História Jogando por Amor - Capítulo 7


Escrita por: e jeongolden

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Hoseok!bottom, Jikook, Jimin!bottom, Jk Pauzudo, Jungkook!top, Kookmin, Menção Vhope, Taehyung!top
Visualizações 475
Palavras 3.066
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oi meus bacanos, desculpa a hora dessa att KKKKKKKK mas é isso, amo vocês, e desculpem os erros.

Capítulo 7 - 7


De mãos dadas, Jungkook e Jimin foram caminhando até a areia. O friozinho gelado da praia deixava um arrepio gostoso nos dois, mas os corações aquecidos deixavam mais felizes ainda. Jungkook feliz porque seu anjo estava ali, ao seu lado, onde sempre deveria estar. E Jimin, seu coração batia rápido, pensando em como Jungkook é maravilhoso, por levá-lo a um lugar tão especial para si.

De fato, os dois se completavam.

— Jungkookie, senta aqui do meu lado. – Deu duas batidinhas no lugar ao lado, com a toalha já estendida.

Jungkook se sentou, de bom grado, e logo entrelaçou suas mãos, e era incrível como os corpos pareciam ser feitos sob medida, um para o outro. Fitou o baixinho, o puxou dando um beijo nos seus cabelos cheirosos.

As ondas batiam, e os dois apenas as admiravam, completamente encantados. A praia de Gwangalli é realmente maravilhosa, e Jungkook não sabia se estava mais encantado por ela ou por Jimin, que estava com a cabeça deitada no seu ombro, encolhido como um coala. Quase explodiu de fofura ali mesmo.

― Jungkookie, posso te perguntar uma coisa? – Disse baixinho, sem tirar os olhos das ondas.

— Pergunte, meu anjo. – Respondeu, e depois acariciou a mão fofa de Jimin com o polegar.

― Para você... o que é o amor?

Jungkook também não tirou seus olhos das ondas, suspirou e logo a voz rouca chegou aos ouvidos de Jimin, que arrepiou o pescoço do mesmo.

— Ah, Jiminnie... o amor pra mim é algo meio complicado de entender. As vezes você nem sente isso por ninguém, e do nado começa a sentir... é estranho demais. Demorou um pouco pra eu aceitar que eu estava apaixonado por você... mas hoje estou aqui, sem medo de falar pra ninguém que eu sou completamente apaixonado pela pessoa maravilhosa que você é, Jimin. – Olhou para o menor, que agora tinha os olhos brilhando. Aproximou-se de Jimin lhe deu um beijo em sua testa, e o menor se sentiu mais protegido do que nunca. – Eu, Jeon Jungkook, nunca me imaginei tão preso a uma pessoa igual estou preso a você, Jimin. Preso de uma forma incrível.

Deu uma pausa, e apertou fortemente a mão de Jimin. Esse que já tinha seus olhos marejados e já estava quase chorando. Jungkook, lhe dizendo tudo aquilo, era a melhor coisa que já tinha sentido. Estava solteiro e seu coração namorando.

― Jiminnie, o amor, na visão de algumas pessoas, é um sentimento horroroso. Eu não acho, porque a única pessoa que eu me apaixonei foi você. E eu já disse, você é incrível. Meu amor, eu não sei quem machucou seu coração desse jeito, mas eu estou aqui, pronto pra consertar ele, e quando eu terminar, vai estar prontinho pra receber todo o meu amor.

Jimin se jogou em cima do corpo do outro, fazendo os dois caírem na areia. Abraçou fortemente os ombros largos de Jungkook, molhando sua camisa com as lágrimas pesadas. Jungkook abraçou a cintura fininha do outro, ainda surpreso pelo ato repentino.

— Bebê, calma! Não chora senão eu choro junto. – Se sentou com Jimin no seu colo, ainda chorando no seu ombro. Deu um beijo singelo no pescoço do seu menino, o acalmando. – Quer me falar algo? Vou sempre estar aqui pra você.

“É preciso ter confiança no seu parceiro.”

Jimin olhou pra cima, nos olhos escuros de Jungkook. Esse que passou os polegares no rostinho macio, secando as lágrimas de Jimin. Tão perfeito...

― T-teve uma vez... que eu me ap-paixonei... – Falou com dificuldade por causa do choro, e Jungkook colocou as mãos em suas bochechas, o encarando. O olhar do moreno era interessado e também profundo, igual todas as vezes. Jimin tremeu da cabeça aos pés. – Mas foi pela pessoa errada. Ele era ganancioso, sem escrúpulos, e só estava comigo para ganhar benefícios.

Para Jimin, ainda doía lembrar daquilo, lembrar-se de como caiu feito um patinho no jogo de Jackson.

— Ele estava comigo apenas p-para conseguir ser o capitão do time. E se aproveitou que eu era filho do treinador e se aproximou de mim. Ele só queria me levar pra cama...

Os soluços se intensificaram. Jungkook não sabia de quem Jimin estava falando, mas estava com uma raiva gritante crescendo dentro de si, abraçou fortemente o pequeno. Apenas pensando em como quebraria aquele cara em pedacinhos por ter feito seu garoto sofrer.

– Bebê, ele te obrigou a alguma coisa? Ele te machucou?! – Só de pensar na possibilidade de Jimin ter sido obrigado a fazer algo assim já lhe causava uma fúria imensa.

Ele negou com a cabeça, fechando os olhos com a lembrança dolorosa que assolava sua mente.

 — Ele nunca me obrigou. Mas sempre deu a entender que era minha obrigação como namorado satisfazê-lo, e eu era muito inseguro, nunca conseguia ir até o final... – Jimin havia parado de chorar, mas seu rostinho ainda tinha alguns resquícios de lágrimas – Até que decidi que precisava dar um passo adiante. Eu fui falar com ele sobre minha decisão, e aquele foi um dos piores momentos que já vivi...

Flashback on.

Daegu, dois anos atrás.

Eu estava perdendo Jackson cada dia mais, podia sentir isso. E a culpa era totalmente minha, ele era meu namorado, tinha que confiar nele! Então por que era tão difícil me entregar? Não podia perdê-lo, eu o amo demais para deixa-lo ir por um medo bobo, preciso apenas de coragem para fazer o que era preciso.

(...)

Tinha me decidido, seria aquela noite mesmo! Só tenho que contar para ele minha decisão. Provavelmente essa hora ele está no treino, mas eu, como ansioso nato, não poderia esperar mais nenhum minuto. Saio rapidamente de casa e vou em direção ao CT do FC Daegu, não era muito longe, então cheguei em poucos minutos.

Como eu queria fazer uma surpresa para Jackson, fui andando a passos lentos e cautelosos, até que reconheço vozes vindas do vestiário, reconheço a dele e vou até lá. Claro, com muita cautela.

Ele estava conversando com Bambam, um amigo nosso, sobre algo que eu não conseguia entender, até escutar o meu nome. Prendo a respiração e aproximo-me até ouvir mais claramente. Não sei por que, mas estava com uma péssima sensação.

— Vai enrolar o coitado até quando? Sou seu amigo, mas o que ‘tá fazendo com o Ji é sacanagem. Você sabe que ele não merece isso. – Era a voz de Bambam, sobre o que eles estavam falando?

Jackson deu uma risada em tom de deboche, e eu sentia meu coração apertar-se no peito.

— Até me tornar capitão é claro, você sabe que fico com ele só por causa daquela bunda gostosa que ele tem e por ser filho do treinador. Até eu não me tornar capitão, aturo ele. Você diz que ele não merece, mas nem me dar ele deu! Se eu tenho “namorado” eu quero usar ele, não minha mão.

Eu estava em choque. Completamente pasmo. A mesma pessoa que dizia me amar mais que tudo, era mesma que havia destruído completamente o meu coração. Ele estava me usando esse tempo todo, apenas para conseguir o posto de capitão e usar do meu corpo?

Corri do vestiário o mais rápido possível, eu o amava tanto, e o resultado desse amor foi o meu coração completamente quebrado, e eu não acreditando nesse sentimento por um bom tempo.

Flashback off.

— Qual era o nome dele, Jimin?

Viu que Jimin hesitou antes de falar, mas depois disse baixinho: ― Jackson Wang.

Jungkook arregalou os olhos. Jackson Wang?  Seu maior rival? Capitão do FC Daegu? Aquele Jackson Wang, que havia feito seu menino sofrer?

— Jackson Wang de Daegu, Jimin? Aquele filho de uma puta? – Trouxe o pequeno para encostar a cabeça em seu peito, passando a mão nos seus fios sedosos.

Não estava chateado com Jimin, ele não tinha culpa. Sua inocência e pureza encantavam qualquer um.

Jungkook se deu conta de que agora havia mais motivos para odiar Jackson Wang, o que ele fez com o seu menino, não é digno de perdão. Mas Jungkook sabe que Jimin é um anjo doce, que exala pureza, e não ficaria surpreso se descobrisse que ele o perdoou.

― Eu não o perdoei, se é isso que está pensando, Jungkook-ah. Muitas pessoas são dignas do meu perdão, mas eu nunca vou conseguir fazer isso. E também odeio usar palavrões, mas ele é um verdadeiro filho da puta.

Jungkook riu alto, seu menino não conseguia deixar de ser fofo nem em um momento como aqueles.

― Agora é a hora que você me pede em namoro, Jungkookie?

Jungkook o olhou surpreso, mas resolveu entrar no jogo também.

— Hm, e quem disse que eu vou te pedir em namoro, Park Jimin? – Sorriu sacana, vendo Jimin sorrir e se remexer em seu colo, ora...

Ah, Jeon Jungkook, pede de uma vez, daí podemos se beijar pelo resto da noite... – Ok, quem era aquele e o que fez com o seu Jimin?

— Depois não reclama que eu não sou romântico, atrapalhou todos os meus esquemas de ser fofo, mas vamos lá. – Jimin riu, em uma gargalhada gostosa, que fez o coração de Jungkook palpitar de amor. – Park Jimin, a partir de hoje você é meu namorado. Na verdade você sempre foi, mas ainda não sabia disso. Você é meu, como eu sempre fui seu. Todinho meu. Eu acho que você sabe o efeito que causa em mim, quando você respira-

― Eu não acredito que você repara até no modo que eu respiro, Jeon Jungkook!

— Eu reparo sim, quando os seus ombros se mexem quando você solta a respiração... mas agora fica quieto que eu quero continuar! Jimin, o jeito que você anda, quando você dança, quando você está comendo, quando você cora pelas coisas que eu falo... ou quando está simplesmente ao meu lado, como agora. Parece que você foi feito sobre medida, feito completamente pra mim. Eu realmente gosto de você, Park Jimin! Então, ou você aceita namorar comigo, ou você aceita namorar comigo.

Jimin sorriu como nunca, e Jungkook pensou: se o seu anjo estava feliz, ele também estava.

Eu não sou louco de negar um pedido desses, é claro que eu aceito!

Jungkook se levantou, logo puxando seu anjo para um beijo apaixonado. Segurava sua cintura com todo o amor do mundo, como ele devia ser tratado. Com amor. E a cada momento, Jimin podia sentir seu coração acelerando, e tudo por causa de Jungkook. Sorriu entre o beijo, o que fez Jungkook sorrir também. Com as testas encostadas, apenas se encarando e vendo como foram feitos um pro outro.

Jungkook tirou a mão da cintura delineada do seu menino, e tirou duas pulseiras do bolso.

— Enquanto eu não te dou um anel de compromisso, essas pulseiras vão me ligar ainda mais você, meu anjo. Eram dos meus pais, e eu tenho certeza de que você é a minha pessoa, Jimin.

Jimin começou a chorar novamente, e estendeu seu pulso para Jungkook amarrar a pulseira nele. Estava escrito The Best of me nas duas, e se for possível, ficou mais feliz ainda.

― Você é o melhor de mim.

E assim, apaixonados, passaram a noite ali, abraçados e trocando beijos quentes e apaixonados, voltando para Seul apenas quando o sol estava nascendo. E Jimin, com certeza nunca esqueceria as lembranças de seu lugar preferido.

Quebra de tempo, Quarta-feira.

Com poucos dias de relacionamento, Jungkook e Jimin estavam mais apaixonados do que nunca, e a escola toda já sabia do namoro dos dois. Jungkook fazia questão de mostrar todo que agora o baixinho era seu, e Jimin não tinha mais medo de falar que estava perdidamente apaixonado por Jungkook.

Muitos falavam, que não iria durar, que Jungkook só estava com ele pelo seu corpo, que Jimin aceitou esse relacionamento para não dar um fora no mesmo. Falar é fácil, difícil é o casal apaixonado se importar com a opinião alheia.

Jungkook, por incrível que pareça, chegou antes que o seu menino na escola, já que tinha uma proposta para fazer ao mesmo. Estava encostado numa árvore, pertinho do portão do colégio, esperando Jimin chegar. Ora mexia no celular, passava a mão no cabelo brilhoso ou roia as unhas, nervoso. Jimin tinha que aceitar!

Assim que viu a cabeleira rosa passar pelo portão, encarando os próprios pés e andando despreocupadamente, correu até o mesmo. Nem deu um beijo no loirinho, apenas o puxou até a árvore, prensando o baixinho no tronco da mesma, ouvindo um resmungo delicioso que o menor deu. Ele ainda vai me enlouquecer com pouca coisa...

— Bom dia, pitico. Dormiu bem? – Jungkook não esperou resposta, apenas juntou os seus lábios, sentindo o gostinho de morango que Jimin tinha. O apertava fortemente, como sempre gostava de fazer, mas ainda sim respeitando o espaço do seu menino. Se separaram, e Jimin, atrevido, mordeu o lábio de Jungkook, que rosnou contra sua boca.

— Bom dia, amor. – Jimin não se importava mais em chamar Jungkook de apelidos em público, não ligava mais pra nada. – Por que está animado logo de manhã?

Jungkook riu, e logo inalou o cheiro gostoso do seu menino, fazendo o mesmo tremer da cabeça aos pés.

― Eu tenho uma proposta, Jiminnie. Uma ótima proposta, só falta você aceitar...

Jimin sabia quando Jungkook estava aprontando, e tinha certeza que agora estava aprontando uma.

— Depende do que for, Jungkookie. Agora me explique essa sua “ótima proposta”, me deixou curioso.

Jungkook sentiu o tom de ironia no seu garoto, e agora estava mais tentado do que nunca a fazer Jimin aceitar.

― Hoje eu tenho jogo... e quero que você vá assistir e torcer por mim. – Jimin sorriu, era realmente uma proposta tentadora.

— Eu queria ir Jungkookie, mas você sabe que eu tenho aula! E o meu pai não vai me dar autorização pra sair da escola. – Fez um bico chateado, e Jungkook mordeu ele, não se controlando e transformando aquilo em um beijo quente. Ele não se importava se as pessoas ali estavam olhando, nada importava quando estava com Jimin.

O menor parou o beijo, e murmurou baixinho um controle-se! Jungkook apenas riu, não existia auto controle quando tinha Jimin em seus braços.

—Isso não é problema, meu amor. Eu te ajudo a pular o muro, e o seu pai não precisa te ver lá. Relaxa Jiminnie, a gente dá um jeito.

O pai de Jimin ainda não sabia do relacionamento dos dois, e se dependesse deles, não saberia tão cedo. Sabiam que estavam sendo arriscados demais, e que as chances de Park Woong descobrir eram altas. Mas no momento, não estavam dando á mínima.

― Matar aula Jungkook? Você quer me levar para o mal caminho? – Segurou firmemente nos ombros largos do seu namorado, ficando na ponta dos pés para sussurrar no seu ouvido. – Porém, contudo, todavia, isso não significa que eu não aceitei. Não me deixe cair quando for pular o muro, Jungkookie.

E se despediu do namorado com um selinho, correndo para a sua sala, deixando ali um Jungkook avoado e apaixonado.

(...)

Já era intervalo, e Jimin não tinha prestado atenção em aula nenhuma, só queria fugir dali com o namorado. Com a mochila, ele e Jungkook caminhavam para os fundos do colégio, de mãos dadas. Na visão dos outros, estavam indo pra lá apenas para dar uns amassos em paz, mas não era pra isso, não dessa vez.

O muro era um pouco alto, e Jimin morria de medo de altura. Jungkook já estava do outro lado, apenas esperando seu baixinho pular.

― Pula meu amor. Sabe que eu não vou te deixar cair, anjo. Apenas pule! – Jungkook o encorajou, com os braços musculosos erguidos, apenas esperando Jimin pular.

O baixinho respirou fundo, antes de pular nos braços de Jungkook. O mesmo o pegou fortemente, passando as mãos grandes por sua bunda e dando um forte aperto ali. Gemeu, apertando o pescoço de Jungkook. O aperto fazia Jimin ficar na ponta dos pés, quase o tirando do chão, fazendo seus rostos ficarem mais próximos. E Jungkook disse:

— Eu só não te pego de jeito aqui e agora mesmo porque temos compromisso, mas quando tivermos a oportunidade, você vai ver, Park Jimin!

Jimin tremeu inteirinho com as palavras de Jungkook, totalmente arrepiado. Aquele moreno sabia mexer consigo, e como sabia.

Caminharam até o CT, estavam adiantados, mas Jungkook tinha que vestir seu uniforme e fazer seu aquecimento ainda. Mas depois, ele realmente pegaria Jimin de jeito.

(...)

Sentado nas enormes arquibancadas, Jimin observava atentamente Jungkook. O moreno estava se aquecendo com os seus companheiros de time e fazendo brincadeiras também.

Tinha que admitir, Jungkook ficava um tesão com aquele uniforme vermelho, com as pernas de fora e alongando seu corpo. A expressão do moreno então? Era melhor ainda, o maxilar trincado, concentrado no que fazia. Agora alongava suas pernas, e Jimin viu como os músculos dali eram definidos. Suas coxas grossas e durinhas, estavam tensionadas pelo esforço. E o melhor de tudo, Jimin se sentiu mais quente do que nunca.

O time de recolhia para o vestiário para ouvir a fala do capitão e vestir seu uniforme especial, e Jungkook lhe deu uma piscadela, sendo o último a entrar para o vestiário, e aquilo só serviu para deixar Jimin mais quente do que antes, se é que era possível.

(...)

Jimin estava claramente irritado, algumas meninas histéricas ficavam gritando por Jungkook cada vez que o moreno tocava na bola, e isso estava o irritando profundamente. Barangas! Ele tem namorado, suas enxeridas do caralho!

Mas tirando isso, o jogo estava ótimo. FC Seul ganhava de 2x1, e faltava pouco tempo para acabar. Jungkook realmente honra seu título de capitão e de artilheiro, o moreno é ótimo no futebol e ama muito o que faz.

Encerra a partida e Jimin vai saltitando até o gramado, cautelosamente para o seu pai não o ver. Puxa Jungkook pelo braço musculoso, levando o mesmo até um dos banheiros do vestiário. Não deixou o moreno nem dar uma entrevista, oras, então devia ser muito importante.

Trancou a porta do banheiro, vendo Jungkook o olhar, curioso.

― Tá com pressa, Jiminnie? Nem deixou eu me despedir do time direito. Fala pra mim, o que você quer, uh?

Colou o corpo do menor na parede fria, e o mesmo suspirou com o contato gelado. O que fez Jungkook sorrir mais ainda. – Vamos amor, me responda, sim?

— Você disse que ia me pegar de jeito quando tivesse a oportunidade... essa é a sua oportunidade, Jungkookie.

 

 


Notas Finais


morrendo de vergonha porém sigo firme KKKKK


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...