História "Just friends" - Imagine Park Jimin - Capítulo 45


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Amizade, Amor, Imagine, Intrigas, Muita Emoção, Músicas, Ódio, Park Jimin, Pesadelos, Reviravoltas, Romance, Um Amor Não Correspondido
Visualizações 192
Palavras 1.022
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Survival, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OIIIIII AMORES MEUS.💕
Desculpem-me a demora, estava tentando achar um final talvez... Bom?! 😞 hehe
Espero que gostem, pois é, esse é o último capítulo meus pãezinhos 😭. Mas tenho certeza que verei vocês por aí 💕
Teremos um "capítulo" único para despedidas.
Boa leitura ❤ e não me matem. Bj 💕

Capítulo 45 - Apenas siga este som..


Fanfic / Fanfiction "Just friends" - Imagine Park Jimin - Capítulo 45 - Apenas siga este som..

《---》

POV's Jimin 

 O fim estava próximo? Ou ele já havia chegado? Me perguntava isso todos os dias, sem S/n ao meu lado, não havia mais sentido algum para continuar a seguir em frente.

   Se ela fazia falta? Muita! Muito, ainda é pouco. Seus beijos, sua risada, seu sorriso, sua presença... Nunca imaginei que a saudade fosse um lado tão obscuro. S/n se foi, e levou com ela um pedaço de mim, esse pedaço é o que eu mais preciso para seguir minha vida, mas eu não o tenho mais.

  Esta sendo difícil continuar, seguir em frente, acordar sem saber que não verei seu sorriso, que não a tocarei mais. Aí S/n, o que você fez comigo? Eu preciso tanto de você. Mas cadê ti? Não está mais entre nós. Quando eu mais preciso do seu abraço, é quando ele mais faz falta.

 

 Nesse momento? Eu estou deitado em minha cama bagunçada, que os lençóis não são trocados a meses, o escuro já era o meu aliado e as garrafas e cigarros espalhados pelo local já eram da família. 

  E Alfredo? Ele sempre foi o pai que eu não tive. Sempre batia na porta, a mesma que se mantia trancada a dias, perguntando se eu estava com fome ou algo do tipo. Dando lições de moral e conselhos. Mas eu o ouvia? HáHá, muito pelo contrário, eu apenas fitava o chão de maneira clássica, como se ele estivesse me hipnotizado de uma forma cruel.

 Eu havia perdido o sentido da vida, desde que minha amada se foi. Eu nunca soube o motivo de sua morte, mas também não tenho forças para acabar com o assassino, a polícia estava investigando o caso semanas atrás, mas não conseguiram achar o suspeito. Nessa altura do campeonato, ele já deve ter fugido para muito longe.

  Mas por que? Por que logo ela? Por que fizeram isso com S/n? Com a minha S/n! 

 Sua mãe? Ah, ninguém à via fora de sua residência desde o dia do assassinato. Ela com certeza também não tinha coragem de fazer coisa alguma, ou estava criando forças para "recomeçar", só que dessa vez, sem sua menina. Esse vai ser seu maior desafio.


   》Três dias depois《

      Pela primeira vez consegui me levantar de forma brusca daquela cama. Logo o cheiro de álcool puro se emergeu pelo quarto e os de cinza, cobriram meu nariz me fazendo tossir de forma avassaladora. Fui cambaleando até a grande janela e empurrei as cortinas lentamente e com uma mera cautela - tive medo do clarear do dia -, girei a tranca e a retirei, a descartando no chão gélido que segurava meus pés. Abri aquela imensa janela semicerrando os olhos ao sentir a luz solar tocar meu rosto com brutalidade.

JM: Porra! - Abri os olhos com dificuldade e a primeira gota de lágrima foi logo escorrendo pela minha face. - S/n... - Sussurrei seu nome com voz de choro e já tristonho. - Você faz falta, meu amor!!!

    Meus joelhos fizeram contato com o chão e eu desabei ali novamente ao lembrar da minha doce e pequena amada, S/n.

JM: Me perdoa... Por não ter passado mais tempo com você por... Não ter conseguido aproveitar ao máximo! - Trouxe o ar todo para mim e o soltei logo em seguida berrando por ela. - S/NNNN!!!! 

  A porta foi rapidamente aberta, quem se encontrava ali era Alfredo, ele corria em minha direção às pressas repetindo em númeras vezes meu nome, mas eu só via novamente a escuridão, ela preencheu meus olhos e de repente, já não estava mais consciente.

 ¤...¤

     Meus olhos fora abertos, não fazia idéia de quantos dias, noites, eu havia estado inconsciente ali, na mesma pose, do mesmo jeito que fui deitado naquela maca. Uma agulha fina estava fincada em meu braço e o soro descia penetrando em meu corpo rapidamente. A visão já estará boa, olhei para frente, e ali estava, Alfredo e um homem que não fazia idéia de quem era, só podia ser um médico ou doutor.

  Ele se aproximou e sorriu gentilmente, apenas balancei a cabeça e senti minha boca amargar ferozmente. Tive vontade de cuspir ali mesmo, mas respirei fundo e fiquei suportando o gosto amargo em minha língua.

JM: E-estou faminto... - Citei baixo tendo olhares voltados para mim.

AF: Ó! Irei trazer algo para você saciar sua fome! Volto em breve! - Deu uma piscadela e se retirou.

Dr: Se sente melhor, Sr. Park? - Sorriu mais uma vez e eu assenti mas logo falei.

JM: Sim, mas... Estou com fome! - Revirei os olhos.

Dr: Acalme-se! - Riu debochado retirando o objeto que furava e depositava soro em meu braço. - Voltarei em breve para ver sua saúde, meu caro. Até!

   Deu um aceno rápido e sumiu dali. O mordomo de pele flácida logo apareceu com uma bandeja recheada, confesso, aquilo me deu água na boca.

JM: ME DÊ LOGO ISSO, ALFREDO! - Disse alto o assustando. 

AF: Acalme-se! - Falou de olhos arregalados.

JM: Aquele homem, disse a mesma coisa. Passa logo isso pra cá! - Bufei puxando a bandeja de suas mãos aveludadas.

   Ele só soube rir enquanto me observava devorando tudo aquilo. O encarei e sorri agradecido. Mas logo voltei a beliscar as guloseimas.


   ☆___☆

       Eu já me sentia melhor do que antes, mas a bendita saudade ainda estava presente. 

    Deitei-me em minha cama, ajeitando o travesseiro sobre minha cabeça. Sorri ao avistar o porta retrato com o desenho que fizera meu e de S/n. Fechei os olhos mas logo os abri ao sentir alguém se sentando em cima de mim. Tentei ligar o abajur ao meu lado mas uma mão familiar me impediu.

   Senti os lábios da figura encostar nos meus, sua boca com gosto de morango era inconfundível. Sorri e entre o beijo sussurrei:

JM: S/n? Meu amor, é você?? Você voltou pra mim? - Sua risada doce e simplesmente única e maravilhosa ecoou pelo quarto.

¿¿¿: Shiiii, Jiminnie! Apenas siga o som das flautas!




               Sonho? Alucinação? Realidade? Eu não faço a mínima idéia, só não quero que esse momento passe. 

Eu preciso dela, eu a necessito.

Mas se for tudo uma pequena ilusão, apenas digo, nos veremos em outras vidas, meu amor!






FIM

   


Notas Finais


Não sei se foi o final que vocês esperaram, mas lutei pra fazer lindo pra vocês, só não me matem. Amo muito voxeees.

Espero que tenham gostado, se vou sentir saudades????
MUITAAAAAAAAAAAAA!!!!
Mas fazer o que né 😢

Beijos meus pãezinhos 💕
Até o capítulo especial de despedida ❤
Que no caso será a última notificação que vocês terão dessa fic.
Bjo meus amores, tchau😍💕❤

Recomendo esse videozinho, babys = https://youtu.be/ABMeiKIglR4


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...