História Jikook - Ballet - Capítulo 37


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Park Jimin (Jimin)
Tags Bts, Dance, Hentai, Jeonjungkook, Jikook, Jimin, Jungkook, Lemon, Parkjimin, Yaoi
Visualizações 381
Palavras 2.767
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Quase hentai de Namjin, esperem que eu achei melhor n detalhar tanto, mas eu ainda vou fazer algo só deles dois. Bem cute cute e bem hentai bdsm.
Obs: a cruz do Jungkook n era na parede, ela era tipo, numa base onde ele poderia passear ao redor dela.

Capítulo 37 - Capítulo 36


Fanfic / Fanfiction Jikook - Ballet - Capítulo 37 - Capítulo 36

Jin ~


Namjoon e eu conversamos bastante desde aquele dia na casa de Jungkook. Ele se mostrou realmente arrependido à respeito de sua atitude e eu realmente dei um voto de confiança pra ele. Não comentei nada com Jimin à respeito de ter me afastado de Namjoon. Ele estava tão empolgado com a idéia de nós dois estarmos juntos, e não queria estragar a visão dele do melhor amigo do namorado. Não queria que ele soubesse que Nam era um babaca mimado e escroto. 

Tentei esquece-lo. Mas quanto mais eu tentava não pensar nele, eu pensava. No banho, no trabalho, em algum lugar onde eu conseguia pensar. Essa semana eu evitei ficar quieto, pois quando eu ouvia meus pensamemtos, era o rosto dele que eu imaginava. 

Depois do susto, na casa de Jungkook, e depois que tudo se resolveu, Namjoon me fez ouvir umas verdades à respeito daquela noite. Confesso que foi muito errado deixar ele daquele jeito. Fui impulsivo, e ele confessou que foi egoísta, egocêntrico e injusto. E eu o perdoei. E ele me perdoou. E voltamos à trocar mensagem, e é por isso que hoje, às 13:45 da tarde, estou parado, na frente da porta do apartamento dele. Tentando criar coragem pra bater. Tentando criar coragem para ir embora. Tentando respirar e lembrar tudo que ensaiei para dizer à ele na noite anterior, em frente ao meu espelho. 

Percebi que preciso dar esse passo, para chegar à algum lugar. Eu preciso dizer isso à ele, ou irei viajar para a apresentação de dança, na América, e não vou me concentrar, pensando, E SE? 

Respiro fundo, aperto a campainha e logo escuto passos e sua voz avisando que logo abrirá. Passo a mão no cabelo, respirando fundo e suando frio. Se ele não me quiser, hoje, eu irei embora com a certeza que fui um homem forte e que pelo menos, eu tentei. Mas eu quero, quero muito, que ele diga sim. Que ele fique comigo. Que ele me incentive à viajar para essa apresentação e que quando eu voltar, ele esteja aqui, me esperando... com seu corpo, seus cabelos macios, seu sorriso doce e sensual, sua voz gostosa falando palavras sujas em meu ouvido, seus dedos passeando pelo meu cor-

— Jin? - não me dei conta de que ele havia abrido à porta. Estava parado, mordendo os lábios pensando nele. Novamente. 

E quando olhei bem para o ser à minha frente, pude ver a imagem mais linda que veria no dia. 

Namjoon, sem camisa, de calça moletom, com um leve volume, descalço, com a cara de sono e cabelos bagunçados, e uma expressão de pura confusão. Dou meu melhor sorriso, logo vendo suas covinhas aparecerem e ele abrir mais a porta para que eu entre. 

— er... eu.. eu vim aqui, por que preciso dizer algumas coisas.. mas eu acho que vou direto ao ponto por que.. er.. eu meio que esqueci tudo que ensaiei pra te falar.. 

— Jin, eu também tenho algumas coisas pra te dizer... 

— É mesmo? Bem, pode começar, se quiser..

— não, pode falar primeiro.. você veio até aqui. Eu iria aproveitar meu dia de folga e ir até sua casa, mas já que está aqui.. 

— bem, então fale. Se você estava planejando isso, fale primeiro. A casa é sua. 

— mas você veio até aqui. Pode falar.

— tá bom.. vamos falar primeiro, juntos então! - 

— Você quer namorar comigo? — Você quer namorar comigo? - o silêncio se faz presente na sala. Ficamos olhando pro rosto inexpressivo dos dois. Ambos tentando entender o que houve. 

— Sim! — Sim! - falamos juntos novamente, então ambos caímos em uma crise de risos, nos fazendo perder o ar até pequenas lágrimas começarem à surgir em nossos olhos.  

Depois que o ar volta aos meus pulmões, vejo Namjoon sentando no sofá, com resquícios das nossas risadas ecoando nas paredes dos meus ouvidos. Me aproximo e sento ao seu lado de forma desajeitada. 

— então.. estamos namorando? - pergunto um pouco inseguro mas sentindo o coração implorando para sair pela minha boca. 

— bem.. é o que parece... - ficamos olhando para o centro da mesa à nossa frente, Namjoon mexe a perna freneticamente. Ele está tão sem jeito quanto eu.

— bem.. então, isso quer dizer que... eu meio que posso te be- e antes que eu possa terminar meu ponto de reflexão, Namjoon toma iniciativa e ataca meus lábios com os seus, dando início à um beijo quente e molhado, e eu consigo ouvir sua respiração pesada enquanto nossas línguas travam uma batalha por poder e ar ao mesmo tempo. 

— va-vamos pro qu- e mais uma vez, Nam não me deixou terminar a frase, colocando a mão em cima de meu membro e esfregando com leves apertos. Eu estava sentindo minha cueca ficar úmida e estava  respirando pesadamente. 

Você me deixa louco, sabia? - ele sussurra em meu ouvido e eu não consigo evitar morder os lábios e fechar os olhos em deleite com sua voz rouca — I wanna suck your dick - 

— Po-pode traduzir...? Eu.. eu não falo inglês... 

— eu prefiro te mostrar... - então ele fica de joelhos no chão, abrindo minhas pernas, ficando entre elas no sofá. — fica quietinho e deixa seu namorado te retribuir os favores que você fez... - não consigo segurar meu sorriso apaixonado quando ele diz 'meu namorado'. 

— repete pra mim? O namorado... você é meu namorado.. isso está mesmo acontecendo? Eu vou fazer amor com meu namorado? - questiono, bobo, enquanto Namjoon retira minha calça junto com a boxer, e começa à dedilhar minhas coxas, dando leves apertos, me deixando fora de mim. Namjoon dá um leve sorriso, antes de começar uma trilha de beijos quentes pelas minhas pernas, começando do calcanhar e terminando na minha virilha, me levando à perder a sanidade. Seu sorriso perverso, seus dentes segurando os lábios, esse homem é a perdição em pessoa.

— estamos mesmo fazendo isso, mas... você não vai fazer amor com seu namorado.. não agora.. - tento processar o que ele disse, não demonstrando a minha expressão de confusão, então ele se levanta, me incentivando à deitar as costas no encosto do sofá, sentando em meu colo, pressionando a bunda no meu membro ereto e se aproximando de meus ouvidos, me arrepiando com seus toques. — hoje, nós iremos foder.. Foder bem forte.. Gostoso. Quero te fazer gemer alto nas paredes desse apartamento. Bem aqui nesse sofá. Para toda vez que olhar pra ele ou alguém sentar nele, lembrarmos dos seus gritos, do dia que fodi pela primeira vez Seokjin aqui, como meu namorado. E então, eu vou te levar pra cama, e ai sim, iremos fazer amor, lento e gostoso, e eu vou te fazer gozar de novo.. entendeu? - meus olhos estão abertos em espanto. Sinto meu corpo arrepiar por completo e minha garganta ficar seca. Deixo um gemido escapar quando sinto Namjoon apertar meu membro com a mão direita e afirmo freneticamente com a cabeça e os olhos fechados em puro porém perverso tesão. — eu não estou te ouvindo, neném... 

— S-sim.. sim.. eu entendi... pare de falar e me foda com força.. po-por favor.. - ele solta uma risada rouca e deliciosa em meu ouvido junto com um arfar provocado pelo meu aperto em sua bunda. 

— calma, apressado, a gente tem tempo... E sabe, eu percebi que fui muito malvado e rude com você naquele dia. Você me ajudou tanto, e se esforçou vindo até aqui... agora, deixa seu namorado te retribuir todo carinho... - ele sai do meu colo me deixando respirar por alguns segundos, então volta à ficar entre minhas pernas, pegando meu membro com a mão e me fazendo gemer baixinho pela necessidade de ter atenção naquele lugar. Namjoon molha os lábios e sinto um grito ficar preso em minha garganta quando ele começa á chupar com força  minha glande, como um pirulito. Sinto meu abdômen contrair e levo as mãos até seus cabelos macios, incentivando ele à começar à dar atenção ao cumprimento do meu membro. Ele começa à chupar lentamente toda a extensão, apertando de leve minhas bolas e eu sinto o chão sumir. Meus dedos do pé estão apertados e eu entrelaço as pernas nas costas largas do meu namorado. Ele levanta um pouco para ficar mais confortável e volta à chupar meu membro usando sua língua e me fazendo delirar. Sinto ele gemer de forma rouca, e quando sinto a vibração de sua voz batendo em meu membro dentro de sua boca, isso é o suficiente pra quase vir em sua boca, e meus olhos começarem à embargar de tesão. 

— Na-nam.. eu estou qua-hmm.. quase.. won, Deus... mais forte.. 

— Vai, solta tudo, quero sentir seu gostinho... - ele diz, com o membro ainda em minha boca e eu sinto meu orgasmo batendo à porta por sentir sua língua bater contra a parte de baixo do meu membro. Ele continua à dar atenção à ele,  logo me fazendo gozar. Mantive meus olhos abertos por um segundo, apenas para ver Namjoon abrir bem a boca e mostrar meu membro se desfazendo em sua língua incrível. Ele é incrível. 

Não consigo ver mais nada, meu orgasmo pareceu sufocar meus pulmões. Jogo a cabeça para trás no estofado e tento respirar normalmente. Namjoon se levanta e se afasta de mim, me dando um segundo para processar o que houve aqui. Em todo tempo que nos conhecemos, Nam nunca havia me tocado dessa forma. Ele por ser ativo, nunca me deu esse tipo de atenção, e vê-lo assim, desse ângulo, vê-lo submisso à suprir uma necessidade que até então eu supria por ele... eu estou no céu.. 

No céu dos pervertidos, por que quando levanto a cabeça e abro os olhos, vejo meu namorado, completamente nú, se aproximando do sofá, deslizando sobre o assoalho como um deus grego, e com um olhar digno de um senhor das trevas. O senhor da perversão. 

 Ele joga duas camisinhas em cima da mesa de centro e meu coração acelera em ansiedade para o que está por vir. 

— pronto para o primeiro round, neném? 

— o que mais meu namorado sabe fazer?


⏩⏩⏩


— Jungkook, tem certeza que a Jun não vai acordar? 

— tenho, anjo. Quando ela dorme, Seul pode afundar que ela ainda fica dormindo. Eu sou o pai dela, eu sei.. - ele diz, me fazendo rir. 

Jungkook segura minha mão e me guia até as escadas de caracol em direção ao nosso canto preferido da casa. Assim que chegamos no quarto, ele segura minha cintura e me guia até o interruptor, sem tirar os lábios do meu ouvido. Sinto minha pele arrepiar com sua respiração pesada no meu pescoço e jogo a cabeça para trás, em seu peitoral, enquanto ele regula a luz do ambiente, deixando-a baixa e avermelhada, a minha favorita até agora. 

— eu quero ser seu daddy hoje à noite... 

— Você sempre vai ser meu daddy.. - digo virando de frente para seu corpo e mordendo o lábio, vendo que ele está encarando o mesmo. 

— Não faz isso, anjo.. eu fico louco... 

— É mesmo? Hm.. interessante... - falo, passando a ponta da língua nos lábios superiores, o vendo respirar fundo e fazer a mania de tique nervoso com a cabeça que eu adoro. Ele consegue ser  adorável as vezes.  — o que o daddy planejou para o babyboy hoje? Eu quero que me surpreenda.. - Jungkook parece pensar por um segundo, colocando o indicador na cabeça, outra mania que  adoro.  

Então ele me lança um olhar safado e um sorriso ladino indo em direção ao outro lado do quarto enorme. Sigo ele, e sinto meu estômago virar ao contrário quando penso no que ele está planejando. 

— Não, você tá brincando comigo? Não pode ser sério... - digo, segurando a empolgação.  

— Eu vi como você estava empolgado com a cruz de Santo André.. mas.. eu acho que terei de puni-lo... - sinto a garganta se fechar quando Jungkook me lança um olhar perverso e vejo chamas em suas íris. 

— Ma-mas o que foi que eu fiz? - digo com um biquinho, tentando refazer o dia, tentando achar algum erro que tenha o irritado. Não consigo pensar por muito tempo, pois Jungkook se aproxima de meu corpo, me encostando na parede, e começando à retirar minha camisa com avidez

— para você aprender que aqui, eu sou seu senhor, e não você! - sinto um arrepio passar pelo meu corpo quando ele puxa minha calça junto com a cueca e fico excitado só de imaginar o que está por vir. Jungkook ataca meus lábios com força, me arrancando o fôlego, e me fazendo sentir minha ereção bater contra minha barriga e sobre a cintura dele, me fazendo gemer entre seus lábios. Ele solta meu rosto e segura meu pulso me levando até a cruz. 

Jungkook me posiciona em cima do apoio para os pés, prendendo os meus tornozelos, mantendo contato visual. Minha respiração estava pesada, eu suava frio em ansiedade. Ele termina de prender meus pulsos, e fica parado olhando para mim com um sorriso incrível iluminando seu rosto. 

— Você é o submisso mais lindo, mais gostoso, mais atraente, mais... perfeito... e te vendo assim, preso, pronto pra mim... Ah, anjo.. você não sabe as coisas quw estão passando na minha mente agora, te vendo preso nessa cruz... me sinto tão sujo, e meu desejo por você.. 

— Então pare de falar, senhor. Apenas, use meu corpo para o que estiver pensando. - Jungkook sorri, e começa à retirar sua roupa mantendo contato visual. Estar preso aqui, com a ereção evidente, vendo Jungkook se despir à minha frente, é simplesmente uma visão do Paraíso. Sinto meu corpo quente. 

— Daddy... tá doendo... - digo gemendo baixinho tentando aliviar meu membro balançando um pouco o corpo ouvindo o som das fivelas das passadeiras de couro da cruz tilintarem na minha pele. 

— eu sei bebê... mas eu tenho o benefício do prazer adiado te vendo assim, preso. Agora, acho que você já viu de mais. - Jungkook se aproxima e percebo que ele tem algo na mão. Uma fita de cetim preta, então ele à coloca nos meus olhos, e se aproxima de meu corpo. 

— Você tem conhecimento dos prazeres em um sexo entre dominador e submisso, certo?

— S-sim.. 

— Sim. O que?

— Sim senhor... 

— bom garoto... - ele se afasta de meu corpo e escuto barulho de gavetas sendo abertas. — Então, hoje, quero que você aguce seus sentidos. Estará vendado, e isso aumentará seu prazer. Lembre-se, anjo. Um bom dominador, pensa principalmente no prazer de seu submisso. Eu vendei seus olhos, por que assim, seu prazer será maior. Com os olhos vendados, sua imaginação fluira trinta vezes mais. Então quero que use bastante o seu olfato - sinto seu corpo rondando a cruz onde estou preso — seu paladar.. - sinto seu dedo passear pelo meu lábio e sinto um gosto adocicado que me faz colocar a língua para fora e lamber a extensão de seu dedo. — e sua audição. - escuto um tilintar, como de pequenos sinos. Minha respiração fica acelerada.

— imagine duas pequenas esferas de cristal. - ele diz e sinto o calor de seu corpo perto do meu. — imaginou?

— sim, senhor.. 

— ótimo.. agora, abra a sua boca e lubrifique bem essas esferas - abro a boca e ele coloca uma bola dentro dela, e consigo sentir a esfera lisa e gelada, usando bastante minha saliva pra lubrificar a mesma. Ele faz a mesma coisa com a outra e repito a ação, passando a língua pelo objeto até que Jungkook puxa uma cordinha, que deduzi estar presa nas bolas e isso faz com que a bola faça um barulho gostoso e erótico ao sair da minha boca, levando com ela um fio de saliva.. 

— pelo tato de sua língua, sabe o que é isso?

— eu tenho uma idéia, senhor..

— Então, sabe onde elas irão ser colocadas? 

— S-sim.. senhor.. 

— e está de acordo com isto? 

— Sim, senhor... 

— ótimo, era tudo que eu precisava ouvir! 

E antes que eu possa pensar, ouço os passos de Jungkook dando a volta na cruz, então sinto seus dedos passearem da minha coluna até minhas nádegas, abrindo as mesmas, colocando as esferas dentro da minha entrada. Solto um gemido arrastado, sentindo meu corpo preso pelos pulsos e tornolezos, balançar em deleite pela sensação. 

— Você vai ficar com isso por um tempinho, quero me divertir um pouco mais, a brincadeira só está começando, babyboy... 


Notas Finais


Já volto com a segunda parte, terão bastante instrumentos de referência nessa brincadeira,
e no próximo tem tretaaa!!
Obs: a cruz do Jungkook n era na parede, ela era tipo, numa base onde ele poderia passear ao redor dela.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...