1. Spirit Fanfics >
  2. JONERYS (crossover) >
  3. 06 - Notícias e boatos (Daenerys, Arya)

História JONERYS (crossover) - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Olá!! Voltei!

Já estou começando a ficar sem coisas pra dizer nessas notas kkk. O Auge!

Eu tava vendo uns negócios hoje, né, e vi que nem precisava numerar os capítulos kkkk, foi um pouquinho de burrice? talvez, mas acho que foi falta de atenção mesmo.
Como eu já comecei numerando, terminarei numerado. tenho um casamento de longa data com a organização e se eu mudar tudo entrarei em crise kkk

Ah, 'xô esclarecer um 'negocin antes:
(,..) = Troca de personagens, tipo, vai de um ponto de vista para outro.
... = Troca de ambientes, acho que esse nem precisava, mas ok!

Sorry por qualquer erro, tentei corrigir o máximo possível.

Capítulo 6 - 06 - Notícias e boatos (Daenerys, Arya)


Daenerys avistou ao longe o seu irmão, Rhaegar, conversando com o Lorde de Winterfell. Rhaegar estava justamente com quem ela queria conversar. Era sabido que o que ela estava prestes a fazer seria visto com mal olhos por uns e outros, mas ela estava decidida a fazer mesmo assim, pois julgava ser o certo.

Caminhou apressada na direção dos dois homens, enquanto os seus cabelos loiro-platinados eram bagunçados pelo vento. Ela já estava farta daquele frio. Drogon, Rhaegal e Viserion, planavam acima, mas se separaram da garota e partiram ao encontro de uma ave que estava sobre o teto de uma das torres.

– Com licença – disse ela, ficando à poucos metros de distância da dupla de amigos. Rhaegar mirou os seus olhos na garota e franziu o cenho. Eddard estava neutro.

– O que quer, Dany? – Rhaegar perguntou, sério.

– Desejo falar com o lorde Eddard, não é em particular, mas se retirar não é proibido – ela ainda estava furiosa com Rhaegar. O Rei de cabelos prateados apenas estufou o peito e virou-se para Ned.

– Continuamos mais tarde.

– Como desejar, majestade – Ned fez uma reverência. Após Rhaegar se afastar, Ned colocou seus olhos sobre a Targaryen e então a cumprimentou com outra reverência. – Em que posso ajudá-la, alteza?

– Suponho que já esteja sabendo do episódio de mais cedo – Daenerys falava com uma voz calma e repreensiva ao mesmo tempo.

– Sim, e me entristeço bastante. Mas jovens são assim, eles brigam.

Daenerys ergueu as sobrancelhas. Pelo visto o Lorde de Winterfell apenas sabia do que lhe contaram, mas ela iria dizer toda a verdade.

– Desculpe, milorde, mas não foi só uma briga de jovens – ela semicerrou os olhos cor de violeta e ajeitou as peles calaras ao redor do corpo.

– O que quer dizer? – Ned deu um passo à frente e ajeitou-se por entre as peles.

– Eu vi tudo, e devo dizer que se teve um culpado na história, foi o... meu futuro marido, Robb.

Ned franziu o cenho e cerrou os punhos.

– Como assim?

– Milorde, eu estava assistindo tudo, eu vi, o seu primogênito provocou Jon, ele o ofendeu e chegou até mesmo a empurrá-lo. Jon estava apenas se defendendo, e a sua esposa, se me permite, também foi errada por tomar decisões precipitadas.

– Catelyn? O que ela tem a ver com isso tudo? – Ned estava completamente confuso. Daenerys estava ficando frustrada por ele não estar por dentro da história toda.

– Milorde, a sua esposa agrediu o rapaz, e eu vi com meus próprios olhos. Ninguém me contou, eu mesma vi. Não estou na posição de pedir algo ao senhor, mas se pretendo me casar com Robb, espero ao menos que ele não seja de fato o que eu vi hoje.

Eddard suspirou de decepção, fechou olhos e murmurou algo.

– Obrigado, alteza. Tomarei sim as devidas providências, e peço para que perdoe o meu filho. Isso não vai mais se repetir, eu lhe asseguro disso. O Robb é uma boa pessoa, e saberei o porquê de tal comportamento.

– Agradeço a sua atenção, e não pense que eu sou de fazer intrigas, apenas falei o que vi, e o que eu vi foi uma injustiça.

Ned sorriu sem mostrar os dentes para a Targaryen e fez uma reverência.

– É bom ver que herdou a sinceridade de seu irmão, vejo muito dele em você... agora preciso ir e, novamente, obrigado por contar a verdade.

Ned já estava distante, quando Daenerys o chamou.

– Milorde, dê mais valor ao seu filho bastardo, ele não merece ser tratado assim.

Ned arqueou uma sobrancelha e sorriu para Daenerys, então partiu em direção ao grande salão. Daenerys sentiu-se bem por dizer a verdade. Suspirou aliviada e deu meia volta. Encolheu-se entre as peles alvas que a protegiam do frio e sorriu para o vento.

(...)

Ela viu a garota de cabelos platinados e o senhor seu pai tomarem caminhos diferentes. O que ela ouviu a fez ficar furiosa, e ela precisava encontrar Jon o mais rápido possível.

– Nymeria, vem – chamou a loba cinzenta de olhos amarelos e juntas saíram correndo pelo pátio à procura do irmão de cabelos negros.

Ela corria junto com o vento e Nymeria estava sempre estava ao seu encalço, ladrando e pulando ao seu lado. Arya odiava quando a mãe dela a enfiava naqueles vestidos, ela não podia se mover rápido, e aquela situação era de urgência.

Ela passou em frente ao local onde os homens treinavam e não avistou o irmão preferido. Olhou para o alto na intenção de encontrá-lo sentado sobre a mureta com fantasma ao seu lado, mas estava vazio. Bufou e bateu o pé no chão.

Continuou a busca nos locais que ela sabia que Jon frequentava. Ele as vezes ia na forja, o que fazia lá? Ela não sabia, mas se lembrava de tê-lo visto por lá umas 10 vezes. Continuou a sua busca pelos estábulos, olhou em todos os cantos e nem sinal do Snow de cabelos escuros. Estava começando a ficar frustrada.

– Hodor! – ela chamou o gigante que cuidava dos estábulos. Hodor virou-se e sorriu.

– Hodor! – ele disse.

– Viu o Jon por aqui? – Arya perguntou, ficando próxima do grande homem.

– Hodor – respondeu o gigante. Ele não falava nada, apenas dizia Hodor. A menor nem sabia se aquele era realmente era o nome do homem, mas se todos o chamavam assim, ela também podia chamar.

– Viu ou não? – ela voltou a perguntar.

– Hodor... – o gigante balançou a cabeça negativamente. A Stark bufou de frustração.

– Obrigada, Hodor! – ela saiu correndo.

– Hodor! – o gigante acenou e a viu desaparecer por entre as pessoas.

...

Arya corria sem olhar para o caminho e acidentalmente esbarrou em alguém.

– Ai! – ouviu a voz de Sansa e então encarou-a. – Olha por onde anda, Arya!

– Olha você por onde anda! – retrucou a menor. – Você sabe muito bem que não é pra ficar no meu caminho!

– Winterfell é enorme – começou a ruiva, jogando os cabelos para trás –, estava apenas andando e você me atropelou, devo dizer o mesmo pra você minha irmã: Não fique no meu caminho! – fitou a menor com os olhos azuis intensos.

Arya soltou ar pela boca. Ela definitivamente odiava a irmã. Mas estava necessitada de ajuda, e a irmã talvez pudesse proporcioná-la. Engoliu o orgulho e então perguntou:

– Você viu o Jon? –  Sansa arqueou uma das sobrancelhas e fez surgir um sorriso cínico por dentre aqueles lábios ao ouvir a pergunta de Arya.

– Por que eu deveria de saber onde ele está? Quem é a amiguinha dele é você, eu e ele não nos damos... – respondeu, arrebitando o nariz. Arya suspirou como um pedido de paciência, e então voltou a encarar a ruiva.

– Um simples “não sei” seria o bastante! Ah, e sinto muito, mas você e o Jon não se dão porque você é tão chata que sufoca todos ao seu redor! – mostrou a língua e continuou a correr.

Sansa bateu o pé no chão e cerrou os punhos. Ia dizer algo, mas Arya já estava distante, então apenas ajeitou as peles que ornavam o seu pescoço e continuou o seu caminho, porém os seus olhos azuis estavam sobre um certo rapaz de cabelos claros que jazia sentado na mureta acima e também a encarava com um sorriso de canto.

...

Arya havia dado a volta em toda Winterfell, e ainda nem sinal de Jon. estava praticamente desistindo de encontrar o irmão. Começou a fica nervosa e triste, pois se o que ela ouviu fosse verdade, então Jon poderia ter fugido. A ideia de ele ter ido embora sem se despedir a atormentava. Ela se sentou num canto, com Nymeria ao seu lado, passou a mão enluvada nos pelos da loba e enfiou o queixo por entre os braços.

Os seus olhos estavam marejados, sentia que ia chorar, mas o vulto branco de olhos vermelhos chamara sua atenção para o lado. Ela avistou Fantasma passar correndo. Nymeria ergueu as orelhas ao avistar o irmão peludo e então partiu ao seu encontro.

– Nymeria, espera! – Arya gritou e se levantou com um salto. Bateu a poeira do traseiro e partiu no mesmo caminho que a sua loba.

Nymeria havia sumido da sua vista. Além de procurar Jon, ela também teria que procurar a sua loba. Seu dia estava ficando cada vez melhor.

Dentre pernas e botas de pessoas, ela avistou novamente Fantasma e uma mão enfiada numa luva negra acariciando os seus pelos brancos. Nymeria logo surgiu ao lado do irmão e então Arya partiu em disparada.

A Stark abriu passagem entre algumas pessoas que traziam feno de um lado para o outro e avistou Jon. Estava ajoelhado ao lado de Fantasma e Nymeria. Fazia carinho em ambos.

– Jon! – ela gritou e o Snow mirou os olhos acinzentados na irmã. Arya correu o mais rápido que pôde e saltou sobre os braços do Snow. Fora uma coisa não repentina que Jon não estava entendendo nada.

– Ei, por que isso tudo? – perguntou Jon, com um sorriso no rosto.

– Achei que você tinha ido embora e... e nem tinha se despedido de mim... – falou, ainda agarrada ao pescoço do rapaz. Jon, que estava com os braços abertos, passou-os ao redor da irmã mais nova e apertou-a num abraço amoroso.

– Eu jamais faria isso... por que isso agora?

– É que eu ouvi algumas coisas e como eu não estava te encontrando, achei que tinha ido embora...

Ela e Jon se separaram do abraço e ela pode ver que o semblante do irmão estava deveras sério.

– O que você ouviu? – perguntou o Snow, permanecendo ajoelhado e olhando firme para a caçula.

– Eu vi a  garota platinada falando com o papai, ela disse que o Robb havia te provocado e que a mamãe tinha agredido você... isso é verdade? – Arya puxava a cabeça dos dedos das mãos e encarava o solo, era possível sentir a raiva contida na voz da garota.

Jon nada disse, apenas se levantou e Arya o seguiu com o olhar.

– Olha – Jon segurou a menor pelo ombro –, não quero que fique com raiva da senhora sua mãe e nem do Robb, foi apenas um... mal-entendido.

– Mas... isso aconteceu mesmo? – Arya olhou fixamente nos olhos do irmão. Ela saberia se ele mentisse. Jon suspirou, olhou em volta e então voltou a olhá-la nos olhos.

– Sim, isso aconteceu, mas eu estou bem, até já esqueci aquilo.

– Como assim? Isso está tudo errado! – A Stark de cabelos castanhos escuro contestou. – Jon, você não pode aceitar essas coisas, eu vou falar com o papai agora! – ela deu meia volta mas Jon a segurou pelo antebraço.

– Arya, está tudo bem, nada de mais, já passou, apenas esqueça – disse com um sorriso de canto. Ela bateu o pé no chão, em nervosismo, e então olhou para o rosto do irmão.

– O papai vai esclarecer as coisas...

– Como assim? O que exatamente você ouviu? – Jon guiou Arya até um canto onde eles poderiam conversar com tranquilidade. Os lobos se entreolharam e partiram junto com os seus donos.

...

–... então o papai foi para um lado e ela foi pra outro. Foi então eu fui te procurar.

Jon estava ouvindo a história da irmã com atenção, ele nem piscava de tão atento.

– Ela não devia ter feito isso... – Jon murmurou. Arya o olhou com curiosidade.

– Claro que devia! – Arya o contestou. – Jon, ela disse a verdade, e nosso pai sempre nos ensinou que devemos sempre falar a verdade. Ela estava certa. Eu teria feito o mesmo.

– Arya, você não entende. Seja lá o que o Robb tenha contra mim, pode estar relacionado à garota Targaryen, e se o papai fazer o que eu estou achando, isso só fará o ódio dele aumentar.

Como assim “Relacionado à garota Targaryen”? Arya estava ficando cada vez mais perdida, aquela história só fazia a sua cabeça se confundir ainda mais. Alguma coisa estava acontecendo e ela não estava por dentro.

– O que o Robb tem contra você, e qual a relação entre a princesa? – Arya fitou o irmão e pode ver a expressão de nervoso em seu rosto.

– Eu... não sei – Jon deu um sorriso disfarçado e se ergueu.

– Como assim “Não sabe”? Foi você mesmo que disse isso – Arya se levantou e encarou o irmão mais velho. – Tem algo que eu não estou sabendo?

– Não! Arya, não tem nenhum motivo para o Robb sentir raiva, mas acho que ele sente... ciúmes.

– Porque ele sente ciúmes? Já aconteceu alguma coisa pra ele desconfiar? Jon, me diga agora! – Arya podia ser bem persuasiva quando queria. Jon havia entrado num beco sem saída.

O Snow passou a mão na nuca e olhou nos olhos cinzentos da irmã.

– Arya, eu juro que nunca dei nenhum motivo para tal, mas está tudo bem, ok? Sentir ciúmes é normal, e isso pode levar as pessoas a fazerem loucuras.

A menor não pareceu engolir a desculpa do irmão, mas estava a fim de acabar logo com aquela conversa.

– Ok... acredito em você... – Jon sorriu ao ouvir isso da irmã, agachou ao seu lado e abriu os braços. Um sorriso surgiu entre os lábios de Arya e ela foi com tudo ao encontro do irmão. Ambos se abraçaram e riram. – Nunca se vá... – disse a garota ao ouvido do irmão.

O sorriso de Jon morreu, ele ficou paralisado, não sabia como dizer a irmã que a ideia de ele ir embora ainda não havia sido completamente descartada, mas para tranquilizá-la, ele mentiu:

– Tudo bem... eu ficarei por você... – Arya abriu um sorriso ao ouvir aquilo e então se separou do abraço.

– Devo ir agora – olhou para todos os lados. – A Septã deve star me procurando, eu havia acabado de fugir quando ouvi a conversa.

– Você é terrível! – Jon sorriu e se despediu da irmã favorita. Arya partiu em disparada e Nymeria a acompanhou, deixando o Snow sozinho com Fantasma.


Notas Finais


E é isso... Ainda estou um pouco perdida para com o rumo dessa história. Quero muito que ela ande, mas eu e ela estamos em pé de guerra kkk, eu tento prendê-la mas a 'bixa é mais difícil de segurar que uma salamandra.

Ah, e provavelmente ficarei um tempo maior sem atualizá-la, uma benção pra uns e tristeza para outros, but is the life.

Um 'xêro! kkk :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...