História Jeon Jungkook- "SuperNatural" - Capítulo 62


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7
Visualizações 69
Palavras 2.289
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Magia, Mistério, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello!! Olha quem apareceu... Eu? Não só minha alma porque o cansaço tomou conta do meu corpo😅

*Lêem as notas finais, por favor!!

I'm Evil: Eu sou o mal

Música:

01°Aviva-HUSHH: https://youtu.be/jUZ3vh8ZgHo

02°The tech tieves-Fake: https://youtu.be/MExCVu8-g0Y

Capítulo 62 - I'm Evil


--S-seus...__Ela aponta para mim e olha para a pequena janela.__Temos compania...__Ela sorrir desaparecendo no meio da escuridão... 

________________________________________

,___________, P.O.V

Me mexo entre as fechudaras que prendem meus tornozelos e pulsos, sujando os mesmos com a sangue do ferimento que o aço enferrujado causa em minha pele, minhas mãos se contorcem nas algemas encolhendo as pontas dos dedos passando finalmente pelo metal. Me livro da corrente que ainda prende a outra mão e em seguida as de cada pés, passo minhas mãos nos ferimentos que não param de sangrar pela profundidade dos cortes.

Sinto uma presença estranha no local que estou, estranha e ao mesmo tempo conhecida, olho em volta do pequeno cômodo, corro até a janela segurando as barras de metais da mesma que tem alguns fiapos de vidro cortando a palma da minha mão e meus dedos, solto um murmúrio de dor me afastando das barras de ferro, balanço minhas mãos fazendo o sangue respinga pelo chão sujo e cheio de jornais velhos. Caminho pelo cômodo a procura de achar uma porta para que eu consiga sair desse lugar escuro e a cheiro de mofo, acho uma porta de metal do mesmo material que a janela e das correntes, visualizo a fechadura e começo a procurar pelas folhas de jornais jogadas ao chão algum grampo, ferro ou até a chave daquela porta.

Em um canto acho um grampo e o dobro como a entrada da fechadura o encaixo nela e começo a mexe-lá até que a mesma abra, ouço o trinco destravar e solto o grampo segurando a maçaneta gelada a puxando, o estalo da mesma ecoa pelo imenso corredor a minha frente com diversas portas do mesmo material que a minha, caminho lentamente pelo corredor visualizando cada uma que estão trancada. Adentro um corredor com janelas coloridas imensas destroçadas, os caquitos espalhados pelo chão, com cuidado piso neles sentindo o vidro perfurar minha pele e adentrar meu pé que lateja, suspiro fundo revirando meus olhos pela dor que aumenta.

--,________, cadê você?__Alguém me chama e sinto meu corpo estremecer com a voz fina e assustadora, olho de esguelha por cima dos meus ombros a imagem aterrorizante de uma mulher com roupa de enfermeira manchando de sangue, seu rosto coberto por um pano sujo de poeira, suas mãos carrega um machado de emergência e uma faca de cozinha velha.

Ela parece somente ir por audição, fico parada no mesmo lugar na tentativa não chamar a atenção daquela coisa, mas estou em uma armadilha de vidros literalmente, estou cercada por caquitos que faz barulho somente de se mexer, respiro fundo ainda olhando para a imagem parada do mesmo jeito na entrada daquele imenso corredor, sua cabeça se vira de vagar como filme de terror, um dos seus olhos descoberto olha parra mim arregalados e posso vê por baixo dos panos um sorriso se forma ao me vê, a imagem psicodélica caminha até a mim mancando por uma das suas pernas está destroçada, cortada e cheia do seu próprio sangue.

Sua mão que segura a faca está levantada para me certa quando a mesma estiver perto de mim, meu corpo trava como se esperasse o momento certo para que eu agisse, e é o que ele faz, a figura quase perto de mim ele se move me fazendo se afastar dela começando a correr dali, meus pés pisam nos vidros como na verdade eu estivesse pisando em canivetes afiados. Ouço seus passos mancos correr atrás de mim, olho por cima dos meus ombros para trás vendo a mesma correr arrastando o machado no chão fazendo um barulho irritante.

Um bom tempo tentando fugir daquela aberração, adentrando vários corredores, descendo escadas consigo despista-lá e paro para recuperar o ar da corrida que tive que fazer parta poder sobreviver. Volto a caminhar mancando descendo mais escadas apoiada na parede a manchando com a sangue que escorre por minha mão machucada, adentro mais um corredor e as grandes portas abertas no final do mesmo é minha salvação, minha saída desse lugar, desse inferno. Começo a correr sentindo meus rosto se molhar com as lágrimas de alívio por não encontrar aquela coisa de novo.

No meio do corredor, mancando quase perto da porta algo passo de raspão por meu rosto fazendo um corte que respinga o sangue que misturar com as lágrimas que acessa, olho para a faca cravada em uma pilastra perto de mim, meu peito sobe e desce pela gonia e me viro me deparando novamente com a imagem da mulher parada a minha frente, ela solta uma risada bizarra que ecoa pelo corredor vazio fazendo. Seus braços se levantam segurando o cabo de metal do machado para me acerta, o objeto descendo com tudo para acerta em cheio minha cabeça, me jogo para o lado antes que me acerte, torço pela poeira que levanta com meu impacto no chão.

Me giro no mesmo ao vê o vulto vermelho do objeto vim mais uma vez me acerta enfiando no chão amadeirado velho daquele lugar, a mulher coloca toda sua força para poder tirar o machado do chão, de imediato olho aos redor para achar algo que a mate, vejo a faca da mesma e me levanto rápido dando passos longos e mancos até o objeto, coloco toda minha força pra poder tira-lo, tiro o mesmo e giro meu corpo para jogar em direção a imagem bisonha, mas ela me segura me empurrando contra a parede, minhas costas queimam pelo impacto e eu grito de raiva, pela minha distração ela toma a faca da minha mão e tentar enfiar em um dos meus olhos.

Mordo sua mão e a mulher a minha frente chia de raiva soltando o objeto ao chão, o metal colide com o mesmo e o barulho ecoa, dou uma cabeçada na mesma, sua cabeça vai para trás como se tivesse quebrado e volta ao lugar com um estalo, minhas cabeça dói pela força que bati na mesma e algo escorre pelo meu nariz. A aberração não me solto então chuto sua perna destroçada e nós duas gritamos, ela pela sua perna e eu por meu pé machucado, a mesma ainda me imprensa com força na parede fazendo minha espinha estalar junto a minha costela, seguro seu olho descoberto o apertando com meu polegar, o barulho do mesmo pocando dentro da órbita.

Ela me solota e caí ao chão se contorcendo, respiro com dificuldades pelas dores que sinto em meu corpo e pego o objeto laminado que brilha ao meu lado, me levanto e me assusto com a mesma pulando em cima de mim, bato com minha cabeça no chão e o peso do corpo em cima de mim me prende o ar.

--E-eu... Sou o mal...__A mesma diz e o pano que cobre sua boca se mancha com seu próprio sangue, desço meus olhos até a faca que seguro cravada em seu peito no coração.

Coloco força para tirar a mesma de cima de mim jogando o corpo já morto no chão ao meu lado, puxo o ar com força me fazendo torcer, me levanto de vagar segurando o local da costela e olho para a imagem da mulher com a roupa totalmente manchada com o sangue, piso com um dos meus pés em seu estômago e seguro no cabo da faca.

-EU que sou o mal!!__Enfio mais a faca e logo em seguida tirando a mesma, me viro caminhando até a porta com dificuldades saindo daquele lugar, a chuva começa a cair molhado meu corpo espalhando o sangue por meu pijama de ceda, olho uma última vez parra o local aonde estava e somente destroços de um condomínio antigo e abandonado nada de construção, como se fosse apenas uma miragem minha.

Nego com minha cabeça adentrando a florestas, ainda com a faca na mão começo a correr entre as árvores que ampara a chuva deixando somente pequenas gotas cair entre as copa verdes, mesmo ficando apenas alguns horas naquele lugar parece ter sido dias, me sinto livre de qualquer coisa. Meus pés e o alívio de pisar em folhas molhadas junto a terra que cobre meu pé tampando o sangue do mesmo.

Jeon Jungkook P.O.V

Tem um bom tempo desde que saímos da mansão que estamos a procura da ,__________, e nada de encontrarmos ela, Jin é Namjoon Hyungs nos falaram os lugares capazes de a Calíça ter levado a mesma como sua prisioneira. Estamos com medo da Veela ser capaz de fazer algo com a Lobinha e a machucar, a torturar até que a menor não aguente mais e acabe se enfraquecendo e deixando domina-la.

Tivemos que parar a limusine por Lucca passar por um buraco e acabar furando um dos pneus, descemos do carro, Namjoon e Jin ajuda Lucca a retirar o pneu, enquanto os vampiros dão uma olhada pelas redondezas para vê se avistava algo suspeito, Jimin olhar pelo alto da floreta com suas asas e Hobi Hyung tenta localizar a energia da Lobinha, eu Yoongi e Taehyung estamos de vigia se algo acontece.

-Por que não ajudamos a vasculha a redondeza? Ela pode está perto..._Falo olhando para o Yoongi que tem suas mãos na nuca a apoiando.

--Já repetimos o motivo umas duzentas mil vezes.__O mais velho que tem seus olhos fechados abre somente um me olhando, boceja e volta a sua posição.

Reviro meus olhos estalando meus dedos para poder me controlar, dou algumas fungadas ao tentar sentir o cheiro da Lobinha, mas nada detectado em meu ofato, suspiro aborrecido e ouço a antiga música que o Tae hyung cantava para mim quando eu ficava com raiva e não conseguia me controlar, lembro de quando fiquei com raiva por causa de ter que dividir algo meu com os outros e comecei a atacar todo mundo jogando objetos pesados, sempre tive a força de um lobo misturado com um urso.

--Lembra dessa música Jungkook-ah?__ TaeTae me olha de esguelha e eu concordo dando um sorriso torto parra o mesmo que retribui com seu típico sorriso quadrado.

-Com certeza... Você nunca mais cantou para mim.__Cruzo meus braços o olhando aborrecido e sério.__ Quero que você volte a canta-lá para mim.

--Não está muito velho para isso, não?__Yoongi bagunça meus cabelos e eu estapeio suas mãos para que ele se afaste, aqui mesmo começamos uma discussão de criança dando tapas e falando coisas bobas, Taehyung rir de nossa atitude infantil, Yoongi pode ser o mais velho de nós mas tem a mente infantil.

--Vocês dois quietem, estão me atrapalhando.__A voz alterada de Hoseok nos faz parar e prestar atenção nele que está sentado em uma rocha do lado da estrada. Um trovejo surge nos fazendo encolher por causa dos estrondos.___Achei!!___O de cabelos laranjas se levanta da pedra arrumando sua roupa correndo em direção ao Jin, comentando algo sobre eles.

Jimin desce do alto pousando ao lado de Taehyung que o olha para informações, ele nega e atrás do mesmo surge os vampiros que aparecem em piscar de olhos, ele andam até a Limusine e o seguimos. Jin, Namjoon e Hobi pararam de conversa e olham para nós dando um sorriso.

-Notícias?__Pergunto na esperança.

--Hoseok-ah a localizou na direção sudeste, depois da entrada do antigo hospital e manicômio.__Só de ouvir essas palavras sinto meu corpo percorrer o vento frio que lambe minha pele.

A chuva começa fino e engroçando cada vez mais, Jin diz para entrarmos logo no carro preto que o pneu já está trocado, entramos junto aos vampiros que diz ter uma notícia a nós contar, por seu olhar parece ser algo sério até de mais. Lucca da a partida do automóvel ligando o aquecedor para podermos nos esquentar por nossas roupas estarem encharcadas pela chuva que nos pegou desprevenidos.

--O que vocês tem a nos dizer?__Namjoon parece mais curioso que nós todos e saca log a pergunta que todos nós temos em mente para os vampiros. Eles se entre olham como se estivessem discutindo quem iria contar, Mark limpa a garganta se concertando no Banco de couro do veículo em movimento, o ronco do mesmo baixo pelo som da chuva que colide com o teto do mesmo.

--Bom... Estávamos olhando as redondezas e percebemos que nos afastamos de mais da onde deixamos vocês, continuamos nosso caminho seguindo em direção sudoeste, encontramos uma construção antiga um tipo de uma mansão grande toda desmoronada.___Ele conta com cuidado para não esquecer dos detalhes importantes, Bambam o interrompe dando a continuação.

--A construção do nada começou a se construir ficando intacta, gritos ecoavam por aquele lugar, pelas janelas coloridas transparente vimos vulto vermelho e outro roxo como se estivessem brigando por suas vidas...__Ele acaba de contar e olhamos para o Namjoon que entende mais essas coisas de vultos e coisas místicas.

--Vocês passaram por um portal de dimensões e foram para outro, como vocês não são de lá as pessoas que vivem nessa dimensão vocês enxergam como vultos, e elas não te vê.

--Mas... Se uma pessoa morta não pode nos vê... Então?__ Ele olha para os vampiros que tem seus olhos arregalados.__ Alguém nos viu e saiu correndo para dentro do lugar, e o vulto roxo era alguém... A...

O mesmo faz suspense para falar a última palavra, nós o olhamos em reprovação para que ele prossiga sem enrolar... O barulho de pneu perdendo o controle e a Limusine derrapando pela estrada molhada desequilibra fazendo nós que estamos sem sinto cair no chão do veículo que gira sem parar, até bater em algo. Me levanto com dificuldade vistoriando cada um vendo se eles estão bem, abro o retrovisor que separa o motorista da cabine de trás do carro e vejo se Lucca está machucado, saio do carro em meio a chuva seguido dos outros que querem saber o motivo da derrapagem.

Ao meio aquela neblina causada pela chuva olha para a imensidão da estrada e vejo um corpo caído ao chão, começo a andar em passos longos em direção, quase perto e minha visão mais ampla posso vê a silhuetas de uma mulher....


Notas Finais


Pi pi pi pi pi piiiiii... Bang bang bang!!🔫
Suspense, me perdoe mais sou assim!!😜
O motivo de não ter feito especial já que chegamos a 200 favoritos muito rápido, e por ter sido rápido de mais, e não teve como chegar no capítulo que eu quero para fazer o que eu "quero" de especial. Então em 300 favoritos irei fazer o especial se chegarmos ao Cap que eu quero ok!!?

Bejus😘
E tchau!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...