História Jovanna - Pra sempre com você - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cúmplices de um Resgate, Giovanna Chaves, João Guilherme Ávila, Larissa Manoela
Personagens Benjamin, Chloé, Giovanna Chaves, Isabela Junqueira, João Guilherme Ávila, Joaquim Vaz, Julia Vaz, Larissa Manoela, Lucas Moura, Manuela Agnes, Omar Ferraz, Priscila Meneses, Sabrina
Tags Cumplices De Um Resgate, Giihlari, Giovanna Chaves, João Guilherme, Jolari, Jovanna, Larissa Manoela, Mhalari, Mharessa Fernanda, Romance
Visualizações 273
Palavras 1.149
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Vooooltei!!!
Essa parte do capítulo tá bem fofis 💙

O começo da narração do João foi inspirado na música Raspão de Henrique e Juliano. Aliás, amo essa música!!

Capítulo 22 - Jogo perigoso (parte II)


— Ok corajosa, desafio você ficar 20 minutos presa no banheiro com o João, sem celular nem nada.

— Ai senhor só vocês duas mesmo. Mas ele tem que concordar com isso primeiro. – automaticamente todas olhamos para ele

Pra mim tudo bem – disse dando de ombros.

— Então podem ir – disse Lê. 

Entramos no banheiro e eu me sentei no vaso olhando pro teto. João sentou no chão e ficou olhando pra parede. As meninas trancaram a porta por fora.

— Divirtam-se – falaram juntas e deram risada.

— Mereço… – suspirei — Só quero saber o que a gente vai ficar fazendo aqui por vinte minutos…

— Digo o mesmo – falou e um silêncio constrangedor pairou no ambiente.

— E ainda temos que ficar aqui nesse banheiro quente. Era só o que me faltava. – falei para quebrar o gelo.

— Verdade – concordou — Vamos jogar um jogo de perguntas e respostas?

— Outro? – perguntei desanimada.

— Sim, mas esse não vai ter desafios nem nada. São só perguntas que temos curiosidade de saber a resposta.

— Tá bom. Começa você. – aceitei a proposta.

— O que te impede de ficar comigo? – pensei que ele iria demorar mais para perguntar isso. Doce ilusão.

— Eu não quero ser só mais uma. – respondi naturalmente

— Bom argumento, mas não sou tão mau. – fez um bico – Sua vez.

— Qual a graça de ficar com várias? – tentei fazer uma pergunta no nível da dele.

— Sei lá, só é bom. Quero aproveitar enquanto estou solteiro, vai que numa dessas eu acho uma pessoa que eu goste de verdade… É como dizem: “enquanto não acho a certa, me divirto com as erradas”

— Mas e se a pessoa certa estiver próxima? – perguntei com uma coragem que nem sabia que tinha.

— Se ela estiver próxima nós vamos nos entender. – estranhamente ele não pareceu estar constrangido. — Agora é minha vez. – tutorial de como mudar de assunto com João Guilherme. — Por que você não se dá bem com a Larissa e com a Mharessa?

— Ah, o nosso santo não bate, simplesmente. – dei de ombros

— Mas antes vocês eram próximas… – jogou no ar.

— Com o tempo as pessoas mudam, você sabe bem sobre isso – ele ficou calado por um tempo

— Sua vez, agora. – disse, talvez por não ter o que falar.

— Você se lembra daquele dia, há uns dois anos atrás, quando eu fui na sua casa e nós tivemos aquela conversa? – isso não foi bem uma pergunta, foi uma jogada estratégica.

— Não teria como esquecer – falou, apenas.

— Não foi bem o que pareceu… – mesmo que eu tenha ficado impactada com sua resposta, não deixaria isso transparecer, não mesmo.

— Agora a última pergunta. Você prefere dez ficadas ou um namoro pra vida toda? – estou louca ou ele está jogando o mesmo jogo que eu?

— Apesar de gostar de eu mesma fazer minha felicidade, eu planejo me casar e tudo. Então eu prefiro a segunda opção. – ele fez uma cara meio estranha, mas não pareceu muito impressionado — O que, você não acha que eu posso ser romântica?

— Eu nem disse nada. Não duvido que seja romântica, apenas nunca vi esse seu lado.

É impressão minha ou ele caiu seu olhar dos meus olhos para minha boca? Socorro!

Ele pigarreou.

— Será que ainda não deu o tempo da gente sair daqui não? – perguntou mais para si mesmo que para mim.

— Acho que não, ou elas teriam vindo nos ‘libertar’ – assentiu.

Levantei-me para esticar um pouco as pernas e fiquei de costas para ele. Me assustei quando senti suas mãos em meu cabelo. Não falei nada, apenas sorri e me virei para ele.

— Ficou bonito assim. – se referiu ao meu cabelo. — Não que eu achasse feio antes...

— Eu também acho. Gostei de mudar. – sorri

— Destacou seus olhos. Ficaram mais azuis – falou, afastando a franja

— É... muita gente falou isso. – dei risada — Lembrei de uma coisa, quando a gente se conheceu, você comentou sobre meus olhos, disse que eles tinham um brilho diferente – falei sorrindo ao me lembrar.

— Também lembrei disso. E tenho a mesma opinião de antes. – falou passando a mão no cabelo e sorrindo de lado. Ele estava com vergonha, só não sei porque. — Quanta nostalgia em um só dia…

— Sim. Sinto saudade de certos momentos as vezes. – vacilei o olhar dos seus olhos para sua boca.

— Eu sinto saudade da nossa proximidade sempre. – fez o mesmo que eu.

Por um momento lembrei do dia que fui em sua casa e ele me beijou. Senti vontade, naquela hora, de sentir ele tão próximo novamente. Ele tinha um cheiro tão bom. E sua mão em meu cabelo fazia um carinho confortante. 


João Guilherme

Ela estava tão linda. Lembrei do primeiro dia em que nos vimos, e ela continua do mesmo jeitinho. Não exatamente, é claro, ela ficou mais bonita, mas a essência é a mesma. A mudança no cabelo foi bem radical, ficou bem diferente mas, a profundidade dos seus olhos e o charme no sorriso continuam os mesmos. 

Meu coração disparou quando senti que, mesmo com minha cabeça dizendo não, eu estava lentamente me aproximando. Ela fechou os olhos e soltou um longo suspiro, acho que esperava e queria tanto quanto eu, mas eu não pude. Não ainda. Não queria dar esse gostinho para as meninas e acho que ela também não. Elas queriam exatamente que isso acontecesse, sinto muito decepcioná-las mas, o que for acontecer entre nós será naturalmente, e não porque fomos trancados em um banheiro.

Pensando nisso, dei apenas um beijo no canto de sua boca e um abraço, que ela retribuiu depois de alguns segundos.

— Não queria dar esse gostinho à elas. Mas saiba que tenho uma dívida com você! – ela soltou um riso abafado e... aliviado?

— Nossa, me assustei. Pensei que não queria. – sua voz saiu abafada, pois ela estava contra meu peito.

— Nunca! Acho que deu pra perceber que eu queria, mas tem que ser naturalmente, e não porque fomos presos.

— Concordo.

Dei um beijo demorado na sua testa e, assim que ouvi um barulho do lado de fora, sentei-me no chão e chamei Giovanna para sentar-se ao meu lado, com a cabeça no meu colo para fingir que dormimos.

— Ah… eles dormiram. Esse não era o plano – reclamou Graciely.

— Pelo menos tá fofo, vai. – comentou Lê sussurrando.

— Sim. Tira uma foto. – sugeriu Graciely. Deixei elas tirarem pois queria ter isso guardado depois.

— Pronto. Vamos embora, deixa eles aí mais um pouco

— É. Se eles não tentaram sair até agora, é porque estava bom. A porta ficou aberta e eles nem desconfiaram... – Graci riu baixo.

Elas saíram e enfim pude abrir os olhos.

— Não acredito nisso – falamos juntos.

— Elas estão ferradas – Giovanna disse fingindo estar brava.

— Ah, mas pelo menos foi bom, né? – levantei

— E como! – falou enquanto a ajudava a se levantar também.

— Beijo loira, vou embora já. – dei um beijo casto em sua bochecha.

— Beijo. Até outro dia. – retribuiu o beijo — Ah, e eu já até me acostumei a ser chamada de loira mesmo sendo morena agora. – sorrimos.



Notas Finais


Se tudo der certo, o próximo capítulo sai a partir do dia 09/12

Tá acabaaando...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...