História Jet Lag - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Simple Plan
Personagens David Desrosiers, Pierre Bouvier
Tags David Desrosiers, Romance, Simple Plan, Viagens
Visualizações 1
Palavras 2.402
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Reencontro


Acordei naquela manhã gelada com meu celular que estava na escrivaninha no pé da cama tocando insistentemente, depois de ele tocar e parar umas três vezes eu me rendi, me levantei e fui ver quem estava me ligando às sete da manhã de um sábado gelado, quando peguei o celular ele começou a tocar novamente e na tela estava escrito “Pierre Bouvier” admito que considerei a idéia de deixar o celular de lado e voltar a dormir, mas era raro ele me ligar então bufei e atendi o telefone.

- Lembrou dos amigos finalmente?

- Não fala assim Ana, tenho uma boa notícia!

- Qual?

- Estamos na cidade e queríamos te ver!

- Tá, você me acordou às sete da manhã de um sábado só pra me avisar que você e a banda estão na cidade? Really!?

- Então, será que tem como você abrir a porta? Tá mó frio aqui fora, não imaginei que em Roma iria estar tanto frio.

- Você tá na minha porta!? – Falei indo até a janela do quarto que dava para ver a porta de entrada, eu o vi lá parado tremendo de frio junto com o David – Caralho Pierre, vou me trocar, aguenta ai que já desço.

- Vai logo Ana, tô congelando.

- Abraça o David ué, nada melhor que calor humano!

Dei risada e desliguei o celular antes que ele respondesse qualquer coisa, dentro de casa o termostato marcava vinte e quatro graus mas eu sabia que lá fora devia estar no mínimo dez graus então me troquei o mais rápido que pude, desci para a sala e peguei dois casacos, que por sinal eram do Pierre que ele havia largado lá da última vez que me visitou. Afinal nós somos amigos desde crianças, na real ele era melhor amigo do meu irmão que era um ano mais velho que eu, eu e o Pierre ficamos muito próximos quando meu irmão se mudou para o Brasil.

- Vem entra. – Abri a porta oferecendo os casacos, eles rapidamente pegaram e se vestiram. – O que traz vocês aqui para Roma?

- Bom, vai ter show e você vai né? – O Pierre se sentou no sofá se enrolando em uma coberta que tinha ali.

- Quando, onde e que horas?

- Sexta que vem às oito da noite no Onion Club.

- Sexta? Tenho que ver se dá para ir por causa do meu mestrado.

- Bom, vê e avisa por que você tem o all access.

- Ok Pierre, eu aviso.

Ficamos conversando até a hora do almoço que foi quando precisei sair para encontrar o grupo do trabalho da faculdade, encontrei as meninas do grupo em um parque perto de casa.

- Oi gente, desculpa o atraso, acabei tendo uma visita inesperada em casa.

- Olha só! Quem era? O Marcos?

- Marcos? – Perguntei pensativa, logo lembrei que era o menino da faculdade que aparentemente está a fim de mim. – Que? Não, era um amigo meu do Canadá.

- Gente vamos focar no trabalho? – A Vitória tentou mudar o assunto, e ainda bem que deu certo.

Fizemos nosso trabalho e fomos tomar um café em um Starbucks ali perto, por coincidência o Pierre e o David estavam lá, assim que entramos a Vitória deu meia volta e saiu eu sem entender muito fui atrás dela enquanto as meninas foram fazer o pedido.

- O que foi?

- Tem dois integrantes do Simple Plan lá dentro.

- Tá, eu vi, mas que que tem?

- Que que tem que eu sou fã. – Ela apontou para a blusa de frio que estava usando com a estampa da banda.

- Miga eles são gente você sabe disso né?

- Sei mas nunca os vi na minha vida.

- Então! Melhor oportunidade!

Grudei no braço dela e fui para dentro do Starbucks de volta, assim que entrei o Pierre me viu e acenou para mim, a Vitória na hora apertou meu braço como quem quer fugir dali, segurei a mão dela e fui em direção a eles.

- Hey guys!

- Hey Ana! – Os três falaram em coro.

- Pierre, David essa é a Vitória.

- Oi! Prazer! – Eles estenderam a mão e ela sem pensar muito os cumprimentou.

- Ana deixa te perguntar, deu ruim na reserva do hotel, será que...

- Vocês todos lá em casa!? A banda e a equipe? – Fiquei meio indignada, não cabia todos na minha casa, vi o Pierre abrindo aquele sorriso de cachorro sem dono. – Ai caralho, olha, vocês cinco a gente até dá um jeito, a equipe é o que complica a vida Pierre.

- A equipe conseguiu um lugar pra ficar, acabei de receber mensagem. – O David estava checando o celular.

- Bom, nesse caso vocês podem ficar lá sim. – Peguei uma chave com um chaveiro do logo da banda e entreguei para o Pierre. – Deu sorte que fiz uma cópia da chave esses dias, só que o quarto de visitas tá com o climatizador quebrado então vão ter que dormir na sala.

- Obrigado Ana! – Ele me abraçou e me levantou um pouco do chão. – Sabia que podia contar com você!

- Sempre né! Juízo até eu chegar, não destruam a casa, por favor.

- Pode deixar! – O David me abraçou. – Obrigado mesmo!

- Por nada. – Falei meio sem jeito pelo abraço. – Vamos Vitória?

Fui em direção a mesa onde estavam as meninas e me sentei vi as meninas conversando algo sobre alguém da faculdade mas eu estava perdida demais dentro da minha mente para prestar atenção. Meus pensamentos me levaram de volta para uma turnê que eu havia ido junto com a banda há uns três anos atrás, antes de eu mudar para Roma, naquela turnê eu acabei tendo um caso com o David, nunca foi nada sério e também nunca fomos além dos beijos porque sempre fomos interrompidos, parece que o destino estava querendo zoar comigo fazendo eles ficarem lá em casa.

- Ana? – A Vitória apoiou no meu ombro e eu assustei. – Desculpa, é que seu celular tá tocando faz tempo.

- Nossa, nem tinha ouvido, brigada. – Quando peguei o celular ele parou de tocar e constava umas três chamadas perdidas do David. – Merda.

- Tá tudo bem?

- Tá sim Vih, é que pelo jeito a ligação era importante ou ele só está insistindo mesmo. – Olhei para as meninas. – Gente preciso ir embora, algo me diz que estão destruindo minha casa, o trabalho é para quando?

- Para quinta Ana, e vai ter que ser apresentado estilo seminário.

- Ok, se quiserem ensaiar lá em casa amanhã. – Vi todas concordando. – Bom, tchau gente.

- Ana, vou com você – A Vitória se levantou, pegou a bolsa e me acompanhou.

- Você vai no show na sexta?

- Óbvio que vou, você vai?

- Vou sim, podemos ir juntas.

Ficamos o caminho inteiro conversando sobre o show que iria acontecer na sexta, quando chegamos na frente da casa da Vitória me despedi dela e continuei descendo a rua, nesse pequeno percurso eu me perguntava o que estava acontecendo em casa para o David ter me ligado umas dez vezes. Entrei em casa e estava tudo silencioso então fui tomar um banho para me esquentar enquanto mandava mensagens para o David.

“O que foi? Onde vocês estão?”

“Então, eu tentei te ligar por isso, não conseguimos entrar então viemos para o hotel onde a equipe está para esperar você chegar em casa.”

“Como assim não conseguiram entrar!? A chave não funcionou?”

“Nope, você já está em casa?”

“Sim, tô terminando o banho, da uns dez minutos e venham pra cá.”

“Ok, Ah vamos só eu e o Pierre ok?”

“Ué, tá bom.”

Sai do banho ainda estranhando a mensagem do David, me vesti e fui arrumar algum lugar para eles ficarem dei uma ajeitada na sala e deixei os sofás prontos para eles. Quando terminei de arrumar tudo a campainha tocou, abri a porta e assim como o esperado era o Pierre e o David logo eles entraram e se sentaram no sofá.

- Cadê o resto da galera?

- Então, arrumaram quarto para ficar por lá.

- Vão dividir quarto com a equipe. – O Pierre bufou. – Só que só tinha três quartos que davam para dividir.

- Então tá né, bom dei uma ajeitada nos sofás para vocês ficarem mais acomodados.

- E o quarto de visitas?

- Não vale a pena David o climatizador tá quebrado, mas se quiser ficar lá mesmo no frio você quem sabe.

- Vou dormir, tô cansado. – O Pierre estava realmente de mal humor. – Já briguei com gente demais por causa do meu cansaço, boa noite.

Em segundos o Pierre já estava roncando mas eu fiquei meio na dúvida se ele estava dormindo mesmo ou fingindo, para não incomodar ele puxei o David até o quarto para podermos conversar em paz, ele entrou e se jogou na cama arrancando o tênis logo em seguida.

- É aqui mesmo que vou dormir.

- Vai nada, esse é o meu quarto Desrosiers. – Falei me jogando do lado dele.

- Ué e qual o problema de dormirmos juntos?

- Bom, acho que nenhum mas sem gracinhas David.

- Gracinhas?

- Sim, sem direito a nenhum replay David.

- Tá bom.

Ficamos no quarto sentados conversando durante um bom tempo até pegarmos no sono, acordei no meio da noite morrendo de sede e me levantei para beber água na sala, caminhei silenciosamente até o filtro de água e enchi uma garrafa para levar para o quarto, quando entrei no quarto me deparei com o David sentado na cama.

- Tá tudo bem? – Me sentei do lado dele.

- Tá sim, acordei assustado e você não estava aqui.

- Fui buscar água David, assustado por que?

- Bom, seu celular estava tocando, acho que era a sua amiga do bar.

Peguei meu celular e haviam umas três chamadas perdidas da Vitória, mandei uma mensagem para ela falando que eu estava dormindo e amanhã retornaria, me deitei na cama e abracei o David, o cheiro do perfume dele me trouxe várias lembranças, dentre elas o como o beijo dele era bom e o como eu estava com saudades dele.

- Ana? – Ele levantou meu queixo com o dedo indicador.

- Oi. – Eu o encarei.

Ele se aproximou lentamente e me beijou, foi um beijo cheio de saudades e de desejo, ele começou a beijar meu pescoço e pude sentir um arrepio subindo pela minha coluna, nossas respirações foram ficando mais pesadas, ele tirou minha camisa e jogou para o outro lado do quarto, eu arranquei a camisa dele e joguei do lado da cama, os beijos se intensificaram ele beijava cada centímetro da minha barriga enquanto eu arranhava levemente suas costas, e ali a luz da lua cheia foi onde tudo aconteceu, quando acabamos eu me levantei e fui tomar banho. Sai do banho e me sentei na cama aproveitei o tempo em que o David estava tomando banho para raciocinar tudo o que aconteceu e resolvi ligar para a Vitoria.

- Oi Ana.

- Vih o que houve que você estava me ligando desesperadamente?

- Bom, na real eu estava em choque por ter conhecido o Pierre e o David hoje.

- Nem me fale em estar em choque mana.

- Que foi?

- Bom, acabei de finalmente transar com aquele boy canadense, lembra que te contei?

- Lembro sim! E ai? Como foi?

- Bem melhor que o esperado!

- Que maravilha Ana!

- Né! – Olhei em direção a porta e levei um susto, o David estava lá e pela expressão dele com certeza ele havia ouvido algo. – Vih amanhã nos falamos, boa noite. – Desliguei o telefone e me virei para o David. – Há quanto tempo você está ai?

- Bom, tempo suficiente para ouvir você falar que nossa transa foi melhor que o esperado para a sua amiga.

- Ai caralho. – Senti meu rosto corar. – Bom, não falei mentiras.

- E ela sabe que sou eu?

- Não! E nem precisa saber!

- Por que? Tem vergonha por eu ser mais velho?

- Claro que não! Tenho medo porque minha amiga é sua fã.

- Ok, faz sentido. – Ele se deitou do meu lado. – Vem, vamos dormir.

Me deitei apoiando a cabeça em seu peito e abraçando ele, ali eu dormi feito um bebê até a manhã seguinte quando acordei com alguém tocando a campainha desesperadamente. Me levantei, vesti a primeira roupa que vi na minha frente e fui atender a porta.

- Vih! O que foi!? – Sai e fechei a porta atrás de mim.

- Menina você não sabe! Lembra o boy da faculdade que é o clone do David?

- Lembro.

- Então! Ele me chamou para sair hoje no almoço, você não vai ficar brava né?

- E por que caralhas eu ficaria?

- Bom correm boatos por aí que você é a fim dele.

-QUE? – Praticamente berrei indignada. – Eu a fim do Fábio!? Nunca, quem foi que falou isso? Foi a Dani né?

- Na real foi sim, por que?

- Bom, ela me ouviu conversando com um amigo no telefone uma vez, e falei que eu era a fim do David, daí em diante já sabe né?

- Ela criou história, para variar. – Ela cruzou os braços. – Então admite que é a fim do Desrosiers né?

- Bom... – Fui interrompida pelo David abrindo a porta.

- Aha! Então é aí que foi parar meu casaco!? – Ele apontou para o casaco preto que eu estava usando.

- Nem vem David, esse é meu. – Quando olhei o casaco vi que de fato era dele e sorri para ele. – Bom, na verdade, acho que peguei o seu sem querer.

- Sem querer?

- Sim, ninguém mandou largar sua roupa por aí, fecha a porta David, vai acordar o Pierre.

- Tá. – Ele entrou fechando a porta atrás dele.

- Esse é o...

- Sim Vih, é uma longa e complexa história, vamos tomar um café?

- Ok, contanto que você me conte tudo.

Eu entrei em casa, peguei minha bolsa e fui com a Vih para o Starbucks perto de casa, sai de casa prometendo levar café mas como o que eu precisava falar com ela talvez demorasse um pouco mais que o esperado, mandei mensagem para o David avisando que não iria dar tempo e que era para eles comerem algo de casa ou pedirem algo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...