História Jikook - Ballet - Capítulo 35


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Park Jimin (Jimin)
Tags Bts, Dance, Hentai, Jeonjungkook, Jikook, Jimin, Jungkook, Lemon, Parkjimin, Yaoi
Visualizações 360
Palavras 1.881
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Vamos brincar de quebrar tabus?

Capítulo 35 - Capítulo 34


Jimin ~


A semana de licença havia passado como um piscar de olhos. Logo a semana de trabalhos havia chegado, e eu estava encarregado de levar Jun para a escola, já que Jungkook estava focado em conseguir marcar audiência com a ex mulher para definir a guarda da pequena, já que isso não havia sido consentido quando ela estava internada. Eu torço e peço à todas as divindades do mundo para me ouvirem e ficarem à favor de Jungkook. Ele não pode perder a filha. Ela é seu bem mais precioso, e eu morreria se a visse partir.

— Appa Minnie, estou pronta! - ela diz pulando, e eu acordo de meu devaneio, olhando para trás e vendo ela correr em direção à porta, carregando sua mochilinha e lancheiras combinando. Ela estava linda e radiante. Estamos fazendo o possível e impossível para não deixar transparecer que estamos em uma luta horrível por ela, e que ela não se sinta mal ou se sinta como um produto à venda. Eu sei que ela é pequena de mais para entender sobre processos judiciais, mas ela é inteligente e achamos melhor não falarmos sobre o assunto com ela. Nem com ninguém fora de nosso vínculo. Nem senhora Yoko está sabendo do assunto. Ela está de licença, e ganhou férias prolongadas com salários adiantados para poder ficar longe até essa bagunça ser organizada novamente. Tudo vai voltar ao normal, eu sei que vai... 


Dirijo em direção à escola de Jungwa e escuto ela cantarolar uma musiquinha de um desenho que assistimos ontem, todos juntos, na sala. O telefone plugado ao carro, começa à tocar, e eu aperto no viva voz para poder atender enquanto espero o sinal abrir

— Jimin, prostituta de beira de estrada, seu dedo cairia se você me mandasse mensagem? - Yoongi grita do outro lado da linha e me assusto quando lembro que estou com uma criança na cadeirinha do carro. 

— Yoongi, a Jungwa tá aqui no carro. Respeita! - digo, segurando a risada pelo constrangimento. Espero que ela não tenha ouvido e entendido o chingamento

— Ah! desculpa, pai exemplar. Desculpa, Jungwa! 

— o que você quer, Min Yoongi?

— Eu quero respeito. Direitos iguais nesse continente de merda e quero um talão de cheques bem gordo do seu homem... e quero ser uma pedra na próxima vida pra não fa-

— Para de graça seu desgraçado. Fala logo que estou dirigindo com uma criança no carro.

— Tá, então.. eu vou dar uma festa amanhã à noite e te quero aqui!

— uma festa? Mas... assim, do nada? 

— Não é do nada. Você teria conhecimento por primeiro, se atendesse a porra do telefone. 

— Yoongi! - repreendo meu amigo e olho pelo retrovisor para ter certeza que Jun não está prestando atenção. Mas ela está olhando para a janela e cantarolando a mesma música. 

— desculpa.. enfim, por que sumiu?

— er.. andam acontecendo algumas coisas. Muito trabalho também. Depois falamos disso... 

— Jimin! Sobre o que foi que a gente conversou? - Yoongi me repreende e tenho certeza que está jogado no sofá, revirando os olhos. 

— eu sei, eu sei! Sem segredos! Eu prometo falar com você, Hyung! Mas eu tenho que desligar agora. Vou deixar a Jun na escola e ir pro trabalho. Depois me liga pra falar mais sobre a sua festa. Afinal, qual o motivo dela?

— er.. como posso dizer, em forma rápida e resumida...? Isso pode ser bem difícil de entender, mas bem.. eu e Hoseok vamos pedir o Taehyung em namoro.

— WOW! Espera, difícil? Por quê? Foi bem fácil de entender, na verdade. E estou muito feliz, Yoongi. Parabéns! 

— foi fácil mesmo? Que bom, agora preciso convencer mais trinta e cinco pessoas da festa com essa tática de jogar a bomba na mesa e depois sair correndo. - ele diz e escuto barulho de papel sendo rasgado ao fundo, e sua respiração frustrada. — e obrigado, finalmente eu meio que tomei a decisão da minha vida e acho que é a definitiva. Eu amo aqueles dois!

— que bom, Yoongi.. eu estou tão orgulhoso do meu maninho... Mas agora vou indo, mais tarde te ligo,  pode ser?

— claro, e venha aqui em casa. Com, ou sem Jungkook. E traga aquele pedaço de gente que é um clone mais fofo dele. O Tae adora crianças e o Hoseok e eu queremos apresentar você pra ele. Podemos ver um jantar.. Agora deixa eu ir que o Hoseok vai colocar fogo na cozinha. Beijos, até mais tarde, boa aula Ju- JÁ TE DISSE QUE COLHER DE PLÁSTICO NÃO SE USA PRA FRITAR NADA NO ÓLEO ,SEU ESTRUME. JUNG HOSEOK, EXPERIMENTA ME DESACATAR, LARGA ESSA POR- ele grita e eu desligo antes que a coisa piore, e começo à rir de nervoso me sentindo atordoado com tantas informações. Logo paro em frente ao Colégio e desço para tirar Jungwa da cadeirinha. 

— desculpe pela falta de educação dele. Não repita as coisas que ele disse, tá bom? Seu pai pode não gostar... 

 — tudo bem, Minnie appa, meu appa Jungkook fala coisas bem piores no telefone.. - ela diz sorrindo e eu tento não rir com isso. Essa menina é mais esperta à cada dia. Ainda bem que tem os gênios do pai. E quê pai!

— lembra do que eu te disse? Nada de-

 — nada de falar com estranhos e esperar você dentro da escola perto de um professor ou de pessoas seguras! - ela diz, repetindo o que lhe disse na saída de casa. — Você é mais protetor do que meu appa... Não se preocupe, eu sei me cuidar e sou uma menina comportada.. - ela diz se gabando e jogando os cabelos para trás, sorriu com sua audácia e pego suas coisas trancando o carro e seguindo em direção ao portão da escola, onde outros alunos estão acompanhados de seus pais. 

— venho te buscar no horário. Esteja aqui, pra irmos tomar um sorvete, o que acha? 

— YEEEE!! E appa Minnie, podemos ir na casa do tio Yoongi? Eu quero me vingar dele daquele dia na guerra de travesseiros. Acho que preciso terminar o que comecei. - ela diz com um olhar diabólico e eu riu com sua atuação idêntica à de seu pai. Ela é um doce, quando quer. 

— claro que sim. Podemos dar uma passadinha por lá e ai, vamos na empresa de seu pai, esperar por ele. O que acha?

— EBAAA!! 


➡➡➡

Meu turno na escola de dança foi  finalizado adiantado, já que Jungkook havia ligado me pedindo para buscar Jun na escola. Ele disse que ela estava chorando muito e que ligaram para buscá-la, e eu corri para a escola, vendo Jun com o rostinho vermelho, com carinha de choro, segurando a mão de uma professora, na entrada da escola.

Levei ela até uma sorveteria, para ela se animar mais. Ela precisava conversar. Desabafar. Contar o motivo de ter chorado. Ela tomava o sorvete, de cabeça baixa. Seu nariz minúsculo estava vermelho e ela ainda fungava

— quer me contar o que houve hoje na escola? 

— Eu.. briguei com uma menina da minha sala.. - ela disse suspirando, e soltando a colher do Sunday na mesa, me olhando com o rostinho triste e senti meu coração apertar. 

— como assim, brigou? 

— Ela disse que eu era estranha por não ter uma omma pra me buscar na escola. Então eu disse que eu tinha dois appas, e que isso era bem melhor. Ai ela disse que a omma dela disse que meu appa iria pro inferno por isso, ai eu joguei meu lanche nela e disse que ela era uma boboca por falar isso. 

 Eu se-sei que foi errado. Me desculpa, não fica bravo comigo, appa Minnie! - ela disse com os olhinhos ficando marejados e eu senti meu mundo desabar quando percebi que ela iria chorar. Corri até ela e à segurei no colo, ignorando os olhares na sorveteria. 

— eu não quero que o appa vá pro inferno, appa Minnie.. - ela dizia, enquanto eu tentava acalmar seus soluços. 

— Hey, shiiii.. o appa não vai pro inferno, aquilo foi uma brincadeira muito má daquela menina, minha princesa, não chore por isso.. Hey, olhe pra mim... Eu não estou bravo com você. - digo e ela se levanta rápido, limpando o rostinho vermelho e me olhando abismada 

— Não..? 

— claro que não, meu amor. Escuta, você não deve resolver as coisas assim dessa forma. Mas, eu entendo, você queria defender o appa. E você está certa, mas da próxima vez que aquela bobona falar essas coisa, conte para a sua professora e me conte. Eu eu seu appa vamos assustar aquela menina malvada. Ela vai aprender à não assustar nosso bebê de novo... 

— Eu não sou um bebê! - ela diz, fazendo uma expressão zangada, imflando as bohechas rosadas, e eu começo à rir, da sua fofura. 

— claro, você não é mais um bebê. Miane! - digo voltando à observa-la terminar seu sorvete, mais alegre

— E não se preocupe com isso. Apenas, não dê ouvidos!  A omma dela deve ser horrível e beber muito pra esquecer as frustrações dela. E você tem os melhores appas do mundo!

— Eu tenho, sim! Os mais bonitos!  - ela diz e abre um sorriso lindo de coelhinho. Suspiro, encantado com seu sorriso nostálgico. 

No mesmo instante, sinto meu celular vibrar com uma chamada e atendo, sem olhar o contato, me preparando para um sermão, tendo certeza de que é Yoongi, reclamando da minha demora. 

— Jimin? Está tudo bem?

— Oh, amor! Está sim!

— a Jun está com você? 

— sim, trouxe ela pra tomar um sorvete. 

— o que houve na escola? Fiquei preocupado! A professora não sabia o que estava acontecendo com ela... disse que ela estava apenas chorando muito...

— Falamos sobre isso depois.. tenho algumas novidades para contar e um convite pra te fazer.. 

— convite? 

— sim, e teria problema se eu fosse rapidinho na casa do Yoongi e levasse a Jun comigo? 

— Se ela quiser ir, claro que não, anjo. Eu confio em você, sabe disso... sei que vai cuidar bem dela.. - ele diz, baixinho e sinto uma ponta solta de tristeza em sua voz, ficamos alguns segundos em silêncio, apenas ouvindo nossas respirações, até uma voz estridente e empolgada falar alto ao fundo da linha, que percebi ser de Namjoon. 

— Amor, tenho que ir agora, mais tarde nos falamos. Mande um beijo para Jun, amo vocês! 

— também te amamos... ela está mandando um beijo. Bom trabalho. Até mais tarde! - desligo o telefone e ajudo Jun à se limpar, depois colocando-a na cadeirinha do carro, indo em direção à casa de Yoongi. 

Assim que chego na calçada, com Jun no colo, me deparo com a cena mais adorável que verei hoje.

 Hoseok e Yoongi na sacada, limpando alguns vasos e trocando beijinhos e  sorrisos apaixonados. Olho para Jun e ela também sorri para a cena, encantada.. 

— É por essas coisas que as pessoas vão pro inferno, appa Minnie? Por que amar as pessoas é algo tão errado? Olha como eles são fofinhos! Você e o appa são assim, e se olham do mesmo jeito, e mesmo assim as pessoas dizem coisas terríveis? Eles são cegos, appa? Por que eles são diferentes das outras pessoas?





Notas Finais


Quando eu crescer, quero ser a Jungwa!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...