1. Spirit Fanfics >
  2. Jinyoung knows that. - Markjin. >
  3. I love you, mark... but you don't love me.

História Jinyoung knows that. - Markjin. - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


eu não sei.

Capítulo 1 - I love you, mark... but you don't love me.


Fanfic / Fanfiction Jinyoung knows that. - Markjin. - Capítulo 1 - I love you, mark... but you don't love me.

   (Seul, Coreia do sul, 8:30 PM.)




Naquele dia, em mais um dia, Jinyoung, o doce Park pensava em mandar uma mensagem à Mark Tuan, o homem na qual passou desde os treze anos de idade até os vinte e três anos namorando. É, foi com Mark que Jinyoung descobriu tudo e teve suas primeiras vezes. Seu coração apertava de pensar que agora tudo havia acabado, mas... estava aliviado. Tudo tinha acabado tão bem, mas tão bem... era estranho, por que nada estava bem.




(três meses atrás)




Tuan e Park estavam na cama que o casal dividiu durante anos, deitados, com seus pijamas após mais uma das suas noites extremamente agitadas e prazerosas. Mas, para ambos, aquilo só era prazer fazia algum tempo.



― Jinyoung-ah. ― Chamou o Tuan, não alto, nem baixo. Em tom normal.


Naquele momento, Jinyoung sentiu algo estranho, o famoso presentimento. O carma dos anos pesando sobre seus ombros. O tão terrível carma.



― Sim, amor? ― Engoliu a seco, perguntando.


― Você não acha que está na hora de terminarmos isso? Você sabe, esse sofrimento. Eu não quero mais ver você tão pensativo assim, e eu sei o motivo disso. ― Foi claro, e disse de uma vez tentando manter a calma sobre tal conversa.


Mark sempre tentava falar sobre o relacionamento, mas Jinyoung evitava, porque... bom, o moreno sabia que iria brigar com o ruivo, e por isso, sempre evitava. Desde a última vez, quando o coreano e o americano brigaram seriamente, Mark prometeu ao seu namorado que não discutiria nem entraria mais em assuntos delicados, como por exemplo, como Jinyoung estava estranho ultimamente. Sendo assim, ambos não falavam, não brigavam, não conversavam. Apenas transavam. Era só isso que acontecia entre eles.



― Mark, você prometeu... ― Falou fracamente, suspirando forte e se sentando na cama. ― Porque você tem essa mania de prometer as coisas sabendo que não vai cumprir? Eu não quero terminar, eu não sei viver sem você, Tuan.― A conversa se mantinha em tom baixo e sério, dessa vez, pareciam mesmo um casal tentando resolver seus dilemas.



Mas, não tinha solução, e eles sabiam disso.
Eles iriam se separar, e sabiam disso.
Tudo estava no fim, mas apenas Jinyoung sabia disso.



― Eu sei, mas Jinyoung, eu quero te proteger... Eu quero mesmo te proteger. Não quero mais te magoar. Por favor, me deixe ir, porque, de qualquer forma, você não me ama mais e nem eu a você.



Mesmo sentindo todos os pedaços de seu coração caindo ao chão, o Park não negou. Ele também queria proteger o Tuan... queria protegê -lo da própria confusão que o moreno era.


― Tudo bem. Você tem razão.



Jinyoung sabia que Mark não estava certo, Jinyoung sabia que amava Mark mais do que a si mesmo, Jinyoung sabia que não sabia viver sem Mark o salvando todos os dias, Jinyoung sabia que iria morrer sem Mark, Jinyoung sabia de tudo.
Mas, mesmo assim, ficou em silêncio naquele momento.
E apenas saiu da cama, batendo a porta do quarto.


Mark apenas relembrou na cama, sozinho, como conheceu Jinyoung.
Na Internet, enquanto jogava em um 'squad qualquer Jinyoung havia soltado um palavrão em coreano, e Mark sabia pouco daquela língua. Namoraram virtualmente por quatro anos, os dois... céus, eram pervertidos. Muito pervertidos. Mas, os dois amavam ser assim, Mark lembrou do primeiro beijo assim quando se viram pessoalmente, intenso, muito quente. Da primeira vez, Jinyoung sempre fora quem mandava no relacionamento, Mark sempre foi quem levava os tapas de Jinyoung e como o americano amava.
Tantos anos juntos para agora, não valerem de nada. Mesmo amando o Park, Mark não foi atrás dele.
Talvez esse tenha sido seu maior erro.
dizer: "eu não te amo." para o coreano custou tudo.






Agora, depois de três meses, lá estava Jinyoung, com o chat de Mark aberto e vazio, sem saber o que iria mandar. Mesmo no fundo sabendo o que iria dizer.





Peach♡~: Oi, hyung! Como você está? Está cuidado bem do seu corpo? Por favor, não fique doente. Ainda me preocupo com você. Acredita nisso? Eu ainda me preocupo. Eu estou aqui, lhe mandando essa mensagem, para dizer que eu ainda te amo. Acredita? Sim, eu ainda te amo. Me desculpe por ter sido um idiota em todo esse tempo, mas eu ainda amo todos os nossos momentos, e eu não me arrependo de você ter sido o primeiro garoto que passou pelos meus lábios, cama e coração. Eu te amo, obrigado por todo esse tempo. Eu apenas sinto muito por tudo o que fiz e por ser desse jeito. Encontre um novo amor, Tuan. Você sabe que eu quero seu melhor, babe. You know, right?
Mark, viva uma boa vida.
See u later, baby.

( enviada ás 8:45 PM)



E depois disso, Jinyoung se jogou na cama e dormiu, tranquilo, mas com planos novos para sua existência.

Afinal, Jinyoung sabia disso.




Quando acordou, o coreano colocou um belo terno, arrumou seus cabelos alinhadamente e logo colocou um perfume, estava em frente ao espelho, hoje era um dia bom para Jinyoung. Até ouvir a campanhia, ah, aquele som. Sabia quem estava ali.


― Entre.


Soltou e um sorriso escapou de seus lábios carnudos, logo vendo Mark.


― Eu sabia que você viria.



Jinyoung realmente sabia que Mark viria vê-lo depois daquela mensagem, porque, o Park em sã consciência jamais diria que ainda o amava. Porque Jinyoung era um orgulhoso do caralho.




E foi ali, que Mark Tuan recebeu um último beijo nos lábios do coreano, e o viu correr até a sua enorme janela de vidro do seu quarto do apartamento no 13° andar de seu condomínio, e jogar seu corpo contra aquele vidro, caindo do quarto onde os dois se amaram por muito tempo até sua morte.


― JINYOUNG! ― gritou, correndo até a janela e olhando para baixo, mas de nada adiantava.



Jinyoung tinha o corpo no chão e pessoas chegando perto, envolta de sua cabeça, uma enorme poça de sangue. Por algum motivo, naquele dia de outono, as flores das árvores roxas caíram, decorando o sangue e o corpo morto de Jinyoung.


Mark percebeu, naquele dia, que Jinyoung sabia muito mais coisa que ele.
E que agora, o americano, viveria com a culpa de nunca ter percebido que ele era tudo o que Jinyoung sabia que existia.


Notas Finais


meu deus, chorei muito fazendo essa one shot.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...