1. Spirit Fanfics >
  2. Jogos De Sobrevivência >
  3. Mas você vai lembrar de mim, Lembrar de mim por séculos

História Jogos De Sobrevivência - Capítulo 23


Escrita por: lizzybland

Notas do Autor


Fadinhas e elfos, cometem pfv!
Gosto muito de ver a reações de vcs.

Beijão da Lizzy ♡

Capítulo 23 - Mas você vai lembrar de mim, Lembrar de mim por séculos


Fanfic / Fanfiction Jogos De Sobrevivência - Capítulo 23 - Mas você vai lembrar de mim, Lembrar de mim por séculos

Quando chegaram a base secreta, ordem da fênix, levaram imediatamente Harry para a enfermaria. Madame Pomfrey assegurou todos que ele ficaria bem, ficaria algums dias desacordado, mas ficaria bem.

Todos que sobreviveram, pansy, Hermione, Rony, Neville, Blaise, cedrico, Gina, luna, Fred, George e Draco, estavam tão cansandos que assim que Sirius e remus os levaram para seus quartos, eles tomaram banho e caíram na cama para dormir o quanto podiam. Draco, queria ficar com Harry na enfermaria, mas remus não deixou. O garoto parecia mais morto que vivo, as olheiras estavam enormes e estava ainda mais pálido. Mesmo contrariado, ele resolveu ir para o quarto e dormi um pouco.

Naquela noite, todos foram pegos pelos pesadelos. Os jogos de sobrevivência haviam os deixado mal, fisicamente e psicólogicamnte. Na manhã seguinte, todos se levantaram e foram para o "refeitório" e tomaram café da manhã, ninguém falava nada. Eles estavam afundados nos seus pensamentos e não viam ou ouviam nada ao seu redor. Estavam totalmente alheios.

- como estão, crianças? - uma voz os fez sair de seus devaneios.

- diretora minerva! - Hermione, se levantou e abraçou a mais velha que retribuiu sorrindo - a senhora está viva.

- sim, e fico feliz de ver que vocês também - ela falava com todos na mesa, apenas os sonserinos não retribuiram o sorriso gentil da mulher de óculos - nem todos voltaram, mas fico feliz de que vocês tenham sobrevivido.

- onde está a mãe e os meus irmãos? - Rony, perguntou - eu ainda não vi eles além do Gui.

- molly, está no quarto, ela não sai de lá desde que chegamos aqui - minerva falou. Gina, Rony, Fred e o George se entreolharam.

- vamos falar com ela - Fred disse e eles se levantam. Ficaram na mesa apenas, Hermione, Blaise, pansy, cedrico, luna, Neville e Draco.

- como a senhora está? Uma garota chamada Isabela me contou que a senhora levou um tiro - Neville, perguntou.

- foi de raspão, eu estou bem agora - ela deu um sorriso reconfortante e ele assentiu.

- a senhora sabe do meu pai? Amos Diggory - cedrico, perguntou. Todos ali estavam loucos para fazer perguntas, mas tentavam se conter.

- oh, você é o cedrico Diggory - ele assentiu e ela deu um sorriso triste - sinto muito, ele foi pego pelos comensais e bem...

- entendi - ele disse cabisbaixo - eu... vou para o meu quarto - se levantou e saiu. Todos ficaram olhando para ele com um semblante triste, quantas pessoas mais eles iriam perder?

- eu vou falar com ele - Neville disse se levantando e luna o acompanhou. Quando minerva voltou o olhar para os outros, ela encontrou um par de olhos azuis a encarando.

- a senhora sabe do Severus Snape? Ele está vivo? Eu ainda não o vi - Draco, falou tentando manter a voz o mais firme que conseguia.

- você e o Draco Malfoy, afilhado do Severus? - ele assentiu - ele está morto, o corpo não foi encontrado assim como o de Dumbledore - Draco, assentiu e ela tocou a mão dele - eu sinto muito.

- era tolice achar que ele estaria vivo - ele deu uma risada seca e os outros o encararam preocupados.

- Draco...- pansy, começou e ele negou se levantado.

- eu vou ir ver o Harry - ele disse - mais tarde nos vemos.

Ele saiu andando pelos corredores iluminados que levavam até a enfermaria. Sua mente estava tão devastada e quebrada que ele não conseguia mais chorar, a dor de perde mais alguém tinha abalado ainda mais suas estruturas emocionais. Certo que Snape não era a pessoa mais carinhosa, mas sempre, quando podia, defendia Draco dos castigos exagerados de Lucios.

Quando chegou na enfermaria e viu Harry deitado com os olhos fechados enquanto tinha uma agulha no seu braço, por causa do soro, ele se sentou ao lado de Potter de frente para ele e tocou a sua mão. Era bom saber que Harry não estava morto, ele não sabia se conseguiria ser forte o suficiente para aguentar perde mais alguém.

- agora eu só tenho, você, pansy e Blaise - ele falou baixinho como se estivesse contando um segredo - não fique se achando só porquê eu gosto de você, Potter - ele deu uma risadinha - espero que você acorde logo, não vai me ouvir dizer isso novamente... Mas estou com saudades de dormi nos seus braços. Você é um ótimo travesseiro - ele disse s última parte e deixou um selinho nos lábios de Harry - acorda logo, preciso de você.

Ele se levantou quando ouviu a porta da enfermaria ser aberta e madame Pomfrey passar por ela indo checar Harry, ele saiu dali para deixar a mulher cuidar do moreno em paz. Ele andou até onde ficava seu quarto e apertou no botão ao lado da porta para ela abrir. Ele ainda não tinha parado para explorar o quarto, não era tão grande assim a cama ficava no centro com duas mesinhas de cada lado, era só isso que tinha. O quarto não era luxuoso ou coisa do tipo e ele não se importava com luxo depois de ter dormido no chão de uma floresta, aquilo era bem mais do que ele precisava.

Quando se sentou na cama, viu que na mesinha de cabeceira tinha um porta retrato, seus olhos encheram de lágrimas quando ele viu uma foto da sua mãe ali. Ela sorria, um sorriso que Draco nunca havia visto no rosto da sua mãe. Um soluço escapou dos seus lábios e ele enxugou as lágrimas quando a porta do seu quarto foi aberta, ele olhou para cima e franziu o cenho ao ver Sirius ali.

- ela era linda - ele falou se referindo a narcisa.

- como... como conseguiram uma foto dela?

- acredito que ela nunca tenha lhe contando sobre mim - falou se sentado ao lado de Draco e olhando para o porta retrato com a foto de narcisa - ela é minha prima. Tinha algumas fotos dela em um álbum antigo que eu tinha, remus achou que você iria gostar de ter uma foto dela.

- nunca ouvir falar sobre você - ele passou o Dedo pela foto da mãe.

- eu fui expulso da família, digamos assim - Sirius, disse dando uma risadinha - você já deve saber o que aconteceu com ela.

- sim - falou e colou o retrato de volta na mesinha - eu sei que Lucios matou ela.

- eu poderia dizer que sinto muito, mas acredito que isso não vai fazer você se sentir melhor - Draco, riu. Sírius, colocou a mão no ombro dele - vou ser sincero, no começo não gostava de você por te achar um mini Lucios Malfoy, mas agora vejo que você não tem nada parecido com ele. Você tem o sorriso e a determinação de narcisa, ela ficaria orgulhosa de você - Draco deixou uma lágrima descer e deu um sorriso.

- obrigado.

- não por isso. Quando estiver melhor apareça na sala de treinamento, os outros estão lá - ele assentiu. Almofadinhas, se levantou e andou até a porta e saiu.

Os dias que se seguiram pareciam anos, eles se acordavam tomavam café e ia para a sala de treinamento. Não gostavam de adimitir, mas de todo o lugar, aquela sala era a melhor. Para onde eles olhavam sempre vinham pessoas tristes pelos familiares e amigos que morreram. Na televisão passava a todo momento pessoas sendo mortas, tom Riddle dizendo mentiras para influência o mundo, estava tudo um verdadeiro caos.

No oitavo dia que eles já estavam ali, Rony entrou na sala de treinamento para dizer a Draco que Harry já estava acordado. O loiro saiu correndo na direção da enfermaria, assim que chegou na porta e viu que Harry estava comendo, não deu tempo do moreno reagir quando o loiro se jogou em seus braços em um abraço apertado.

- ai! - quando Harry gemeu de dor, Draco fez menção de se afastar mas Harry o segurou - não, não precisa se afastar. Eu não sabia que você tava com tanta saudade.

- e quem disse que eu tô com saudades? - falou indignado e Harry riu - eu... só te abraçei, p-por que...- Harry riu mais e Draco se afastou revirando os olhos - Ah, cala a boca, Potter!

- tudo bem, Draco - ele riu e segurou a nuca do loiro o puxando até seus lábios se tocarem. Quando Harry pediu passagem com a língua, Draco não pensou duas vezes antes de seder e deixar sua boca ser explorada. As línguas em uma dança perfeita, pela primeira vez era um beijo sem envolver malícia ou apenas pelo prazer. Eles não ligaram das sensações boas que estavam passando entre seus corpos, simplesmente sentiram tudo aquilo que foi jogado para o lado desdo primeiro dia que seus lábios se tocarem.

- só para deixar claro, eu não estava com saudades - falou ofegante. Harry sorriu, os lábios inchados, avermelhados e entre abertos de Draco, estavam chamando Harry para mais um beijo. Quando ele ia juntar suas bocas novamente a porta da enfermaria foi aberta.

- se estiverem pelados, coloquem as roupas - eles ouviram a voz de Rony e olharam para o ruivo que tinha as mãos nos olhos.

- você é idiota, Rony - pansy, disse dando um tapa na nuca do amigo.

- como está, Hazz? - Hermione, perguntou se aproximando do amigo.

- estou vivo, e no momento em que estamos isso é lucro - ele falou e todos riram. Draco se acomodou melhor ao seu lado na cabeceira da cama da enfermaria - alguma novidade?

- tom Riddle, está mais forte que nunca, muitas pessoas morreram, e você é oficialmente um dos líderes da revolta - Blaise falou - assistimos a gravação onde você, literalmente, declara guerra a Riddle.

- eu só fiz um símbolo - Harry, disse dando de ombros - Colin, havia acabado de morre e foi por culpa dele.

- sinto muito pelo, Colin, ele era um ótimo garoto - Draco, falou e Harry pegou na sua mão e passou a fazer um carinho com o polegar.

- e não é só um "símbolo" - Rony, falou fazendo aspas - muitas pessoas estão fazendo esse mesmo símbolo nas ruas, nos protestos. É quase como se fosse uma forma deles dizerem que nunca vão se ajoelhar perante Riddle.

- você fez o fogo se espalhar, Harry - Draco disse e todos franziram o cenho - foi uma coisa que o Théo me disse antes de... bem, morre.

- sinto muito, sei que gostava dele - Harry, falou e Draco deu um pequeno sorriso.

- eu o amava - ele sentiu Harry ficar rigido, mas não disse nada - como um irmão - Harry, deu um pequeno sorriso e se pudesse tinha dado um suspiro aliviado.

- todos que estavam com a gente conseguiram sair da arena?

- sim, e o Neville, também - Hermione falou.

- Shacklebolt, quer falar conosco - Blaise falou.

- quem é esse? - Harry perguntou.

- ele quem trouxe todos para cá e foi quem formou o grupo de revoltantes no ministério - Hermione disse e olhou para Blaise - não vamos sem o Harry, e ele não pode ir agora.

- quem disse que eu não posso ir agora? - falou arrancando a agulha de soro do seu braço e se levantando.

- Potter, você acabou de acorda! Ainda não tá recuperado - Draco falava tentando fazer ele voltar para cama. Mas Harry já estava tirando aquela roupa de hospital e colocando uma roupa escura que estava na mesinha ao lado.

- tapem os olhos que o Harry vai ficar pelado - pansy, falou e todos cobriram os olhos, menos Draco, nada que ele já não tivesse visto.

- isso é loucura, Harry, podemos falar com ele depois - falou enquanto Potter fechava a calça.

- o mundo está sendo destruído por um psicopata, não podemos esperar mais - ele vestiu a camisa e estendeu a mão para Draco - você vem?

- É claro que eu vou - falou pegando na mão do outro - tirem as mãos dos olhos, ele já está vestido.

- ainda bem - Blaise falou - vamos logo.

Os seis saíram da sala e caminharam juntos até onde, Sirius, Remus, Tonks e Shacklebolt, estavam. Eles tinham conseguido sair da arena, mas a guerra ainda não havia acabado.

E tinham que se preparar para tudo que vinha pela frente.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...