História Just FRIENDS? Kaisoo - Capítulo 29


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens D.O, Kai
Tags Amor, Dyo, Exo, Exol, Jongin, Kai, Kaisoo, Kyungsoo, Sulay
Visualizações 252
Palavras 2.021
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 29 - Capítulo 29


Fanfic / Fanfiction Just FRIENDS? Kaisoo - Capítulo 29 - Capítulo 29

Chorei aquela noite como nunca tinha chorado antes minha vida, eu me sentia usado e traído de tal forma que não sei denominar, tanto que, tudo que havia comido aquele dia joguei para fora.

Meu celular não parou de tocar também, porém apenas lhe deixei tocar no silêncio enquanto o olhava abraçado ao meu pinguim gigante.

Chorei até dormir.

Na manhã seguinte acordei com o barulho do meu despertador, depois de desliga-lo e desbloquear a tela do meu celular é ver o total de duzentas ligações, segurei o aparelho e bloqueio o contato Daddy.

Então me levantei da cama e segui para o banheiro, tirei minhas roupas e entrei de baixo d'água.

Enquanto a água caía, minhas lágrimas também queriam cair mas não as deixei cair.

Sabia muito bem a onde estava me metendo quando aceitei essa história de brodagem, e fui idiota em acreditar em Jongin, bom, éramos amigos e sinceramente eu achei que por isso ele não faria o que fez, ou pelo menos seria homem de terminar comigo antes. Seria difícil e eu iria entender, mas seria melhor do que isto agora.

Terminei o banho e peguei uma das toalhas e me sequei e fui até a pia.

- Arruma essa cara, você nunca foi de chorar e não vai ser agora que vai começar.

Disse para eu mesmo, olhando-me pelo reflexo do espelho.

Estava motivado a não chorar, tanto que concordei com a cabeça e sai do banheiro.

Mas só foi abrir o closet e ver as roupas daquele infeliz duas caras que comecei a chorar.

E como chorei.

Não basta ter me traído, ainda me transformou em um sentimentaloide ridículo.

Depois que me acalmei, me troquei, peguei minhas coisas e fui trabalhar.

Fiz todo o caminho ouvindo músicas melosas.

Estacionei meu carro na minha vaga e sai do mesmo pegando minhas coisas e segui para o elevador, na verdade corri já que as portas estavam quase se fechando, mas por sorte a boa alma que estava lá dentro á segurou.

- Obrigado.

Disse ao entrar dentro do mesmo ajeita do minhas coisas já que sou um completo desajeitado correndo, mesmo devagar.

- De nada, Kyungsoo.

Olhei para o lado onde, encostado perto da placa dos botões estava Seunghyun com seu largo sorriso.

- Bom dia.

Lhe disse, andando para o fundo do elevador.

- Bom dia - ele respondeu.

As portas se fecharam e o elevador subiu, mesmo que não estivesse olhando para Seunghyun, podia sentir seus olhos em mim, o que era constrangedor já que fico sem jeito quando me olham fixamente.

- Kyungsoo...

Ele me chamou.

Virei o rosto para ele.

-... Eu queria me desculpar por...

- Esqueça isso.

Disse o interrompendo, não queria falar neste assunto porque me levaria ao assunto Jongin, e eu não queria falar em Jongin.

Seunghyun apenas concordou com a cabeça e logo depois as portas se abrir, ele me deu passagem para que saísse na frente, agradeci com um aceno e segui pelo corredor até a entrada do meu escritório, entretanto, assim que vi quem estava parado lado   de Lisoo que mexia sua bolsa certamente atrás da chave parei no lugar e voltei para trás dando de cara.

Literalmente.

Com Seunghyun.

- Desculpe.

Disse apenas voltando em direção ao elevador.

Eu sei que atitude que estou tendo e de covarde, mas, não estou preparado para falar com Jongin, ao menos vê-lo.

Mas, minha tentativa de fulga para o elevador foi impedida por Seunghyun que segurou meu braço.

Me virei para trás tentando e o vi olhando para trás de nós dois, em direção a onde Jongin e Lisoo estavam e depois para mim novamente.

- Aconteceu alguma coisa?

Não respondi sua pergunta apenas olhei para meu braço, que ele segurava.

- Me solte.

Foi apenas que eu disse já começando a ficar naquele estado deprimente de hoje de mais cedo.

E talvez, ao perceber isso, Seunghyun me puxou com cuidado e seguimos em direção ao seu escritório.

Eu o segui sem ao menos retrucar, eu só queria sair dali sem que Jongin me visse.

Seunghyun abriu a porta do escritório, era igualmente como o meu na arquitetura, mas bastante diferente na decoração por ser cheio de esculturas e quadros que a dúvidas pareciam caros.

Seunghyun me deu passagem e eu entrei, logo depois ele fez o mesmo é fechou a porta sem a trancar.

- Quer alguma coisa? Um café? Água?

Neguei as duas opções levando depois que não tinha comido nada é que tinha jogado para fora tudo que havia comido ontem por repassando milhares de vezes contra minha vontade a cena de Jongin e aquele cara se beijando.

- Bem bonito seu escritório.

Lhe disse olhando em volta, o que de fato era verdade e também por querer  tirar um pouco de mim já que seus olhos não se desviavam um minuto.

- Obrigado, um amigo meu e Dar que decorou.

Concordei e abri um sorriso curto e ele apontou para um dos estofados, para onde segui e me sentei.

Seunghyun sentou no outro encostado no meu com uma carinha de curiosidade, afinal eu tinha praticamente saído correndo ao ver meu namorado.

- Eu não quero ser intrometido  relação a sua vida e a de Jongin...

Ele fez uma pausa.

-... Mas, acontece alguma coisa?

Respirei fundo segurando a vontade de chorar.

- Desculpe.

Ele disse e desviou o olhar.

- Eu vou pedir algo para comermos está bem? Você não está com cara de quem comeu recentemente.

Seunghyun disse e se levantou indo em direção a mesa da sua secretária e pegou o telefone.

Enquanto ele fazia o pedido meu celular começou a tocar, o peguei no bolso da jaqueta.

Era o número do escritório, suspirei olhando para a tela e cliquei para atender.

- Bom dia chefeinho - Lisoo disse em seu tipo humor (quando ela tem) de manhã.

- Bom dia, Lisoo. - Disse apenas.

- Só liguei para saber se está chegando e ...

- Eu não vou para o escritório hoje, avise por favor para o Jun. Tchau Lisoo.

Apenas disse e desliguei o telefone sem deixar ela ao menos responder.

Guardei o telefone no bolso e virei para frente onde Seunghyun esfacae olhando sem dizer nada.

Ficamos em silêncio até a ouvimos um bater na porta, Seunghyun desencostou da mesa da secretária dele e foi até a mesma pegar o pedido, porém sua expressão mudou um pouco e ele olhou para mim sentado no estofado e depois que pegou as sacolas com o pedido fechou a porta.

- Não sei bem o que você gosta de comer, então pedi croassant.

Sorri de lado pela atenção dele e me levantei, obrigado, mas não estou com fome. Eu só vou esperar...

- Ele já foi embora.

Seunghyun disse me fazendo calar.

- Então já vou indo.

Disse pegando minhas coisas.

- Pelo menos coma alga seu café.

Ele disse juntando as sobrancelhas.

Nesse momento me perguntei em qual real estado eu estava  para Seunghyun insistir tanto para que comer-se algo, tanto que acabei cedendo, por mais que não quisesse precisava comer algo antes de começar a passar mal.

Deixei a bolsa no estofado e segui até onde ele estava e sentei na outra ponta da mesa enquanto ele desembrulhava o pedido.

Enquanto comia Seunghyun me olhava de canto as vezes, mas nunca dizia nada.

Ele acabou de comer e ficou me olhando até que sua secretária/estagiária chegou.

Conhecia Mina de vista por vê-la as vezes com Lisoo. Pelo que sei assim com a maluca da minha secretária Mina também faz faculdade, mas de arquitetura e creio que por isso trabalhe com Seunghyun e seu sócio.

Assim que nós viu, Mina olhou para Seunghyun que pareceu um pouco a graça ao ver a expressão dela e depois para mim. Rapidamente, ela nos deu bom dia e seguiu para dentro de um dos escritórios.

Depois que terminei de comer e para falar verdade estava com mais fome do que achava ajudei Seunghyun a arrumar a mesa de Mina e segui em direção ao estofado e peguei minhas coisas.

Como havia informado Lisoo que não iria trabalhar hoje resolvi manter a palavra e não dar as caras no escritório, afinal, poderia trabalhar de casa.

- Obrigado Seunghyun.

Lhe disse, Seunghyun tinha feito mais por mim me escondendo  em seus escritório do que imaginava.

- Não a de que.

Ele disse, dei um curto sorriso e segui rumo a porta.

- Kyung.

Olhei para tras.

- Já que não vai trabalhar hoje, quer dar uma volta?

Neguei com a cabeça.

- Não quero de atrapalhar...

- E não vai, você pode não querer falar porque esta assim, mas não vou te deixar sozinho.

- Seung...

- Está é minha última palavra Do Kyungsoo.

Revirei os olhos e balancei a cabeça e quando dei por mim Seunghyun já estava do meu lado.

- Vamos?

Ele estendeu o braço e eu apenas segurei.

Nós saímos no meu carro e durante todo o caminho para onde estávamos indo Seunghyun não me perguntou nada apenas falava da coisas ao lado de fora quando passávamos em certos lugares.

Ele parou meu carro em praça que por conta do horário estava vazia, nós saímos do carro e caminhamos por ela.

- Faz um tempo que não venho em uma praça.

Disse para Seunghyun quando ele veio em minha direção com um sorvete na mão me entregando.

Ele havia visto um sorveteiro então perguntou se eu queria um também, concordei.

- Eu venho aqui com meu sobrinho...

Ele disse e colocou a mão do bolso pegando o celular e o desbloqueando.

A tela acendeu mostrando a foto de um menininho com um grande sorriso e que lembrava bastante Seunghyun.

-... Joonhyun.

Peguei o celular com a mão livre olhei bem para foto da criança que realmente era linda.

- Lindo ele.

Disse ao devolver o celular para ele que concordou e guardou o aparelho no bolso.

- A beleza é um forte na família Lee.

Comecei a rir do comentário nada modesto de Seunghyun, tanto que quase me engasguei com o sorteve, o que causou uma crise de risos neles.

Quando me acalmei, parei de rir, terminei meu sorvete e me limpei.

Já que por conta da minha crise de risos vou sorvete para tudo que foi canto.

Jonguei o papel na lixeira e voltei para onde Seunghyun estava me esperando.

Durante todo o trajeto, seus olhos ficaram em mim e como sempre, eu fiquei corado e morrendo de vergonha já que não gosto de quando ficam me encarando muitos.

- Obrigado.

Lhe disse ao sentar no banquinho onde ele me esperava com os ante braços apoiados no joelhos.

- Disponha.

Ele disse, mas eu não estava agradecendo apenas pelo sorvete ou pelo café da manhã, mas sim por tudo que ele tinha me feito sem ao menos saber.

Eu estava desesperado para sair do prédio sem ser visto por Jongin ou alguém que o levasse até mim e ele me ajudou.

Nós dois ficamos em silêncio depois olhando para as poucas pessoas que passavam pela praça, muitas delas casais de idosos fazendo suaa caminhadas.

Entre alguns que passaram perto de onde estavamos, estava um lindo casal de dois senhores, o maior deles segurava o braço do menor enquanto ambos andavam devagar um ao lado do outro. Eu fiquei os observando, os dois conversavam entre si e dava para ver os sorrisos trocados entre eles, sorriso esses que sem dúvidas tinham anos e anos de história de cumplicidade.

Nesse momento, vendo esse casal, a ficha realmente caiu para mim e um apertinho invadiu meu coração pois eu não teria isso com quem eu amava, pois a pessoa escolheu me trair.

- Está tudo bem Soo?

Olhei para o lado e vi Seunghyun com uma expressão preocupada me olhando. Concordei com a cabeça e ele se aproximou negando levando a mão ao meu rosto enchugando as lágrimas que sequer haviam notado que caiam.

- Não precisa mentir, eu sei que não está. Ninguém chora atoa ou.... Ou foge no namorado.

Desviei o olhar de Seunghyun e olhei para frente e ele tirou a mão do meu rosto.

- Desculpe, não quero me meter na sua vida e do seu namo...

Embora notasse um tom de preocupação na voz de Seunghyun, era nítido seu ênfase cada vez que pronúnciva a pessoa de Jongin como meu namorado.

- Ele não é mais meu namorado.

Disse o interrompendo e me surpreendendo com sua reação.

Por tudo que Seunghyun já me disse na cara e pelo que me falou no elevador esperava um sorriso ou algo do tipo, mas não, ele abaixou o olhar e  o subiu logo depois se aproximando mais e me abraçou.

Eu fui pego de surpresa mas não o afastei, porque lá no fundo acho que era isso do que eu mais estava precisando no momento um abraço e um ombro para chorar.

Como exatamente fiz.

* * *





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...