1. Spirit Fanfics >
  2. Jianhurén (Interativa: EXO) >
  3. 2 ; Majestade.

História Jianhurén (Interativa: EXO) - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Oiee! Desculpa a demora para trazer o novo capítulo, mas eu tenho tipo uma ordem de atualização e tento segui-la para não me perder!

Enfim, esse capítulo tá MUITO grande, é o MAIOR capítulo que eu já escrevi, sem brincadeira! Nem sei o quê deu em mim, mas tenho certeza absoluta de que não teremos mais capítulos deste tamanho nessa história!

Ainda não revisei (tô muito ansiosa, me desculpem), vou deixar o link do nosso grupo nas notas finais!

》 A FANFIC TEM UMA PLAYLIST, ESTÁ NO DOCS DAS ACEITAS 《

Boa leitura e perdão pelos erros!

Capítulo 8 - 2 ; Majestade.


Fanfic / Fanfiction Jianhurén (Interativa: EXO) - Capítulo 8 - 2 ; Majestade.


Após a fala de Tao a sala caiu num silêncio desconfortável até que Joonmyeon finalmente tomou a iniciativa

— Bem, como esse tópico já foi resolvido o que acham de nos focarmos no motivo pelo qual estamos todos reunidos? — O Kim sugeriu com seriedade tendo a atenção dos vinte e três adultos em si. — Pelo o que já foi explicado antes de todas chegarem, nós seríamos alguma espécie de guardiões da árvore da vida, alguém aqui sabe mais sobre isso?

— Bem, eu já disse tudo o que minha avó me disse e isso é basicamente tudo o que eu sei. — Mahina falou de forma espontânea tentando fazer com que Yonnah, que agora estava sentada ao seu lado, pudesse se sentir mais à vontade.

— Como disse assim que cheguei, nós somos os escolhidos, os abençoados. — Kira começou a dizer de forma direta e simplória.  — Somos especiais e nosso dever é restaurar a Árvore da Vida, derrotar o mal e trazer o equilíbrio de volta para todos os mundos.

— Por que nós somos os escolhidos? Francamente, eu morava num galpão! — Minseok disse de forma calma, como sempre, suas sobrancelhas estavam unidas e ele parecia pensativo.

— Isso eu não sei dizer. — A Kim falou dando de ombros. — Apenas estou contando o que me explicaram.

— Quem te explicou isso? — Nadyny perguntou tendo muitos acenos em apoio. 

— Minha família. — Kira disse a primeira coisa que veio a sua mente em tom firme e claro, não deixando dúvidas para ninguém ali presente.

— No meu mundo havia uma profecia. — Luana começou a explicar. — E ela se cumpriu em mim, sendo mais direta, eu desenvolvi alguns dons... Poderes, se é assim que posso dizer.

— Isso explicaria muita coisa na minha vida. — Lya riu. — Também tenho poderes, mas nunca soube o motivo!

— Ah, eu também tenho, terráquea! — Yuri disse levantando as mãos de forma animada.

— Idem. — Eunji disse enquanto cruzava os braços e continuava a analisar cada um que compartilhava o mesmo local que si.

— Eu também! — Yi Siyeon disse. — E o mago de meu reino sempre me disse que eu era uma das doze escolhidas da Árvore da Vida.

—  Também tenho um poder. — Chaewon disse tímida ao ter a atenção de todos para si mesmo que por alguns segundos.

— E, eu também tenho. — Yoonah falou se encolhendo entre Mahina e Lya que estava no seu outro lado.

— Quem não se pronunciou é que não sabe de nada? — Joonmyeon voltou a questionar vendo as outras anuirem com suas cabeças. O Kim não pôde deixar de suspirar desanimado por não terem descoberto nada de mais interessante. — Tenho certeza de que tanto vocês quanto nós estamos curiosos para saber de onde vocês vieram. Afinal eu e os meninos somos todos aqui da Terra e desse ano mesmo.

— Como eu disse quando cheguei, vim de Haumea! — Mahina explicou vendo todos olharem para si curiosos. — Acho que ele é um planeta anão. 

— Com licença. — Sehun pediu vendo a loira concedê-lo. — Você estaria falando Haumea, o planeta anão no Cinturão de Kuiper? — O Oh perguntou parecendo surpreso e até mesmo maravilhado mesmo que não mudasse muito sua expressão. — Mais cedo foi tudo muito confuso, mas agora essa possibilidade veio à minha mente!

— Sim, exatamente! — A loira disse sorrindo de forma animada ouvindo um exclamar contido da parte do Oh.

— E eu vim de Glisele. — Yuri disse igualmente animada por saber que não era a única que teria vindo de um outro mundo. — Mas também já fui para a Super Terra!

— Super Terra? — Desta vez fora Jongdae quem questionou impressionado vendo a bicolor assentir com a cabeça repetidamente.

— E eu vim de Starlight. — Chaewon disse tímida novamente encarando o chão fixamente.

— LUXO. — Kira falou de forma direta, podendo ver Tao sussurrar alguma coisa com Luhan que respondeu da mesma forma negando com a cabeça. 

— Bem, eu vim da Terra mesmo. — Luna falou em tom indiferente sendo seguida por murmúrios dizendo “Eu também.”, sendo eles de Luana, JunHee, Eunji, Yoonah, Nadyny e Siyeon. — Só que ao que parece, viajei no tempo. Nasci em mil novecentos e oitenta e dois. Tenho vinte e um anos. Nova Iorque. 

— Mil novecentos e vinte. Vinte e quatro anos. Nova Iorque. — Eunji disse para ninguém em específico. 

— Vinte e três anos, nascida em mil seiscentos e sessenta e nove. Salém. — Yoonah falou após ser encorajada por Lya.

 — Vinte e dois anos, Joseon, mil oitocentos e vinte. — Yi Mi Siyeon disse de forma calma recebendo um olhar rápido por parte de JunHee e Yonnah.

— Vinte e cinco anos, mil novecentos e dezesseis, Califórnia. — Nadyny também se apresentou de forma rápida e precisa como as outras vinham fazendo.

— Vinte e quatro anos, um milhão e quinhentos mil. — Luana revelou prendendo o riso ao ver a confusão dos outros devido o ano de seu nascimento.

— Vinte e cinco. Joseon. — JunHee disse na má vontade.

— Certo, isso é incrível e mais confuso ainda. Precisamos achar uma explicação mais profunda sobre toda essa história. — Joonmyeon voltou a falar. — Baekhyun, você voltou a sonhar com mais alguma coisa? — questionou massageando suas têmporas.

— Nenhum sonho e você, senhorita histórica, sonhou ou escutou alguma coisa? — Baekhyun questionou tirando sarro da Kim que revirou os olhos claramente incomodada. — Ninguém vai falar mais nada? Ninguém tem mais nada para acrescentar? — O Byun perguntou para quem já conhecia a mais tempo fazendo com que todos dessem de ombros, menos o Park que encarava um ponto fixo. — Chanyeol? 

— É a roupa dela, cara. — O Park respondeu indicando Luana com um movimento de cabeça que o olhou desconfiada. — Está me deixando cada vez mais excitado. — revelou sorrindo de canto junto ao Yifan, Joonmyeon esfregou as mãos em sinal de cansaço enquanto Baekhyun ria escandalosamente da fala do Park que mordia os lábios descaradamente ao passear os olhos pela pele descoberta da mulher sem se importar com os olhares atravessados dirigidos a si, logo sendo surpreendido pela ação rápida da Bryer ao mirar com seu arco e flecha em sua direção. 

— Volte a falar mais uma gracinha e a minha flecha atravessará sua garganta. — Luana disse num tom cortante e firme. No momento todos ficaram assustado, Baekhyun diminuiu sua risada gradativamente, assim como Yifan ao perceberem a determinação e frieza que estava pintada na face da morena. Estava claro que aquilo não era apenas uma ameaça. Era um aviso e a postura de Luana dava a certeza que tal aviso seria comprido. O de cabelos vermelhos se rendeu com um sorriso sínico nos lábios, já com o pensamento que não a deixaria quieta.

— Você está sendo mais insuportável que o normal, Park. — Jongdae reclamou depois que a Bryer guardou suas armas. 

— Talvez esse troço de restaurar a Árvore da Vida, não seja a das crenças ou mitologias. — O Do falou de forma séria com seu semblante que esbanjava indiferença. — Talvez seja uma figura de linguagem e o significado possa ser o aquecimento global. Restaurar o equilíbrio natural.

— Oh, então o aquecimento global de fato, aconteceu? — Nadyny questionou parecendo não muito surpresa. 

— Está acontecendo, a cada minuto que passa mais a natureza morre. — Minseok a respondeu com pesar em sua fala.

— Como assim, a natureza morre? — Luana questionou parecendo irritada, pegando todos de surpresa. Já a Armstrong estava desgostando cada vez mais do passado de seu planeta, ficando cada vez mais indignada ao ver a indiferença presente no rosto de alguns.

— Animais e plantas em extinção, o derretimento das calotas polares e crateras na camada de ozônio. — Minseok voltou a respondê-la vendo o cenho da Bryer se franzir ao mesmo tempo em que o chão da Mansão Kim começou a tremer junto a plantas que cresceram por todos os lados.

— Como consegue falar com tanta calma? — O tom de Luana era pura raiva e indignação, raízes envolveram o corpo do Kim que suspirou mantendo sua calma enquanto Luhan, Baekhyun e Yixing tentavam escapar das plantas, assim como muitas meninas. Kira achava graça da situação se divertindo ao ver Kyungsoo, Yuri e Chaewon dando tapinhas nas plantas que se aproximavam dos mesmos, já Mahina parecia encantada com o poder que estava por todos os lados que colocava seus olhos.

— Acalme-se, plebeia! — Siyeon ordenou de pé no sofá se apoiando em Yoonah que a olhava divertida.

— Como é que é? — A Armstrong questionou em tom cético ao mesmo tempo em que as plantas paravam de crescer. — Acho que já está bem claro que você não passa de uma cidadã aqui, então me venha dar ordens!

— Olhe o tom em que fala comigo! — A Yi disse em tom autoritário ao mesmo tempo em que a Luana ria em descrença fazendo com que a Mansão Kim voltasse ao normal dando as costas para a “princesa”. — Não me dê as costas!

— Oras, também sou uma princesa, não preciso medir palavras para falar contigo. — Luana falou já de saco cheio com a petulância e ignorância da Min que mantia sua pose de princesa.

— Servo, coloque essa plebeia atrevida num local fechado, para que ela seja castigada! — Siyeon ordenou a Sehun que revirou os olhos mantendo-se sentado ao lado de JunHee que observava a cena se desenrolar claramente entediada.

— Ok. Você se diz princesa de Joseon, de mil oitocentos e cinquenta e um. — Jongin disse se levantando visivelmente estressado.

— De certo que sim. — A Yi disse de queixo erguido.

— Agora vamos aos fatos: Você não está em mil oitocentos e cinquenta e um, Joseon não existe a um longo tempo, isso significa que você já não é mais princesa, fim da história! — O Kim disse de forma reta e impaciente, sem se importar com a possibilidade de magoar a mulher, estressado com tamanha arrogância proveniente da mesma.

— Como ousa insultar-me de tal maneira, em breve casarei e tornar-me-ei rainha! — Siyeon disse irredutível vendo o Kim cerrar seus punhos prestes a respondê-la à altura.

     — Okay, vossa alteza, como quiser. — Kyungsoo intervir tão impaciente quanto os outros que assistiam a cena em silêncio. — Vamos almoçar fora, fazer algumas compras necessárias e depois voltaremos para tentar descobrir o que falta. Pode ser? — sugeriu vendo Joonmyeon suspirar concordando.

— Aleluia! Finalmente alguém falou algo que prestasse! — Zi Tao comemorou se levantando num pulo junto à Luhan e Chanyeol. — Isso foi uma verdadeira perda de tempo e vocês sabem o quanto eu odeio, perder meu tempo! — O Huang disse antes de sair da sala sem olhar para trás sendo acompanhado por Chanyeol.

— Tenho dinheiro o suficiente para pagar roupas para vocês, então depois do almoço, faremos compras de tudo o quê for necessário, alimentos, higiene, acessórios, roupas. Tudo. — Jongin falou mirando Joonmyeon que concordou consigo.

— O quê tem de errado com nossas roupas? — Luana questionou analisando a vestimenta de cada um. — Vocês que se vestem de forma estranha.

— Acontece que você está no “passado”, querida e terá de se adaptar aos costumes da época e deste país. — Yifan disse em tom sarcástico. — Mesmo que isso seja uma pena. — mordeu os lábios encarando o corpo da morena antes de deixar a sala sem deixar que a mesma o revidasse. 

— É mais ou menos isso mesmo. — Joonmyeon disse calmo como de costume. — Pedirei para Minseok, Kyungsoo e Luhan para pegarem roupas confortáveis para algumas de vocês, para que não chamem tanta atenção. — O Kim explicou. — Mas como Jongin disse, todas poderão comprar as roupas que lhe agradaram.

— Mas… Bem, eu tenho diamantes, onde posso trocá-los por dinheiro? — Luana perguntou levantando um saquinho tirado de sua cintura fazendo todos arregalarem seus olhos.

— O Jongin tem dinheiro… — Joonmyeon disse confuso e surpreso com a Armstrong. 

— Faça o seguinte: guarde e nós podemos usar esses diamantes como um fundo de garantia, caso algo aconteça com o dinheiro de Jongin. — Kyungsoo propôs logo tendo um acordo com a morena.

— Então, vou comprar alguma coisa enquanto se arrumam. — Jongdae falou depois de pegar um cartão com Jongin. — Comprarei uma vã, acho melhor fazermos nossa primeira saída juntos, para evitarmos problemas. — disse antes de sair da mansão. 

— Queiram nos acompanhar, por favor. — Minseok pediu indicando um caminho junto aos homens, passando a guiar as “estrangeiras” pela mansão. 

— Como conseguiu tanto dinheiro, Jongin? — JunHee perguntou o olhando curiosa, sem sair junta às outras mulheres.

— Depois do eclipse ele virou rico. —  Baekhyun comentou antes de deixar a sala, fazendo com que a Kim o olhasse em busca de confirmação. 

— É verdade. — Jongin respondeu. — Acho que  essa tal Árvore da Vida pensou em tudo. 

— Tomara que ela tenha pensado numa forma de me fazer aturar todos esses idiotas. — Kyungsoo murmurou sentando-se numa poltrona como Joonmyeon havia feito segundos após o Byun deixar o local. — Caso o contrário coisas horríveis podem acontecer com eles. Como por exemplo cair de cabeça nas pedras do Jardim. — O Do começou a rir achando graça de sua “piada” enquanto JunHee o olhava assustada e os outros com indiferença, já acostumados com o humor negro de Kyungsoo.

— E como você não respondeu aquela mimadinha ainda, Sehun? — Jongin perguntou. — Ela pensa que você é o servo dela!

— Não sei como agir perante isso. — O mais novo, que permanecia calado até então, se pronunciou olhando para a Kim que se remexeu desconfortável ao seu lado.

— Basta ignorá-la uma hora ela se dará conta. — JunHee disse o olhando de forma rápida antes de mirar um ponto aleatório do cômodo. — Se isso não acontecer, apenas diga a verdade: que é incômodo e ela está agindo como uma criancinha birrenta e perturbada. — falou a última parte com um pouquinho de raiva fazendo todos rirem.

— Jongin. Acho melhor você dá os cartões para nós, homens. Com todo respeito, JunHee. — Yixing, que permanecia pensativo durante todo aquele tempo, se pronunciou após rir e concordar das palavras da Kim, que entendeu suas palavras. — Acabamos de conhecê-las e aquela Lya… Bem, ela não é tão estranha assim. — O Zhang levantou seu celular mostrando uma pesquisa que havia feito. — É uma ladra. — revelou fazendo todos o olharem surpresos.

— Certo, então darei meus cartões para cada um e nós nos dividimos. — Jongin disse.

— Perfeita solução. — Kyungsoo aprovou.

— Faremos então quatro grupos de seis. — Joonmyeon sugeriu. — Assim ficamos misturados, três homens e três mulheres. Fazemos compras de forma rápida, organizada e pacífica! — cruzou os dedos ao dizer a última palavra fazendo com que os seis presentes rissem e concordassem com sua súplica.

Assim que todos estavam prontos, Jongdae coincidentemente chegou com a nova vã pronto para levá-los. Iriam ao Shopping, lá almoçariam ou lanchariam, devido ao horário e depois fariam as compras, seguindo o plano de Joonmyeon. Quando chegaram num dos restaurantes do local — coisa que demorou para acontecer, já que a maioria das mulheres estavam encantadas com tudo o que via fazendo o grupo parar diversas vezes no trânsito e no Shopping perguntando: “O quê é aquilo?”, “Para quê serve?”, “Como construíram isso?”, “Por que prenderam as pessoas ali dentro?”, “E como é que se usa esse celular?”, “O quê é Kakao Talk?”, “Por que as pessoas se vestem desse jeito?”, “Como essas carruagens andam sem cavalos ou jumentos?”, dentre várias outras questões. — escolheram se acomodar num ambiente mais reservado e calmo em prol das visitantes.

— Vamos querer Kimchi, por favor. — Joonmyeon começou a pedir, optando por algo mais tradicional para Siyeon. — Ahn…

— Vou querer apenas um sanduíche por favor. — Nadyny pediu após ver o cardápio do local.

— Eu também, por favor. — Yoonah a acompanhou um pouco confusa, dizendo junto a Eunji.

— Sendo assim, vou pedir purê de batata com molho, batata frita e bife. — Lya fez seu pedido.

— Vou querer o mesmo. — Luna concordou.

— Vou ficar com o Kimchi. — Luana deu um curto sorriso ao garçom que anotava os pedidos de forma cuidadosa e eficaz.

— Kimpap. — Chaewon pediu animada após confirmar sua preferência no cardápio.

— Três fatias de pizza, quanto ao sabor, surpreenda-me. — Kira disse em tom gentil mandando uma piscadinha para o garçom que riu sem graça anotando seu pedido.

— Ahn, vou querer isso aí também, terráqueo. — Yuri pediu depois de ver a foto do cardápio.

— Quero Kimchi também. — Mahina pediu sorrindo levemente.

— Acho que todos nós estamos de acordo. — Jongdae disse se referindo aos homens, com a exceção de Joonmyeon, antes de fazer o pedido. — Onze hambúrgueres artesanais e coca cola, por favor.

— O quê é hambúrguer? — JunHee perguntou num sussurro para Tao que se sentava ao seu lado.

— Doze hambúrgueres. — O Huang pediu sorrindo abertamente. — Você vai adorar! — garantiu para a morena que deu de ombros sorrindo fechado para o mesmo antes de voltar sua atenção para Joonmyeon que voltara a falar após o garçom sair com seus pedidos.

— Após o almoço, nós faremos as compras. — O Kim disse de forma séria, mostrando que não era a hora para brincadeiras. — Jongin já distribuiu onze cartões para cada um, então ficarão três cartões em cada grupo de seis. Serão quatro grupos e nem ousem se dividirem, é para fazermos as compras unidos, entendeu? — Joonmyeon questionou lançando um olhar cortante para Baekhyun, Yifan, Chanyeol e Luhan que assentiram a contra gosto. — Vamos estipular um horário para nos encontrarmos na entrada principal do Shopping… Dezenove e meia está bom? — perguntou assim que os pratos chegaram.

— Nossa isso é gostoso! — Yuri exclamou ao comer um pedaço de sua fatia de pizza, fazendo todos rirem com sua reação.

— E aí, JunHee? — Tao perguntou a olhando em expectativa.

— É como se fosse uma comida divina! — A Kim disse com os olhos arregalados fazendo com que o Huang e o Jongin, que também estava ao seu lado rissem.

Quando todos terminaram suas refeições, decidiram descansar um pouco na pequena pracinha que havia dentro do Shopping aproveitando para explicar um pouco mais sobre como a atualidade o mundo funcionavam, concluindo, por fim, que seria uma boa ideia comprar smartphones para as mulheres.

— Bem, então vamos às compras. — Joonmyeon exclamou. — Tomei a liberdade de eu mesmo separar os grupos, ficou assim… Grupo um: Jongdae, Zi Tao, Sehun, Yuri, Kira e Siyeon. — O Kim olhou como se pedisse desculpas para o Oh que se encolheu no banco onde estava. — Grupo dois: Kyungsoo, Baekhyun, Minseok, Nadyny, Luana e Chaewon. Grupo três: Eu, Jongin, Chanyeol, Eunji, Luna e JunHee. Grupo quatro: Yixing, Yifan, Luhan, Yoonah, Lya e Mahina. Todos de acordo?

— Tudo bem, vamos às compras! — Lya exclamou animada. Fazendo assim com que os quatro grupos se separassem. 






Yuri observava tudo meticulosamente enquanto ZiTao — O mais animado entre os três homens do grupo — os guiava pelas mais variadas lojas dentro do grande Shopping. A Boo achava incrível como os terráqueos eram capazes de fazerem coisas tão incríveis assim como seu povo, é claro que eram um tanto atrasados em algumas questões, mas a bicolor não podia deixar de se maravilhar com o novo, querendo guardar o máximo de lembranças possíveis para contar para seu povo quando voltasse para seu novo lar.

— Bem, aqui é a nossa primeira parada! — Tao falou animado indicando a loja de calçados onde os mesmos já estavam. Jongdae, Sehun e o Huang apenas ficaram observando as mulheres analisarem as vitrines e os modelos disponibilizados pela loja, era bastante nítido a diferença de cada uma, assim como as diferenças entre os três. Yuri observava, tocava e experimentava tudo de forma curiosa, saltitando e girando de um lado pelo local recebendo muitos olhares que se dividiam entre os desgostos e aqueles que achavam graça da situação. Kira era uma que achava graça do jeito da Boo, mas seu foco momentâneo era aproveitar umas das oportunidades mais doces de sua vida: compras de graça. Ela tinha como pagar, mas preferiu ficar quieta e se divertir. A Kim analisava cada calçado que chamava sua atenção, o experimentava e perdia bastantes minutos na frente de um dos grandes espelhos do estabelecimento admirando o cabimento em seu corpo. Já Siyeon não fica muito tempo longe do Oh, sempre fazendo com que o moreno tivesse que segurar cada vez mais peso com suas escolhas. Sehun estava prestes a pedir arrego e as compras apenas estavam começando, mas não sabia se aguentaria ficar tantas horas com a mulher o chamando de servo sempre que queria alguma coisa.

— Vontade de colocar uma fita isolante na boca dessa mimada! — Jongdae reclamou enquanto os três passavam as compras no caixa. — Garota insuportável! Olhem a Boo e a Kim, se ela fosse ao menos um pouquinho mais parecida com elas seria melhor, mas não! Ainda acha que tem uma coroa na cabeça! — O Kim continuou reclamando enquanto dava um jeito de segurar todas as compras de Kira.

— Tá de brincadeira? A Yuri parece viver num mundo colorido e encantado! — Foi a vez do Huang reclamar. — Saltitando de um lado para o outro como se estivesse num conto de fadas, nos enchendo de perguntas e mais perguntas! — Tao exclamou chamando a atenção de algumas pessoas enquanto o trio caminhava em direção à loja onde haviam deixado as mulheres escolhendo seus acessórios e maquiagens.

— Talvez você só esteja incomodado com isso porque a Yuri é praticamente você em versão feminina. — Jongdae disse claramente se divertindo com a situação. — É claro que eu prefiro mil vezes a companhia dela que a sua.

— O Yifan disse que a encontrou na entrada dos fundos da Mansão. — Sehun comentou ante que ZiTao pudesse retrucar de forma escandalosa. — Ela tava pegando a terra perto do muro e guardando nos bolsos. — sussurrou vendo que as citadas se aproximavam com mais produtos, vendo os mais velhos arregalarem seus olhos tentando conter uma careta de espanto.

— Servo, estou ficando cansada. — Siyeon reclamou. — Arrume um palanque para mim. — ordenou fazendo Sehun respirar profundamente antes de sair andando pela loja com a esperança de que a Yi se perdesse pelas prateleiras. — Servo! Volte aqui! Como ousas me dá as costas? Eu sou a Yi Mi Siyeon, a princesa de Joseon! — exclamou irritada seguindo o caminho do Oh com o queixo erguido ignorando os olhares estranhos dirigidos a si.

— Jongdae, certo? — Kira perguntou simplória após se aproximar dos homens minutos depois da cena feita pela Yi vendo o Kim anuir em resposta. — Pode me acompanhar até o caixa? Estou aguardando vocês à mais de dez minutos. 

— Ah, claro. — O Kim se conteve para não revirar os olhos sorrindo forçadamente em direção ao Huang. — Fique de olho na Boo. — mandou antes de caminhar junto à outra Kim em direção ao caixa.

— Onde está aquela maluquinha? — Zi se perguntou antes de sentir alguém tombar em suas costas o fazendo virar-se rapidamente. — Yuri? Você tá bem? — Tao perguntou um pouco preocupado e irritado ajudando a mulher a sua frente a se levantar em segurança. 

— Me desculpe, eu, eu estava testando as tais maquiagens, Kira me disse que eu podia, mas acho que fiz da forma errada! — Yuri disse segurando firmemente as mangas da blusa de ZiTao que não conseguiu segurar sua risada ao ver um dos olhos da Boo praticamente fechados por cílios postiços mal aplicados e o outro borrado por aquilo que parecia ser um batom. Sua risada era alta e estridente, o Huang ainda batia palmas, faltando apenas se lançar ao chão, deixando Yuri envergonhada e magoada.








— Estou sendo castigado! — Kyungsoo murmurou entredentes se jogando em outro sofá. — Não aguento mais essa desgraça! — suspirou alto ao ver Luana adentrar ao provador mais inúmeras roupas, fazendo Minseok sorrir achando graça de si. — A pior ideia que eu poderia ter tido.

— Elas estão conhecendo tudo isso, é normal que seja demorado. — Minseok disse de forma calma observando a Lee escolhendo suas roupas de forma animada e serena. — Ela é bem calminha. — comentou indicando a mesma com um movimentar de cabeça vendo Kyungsoo concordar com um levantar de ombros. — Diferente de Luana que nem me conheceu e já tentou me matar. — O Kim riu disse se lembrando dos momentos mais tensos de sua vida que ocorreram a poucas horas atrás.

— E pelo menos ela não caiu na lábia do Byun. — O tom de Do quase beirava a incredulidade observando Nadyny e Baekhyun escolhendo roupas juntos não muito longe dos provadores. — Sinceramente, não esperava isso dela! Ela me pareceu madura e séria o suficiente para não dar trela pro Baekhyun. 

— Isso foi um pré conceito entanto, já que nós ao menos a conhecemos, Kyungsoo. — Minseok o advertiu vendo o Do murmurar desgostoso observando Chaewon entrar a passos tímidos na área de provadores.

— Esse com certeza ficou incrível. — Baekhyun disse sorrindo observando o caimento do vestido no corpo de Estella que sorriu agradecida em sua direção. 

— Muito obrigada por sua ajuda. — Nadyny agradeceu tentando não transparecer a falsidade que tinha em suas ações. Ela havia achado o Byun interessante, mesmo que um tanto irritante e não via mal algum em tentar se envolver com o mesmo se isso significasse algum tipo de aventura e diversão. — Estava me sentindo deslocada com tudo isso, mas você está sendo muito bom comigo.

— Que isso, meu amor. — O Byun sorriu de canto em direção da Hill, mordendo os lábios sutilmente. Baekhyun estava contente ao ver que sua pose cheia de cavalheirismo havia, aparentemente, conquistado a Hill. — Não estou fazendo nada demais. Apenas o quê é certo.

— Ahn, você poderia me dar sua opinião? — A voz de Chaewon soou baixa atrás da morena que se virou lentamente em direção à Lee que segurava duas blusas com desenhos diferentes. Mesmo tendo um pouco de receio já que a mulher não fora nada amigável ao chegar na Mansão, Chaewon decidiu se arriscar, talvez pudessem ser amigas. — Não sei se compro essa com flores ou essa com o Mi-Mic-ckey. Poderia me ajudar, por favor? — pronunciou o nome de forma embolada por ter acabado de conhecê-lo, olhando a Bryer de forma esperançosa. 

— Escolha as flores. Gosto delas. — Luana respondeu prestes a se voltar ao provador.

— Mas eu também gostei do Mickey. — A Lee disse parecendo confusa olhando de uma blusa para a outra.

— Eles estão pagando, leve as duas, oras! — Falou como se fosse óbvio antes de fechar a porta do provador na cara de Chaewon que ficou espantada com a atitude da outra. Suspirando a Lee saiu dos provadores indo em direção aos homens que as esperavam num dos sofás do estabelecimento. 

— Teria algum problema eu levar as duas? — Chaewon perguntou tímida recebendo a atenção dos dois.

— Claro que não. — Minseok a respondeu gentilmente. 

— Pegue tudo o quê quiser, não sou eu quem está pagando mesmo. — Kyungsoo disse dando de ombros fazendo a Lee concordar após pensar um pouco.

Não demorou muito e Byun já havia pagado as compras de Nadyny, ambos, Kyungsoo e Chaewon esperavam Minseok terminar de pagar as compras de Luana para que pudessem rumar às outras lojas.







Joonmyeon estava impressionado com o desenrolar das compras no Shopping, ainda mais com a dupla que andava à sua frente, Chanyeol e Eunji tiveram uma conversa consideravelmente longa e pacífica enquanto o grupo ainda procurava por lojas que chamassem a atenção das mulheres e no momento caminhavam lado a lado em silêncio parecendo confortáveis com a presença um do outro como se nunca tivessem tido um primeiro “encontro” quase mortal na Mansão Kim. O mais velho estava realmente surpreso, afinal, havia decidido ficar no mesmo grupo que o avermelhado pensando que teria que colocar rédeas no Park devido seu comportamento extremamente implicante nos últimos dias, mas quem discutira no final, fora si. Não foi proposital, o Kim apenas havia se posto à disposição para ajudar a González quando fora bombardeado por frases rudes e ignorantes, se fosse num outro dia, Joonmyeon com certeza não teria revidado, muito menos da mesma forma, mas o moreno estava tão estressado com os últimos acontecimentos que não conseguira se conter, acabando por ter um rápido desentendimento com Luna, que escolhia suas roupas sozinhas.

— O quê vocês acham dessa? — Joonmyeon fora tirado de seus devaneios por JunHee que segurava um macacão pantacourt preto e básico. — O quê foi? Vocês estão com cara de cainho do nada e isso tá me irritando, então me ajudem!

— Cainho? — Jongin perguntou confuso e achando um pouquinho de graça, não era a primeira vez que a Kim falava alguma palavra diferente.

— É bem bonito para falar a verdade, você pode comprar aquele conjunto ali. — Joonmyeon disse parecendo um pouquinho perdido. — Acho que combina contigo. — indicou, mesmo sentado, para uma sessão que estava atrás da mulher. 

— Você está chateado porque discutiu com a garota? — JunHee questionou insatisfeita vendo o Kim desviar o olhar do seu a fazendo bufar. — E você porque queria se aproximar da outra mas o Park chegou primeiro? — perguntou com a sobrancelha arqueada vendo Jongin formar um biquinho em seus lábios enquanto inflava suas bochechas cruzando seus braços acima do peito sentando desleixadamente no sofá ao lado do moreno mais velho. 

A Kim estava perplexa com o comportamento de Joonmyeon, mas entendia, ele era como um líder e talvez estivesse se cobrando demais por ter “falhado” com uma "novata", já Jongin, ela realmente não compreendia o porquê do Kim querer se aproximar da Hwang — havia assistido várias tentativas frustradas — afinal aquela mulher tinha tentado matá-la e JunHee pensava que tinha alguma ligação de proteção com o Kim, mas isso a deixava com dúvidas.

— Aquilo não é de meu feitio, entende? — Joonmyeon perguntou em tom preocupado como se estivesse decepcionado consigo mesmo.

— Ai, olha… — A Kim murmurou parecendo estar numa luta interna. — Eu não vou falar com a Hwang, ela colocou aquela coisa… Uma arma, eu acho, contra minha cabeça. Aliás, vocês precisam descobrir se tem mais daqueles negócios com ela! — pontuou antes de voltar ao seu monólogo. — E eu realmente não sei como falar com a tal Luna. Então… Ai, eu não acredito que vou falar isso. — JunHee mordeu os lábios parecendo inquieta vendo que a González havia se juntado à Eunji e Chanyeol. — Dá um jeito do Park me procurar, inventa alguma coisa! Eu vou me esconder nos provadores e vocês se resolvem com elas, ok? 








O Wu achava de certa forma engraçado a forma como Yixing vinha agindo desde que saíram da Mansão Kim. O Zhang não tirava os olhos da Min que caminhava à frente dos três junto à Yoonah que sempre se afastava quando um dos homens se aproximavam de si.

— Nós já compramos roupas, calçados… Onde compramos os artigos de higiene? — Mahina perguntou sendo a única das mulheres que caminhava lado a lado com o trio. A loira também queria estar ao lado da Lee que não tirava o semblante abatido de sua face, mas também queria se aproximar dos homens que, agora, fariam parte de sua vida ou pelo menos de uma parte dela.

— Nós encontramos na farmácia. — Foi Luhan que respondeu. O Xiao estava estranhamente calado e quieto na sua, não havia feito nenhuma piada, muito menos cantado alguma das garotas o quê fez tanto a loira quanto seus amigos estranharam o comportamento do loirinho. — É por aqui. — indicou o caminho com a mão. 

— Ei, vamos por aqui meninas! — Mahina se aproximou sutilmente das mesmas, passando assim a caminhar junto à elas em direção à farmácia. 

— E então Yoonah, está gostando de fazer compras? — Lya perguntou tentando fazer com que a Lee desse ao menos um sorriso. Ela nunca viu uma mulher com uma áurea tão triste e isso a incomodava, a Min queria vê-la sorrir de forma sincera e feliz.

— É interessante… Como tudo mudou. — O tom da Lee era sereno enquanto seguia os passos das mulheres que foram bastante simpáticas e acolhedoras consigo. — Mas ainda não consigo acreditar que isso realmente está acontecendo. É assustador.

— É por isso que você está com essa carinha? — Lya perguntou após pegar cinco pacotes de diferentes absorventes colocando-os na cestinha que carregava antes de olhar a morena.

— Que carinha? — Yoonah perguntou confusa sendo observada pelas duas mulheres à sua frente.

— Essa tristeza… Sente saudades de casa, não é? — Mahina questionou de forma tranquila vendo a Lee se encolher na blusa que Luhan havia lhe entregado. Contudo antes que Yoonah pudesse respondê-las, Yifan se aproximara das mesmas fazendo com que a morena se escondesse visivelmente assustada atrás de Lya que não pôde deixar de achar a atitude um tanto estranha.

— Yixing teve de ir ao banheiro e Luhan sumiu pela drogaria. Então vou ficar de olho em vocês.  — O tom do Wu era recheado em tédio e suas sobrancelhas se juntavam a medida que percebia o qual assustada a Lee estava atrás da Min. — O que houve gracinha, viu o bicho papão? — perguntou achando graça pela tremedeira que tomou conta do corpo de Yoonah que abri e fechava a bocs como se estivesse em choque fazendo Lya a olhar preocupada assim como Mahina.

— Yoonah, está sentindo alguma coisa? — A Min questionou em tom calmo depositando um singelo carinho nos braços da Lee. — Você não me parece nada bem.

— Eu, eu… — Yoonah tentava organizar seus pensamentos mas sua mente apenas reproduzia num loop vicioso o elogio de Yifan como um alerta de um possível interesse do homem de postura assustadora em si. E apenas aquela possibilidade a fazia entrar em desespero. 

— Meninas? Yifan, o quê você fez com ela? — Luhan questionou um poco irritado assim que chegou perto do quarteto carregando duas cestas cheias de artigos de higiene, olhando a mulher que tanto lhe encantara parecendo tão assustada quanto no momento em que se encontraram. — Yoonah, você está bem? — perguntou visivelmente preocupado a olhando atenciosamente. 

— Estou sim. — A Lee suspirou aliviada ao conseguir formular uma resposta descente vendo os homens à sua frente se entreolharem, o Xiao realmente parecia achar que Yifan havia feito algo contra si. — Ele não fez nada. Estou apenas assustada com tudo isso, viagens no tempo, não? — Yoonah forçou um riso tentando quebrar o clima tenso que havia tomado conta do local, como se uma nuvem negra e fria tivesse parada acima deles. Contudo eles haviam percebido que ela não estava bem, principalmente Lya que sentia sua manga comprida ser apertada gradativamente pelos dedos da Lee de forma inconsciente. 

— O quê houve? — Yixing perguntou com seu semblante costumeiramente sério ao se aproximar analisando o quinteto, em especial a Min, tentando ver se a mesma não havia furtado algo o quê não passou despercebido pelos olhos atentos de Lya. — Se já terminaram vamos pagar. Ainda temos muito o quê comprar. — disse ao ver que não receberia respostas. Logo tomou as cestas de Mahina e Lya de forma calma vendo as mãos trêmulas de Yoonah o entregarem sua cestinha. — Yifan, você vem comigo, fique com elas, Xiao. — mandou logo vendo o Wu pegar as cestas do outro chinês enquanto revirava seus olhos. O Zhang não era bobo, havia percebido os olhares de Luhan em direção do Wu e o desconforto da Lee, por isso preferiu levar Yifan consigo.

— E então, querem comprar o quê? — Luhan perguntou gentilmente. — Roupas, maquiagens, calçados, acessórios? — continuou tentando não deixar evidente que Yoonah é quem tinha sua atenção. 

— Roupas! Vamos comprar roupas! — Mahina respondeu animada fazendo o trio rir. — Vamos montar vários looks estilosos! — Piscou um de seus olhos para Yoonah que riu divertida fazendo a loira se sentir satisfeita ao ver o sorriso da Lee e Luhan se encantar ainda mais pela mulher, aparentemente, tímida a sua frente.









— Certo, já foi roupas e maquiagens, faltam calçados e acessórios. — Minseok pontuou analisando sua lista em seu celular. Enquanto caminhava ao lado de Chaewon que observava o aparelho com curiosidade. O Kim já havia explicado o básico sobre tal tecnologia para a Lee e havia feito uma nota mental de passar na loja de informática para efetuar a compra dos aparelhos das mulheres. 

— Você acha que a Árvore é real? Eu acho que sim. — Chaewon comentou brincando com as sacolas que carregava.

— Bem, sendo ou não, somos especiais… — O Kim respondeu pensativo. — Você disse que tinha poderes… Quais são? — perguntou curioso vendo um sorriso brincar no rosto da morena.

— Eu consigo controlar tudo que tiver teor magnético! — A Lee respondeu animada vendo os olhos de Minseok se arregalarem em admiração. 

— Então você é tipo uma super guerreira? — Kyungsoo questionou levemente impressionado. — Faz sentido a forma como abordou Minseok. — concluiu dando de ombros vendo a Bryer rir.

— Ainda preciso me desculpar pela forma como o tratei. — Luana disse um tanto divertida e pensativa, observando o Kim que caminhava junto à Chaewon um pouco à sua frente. — Ele agiu de forma bem tranquila para quem poderia morrer a qualquer momento. — falou ao se lembrar da tranquilidade que Minseok tivera desde o momento em que fora abordado por si.

— Oh e a gente pode ir quando quiser? — Nadyny perguntou interessada sentindo o Byun abraça-la pelos ombros enquanto caminhavam.

— Bem, as boates funcionam de noite e madrugada. — Baekhyun respondeu vendo Estella concordar com a cabeça. — Se quiser, eu te levo num dia desses. — Ofereceu sorrindo de canto vendo Nadyny retribuí-lo da mesma forma.

— Eu adoraria.







— Servo, o quê faremos aqui? — Siyeon perguntou já cansada de tanto andar vendo o Oh largar suas compras aos pés de ZiTao e sumir por um corredor aleatório da loja de roupas onde estavam, antes que a Yi pudesse segui-lo, Jongdae a segurou pelo braço a obrigando a se sentar ao lado de Kira, a qual já havia terminado de escolher suas roupas. — O quê, como ousas-

— Olha só garota, vou te falar apenas uma vez. — Jongdae disse irritado. — Você não passa de uma cidadã Sul Coreana com um complexo extremamente ridículo de superioridade, age de forma petulante e irritante com essa pose controladora. — O Kim falava sem medir o tom e acidez de suas palavras. — Sehun não é seu servo e muito menos te suporta, ele é apenas educado demais para falar tudo o que você merece ouvir. Pouco me importa se voce teve um papel significativo para a história da Coreia, eu não vou permitir que continue fazendo meu amigo de idiota, está me ouvindo?

— Ora, seu- 

— Gente, calma! Pra quê tanto ódio? — Yuri perguntou confusa pelas palavras do Kim. Havia chegado na metade da conversa carregando uma bolsa cheia de roupas e havia se surpreendido com as palavras ácidas provindas de Jongdae.

— Calma nada. — ZiTao falou entredentes puxando a bicolor para seu lado voltando a filmar o Kim e a Mi à sua frente. — Deixa o circo pegar fogo, não estrague minha diversão! — ralhou voltando a se focar na discussão acalorada que voltara a acontecer entre Siyeon e o Kim.

— Circo? — A Boo perguntou confusa em direção à Kira. Porém a Kim não lhe dera atenção, ela sorria vendo a irritação estampada em cada ponto de seu rosto e comportamento. Kira via em Siyeon uma grande oportunidade e trunfo para sua missão. 







Yoonah segurava o aparelho com curiosidade e cuidado não conseguindo deixar de pensar o quão incrível era aquela “caixinha” por fazer tantas coisas. 

— Vamos fazer um grupo no Kakao Talk, será incrível! — Lya exclamou animada mexendo em seu próprio celular.

— Mas vocês já estão no grupo. — Yixing comentou se referindo ao grupo que haviam feito para que os vinte e quatro pudessem se comunicar com facilidade.

— Um grupo só das meninas. — À Min respondeu como se fosse óbvio fazendo o Zhang olha-la seriamente antes dar as costas para a mulher e se voltar para Luhan.

— O quê houve? Você não é assim, é praticamente um ZiTao, porém mais calmo. — Yixing perguntou observando o comportamento estranho de Xiao.

— Não sei… Apenas me sinto estranho… — Luhan respondeu de forma simples. — Mas estou bem. Quem tá diferente mesmo é o Yifan, não acha? — perguntou olhando para o Wu que conversava calmamente com Mahina. — Não aprontou nada até agora.

— Logo, logo essa “calma” dele termina e ele volta a ser o nosso querido Wu Yifan. — O Zhang respondeu tranquilamente guardando suas mãos nos bolsos de sua calça. 

— Você acha que ela pode nos roubar ou usar um dos truques dela contra nós? — Xiao questionou se referindo a Min sabendo que o loiro havia entendido sua fala.

— Acho. — Yixing falou sem hesitar. — Já li que ela deixou a mãe dela e fugiu para cá. Se Lya foi capaz de fazer isso com sua mãe, imagine o quê pode fazer conosco, meros estranhos? — Expôs sua linha de pensamento ao loirinho que concordou consigo.






— Você tem ideia do quanto eu te procurei?? — O Park gritou assim que ela saiu dos provadores. — Os outros já pagaram as coisas, até compraram os smartphones e você estava aí!

— Nao tinha a obrigação de ficar me esperando, Chanyeol. — JunHee disse colocando algumas roupas de volta aos cabideiros enquanto carregava algumas outras.

— Você é muito ingrata, sabia? — O avermelhado disse indignado pegando a cesta da Kim indo diretamente ao caixa. — Se não fosse por mim, Eunji poderia ter estourado seus miolos com aquela arma e você ao menos me agradeceu! — disse enquanto passava o cartão. — Agora eu fico aqui, te procurando, nesse mundo tão perigoso e você continua sendo ingrata! — O Park continuou seu discurso enquanto começava a caminhar para fora da loja carregando as compras da Kim, logo parando no lugar ao vê-la parada no meio do estabelecimento. — JunHee?! — A chamou no mesmo lugar estranhando ao ver que a mulher ao menos piscava. — JunHee?? — Chanyeol a balançou vendo que a mesma parecia estar em transe olhando fixamente para os fundos da loja. — Mas… O quê? — resmugou ao perceber que tinha uma pessoa encapuzada olhando na direção dos mesmos. — Mas que merda! Ei, você! — gritou vendo a pessoa fugir ao mesmo tempo em que a Kim cambaleava confusa.







Os vinte e quatro estavam novamente na Mansão Kim, haviam acabado de lanchar eram vinte horas. Joonmyeon, JunHee, Minseok, Yoonah, Kira, Kyungsoo e Sehun procuravam algo que pudesse ser suspeito no casarão, Kira havia comentado com todos durante a refeição que a Árvore da Vida pudesse ter preparado algo na Mansão Kim, o quê fez o Kim mais velho pedir ajuda para alguns dos moradores da casa, na verdade, Joonmyeon delegou tarefas para cada um os dividindo em grupos novamente para si, era uma ótima forma de aproximar o grupo já que provavelmente teriam que trabalhar juntos. Yoonah, Kira e JunHee estavam no solário dos fundos de frente para uma grande estante de livros que abrigava uma linda pintura de uma bela árvore, esbelta, alta, robusta, colorida e vívida.

— Sei que talvez vocês nunca tenham visto um filme. — Kira começou a falar. — Mas isso seria muito clichê. Me esperem aqui e não toquem em nada, irei chamar os outros. — pediu antes de sair a passos apressados.

— Então você veio de Joseon? — Yoonah perguntou sem desviar o olhar da pintura.

— Sim, mas de uma época aparentemente um pouco mais atrás da sua. — JunHee disse de forma calma e gentil avaliando disfarçadamente a mulher ao seu lado. Antes que a Lee pudesse continuar a conversa, Kira chegou com os outros moradores.

— Vocês acham que tem algo escondido aqui? — Kyungsoo perguntou parecendo um tanto cético. Já Luana passou por todos os vinte e três olhando surpresa para a pintura.

— O quê foi, Luana? — Joonmyeon perguntou percebendo como a Bryer admirava a pintura. — Conhece essa pintura?

— É a Árvore Mãe. — Luana respondeu se aproximando da pintura parecendo encantada. — Na verdade, parece com a Árvore Mãe, essa é mais alta, viva… Poderosa. — comentou deslumbrada passeando seus dedos pelos traços leves que formavam a pintura.

— Tem algo escrito bem ali. — Sehun comentou apontando para uma placa que ficava abaixo da pintura fazendo ZiTao se aproximar curioso junto ao Luhan.

— Meu panda! — Tao gritou virando-se de forma abrupta em direção à JunHee que deu um pulinho em seu lugar assustada.

— Linda, vem cá. — Luhan pediu vendo a Kim caminhar até os dois. — Você reconhece o quê está escrito aqui? — perguntou mostrando os dizeres da placa, vendo JunHee arregalar seus olhos.

— O quê está escrito? — Lya perguntou curiosa vendo a Kim engolir em seco antes de ler em voz alta.

“Com o alinhamento do Sol, da Lua, dos planetas, dos mundos e Universo, uma Fenda se abrirá e a profecia nascerá. De um Universo longínquo, quase à beira do Infinito, existe doze jóias elementares, vivendo em mundos diferentes, isoladas por consequências divergentes. Um chamado ecoou no Vale Silencioso, turbulento como trovão, calmo como uma brisa de verão. Despertando assim tais seres poderosos e aprisionados, ligados e destinados a Guerra entre o Bem e o Mal, surge a esperança da Salvação, da Destruição e do Renascimento.” — JunHee leu com uma entonação recheada de surpresa olhando da mesma forma para Xiao, Huang e Oh que estavam da mesma forma.

— Foi o quê eu sonhei. — Baekhyun disse num sussurro tão surpreso quanto os outros homens enquanto as mulheres se entreolhavam confusas. O chão perto da estante tremeu enquanto o vão onde a pintura e a placa estavam começou a se afastar e se esconder atrás das prateleiras de livro revelando uma escada iluminada por candelabros.

— Acho que nossas respostas estão nessa direção. — Joonmyeon indicou o caminho. 

— Eu quero descobrir o que realmente está acontecendo. — Yuri falou em tom firme mesmo estando um tanto amedrontada. 

— Então vamos logo. — Eunji disse antes de tomar a frente e começar a descer pela escada com cuidado e atenção. 

Os degraus eram iluminados pelas luzes dançantes das chamas que misteriosamente brilhavam nos candelabros. Quando chegaram ao fim da escada mais lustres iluminados por velas se acenderam revelando uma grande biblioteca recheada por estantes cheias de livros, na área central da Biblioteca haviam vinte e quatro esculturas postas num grande círculo no qual em seu centro tinha a pintura no chão da Árvore da Vida o quê atraiu a atenção dos vinte e quatro que caminharam a passos hesitantes até o centro do círculo.

— Isso está sendo bizarro. — Yifan comentou olhando ao redor quando uma escultura chamou sua atenção no centro da mesma havia um entalhe, era um dragão, o quê fez com que o Wu se aproximasse e assim que o fez as bordas do entalhe começaram a brilhar.

ZiTao se aproximou de onde havia uma ampulheta e o mesmo aconteceu consigo, assim como aconteceu com Luhan, era um átomo. Sehun, um roda-moinho, Jongin, um triângulo, Kyungsoo, um touro. Chanyeol, uma fênix, Jongdae, um escorpião, Baekhyun, o sol, Yixing, um unicórnio. Joonmyeon, uma gota d'água, Minseok, um floco de neve. Já com as mulheres, não foi diferente. Yuri era um coração, Siyeon e Lya, um triângulo de cabeça para baixo, Nadyny, um tridente. Luna, um triskle, Mahina, grãos de açúcar, Yoonah, o alfa, Chaewon, uma bússola, Eunji, a mente. Luana e Kira, uma árvore e JunHee, uma circunferência. Levados por uma emoção que surgira em seus âmagos, os vinte e quatro seres distintos estenderam suas mãos em direção aos símbolos que brilhavam e assim que encostaram nos mesmos, a pintura no chão começou a brilhar de forma intensa e vozes graves e potentes começaram a entoar.


“Descuidado, negligente!
Atire anônimo, anônimo.
Sem coração, estúpido!
Ninguém, que se preocupa conosco?
O sentimento de perda,
Quem se preocupa, só pode tolerá-lo
Não aguentamos mais,
Então fechamos nossos olhos.
Majestade, pode nos dizer, por favor,
Por que as pessoas não mudam?
Será que os belos dias
Que ouvimos falar realmente existem?
Elas já esqueceram há muito tempo
Que deveriam ter amado mais
Há muito tempo esquecemos que nossos corações já tolerava o seu
Vivendo uma vida de auto-serviço
Fingindo estarmos ocupados
Invisível por trás de tua máscara
Seu rosto está cheio de muitas expressões
Ser consistente até o fim,
É melhor realmente?
Isso que nós queremos?
Jamais olhar para outros olhos novamente?
Você nunca irá falar conosco?
Jamais irá dizer que nos ama de novo?
Mesmo que nos machuque
E nossas lágrimas caiam como chuva
Será que mudando, podemos resolver algo?
Será que podemos mudar?
Diga-me Majestade, majestade!
Já esquecemos 
Quando éramos fechados em inteligência
Nosso mundo
É construído de apenas 0 e 1
Sem vida, sem sentimentos
Sem dias
Ficamos mais solitário enquanto o tempo passa
Estamos apenas nos causando dor e sofrimento
Reunião, de mãos dadas,
Chorando e rindo, embora sentindo isso
A proximidade que tivemos,
A felicidade que compartilhamos,
Nunca irá voltar?

Vire pra trás!
No final, vamos gritar, Vamos correr, vamos aquecê-lo,
Não queremos que o mundo gire frio
Por favor ajude-nos
Mãe, mãe, mãe, mãe, vire para trás!
Diga-nos
Mãe, mãe, mãe, mãe, voltando para trás
Perseguindo, perdendo o controle,
Indiferente para com os outros
Isso não é um jogo
Por favor, ajude-nos
Majestade, mãe, mãe, mãe
Vire para trás! 
Descuidada, descuidada. (Mãe)
Atire anônimo, anônimo. (Majestade)
Sem coração, estúpido. (Majestade)
Ninguém que se preocupe conosco? (Majestade)
Como temos recebido bênçãos, Sentimo-nos muito felizes,
Queremos conhecer mais pessoas diariamente
Reviver esse coração partido,
Contanto que possa amar meramente,
Que vamos ser capazes de encontrar a verdade em nossos sorrisos
Isso que nós queremos?
Jamais olhar para outros olhos novamente?
Você nunca irá falar conosco?
Jamais irá dizer que nos ama de novo?
Mesmo que nos machuque
E nossas lágrimas caiam como chuva
Será que mudando, podemos resolver algo?
Será que podemos mudar?
Diga-nos Mãe, majestade!
Descuidado, descuidado.
Atire anônimo, anônimo.
Sem coração,estúpido.
Ninguém se preocupe conosco?”


“Quando os céus e a terra não passavam de meras lendas, doze forças nutriam a árvore da vida. Porém, o olhar da morte apoderou-se da árvore da vida despejando ódio em seu coração. Então, lentamente se secou seu coração. Pretendendo salvar o coração da tal árvore, as forças decidiram dividir-se e a árvore da vida se partiu pela metade, e em cada metade diferentes tempos e espaços. As forças divididas em dois, criaram dois sóis que igualmente brilham. Em dois semelhantes mundos, as forças se separaram. Agora as forças caminham sobre diferentes terras compartilhando o mesmo céu, e antes que a terra se parte e os mundos outrora separados, voltem a se unir, as forças novamente se encontrarão. E no dia em que as forças, conseguirem purificar o que foi maculado, um novo mundo surgirá!” — Uma voz mais serena e doce disse por final, fazendo os símbolos e a pintura se apagarem fazendo com que os vinte e quatro se virassem assustados para o pequeno pedestal que se encontrava no fim da pintura onde estava um livro. Com passos hesitantes e lentos, Yixing se dirigiu até o mesmo, abrindo na primeira página lendo-a em voz alta.

As doze forças acharam melhor se dividirem para que pudessem ter mais chances de se fortalecerem e se protegerem do mal, com isso se dividiram em mais doze e assim sumiram pelo universo escolhendo os corações que tinham o amor e a pureza necessários para carregá-las, afinal, eram por isso que existiam. Eles eram os guardiões, os Jiānhùrén. Com o chamado no Vale Silencioso e o alinhamento dos planetas e universos, as vinte e quatro forças se encontrariam, cada uma com suas especialidades sendo reunidas no local onde poderiam se aprimorar e treinar para suas batalhas com o mal. Mal esse que se apresentará das mais diversas formas. Sacrifícios serão necessários. É preciso amor, confiança e unidade para que sua missão possa ser cumprida com sucesso. — O Zhang continuou a leitura cada vez mais fascinado com a descoberta. — As vinte e quatro forças terão dons capazes de mover montanhas, mudar ventos, alterar realidades e formas, de acontecer desde o quê é feito da matéria ao que é considerado abstrato ou espiritual. Cada um com aquilo que  os representa. Elas precisarão conhecer novos mundos, outros tempos para se tornarem mais fortes. É extremamente importante que as forças vençam o mal e restaurem a Árvore da Vida, pois se não conseguirem, os mundos cairão em perdição, dor e sofrimento estarão vivos até o final do tempo. Caso os escolhidos vençam o Mal, um novo mundo surgirá, mundo este regido pela própria Árvore da Vida e as forças terão seus maiores desejos concedidos.

O silêncio perdurou por um longo tempo no local. Sem reação foi como Luana ficou ao descobrir a história por trás de sua existência. Não sabia o que fazer ou dizer, não saberia dizer se estava com raiva ou feliz, estava sem rumo. Precisava deixar todos de lado um pouco para refletir, pois, se realmente fosse verdade, e era, suas decisões, ações e pensamentos teriam que ser cuidadosos, já que poderia ocorrer o caso de um bloco sair, e todo seu castelo fosse ao chão. Mas em relação ao fato de ser uma guardiã, estava desnorteada. Achava tal notícia bizarra, mais havia gostado, pois, como uma bela orgulhosa, não há ninguém melhor do que ela para isso.

Lya estava “em choque”, não conseguia acreditar que uma ladra, uma simples “ilusionista” era uma guardiã, de certa forma se sentia enganada por existir apenas por esse motivo, Mahina se sentia honrada, orgulhosa, daria de tudo para ajudar aquela que a escolheu, é claro, a loira se sentiu perdida ao saber que esse era o motivo de sua existência mas ao mesmo tempo conectada, era algo surreal e encantador — mesmo sendo um tanto ruim — de descobrir, várias teorias ecoavam por sua cabeça e foi algo que marcaria sua vida para sempre. 

Yuri havia amado a descoberta, era uma guardiã e é claro que pediu desculpas à Yeri por não ter acreditado na mesma, saber o motivo por trás de sua existência foi algo maravilhoso e encantador para a Boo, já Nadyny estava pirando internamente, era insano e animador saber que provavelmente teria poderes e ajudaria a salvar o mundo e quanto sua existência, bem, nada fazia sentido para si e isso era perfeito! 

Yoonah estava muito confusa, pois era muita informação para processar, ainda mais pra alguém que havia acabado de chegar de séculos atrás e estava prestes a morrer, a Lee definitivamente precisava de um tempo para pensar.  

"Guardiã? Mas como assim eu sou uma guardiã?". A confusão estava estampada em seu olhar, Chaewon não sabia em como reagir a tal situação, achava que tudo aquilo poderia ser apenas uma brincadeira de mau gosto, entretanto, acabou respirando fundo e olhando para cada um que se encontrava ali, processando cada informação que recebia. Arregalou os olhos, abrindo e fechando eles de forma rápida e engolindo em seco ao perceber que tudo era real e que tinha uma missão para realizar, junto com o peso da responsabilidade que aumentava em suas costas. Já Eunji não estava nem um pouco surpresa, pois o fato de somente poucas pessoas no universo, terem superpoderes junto com o fato dela ter aprendido ainda criança, que tudo na vida tem um propósito, fez com que ela já soubesse que estava destinada a algo muito grandioso e o tempo mostraria a ela o que seria exatamente essa grande missão e com isso a Hwang estava ainda mais determinada em ajudar e a tentar se relacionar com seus novos parceiros, se assim poderia dizer. 

O silêncio fora cortado por uma risada. Gonzáles ria descontroladamente pensando que tudo aquilo não passava de uma brincadeira, mas ao ver que não estava sendo acompanhada, tentou se acalmar e observar os rostos sérios de todos à sua volta, até mesmo Sehun, Kyungsoo e Yixing pareciam mais sérios que o normal, Baekhyun, Tao e Luhan não pareciam achar graça alguma, rindo de nervoso, a Gonzáles decidiu perguntar.

— Não é uma brincadeira, não é? — Luna questionou em desistência vendo Joonmyeon negar a olhando com cuidado. Foi questão de segundos até a acastanhada sentir sua pressão cair ao que desmaiava sendo amparada por Eunji que estava ao seu lado.

— Acho melhor tentarmos descansar. — Joonmyeon se aproximando rapidamente da Hwang e da Gonzáles. — Amanhã tentaremos descobrir mais sobre tudo isso. — disse vendo todos concordarem consigo parecendo cansados. — Eu a levo para o quarto.

Todos deixaram o subsolo de forma pensativa.

— Céus, JunHee, você está bem? — Jongin perguntou ao apará-la enquanto caminhavam em direção aos seus quartos. A Kim quase caíra com as mãos na cabeça parecendo sentir dores.

— Minha cabeça, está doendo muito. — JunHee respondeu ofegante, estava doendo muito, como se queimasse, mal conseguia se aguentar de pé. 

— Acho melhor você ficar comigo, vou te dar alguns remédios, deve ser devido toda essa preocupação. — O Kim disse inquieto, nem ele sabia como ainda não havia surtado com tamanhas informações jogadas como bombas sobre si.

— Por que eu deveria ficar contigo? — A morena perguntou assustada tentando se afastar do homem que sorriu carinhosamente para si.

— Não vou te machucar, eu durmo no chão. — Jongin disse lhe transmitindo confiança. — Penso que não posso te deixar sozinha e eu me sinto seguro contigo. — revelou vendo a Kim sorri curo em sua direção ainda com semblante dolorido. — Vamos. — O moreno começou a ajudá-la a prosseguir o caminho.

Algumas mulheres se dirigiram rapidamente para seus quartos, enquanto uns dos homens preferiram ficar no jardim ou no solário da Mansão. 




Siyeon estava aproveitando seu banho relaxante na banheira, não poderia negar e dizer que o dia não havia sido deveras cansativo, afinal, tinha viajado no tempo que as pessoas que dividiam a casa consigo não a enxergavam como alguém importante como ela era, além do mais descobriu que realmente o propósito de sua vida já estava escrito. E mesmo tendo agido de forma firme ao chegar naquela época e tendo o mago de Joseon em suas memórias, permanecia incrédula, não conseguia acreditar e mesmo tendo ciência de seus poderes não estava disposta a se sacrificar por uma simples Árvore.

Estava dispersa em seus pensamentos quando sentiu algo se infiltrar em seus cabelos mas antes que pudesse fazer alguma coisa, seu corpo foi forçado para baixo fazendo com que ela submergisse na água sem fôlego algum, a Mi tentava forçar seu corpo para cima, entretanto a pessoa que fazia isso consigo era mais forte.

 — SOCORRO! — Siyeon gritou assim que conseguira colocar sua cabeça para fora d’água, ela teve um pequeno vislumbre da pessoa que tentava afogá-la, era uma mulher, mas a Yi não conseguia identificá-la, a cada segundo que passava mais fraca ficava e seus pulmões clamavam por ar, estava assustada. Suas mãos tentavam arranhar os braços de sua agressora que pouco parecia se importar com os vergões que marcavam sua pele, com suas últimas forças, Siyeon chutou a até então desconhecida que havia adentrando a banheira fazendo com que a mesma caísse na outra extremidade. Puxando todo o ar que conseguia, a Yi voltou a superfície assustada e ofegante, vendo pelo canto de seus olhos a mulher puxar uma adaga de um de seus bolsos voltando a se aproximar.  — JunHee? — A Mi perguntou surpresa vendo a ira pintada nos olhos da mulher a sua frente que não hesitou em imobilizá-la e pressionar a lâmina contra o seu pescoço. — Por.. Que? — perguntou num sussurro tentando inutilmente voltar a respirar com naturalidade.

— Cínica, maldita! — A Kim gritou externando todo o seu furor fazendo com que a Siyeon liberassem mais lágrimas ao mesmo tempo em que tremia com temor, estava tão fraca e apavorada que nem mesmo conseguia controlar seus poderes, então apenas aceitou seu destino fechando os olhos ao ver a arma descendo em sua direção. — O quê? — ouviu JunHee exclamar parecendo surpresa.

— O quê você pensa que está fazendo? — A terceira voz ecoou atraindo a atenção das duas, era Luana, a mulher havia desintegrado a lâmina da adaga deixando somente o punhal, esse que JunHee lançou para longe parecendo mais irritada. — Você conseguiu esconder esse seu descontentamento muito bem. — disse se aproximando a passos lentos da banheira parecendo ter atraído totalmente a atenção da Kim que a olhava fixamente, mesmo fraca Siyeon saiu lentamente da banheira junto à JunHee se cobrindo com o roupão que ali estava.

— Você não deveria se meter nos assuntos dos outros. — JunHee disse olhando para trás da acastanhada. — Vá embora, finja que não viu nada.

 — Quem você pensa que é para me dar ordens? — Luana perguntou de forma sarcástica vendo um sorriso recheado de cinismo nascer no rosto da Kim.

— Quem você pensa que é para não segui-lá? — revidou no mesmo tom, mas antes que a Armstrong pudesse fazer algo contra si, a Kim apenas sumiu e reapareceu atrás da mesma a chutando e roubando uma flecha de sua aljava andando calmamente atrás da Mi que saíra do banheiro através da distração de Luana. — Onde pensa que vai, princesa maldita? — JunHee perguntou divertida vendo que a Mi continuava fraca.

— Socorro! — Siyeon gritou novamente antes de se assustar ao ver JunHee aparece perante si pressionando a flecha contra seu abdômen.

— JunHee, deixe-a agora! — Luana gritou do final do corredor vendo alguns dos homens e as outras mulheres chegarem correndo do outro lado do local, ficando assustados ao verem a cena se desenrolar.

— JunHee, o quê você está fazendo? — Baekhyun perguntou horrorizado assim como os outros.

— Será que não é possível! — A Kim gritou se virando para os mesmos sem soltar a Mi. — Não precisamos dela para completar essa missão então deixe-me resolver meus problemas! — finalizou voltando a pressionar a lâmina contra o abdômen da princesa. — Não tentem proteger essa maldita!

— Do que você está falando, JunHee? — Lya perguntou em tom calmo tentando de alguma forma tranquilizar a Kim.

— A família dela arruinou minha vida, me tirou tudo! — JunHee disse envolvendo o pescoço de Siyeon que a olhava confusa. — Nada mais justo que tirá-la deles também. Definitivamente. Sem retorno. — concluiu finalmente acertando a Mi que gritou de dor, a Kim sentiu seu corpo ser jogado para longe, mas não pararia por ali, a lâmina não havia perfurado nem três centímetros.

— Plantinhas? — A Kim riu ao sentir as folhas apertarem seu corpo vendo todos correndo em direção de Siyeon enquanto Luana manipulava as plantas. — Então tá, já que ela é tão essencial para essa missão… — revirou os olhos observando o quão cuidada a Mi estava sendo ignorando os olhares reprovadores acima de si. — Você vive por enquanto.

— Eu não sou. — gemeu com o incômodo. — Não sou de sua época, JunHee, meus pais não fizeram nada disso com você e sua família. — Siyeon disse com dificuldades vendo a Kim rir seco em sua direção.

— Não me importa de qual época vens, tu tens o mesmo sangue correndo em suas veias, Vossa Alteza. — falou o pronome de tratamento em ironia. — Te matarei nem que seja a última coisa que eu faça, isso é uma promessa. — JunHee disse em tom firme antes de desaparecer deixando todos confusos e uma princesa apreensiva e indignada para trás.






Notas Finais


Vocês conseguiram chegar até aqui?
Se sim, por favor, me contem o quê acharam, o quê estão achando do desenvolvimento da história, não tenham medo de fazer comentários grandes — caso tenham vontade — porque eles me ajudam e MUITO! Na verdade qualquer comentário me ajuda MUITO, estou aprendendo a deixar de ser uma 👻 graças à vocês! Vamos voltar com essa campanha, sim? #deixandodeserfantasma. PAREI!

Estou adorando dar prosseguimento com esse projeto, é muito importante para mim, SÉRIO! MUITO OBRIGADA PELOS FAVORITOS TAMBÉM! ♡

Estava pensando em adotar o sistema de pontuação aqui na fic, mas só estou pensando ainda mesmo! Hehe

Tenho outras interativas abertas { @xKJunheex } caso tenham interesse!

Grupin: https://chat.whatsapp.com/FLAVm2F2CVsI6I3fyDShRj

Até a próxima e se cuidem, hein! Vamos vencer esse vírus! 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...