1. Spirit Fanfics >
  2. Jogo da Sedução >
  3. Bem-vindo ao Jogo da Sedução

História Jogo da Sedução - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Créditos da capa a minha amiga Luh❤️ aproveitem.

Capítulo 1 - Bem-vindo ao Jogo da Sedução


Fanfic / Fanfiction Jogo da Sedução - Capítulo 1 - Bem-vindo ao Jogo da Sedução

Bem-vindo ao Jogo da Sedução, deve estar se perguntando como esse jogo funciona. Bem, ele pode ser aplicado em qualquer partida de qualquer jogo fora da Sede de Partidas Oficiais J.D.S., o J.D.S. é aplicado de uma forma sútil ao adversário em forma de paquera, distração e estratégia. Ou seja, quanto mais você distrair o seu adversário mais chance de vencer você tem.

Porém, dentro da Sede de Partidas Oficiais J.D.S. as coisas são mais intensas, virando um vale TUDO para vencer. Se você achou que é só jogar um jogo qualquer com papo furado e cantadas é o jogo da sedução, bem, você se enganou. Em uma partida oficial é obrigatório ter uma aposta, e o vencedor pode impor qualquer condição ao perdedor, as apostas não possuem um limite podendo valer até vidas.

*Sabendo como funciona e suas condições, deseja continuar mesmo assim?

[ X ] Sim. [    ] Não.

Excelente. Bem-vinda ao J.D.S., Charlotte.










Agora vamos a história:

Bem, como virão eu me chamo Charlotte e tenho 25 anos. Trabalho como garçonete em uma cafeteira no centro durante a manhã e a tarde eu vou para faculdade de Finanças. Mas, a noite eu sou a Melhor jogadora da Sede J.D.S., só jogando no vale tudo eu já consegui fazer 5 milionários irem a beira da falência. Porém o meu objetivo não é derrubar definitivamente alguém que não seja ELE, deve estar se perguntando "quem é ele?", bom esse cara é o responsável pela desgraça da minha família.  


 Agora um Flashback...

- Como se joga isso? - perguntou a criança.

- Bem isso se chama dominó e nós jogamos assim...- explicou calmamente para a criança. - E é assim que se joga, Charlotte.-

- Entendi! - exclamou a jovem Charlotte. - Agora posso jogar? - perguntou fazendo a sua cara mais pidona.

- Como dizer não a você?! Você é a minha Primeira e talvez não única neta, e é a coisinha mais linda desse mundo! - terminou dando um abraço forte em sua neta.

- Senhor, tem um homem que deseja vê-lo. - a empregada da casa avisa seu patrão.

- Quem é que está lá? Ele se identificou? - perguntou ficando um pouco mais sério, afinal, não recebia qualquer pessoa em sua casa.

- Ele se identificou como Dammy apenas, e disse que precisa falar com o senhor. - explicou a empregada.

- Tudo bem, deixe-o entrar. - ele então cuidadosamente entregou Charlotte para a empregada. - Maria, por favor leve Charlotte para o quarto. -

- Sim senhor, vamos senhorita. - Maria saiu com a criança nós braços para avisar Dammy que ele poderia entrar. Após o avisar, fez como seu chefe havia pedido e levou Charlotte para o quarto - Pronto, senhorita por favor fique aqui. -

- Maria eu quero ficar com o meu avô! - disse a criança já fazendo olhar de choro.

- Desculpe senhorita, mas ordens são ordens. - ela então saiu e deixou Charlotte em seu imenso quarto repleto de brinquedos e mobília impecável.

- ... - Charlotte não é de desistir, então saiu de seu quarto na ponta dos pés olhando com cuidado ao redor para ter certeza que Maria não estava por perto, e então foi até onde seu avô se encontrava. Ao chagar lá, olhou pela brecha da porta e ouviu com atenção a conversa  "tão importante".

Dammy parecia querer negociar com seu avô, porém o velho senhor não caía em seu papo. Parecendo já estar sem paciência e definitivamente não levaria um não pra casa, Dammy então decide que levaria o velho senhor até a sede da J.D.S. para uma partida de pedra, papel ou tesoura. "Por que ir para um lugar diferente se podem fazer isso aqui?"  pensou a pequena Charlotte.

- E então, o que me diz? - Dammy estendeu sua mão na direção do velho senhor que parecia preocupado e indeciso.

- Tudo bem. - ele então apertou a mão de Dammy, assim, aceitando o desafio.

Os dois então se levantaram e foram em direção a porta onde Charlotte estava espiando, a menina rapidamente se escondeu atrás de um enorme vaso de flores que estava por perto. Eles foram para o lado de fora e Charlotte conseguiu ouvir o som do carro se afastando. Ela não poderia fazer mais nada, apenas esperar a volta de seu avô. Charlotte então foi para seu quarto, se deitou e esperou ele voltar mas a demora era tanta que a menina acabou dormindo.








Um longo tempo depois acordou no meio da noite com o que parecia ser uma discussão de sua mãe com alguém no celular.

- Mamãe, com quem está brigando? - Charlotte perguntou da porta de seu quarto agarrada a uma de suas pelúcias.

- C-Com ninguém querida, por favor volte a dormir está bem?! - sua mãe parecia dessesperada e seu pai estava sentado no sofá com os cotovelos apoiados nós joelhos e a cabeça descansando nas mãos, parecia muito tenso, resolveu não desobedecer seus pais e voltou a dormir.

No dia seguinte ela é acordada por Maria que pede para a menina se arrumar, ela estava com algumas malas perto da porta e pelas estampas pareciam ser de Charlotte.

- Maria, meu avô já voltou? - a menina perguntou enquanto se arrumava.

-...- apenas o silêncio foi o que teve como resposta. - Sua mãe lhe explicara melhor a situação. - dito isso ela saiu do quarto.

Charlotte não demorou e logo estava na sala junto de seus pais e os empregados da casa. Sua mãe logo começou a explicação.

- Agora que todos estão aqui eu tenho uma notícia horrível para dar a todos. - ela respirou fundo, buscando forças para o que iria dizer. - Ontem a noite meu pai o senhor Francis, passou toda a fortuna de nossa família para o senhor Dammy. Dammy disse que ele perdeu para ele em um jogo dentro da J.D.S. e agora tudo pertence a ele. - disse com todo o seu desgosto - E...e... Eu não consigo! - disse se sentando ao lado do marido que começou a consola-lá 

- O senhor Francis foi encontrado morto nesta manhã perto do lago. - foi a vez de seu pai falar.

A sala ficou com a atmosfera tensa e assustada os empregados conversavam entre si com dó da família, sabiam que aquela notícia perturbaria demais a pequena Charlotte que era um verdadeiro grude com o avô. A menina estava no colo de Maria chorando.

- Devido a esses acontecimentos não teremos mais como pagar o salário de vocês e a casa agora pertence a Dammy. - seu pai terminou de dar a notícia.

E após esse anúncio todos se prepararam para ir embora. Charlotte e seus pais junto de Maria foram para a casa de solteiro de seu pai, aquele seria seu lar agora.


Fim do Flashback.



Eu já estava na J.D.S., e não querendo me gabar mas  tô ganhando de lavada desse cara. Ele já apostou tudo o que podia, só o que lhe resta agora é apostar a própria vida.

- Senhorita, eu não sei mais o que apostar... - ele visivelmente estava nervoso, até que o vejo fazer uma expressão de culpa. Ele olha para alguém do canto da sala e então olha para mim.

- Eu... aposto o meu filho, Leonardo. - ele então bate a própria cabeça contra a mesa como se com isso ele disse se: me perdoe, me perdoe!

Eu olho para o canto da sala vendo o tal Leonardo muito puto rangendo os dentes. Ele até que é bonito.

- Ok, eu aceito a sua oferta. - digo com um sorriso. Isso vai ser divertido!


Notas Finais


Até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...