1. Spirit Fanfics >
  2. JIROSE, Lembra de mim. >
  3. Último capítulo Parte 1

História JIROSE, Lembra de mim. - Capítulo 70


Escrita por: MAisafanfic

Notas do Autor


Olá meu queridos leitores.
Vim na maior cara de pau pedir desculpas pela demora 😁. Dei algumas empacadas ao escrever o último capítulo, tive gripe fortissima e agora estou sofrendo os efeitos colaterais do 1 trimestre da gravidez , ufa!
Mas dividi o capítulo, para vocês não ficarem sem nada 😊, espero que gostem! Vou escrever aos pouquinho porque não estou muito bem, mas pode confiar que vou terminar.
Confiem em mim hehehe 🙏🏻

Capítulo 70 - Último capítulo Parte 1


Fanfic / Fanfiction JIROSE, Lembra de mim. - Capítulo 70 - Último capítulo Parte 1

Rosé não se esforçou muito para saber onde estavam indo, ela lembrava muito bem daquele caminho que fizera tantas e tantas vezes.

 

- Você lembra desse lugar? Jimin perguntou ansioso.

 

Rosé confirmou sorrindo.

 

- Seu apartamento. Rosé respondeu segurando a mão dele ao sair do carro.

 

- Nosso apartamento. Jimin abraçou a cintura da Rosé. - Quero viver aqui com você. Jimin beijou a bochecha dela.

 

Rosé corou. Algumas coisas nunca mudaram.

 

- Eu também quero viver com você. Rosé falou meigamente.

 

Jimin sorriu todo apaixonado.

 

Eles andaram até o elevador. Rosé se sentia um pouco nervosa.

 

- Ainda não caiu a ficha que você está realmente aqui. Parece que estou num sonho.

 

Rosé deu um selinho no Jimin.

 

- Isso é o suficiente para provar que sou real ? Rosé perguntou o abraçando.

 

- Não! Jimin respondeu seriamente. - Não chega nem perto. Ele sorriu. - Sabe, eu não vou te largar mais. Onde você for eu vou também.

 

- Para mim, isso parece perfeito. Rosé encostou a cabeça no peito do Jimin e esperou até que chegassem no andar do apartamento dele.

 

...

 

A notícia estava em todos os lugares.

 

"O escândalo do ano"

 

As fotos do Jimin e da Lily estampava as principais manchetes do país. Vídeos feitos pelos convidados circulavam na internet e os ânimos estavam exaltados.

 

É claro que nessa altura do campeonato Chanyeol já estava a par da situação. Ele não podia acreditar no que tinha acontecido.

 

- Até que ponto chega a maldade das pessoas? Chanyeol pensou ao ligar para Rosé.

 

Era óbvio que o celular dela estaria desligado, mas ele quis tentar.

 

- Ela deve estar péssima nesse momento. Ele pensou. - Será que os dois estão juntos? Esse pensamento o deixou infeliz.

 

Chanyeol tinha consciência que havia perdido o amor da sua vida para sempre. As lágrimas brotavam em seus olhos contra a vontade dele.

 

Se a Rosé quis vir atrás dele mesmo achando que o Jimin a tinha abandonado, agora que ela sabe de toda verdade, vão recomeçar do zero.

 

- Eu a perdi! Chanyeol sentiu seu peito apertar.

 

Ele estava magoado, pois seu relacionamento com a Rosé só aconteceu por causa das mentiras da Lily e da mãe do Jimin. Era como se o amor que sentiram um pelo outro tivesse sido um erro de percurso.

 

Isso o destroçava. 

 

Seu celular tocou e era sua mãe preocupada. Ela também já estava sabendo do escândalo.

 

SENHORA MORI: Oi filho? Como você está? Eu soube do que aconteceu.

 

CHANYEOL: Oi mãe. Eu não sei nem o que te dizer.A voz do Chanyeol não escondia sua tristeza. - Ainda não consegui digerir essa história.

 

SENHORA MORI: Estou voltando amanhã cedo para Tókio, estou preocupada com você.

 

CHANYEOL: Mãe, eu não estou em casa.

 

SENHORA MORI: Você não foi atrás da Rosé não né meu filho?

 

CHANYEOL: Mãe...

 

SENHORA MORI: Ela fez a escolha dela meu filho. Tenha um pouco de orgulho e volta para casa por favor.

 

CHANYEOL:  Eu já aceitei que a perdi. Só quero terminar nosso relacionamento da melhor forma possível. Só quero vê-la e me despedir.

 

SENHORA MORI: Você está sofrendo. Só de ouvir sua voz, dá para perceber o quanto está doendo em você.

 

CHANYEOL: A senhora não sabe o quanto.

 

SENHORA MORI: Eu sei que agora você só enxergar tudo cinza, mas eu sei que algum dia vai encontrar alguém que vai te amar tanto quanto você a ama.

 

CHANYEOL: Eu nem tenho cabeça para pensar em um novo relacionamento. Se eu conseguir superar isso já vou sair no lucro.

 

SENHORA MORI: Não fala assim meu filho. Você merece ser amado. Merece muito mesmo.

 

CHANYEOL: É, eu mereço. Ou talvez não. Chanyeol suspirou. - Não fica preocupada comigo. Assim que eu resolver tudo por aqui, volto.

 

SENHORA MORI: Vou te esperar em casa. Me liga assim que estiver voltando.

 

CHANYEOL: Está bem. Mãe? Posso te pedir um favor ? 

 

SENHORA MORI: Claro filho, o que você quer? 

 

CHANYEOL : Separa tudo o que for da Rosé e empacota pra mim. Assim que eu chegar no Japão vou despachar para a Coréia do sul.

 

SENHORA MORI: Quando chegar vai estar tudo preparado. A mãe te ama viu? Coma direito e dorme.

 

CHANYEOL: Te amo mãe. Obrigada por tudo. 

 

 

...

 

- O apartamento está igual da última vez que estive aqui. Rosé falou reparando em tudo.

 

- Eu não mudei nada. Jimin respondeu melancólico. - Eu queria manter tudo igual quando você estava aqui. Nossas memórias...

 

Rosé segurou a mão do Jimin e sorriu.

 

- O seu quarto está um pouco empoeirado. Jimin falou com vergonha.

 

Rosé se animou ao ver o quarto onde ela dormia. Ela andou na frente do Jimin e abriu a porta.

 

- Caramba! Rosé soltou sem perceber. - Esse quarto é um túmulo Jimin. Meu túmulo. 

 

- É, eu sei. Me desculpa. Jimin falou atrás da Rosé. - Eu não pude tirar nada do lugar. Tudo tinha seu cheiro. As roupas como deixou em cima da cama. Tudo era do set jeito e eu não pude superar.

 

Rosé começou a chorar. Ela abraçou o Jimin para o consolar.

 

- Sinto muito! Rosé falou. - Agora estou aqui, do seu lado para sempre. Eu imagino como foi difícil pra você.

 

Jimin abraçou Rosé com mais força e a pegou no colo.

 

Rosé deu um gritinho no ar.

 

- O que você está fazendo ? Rosé perguntou rindo.

 

- Amando você. Jimin baixou Rosé até ela pisar no chão. - Você tem ideia do quanto eu sonhei com isso? Jimin perguntou desabotoando o blazer da Rosé.

 

- Jimin...

 

- Hum? Jimin estava distraído com os botões do blazer dela. Ele não queria perder tempo.

 

- Vamos com calma. Rosé segurou a mão dele com delicadeza. - Acabamos de nos reencontrar.

 

- Por isso mesmo, já perdemos muito tempo longe um do outro. Jimin tirou o terno e jogou no chão. - Temos que recuperar o tempo perdido. Eu quero comemorar.

 

Jimin tirou a camisa e expôs seu peito.

 

Rosé se assustou com a cicatriz no meio do peitoral do Jimin. Aquela cicatriz era a prova da loucura do senhor Yong.

 

- Isso é minha culpa...

 

Rosé tocou com muita delicadeza na cicatriz do Jimin. Ela começou a chorar ao imaginar que ele poderia ter morrido pelas mãos do padrasto.

 

Jimin segurou o queixo da Rosé e elevou o rosto dela. 

 

- Nada disso é sua culpa. Não é culpa de ninguém, a não ser daquele louco. Ele sim é o verdadeiro culpado. Jimin falou com raiva. - Ele deve estar no inferno essa hora. Jimin sorriu.

 

- Você poderia ter morrido...

 

- Poderia. Jimin segurou as duas mãos da Rosé e as colocou em seu peito. Ele amava a sensação que o calor das mãos dela provocavam em sua pele.  - Mas estou aqui,  vivo e quente, te querendo, te amando mais do que nunca.

 

Rosé sentiu um frio na barriga. Ele ainda exercia o mesmo poder de atração nela. Era inevitável não querer estar nos braços dele.

 

- Vamos esquecer tudo por algumas horas? Nós merecemos isso, não é ? Jimin perguntou tirando o cinto da calça.

 

- Nós merecemos! Rosé falou totalmente obcecada com o Jimin tirando a roupa.

 

- Vamos sair daqui. Jimin pegou Rosé no colo e a levou para o seu quarto.

 

Jimin colocou Rosé no chão. 

 

- Acredito que precisamos de um pouco de privacidade...

 

Ele foi até a janela e fechou as cortinas, deixando algumas brechas por onde entrava a luz do entardecer.

 

De repente parecia que nada mais existia no mundo. Somente eles e aquele quarto. Aquele momento.

 

Jimin voltou para Rosé e soltou o cabelo dela que estava preso num rabo de cavalo.

 

- A cor do seu cabelo...Jimin penteou o cabelo dela com os dedos. - Te deixa ainda mais linda.

 

- É a minha cor natural. Rosé respondeu olhando nos olhos dele.

 

Jimin agarrou com a mão  todo o cabelo da Rosé num rabo de cavalo para deixar o pescoço dela livre. 

 

- Você perdeu o ar de inocência. Jimin falou no ouvido dela. - Seu jeito de me olhar. Ele deu um beijo no ombro dela. - Me deixa excitado.

 

Rosé tremeu.

 

- Eu acho que mudei muito...

 

- Mas ainda continua a minha Rosé. A mulher por quem sou louco, apaixonado. Jimin beijou o pescoço da Rosé e deu uma mordidinha na orelha dela.

 

- Ai amor! Rosé cravou as unhas nas costas dele. - Está me deixando louca. Ela sussurrou.

 

Jimin sorriu com malícia. Ele se sentou na beirada da cama e colocou Rosé entre as suas pernas.

 

- Eu quero te ver. Jimin falou querendo admirar cada pedacinho do corpo da Rosé. - Tira a roupa pra mim ? 

 

Rosé sentiu um tremor em todo o corpo. Ela não lembrava do Jimin ser tão atrevido com ela.

 

- Espera! Jimin se levantou e colocou uma música para tocar. 

 

Rosé sentiu a atmosfera do quarto mudar quando aquela música sexy começou a tocar.

 

- Perfeito! Jimin falou satisfeito.

 

Ele voltou a se sentar na cama. Seus olhos não desviavam dos olhos da Rosé.

 

Rosé respirou fundo e começou tirar sua camisa branca. Ela desabotoou cada botão por vez, assim que terminou expôs seus seios para o Jimin. 

 

Ela usava um sutiã azul marinho, quase preto.

 

Jimin tocou o pescoço dela, e desceu até espaço entre os seios obcecado com o que via.

 

Rosé tirou seus sapatos de salto alto e desabotoou a calça de alfaiataria. Agradeceu por estar usando uma lingerie que combinava.

 

Jimin ajudou a Rosé a abaixar a calça. Suas mãos trabalhavam juntas, até que ela acabou apenas de lingerie.

 

Jimin puxou Rosé para mais perto. Segurou a cintura dela com as duas mãos e lambeu o abdômen dela de baixo para cima, até parar nos seios.

 

Rosé gemeu de prazer.

 

Jimin quase teve um orgasmo só por ouvir o gemido dela. Ele tentou se controlar, mas fez de novo.

 

Lambeu o abdômen dela. 

 

Rosé agarrou o cabelo dele com força. 

 

Os dois trocaram olhares, até que foi impossível de sustentar. Os dois se encaixaram nos braços  do outro e se entregaram ao amor.

 

Se beijaram com uma intensidade nunca vista antes por eles. Rosé se sentia viva, satisfeita e feliz.

 

Jimin se jogou para trás e Rosé estava por cima dele, como na primeira vez. 

 

Seus lábios não se desgrudavam por nada e suas mãos estavam por todos os lados.

 

Enquanto sua língua invadia a boca do Jimin, sua mão esquerda acariciava o pen!s dele por cima da calça.

 

Jimin fechou os olhos e inspirou. Ele queria tanto uma coisa, mas não tinha coragem de pedir.

 

De repente Rosé sussurrou no ouvido dele:

 

- Na nossa primeira vez você me comandou. Agora eu quero te mostrar o que eu posso fazer...

 

Jimin abriu os olhos e a encarou boquiaberto.

 

Rosé sorriu. Ela já não era mesmo aquela garota tímida e inexperiente.

 

Jimin relaxou na cama e voltou a fechar os olhos. Seu desejo estava sendo realizado. A conexão dos dois era impressionante.

 

Rosé brincou com a orelha dele por alguns minutos,  lambendo lentamente e gemendo de leve enquanto Jimin apertava sua bunda.

 

Quando ela percebeu o grau de excitação dele, começou a descer. Desceu pelo corpo dele, deixando rastros de beijos, lambidas e mordidas. 

 

Jimin se contorcia na cama, tentando conter a vontade de pegá-la  e consumar de vez o sexø

 

Rosé desceu até ao ponto que queria explorar. Ela desabotoou a calça e a tirou junto com a cueca dele.

 

Jimin se agarrou no travesseiro quando sentiu a mão dela no seu pên!s. Ele ansiava por mais, por muito mais.

 

- Você está pegando fogo! Rosé sussurrou ao toca-lo.

 

- Você não faz ideia...

 

Rosé não deixou que ele terminasse  de falar e colocou os lábios nele.

 

- Ainnnnnn...Jimin gemeu baixinho.

 

Rosé olhou para e expressão dele e percebeu que nunca havia visto uma cena tão erótica em toda sua vida.

 

A música tocando de fundo, seus lábios no corpo dele, os gemidos, a respiração forçada. A forma como ele movimentava seu corpo para estar mais dentro da boca dela. Isso tudo era erótic0 para Rosé e ela estava mais [email protected] do que nunca.

 

Então ela continuou o que estava fazendo, lentamente e meticulosamente até notar que Jimin estava a ponto de um orgasmo. Ela parou o que estava fazendo, pois queria Jimin dentro dela.

 

- Vem cá? Jimin puxou Rosé para seus braços e os dois se beijaram ao rolar na cama.

 

Agora Jimin estava por cima da Rosé.

 

- Você quase me matou de prazer, agora é a minha vez, e eu não vou me conter...

 

Jimin segurou os dois seios da Rosé e os lambeu e chupou com entusiasmo. 

 

Rosé arqueava seu corpo, toda vez que uma onda de prazer a atingia. Nesse momento a calcinha dela estava completamente ensopada.

 

Jimin desceu pelo corpo da Rosé, beijando e lambendo ela toda, ao mesmo tempo tocando a [email protected] dela com seus dedos habilidosos.

 

- Você está tão molhada amor...

 

Jimin falou olhando nos olhos dela.

 

- Você me deixa assim! Rosé respondeu respirando com dificuldade.

 

Jimin não queria mais esperar. Ele se posicionou entre as pernas da Rosé e as abriu.

 

Rosé fechou os olhos e esperou a sensação de ser preenchida por ele. Ela queria tanto isso.

 

Quando Jimin a penetrou, ela sentiu tudo o que esperava e mais.

 

Jimin debruçou seu corpo quente em cima do corpo da Rosé e apoiou as mãos na cama.

 

Os dois [email protected] olhando um nos olhos do outro. Rosé gemia, e isso incentivava Jimin a ir cada vez mais profundo.

 

- Ai amor! Rosé agarrou as costas do Jimin enquanto ele se movimentava dentro dela. 

 

- Você gosta assim? Jimin perguntou sussurrando no ouvido dela. 

 

- Ahamm...

 

Rosé estava prestes a ter um orgasmo, mas se controlou. Ela empurrou Jimin e o fez deitar na cama.

 

- O que você vai fazer? Jimin perguntou ansioso.

 

- Isso! Rosé montou em cima do Jimin.

 

- Como você é gostosa! Jimin levantou o tronco e beijou os lábios dela.

 

Os dois se beijaram apaixonados. Rosé envolveu seus dois braços em volta do pescoço do Jimin e ele agarrou a cintura dela.

 

Em meio ao beijo, Jimin deu uma mordidinha no lábio inferior da Rosé. Ela suspirou alto.

 

De repente os dois pararam de se beijar. 

 

Jimin acariciou o rosto da Rosé. Ela fez o mesmo.

 

- Eu te amo tanto. Jimin falou olhando nos olhos da Rosé. - Você é a mulher da minha vida.

 

- Eu também te amo. Sou tua meu amor. A verdade é que eu sempre fui. Rosé se emocionou.

 

Jimin sorriu e limpou as lágrimas  dos olhos da Rosé.

 

Até aquele momento, a transa deles estava sendo sensual, mas o clima tinha mudado.  Algo que era sexy, se tornou doce.

 

Jimin queria ser carinhoso. Ele beijou o queixo da Rosé e fez um caminho de beijos no ombro dela.

 

Ele a elevou e deixou seu pên!s a penetrar novamente. Dessa vez centímetro a centímetro.

 

- Ainnnnnmnmmmmmmm...

 

Rosé deu um gemido longo.

 

Os dois começaram a se mover em sincronia. Rosé rebolava em cima do colo dele e ele segurava a bunda dela controlando o ritmo.

 

- Minha mulher! Jimin acariciava o cabelo dela. - Minha para sempre. 

 

Rosé concordou sem forças para falar sequer uma palavra. Ela estava totalmente envolvida.

 

- Vem pra mim! Vem? Jimin falou no ouvido dela. 

 

Rosé jogou a cabeça para trás e Jimin abocanhou o seio direito dela. Ele lambeu o mamilo dela com a ponta da língua, no mesmo ritmo da [email protected]

 

- Não estou aguentando mais...

 

Rosé falou arfando.

 

- Então se liberta! Jimin mordeu o pescoço dela.

 

Foi o que bastou para Rosé gozar. Ela gemeu alto sem se importar com nada. O corpo dela envolto em espasmos.

 

Jimin a observou hipnotizado com o orgasmo dela. Ele sorriu quando o corpo suado dela caiu sobre o seu. 

 

Rosé abraçou Jimin pois não tinha forças para continuar.

 

Jimin a segurou com firmeza e deu mais cinco investidas.

 

- Gostosoooo! Jimin falou perdendo o controle do seu corpo quando o orgasmo o atingiu com tudo.

 

Ele falou algumas palavras desconexas e caiu na cama com Rosé em seus braços.

 

...

 

Rosé despertou aos poucos. Ainda sonolenta, ela se deu conta de onde estava.

 

Nos braços do Jimin.

 

A noite de amor dos dois tinha sido longa e intensa, então estavam cansados e com preguiça de levantar cedo.

 

Rosé aconchegou seu rosto na clavícula do Jimin e inspirou o cheiro do pescoço dele. Ela estava se sentindo nas nuvens, pois parecia que tudo finalmente tinha se encaixado. Rosé se concentrou na respiração pesada do Jimin e acariciou o peito dele.

 

Ela não conseguiu se conter e começou a dar vários beijinhos no pescoço dele.

 

- Hummmmm que cheiro bom você tem...

 

Rosé falou com a voz de preguiça.

 

Jimin começou a despertar, mas não abriu os olhos. Ele não queria acordar daquele lindo sonho caso estivesse sonhando.

 

- Que homem mais preguiçoso! Rosé falou no ouvido dele. - É uma pena, se eu tiver que tomar banho sozinha. Ela o instigou.

 

Jimin riu baixinho e abriu os olhos.

 

- Até parece que você vai fazer alguma coisa sem mim hoje. Jimin se espreguiçou. - Faz tanto tempo que eu não durmo tão bem!

 

Jimin se virou e ficou cara a cara com Rosé. Ele a encarou lembrando de tudo o que fizeram na noite anterior.

 

Rosé também estava lembrando. Ela se perguntou por que ficava tão tímida ao lado dele.

 

- Você está corando...

 

Jimin tocou a bochecha da Rosé.

 

- Está com vergonha de mim? Está tímida depois de tudo o que fizemos ontem? Jimin provocou.

 

- Claro que não! Rosé tentou esconder o rosto mas Jimin não deixou.

 

- Ainda bem que minha cama é reforçada, senão eu tenho certeza que teria quebrado. Jimin a provocou novamente.

 

- Jimin! Rosé virou de costas tentando esconder sua vergonha. - Amor, para com isso!

 

Jimin abraçou Rosé por trás e os dois ficaram de "conchinhas"

 

- É sério amor. Jimin falou no ouvido da Rosé. - Eu nunca pensei que nós dois chegaríamos nesse nível...

 

Rosé sentiu um arrepio. Pois lembrou dos detalhes mais quentes da noite.

 

- Você é insaciável. Rosé sussurrou.

 

- Eu sei! Jimin encostou seu membro ereto na bunda dela. - Não tem como estar cem por cento satisfeito de você. Sempre quero mais.

 

Rosé sentiu o desejo tomar conta de si. Ela se levantou totalmente nua, apenas seus cabelos compridos escondiam seus seios.

 

- Que linda que você é...

 

Jimin falou acariciando o abdômen dela.

 

- Sua, totalmente sua. Rosé sussurrou.

 

Jimin se levantou e pegou Rosé no colo.

 

- Se você é minha, então eu posso fazer o que eu quiser. Ele afirmou.

 

- O que quiser...

 

Rosé deu um sorriso malicioso e isso deixou Jimin louco.

 

- Eu quero você molhada! Jimin falou no ouvido da Rosé.

 

Rosé corou. Ela não sabia em qual sentido ele falava isso.

 

- Quero tomar banho com você. Jimin esclareceu as coisas. - Nunca fizemos isso...

 

- Então me segue...Rosé virou as costas e entrou no banheiro.

 

Não demorou nada e Jimin a abraçou por trás. Os dois entraram dentro do box ainda abraçados.

 

Rosé abriu o registro do chuveiro e os dois foram inundados de água.

 

- Está morna, eu gosto assim. Jimin falou ficando de frente para Rosé.

 

- Eu gosto de quente. Rosé respondeu abraçando Jimin. 

 

- Vou te deixar pegando fogo então. Jimin pegou o sabonete líquido e encharcou a esponja.

 

Ele começou a passar a esponja delicadamente por todo o corpo da Rosé. Primeiro nas costas, depois na bunda.

 

Isso fez Rosé se segurar na parede. Sentir Jimin a tocando sem timidez a deixou fora de si.

 

O cheiro cítrico do sabonete estava por todos os lados, o box embaçado. E Jimin a ensaboava inteiramente

 

- Eu quero você aqui, e agora! Jimin deixou a esponja cair no chão, tomou Rosé em seus braços e a beijou.

 

Rosé se deixou levar pelo poder dele, pelo magnetismo que os atraia. Ela só queria ser dele, a mulher dele. 

 

Os dois ficaram ali debaixo da água por minutos, horas. Por mais que tentassem se separar fisicamente, era impossível. Quanto mais Jimin conhecia do corpo da Rosé, mais preso nela ele ficava.

 

...

 

 

Depois de horas se amando, Jimin e Rosé conseguiram parar por alguns minutos. Os dois estavam exaustos e famintos.

 

Os dois tomaram café da manhã cheios de amor.Eles não paravam de sorrir, tamanha era a felicidade deles.

 

Rosé sentou no colo do Jimin e ele ofereceu um morango para ela comer.

 

- Eu quero te mimar amor. Eu vou te mimar até você não aguentar mais. Jimin falou e deu um beijo na bochecha dela. - Você vai enjoar de mim...

 

- Impossível! Eu vou adorar. Rose riu. - Mas eu também quero te mimar.

 

- Eu fico pensando, acho que nossa cota de tristeza já acabou e agora só teremos felicidade pela frente.

 

- Eu tenho certeza disso! Rosé deu um c

selinho nele. - Eu já sou a mulher mais feliz do mundo, é uma benção amar e ser amada.

 

- E eu te amo com loucura! Te amo muito e quero dar continuidade de onde paramos. Tenho algo para te dar.

 

- O que é amor? Rosé perguntou curiosa.

 

- Me espera aqui. Jimin se levantou da mesa e foi até seu quarto.

 

Ele entrou no seu closet e procurou por algo que estava bem guardado.

 

Rosé o esperou ansiosamente, até que Jimin voltou.

 

Ele sorriu ao ver a expressão dela.

 

- Fecha os olhos! Jimin pediu. 

 

- Amor, isso me deixa mais ansiosa ainda. Rosé falou e fechou os olhos.

 

- Vou contar ate três e depois pode abrir. Tenho certeza que você vai gostar.

 

- Vindo de você, eu sei que vou. Rosé falou cheia de expectativas.

 

- Então vamos lá. Um, dois, três...

 

Rosé abriu os olhos lentamente e se deparou com seu anel de noivado. Seus olhos se encheram de lágrimas no mesmo instante.

 

- Você guardou esse tempo todo ? Rosé perguntou aos prantos.

 

- Guardei meu amor. Esse anel me trouxe lindas memórias daquele dia no templo. O dia que nos tornamos noivos.

 

Rosé sorriu emocionada. Um filme passou pela sua cabeça, a história de amor dos dois. 

 

- Casa comigo meu amor? Jimin perguntou olhando nos olhos da Rosé. - Eu quero ser o seu marido, quero ser seu para sempre.

 

- Mas você já é meu...

 

Rosé abraçou Jimin. 

 

- Eu sou. Mas quero que o mundo todo saiba do nosso amor. Quero te ver de noiva, quero te esperar no altar. Quero dizer meus votos olhando nos seus olhos.

 

Rosé sentiu seu coração aquecer, pois ela queria tudo aquilo também. 

 

- Então, aceita se casar comigo. Jimin pegou o anel e se ajoelhou. - O mais rápido possível. Jimin sorriu.

 

Rosé também sorriu e estendeu a mão para o Jimin colocar o anel de noivado.

 

- Estou inundado de amor. Te amo mais que tudo. Jimin colocou o anel no dedo da Rosé e a beijou.

 

- Eu te amo! Rosé se ajoelhou igual Jimin e os dois se abraçaram.

 

 

...

 

Hoseok estava tomando café da manhã, quando a empregada o avisou:

 

- Senhor, lá fora está uma senhorita que quer muito falar com o senhor. Ela disse que é importante.

 

- Comigo? Quem é? Hoseok perguntou curioso. Ele limpou a boca com o guardanapo e se levantou.

 

- Senhorita Sook.

 

- Sook? Hoseok perguntou confuso. Ele lembrava desse nome, mas não conseguia associar com algum rosto.

 

- Posso deixa-la entrar? A empregada perguntou.

 

- Sim. A leve até o escritório do meu pai. Eu já estou indo.

 

- Sim senhor! 

 

A empregada saiu, e Hoseok terminou de tomar seu café. Ele estava intrigado com aquela visita desconhecida e imprevista.

 

...

 

Rosé vestiu a mesma roupa que fora ao casamento do Jimin, já que suas roupas antigas eram impossíveis de ser vestidas. Elas estavam sujas, empoeiradas e não serviriam no atual corpo da Rosé. 

 

- Vamos até seu hotel buscar suas coisas, quero sair de Seoul o mais rápido possível. Jimin falou arrumando sua mala de viagem.

 

- Você não vai me levar para o interior não né amor? Eu acho que não estou preparada para ir naquele lugar outra vez. Rosé falou temerosa.

 

Jimin parou o que estava fazendo para ir abraçar a noiva.

 

- Fica tranquila. Não vou te levar pra lá. Quero ir para a ilha Jeju. Podemos ficar lá por um tempo e depois decidimos o que vamos fazer.

 

Rosé sorriu. Ela nunca estiveram na ilha antes.

 

- Será minha primeira vez na ilha Jeju. Eu nunca fui. Rosé respondeu animada. - Não vejo a hora de chegarmos lá.

 

- A ilha é linda e podemos ficar bem reclusos do mundo. Só temo não conseguir sair do quarto do hotel.

 

Rosé corou.

 

- Você é muito tentadora. Não quero perder nem um segundo longe de você. Jimin segurou a cintura da noiva com as duas mãos e deu um beijo nos lábios dela.

 

Rosé retribuiu o beijo entrelaçando seus braços em volta do pescoço dele.

 

- Viu, eu já estou tentado. Jimin riu tentando controlar seu desejo.

 

- Você também me tenta, mas vamos guardar um pouco da nossa energia para a ilha. Rosé sussurou no ouvido do Jimin.

 

Jimin concordou.

 

- Não vejo a hora! Jimin respondeu girando a Rosé e a abraçando por trás. - Eu quero tudo de você.

 

Rosé sentiu um tremor percorrer seu corpo. Ela se segurou para não recomeçar tudo de novo.

 

Mas foram interrompidos pelo celular da Rosé que tocou. Ela tinha ligado o celular para resolver coisas do trabalho.

 

Jimin e Rosé olharam para a tela e viram que era o Chanyeol.

 

- Não atende! Jimin pediu com cara de cachorrinho abandonado na mudança.

 

- Eu preciso. Ele já deve ter se inteirado de tudo. Rosé explicou se sentindo mal pelo Jimin.

 

Jimin deu de ombros. Ele não queria brigar, então apenas aceitou.

 

Rosé atendeu a ligação com temor. Ela sabia o quanto o ex estava sofrendo por ela, então tentou ocultar o máximo de detalhes possíveis. Ela levou quase cinco minutos só para explicar que estava bem. 

 

Quando Rosé desligou a ligação, Jimin se aproximou curioso com o teor da conversa. Ele estava com ciúmes e não conseguia disfarçar.

 

- O que esse cara quer ? Jimin perguntou incomodado.

 

- Ele quer conversar. Rosé deu um sorriso sem graça. - Conosco. 

 

Jimin não entendeu.

 

- O que ele quer comigo? Jimin perguntou desconfiado.

 

- Eu não sei, mas eu preciso ir. Rosé explicou. - Se você não se sentir confortável com isso, não precisa ir. 

 

- Não. Eu vou! Não quero te deixar sozinha nem por um segundo. Muito menos com ele...

 

- Ele é uma boa pessoa e está sofrendo. Nosso relacionamento acabou antes de eu vir e ele sabe que estamos juntos. Não precisa ficar inseguro. Rosé abraçou Jimin.

 

- Não estou inseguro. Jimin mentiu. - Só não vou te deixar ir sozinha...

 

Rosé sorriu e beijou a bochecha dele.

 

- Então vamos nos apressar, ele vai nos encontrar na loja de música dele.

 

 

...

 

 

Hoseok escovou os dentes rapidamente e foi ao encontro da senhorita que o esperava. Ele abriu a porta cuidadosamente, entrou e fechou a porta atrás de si.

 

- Jung Hoseok? Uma voz bastante feminina o chamou.

 

Hoseok se virou e reconheceu a mulher imediatamente.

 

- Então é você! Hoseok falou com a voz surpresa. 

 

- Há quanto tempo...

 

A voz da garota era trêmula e afetada. Ela estava nervosa por encontrar o seu primeiro amor depois de tanto tempo.

 

- Muito tempo. Hoseok respondeu. - Senta, por favor. Ele pediu apontando para uma poltrona.

 

- Obrigada. Ela respondeu docemente. - Você lembra de mim né? 

 

- Claro! Você era amiga da Sue. 

Hoseok respondeu rapidamente.

 

Sook concordou abaixando a cabeça, ela estava um pouco decepcionada por ser lembrada apenas como a "amiga da Sue".

 

- Posso te ajudar com algo? Eu sinceramente nunca imaginei que depois de tanto tempo me procuraria. Estou muito surpreso pra falar a verdade.

 

- Eu te vi ontem no casamento do Jimin. Quer dizer, quase casamento. Sook corou.

 

- Ah, você estava lá?! Hoseok perguntou ao mesmo tempo que afirmou.

 

- Aham, eu tentei falar contigo, mas durante a confusão te perdi de vista e acabei indo embora com os meus pais.

 

- Ahhhhhh. Hoseok respondeu. Ele ainda não tinha entendido o motivo da aproximação da  Sook.

 

- Você deve estar se perguntando o que estou fazendo aqui não é? Sook deu falou sem graça.

 

- Não vou mentir, estou curioso. Hoseok riu de nervoso. Aquela situação era muito estranha. 

 

Apesar da Sook ser amiga íntima da Sue, eles poucas vezes tiveram contato direto. A maioria das vezes que se falaram, foi por telefone. 

 

- Eu vim falar da Sue. Sook o informou com a voz esganiçada. Ela estava muito nervosa.

 

- A Sue faleceu há muitos anos...

 

- Eu sei. Sook respondeu. - Eu sei de tudo. Quando ela cometeu suicí... Sook se calou e depois recomeçou. - Quando tudo aconteceu, eu fiquei tão abalada que fui morar em outro país.

 

- Eu a procurei por quatro anos. Pra mim ela simplesmente sumiu sem deixar rastros.

 

- Como assim? Sook perguntou confusa.

 

- A família dela escondeu de todos o suicídio. Então eu nunca soube, a história nunca se espalhou. Até que eu conheci por acaso a irmã dela.

 

- A Jooe? Sook perguntou.

 

- Isso, a Jooe. Hoseok sorriu com carinho ao lembrar dela. - Acabei descobrindo tudo. Foi difícil.

 

- Eu nem imagino. Sook falou se sentindo arrependida de estar ali. 

 

- Mas o que você quer falar sobre ela? Hoseok foi direto ao ponto.

 

Sook se levantou e colocou a alça da bolsa nos ombros. Ela estava ansiosa para ir embora o quanto antes.

 

- Eu não deveria ter vindo. Me desculpa. Sook andou até a porta, mas Hoseok a segurou delicadamente pelo pulso.

 

- Espera! O que foi? Hoseok levou Sook para a poltrona novamente e a fez sentar. - Por que está tão nervosa?

 

- Eu não quero te chatear, nem estragar a memória da Sue. Sook começou a chorar. - Eu só acho que você deveria saber...

 

- Saber o que ? Hoseok perguntou ansioso com aquela conversa. Nada fazia sentido pra ele.

 

- Deixa pra lá! Sook tentou se levantar mas Hoseok não deixou.

 

- O que eu preciso saber? Ele perguntou calmamente. Por dentro estava muito ansioso.

 

Sook limpou os olhos marejados e respirou fundo. Ela lembrava do quanto o Hoseok era louco pela Sue, então temia estar fazendo a coisa errada.

 

- Me diz, o que eu preciso saber? Hoseok a incentivou com um sorriso brando.

 

- A Sue tinha um amante. Sook revelou sem olhar na cara do Hoseok. 

 

- Hã? Hoseok sentiu suas pernas vacilarem. - O que você disse? 

 

Sook olhou para Hoseok e viu estampado na cara dele a confusão e o medo. Ela não tinha como voltar atrás.

 

- Ela manteve uma relação amorosa secreta enquanto namorava você. Sue falou.

 

- Você é desprezível! Hoseok respondeu enjoado com a revelação da Sook. - Você não tem vergonha na cara de sujar a lembrança de vida da sua própria amiga?

 

Sook ficou em choque a ouvir as acusações do Hoseok. Ela não estava esperando por aquela reação tão ríspida.

 

- Me desculpa te decepcionar com essa revelação, mas eu preciso que saiba.

 

- Para! Hoseok gritou. - Sai daqui, por favor! Ele escancarou a porta para a Sook sair.

 

- Me escuta Hoseok! Sook implorou. - Eu não tenho motivos para mentir. Se quiser, tenho provas.

 

Hoseok a fulminou com os olhos e fechou a porta lentamente. 

 

- Onde estão as provas? Hoseok perguntou na defensiva.

 

Sook abriu a bolsa e tirou um envelope de dentro. Ela entregou o envelope para o Hoseok com as mãos trêmulas.

 

- Na época ela me pediu para guardar tudo relacionado a eles, pois tinha medo dos pais tomarem conhecimento. Sook explicou.

 

Hoseok abriu o envelope e tirou o conteúdo de dentro. Eram fotos e bilhetinhos.

 

- Impossível! Hoseok falou sentindo um nó na garganta. 

 

- Quando eu te vi no casamento do Jimin, eu deduzi que vocês não soubessem de nada. Sook falou. - Qualquer amizade ficaria abalada com uma situação dessa.

 

- A Sue tinha um caso com o senhor Park? O pai do Jimin? Hoseok deixou as lágrimas rolarem.

 

- Eles mantinham em segredo por razões óbvias. Ele era nosso professor e ainda por cima casado.

 

- Isso é tão nojento! Por que ela fez isso comigo? 

 

-  Ela gostou da atenção que você dava pra ela, era meigo, carinhoso. Mas depois de três meses ela começou a ter um caso com o senhor Park. Ela ficou louca por ele. Os dois se apaixonaram.

 

- Ela só tinha vinte anos. Ele poderia ser o pai dela. Hoseok falou indignado.

 

- Isso era irrelevante para a Sue. Ela não dava a minina para a diferença de idade dos dois. Já o senhor o Park morria de medo do filho descobrir tudo.

 

- Que canalhas! Hoseok pegou um peso de papel de cristal que estava em cima da escrivaninha e arremessou contra a parede. - O senhor Park sabia de mim? Ah é claro que sabia. Ele se deu conta - Eu a Sue jantamos na casa do Jimin uma vez.

 

- Sinto muito! Sook estava totalmente sem graça.

 

Hoseok ainda não acreditava. Ele pegou um das dezenas de bilhetes que havia no envelope e leu.

 

" Me encontra na sala do piano. Estou louco para te comer.

 

- Isso me dá vontade de vomitar. Hoseok amassou o bilhete e jogou na lareira.

 

Ele começou a chorar de decepção e ódio.

 

- Tantas vezes eu pedi para a Sue te contar a verdade, mas ela era inconsequente e gananciosa. Sook relembrou de todas as conversas que tiveram. - Eu queria te contar, mas ela dizia que nossa amizade acabaria se eu abrisse a boca.

 

- Ela era uma vaca mentirosa! Todos esses anos chorando por ela. Sem conseguir manter um relacionamento sério com ninguém por causa dela. E ela não merecia sequer uma lágrima minha. Isso é tão injusto.

 

- Eu sei. Tem algo que somente eu sei e preciso dividir com alguém. Isso está me matando ao longo dos anos.

 

- Tem mais ? Hoseok perguntou indignado.

 

- O motivo da morte dela. Sook respondeu na lata.

 

O Hoseok gelou dos pés a cabeça.

 

- Você sabe o porquê dela ter feito o que fez? Hoseok perguntou gaguejando. - Por mais ódio que eu esteja sentindo dela agora, eu não consigo entender o motivo dela ter tirado a própria vida.

 

- Mas eu sei, pois a conhecia mais do que ninguém. Eu disse para a Sue, que esse envolvimento dela com um homem casado acabaria em tragédia...

 

Hoseok trocou olhares com a Sook. Seu olhar pedia que ela continuasse.

 

- Alguns meses antes da morte da Sue, a senhora Park os flagrou juntos. - Eu lembro dela me chamar desesperada no apartamento dela e me contar tudo. Ela disse que a senhora Park tinha ameaçado  contar para os pais dela.

 

- Isso é a cara dela! Jimin falou sabendo que a senhora Park era capaz de tudo.

 

- O senhor Park terminou tudo com a Sue com medo de ser exposto para o filho e saiu da universidade. A Sue sofreu demais...

 

- Não parecia que ela estava sofrendo, quando nós dois transamos antes dela fazer o que fez. Hoseok falou sarcasticamente.

 

- Bem, eu não sei o que estava passando pela cabeça dela, mas o que eu sei, é que ela ficou muito desesperada pois mesmo se separando do senhor Park, a reitora a torturava psicológicamente.

 

- O pai do Jimin se suicidou nessa época. Jimin se deu conta.

 

- Ele enviou uma carta para a Sue, antes de fazer o que fez...

 

Sook entregou a carta para o Hoseok.

 

Hoseok tirou a carta do envelope e começou a ler.

 

" Minha amada Sue. Que você me perdoe pelo o que estou pensando em fazer, mas eu odeio a vida que estou levando. 

Sem você minha vida se tornou uma página em branco, sem cor, sem vida, sem esperança.

Eu odeio essa casa, odeio minha esposa, odeio o escritório e as conversas sobre dinheiro e mais dinheiro.

Eu acredito que nosso amor seja impossível e que não há como resolvermos esse impasse. Eu não vou permitir que minha esposa acabe com sua vida e com o seu relacionamento familiar. Também não posso decepcionar meu filho com a verdade do meu adultério. Ele nunca me perdoaria, e eu não poderia conviver com isso.

Eu queria ver seu rosto lindo mais uma vez, queria ter coragem para mudar nossa situação, mas me sinto terrivelmente preso. Te peço perdão pelo o que vou fazer, mas a tristeza tomou conta de mim. Não há mais nada que eu possa fazer.

Eu prometo que levarei nosso amor para a eternidade. Eu te amo minha menina." 

 

Hoseok deixou a carta cair no chão de tão chocado que ele ficou.

 

- O senhor Park se suicidou por causa da Sue? Hoseok perguntou se sentando na outra poltrona para se recompor.

 

Sue concordou.

 

- Depois de algumas semanas, a Sue fez o mesmo e da mesma forma que o senhor Park. Os dois se enforcaram.

 

Hoseok sentiu seu mundo ser sacudido. Ele não conseguia absorver tantas notícias ruins de uma vez só.

 

- Eu precisava te contar! Sook falou. - A Sue não demonstrava, mas ela estava morta por dentro. Ela não aguentou.

 

- A família dela precisa saber disso. O Jimin precisa saber disso. Era o pai dele...

 

- Não Hoseok! Não faz isso por favor. Sook implorou.

 

- Por que não? Tudo o que você me contou, faz parte da vida de outras pessoas também. Seria injusto eles não saberem.

 

- Imagina como a família da Sue vai se sentir ao saber que a filha manteve um caso extraconjugal com o professor. E o Jimin? Ele vai ficar muito mal ao descobrir como o pai era de verdade.

 

Hoseok parou para pensar por alguns segundos e viu que Sook tinha razão. Toda a verdade arrasaria a vida da família da Sue e do seu melhor amigo.

 

- Você tem razão. Não podemos contar para ninguém isso. Já é doloroso demais a mentiria que contaram. O Jimin amava o pai mais que tudo e o admirava. Eu não posso destruir as lembranças que ele tem do pai, ele já sofreu demais.

 

- Eu vi aqui na intenção de destruir tudo isso aqui. Sue entregou para o Hoseok, tudo o que ela tinha em relação a amiga e o senhor Park. - Quero tirar esse fardo das minhas costas.

 

- Vamos enterrar de vez essa história macabra e horrível. Eu quero esquecer que isso um dia aconteceu. Eu fui usado por alguém que nunca mereceu meu amor, e que até mesmo na morte foi egoísta ao ponto de não se importar com nada e nem ninguém. 

 

- Hoseok, não a julgue! Eu tenho certeza que a Sue não estava no seu juízo perfeito. Ela foi uma boa amiga pra mim...

 

O Hoseok deu um sorriso frio e jogou todo o conteúdo na lareira para queimar.

 

- Ela nunca me amou. Hoseok falou.

 

- Ela sentia carinho por você...

 

- Acabou! Hoseok a interrompeu com a voz trêmula. Obrigada por ter tido a descencia de me contar...

 

- Pena que foi tarde demais...

 

- Antes tarde do que nunca. Hoseok ficou alguns segundos calado.

 

- Você quer sair daqui? Conversar em outro lugar? Sook perguntou com um pouco de esperança de se aproximar do seu antigo amor.

 

- Não estou em condições de sair. Desculpa! Hoseok respondeu. - Eu preciso ficar sozinho.

 

- Ahhh sim. Tudo bem! Sook se arrumou para sair. Ela tirou da bolsa seu cartão de apresentação. - Se quiser uma ajuda profissional, eu sou psicóloga.

 

Sook deixou seu cartão em cima da escrivaninha e saiu do escritório.

 

Quando Sook fechou a porta, pôde ouvir o choro do Hoseok. Isso partiu o coração dela.

 

 

 


Notas Finais


Por hoje é só amores.
Essa foi a primeira parte dessa final maravilhoso. Tenho certeza que vocês vão amar o desfecho dessa história maravilhosa. Obrigada por me esperar. Amo vocês ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...