1. Spirit Fanfics >
  2. Jogos de azar. >
  3. Loucuras da noite.

História Jogos de azar. - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Mais um capítulo meus amores e o hoje tá pegando fogo bicho kkkk, eu espero que gostem fiquei o dia escrevendo esse capítulo por causa de vocês.
Boa leitura.
P.s... Eu vou postar a capa do cap depois.

Capítulo 4 - Loucuras da noite.


Fanfic / Fanfiction Jogos de azar. - Capítulo 4 - Loucuras da noite.


Enfim a noite, eu e o Cinco paramos em um hotel bem legal com uma senhora bem simpática, ela me disse que iria fazer uma festa de aniversário do hotel e que todos os hóspedes estavam convidados, agora eu estou na luta para convencer o Cinco a ir comigo.

- Por que não? - Perguntei realmente curiosa em saber o motivo dele recusar a ir a uma festa para comer e beber de graça, qualquer ser humano em sua sã consciência aceitaria.

- Eu achei esse lugar estranho, então acredito que vai ser melhor ficarmos no nosso quarto - Ele fala ressaltando que estamos dividindo um quarto e eu que estava deitada na cama achando um absurdo.

- A gente vai fazer o quê aqui no quarto? Chupar o dedo - Falo olhando ele e o mesmo parecia estar bravo, não estou nem ai, eu quero curtir - Vai Cinco por favor, a gente tá viajando faz dois dias sem parar, estamos precisando de uma festinha curtir a noite, beber um pouco, eu sei que você adora um Martini.

- Madelyn mesmo assim, não penso que seria bom sair - Ele fala sendo teimoso e eu me irrito.

- Então você fica no quarto, que eu vou nessa festa sozinha - Digo me levantando da cama e saindo do quarto batendo a porta.

E foi dito e feito agora eu estava na festa com um vestidinho dourado bem gatinha com o mal-humorado do Cinco ao meu lado, eu sabia que ele não iria me deixar aqui sozinha.

- Eu te odeio, você e seus futuros filhos e os filhos dos seus filhos - Ele fala do meu lado e eu rio com aquilo o olhando.

- Qual é Cinco relaxa, vamos curtir o ambiente, tomar uma bebida, dançar um pouco - Falo com ele e o mesmo me olha com aquela cara de cínico que eu odeio.

- Eu não gosto de dançar - Ele fala sendo chato e eu imito ele fazendo uma cara zoada.

- Chato, se não quer aproveitar a noite comigo, então por que veio? - Digo brava com ele, eu odeio que ficam com graça para o meu lado, isso me da uma raiva.

- Para evitar que você faça alguma cagada - Ele me responde sendo grosso comigo.

- Vai se foder Cinco, eu não pedi para me ajudar e agora o bonitinho tá com TPM, só porque eu quis vir a uma festa com pessoas e bebida - Respondo sendo grossa na mesma moeda, eu não vou ficar levando e patada e ficar quieta.

- É exatamente por isso, você não está levando a sério nossa a situação - Ele retruca e eu fico chocada.

- Me desculpa se as coisas tem acontecido de forma muito louca e você quis me ajudar no meio de tudo isso, mas agora eu não posso nem querer descontrair um pouco, porque parece que só temos falado das merdas que aconteceram nesses dois últimos dias - Respondo cruzando os braços e com ele me olhando.

Ele ia falar alguma coisa mais a senhora que convidou a gente para festa chega perto da gente com uma bandeja com dois copos.

- Querem bebida? - Ela pergunta sorrindo.

- Bem que eu estou precisando mesmo - Digo pegando um dos copos e virando de uma vez, sentindo o álcool queimar minha garganta, era tequila.

- Não, obrigado - Cinco responde à senhora e eu rio com aquilo.

- Como sempre o cara chato voltou a tona, bem que eu achei que estava demorando - Falo emburrada com ele e o mesmo me olha bravo e pega bebida e vira de uma vez.

- Satisfeita agora - Ele fala bravo e dou de ombros.

- De que adianta, você não quer estar aqui mesmo - Respondo e ele da um suspiro bravo, como se quisesse falar algo, porém ele desiste.

- Eu vou dar uma volta - Ele fala saindo.

- Ótimo - Digo alto para ele ouvir e vou para o lado oposto, indo em direção a uma escada que tinha ali perto e me sento nela.

Fico uns 30 minutos ali olhando as pessoas dançarem, às vezes eu ia dar umas voltas pelo salão, tanto que vi o Cinco no carro do lado de fora pela janela, fico com raiva só de olhar para ele, que idiota, não sei nem por quê eu estou andando com ele?

Estava sentindo um calor muito grande e um tesão enorme, eu nem sei porque estava me sentindo assim sendo que nem excitada eu estava.

- Meu deus, que calor - Falo saindo para o lado de fora do hotel.

*************

Estava no meu carro, a Madelyn estava simplesmente insuportável, pensei duas vezes em deixa-la aqui, mas não penso que me sentiria melhor por abandona-la, abro a janela da porta ao meu lado, porque eu comecei a sentir muito calor de repente, mas eu estranho mais ainda quando eu vi estar com uma ereção, o que não fazia sentido nenhum, sendo que eu nem sequer estava pensando naquela mulher do jeito sexual.

- Merda - Olhando minha ereção nas calças e agora o que eu faço?

Então eu sou surpreendido pela Madelyn, que entra no carro de repente e a mesma já vê a minha ereção.

- Você também está excitado? - Ela fala e eu percebo que a mesma estava um pouco suada.

- É, o que não faz sentido, nem pensando em você eu estava - Respondo a olhando e a mesma tenta limpar um pouco do suor no pescoço com a mão.

- Ai meu deus, a gente foi drogado - Ela fala pensativa com algo.

- O quê? Como assim? - Falo sem acreditar no que ela disse.

- As bebidas que aquela senhora deu para gente, com certeza tinha viagra nelas, se não a gente não estaria assim - Ela responde e eu sabia que não podia confiar naquela senhora estranha, então a Madelyn simplesmente começa tirar a calcinha.

- Por que esta tirando a calcinha? - Perguntei a olhando e a mesma me olha indignada.

- Por que você não esta tirando as calças? - Ela fala me olhando e eu fico com mais calor.

- Talvez porque nós estamos no carro - Respondo e a mesma revira o olho.

- Cinco, eu e você vamos explodir de tesão se não transarmos agora, então tira a porra das suas calças - Ela fala claramente impaciente e eu faço o que ela manda, a mesma se ajeita sentando no meu colo e colocando meu membro dentro dela, me causando um arrepio bem grande.

Eu não acredito que aquilo realmente estava acontecendo, ela está muito quente e eu também, seguro na sua cintura quando a mesma começa a rebolar para ajuda-la com os movimentos e me fazendo delirar com aquele momento, porra ela é muito gostosa, vejo a mesma morder o lábio inferior na tentava falha de conter seu gemido que saiu com uma facilidade de sua boca.

Então ela começa a me beijar intensamente e eu que não sou bobo e nem nada aproveito, então um suspiro sai dos lábios entre o beijo e vejo que ela estava tão ofegante quanto eu, quebrei o beijo distribuindo selinhos no canto da sua boca, na sua bochecha, na sua mandíbula e por fim chegando ao seu pescoço, sentir o cheiro da pele dela era tão bom, tanto que deixo um chupão ali, que com sorte não vai marcar, mas eu acho bem difícil disso acontecer.

- Porra Cinco - Ela fala completamente arrepiada e eu coloco minhas mãos sobre suas coxas apertando já escutando ela gemer mais alto, vou subindo devagar até sua cintura por de baixo do tecido do seu vestido, eu adoro o jeito que eu a deixo com meus beijos.

Suas mãos deslizam pelo meu peito sobre a camiseta e sentindo minha respiração pesada em seu pescoço, então a mesma me empurra fazendo eu me encostar no banco e eu fico a encarando me olhar de um  jeito safado, ela abaixa as alças do vestido sem vergonha nenhuma de me mostra o seu corpo e como ela estava sem sutiã a garota estava praticamente nua, aperto o botão na porta para fechar as janelas do carro, acredito que seja melhor só nós nos vermos aqui dentro.

Ela volta a me beijar com desejo e minhas mãos deslizam entre suas perna e cintura a cada rebolada que ela dava, então dou uma mordida de leve no seu lábio inferior não dando muito tempo dela pensar, subo uma das minhas mãos nas suas costas até chegar a altura do seu cabelo, com a mão na sua nuca entrelaço os dedos em cabelo e o puxando um pouco já tendo acesso total ao seu pescoço depositando beijos quentes e descendo até chegar em seu peito direito e o chupando.

Na hora a mesma solta um gemido tão alto que acredito que a vizinhança inteira escutou, envolvo meus braços em volta da sua cintura a deixando colada comigo, sinto suas mãos entrarem por dentro da minha camiseta e a mesma arranha meus ombros de leve me deixando arrepiado, ela sabe como mexer comigo.

Sua pele macia e extremamente quente devido ao calor de nossos corpos me deixa intrigado a querer marca-la por inteiro e se depender de mim, essa mulher vai ter várias marcas pelo corpo feitas por mim essa noite.

Eu não deixei de dar um chupão no peito dela, então ela puxa meu cabelo me fazendo olha-la dou sorriso com aquilo, essa mulher quer me enlouquecer e eu já estou louco por ela.

Ela me beija de novo, porém dessa vez estava diferente, tinha calma naquele beijo, aproveito a oportunidade a aperto sua bunda e a mesma morde meu lábio, depois sorrindo para mim.

Se ela soubesse o tanto que eu queria foder com ela, provavelmente nem precisaríamos ser drogados para isso, mas, no fundo, estou agradecendo àquela senhora estranha.

Mais não paramos por ai, Madelyn coloca as mãos na parte superior do carro e rebola sentando com força, me fazendo soltar vários gemidos com ela ali dentro, seguro em sua cintura para me certificar de que ela não se machucasse, já que a mesma ia bem rápido, mas parecia que ela queria me machucar.

- Ah... Cinco - Ela geme meu nome jogando a cabeça para trás delirando de prazer e eu só conseguia olhar o corpo daquela mulher, que parecia mais como uma deusa para mim agora.

Ver ela ali completamente suada por minha causa me dava mais tesão do que eu já estava, então ela para de rebolar me olhando completamente ofegante, provavelmente se cansou de fazer tudo sozinha, a mesma apoia seu rosto na curva do meu pescoço juntando seu suor com o meu, mas eu não ligo.

- Isso foi bem intenso - Ela fala ofegante e eu sorrio ao reparar que os vidros do carro estavam embaçados por causa o calor que proporcionamos com nossos corpos - Você gozou?

- Não - Respondo sentindo sua respiração no meu pescoço me arrepiando, então ela se ajeita e volta vestir o vestido completamente.

- Nem eu, vamos continuar no quarto em uma cama de verdade? - Ela pergunta e dessa vez eu fiquei surpreso, essa mulher ainda quer mais, não que eu esteja reclamando, estou mais que disposto para ela.

- Tá bom - Digo e a mesma me tira de dentro dela e sai de cima do meu colo, na hora visto minhas calças de volta e saio do carro junto com ela.

************

Mal entramos no quarto eu já fui tirando a camisa dele,  enquanto eu o beijava, posso ver parcialmente o seu corpo, mas eu quero vê-lo completamente sem roupa na minha frente, para podermos ter total contato um com o outro, o que aconteceu no carro foi uma prévia do podemos fazer juntos e essa noite eu vou gritar seu nome.

Ficamos muito afobados que nem sequer esperamos chegar na cama, que ao eu me encostar em uma mesa no caminho, o Cinco simplesmente derruba no chão as coisas que tinha em cima e eu me sento com ele ficando entre minhas pernas.

Ele tira suas calças e não demora muito para entrar dentro de mim de novo, encosto minhas costas na parede para ter onde me segurar, porque eu tenho certeza que o impacto vai ser grande.

- Ah... Cinco - Acabo gemendo seu nome ao ele começar a se mover me dando aquele arrepio no meu corpo me fazendo tremer, acho incrível como ele consegue ter controle sobre mim agora.

Mordo o lábio o olhando quando o mesmo começa a aumentar a velocidade, o puxo para mais perto de mim e ele aperta minha coxa já me dando beijos no meu ombro, ou melhor marcando ele.

Sua boca me faz ficar pedindo mais, o seu toque em mim é o que tira minha paz toda vez que entra em contato com minha pele, o perigo que traz e o arrepio que me da sempre que ele me beija, isso pode ser um grande problema para mim, eu posso realmente me apaixonar por ele de verdade.

Conter meus gemidos estava cada vez mais difícil, passo minhas mãos sobre seus ombros e me seguro nele o querendo colado a mim, junto com o calor de nossos corpos e a sensação de necessidade de tê-lo dentro de mim.

Escuto sua voz rouca gemer no meu ouvido e aquilo realmente era uma coisa gostosa de se ouvir, eu o quero só para mim e com toda certeza que na próxima oportunidade que eu tiver para transar com ele, irei sem pensar duas vezes.

Cruzo minhas pernas em volta da sua cintura e o mesmo começa a me beijar, porém, com ele se movimentando dentro de mim, ficou difícil eu não gemer entre o beijo.

Estávamos transando sem proteção nenhuma, só espero que tenhamos um filho no meio disso por que deus me perdoe, isso é gostoso demais.

Então ele simplesmente me pega no colo e vai até à cama e me colocando deitada nela, ele sai de dentro de mim e eu o olho brava, eu não mandei ele parar, que palhaçada era essa.

Agora comigo deitada, ele deixa seu corpo sobre o meu e começa me beijar com calma, como se quisesse apreciar o momento, afinal não temos pressa em terminar. Seus beijos desciam do meu pescoço, passando entre os meus seios, na minha barriga, claro que ele não deixou de me marcar durante o percurso, fico o olhando provavelmente ansiosa para o que ele ia fazer, porém, com ele ali ajoelhado na minha frente vejo o mesmo dar um sorriso maldoso, como se estivesse adorando me ver ali tão entregue a ele, eu não ligo, aquela noite que tinha começado uma merda estava melhor agora.

Um beijo foi depositado no meu calcanhar e ele foi subindo os beijos pela minha perna pouco a pouco, me deixando cada vez mais arrepiada com tudo aquilo, mordo o lábio quando ele deixou um chupão na parte interior da minha coxa e bem próxima da minha virilha, assim passando pelo meu tronco e ficando deitado sobre mim novamente chupando meu pescoço.

Esse homem quer me matar de tanta curiosidade, só pode ser isso.

- Cinco... Ah - Eu mal comecei a protestar que já fui interrompida por um gemido meu, que saiu da minha boca tão rápido assim que senti os dedos dele sobre minha intimidade.

Sentir seus dedos deslizarem sobre meus clitóris, me fazia eu não conseguir controlar os gemidos baixos que saiam da minha boca com uma facilidade, ainda mais com o mesmo beijando meu pescoço e definitivamente ele quer me enlouquecer.

Seus beijos descem junto com meu corpo e a cada toque mais ansiosa eu ficava, fecho meus olhos ao sentir sua boca estando no lugar onde eu queria, fazendo o que eu queria, sua língua quente que agora explorava o lugar de seus dedos, me fez soltar um gemido um pouco mais alto naquele quarto.

Me seguro no lençol da cama sentindo aquela sensação maravilhosa, como se a boca dele tivesse sido feita para me satisfazer e eu nunca pensei que estaria em tal posição com ele, claro que seria inevitável transarmos um dia, mas não pensei que seria hoje.

Ele me faz delirar mais ainda quando ele coloca seus dois dedos dentro de mim.

- Ahn... Cinco... - Acabo gemendo quando ele aumenta o ritmo dos seus dedos, enquanto sua língua deslizava pelo meu clitóris.

Estava quase chegando ao meu limite, porém ele para do nada.

- Não - Reclamo olhando o mesmo que se levanta dando um riso satisfatório, ele quer judiar de mim.

Ele se deita sobre meu corpo novamente e me da um beijo no canto dos meus lábios e eu sinto ele me penetrar devagar me fazer solta um gemido baixo, tive um choque percorrer pelo meu corpo ao sentir ele completamente dentro de mim, só que dessa vez o negócio vai ser mais intenso.

O mesmo segura meus pulsos contra o colchão como se quisesse ter total controle sobre mim, mas mal sabe ele que já tem, as suas estocadas começam lentamente parece até que ele quer eu implore para ele ir mais rápido como fez comigo na mesa.

Ele fica sem paciência e aumenta o ritmo ao me dar vários beijos no pescoço, sons de gemidos se espalham pelo quarto, então ele para de me beijar e ainda me penetrando o mesmo fica me olhando como se estivesse me admirando.

Aproveito que ele solta um pouco dos meus pulsos e troco a gente de posição ficando por cima dele, que se mantinha ainda dentro de mim.

- Você adorar ficar por cima né - Ele comenta com um sorriso no rosto e eu começo a rebolar com o mesmo segurando minha cintura.

Estávamos completamente suados e eu fico olhando o mesmo com os olhos fechados gemendo meu nome e ainda com seus fios de cabelos levemente suados que o deixa bem mais atraente.

Assim, chegamos ao nosso limite quando gozamos juntos tendo um orgasmo, saio de cima dele e me deito do seu lado completamente ofegante, abraço ele e ficamos olhando para o teto pensando no que aconteceu.

Com a cabeça sobre seu peito eu podia ouvir os batimentos do seu coração, que estavam tão acelerados quanto o meu e pela primeira vez eu nunca me senti tão próxima dele como agora. Então eu o olho e o mesmo  que já me rouba um beijo lento e delicado, o que me faz concluir, que talvez, só talvez eu esteja me apaixonando por ele.

E não por causa do sexo que foi incrível, mas pelo o fato dele ter me ajudado, não me abandonado e estar aqui comigo do meu lado, mesmo depois de a gente ter brigado.


Notas Finais


Podem falar, eu me superei nesse hot, mdssss.
Até o próximo capítulo meus amores, me desculpem qualquer erro.
Bjssss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...