1. Spirit Fanfics >
  2. Just a chance( sendo revisada) >
  3. Capítulo II - Aeroporto

História Just a chance( sendo revisada) - Capítulo 2


Escrita por: e AnaLu_Stark


Notas do Autor


Vou nem dar desculpas, posto e fico quieta.
Fiquem com o cap <3
P.S: História não revisada pois agr é noite e tenho preguiça.

Capítulo 2 - Capítulo II - Aeroporto


   — Senhorita — o vejo estender uma das mãos na minha direção —, está na hora.

   Não conseguia ver seu rosto direito, por causa da máscara preta que cobria seus olhos, e da escuridão que se encontrava o local que eu estava sentada.

   Pego sua mão, e, ele começa a me arrastar para alguma direção daquele enorme salão, ficando de costas para mim. Até aquele momento não tinha conseguido o associar aquelas caracteristicas a alguém conhecido por mim, mas assim que chegamos no meio do salão, quando ele se vira para mim, em uma posição de valsa, com os holofotes direcionados a nós, como se fôssemos o que estava faltando, consegui, finalmente, reconhecer a cabeleira rosada, que lembrava algodão-doce, e o lindo sorriso, que um dia ja fui tão apaixonada.

   — Senhorita, por favor levante-se, precisamos redirecionar a aeronave — ouço uma voz falando ao fundo.

   Ainda meio atordoada pelo sonho, e pelo fato de ter acabado de acordar, começo a olhar na direção da voz. E a dona era uma jovem vestida de aeromoça, com esse fato finalmente lembro que me encontro no avião.

   — Oh, que bom que acordou, perdão se fui incomoda, mas é que precisamos redirecionar a aeronave, e com a senhorita ainda dormindo, não podíamos fazer isso.

  — Não tudo bem, eu que peço perdão pelo transtorno que causei.

   Levanto do me acento e vou ao bagageiro do mesmo, pegando minha mala de mão. Me curvo em direção a aeromoça em sinal de respeito, que repete o ato.

   Já fora do avião, vou indo em direção ao portão de desembarque, no processo abro minha bolsa e pego meu telefone para ligar para Laxus.

   — Laxus-Nii, onde você 'tá?

   "Em casa, você está chegando?"

   — Eu já cheguei na verdade, você poderia vir me buscar? O aeroporto tá cheio e eu não quero ficar aqui.

   Ouço um suspiro ao fundo. "Jeito não tem." Murmura baixo na intenção de ninguém escutar e ri sarcástico. Escuto agora uma puxada de ar forte, como se quisesse ter paciência. "Não me apresse, não me ligou antes por quê não quis, quando eu estiver perto, eu ligo 'pra você me esperar na entrado do aeroporto.

   — Por favor Nii-San adian-. — Não consegui completar a frase, pois a ligação foi encerrada antes disso.

   Dou uma bufada de irritação, e caminho em direção ao local para pegar minhas malas.

/-/

   Eu rodei aquele aeroporto de cima a baixo mas não achei o desembarque de bagagens merda se eu não achar o Laxus vai me comer viva. Falando no diabo.

   Reviro os olhos ao ver seu nome brilhando na tela do meu aparelho celular. Atendo a ligação

   "Daqui a 5 minutos você sai, eu já vou ter chegado, aí."

   — Mas eu ainda nao ache-. — Sou interrompida novamente com o som de ligação encerrada.

   Viado, corno, satanás, filho da put-. Tomo consciência do que eu ia falar e dou 3 tapinhas nos meus lábios, para repreender minha fala. Se dona Layla soubesse como eu iria me referir a ela, eu iria receber bem mais do quê 3 tapinhas.

   Continuando minha jornada em busca das minhas malas, neste momento estou seguindo em direção ao local que a moça do guichê de informações, que por sinal não estava nem um pouco interessada em me ajudar, me disse que ficava entre, o portão 5 e 6.

   Ao chegar lá encontro algumas pessoas indo de um lado para o outro, parecia uma obra ou reforma, não sei, algo desse gênero. Me aproximo de um homem que aparentava ter seus 40 e poucos anos.

   — Boa tarde — curvo-me para ele em sinal de respeito —, o senhor por acaso sabe me informar se aqui é o desembarque de bagagem do portão 6? — Pergunto gentilmente.

   — Oh, a senhorita já é a quinta pessoa a me perguntar isso. — Ele coça a nuca um pouco nervoso e envergonhado, dando uma risadinha sem graça. — Para dizer a verdade era aqui sim, mas como a senhorita pode ver — ele aponta para toda aérea —, estamos em reforma, eu não sei onde se encontra o local provisório, então infelizmente não posso lhe ajudar.

   — Obrigada de qualquer forma. — Abro um sorriso gentil para ele. — Mas o senhor sabe de alguém que possa me dizer o lugar certo?

   — Hmm.. — Ele olha pelo local procurando algo ou alguém. — Ah. Aquele homem ali. — Ele aponta para um homem vestido com roupas sociais, um segurança, parado perto dos banheiros. — Uma das pessoas que me fez a mesma pergunta que você, foi até ele, aparentemente ele soube dizer corretamente o novo lugar.

   — Obrigada mais uma vez. — Me curvo novamente. — Desculpe-me qualquer incômodo.

   — Ah, não foi nada. — Ele coça a nuca mais uma vez e da outra risada de nervoso/envergonhado.

   Eu saio de perto do senhor, que eu não sabia nem o nome, dando tchauzinho enquanto ele balançou a cabeça, levemente, em confirmação e voltou ao trabalho. Continuei me aproximando do segurança, para finalmente tirar minha duvida.

   — Senhor, boa tarde — falo me aproximando do homem. — Poderia me informar onde fica o local de desembarque de bagagem do portão 6, eu estou procurando faz um tempo e ninguém soube me informar, e aparentemente ninguém quer trabalhar hoje. — Resmungo a última parte, de forma baixa para que apenas eu escute.

   — Desculpe o transtorno senhorita, alguns dos funcionários saíram e os novatos ainda não receberam as atualizações certa já que nossa reforma é recente. E o novo local digamos que é de difícil acesso, tecnicamente, deveria ter alguém auxiliando no desembarque de passageiros, e na recuperação de bagagens do portão 5 e 6, perdão mais uma vez pelo transtorno.

   — Não se preocupe senhor, sei que a culpa não foi sua.

   — O novo local é onde você..- — O senhor é interrompido pelo toque do me aparelho celular.

   — Um instante senhor. — Depois do quarto toque, eu finalmente retiro o aparelho de minha bolsa, e rapidamente atendo a ligação, sem visualizar na tela que me ligava, mesmo tendo quase certeza que era meu irmão.

   "Cadê você idiota, eu 'tô esperando faz uns 10 minutos, não era para eu te esperar era você que tinha que me esperar"

   Me afasto um pouco do homem que antes falava e respondo o Laxus.

   — Laxus-nii, eu estava pegando minha bagagem, por isso me atrasei, por favor me de 10 minutos e já te encontro.

   "Tsc, não tenho todo tempo do mundo, voltarei 'pro trabalho, e você,  você vai sozinha."

   — Nii-san, não vou saber voltar sozinha, 10 minutos é o eu te peço.— Não sei qual foi sua resposta, pois ele desligou antes de dá-la.

   Tento ligar para ele novamente mais só caia na caixa. Despois de ligar 5 vezes, desisti de tentar falar com o laxus e fui falar com o senhor, que de bom grado, me explicou onde estaria minha mala, e como faria para pegar. 

   Ficava do lado de fora do aeroporto, mais ao fundo, longe do local de pouso dos aviões. Fui com passos apressados chegando lá rapidamente, apresentei minha passagem aérea, e o responsável logo devolveu minha mala, fui arrastando ela até a frente do aeroporto. A o chegar lá tirei meu celular da minha bolsa, e tentei ligar mais uma vez ao meu irmão.

   "Alô." Escutei sua voz irritadiça sair do me aparelho. 

   — Você ao menos pode me dar o endereço de casa, para eu poder pegar um taxi?

   "Para que você vai pegar taxi?"

   — Para voltar, já que meu irmão não pode esperar 10 minutos — falei em tom áspero.

   "Eu 'tô no estacionamento C, vaga 54, te dou 5 minutos para você achar, se não chegar a tempo eu vou arrastar o carro e te mando o endereço por mensagem.

   Mais uma vez ele não esperou eu responder o e desligou o telefone, infelizmente já tinha me acostumado com esse tratamento grosso do meu irmão, mas parece que agora piorou, e muito. Enquanto pensava eu ia correndo ao local indicado pelo meu irmão.

/_/ 

   Felizmente conseguir chegar lá em exatamente 5, para falar a verdade quando cheguei eleja estava saindo da vaga, mas me deixou entrar.

   Ao sentar no carro consegui, sentir seu olhar de ódio pelo retrovisor, mais fingir não ver. Ele estava certo, ele sempre foi muito ocupado, já que seria o sucessor de meu pai, e estava, mais uma vez o atrapalhando. — Suspirei. Coloquei meus fones e me perdi em pensamentos.


Notas Finais


Eae gostaram?
Laxus chato né? Eu que não queria ter ele como irmão.
Espero que tenham gostado. Alias vou parar de fazer falsas promessas tentarei postar o próximo esse mês. Bjs na bunda Bye


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...