História Jikook: Estamos sem energia, hyung - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Outra?! Sim. Aproveitem.

UMA COISINHA AQUI...

Corram nas notas finais rapidinho, antes de ler. Vou deixar o link da cozinha casa vocês queiram imaginar melhor sabe...😈 Hehehe

Tirando isso...

~~boa leitura 💜

Capítulo 1 - Safadeza na cozinha


8:56 pm de uma noite qualquer 

— Hyung, sabe o que eu estava pensando? — perguntou quando entrou no quarto secando o cabelo por conta do banho recente. 

— Certamente que não — respondeu sem tirar os olhos do notebook, esse que estava posto em cima das suas coxas. 

Jungkook olhou para a cama onde o loiro estava sentado encarando a tela do aparelho e o encarou por um tempo. 

— Você é muito chato, amor — virou-se para o guarda-roupa quando percebeu que o outro sequer o olharia tamanha era sua concentração.

Uhum — murmurou baixo, digitando rapidamente.

Depois de vestir uma bermuda folgada, estendeu a toalha e andou até a cama, jogando-se ao lado do mais velho.

— Posso comprar um video game com o seu cartão de crédito? — olhou para o loiro. 

Ele tinha as sobrancelhas franzidas e mordia a parte interna da boca, e Jungkook sabia muito bem que isso significava que estava super concentrado. 

Uhum

— Posso chupar seu pau?

Uhum

— Hum... — pensou por um tempo. — Posso usar drogas? 

— Tudo o que você quiser — riu baixo. 

— Posso comer o seu cuzinho hoje? — viu o namorado piscar e olhar para ele. 

— Sonha — Jungkook explodiu em risadas, rolando na cama. 

— Você é demais, hyung — disse entre o riso. 

— Do que está rindo? 

— Nada — recompôs-se e encostou a cabeça no ombro alheio. — Vai mesmo ficar com a cara nesse negócio? Não vai me dar atenção? 

— Eu estou trabalhando — o Jeon suspirou. 

— Você sempre está trabalhando, Jimin — o loiro notou a mudança na entonação do rosado.

Claro que não gostava de ver o mais novo amuado pelos cantos do apartamento por não ser mimado como queria. Contudo, Jimin não tinha muita escolha. Tinha que terminar as coisas que não conseguiu fazer no trabalho em casa.

O Park suspirou profundamente e fechou os olhos.

— No que estava pensando mais cedo, uh? — perguntou em tom baixo, chamando a atenção do rosado. — Conta para o hyung.

— Só se você me dar atenção — condicionou. 

— Mas, amor, eu tenho que terminar aqui. 

— Tudo bem. Então terminar e aí eu te falo — lógico que estava jogando baixo. Queria a atenção do loiro apenas para si. 

Jimin suspirou mais uma vez e fechou o notebook sem desligá-lo. 

— Pronto — e quase instantaneamente o Park pôde ver o sorriso satisfeito nos lábios finos do mais novo.

Ele era um desgraçado mesmo.

— Agora sim — roubou um selinho rápido do mais velho antes de continuar. — Ok. Eu estava tomando banho agora e, como não tinha muito o que fazer, minha mente obcecada por você viajou para as nossas milhares de fodas gostosas pelos cantos da casa — Jimin virou completamente a cabeça para o lado e olhou fixamente para o namorado, questionando o quão ousado ele era. — Eu acabei ficando duro e batendo uma, mas essa não é a questão — ergueu uma das sobrancelhas para o Jeon. O quão descarado Jungkook podia ser? — O fato é que eu acabei percebendo que nós não transamos na cozinha ainda.

Sério que ele havia o tirado do trabalho para dizer aquilo? 

— Jungkook… — passou a mão no rosto e jogou os fios claro para trás em seguida. — É porque as pessoas não costumam fazer isso lá. 

O Jeon revirou os olhos. 

— Mas, eu quero — disse como uma criança. 

— Não inventa moda, sim? — tirou o notebook do seu colo e o colocou no criado-mudo, pegando o controle da televisão. — Que tal vermos um filme, uh?

Prefiro mil vezes transar na cozinha — resmungou baixo com um bico nos lábios.

— Vai querer ver o filme ou eu posso voltar para os meus relatórios?

O rosado bufou. 

O filme — murmurou com um bico enquanto o Park se levantar. 

— Escolhe um que eu vou pegar alguma coisa para a gente comer — entregou o controle ao mais novo. — Sem homem de ferro. 

Se fosse do capitão américa você bem que ia gostar — resmungou quando o outro se afastou. 

— Eu ouvi isso — Jimin disse antes de sair do quarto, rumando para a cozinha. — Aliás, perfeita escolha. Coloque este — gritou do corredor, o que fez o Jeon revirar os olhos. 


(…)


Quando o mais velho voltou e deitou-se ao seu lado com uma tigela de pipoca, Jungkook não tardou a se agarrar ao namorado.

— Você recusou uma foda, agora vai ter que me aguentar. Eu estou carente — falou quando rodeou a cintura do Park com um de seus braços e enroscou as pernas nas do outro, deitando a cabeça em seu peito.

— Eu não recusei uma foda — Jungkook o olhou com a sobrancelhas franzidas. — Eu apenas não concordei em foder na cozinha. Podemos fazer isso em outro lugar. 

— Mesma coisa. E eu não quero mais também — fez pirraça, voltando a olhar para a tela grande da televisão.

— Tem certeza? — provocou, levando a mão cheia de anéis até os fios rosa. 

— Só presta atenção no filme. 

Jimin sorriu. 

Ele parece um bebê — falou com a voz fina, puxando o rosto do Jeon para que este o olhasse. — Olha esse bico.

Aish — soltou, sentindo os dedos do Park apertarem sua bochecha, fazendo com que um bico ainda maior formassem em seus lábios. 

— Sou obrigado a morder — o loiro disse já com a boca encostada na semelhante, selando-a repetidas vezes. 

— Não queria ver o filme? — Jungkook perguntou contra a boca grossa do mais velho quando percebeu que esse aprofundaria para um beijo de lingua. 

— Agora é você que está me rejeitando — prendeu o lábio inferior do Jeon nos dentinhos da frente, puxando-os para si. 

— É o Karma — selou rapidamente os lábios do loiro quando esse soltou o seu antes de voltar a deitar a cabeça no peito alheio. — Agora preste atenção nesse cara ridículo que você insiste em dizer que é gostoso. 

— Está com ciúmes, Jeon?

— Dele? Desculpa, hyung, mas eu confio no meu taco — Jimin riu alto. — Além do mais, você deve tomar cuidado para não cair, está bem?

— Como assim? 

— Quem sonha alto costuma se machucar na queda.

— Ah, é assim? Então vamos falar do seu Jiyong? 

— Nem ouse dizer esse nome em vão — beliscou a barriga do Park por cima da camisa larga. — Agora é sério, vai ver seu ator lá. 

Jimin sorriu antes de beijar a cabeça rosa e pregar a atenção na tela grande. 


(…)


— Por que você desligou? — Jimin perguntou quando a tela grande se apagou deixando-os num completo escuro.

— Eu não desliguei nada — respondeu o rosado já meio sonolento. — Eu sequer estava prestando atenção nesse filme chato.

— Ah, é mesmo? Da próxima vez eu continuo fazendo meu trabalho. 

— Vai nada. É só você escolher um filme melhor da próxima vez — disse, levantando-se da cama depois de tentar ligar o aparelho pelo controle e esse não ligou. — Eu acho que… — andou em passos curtos até o interruptor, tomando cuidado onde pisava por estar escuro. — Estamos sem energia, hyung.

Constatou depois de jogar o botão para cima e para baixo várias vezes.

— Ah, que ótimo — disse irônico, jogando o corpo na cama e enterrando o rosto no travesseiro.

— Puta merda, é na cidade inteira — o Jeon disse olhando pelo vidro grande da janela, admirado por ver aquela imensa escuridão. — O que será que aconteceu?

— Ah, ótimo, meu notebook descarregou — choramingou por tentar ligar o aparelho, sem sucesso. 

— Você iria mesmo continuar fazendo seus relatórios chatos e me deixar sozinho no meio do escuro? — Jungkook perguntou, caminha devagar até a cama, tomando cuidado para não tropeçar em nada já que a única coisa de não deixava o quarto num total breu era a lua lá fora. 

— Quer que eu seja sincero? — o mais novo bufou e resolveu passar direto pela cama e ir para a cozinha. — Onde vai? 

— Procurar uma vela — usou um tom irônico, sumindo pelo corredor escuro. 

— Me espera. Eu tenho medo de escuro, Jungkook, você sabe disso — o Jeon riu do tom manhoso do seu hyung, sentindo esse lhe abraçar pelas costas e passar a andar colado a si. 

— Ué? Não iria me trocar pelo seu trabalho? Achei que ele pudesse te proteger — entrou na cozinha e tratou de buscar o isqueiro. 

— Isso não vem ao caso — Jimin disse antes de enterrar o rosto no meio das costas nuas do Jeon.

Jungkook riscou o isqueiro e, com a pequena luz que esse emitiu, pôs-se a procurar velas nas gavetas dos armários.

— Pronto, hyung, não está tão escuro agora — o rosado disse depois que acendeu uma vela e colocou em cima da pia, pingando um pouco do choro na superfície para que ficasse em pé. 

— Amor, me abraça — pediu manhoso, mesmo que a vela iluminasse bastante coisa, não perderia a oportunidade de ficar agarrado ao mais novo. 

— Por que eu deveria fazer isso? — apesar do tom brincalhão, virou-se de frente para o Park e abraçou o tronco do mesmo. 

— Porque você é um ótimo namorado — Jungkook sorriu e escorou na pia, enfiando o nariz nos fios cheirosos do mais velho. 

E nos cinco minutos posteriores eles passaram em silêncio, apenas acariciando um ao outro. Só que o Jeon queria se aproveitar daquilo. 

— Não temos nada para fazer, hyung. Agora você vai ter que me dar atenção — disse baixo contra o ouvido do Park. 

— Já achei que estivesse dando — sentiu as mãos grandes do Jeon apertarem sua bunda. — Jungkook… 

— Qual é, amor, vamos foder gostoso aqui — abaixou o tom de voz, selando a orelha logo depois. — Por favor, seja um hyung bom e faça as vontades do seu saeng. Você sabe o quanto eu odeio passar vontade. 

Jimin suspirou e, quase que inconscientemente, pendeu a cabeça para o lado quando sentiu a boca só mais novo descer pelo seu pescoço. 

— Você joga baixo, Jungkook-ssi — murmurou, entorpecido, arrepiando-se quando o rosado riu, soprando um ventinho quente em sua derme úmida pela boca alheia. 

— Não é como se você não quisesse — tirou o rosto do vão e distanciou-se o suficiente para conseguir olhar o rosto do Park, esse que estava banhado pela luz alaranjada da vela. — O que eu preciso fazer para você ceder, uh?

Definitivamente não precisava fazer nada, e sabia disso. Jimin já estava mole em seu braços, o que indicava que estava entregue há muito tempo. 

Acabou sorrindo e aproximando a boca fina da grossa do mais velho, subindo as mãos grandes pelo tronco até o pescoço, enroscando os braços ali e os dedos nos fios loiros. 

— Você não tem jeito, moleque — disse contra a boca do rosado antes de agarrar a cintura fina, tendo seus lábios sugados para um beijo intenso. 

Tratou de enfiar o músculo molhado imediatamente na boca do Park, enroscando na semelhante com necessidade, o que acabou arrancando suspiros deleitosos dos dois por conta da sensação deliciosa.

Jimin deslizou as mãos pequenas pela base das costas nuas do namorado, acariciando a pele lisa, sentindo esse esquentar a cada segundo que passava. 

— Pia ou balcão? — o loiro perguntou, ofegante após findar o ósculo com um mordida sensual. 

— Balcão — Jungkook respondeu curto, tirando a própria bermuda rapidamente antes de ter as mãos do namorado em sua cintura outra vez, iniciando outro beijo. 

Andaram colado e desengonçadamente até o balcão e Jimin ergueu o mais novo até o mesmo estar sentado sobre a superfície fria da bancada lisa. 

Jungkook gemeu pela baixa temperatura da pedra clara contra suas nádegas e puxou os fios claros entre os dedos quando o Park estapeou uma de suas coxas. 

Quebrou o beijo outra vez e desceu a boca inchada pela pele clara do Jeon, lambuzando e marcando a derme com selos, chupões e moradias. 

— Hyung — choramingou, abraçando a cintura alheia com suas pernas. — Por que você ainda está vestido? 

— Acalme-se — sorriu e parou o que estava fazendo quando sentiu sua camisa ser puxada para fora do seu corpo pelas mãos atrevidas do mais novo. 

— Calma? —perguntou, irônico. — Eu não quero ouvir essa palavra hoje. 

— Ah, só porque eu queria brincar — provocou com um bico, sentindo a mão grande do rosado escorregar para dentro da sua calça moleton.

— Já estou carente o suficiente para estar sem paciência para brincadeirinhas. Você não me deu atenção o dia inteiro e agora eu quero foder. E se você não se apressar, vou enfiar essa calma no seu cu junto com o meu pau. Então, por favor, fica pelado — Jungkook falava rapidamente, sem quase nem respirar entre uma palavra e outra.

Jimin, ainda embasbacado com o quão rápido o garoto poderia falar, sentiu sua ereção ser apertada pelos dedos alheios quando ficou tempo demais sem se mexer. 

— Ficar pelado, ok — grunhiu sôfrego, enfim parecendo acordar. 

Afastou-se do Jeon o suficiente para retirar sua única peça, já que estava sem cueca, voltando a colar as bocas assim como os peitos e as genitálias. 

— Você escolheu essa merda baixo justamente para quando resolvêssemos transar aqui, não é? — o loiro perguntou, referindo-se ao balcão que era na medida certa para dar altura ao quadril do Jeon. 

— Me pegou — e não era brincadeira.

— Você não tem jeito mesmo, né? Seu pervertido — Jungkook riu alto e assentiu, perverso. Afastou-se do namorado e apoiou os dois pés na bancada, abrindo bem as pernas para que o outro tivesse total visão do seu ânus.

— Me beija — e, definitivamente, o mais novo não estava falando da boca. 

Aquele garoto fodidamente gostoso quase deitado no balcão, de pernas abertas, pedindo para receber um beijo grego daquela forma tão suja… Jimin poderia gozar a qualquer momento.

— Ah, Jungkook — soltou, seguido de um suspiro, antes de inclinar-se até estar com o resto rente a entrada piscante, enlaçando as pernas alheias com seus braços. — Eu vou acabar com você. 

— Agora você está falando a minha língua — devolveu e agarrou os fios loiros quando teve sua virilha selada pela boca farta. — Sem brincadeiras, hyung. 

— Ué? Estou te beijando. Como você pediu — provocou. 

— Jimin, eu não estava falando daí, e você sabe — viu o Park sorrir travesso entre suas pernas, soprando propositalmente sua entrada, o que fez o rosado se arrepiar inteiro.

— Não? — fez-se de desentendido. — Desculpa, anjo, você sabe como eu sou meio lerdo.

Jungkook, irritado, apertou os fios claros entre os dedos e puxou a cabeça alheia para mais perto da sua intimidade. 

Meu rabo, hyung — choramingou, rebolando levemente. — Eu estava falando do meu rabo. Lambe ele.

Cacete — xingou, enfiando com afobação o rosto no meio das nádegas macias.

Jungkook grunhiu quando sentiu o músculo quente molhar todo o vão no meio de suas bandas, mordendo o lábio inferior com força enquanto jogava a cabeça para trás.

Jimin contornou o anelzinho com a língua, lambuzando-o inteiramente, antes de forçá-la ali. 

Ai… caralho — o rosado soltou, apertando os fios loiros com mais força – enquanto a outra mão mantinha seu corpo erguido no balcão –, aumentando as reboladas contra a face do mais velho.

O Park desceu uma das mãos até seu membro, até então negligenciado, e passou a acariciá-lo e apertá-lo conforme fodia o mais novo. Durou minutos até o Jeon perder a paciência. 

Aish, chega — tirou o rosto do loiro do meio das suas pernas, puxando-o para um beijo. — Me come logo. 

— Você é muito apressado — disse contra a boca alheia, sorrindo fraco com toda a afobação do rosado. 

— Uhum. Anda — Jungkook faltava chorar em agonia. — Onde você vai? — perguntou, segurando o pulso do Park quando esse se afastou. 

— No quarto. Pegar lubrific–

— Que lubrificante. Para de ser gay — abraçou a cintura do loiro com suas pernas, ouvindo esse rir. 

— Jungkook… nós somos gays. É inevitável — o mais novo revirou os olhos. 

— Só… adianta. Não precisa de lubrificante — Jimin arqueou uma das sobrancelhas e deu de ombros. 

— Você quem sabe — e entrou. De uma vez. 

Filho da… — urrou fino, arrepiando-se dos pés a cabeça enquanto fincava as unhas nos braços do Park. — Puta… 

— Dei o que você quer, Jungkook. Devia parar de ser guloso e apressado — falou depois de um gemido baixo e arrastado, adorando como o interior alheio apertava seu pênis deliciosamente. 

— Eu te odeio — soltou com o maxilar trincado.

— Me odeia, marrentinho? — provocou, abraçando o tronco do mais novo e permanecendo parado. — Já vai passar — acariciou as costas lisas e musculosas do Jeon e passou a distribuir selos curtos na bochecha e pescoço dele, apenas para distraí-lo. — Você provoca também — falou com o maxilar trincado quando sentiu o outro contrair seguidas vezes.

— Você é tão mau com o seu Kookie — disse manhoso, contraindo mais uma vez antes de começar a rebolar devagar.

— Eu só fiz… o que me pediu — falou entre ôfegos. Abrindo mais as pernas do mais novo, essas que ainda usavam o balcão de apoio para melhorar o acesso a entradinha.

— Uhum… Então continua me obedecendo e me fode — soltou o mais velho e apoiou as duas mãos na superfície plana.

— Não está doendo? — perguntou, preocupado. É claro que só começaria se o outro não tivesse sentindo dor. 

Só que Jungkook não o respondeu. Quero dizer, respondeu sim, mas não com palavras. Ele apenas ergueu a bunda do balcão e passou a impulsionar o corpo para frente e para trás, tomando as rédias. 

— Garoto ninfomaníaco de merda — xingou, estapeando uma das coxas grossas. 

— Eu sou. Muito. Agora para de falar. Você fala demais — falou, agoniado com o quanto Jimin conseguia enrolar quando queria.

O Park puxou a cintura alheia contra a sua pélvis fazendo, consequentemente, seu pau se enterrar ali dentro com mais força, arrancando um gemido alto dos dois, principalmente do rosado. 

— Já achei, amor? — passou a ondular o quadril junto do namorado, acariciando a próstata com sua glande. — Ah, Jungkook, como você é gostoso. Puta que pariu! 

O Jeon voltou a sentar no balcão e segurou os fios loiros com uma das mãos, puxando o dono destes para um beijo. 

Já o Park, ainda com as mãos na cintura fina do rosado, passou a estocá-lo com lentidão, porém, com força o suficiente para tocar o pontinho doce mais algumas vezes.

— Céus! Como foder é bom — o mais novo urrou, jogando a cabeça para trás.

— Você gosta, marrentinho? — provocou. — De foder? 

— Muito... Vai mais rápido — implorou. — Mas, eu gosto só quando é com você. Hyung, você fode tão bem.

— E você é tão fodidamente fodível — Jungkook riu, se engasgando entre os gemidos.

— Essa palavra existe? 

— Existe… E ela está na minha frente agora — mordeu a boca, colando-a na clavícula do mais novo. 

— Amor… Você está ficando velho. Não consegue ir mais rápido que… Ah! Cacete! 

— Velho é o seu avô — falou possesso, socando seu pênis no interior quente do garoto.

— Isso! — arranhou as costas do mais velho.

— Cadê o velho, Jungkook? Uhm?! 

— Não está… ficando velho não… Está perfeito… Continua… 

Jungkook faltava convulsionar por tamanho prazer. Atiçar Jimin era sua especialidade, e adorava fazer isso porquê sabia como o outro o fodia como um animal quando era subestimado.

— Ah, garoto, você me tira do sério — além de impulsionar o quadril contra o do rosado, Jimin puxava o corpo alheio contra a sua pélvis, duplicando a força exercida para fodê-lo. — Porra… Que delícia! 

Não muito depois daquilo o Park já pode sentir seu inferior vibrar, indicando um futuro orgasmo, esse que não estava tão longe.

— Se toca para mim, marrentinho… Estou quase — pediu com certa dificuldade, vendo o Jeon ter que tirar um de seus apoios para se masturbar em meio aquela bagunça frenética.

Só que ver o mais novo todo suado daquele jeito, gemendo seu nome manhoso, se tocando com rapidez, só serviu para aumentar seu tesão e a vontade de gozar. Sem contar que a pouca luz que vela emitia deixava tudo ainda mais sensual. 

— Hyung… Goza na minha boca — pediu baixo e sôfrego, começando a dar espasmos.

Jimin tomou a ereção do mais novo em mãos, batendo uma no lugar dele, com mais força e rapidez, enquanto mantinha a velocidade na estocadas. 

— Goza então… — falou, já sentindo as paredes prensarem meu pau com força, ouvindo seu nome ecoar pelo cômodo mal iluminado. — Isso… 

Continuou estimulando o pênis alheio até não sair mais o esperma quente, vendo outro dar espasmos ainda. 

— Apresse-se — o Park alertou, retirando-se do interior quente e esmagador. 

Jungkook desceu do balcão e, com as pernas ainda meio moles, ajoelhou-se frente ao mais velho, sentido, quase que imediatamente, Jimin levar a mão esquerda até seus fios rosas enquanto que, com a direita, se masturbava com rapidez. 

Ca… ra… lho — soltou arrastado e baixo a cada jorrada de porra que saia da sua fenda e melava a boca do garoto a sua frente, ao mesmo tempo em que via, pela visão periférica, o corredor dos quartos clarear.

A luz havia voltado. 

Largou a ereção e apoiou-se na bancada, respirando agitadamente enquanto sentia a língua arteira limpar todo e qualquer resíduo em sua grande, de quebra, lambendo a extensão ainda rígida e veiuda.

— Sempre tão guloso, meu marrentinho — Jungkook concordou, não tirando aqueles olhos dos seus um segundo sequer. 

Inclinou-se e tomou os lábios finos um beijo lento, porém, cheio de língua já que estava afim de ajudar o mais novo a limpar o que havia caído fora da boca dele também.

— Transamos, oficialmente, em todos os lugares… O que vai fazer agora, uh? — o loiro disse, divertido. 

— Tudo de novo — ficou de pé, vendo o mais velho negar com a cabeça. — A começar pelo seu quarto. Nossa primeira vez. 

— Na casa da minha mãe? Eu nem moro mais lá — Jimin juntou as roupas num canto, com o pés mesmo, resolvendo pegá-las no outro dia.

— A gente faz uma visitinha a ela. Ninguém precisa saber. 

— Você é imundo, seu pervertido — estava abismado com a audácia do Jeon. 

Jungkook sorriu travesso e apagou a vela – não ficando totalmente escuro já que a luz do corredor chegava fracamente ali –, puxando o mais velho pela cintura.

— Uhum. Sou muito — selou várias vezes a boca farta. — Vamos tomar banho?

Jimin concordou e selou uma última vez a boca do rosado. 

— Vamos logo que eu preciso terminar aquele relatório — falou antes de começar caminhar até o banheiro.

— Ah, Park Jimin, não acredito que você vai continuar me trocando por isso!

Ai, senhor da bicicletinha sem freio, dai-me paciência.   


Notas Finais


A cozinha...

https://pin.it/qlpvmo7x6xnwqc

Ah, meus caros lúpus, venho eu por meio desta fazer vocês pecarem 😁

Como vocês podem notar... Eu estou bem empolgada e postando fic sempre. Oneshot, em sua maioria, mas, ainda assim, postando.

E eu sem bem que tem uns morceguinhos de platão por aí.

Bom, essa fic já está escrita há um bom tempo – e tem outra que também já está pronta, só não sei quando vou soltar 😈 – e, como não tinha muita coisa para fazer, resolvi postar agora.

No sábado eu atualizo as longs e tudo de bom!

Estou teminando os bônus de "O idiota do meu professor" e "Não se preocupe, o hyung te ensina a beijar" e, talvez, eu coloque um segundo flashback de 'O essencial é invisível aos olhos'... a primeira vez deles 😈😎

Minha outra conta... caso aconteça algo com essa... Tipo, exclusão kkk @LeticiaBaldan

Sigam lá!

Enfim... É isto... Se cuidem... Amo vocês 💜💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...