História Just me - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Chanyeol, D.O
Tags Chansoo, Loucura, Psicopatia
Visualizações 31
Palavras 1.762
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Mistério, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Surgiu de uma vez!
Deu medinho escrever, haha
Perdão pelos erros e boa leitura!

Capítulo 1 - Apenas mais um.


Chanyeol era o jovem de quase dois metros, recém transferido da faculdade do norte para a capital onde cursaria os seus ultimos dois anos de relações internacionais. Ele era o cara 'boa pinta' que em menos de um mês já consquistava professores e alunos com seu jeito espontâneo e sorridente.

Kyungsoo era o ratinho de biblioteca, como os colegas o chamavam, nunca ia as festas, nem sem enturmava com as pessoas, era calado e parecia saber sobre todos e tudo.

As aparências enganam? Ou as pessoas apenas enxergam nas outras o que podem ver em si mesmas? Como reconhecer sentimentos nunca antes provados?

~~

 

Chanyeol estava sentado há três longas horas na área de estudo da biblioteca tentando resolver um estudo de caso que envolvia logistica comercial. Sua cabeça doia e quanto mais ele tentava, mais sem solução o problema parecia ser. Esgotado e irritado ele deitou sobre a mesa e aos poucos foi relaxando e se deixando levar pelo sono, totalmente alheio ao par de olhos negros que lhe observavam com cautela da seção de direito tributário.

Kyungsoo sabia quem ele era, não o estranhou na biblioteca, afinal conhecia a matéria e arriscaria dizer que era mais dificil que elaborar TCC. No entanto, algo naquele garoto chamou sua atenção: apesar do silencio que ele fazia, a aparencia dele gritava carisma, gentileza. E isso despertou um sentimento que não gostava. Queria poder manchar aquela auréa bonita do outro. Tirar dele aquele brilho intrmetido de sua irís. Queria vê-lo sofrer.

E ele sabia o que fazer, foi assim com Baekhyun, Oh Sehun, entre tantos outros, falhou apenas com Kim Jongin, mas não cometeria o mesmo erro duas vezes.

Se aproximou de Chanyeol com um brilho nos olhos, era insano! A adrenalina em suas veias, ah! Como podia viver sem isso?

Adotando uma postura gentil e submissa acordou Chanyeol com gentileza, sorrindo levemente, sorriso prontamente correspondido. Ponto 1.

_Oi, você está bem?

_ Sim, um pouco cansando, este estudo tem me matado!

_ É sobre logística comercial?

_ Sim, como sabe?

_ Peguei a matéria semestre retrasado, se você quiser eu posso te ajudar.

_Claro!

Chanyeol deu um sorriso enorme, ele era bonito, sua voz era grossa, e ele parecia ser forte, Kyungsoo teria de ser cauteloso, não poderia subestima-lo.

_Pode ser mais tarde, agora tenho aula de ciência política. Pode me passar seu número?

Chanyeol pegou o celular de Kyungsoo e salvou seu numero, aproveitando e mandando uma mensagem para si mesmo para salvar o número dele também, mas,

_ Meu nome é Chanyeol, qual é o seu?

_Kyungsoo, D.O. Kyungsoo. Nos vemos em breve Chanyeol.

O menor saiu da biblioteca tranquilamente, enquanto Chanyeol sorria ao observa-lo se afastar, aos seus olhos alegres o pequeno parecia um anjo.

~~

 

Depois deste primeiro encontro, Kyungsoo mandou uma mensagem para Chanyeol encontra-lo no laboratório de informatica do instituto de ciências, era um lugar calmo e com pouco movimento, onde poderiam conversar e usar os computores sem serem expulsos por fazerem barulho.

Sentados nas confortaveis cadeiras eles conversavam e montavam teorias de provaveis soluções que poderiam usar com o apoio da tabela que estava sendo montada por Kyungsoo, que seviria de base para sua tomada de decisão. Era muito complexo e Chanyeol estava impressionado, pois o pequeno parecia dominar aquelas tabelas e gráficos de comandos confusos que no fim davam um aspecto organizado e útil.

D.O., por outro lado estava entediado e atento, aquela reação de Chanyeol já era esperada. Ele sabia bem o sentimento que causava nas pessoas, aquilo era comum demais, afinal conhecimento é algo que qualquer pessoa com tempo e um pouco de determinação pode obter. Agora, a finalidade é outra coisa, e é isto que motiva as pessoas a se interessarem ou não, em quererem ser algo que elas podem ser. Ninguém nasce sendo isto ou aquilo, você se molda a ser o que quer ser ou o mundo te força a isso.

E Kyungsoo sabe muito bem disso, você precisa ser alguém interessante para atrair quem te interessa. E quando você sabe muitas coisas, você saberá conversar com vários tipos diferentes de pessoas, agregando assim contatos e informação.

Informação é algo muito valioso. Por exemplo, Chanyeol não gosta de matérias de exatas, muito menos de planilhas em excel e afins, por esta razão kyungsoo estrategicamente montou uma tabela para ele, o que lhe renderá uma boa nota, e consequentemente o menor receberá uma admiração velada por parte de Chanyeol, com grandes chances de ser inserido em seu círculo de amizades, uma vez que a bondade do maior se sobressai a sua racionalidade.

E foi isto que aconteceu. Aos poucos Chanyeol e Kyungsoo se tornaram mais próximos, mais intimos.

Chanyeol ia com frequencia ao apartamento de D.O., o local era pequeno mas muito organizado e cheirava a lavanda. Trazia uma paz estranha, as grandes janelas da sala se abriam para a vista de uma das avenidas mais movimentadas da cidade, alguns metros adiante ficava a estação subterrânea do metrô. Era uma loucura 24 horas por dia. Sempre tinha pessoas lá fora, o que contrastava com o ambiente pouco mobiliado e de cores neutras. Era um ambiente frio, não importava o quanto o dia estava quente, aquele pedaço de espaço era sempre frio.

Kyungsoo sempre o recebia com um leve aceno e um sorriso, naquela noite não foi diferente. No entanto, Chanyeol estava quieto demais.

_Soo?

_Hum?

_Posso te fazer uma pergunta?

Kyungsoo não o respondeu, mas deduziu o que seria perguntado e não perdeu tempo. Atacou os lábios de Chanyeol com voracidade, que foi prontamente correspondido. Chanyeol apesar da surpresa estava feliz afinal era isso o que ele mais queria, e ter Kyungsoo rebolando em seu membro estava se mostrando melhor que em seus sonhos.

_Quarto, segunda porta a esquerda.

Chanyeol estranhou afinal sempre o via entrar na primeira porta, mas não questionou, levantou-se do sofá com D.O. agarrado em sua cintura e foi em direção ao quarto, enquanto o menor explorava seu pescoço. Chutou a porta e o jogou sobre a cama. Seus lábios inchados em formato de coração o enlouquecia. Retirou a camisa e subiu na cama entre as pernas de Soo, tomando seus lábios novamente em um beijo profundo, as línguas se encontravam e dançavam em um ritmo suave e muito gostoso, os sons que escapavam de sua boca eram eróticos e nublavam sua mente.

Suas grandes mãos exploravam o corpo abaixo de si com firmeza. Puxou a blusa do outro, fazendo um carinho na cintura alva, suas mãos ainda estavam frias, despertando arrepios no menor, que tremia levemente aos toques do outro. O pequeno se afastou e tirou sua camisa de botões, se atrapalhou um pouco no processo, mas logo também estava nu da cintura para cima.

Chanyeol beijou a bochecha de Kyungsoo deixando um rastro de saliva, beijos e mordidinhas carinhosas demais para alguém como ele. Ao chegar no pescoço ele sentiu o cheiro forte do pequeno misturado a colônia amadeirada, era um cheiro muito bom. Fez uma trilha aos mamilos do outro e chupou levemente, Kyungsoo o olhava com os olhos semicerrados e a respitação irregular, soltava leves gemidos que atiçava Chanyeol, e o instigava a fazer mais e mais.

Antes que o maior chegasse em suas calças ele foi puxado com força e jogado na cama, Kyungsoo se colocou sobre ele, com as pernas ao lado de seu corpo e a bunda sobre sua ereção. Rebolou gostoso, sentindo o atrito das ereções ainda sobre o tecido, mordeu os lábios encarando Chanyeol, aproximou-se e o beijou, mais língua, menos lábios, a saliva se misturavam formando filetes quando se afastavam.

Kyungsoo sorriu ladino ao enxergar o fio de saliva que os ligava e desceu seus beijos e mordidas pelo tronco másculo e bem desenhado do outro. Soltou o botão da casa e puxou as calças de Chanyeol juntamente com a boxer preta, o pênis do maior saltou e se mostrou em riste, era um pau médio e grosso, o menor também se livrou de sua bermuda e ficou nu, não tinha costume de usar cuecas, seu pau também era médio, mas um pouco mais fino e rosado do que o do mais novo.

Colocou-se novamente sobre o maior juntando os membros em uma carícia de vai e vem lento. O cheiro de sexo impregna rapidamente pelo quarto. Kyungsoo observa Chanyeol, se deliciando com sua expressão de tesão. A noite foi longa.

~~

 

 

Após aquela noite Chanyeol se mostrou mais apegado ao pequeno, parecia mais carente de sua atenção, e estava mais manhoso com o outro. Kyungsoo sabia que o momento estava chegando e o fato de alimentar as esperanças do outro o deixava mais ansioso para o desfecho final.

Numa manhã bonita de novembro, véspera de feriado prolongado Chanyeol recebeu uma mensagem assustadora que continha uma foto e um endereço.

Era uma foto de Kyungsoo vedado com um cartaz escrito: "sem polícia, você tem dez minutos". Seu coração apertou, a primeira coisa em que pensou foi realmente na polícia, mas não dava tempo. Então ele simplesmente puxou um canivete que guardava no fundo da mochila e escondeu na cintura e foi em direção ao edificio do endereço. Conhecia o lugar, era um predio proximo a faculdade, parecia abandonado, mas ainda era utilizado por estudantes que tinham muito pouco dinheiro para se manterem.

Desceu as escadas e contou as portas, o lugar fedia muito, achou a porta e a empurrou. Entrou no local com um pouco de esforço puxou seu celular e ligou a lanterna, tinha uns sofas estragados e colchoes mofados e amontoados, certamente para abafar ecos quaisquer. A poucos metro dali ele ouvia o som da caldeira que era utilizada para aquecer o velho edifício. Gritar ali, seria completamente inútil: não seria ouvido e se fosse ouvido poderia facilmente ser ignorado e considerado algum drogado. Era um lugar perfeito para coisas erradas.

Andou por um corredor e avistou luz em um dos quartos, guardou o celular, e com uma coragem que desconhecia abriu a porta.

Ele estava lá. Sem amarras. Kyungsoo estava sentado de frente a si numa cama com lençois amarelados e com cordas e uma corrente com um cadeado. Ele lhe encarava sem expressões.

_ O que é isto Kyungsoo?

D.O. não o respondeu, novamente apenas tomou uma atitude. Avançou sobre Chanyeol com uma seringa que não teve tempo para reagir; a seringa acertou em cheio o seu braço esquerdo e ele gritou de dor ao sentir o líquido frio sob a pele. Empurrou o menor contra a parede sentindo sua cabeça rodar e seu corpo fraquejar.

_ Por quê?

_Deve ser apenas eu.


Notas Finais


Deixei o final em aberto, dá para se ter uma noção do porque o D.O é assim, mas é como o ele mesmo disse os motivos que você encontrar de certa forma reflete quem você é.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...