1. Spirit Fanfics >
  2. Jongho's First Kiss >
  3. Que tal um beijinho para desestressar?

História Jongho's First Kiss - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


O milagre acontecendo...
2 fics em uma semana? Morri e fui substituida.

Dessa vez a história é mais curtinha, só aquele gostinho doce na boca.

Eu to num pique escrevendo, acho até que vou aproveitar pra tirar algumas fics do papel.
Aguardem...

Capítulo 1 - Que tal um beijinho para desestressar?


Não era muito comum fazerem uma “noite de garotos” numa quinta-feira.

Não fazia muito sentido virar a noite assistindo filmes ou jogando vídeo game, quando no dia seguinte eles iriam ter aula logo cedo.

Mas levando em conta que os garotos estavam reunidos na casa de Jongho, alguma hora o garoto os colocaria para fora.

Apesar de San, que estava sentado na cadeira da mesinha do computador, e Wooyoung, que estava esparramado na cama, serem seus melhores amigos, Jongho sempre dizia: - Eu só tolero o Wooyoung e o San é o nosso  bichinho de estimação.

O jeito que ele repudiava as relações humanas era diferente, sabe?

Mas dentro daquele coração cheio de ódio havia muito amor; Amor que era para San e Wooyoung também, eles sabiam. Jongho só não sabia demonstrar.

Se estavam naquele quarto cheio de posters - e com cheiro de meia suja, vale ressaltar - era porque o senhor “sou auto suficiente e não preciso de vocês para nada” finalmente havia admitido que precisava deles sim.

Ele enviou uma mensagem para os garotos que dizia:

“Acho que descobri algo em que vocês possam me ser úteis”

E isso acompanhado de uma convocação para estarem em sua casa naquele mesmo dia à noite.

Porém, desde que chegaram ali, Jongho estava mais quieto que o normal. 

Ele era quieto sempre, mas naquele dia estava ultrapassando as barreiras de silêncio do próprio Jongho.

Ele não havia tocado no assunto do porque estávamos lá, nem mesmo pareceu demonstrar que ia falar em momento algum.

Mas ele estava nervoso. Torcia os dedos e passava a mão no rosto sem parar.

San havia reparado, mas Wooyoung não. Wooyoung nunca reparava nada.

Eles estavam assistindo Eurotrip pela milésima vez desde que o filme havia entrado no catálogo da Netflix.

Na televisão passava a cena em que os personagens, que estavam perdidos na Bratislava, se embebedavam com Absinto e começavam a fazer loucuras.

Jongho deixou seu nervosismo falar mais alto e pausou o filme, fazendo com que os outros dois que estavam no quarto dessem  atenção a ele.

- Então… 

Ele respirou fundo. Estava pensando se dava continuidade àquela conversa ou apenas fingia que nada estava acontecendo.

- Vocês devem estar pensando o porquê de eu ter os reunido aqui hoje.

Wooyoung soltou o ar de uma vez, dando a maior bufada da história das bufadas.

- Você tinha mesmo que parar o filme agora? - ele disse indignado - O Copper estava prestes a fazer a piada dos fatos engraçados sobre a Bratislava!

San revirou os olhos sem acreditar que Wooyoung estava interrompendo Jongho, logo quando ele estava se abrindo, bateu no garoto com o travesseiro usando toda a sua força.

O golpe foi brutal e também fofo.

- A gente já assistiu esse filme mil vezes! - disse San repreendendo Wooyoung - Não tá vendo que o Jongho tem algo importante a falar?

- Tem mesmo? - perguntou Wooyoung com uma cara tão interrogativa que chegava a ser cômica.

Wooyoung definitivamente não reparava em nada.

- Então - Jongho voltou a falar - Eu me declarei para a Joohyun.

O garoto começou a respirar tão rápido, que parecia que a qualquer momento iria desmaiar por hiperventilação.

- Você é afim da Joohyun? - Wooyoung perguntou mais perdido que o tempo das pessoas que compartilham correntes no WhatsApp.

Sério, esse garoto era tão lerdo que se ele apostasse corrida com ele mesmo, era capaz de chegar em segundo lugar.

- Sério? - perguntou San empolgado com a informação - Você chamou ela para sair? Ela fez qual cara quando você se declarou? - Fez uma cara engraçada de nojo - Essa? - Fez uma cara de felicidade excessiva, um sorriso de doer a bochecha - Essa? - Fez uma cara maliciosa com um sorriso de lado e sobrancelhas que levantavam em sincronia - Ou essa?

Jongho já estava arrependido de dividir aquilo com os amigos, mas já tinha começado, não iria amarelar.

- Ela fez cara de quem aceitou sair comigo - Ele respondeu.

- Isso é ótimo! - disse Wooyoung todo feliz e animado pelo amigo - Quando vai ser o encontro?

- Amanhã - Jongho disse e suspirou um pouquinho antes de continuar a falar - E é por isso que chamei vocês aqui.

San e Wooyoung ficaram confusos.

- Mas vocês já se declarou pra ela, certo? - Perguntou San, vendo o amigo concordar - O mais difícil você já fez, não entendo no que mais podemos te ajudar.

Jongho virou de costas, andou até a parede e deu um soquinho leve ali.

- Eu... - começou ainda de costas  - Eu... - respirou fundo e virou para os amigos, revelando o rosto todo vermelho de vergonha - Eu nunca beijei ninguém.

San e Wooyoung soltaram o ar que eles nem lembravam que tinham prendido por conta do nervosismo da situação.

- Ah, agora faz sentido você ser tão mal humorado - disse Wooyoung fazendo piada para quebrar o clima de tensão.

San tentou impedir um risinho, mas falhou. Ele sabia que Jongho estava envergonhado, mas San havia pensado exatamente a mesma coisa que Wooyoung.

- Então, você quer que um de nós te beije para quando beijar a Joohyun já saber o que fazer? - perguntou San um pouco incrédulo.

- Tudo bem, já que insiste, eu faço isso pela nossa amizade - disse Wooyoung já se aproximando de Jongho.

Antes que chegasse perto, San o puxou pela parte de trás da camisa e quando já estavam em uma distância segura do outro amigo, deu um tapa em sua nuca.

- Não, seu idiota! - disse Jongho ativando o modo carinhoso e usando palavras fofas para se referir a Wooyoung.

San, que ainda segurava a camisa de  Wooyoung, inclinou a cabeça para o lado com a testa franzida.

- Então, no que podemos te ajudar? - perguntou.

- Eu vejo vocês nas festas - começou Jongho - Vocês sempre passam o rodo - acusou - Deve ter alguma coisa que explique a quantidade de gente que vocês beijam, até porque vocês são feios demais para o motivo ser beleza.

- Ei! Você pode até dizer que o San é feio, mas olha para esse rostinho - disse Wooyoung apontando para si mesmo ofendido - Ninguém diz não a esse rostinho.

San soltou uma gaitada com a constatação de Wooyoung. Ninguém naquele quarto era feio.

- Ainda não consegui entender o seu ponto, Jongho - disse San, esperando que o amigo parasse de enrolar e chegasse direto ao ponto.

- Eu quero que vocês me expliquem como se beija - disse Jongho como se fosse a coisa mais óbvia e fácil do mundo.

Wooyoung abriu a boca em surpresa e San apenas acenou com a cabeça.

- Mas explicar é impos—

- Senta aí que a gente explica - disse San sem deixar Wooyoung terminar.

Jongho sentou de frente para seus professores, que sentaram lado a lado.

- Para começo - disse San concentrado na aula - Beijar não é uma ciência exata - começou o macho palestrinha a falar - Não existe uma regra certa para o beijo - olhou pro lado e viu que Wooyoung também prestava atenção em seus ensinamentos - Não concorda, Wooyoung?

Viu o garoto dar um pulinho de susto, tirando ele do transe.

- Na verdade sim - disse Wooyoung - Podemos te dar dicas do que não fazer quando for beijar alguém - ele olhou para San buscando aprovação - Mas o que você faz num beijo, só o sentimento do momento vai dizer.

- Quais seriam essas dicas? - Jongho perguntou e por um minuto Wooyoung achou que ele fosse pegar um caderninho pra anotar tudo.

- Controla essa baba, garoto - disse Wooyoung brincando - Sério, terminar o beijo parecendo que foi lambido por um buldogue animado, é traumático demais.

San riu disso e Jongho fez uma careta de nojo.

- Tenta evitar bater os dentes - começou San - de vez em quando, no alvoroço, eles se batem e não é uma experiência legal - Jongho continuou com a cara de nojo, mas agora estava mais concentrado - Quando o beijo é rápido e sedento, fica quase inevitável evitar isso - Jongho estava com a atenção presa nos garotos a sua frente - Com isso eu já digo que beijar devagar é muito melhor.

Wooyoung concordou erguendo os polegares, fazendo um “joinha” com as mãos. 

Jongho apenas balançou a cabeça, indicando que é entendeu.

- Evite o efeito liquidificador - Wooyoung disse sério, mas os outros garotos não entenderam - Não fique girando sua língua aleatoriamente dentro da boca da pessoa. Você tá acariciando a outra língua com a sua e não fazendo um suco - San concordou com ele - Só segue o fluxo.

- Esse nervosismo de primeiro beijo nunca vai ser perdido - disse San, entendido do assunto - A cada pessoa nova é um jeito novo de beijar, uma surpresa a cada toque de lábios.

- O mais importante que você precisa aprender agora é - Wooyoung fez um leve suspense - Não existe beijar bem ou beijar mal - Agora San e Jongho encaravam ele esperando o desfecho daquela constatação - Só existem beijos que combinam ou que não combinam - disse Wooyoung dando de ombros - Às vezes você vai beijar pessoas só por beijar e pode ser legal ou não ser, e isso não significa que a pessoa beija mal, só que não houve química - continuou sua filosofia - Mas quando bate a química... - Wooyoung olhou para o lado para ver se San concordava e encontrou o sua expressão  admirada - Esse sim vai ser o melhor beijo.

Wooyoung disse baixo a última frase e ainda olhava para San, que o encarava. Jongho parecia não existir mais no quarto, pelo menos até se pronunciar.

- Como eu sei quando existe química? - perguntou Jongho.

Wooyoung, que tinha se virado para olha pra Jongho, sentiu um toque em seu queixo o fazendo se virar para San.

O garoto estava muito próximo do outro e agora olhava bem fundo em seus olhos.

Então os lábios se tocaram.

Wooyoung fechou os olhos com a sensação dos lábios macios em contato com os seus.

Com uma lambida de leve no lábio inferior do outro, San aprofundou o beijo levando o beijo para outro patamar.

A mão de San, que antes estava no queixo de Wooyoung, agora passou a acariciar sua nuca durante o beijo.

As línguas se acariciavam com a  calma de quem poderia passar o dia todo naquele beijo.

As mãos de Wooyoung pararam no rosto de San, tentando impedir que ele se afastasse.

Estavam naquela de curtir um ao outro durante o beijo, os gostos se misturando e carícias leves onde as mãos estavam pousadas.

Mas uma hora teria fim.

San separou o beijo com uma mordida leve no lábio inferior de Wooyoung.

Recobrando o fôlego aos poucos, os garotos olharam para Jongho, nem lembravam mais do amigo.

O garoto estava de boca aberta em choque. San estalou os dedos na frente do rosto dele.

- Tá bom. Entendi - disse Jongho meio atordoado - Tinha tanta química na minha frente que parecia até a aula do professor Kim, cheio de hidrocarboneto no quadro.

Os garotos riram da piada ruim do amigo. Wooyoung deu um empurrão leve de ombro com ombro em San.

- Não sabia que o baixinho era piadista - disse Wooyoung querendo mudar de assunto - Você sabia San?

- Eu mesmo que não.

- EU SOU MAIS ALTO QUE VOCÊS! - disse Jongho voltando a ser invocado como sempre.

O garoto levantou e deu um tapa na cabeça dos outros ao mesmo tempo. Eles continuaram rindo. Aquele ditado: perdemos o amigo mas não perdemos a piada.

- Se você não tem mais dúvidas, Jongho - começou Wooyoung - Podemos voltar ao filme?

- Nossa, você realmente gosta desse filme, né? - perguntou San.

- Mi scusi - Wooyoung disse a fala do filme e mexeu rápido em seu celular.

O aparelho começou a tocar “Scotty Doesn’t Know”, música da trilha sonora do filme.

- Meu Deus Wooyoung! - disse Jongho - Tudo bem, podemos voltar a assistir.


 

***





 

Não foi surpreendente quando, com o fim do filme, Jongho os expulsou de casa.

Eles andavam juntos pela calçada. Ainda era cedo, umas nove da noite mais ou menos.

As casas dos garotos ficavam numa transversal da rua de Jongho, sendo a casa de San no começo da rua e a de Wooyoung no final.

- Você quer apostar se o Jongho vai melhorar o humor dele depois que beijar a Joohyun? - perguntou Wooyoung quebrando o silêncio.

- Pode crer que sim - disse San - Nada vai mudar o humor dele, nem mesmo uns beijinhos.

- Eu não acreditaria tanto nisso - disse Wooyoung presunçoso - Eu já beijei a Joohyun e posso garantir que aquele beijo é capaz de amolecer o coração do senhor amargurado.

San ficou em choque com a informação, mas aproveitou pra tirar uma brincadeirinha.

- Ela beija tão bem quanto eu? - disse com um sorrisinho de lado, provocador.

Wooyoung ficou morto de vergonha. Seu rosto atingiu tons inimagináveis de vermelho.

- Você nem beija tão bem assim - desdenhou Wooyoung.

- Não foi isso que eu senti - disse San ainda com o sorrisinho no rosto - Você estava todo mole e entregue.

Wooyoung desmontou.

Falou várias coisas que nem San e nem o próprio Wooyoung entenderam. Desistiu de se explicar.

- Não muda de assunto, San! - disse Wooyoung tentando mudar o foco do assunto beijo  - O que vamos apostar?

- Por mim, o que perder vai ter que fazer qualquer coisa que o outro escolher - disse dando de ombros.

- Qualquer coisa? - perguntou Wooyoung malicioso.

Malicioso não. Wooyoung Era o próprio mal.

Mas aquilo não enganava San.

- Eu não vou comprar um lava jato da Hot Wheels para você - disse San cortando as asinhas do outro, que murchou.

- Droga.

Os garotos chegaram no ponto da rua em que eles teriam que se separar.

- Então é isso, aposta feita - disse Wooyoung.

Os garotos apertaram as mãos para selar o acordo, mas não queriam soltar mais.

- Boa noite, Wooyoung - disse San ainda com a mão junta a de Wooyoung.

- Boa noite, San, até amanhã.

Soltaram as mãos e começaram a seguir os seus caminhos.

A mão de Wooyoung agora sentindo um súbito vento frio ao ser abandonada.

O contato entre ele era tão confortável, que mesmo com tão pouco o corpo relaxava.

Aquele aperto de mãos não havia sido suficiente.

Wooyoung virou na direção que San tinha seguido e percebeu que apesar de ele estar andando, a velocidade era muito baixa.

- San! - chamou, fazendo-o parar e virar-se para ele.

Wooyoung correu em sua direção, juntou os braços atrás do pescoço do outro em um abraço e grudou os lábios.

Era um beijo simples. Lábios com lábios, sem aprofundar.

Quando se separaram, San sorria. O coração de ambos martelando em seus peitos.

- Agora sim, boa noite - disse Wooyoung com um sorriso de orelha a orelha, que foi admirado pelos olhos brilhantes do outro.

Se desprendeu do pescoço de San e seguiu seu caminho.

Agora sim a noite deles estava completa.

Wooyoung achava que San havia estragado o beijo das outras pessoas para ele. Já San tinha certeza que Wooyoung tinha feito isso com ele.

 

 

 






 

 

O que o futuro guarda para eles? 

Uns beijinhos com toda certeza.

 

 

 


Notas Finais


Poxa, eu amo um casal.

Galera todo dia eu durmo pensando nas minhas fanfic antigas. Todo dia eu penso em excluir.
Ontem eu tive a ideia de reescreve-las, entonces, novas velhas fics vem ai ein


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...