coisa. — Comentou analisando melhor aquele chupão, irritando o ruivo ainda mais que ignorou-o e cobriu a região com uma das mãos. 

Taehyung não podia mencionar que pra começo de conversa, não havia sido uma vampira e sim um provável vampiro. Porém, agora também estava surpreso. Não imaginava que o garoto certinho era do tipo que deixava chupões, pelo menos da primeira vez que fizeram, ele não havia feito isso. Muito menos podia cogitar de que aquela marca podia ter algum teor de possessividade, aliás, não parecia muito ser a praia de Jeon Jungkook, alguém tão cheio de si e confiante. 

Inconscientemente, sua atenção mais uma vez era direcionada para a mesa de nerds, mirando o garoto de cabelos negros comendo animado, uma sensação esquisita dentro de seu peito, como se sentisse satisfação e insatisfação ao mesmo tempo. Estava satisfeito que o garoto havia sido honesto e relaxado um pouco mais durante aquele sexo no banheiro, uma das coisas que não pensou que seria possível, levando em conta o fato do Jeon ser certinho demais para concordar em fazer justo na escola.

E Taehyung estava insatisfeito porque até então, não havia tido coragem de pedi-lo em namoro, que era o que queria fazer depois de confirmar os próprios sentimentos. Agora, tinha certo medo de que deixasse a ideia de só querer uma relação de intimidade física com o garoto.

Enquanto isso, Jungkook se manteve quieto e comendo bolo até que o sinal que alertava sobre o retorno para a sala, tocou. Se levantou apressado e com sua bandeja em mãos, despediu-se de seus dois amigos e saiu correndo para a cantina entregar as coisas e ir para a sala. 

Hoseok e Jin permaneceram sentados esperando grande parte das pessoas presentes naquele refeitório, evacuarem. Ponderativos, um aguardava o outro falar primeiro e assim, uma sugestão inicial de uma suposta primeira peça daquele quebra-cabeça, surgir.

— Jungkook está namorando. — O Jung exclamou levantando-se com as duas mãos espalmadas na mesa em sinal de alerta e conclusão definitiva.

— Não sei. — Jin não se convenceu muito daquilo. — Ele não seria o tipo de fazer coisas na escola. — Apontou, fazendo o outro parar para pensar sobre aquele fato, muito verídico, afinal de contas.

Se perguntassem àqueles dois amigos, diriam que Jeongguk era muito inocente, apesar de tudo. Tinha uma fama tremenda de ser um garoto certinho e perfeito que sempre estava saindo com garotas, mas somente seus amigos sabiam que nada ia muito longe, porque o garoto era, supostamente, inocente demais para deixar as coisas avançarem a um devido estágio.

Ver aquele pescoço vermelho que mais parecia resultado de um quase perfeito chupão e o modo como o mais novo reagiu, desesperado para acobertar alguma coisa, deixou seus dois amigos receosos sobre o que o precioso e inocente dongsaeng estava aprontando.

— Bom, tanto faz. — O Jung deu de ombros, pegando a latinha vazia de refrigerante que havia tomado. — Desde que ele não faça nenhuma imprudência em lugares indevidos, acho que não precisamos nos preocupar? — Sugeriu, vendo o loiro concordar em um maneio com a cabeça. — Além do mais, um garoto inocente e dedicado como ele só consegue arrumar uma namorada fofa! — Hoseok comentou, deixando um biquinho crescer nos lábios.

— Hobi, não adianta reclamar, você estava recusando garotas inocentes e fofas até ontem. — Seokjin revirou os olhos, levantando-se depois de guardar seus utensílios de volta na mochila. 

Mal imaginariam os dois amigos que Jeongguk estava a poucos passos de cair na armadilha de uma suposta namorada fofa, que de fofa e feminina certamente nada tinha. 

— Ei. Você sabe por que o Jimin mudou o usuário e a foto no Kakao? — Hoseok exclamou como se tivesse se recordado de perguntar aquilo de último instante. 

— Hã? — Jin franziu o cenho, chegando mais perto do Jung que mantinha o celular em mãos aceso, provavelmente aberto no aplicativo com o perfil do de cabelos rosados. — Onde ele arrumou essa foto da Solar? — Indagou boquiaberto. 

— Não faço ideia, só sei que ela mata ele se ver isso. — Hobi riu. — Imagina? Apanhar da irmã mais velha por roubar uma foto dela e usar no perfil. Será que eles trocaram de celular ou o quê?

— O que o Jimin está aprontando dessa vez? — O loiro indagou pensativo, começando a ligar os fatos, o pedido de mais cedo, o estado desesperado e perdido do de cabelo rosado e agora, aquela mudança radical e suspeita de perfil, roubando a foto e o nome da irmã. 

O horário de aulas passou rápido e logo a última aula daquele dia chegou, mais uma da adorada bruxa da literatura coreana. Taehyung e Jeongguk ainda estavam ambos em estado de defensiva perante seus próprios sentimentos. O Kim aguardaria o resultado da prova para poder tentar alguma coisa séria com o garoto.

Depois de ter sentido um ciúmes bem breve quando viu um dos amigos do Jeon bagunçando seu cabelo, teve uma certeza ainda maior do que queria e trataria de, caso tudo desse certo, aproveitar aquela chance. Transformar um “sair” que não deveria estar sendo levado a sério por Jungkook, em “namorar” seria um desafio e tanto, se tratando do ódio à primeira vista, os socos e as farpas trocadas.

A mulher nem havia entrado na sala de aula e Taehyung já tinha a mão levantada, fazendo-a imaginar que ele queria ou ir ao banheiro ou ir tomar água - famosa desculpa para dar uma volta arejar os pensamentos, isso quando não matava uma aula inteira que não gostava.

— Pode ir fazer o que quiser, Taehyung. — A professora respondeu sem nem saber do que se tratava a mão levantada daquele delinquente, se sentando em sua mesa para começar a fazer a chamada. Estava cansada de alunos como aquele ruivo, só esperava que ele não reprovasse para ter de vê-lo por mais um ano. 

— Não quero beber água nem ir ao banheiro, professora. — Tae negou a precipitação da mulher, mantendo o braço erguido. — Eu quero perguntar se corrigiu as nossas provas. — Disse apontando para o colega de mesa com o polegar, referindo-se aos testes que os dois haviam reposto no dia anterior. 

— Ainda não, sexta-feira estarei entregando ao menos a prova de seus colegas corrigidas. — Anunciou, já causando um alvoroço na sala, pessoas ansiosas para receberem as notas e outras nada contentes prevendo que haviam ido muito mal. 

— Tudo bem. — O Kim sorriu abaixando a mão enfim tendo sua dúvida sanada, podendo olhar para o garoto ao seu lado, que se encontrava um tanto surpreso com a impaciência e a insistência do ruivo em saber sua nota na prova.

Pelo menos tinha uma data para receber as respostas da avaliação, mesmo que ainda tivesse dois dias pela frente para esperar, não sabendo quando realmente obteriam a nota da prova que haviam reposto. 

Jeongguk desviou o olhar por conta da pressão que era ver aquele semblante confiante e um tanto ansioso do Kim. Manteve-se focado em mirar a apostila aberta na matéria de literatura, tentando ler aqueles poemas sem sentido ou analisar as imagens ali dispostas. 

A única coisa que se passava pela sua cabeça era Taehyung e o bilhete. Não tinha como seu inimigo querer mesmo sair consigo, tinha? E sair, que tipo exatamente seria? Iriam a algum tipo de encontro, por acaso? Não, não tinha como. Seria impossível um dia passarem de arqui-inimigos mortais para namorados melosos. Tudo bem que estavam transando, mas era sem compromisso algum. Ou ao menos deveria ser, se o delinquente não fosse daquele jeito ambíguo até mesmo durante o sexo, lhe tratando de uma maneira diferente. 

Era tanta indagação e perguntas sem respostas que somente deixavam Jeongguk ainda mais envergonhado, sem contar que não conseguia aguentar muito olhá-lo nos olhos depois da obscenidade prudente que fizeram no banheiro, conseguia sentir claramente suas costas doer um pouco por conta daquela posição nem tão confortável e depois, ter gozado duas vezes e ambas terem sido insanas, deixava-o um pouco sonolento.

Sem pensar, o mais novo acabou levando uma das mãos para a coluna, descendo um pouco até chegar bem no final das costas, massageando um pouco o local como se quisesse confortá-la, mal imaginando que Tae estava encarando-o.

— Está doendo? — O delinquente preocupou-se, seu tom de voz sendo extremamente cuidadoso, como se estivesse dirigindo-se a alguém deveras frágil naquele instante, o que não era de seu feitio nem se preocupar quanto menos ser gentil.

Jungkook franziu o cenho e deu-lhe um breve tapa na cabeça, querendo que ele parasse de ser daquele jeito, cuidadoso e preocupado, além de gentil e nada desagradável como o delinquente encrenqueiro que havia se transferido para lhe atormentar.

— E se estiver? Vai diminuir o tamanho desse negócio seu? — Indagou um tanto irritado, mas não era pelo fato de Taehyung ter um pau com um tamanho totalmente fora da média e dos limites possíveis coreano. — Aliás, você disse que tinha 15cm! — Exclamou indignado, mexendo na mochila, atraindo a atenção do ruivo. 

— Da última vez que medi, tinha isso, se não me engano. — Ponderou encarando o objeto transparente utilizado para medir, que o Jeon havia acabado de tirar da bolsa.

— 15 cm é isso! — Pontificou, pressionando seu dedo sobre a metragem exata na régua, desviando seu dedo. — Nunca que isso aí que você tem, mede 15 cm! — Justificava, apontando para a régua e depois, para a região da calça do ruivo que guardava o dito cujo. 

— Então, quanto será? — O Kim quis saber, aproveitando do quão dedicado o mais novo estava em apontar mais aproximadamente, qual era a medida de seu tamanho. 

Aquela sim era uma boa questão para ser repensada. Jungkook não conseguiria dizer com exatidão, mas sabia que a coisa realmente era fora do normal e um tanto monstruosa, por assim dizer. Ainda que reclamasse, não seria de seu feitio admitir que de algum modo, gostava daquilo, do tamanho e da grossura incomum. 

— Talvez isso tudo! — Segurou a régua cujas pontas eram sustentadas pelas suas palmas. — Mas você deve ter mais de 20cm. — Retrucou largando a régua de lado, sentindo-se um tanto surpreso por apontar a proximidade do tamanho real.

— A gente pode medir um dia desses, se é uma coisa que você precisa muito saber a meu respeito. — Tae apoiou a cabeça na mão e olhou para o garoto ali, apreciando do estado envergonhado que ele ficou ao ouvir a confirmação do Kim quanto ao que aquilo deveria estar soando.

— I-isso não importa, já sei que você é um filho da mãe pauzudo. — Reclamou, encerrando aquele assunto e voltando a encarar sua apostila, não aguentando o olhar fixo que o ruivo lhe dirigia com um maldito sorriso apreciador na boca, provavelmente por ter vencido aquela discussão em si.

Quando mais uma vez o sinal tocou e adolescentes bateram em retirada, aqueles dois acabaram saindo juntos, como se o universo tivesse feito alguém derrubar seu estojo e espalhar toda sua muamba pelo chão, consequentemente fazendo o Kim ajudá-lo a guardar tudo e aquela coisa toda de dedos se tocando sem querer, clima peculiar e corações acelerados.

Taehyung carregava seu skate debaixo do braço enquanto olhava com certa vontade para aquele corredor inteiramente vazio, tendo somente ele e o mais novo caminhando por ali. 

— Fica de olho. — Foi a única coisa que disse para o Jeon antes de apressar um pouco os passos ao ponto de quase sair correndo para jogar a prancha de rodinhas no chão, subindo e aproveitando para dar um impulso e pegar uma velocidade mais excitante.

Jeongguk balançou a cabeça negativamente enquanto observava o quão aquele ruivo era danado. O garoto continuou caminhando e observando o Kim tentar umas manobras dentro da escola, estas que acabaram dando certo, diferente da última vez que ele se esborrachou no asfalto.

Tae diminuiu a velocidade com que dava o impulso quando o garoto chegou até ele, podendo assim seguirem o caminho juntos. No portão, onde um pegaria um lado diferente daquela rua, o ruivo desceu do skate e sem pensar, pegou no pulso do Jeon, que virou-se surpreso e confuso.

Já não bastava aquele silêncio tremendo que estava se instalando entre eles. Uma hora, os dois estavam conversando e discutindo normalmente como colegas de mesa ou até mesmo amigos retrucando sobre tamanhos de pênis. E em outra, eram apenas dois garotos complicados com uma personalidade esquentada, aprendendo a lidar com um sentimento que não era mais o ódio fervoroso que nutriram um pelo outro na primeira vez que se encontraram. 

— Desculpa. — Rapidamente soltou o braço do garoto, que ainda o encarava confuso e um tanto nervoso. — Só pensei se sei lá, você quer ir lá em casa? — O Kim questionou, olhando o Jeon nos olhos.

Tal troca direta de olhares não durou nem cinco segundos no instante em que Jeongguk ouviu aquelas palavras. “Querer”, “ir” e “lá em casa” numa mesma frase o fez desesperar-se e se sentir ainda mais nervoso. Haviam transado na escola, dentro do banheiro. E agora, Taehyung queria que ele fosse em sua casa? Para quê, exatamente?

— I-ir na sua casa? — Exclamou um tanto incrédulo, não conseguindo evitar um semblante indignado tomar conta de seu rosto por ter ideias um tanto impuras do que podia acontecer na casa daquele ruivo outra vez. 

Tae aproveitou daquele momento. Não imaginava que Jeongguk podia ser tão mente poluída como estava sendo. Por mais que tivesse passado a gostar de fazer aquilo com o mais novo, não era por causa disso que estava chamando-o para sua casa. 

O delinquente queria passar mais tempo com o Jeon, não somente vê-lo na escola onde dividiam a mesa juntos e mal faziam coisas juntos, além daquela escapada das duas primeiras aulas para fazer uma prudência no banheiro da escola.

Taehyung queria fazer outras coisas com Jungkook, queria passar um tempo com ele, talvez aquela tarde pudesse ser suficiente para aguentar até sexta-feira, quando a professora iria entregar as provas corrigidas e poderiam ver o gabarito. 

— Não é o que você está pensando. — O Kim disse acabando com as ilusões sujas do garoto, um sorriso bobo crescendo em seus lábios por realizar o rubor que tomou conta do rosto do mais novo.

— Eu não pensei em nada, seu idiota! — Jungkook rapidamente desmentiu aquele absurdo, mesmo que não fosse tão absurdo assim, porque havia ponderado o que fariam na casa do ruivo. Iriam jogar Monopoly, por acaso?

— Tudo bem. — Tae concordou ainda sorrindo. — Mas e aí, você quer? — Voltou a questionar, encarando o mais novo. — O Yeontan parece ter gostado de você. — Deu uma desculpa para motivar aquele pedido peculiar, não querendo deixar o Jeon pensando por que queria tanto que fosse em sua casa. 

Seria complicado demais explicar a ele que somente queria fazer outras coisas e passar mais um tempo com ele, que não fosse sentados em duas cadeiras copiando coisas da lousa e ouvindo professores falar como se suas vidas dependessem daquilo - e realmente depende, porque dinheiro infelizmente não cai do céu.

— Então, eu vou pra ver o Yeontan. — O Jeon usou daquela desculpa para concordar em ir a casa do delinquente, não se importando com o que iriam fazer lá ou talvez, fingindo não se importar.

O caminho inteiro para a residência do Kim foi em extremo silêncio. Trocavam algumas breves palavras, mas não era como se conseguissem suprimir os batimentos acelerados e o nervosismo por estarem daquele jeito e fossem capazes de conversar normalmente.

Jeongguk sentia-se ainda mais nervoso por estar voltando àquela casa depois do que fizeram na garagem da mesma e também, na manhã de domingo que acordou na cama do ruivo após aquela festa desastrosa.

Taehyung também estava um pouco nervoso. Talvez deixar de seguir o trajeto de skate para poder caminhar ao lado do Jeon, tivesse piorado um pouco a situação, porque não estava se distraindo nem nada do tipo.

Quando enfim chegaram em frente a casa, os dois pararam na calçada. Tae buscava pelo molho de chaves em um de seus dois bolsos, enquanto Jungkook mirava a estrutura daquele sobrado, internamente certificando-se de que não haveria como a situação entre eles piorar.

— Vamos. — Tae disse caminhando em direção a entrada da casa com o mais novo atrás de si.

Assim que os dois se aproximaram da porta, puderam ouvir claramente uma barulheira vindo de lá de dentro - mais especificamente um rock pesado tocando no último volume. Jungkook imaginou o que poderia ser, aliás, o ruivo nunca havia mencionado nada sobre seus pais ou sobre sua família, somente que seu pai supostamente trabalhava em uma oficina.

— Merda. — O ruivo retrucou em xingamento, coçando os fios escarlates, virando-se para o Jeon depois de mal ter girado a chave na fechadura. — Eu não sei mais se é uma boa ideia. — Confessou olhando para o de cabelos negros, que parecia um tanto confuso. — Talvez outro dia? — Sugeriu sem nem esperar por uma resposta do garoto, que desviou a atenção para a maçaneta da porta, observando-a girar antes de enfim abrir-se. 

— Filhão! — Um homem de aparência tremendamente assustadora na visão do Jeon ali, apareceu cumprimentando o delinquente. 

Parando para pensar melhor, Jungkook não o achou tão assustador assim, a não ser pelo tamanho, aparência de barra pesada, cabelo comprido de rockeiro, luvas sem-dedos de metaleiro, tatuagens e piercings, além de estar todo vestido de preto. Talvez fosse o avental rosa que estava usando, a espumadeira que tinha em mãos e a pantufa do Homer Simpson tivesse deixado-o com uma áurea menos assustadora.

Espera. Jungkook não havia prestado muita atenção ou havia se dispersado durante as primeiras palavras que aquele homem proferiu. Ele havia dito filhão para o delinquente ruivo, certo? Então, aquele rockeiro esmagadora e assustadoramente  gigante era o pai de Taehyung? E o que exatamente iria acontecer consigo, já que havia topado com o urso gigante logo na porta da toca? 


Notas Finais


gente, o jimin leva as coisas mto a serio como q podee ksldkl
jungkook vai conhecer o sogrão?? aaa

espero que estejam gostandoo <33
comentem aqui embaixo hihi :3

ate o proximoo sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...