História Just Love - MingYang - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Got7, ITZY
Personagens Jackson, Lia, Mark, Personagens Originais, Yeji
Tags Aparição Do Got7, Aparição Do Itzy, Boy Story, Cute, Hanyu, Mingrui, Mingyang, Shuyang, Xinlong, Xinyu, Zeyu, Zihan, Zihao
Visualizações 6
Palavras 1.725
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura '3'

Repostado em: 10/10/2019

Capítulo 3 - Dois


Fanfic / Fanfiction Just Love - MingYang - Capítulo 3 - Dois

|♡|


[Domingo, 29/09/2019]


Shuyang acordou e se levantou, devagar. Ele se sentou na cama e “passou o olho” pelo quarto, vendo Zeyu todo coberto na cama dele e Mingrui me sua cama. Ficou confuso e olhou para onde estava deitado, percebendo que havia dormido na cama do Gou.

Ele corou e colocou suas pantufas de panda  – presente de Zihao, alegando que pareciam com ele. Foi até a escrivaninha e percebeu que deixou a carta aberta em cima do móvel. Com medo de alguém lê-la, a guardou em seu estojo rapidamente e olhou para sua cama, onde Mingrui estava. Sorriu pequeno e andou para lá, se sentado na beiradinha.

Ele olhou o rosto do mais velho adormecido e o assemelhou com um anjo, muito bonito e fofo. Sem perceber, levou uma de suas mãos até a bochecha do mais velho e fez um carinho singelo ali.

— Ei, GouGou, acorda. – Shuyang falou calmo e viu o outro se mexer. – Vai GouGou, acorda. – tentou de novo e dessa vez o viu abrir os olhos devagar. – Bom dia! – falou sorrindo, mas Mingruu apenas o ignorou e se levantou, indo para sua cama e se sentando lá, após pegar o celular.

Shuyang encarou o outro, confuso e um pouco triste.

— GouGou? Tudo bem? – Shuyang foi até ele e tentou encostar em seu ombro mas Mingrui desviou do contato e encarou o mais novo com indiferença, revirando os olhos em seguida. – O que aconteceu, Mingrui? – falou com um bico, triste.

— Caramba Shuyang, me deixa em paz, que coisa chata! – Mingrui falou meio irritado e alto, assustando Shuyang levemente, porque o mais novo nunca tinha visto ele daquele jeito.

Shuyang abaixou a cabeça e assentiu, saindo de perto dele e saindo do quarto falando que iria tomar café da manhã.

— Será que eu estou fazendo o certo? – Mingrui falou baixinho para si mesmo, ver Shuyang sair do quarto cabisbaixo ainda mais por sua culpa apertou seu coração de uma forma indiscritível.

Enquanto isso, Shuyang estava sentado à mesa na cozinha, tomando um copo de achocolatado com cookies. Nesse momento, Hanyu chegou na cozinha e ficou surpreso ao ver o pequeno ali, ele não costumava ir comer algo aquela hora, normalmente, ficava no quarto conversando e brincando com Zeyu e Mingrui até o manager chamá-los.

Hanyu percebeu que o menor estava meio alheio ao que acontecia em sua volta e ficou curioso.

— Bom dia! – ele falou tirando o mais novo de seu mundinho da Lua.

— Ah, bom dia! – Shuyang sorriu e teve seus cabelos bagunçados pelo mais velho.

— Tudo bem?

— Sinceramente? Não. – o mais novo disse, tristonho.

— O que? Por que? – Hanyu ficou preocupado.

— O Mingrui. Acho que fiz algo que o deixou triste e bravo... – falou baixo e Hanyu ficou confuso.

— Como assim? – Hanyu se sentou na cadeira ao lado do mais novo.

— Até ontem estava tudo bem, mas agora a pouco, quando eu acordei ele, parece ficou tudo mal. Ele não respondeu meu ‘bom dia’, me ignorou e depois mandou eu deixar ele em paz, aparentemente, com raiva.

— Hm... Olha, eu vou falar com ele tá bom? Não se preocupe, ás vezes ele só está tendo um dia ruim. – Hanyu tentou imaginar os motivos para Mingrui estar desse jeito e bagunçou o cabelo do mais novo, sorrindo pequeno.

— É, talvez... – Shuyang forçou um sorriso e voltou a ficar em silêncio, bebendo seu achocolatado.

Hanyu suspirou e decidiu ir falar com Mingrui. Ele se dirigiu até o quarto da didi line e bateu na porta, ouvindo um ‘entre’ como resposta. Quando entrou no quarto viu os dois mais novos brincando e rindo.

— Ah, Mingrui... Está tudo bem? – perguntou muito confuso.

— Sim. – respondeu sorrindo.

— Ué... – Hanyu murmurou e Zeyu se virou para ele.

— Por que ele não estaria bem, gege? – perguntou interessado e curioso.

— É que o Shuyang disse que ele parecia irritado. – Hanyu falou olhando para Mingrui que respirou fundo antes de encará-lo.

— Eu só não sou obrigado a ficar sendo bonzinho com ele toda hora. Podemos ser colegas de grupo mas vamos ser sinceros, ele é muito infantil. Eu cansei de ficar fingindo gostar disso, simplesmente. – Mingrui falou, sem pensar muito, para que desconfiassem que era mentira e questionassem.

Zeyu e Hanyu o olharam com os olhos arregalados. Yu negou para o nada e se levantou, saindo do lado de Mingrui e indo até o banheiro do quarto, querendo não acreditar naquilo.

O que nenhum deles imaginava é que Shuyang tivesse voltado ao quarto, para pegar seu celular, nesse exato momento e que ele tivesse ouvido todas essas palavras, começando a chorar e saindo correndo dali.

— MINGRUI! Isso não é algo que se fale! – Hanyu falou alto e começou a dar uma bronca no mais novo, que abaixou a cabeça.

Enquanto isso, Shuyang havia ido ao quarto da gege line e pego um sobretudo de Zihao. A peça de roupa cobria o pijama que usava e assim saiu da casa chorando, sem se importar com mais nada.

XxX


Depois da bronca, Hanyu mandou Mingrui ir pedir desculpas pela forma como ele agiu mais cedo para Shuyang.

O Gou já havia procurado em todos os lugares possíveis do apartamento e do prédio que moravam, mas não achou o mais novo em lugar nenhum. Ele estava começando a ficar preocupado e tinha avisado aos seus geges, que também estavam preocupados e procurando.

— Que droga! – Mingrui gritou bagunçando seus próprios cabelos.

Estavam todos na sala, cansados e preocupados. Até mesmo o manager havia sumido. Nisso, Shuyang passou pela porta principal com o manager. O menino estava cabisbaixo e foi direto para o quarto, sem falar com ninguém. Enquanto isso, o manager olhava para os garotos confusos na sala.

— Chan gege, o que aconteceu? Onde Shuyang estava e por que ele está assim? – Hanyu bombardeou o mais velho de perguntas.

— O Shuyang costuma falar com vocês sobre os sentimentos dele, por exemplo? – o manager ignorou Hanyu e fez outra pergunta.

— Não... Por que? – Xinlong foi quem respondeu.

— De acordo com o que ele me contou, ele gosta de uma pessoa mas essa pessoa mostrou odiá-lo e ele tem doze anos, imaginem como é ter o coraçãozinho dele quebrado. E, parece que tem mais, porém ele não me contou... – falou sério e os meninos arregalaram os olhos. – Eu irei falar com os CEO’s para dar umas férias das empresas para vocês, acho que vocês merecem um tempo dos ensaios.

O manager saiu da sala pegando o celular, para ligar para os CEO’s, e os meninos se entreolharam preocupados, menos Mingrui que bufava discretamente por saber que alguém quebrou o coração de “seu” bebê.

Mesmo querendo se afastar do mais novo, Mingrui não conseguia ignorar seu senso protetor com ele e saber que alguém magoou ele o deixava profundamente irritado.

— Eu vou ir falar com ele... – Mingrui falou, se levantando e indo até o quarto.

Ele bateu na porta e ouviu um ‘pode entrar’ baixinho. Mingrui abriu a porta e viu uma cena que apertou seu coração. Shuyang estava encolhido na cama dele com a carta em mãos, aquela carta. O mais novo tinha seu rosto levemente inchado e molhado, denunciando o provável choro. GouGou, então, se aproximou e se sentou ao lado de Yang, que se afastou minimamente.

— Shu... – Mingrui começou mas Shuyang o interrompeu:

— Não precisa fingir se preocupar. – ele falou meio quebrado, ganhando um olhar confuso e preocupado do mais velho. – Hoje de manhã, quando Hanyu gege veio falar com você, eu vim buscar meu celular e ouvi tudo que você falou... É engraçado, sabe? Pensar que eu sempre te admirei, gostei de você e deixei evoluir, até mais do que deveria. – ele havia abaixado a cabeça e voltado a chorar, decidindo abrir o jogo de uma vez. – É sério! Por que se aproximou de mim? Por que fingiu tudo? Você prometeu não deixar ninguém me machucar e olha que interessante, talvez por ironia, você foi a pessoa que mais me machucou. – sua voz foi ficando cada vez mais embargada e baixa.

Ele acabou entregando a carta para o Gou, se levantando e saindo do quarto correndo, com as mãos no rosto.

Mingrui, perplexo, resolveu ler a carta, pois acabou ficando confuso em relação a, talvez, declaração do mais novo.

“Uou, eu realmente não sei como começar isso. Acho que irei fazer de uma forma simples e objetiva... Eu estou apaixonado. Admito, esse amor ultrapassou o amor de dois amigos e mesmo que eu considere errado, não consigo me sentir culpado. Se eu dissesse que entendo, estaria mentindo. Eu só sei que gosto do calorzinho que surgi no peito quando fico perto dessa pessoa. Gosto bastante de tudo nela, sua voz, seus olhos, seu cabelo, seu caráter, seu estilo, suas expressões, absolutamente tudo. Sim, sou muito novo e talvez não deveria nem pensar nisso ainda, mas é difícil evitar. Já tentei de várias formas me afastar, mas é como se algo me puxasse para perto dele novamente. É difícil admitir mas eu amo o Mingrui, queria ter a coragem de falar pessoalmente com ele... Não sei se me abrir nessa carta foi algo bom ou ruim, mas, por enquanto, ajudou bastante, por mais que eu ainda não entenda esses sentimentos totalmente.

Ren Shuyang”


Mingrui tinha lágrimas em seus olhos. Ele havia falado aquilo tudo por ciúmes de si mesmo... Agora, Shuyang estava magoado e era tudo culpa dele.

O Gou saiu do quarto correndo e foi até a sala, onde seus gege’s estavam com o manager mas sem sinal do maknae.

— Vocês viram o Shuyang? – Mingrui perguntou, apertando a carta em sua mão.

— No meu quarto. – o manager falou e Mingrui o encarou confuso. – Ele vai dormir lá hoje.

Mingrui abriu a boca sem conseguir falar nada mas assentiu, abaixando a cabeça.

— Eu vou ir dormir, então... Boa noite. – falou e se dirigiu até o quarto.

Chegando lá, trocou de roupa e foi até a cama de Shuyang. Pegou o travesseiro mais novo e o abraçou, sentindo as lágrimas em seus olhos novamemte.

— Desculpa... – sussurrou fechando os olhos e apertando mais o travesseiro em seus braços.

Ainda com o travesseiro, se deitou em sua cama e se cobriu, fechando os olhos e pensando no mais novo. Dormindo com o garoto em sua mente.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...