1. Spirit Fanfics >
  2. Jerrie- Um amor que ultrapassa a barreira do tempo! >
  3. Capitulo 23

História Jerrie- Um amor que ultrapassa a barreira do tempo! - Capítulo 24


Escrita por:


Notas do Autor


Por comemoração a essa fic que chegou 20 favoritos postarei 3 capítulos hoje, um agora, e os outros dois mais tarde, ha e os outros dois vão ser maiores que esse!!

Capítulo 24 - Capitulo 23


Demorei a pegar no sono naquela noite, em parte por que Perrie não saia da minha cabeça, ainda sentia meu corpo se arrepiar apenas com a lembrança do cheiro de sua pele e em parte porque não tinha tomado banho. Fiz uso da água do jarro para lavar apenas o essencial e mais nada. Custei a dormir. Entretanto, meu sonho foi muito real naquela noite. Perrie e eu estávamos em casa, na minha casa. Ela sentada no sofá e eu deitada, minha cabeça em seu colo. Conversamos sobre coisas banais e sua mão brincava em meus cabelos. Uma música suave coloria a cena. Foi tudo tão real que eu podia dizer até o nome da música que ouvi em meu sonho. 

Acordei cedo outra vez, não sei se devido ao sonho estranho ou se pelo incômodo. Mas, já que estava desperta e o sol havia nascido, decidi sair da cama. Juntei os apetrechos de banho e minhas roupas, minha saia e regata, e saí sorrateiramente. 

Não encontrei ninguém na cozinha ou nos corredores. Imaginei que ainda fosse muito cedo para que os empregados estivessem por ali. Segui o caminho que Perrie e eu fizemos no passeio do outro dia e assim que cheguei ao rio procurei em todas as direções por algum olho curioso, mas eu estava sozinha. 

Deixei a trouxinha perto da margem do rio e me despi. Pensei em entrar na água aos poucos, mas imaginei que ainda estaria um pouco fria, o sol ainda era fraco. Então dei um impulso e mergulhei na água cristalina. 

Caramba! Gelada! Gelada! Gelada!

Minha respiração se acelerou e me arrepiei inteira. Batendo os dentes, alcancei a trouxinha e comecei meu banho, quanto mais rápida eu fosse, mais rapidamente sairia da água fria. Contudo, depois de alguns minutos, meu corpo foi se habituando com a temperatura da água e pude aproveitar melhor meu banho. Não me lembrava da última vez que tinha tomado banho de rio, talvez quando ainda era criança. A suave correnteza brincava em minha pele e, depois de me sentir limpa, realmente desfrutei o rio. Tanto que realmente estava brincando exatamente como uma criança, jogando água pra cima e tudo, quando Perrie me encontrou. 

— Você é impossível! — falou, me assustando.

— Perrie! — gritei, afundando na água o mais rápido que pude, mas pela sua cara constrangida, tive plena certeza de que ela tinha visto bem mais que meus belos olhos castanhos. 

Era a segunda vez que ela me via tomar banho. Pelo menos dessa vez meu cabelo não estava verde, me consolei. 

— O que está fazendo aqui?

— Pretendia lhe fazer a mesma pergunta. O que faz aqui tão cedo, desacompanhada e... — ela olhou o vestido jogado no chão. — Sem seu vestido?

— O que parece? Estou tomando banho, não deu pra notar?

— Notei sim. Lá da estrada! — seu sorriso me perturbou. Não sabia se era irônico ou desgosto. Mas, com certeza, não era um sorriso feliz. 

Ai, droga!

— Você devia ter pedido aos criados para que lhe preparasse o banho. Não é seguro, tampouco apropriado, que esteja aqui nestas condições. — falou meio preocupada. 

— Acontece que dá muito trabalho tomar banho por aqui, sabia? Já tentou preparar seu próprio banho alguma vez? — sua testa se enrugou. Claro que ela nunca tinha feito isso. — E pare de chamar seus empregados de criados, é irritante, grosseiro e ofensivo! 

— Perdoe-me, senhorita, mas acho que não a compreendi.

— Você me entendeu sim! Pare de dizer que são seus criados. São seus empregados. Seus funcionários. É tão ridículo se referir a eles dessa forma! 

Perrie não sabia se ria ou se ficava irritada.

— Por que se importa com isso? — questionou.

— Por que eu também trabalho! Se meu chefe se referisse a mim como sua criada, eu te juro que arrancaria as tripas dele pela orelha! 

Perrie tentou não rir do meu pequeno discurso trabalhista, mas acabou gargalhando alto. Só então me dei conta que Storm estava ali também. 

— Ele fugiu outra vez? — perguntei sem pensar.

— Não. Estamos tentando uma caminhada amistosa. — ela passou a mão no pescoço do cavalo. — Estou tentando me tornar sua amiga. 

— Perrie, olha só, eu preciso sair daqui antes que minha plateia aumente. — ergui apenas uma sobrancelha. — Será que poderia se virar, por favor? 

— Certamente, senhorita. Eu a deixaria sozinha se tivesse certeza de que nenhuma pessoa fosse aparecer por aqui e... — ela se virou e terminou com a voz mais baixa — Imaginar tolices. 

— Engraçado. — eu disse, me erguendo na margem e me embrulhando com o pano-toalha.

— Não é que você tem razão! Tem mesmo uma pessoa que insiste em me ver tomando banho! Já fez isso duas vezes! 

— duas vezes?! — ela começou e depois se virou rapidamente para me olhar nos olhos. — Quem é essa pessoa? — Seu rosto indignado. Ela estava ofendida. 

— Você, quem mais? — apertei mais firme o pano-toalha, mas senti que se grudava em cada curva de meu corpo conforme absorvia a água. Rezei para que não revelasse nada mais. 

—Mas isso não se compara quando já se teve uma dama louca por mim, se não estou enganada, até já lhe provei isso.

Eu corei. Lembrei-me com muita clareza de seus beijos na carruagem, das carícias, da droga do zíper...

— Obrigada por lembrar. Agora, vire-se para que eu possa me vestir.

Ela fez o que eu pedi e se calou. Vesti minhas roupas mesmo ainda estando muito molhada. Não me importei. Passei o pano nos cabelos e os desembaracei com os dedos. Juntei minhas coisas na beira no rio.

— Desculpe-me, senhorita, eu não tinha a intenção de ofendê-la. — disse ela, ainda de costas.

—Tudo bem. — retruquei, Caminhei até ela e atirei minhas coisas com pouco cuidado. — Já que está aqui, então seja útil, pelo menos.

Perrie me deixava muito perturbada, às vezes, eu queria beijá-la e nunca mais parar e às vezes, queria esganá-la!

Seus olhos arregalados me examinaram minuciosamente.

— Por que não está vestida?

—Mas eu estou vestida, — abri os braços para que visse.

— Não está, não? Coloque o vestido de volta. — ela ordenou. — Não quero que algum moleque mal intencionado te veja vestida dessa forma. — tirou o vestido da pilha que eu havia lhe entregado e o estendeu para que eu o pegasse.

— Eu. Estou. Vestida! Além do mais, tenho certeza de se você me viu da estrada, sabe muito bem diferenciar quando estou nua e quando estou vestida, não sabe?

Ela corou, confirmando minhas suspeitas. Respirei fundo e comecei a andar. Brinquei com o cavalo quando passei por ele. Perrie me seguiu.

—Não quero que ninguém a veja vestida assim. Por favor, senhorita? — ela me estendeu o vestido outra vez, seu rosto suplicante.

— Não se preocupe, Perrie. Assim que eu entrar em casa, colocarei um vestido limpo. Não o trouxe porque achei que acabaria cheio de lama, já que se arrasta no chão. Não precisa ficar preocupada, não vou envergonhá-la! — assegurei a ela.

Ela sacudiu a cabeça.

— Não é com isso que estou preocupada. Só não quero que os homens... — ela parou, parecia que iria sufocar se não dissesse as palavras.

— O que? — incitei.

— Não quero que os homens possa vê-la usando estas roupas. Elas deixam muito pouco para a imaginação! — falou, olhando para os próprios pés.

— Você não quer... — lentamente, meu cérebro juntou suas palavras e as associou de forma engraçada. — Você está com ciúmes?

— Na verdade, estou sim. — a voz baixa e acanhada deixou ainda mais irresistível. —Creio que já sabe que eu a estimo muito. Mesmo sabendo que era errado de muitas formas - não pude deixar de sorrir. Aproximei-meI dela com cautela, pronta para fugir caso seus braços começassem a me rodear e beijei sua bochecha delicadamente.

— Também gosto de você, Perrie.

E assim como eu sabia que faria, seus braços encontraram o caminho em minha cintura, mas dessa vez fui mais rápida e disparei correndo para a casa. No entanto, depois de ter corrido apenas alguns metros, me virei para vê-la, ainda parada no mesmo lugar, feito uma estatua. Seu rosto desconcertado.

— Você nem faz ideia do quanto! — eu disse, sem conseguir me conter.

Ela sorriu em resposta, recomeçou a andar e eu me pus a correr outra vez.


Notas Finais


Cara nem estou acreditando que chegou a 20 favoritos, muito obrigada mesmo!!! ❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...