História Just let me love you - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Namjin, Vhope, Vkook, Yoonmin
Visualizações 24
Palavras 2.876
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Advinha quem cheguei? Exatamente. Peço desculpas pelo atraso, tem sido bastante corrido na faculdade. Bom, capítulo novo, capa nooovaaaaaa. Presente de aniversário da minha Betadesigner @IRONGIRLdokook 😍❤
Ontem 17/05 foi meu aniversário de 20 aninhos, ounw. Uma bb ❤
Boa leitura amores ❤

Capítulo 9 - Uma chance


Fanfic / Fanfiction Just let me love you - Capítulo 9 - Uma chance

Point Of View Park Jimin

12:23 a.m \ Seul

Assim que chegamos à casa de Tae fomos calorosamente recebidos por ele e Hoseok. Caralho, Jung Hoseok de perto é ainda mais bonito, um gostoso, deus grego daqueles de deixar até hetero babando, Taehyung é mesmo um “homem” de sorte. Percebi que Kook se sentiu meio incomodado por ver o ex com um ainda mais bonito que ele, se bem que, pra mim, ele sempre vai ser mais lindo até mesmo que Hoseok.

Conversamos bastante enquanto comíamos, as risadas eram muitas, uma mais estranha que a outra, mas a do Jung ganhava. Era uma gargalhada tão exagerada que quem não estivesse rindo começaria a rir da risada dele.

– Kim Taehyung! – gritei com o modelo que começou a rir na mesma hora – Tá ficando doido? Ainda tenho que trabalhar hoje seu maluco. – tento limpar desesperadamente o suco que caiu em minha roupa – Aish, isso não vai sair.

– Desculpe ChimChim, eu não vi que o copo tava perto. – fala ainda gargalhando. – Mas deixe-me continuar, sabe, aí depois o Jungkook ainda disse que o Jimin ficou encarando a velhinha como se fosse matá-la. – e riu ainda mais.

– Foi muito engraçado a velhinha confundido Jimin com uma criança por causa da altura dele -- Jungkook, o último citado, finalizou a história constrangedora do dia que fomos ao parque caminhar e uma velhinha perguntou se eu poderia brincar com o neto dela já que, para ela, éramos da mesma idade. Isso foi constrangedor, triste e depressivo. Eu chorei meses, de verdade.

Revirei os olhos com todo o estresse que estava e caminhei até o banheiro, vou tentar tirar essa mancha antes que ela permaneça de uma vez em minha camisa.

– Sai, por favor, não tenho tempo de ir para casa trocar você – murmuro esfregando a mancha embaixo da torneira.

– Se quiser uma camisa eu empresto – Tae apareceu na porta.

– Acho que vai ser necessário – falei e o segui até o quarto -- Você é um jumento. Vou levar sua blusa para mim também, humf – Bufei com indignação.

O quarto do modelo parece um museu com algum tema sobre castelo medieval, a decoração é incrivelmente bonita e bem feita. Cada mínimo detalhe fora muito bem feito. Isso que dar ser rico né!

O vejo abrir a enorme porta de seu closet e entrar, logo o mesmo manuseou sua cabeça com um sinal em sua destra me chamando.

– Pode escolher qualquer uma – disse abrindo uma enorme porta revelando uma enorme quantidade de camisas sociais- Pode ficar, não escolhendo as da Gucci tá tudo certo.

– Woooow, basta ser uma da mesma cor que a minha. – fiquei surpreso. Já havia entrado em seu closet, mas nunca tinha visto essa porta -- TaeTae, se não for para pegar a mais cara eu nem quero, seu esdruxulo, me respeita. Tá achando que eu sou quem?

Encaixei a peça em meu corpo cuidadosamente para que não rasgasse nem nada do tipo, ela ficou um pouco grande, o que não é novidade. Ajeitei para que ficasse ajustada em meu corpo e novamente apresentável para voltar ao trabalho. Já ia sair do quarto quando senti Tae rodear meu pulso com seus dedos me fazendo olha-lo. O fitei e o mesmo pareceu atrapalhado antes mesmo de começar a falar. O que é novidade, ele sempre é tão direto e seguro de si!

– ChimChim, dê uma chance ao Kook. – arregalei os olhos imediatamente, pera, ele sabe?

– Oi? Como assim? Ele é seu ex.-- joguei exasperado --  Aish Tae, não diga bobagem. – falei puxando meu braço soltando do aperto da mão dele.

– Ele já me contou tudo. Se eu soubesse não tinha namorado ele, você o amava. Eu jamais faria isso com você. – falou com um semblante triste. – Jimin, eu o apoio totalmente. Eu estou feliz com Hoseok e você pode ser feliz com Jungkook também.

– Eu já tenho alguém – falei e ele me olhou como se debochasse do que acabei de dizer. – Não posso só chegar e dizer para Yoongi não me procurar mais e ir correndo para os braços de Jungkook. – Pausei. Me sentei bufando e olhando para o de madeixas cinzas. – Kook que faça por onde me ganhar agora -- soltei no ar.

Voltamos para a mesa e paramos perto da porta fitando os dois que haviam ficado lá aos risos, ambos não perceberam nossa presença, então resolvemos observar. Jungkook e Hoseok se deram muito bem e falavam algo sobre viajar para Daegu nas férias.

– Daegu? Não foi lá que você nasceu Tae? – falei saindo de onde estávamos e me sentando novamente ao lado do Kook.

– Por isso mesmo sugiro que as férias sejam lá, TaeTae se sentirá em casa. – Hoseok disse colocando a mão na coxa do modelo e sorrindo carinhosamente para o mesmo. QUE NOJOOO. VOU VOMITAR, SÉRIO, mas é arco-íris.  

Autora:

“V- Bixa invejosa você. Como você ainda não morreu?”

Ai Tae, se você não morreu engasgado com o próprio veneno saindo das presas, eu não morro nuncaa!

“V- Desgraçada. Me chama de cobra assim na cara de pau. A mas vai ter volta. Ô se vai!”

CONTINUANDO. Pera gente, xeu coçar a garganta aqui – HAN-HAN – Obrigada. Voltemos a fanfic, pls.

– Que bom que Namjoon e Jin nos darão férias na mesma data, Jimin, assim poderemos ir com eles. – foi a vez de Kook se pronunciar. – Ah não ser que... Você não queira ir. – disse desfazendo o sorriso.

– Até parece que eu, Park Jimin, vou perder essa oportunidade. – disse revirando os olhos e todos riram. – Jeon? Vamos? Está na nossa hora. – falei assim que vi Tae e Hoseok se olhando de uma maneira apaixonada até demais.

– Até mais, foi um prazer te conhecer Hoseok. – Jungkook disse e eu fiz das suas palavras as minhas.

Com MAIS UM aceno, saímos da casa do Kim e entramos em meu carro. Assim que vi as flores novamente, senti um frio na barriga, são tão lindas, mas ainda não respondi a resposta do Kook. O mesmo se sentou ao meu lado no banco do passageiro e imediatamente ligou o som.

Com uma música qualquer e um silêncio estridente no carro, chegamos à empresa e vi de longe que, lá dentro, Yoongi nos encarava com uma expressão nada boa, devia estar se perguntando sobre as flores em minhas mãos, fingi que não o vi e entrei. Não fiz por mal, só não queria ter que explicar isso a ele. Mas parece que Jungkook não pensou na mesma coisa que eu pois tratou de ir na mesma direção que o chefe. Passou por ele com um enorme sorriso estampado em seu rosto lhe cumprimentando e olhou pra mim logo em seguida.

– Coloque essas flores na água ChimChim, não quero que meu presente murche tão rápido. – ele só pode ter feito de propósito.

Vi o Min andar em minha direção e congelei na mesma hora.

– Olá, Park, vejo que recebeu um presente, e eu sei muito bem que não está nada perto de seu aniversário. – disse com um pequeno sorriso de puro descontentamento.

– Deve ter sido pelas caronas que dou a esse tapado às vezes. – tentei de forma esfarrapada arrumar uma desculpa. O que de fato não deu certo, CLARO.

Sabe gente? Essa é a vida me jogando para trás. Vocês se lembram de quando eu cheguei todo feliz aqui e contei para vocês sobre as voltas que o mundo dá? Pois é, olha só, ele girando de novo e trocando de posição.

– E ele agradece de uma forma tão romântica assim? – vi que o cartão já estava em suas mãos, puta merda, havia esquecido isso -- Lindas palavras, Jeon – sarcasmo.

Ele não esperou minha resposta e saiu com passos pesados, seus sapatos iam de encontro ao chão de forma bruta causando um barulho irritante. Se eu tô ferrado? Para um caralho. Puta merda. Eu tô com o cuzinho na mão, se vocês querem saber. PORÉM. Se eu me importei? Não mesmo, mas queria matar Jeon Jungkook que estava com um enorme sorriso vitorioso na face quando adentrei nossa sala.

– Cara você não presta. – disse enquanto enchia um jarro para as flores. Elas eram realmente lindas, e não é por causa da carranca de Yoongi que eu deixarei de cuidar delas, não é mesmo?

– Já tem minha resposta? – ele caminhou até mim colocando as flores dentro do jarro antes de me abraçar por trás e selar minha bochecha.

– Eu irei, mas preciso sair mais cedo pra um compromisso com uma amiga, então me pegue às oito. – ou a noite toda se Odin quiser, meu amigo. Caminhei até a porta e saí  da sala.

Precisava pedir permissão para Namjoon, não havia relatório hoje, então não via motivos para não fazer o que queria fazer hoje.

Quando cheguei na sala de Namjoon dei dois toques na porta e ouvi a confirmação para entrar.

– Tocou fogo na sala? Quebrou alguma coisa? Brigou com o Jeon? Não está dando conta do serviço? Veio pedir demissão? Porra Jimin, fala logo – metralhadora de perguntas o nome, né? rs’ que santa Mihope não me mate enforcada hoje, amém. Risos com a Kity? Risos com a Kity, por quê eu posso, vocês não. Kissus menineees.

– Não sou você. – resposta a altura

– Magoou. – fingiu estar desapontado colocando a mão no peito. – O que deseja, caro Park? E quando eu digo caro eu digo CARO mesmo, o computador que você pediu é uma fortuna, espero que trabalhe bastante mesmo, por quê, Puta computador caro viu, Jiminie Paboo- zoou.

– É que eu preciso sair mais cedo hoje e preciso da sua permissão. E eu já trabalho o suficiente, me sinto até sufocado as vezes. Estou quase trazendo minhas coisas para cá, afinal, tem dias que eu nem saio deste moquifo.

– Aish, okay senhor Morador Park do Prédio Jimin. Pode ir, mas será que pode me fazer um favor? – Nam parecia inquieto. Inquieto até de mais. Assenti e ele continuou – Preciso que veja como Jin está, ele anda muito estressado com as coisas do casamento.

– Claro, aproveito e levo ele comigo para me ajudar no que vou fazer. – falo e saio da sala de Nam.

Passei para ver como Jin estava e cheguei num péssimo momento, ele parecia estressado com as cores erradas das flores erradas. ÓTIMO. Além de resolver os meus problemas irei ter de resolver o dos outros agora! Acho que o jogo virou, não é mesmo. Doctor Jin! 

Enfim. Apenas o arrastei dali para meu carro e a moça que o mostrava as flores ficou sem entender nada. Coitada. Mas o que é que eu posso fazer né?

Chegamos ao lugar que eu havia marcado horário e entramos, Jin ainda não sabia o que eu iria fazer até que Haewon apareceu nos cumprimentando.

– Boa tarde Jimin, vamos lá? – sorriu graciosamente e a acompanhei até a próxima sala ainda a ser seguido por Jin, que se encontrava logo atrás de nós.

Quando entramos na sala ficou óbvio o que eu iria fazer, cadeiras, grandes espelhos, secadores e uma imensidão de produtos e ferramentas que mostraram que eu faria algo no cabelo. Espera, eu disse eu? Eu queria dizer NÓS !

– Park Jimin, se você danificar esse cabelo maravilhoso eu juro que te tiro da lista de padrinhos. – Jin disse me dando seguidos tapas no ombro e eu caí na gargalhada.

– Calma Jin, caramba que mão pesada. – disse massageando o lugar dos seguidos tapas – Só vou mudar a cor.

– Voto em loiro, não importa o que você ia escolher. – disse como se mandasse na minha vida. Ousado o nome dele.

– Sorte minha que escolhi loiro, eu hein, tapa dolorido. – falei ao me sentar na cadeira – E você donzela? Pode ir sentando aqui também, você acha que essa transformação quem passa sou só eu? O padrinho principal se fode e o noivo também.

-Não, obrigado. Eu estou bem aqui. Moça, onde ficam as revistas? – Perguntou o maior se retirando da sala.

.


Jin ficou algumas horas por ali, reparem bem, eu disse HORAS. Horas, isso tudo fazendo o quê? Lendo uma revista sobre casamentos que havia no salão. Ele estava tão entretido que nem viu quando Haewon disse que estava terminado e eu poderia ir olhar no espelho. E quando olhei, eu mesmo senti vontade de casar comigo, que arraso. Somente quando uma cliente que chegou a pouco tempo me elogiou foi que Jin largou a revista.

– Eu não sei se aplaudo o Yoongi ou o Jungkook. Qual dos dois será que vai ter como namorado um loiro gato desse? – disse e virou para a moça que fez isso – Moça, com licença, mas eu deixei um ruivo aqui e me devolveram esse anjo. – todos rimos, ele é demais, socorro. Mas como eu disse antes.

Ousado, é o nome dele.

Paguei a conta e fomos para o shopping comprar roupas novas, precisava distrair Jin e ele era ótimo com moda. Passamos a tarde inteira juntos, nos divertimos bastante e por fim fomos ao cinema. Deixei o bonitão na casa do noivo e fui para a minha me preparar para sair com Jeon. Espero que ele goste do novo visual. Por quê se ele não gostar...

Menos né.



Point Of View Jeon Jungkook 


Eu. Nervoso? Cara eu tô’ tranquilo, juro, é só a hora de ir buscar o Jimin, faço isso quase sempre. Minhas mãos estão suando, meu coração acelerado, (mais que o comum, pois, caso contrário, NÃO SERIA JEON JUNGKOOK) minha mente cheia e vazia ao mesmo tempo. E tudo isso por qual motivo?

AH.

Cheguei à casa de Jimin às 19:50 e apenas buzinei, é só um jantar entre amigos não preciso ir buscar na porta. Mas eu tô tentando conquistar ele, então vou buscar na porta, SIM. Ai dele se reclamar, minhas pernas são fortes mas são sedentárias, ele que me ajude, né.

Caminhei lentamente e ouvi a porta sendo destrancada e Jimin abrir revelando a sua silhueta. Foi quase que angelical a forma que ele caminhou até mim com um visual novo incrível, e ele ficou lindo, tão lindo que paralisei e não soube mais o que dizer.

– JEON JUNGKOOK – ele disse me trazendo de volta para o mundo – Terra para Kook. – balançou a pequena mão frente aos meus olhos.

– Você tá tão lindo. – disse num ímpeto de coragem e o vi corar. ITI MALIA. TÃO FUFINHU.

– Obrigada. Mas então, aonde vamos? – eu nem prestava atenção no que ele dizia, estava extasiado.

– Ah sim, vamos jantar – disse atrapalhado, nasci pra passa vergonha. Desculpa mundo.

No trajeto até o local do jantar eu não consegui pensar em nada que não fosse o ser ao meu lado que está ainda mais lindo do que sempre foi, como é possível? Ele se supera.

– Chegamos – disse assim que avistei o portão do local.

– Ué, não íamos ao restaurante? – Jimin me questionou.

– Não disse que o jantar seria em um restaurante. – desci do carro e abri o enorme portão dando espaço para que o antigo diabinho – antes ruivo - que virou anjo - agora loiro – entrasse.

Sexy. O nome dele é sexy.

A gente, qual é? Imaginem Park Jimin, com aquele rabetão, cabelo ruivo e fantasia de Diabo. MAS O QUÊ É ISSO AQUI NAS MINHAS PERNAS?

Opa!

Agora imaginem Park Jimin, loiro, face angelical, fantasia de anjinho espalhando beijinhos molhados por seu rosto.

MEU DEUS, EU NÃO SABIA QUE O CÉU ERA QUENTE DESSE JEITO. MAS TÁ PARECENDO O RIO DE JANEIRO ISSO AQUI!

Enfim.

Jimin pareceu ter se surpreendido, afinal, eu caprichei. Quando ele saiu da empresa, saí minutos depois para preparar tudo. O local – um pequeno parque afastado – era sereno, a grama estava preenchida por pétalas de rosas, a mesa com uma toalha que alternava entre o branco e o vermelho de uma forma romântica. Em cima da mesa, duas taças e um vinho – caríssimo – maravilhoso, e dois chefes que preparariam a refeição ao ar livre.

– Nossa, está perfeito Kook – Jimin disse e me deu um beijo no rosto e eu juro que minhas pernas quase me abandonaram.

Odin me livra dos pensamentos anteriores. Eu vou ficar duro antes de comer.

– Que bom. Você merece isso e muito mais. – disse e puxei a cadeira para que ele se sentasse, logo em seguida me sentei ao seu lado. Claro

A noite seguiu tranquilamente, conversamos bastante, contei detalhadamente tudo que sentia e desde quando sentia e as coisas foram fluindo entre nós. Fluíram tão bem que decidi que tínhamos que sair dali urgente.

Nos despedimos dos chefes e saímos dali indo direto para o meu carro. Assim que entramos Jimin me encarou por um breve momento e então tomou a iniciativa e me atacou com seus lábios, pedi passagem para adentrar sua cavidade passando a língua pelos lábios gordinhos, sendo rapidamente atendido. Exploramos todos os cantos que podíamos um do outro, era como se nossas bocas tivessem sido feitas uma para a outra. Jimin puxava os fios de cabelo que residiam em minha nuca aprofundando ainda mais o beijo, e eu aproveitava para deslizar as mãos pelo corpo do menor. Paramos o beijo – infelizmente – para retomar o ar e pude perceber o quão Jimin ficava ainda mais sexy com a boca avermelhada e o rosto corado.

– Quer ir para minha casa? – perguntei meio sem jeito e com medo de receber um ‘não’ como resposta.

– Seria até pecado desperdiçar essa chance. – ele respondeu de uma forma incrivelmente sensual.

OLHA LÁ OS PENSAMENTOS VOLTANDO.

Dei a partida e acelerei em direção ao nosso destino. 

Na sincronia entre coincidência e destino, cá estou eu à espera de que esse amor não seja simplesmente um acaso.

Jimin será o Anjo ou o Demônio ?



Notas Finais


Até breve 🌸


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...