1. Spirit Fanfics >
  2. Jogo do Destino - Is it Love Owen >
  3. Aquele do 4 de julho

História Jogo do Destino - Is it Love Owen - Capítulo 21


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura ! ❤️

Capítulo 21 - Aquele do 4 de julho


Fanfic / Fanfiction Jogo do Destino - Is it Love Owen - Capítulo 21 - Aquele do 4 de julho

Falta um dia para nossa viagem, estou super animada. Já fiz a minha mala e todo dia olho pra ver se tem tudo que posso precisar, não quero ser pega de surpresa lá. Começo a imaginar tudo que vamos fazer, vou conhecer sua família. E serei oficialmente a namorada dele.

Eu não contei nada sobre ele para minha família, porque seria complicado. Assim que eu falar o nome dele, meu pai vai pesquisar a vida dele do início ao fim. Como eu explicaria para minha família que ele é o melhor amigo do cara que deixou um rastro de destruição quando passou pela minha vida ? Só vou contar quando eu tiver certeza de que nosso relacionamento está indo para o próximo nível.

Amanhã não vou trabalhar, consegui dois dias a mais com o Gabriel, já que a viagem até o Hawaii é muito longa e cansativa. No almoço a Lisa parece até mais animada do que eu com a minha viagem, o Matt fica calado. Eu sei que ele acha que estou cometendo um erro, já que não desisti de provar que o Adam está mentindo e estou cada dia me envolvendo mais com o Owen enquanto isso.

- Você está muito calado Matt. - Lisa dispara.

- O que você quer que eu diga ?

- Ah sei lá, qualquer coisa.

Eu me mantenho calada enquanto eles discutem.

- Uhul ! - Matt finge animação. - Está melhor agora ?

Lisa revira os olhos, o Matt me olha e morde seu sanduíche, e eu entendo bem o recado que ele está me dando.

- Realmente, fica calado, você está um porre !

Conto sobre o presente que comprei para o sobrinho do Owen e para onde vamos. Resolvi ignorar o Matt, já que ele obviamente acha que estou cometendo um erro.

No fim do dia ele me abraça.

- Desculpa pela minha atitude mais cedo.

- Matthew Ortega pedindo desculpa ?

- Para com isso Lily. Você sabe o que eu acho, mas sei que nem assim eu vou te impedir. Espero que faça uma boa viagem e que tome boas decisões.

- Pode deixar. Obrigada, amigo.

- De nada.

Me despeço dele e vou para casa. Amanhã eu e Owen vamos viajar bem cedo para podermos chegar lá ainda dia 6 e podermos descansar e aproveitar o feriadão.

Agora que a viagem se tornou real comecei a ficar ansiosa, meu estômago está dando voltas. Estou super apreensiva de como vai ser esse encontro. Owen já notou meu nervosismo, pega minha mão enquanto estamos no avião.

- Fica tranquila, eles vão adorar você, assim como eu. - Ele fala em meu ouvido e beija minha cabeça.

Sorrio por seu esforço em me acalmar. Respiro fundo e tento relaxar, nada vai estragar esse feriado, nada. Nem eu, nem minhas preocupações, nada.

O Hawaii  trata-se de um arquipélago, e a irmã do Owen, Maya mora na ilha de Maui, com o marido e os dois filhos. Então além do vôo de quase 13 horas até Honolulu,  pegamos mais um vôo para Maui com mais uma hora de viagem. Chegando em Maui alugamos um carro e seguimos para a casa da Maya.

Enquanto dirige encontro o olhar do Owen para mim, acompanhado de um sorriso enorme. A alegria que ele está sentindo está estampada no rosto, nunca o vi tão animado assim. E conforme ficamos mais perto do nosso destino, mais nervosa eu fico, meu estômago está um nó. Essa apreensão de conhecer a família do namorado, não importa quantos anos uma ser humano tenha, esse nervosismo sempre vai acontecer.
Owen diminui a velocidade saindo da estrada e pegando uma pequena estrada de terra, isso depois de meia hora dentro do carro. Paramos em frente a um terreno lindo com jardim, piscina e uma casa enorme, me dou conta de que se trata de uma pousada.

- Achei que fôssemos ficar na casa da sua irmã.

- E vamos. A casa dela fica na outra parte do terreno, essa pousada é dela e do marido. -   Ele sai do carro e começa a pegar nossas malas na parte de trás do jipe.

Admiro mais um pouco o terreno de dentro do quarto e então tomo coragem e saio para ajudar o Owen com as malas.

Dou a mão a ele que a aperta e dá um beijo no meu rosto.

- Fica tranquila.

Tento sorrir escondendo o nervosismo e caminhamos para dentro da pousada.

Na recepção está uma moça de feições havaianas, uniformizada.

- Aloha.

- Aloha.

- Maya está aqui ?

- Sim, quem deseja falar com ela ?

Quando Owen vai responder, uma moça muito bonita, com cabelos castanhos iguais ao dele, num vestido vermelho com flores havaianas, vai ao seu encontro e o abraça.

Eles começam a conversar em havaiano, enquanto se abraçam. Fico parada, esperando meu momento de ser apresentada.

- Essa é a Lilian. - Owen me puxa para perto.

- Olá, prazer Lilian. Sou a Maya. - Ela me abraça.

- Oi, pode me chamar de Lily.

- Vamos vocês devem estar morrendo de fome e cansaço. Podem deixar as malas aqui na recepção, que vocês vão almoçar e peço que alguém as leve. - Maya vai nos guiando sem nos dar muita opção.

- Onde estão papai e mamãe ?

- Ah, eles foram dar uma volta. Mamãe queria se conectar a natureza, você sabe como ela é. Mais tarde eles devem estar de volta.

- E o Kale ?

- Ah, ele levou uns hóspedes para um passeio de barco. Só deve voltar no fim da tarde.

Somos interrompidos por vozes de criança.

- Tio !
- Keanu.

O menino de cabelo castanho escuro, quase preto, vem correndo. Eles se abraçam e fazem um comprimento divertido. Logo depois uma menininha vem ao encontro do Owen, ela tem os cabelos castanhos da mesma cor da mãe e de seu tio, ele a pega em seus braços e a levanta .

- Minha pequena, como você cresceu !!

Ela sorri carinhosamente e joga o rosto em seu pescoço. Owen com um sorriso orgulhoso no rosto se vira para mim.

- Quero que conheçam a Lilian, ela é a minha namorada.

- Olá. Você deve ser o aniversariante. - Falo com Keanu.

- Ainda não, só depois de amanhã.

- Ah sim, claro. Prazer eu sou a Lilian, mas pode me chamar de Lily.

- E você lindinha, qual seu nome ?

Ela sorri docemente pra mim... - Mahina.

- Que nome bonito. Quantos anos você tem ?

- Quatro. - Seus olhinhos meigos não param de me olhar. - Você é bonita. - Ela diz timidamente.

- Muito obrigada ! E você é muito linda ! - Me aproximo dela que ainda está no colo do Owen e dou um beijinho em sua bochecha.

- Tio, tio, vem ver minha casa na árvore. - Keanu puxa Owen pelo braço.

- Não Keanu, seu tio acabou de chegar e está cansado. Eles vão descansar agora.

Keanu fecha a cara contrariado.

- Prometo que vamos ver sua casa na árvore depois. - Owen tenta animá-lo.

- Tudo bem. - Keanu se dá por vencido um pouco menos chateado.

Depois de almoçarmos na pousada fomos para a casa da Maya.
A casa é de dois andares, no segundo andar tem uma varanda aberta bem grande com  com a vista para o mar, vejo uma poltrona tipo espreguiçadeira e uma mesa redonda com várias cadeiras em volta. A estrutura da casa é de madeira, com janelas enormes de vidro, possibilitando que se tenha a visão externa da casa. O ambiente é todo clean, com móveis em vime e madeira e espaços amplos e aconchegantes. Na parte de trás tem uma piscina enorme e uma área com churrasqueira. Na frente da casa tem uma descida para um gramado com espreguiçadeiras, onde podemos aproveitar mais um pouco a vista do mar, que fica mais abaixo.
O quarto tem porta de correr, de vidro, é simples mas muito aconchegante, a estrutura de madeira clara do teto amostra, com um ventilador de teto de madeira deixa o ambiente rústico e combina com o clima tropical. O banheiro tem um box de pedra em tons claro, sem porta, apenas com uma parede de pedra que separa o chuveiro do resto do banheiro. É tudo tão lindo que fico imaginando como deve ser a pousada.

Owen e eu tomamos um banho rápido e logo caímos na cama. Desperto com o Owen falando comigo.

- Estou indo ficar lá fora, meus pais já chegaram. Não precisa levantar agora, pode tomar seu tempo. - Me dá um beijo na testa e eu assinto ainda grogue de sono.

O nó no estômago aperta mais uma vez, mas eu levanto e vou me arrumar. Visto um short jeans de cintura alta e uma camisa mais curta, de listras amarelas, brancas, verdes e vermelhas. Dou um nó na camisa na parte da cintura e calço meus chinelos. Ainda está claro, fim de tarde, subo para o segundo andar e encontro Owen com os pais e a irmã na varanda, sentados e conversando. Assim que Owen me vê, levanta e se aproxima de mim.

- Lilian essa é minha mãe, Anne e esse é meu pai Daniel.

- Mas que linda garota ! - Anne se aproxima de mim. Ela tem os cabelos cacheados, num tom de castanho claro, a pele mais clara do que os filhos. Quando ela sorri vejo de quem o Owen o herdou, ela tem um olhar carinhoso e alegre. Sua roupa colorida reforça seu jeito alegre, com um vestidão tipo bata em tons de azul e colares de cumpridos no pescoço, num estilo bem hippie.

- Obrigada. - Respondo um pouco tímida.

- Prazer Lilian. Seja bem vinda ! - Seu pai que parecia sério, abre os braços para mim, me fazendo sentir como uma criancinha e me abraça. Ele é um pouco mais alto que a Anne, está com uma bermuda branca e uma camisa de botões florida. Seu cabelo grisalho é um pouco mais curto que do Owen, reconheço traços do rosto de Maya, e o olhar do Owen.

- Podem me chamar de Lily.

- Sim, um lírio em nossa família, que alegria ! - Anne sorri para mim.

Owen fica um pouco tímido perto dos pais. Maya observa e ri do irmão.

- Então a família Jones está toda aqui. - Um homem alto e robusto, com traços havaianos, cabelo preto preso num rabo de cavalo e as feições sérias, aparece. Que eu imagino ser o marido de Maya, Kale, acompanhado das crianças que correm em direção aos avós.

Ele beija a esposa e cumprimenta o Owen que logo me apresenta. Começamos a conversar, fico um pouco quieta de início ouvindo a conversa deles e toda sua harmonia, Kale é muito engraçado. Eles riem e contam histórias, fico sabendo mais detalhes da infância hippie do Owen. Os pais eram professores, criaram os filhos no estilo de vida que tanto amavam, mostrando o valor da natureza e da necessidade de estar em contato com ela, mas depois decidiram abrir uma floricultura. Isso explica todo o amor do Owen pelas causas ambientais.

- Caramba, mas como vocês escolheram o nome deles ? Por que Maya e Owen são bem diferentes.

- Sim, realmente, Maya significa água e é o nome da mãe de Buda, foi uma escolha fácil para nossa linda filha. Mas quando Owen nasceu, eu havia perdido meu pai a pouco tempo, e quis homenageá-lo de alguma forma e dar o nome dele ao meu caçula foi a forma que encontrei.

- Você pelo visto não sabe o nome dele do meio, né ? - Maya começa a rir e olho para ele sem entender.

- Ah, não ! Começou. - Owen responde para a irmã.

- Que foi gente, não estou entendendo.

- Esses dois, parecem crianças. Como demos um nome muito tradicional ao Owen, nos sentimos na obrigação de dar um nome do meio mais libertador. E colocamos River. - Anne explica.

Maya começa a rir. - Olha o rio passando.

Eu começo a rir junto vendo a implicância dos irmãos.

Continuamos a noite conversando, e descubro um pouco mais sobre o outro lado do Owen.
Rimos, jantamos e conversamos até tarde da noite. Depois de todos nos despedimos, vamos para o nosso quarto.

- Então, sobreviveu a loucura ?

- Que loucura ? Eu adorei sua família, eles são tão divertidos.

Ele me observa calado com um sorriso no rosto, os braços cruzados, vou em direção ao banheiro. Ele me segue e me abraça por trás, enterrando o rosto em meu pescoço.

- Eu te amo.

Vejo nosso reflexo no espelho e nossos olhos se encontram, sinto meu coração acelerar. Eu estou perdidamente apaixonada por esse homem.

- Eu também te amo. - Me solto dele, ficando frente a frente. Passo a mão por seus cabelos, olho cada centímetro do seu rosto e o beijo.

Ele me prende ao seu corpo, nosso beijo fica mais intenso e então ele me pega no colo.

- O que você está fazendo ?

- Agora eu vou te ensinar uma lição por ter rido do meu nome do meio.

Começo a rir. - Me solta !

- Nada disso, agora você vai sofrer as consequências.

- Você é um rio muito agitado !

Eu começo a rir da cara dele, ele me põe na cama e passa por cima de mim. O cabelo fica sobre seu rosto, mas vejo seu sorriso enquanto ele se aproxima mais de mim, e começa a depositar beijos em minha barriga me fazendo cócegas.

- Para Owen ! - Peço em meio aos risos. - Daqui a pouco todo mundo vai nos escutar.

- Mas eu ainda nem comecei com você… - Sua boca continua subindo pelo meu corpo, interrompendo meu risos e dando espaço para  sensações de prazer.

Acordamos no feriado com as crianças batendo na porta. Owen logo sai do quarto me dando tempo para me arrumar para o café da manhã com sua família.

Desfrutamos de mais um dia de muita alegria. Tomamos café e depois passamos o dia na praia, eu e Anne e Maya nos demos muito bem. Enquanto Owen, seu pai, Kale e as crianças brincavam na água, nós conversavamos na areia.

- Estou impressionada como o Owen tem jeito com criança.

- Ah, mas ele era professor. Por isso. - Maya responde.

- Sério ? - Não disfarço muito minha surpresa.

- Sim, ele era professor de Biologia. Mas depois ele achou que estava fazendo muito pouco pela natureza e acabou indo atrás de algo que ele tivesse mais liberdade.

Owen tem uma história muito maior do que eu imaginava, ele sendo professor e abandonando tudo pelas causas ambientais...por mais que eu admire seu trabalho, não sei se foi inteligente da parte dele essa troca.

- Ele queria desenvolver um projeto ambiental, ele fica muito aflito com  a “ ilha de plástico” que existe próximo ao Hawaii. - Maya explica.

- Mas como biólogo seria uma ótima forma dele ajudar nessa causa.

- Concordo com você, mas ele não nos ouve. Acho que também fica preso ao Adam, ele se preocupa com o Adam e de deixá-lo para trás. Você já deve conhecer o Adam, né ?

Eu pigarreio constrangida. - Sim conheço.

Se elas soubessem de tudo…

- Eles dois são grudados desde quando se conheceram. Sempre muito amigos, até mesmo quando o Adam se mudou, nas férias ele sempre ia para nossa casa, um ótimo menino… - Ela suspira com carinho. - Saudades dele. - Anne parece fazer parte do fã clube do Adam.
Fico aliviada quando Mahina começa a me chamar para brincar com ela na água. O assunto Adam, não é o meu favorito.

- Tudo bem lá ?

- Sim, tudo tranquilo. - Hesito se devo tocar no assunto, mas se tem um momento melhor para falar sem que ele tenha como fugir é agora. - Descobri que você é biólogo.

Owen fecha um pouco a expressão. - Pelo visto a Maya te contou isso para te fazer me convencer a voltar para minha área.

- Olha, nem acho que foi com esse objetivo. Mas é uma área que realmente você ama, e você já me disse que tem projetos em mente, seria uma boa oportunidade. Você poderia ter uma vida mais tranquila…

- Não quero falar sobre isso. - Owen corta rapidamente o assunto e volta a dar atenção ao seu sobrinho. Talvez não seja uma boa tocar nesse assunto durante a viagem, claramente é um tema delicado.

Quando voltamos para a casa, começamos a arrumar tudo para o churrasco a noite. Claro o churrasco americano, com hambúrgueres e cachorro quente. Enfeitamos a área da churrasqueira na temática USA e logo assim que a noite cai estamos todos arrumados conversando e curtindo o churrasco.

Desde o momento delicado entre Owen e eu, não toquei mais no assunto e ele voltou a agir normalmente. Depois dos fógos, ele entrou com as crianças para ler uma história antes delas dormirem. Resolvi andar um pouco pela praia que fica próxima a casa. 

Aqui sem a poluição e as luzes da cidade grande, o céu parece um teto lotado de lâmpadas, de tantas estrelas visíveis. Fico admirada com a beleza desse lugar, me deito na areia e admiro a imensidão do universo, como se só eu existisse. De repente, uma estrela cadente cruza o céu, fecho os olhos para fazer um pedido e penso em tudo que tenho. Meus amigos, minha família, minha saúde, e o Owen. O que mais eu poderia querer ? Lembro então dos conselhos do Matt.
Se me sinto tão completa por que ainda estou disposta a colocar tudo a perder ? Não tenho provas contra o Adam, por que me deixar corroer por essa história ? Talvez eu deva me dar por vencida e esquecer o que passou.

- Estava preocupado te procurando. - A voz do Owen me tira das reflexões.

- Desculpa, - Me ajeito e fico sentada - Eu vim dar uma volta, não sabia o quanto você poderia demorar lá com as crianças, mas acho que acabei perdendo a noção do tempo admirando o céu.
- É lindo, né?

- Demais, tô ainda boba com a beleza desse lugar.

- Eu já tive muita vontade de morar aqui.

- Você ainda pode. Pode desenvolver seu projeto aqui…

- Nao Lily, eu realmente não quero voltar pra esse assunto.

- Tudo bem, não quero brigar.

- Nem eu. - Ele se senta ao meu lado, e põe o braço em volta dos meus ombros. 

Ouço as ondas quebrando na areia, a luz do luar refletindo no mar e pressiono mais meu corpo ao corpo quente do Owen. Sinto uma paz dentro de mim, então talvez seja só isso que eu precise, dele. Como uma boba consigo até imaginar nosso futuro, nossos filhos brincando por essa praia…


- Que foi ? - Ele me olha.

- Nada. Por quê?

- Você está sorrindo, só queria saber o motivo.

- Você.

Ele aproxima seu rosto do meu e encosta a testa na minha, sua respiração em meu rosto, nossas bocas roçam e sinto um calor subir por meu corpo. Sinto sua mão em minha coxa e diminuo nossa distância me entregando a um beijo apaixonado, subo em seu colo e as investidas ficam mais ousadas. Ele coloca as mãos dentro do meu vestido e vai descendo as mãos por meu corpo e tira minha calcinha. O olhar lascivo que ele tem me deixa louca.
Tiro sua camisa e beijo seu pescoço, seus ombros, seu peitoral. Ele me aperta e eu gemo, quero unir nossos corpos e dar vazão a tudo que estou sentindo. Abro seu zíper e deixo meu corpo guiar os movimentos, ele põe a mão na lateral do meu pescoço e me acaricia, eu fecho os olhos e esqueço de tudo, não me preocupo se alguém vai nos ver, nada importa só o nosso momento.
Nossos movimentos aumentam e deixo o prazer me invadir e arqueio meu corpo para trás. Seus olhos ainda em mim ele morde o lábio inferior e guia meus movimentos segurando meu quadril.
Ele não pode mais se segurar e abafa seus gemidos em meu pescoço e depois me beija. Saio lentamente de cima dele, que deita na areia e fico ao seu lado.
Encosto minha cabeça em seu peito, ele põe o braço ao meu redor e ficamos ali deitados desfrutando o momento.

Só existe eu, ele e o céu estrelado.






 


Notas Finais


Vocês estão gostando ? Estou sentindo faltam da interação de vocês :(
Os próximos capítulos serão decisivos, fiquem ligados.

Gente já comecei a escrever minha nova fic, vão lá conferir !
https://www.spiritfanfiction.com/historia/a-jornada-de-june-is-it-love-ryan-e-daryl-18374473

Beijos !!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...