1. Spirit Fanfics >
  2. Just Say "I do!" - Interativa >
  3. O1 . Love in Sight

História Just Say "I do!" - Interativa - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Bem vindxs!
Espero que estejam tão interessados nessa história quanto eu. Prometo escrever essa nota de novo mais tarde!

Informações na nota final!

Capítulo 1 - O1 . Love in Sight


Faziam cerca de 8 minutos que a morena estava parada em frente a porta de mogno. Ela poderia jurar que já fazia muito mais tempo, mas ela havia chego ali enquanto Weiyi a recém tinha atendido o celular, ela pode até mesmo ouvir o toque característico dele. Pelo toque simples e sem graça, ela sabia que era o telefone “de trabalho” dele. O telefone que ele dava para os clientes especiais e que ele nunca deixava de atender. Ela não conseguia ouvir bem o que ele estava falando, talvez já até tivesse desligado, mas ela não conseguia se fazer entrar naquela sala. Dando mais alguns passos de um lado para o outro em frente a porta, ela se lembrou da última conversa que tiveram ontem. A ambição e os planos deles para tinham ido um pouco longe demais para um negócio novo; e já estavam ficando “mal das pernas” como diria o avô dela. Não foi uma briga, mas também não foi uma conversa amigável. Ela não compreendia bem Weiyi às vezes. Ele nunca dizia o que realmente estava pensando, nunca gostava de discutir problemas com ela, e às vezes parecia que ele tentava fazer parecer que eles estavam vivendo um sonho do empreendedorismo, tudo dando SEMPRE certo. Era através de Jihoon e Naeun, da contabilidade e do administrativo, que ela ficava sabendo das empreitadas dele no mundo dos negócios. 

Com um rompante de coragem, virou de frente para a porta mais uma vez, segurou a maçaneta vertical que muitas vezes a fazia lembrar o quanto sua mão era pequena, e empurrou a porta que ela sabia nunca estar trancada. Entrando no que ele chamava de sala do trono, ela o viu parado perto da mesa grande onde ele trabalhava, com o celular em uma mão e um tablet na outra. Fez o mínimo de barulho possível, seus pés não faziam som algum enquanto ela caminhava pelo carpete claro que parecia engolir cada passo dela. Ele falava em mandarim, fazendo-a se arrepender de ter estudado francês como sua terceira língua na universidade. 

Weiyi encarou o relógio de pulso que usava, uma edição especial de uma marca suíça que ela não lembrava, mas que ele adorava se gabar toda vez que eles tinham uma reunião de grupo. “Que horas são? Oh, deixe-me ver aqui. É uma beleza este relógio, não? Vocês sabiam que…” E então ela parava de ouvir. Ele sorriu e depois soltou uma gargalhada. Aquilo a deixava irritada. Se ele queria namorar, que fizesse isso fora do expediente de trabalho, não importava se ele era quem distribuía as moedas ali. 

Foi quando ela bufou um pouco irritada que ele percebeu a presença dela ali. Ele largou o tablet na mesa, com a tela desligada, claro, e abanou para ela, como se dissesse “Fique aí, não saia”. Ela concordou e aguardou ele desligar a ligação tão rápido quanto o suspiro que ela deu. No entanto, ele deu um pequeno passo até sua cadeira, onde o blazer do terno estava estendido.

— Podemos conversar? 

— Sinto muito Miyeon-Ah, eu já estou atrasado.

— Como Assim, Weiyi? — Não deixou de encarar cada movimento dele enquanto ele procurava algo sob a mesa — Nós precisamos conversar.

— Não precisamos não, — ele parou o que estava fazendo olhando-a rapidamente — não se preocupe, eu sei o que você vai dizer.

— Weiyi, isso é sério. Precisamos conversar sobre o que está acontecendo. — Miyeon se aproximou da mesa de madeira.

— Miyeon-ah, não tem nada acontecendo, está tudo bem. — Ele vestiu o blazer finalmente, colocado o celular no bolso interno. Já se afastado da mesa.

— Você sabe que não é verdade. Jihoon disse que os números não foram bons este mês. Eu estou ficando preocupada.

— Isso é normal no início. Não completamos nem um ano ainda, toda empresa enfrenta dificuldades. — Lembrando do iPad na mesa, ele dá dois passos de volta.

— Weiyi, pode parar de andar, estou conversando com você. — Ela bufou irritada, encarado-o.

Ele parou de frente para ela, segurando-a nos ombros, carinhosamente, e abaixando o rosto para que ficasse quase na mesma altura que o dela. — Miyeon-ah, eu sei que está preocupada, mas está tudo bem, estes números estavam previstos. Quando se começa um negócio novo, inovador, e com um público que ainda não o conhece bem, essas coisas acontecem, mas tudo vai dar certo. Oppa vai resolver isso, tudo bem?

Ela apenas piscou como resposta. Vendo que a garota não diria mais nada, Weiyi deu um sorriso pequeno, se aproximou mais, e lhe deu um rápido beijo no topo da cabeça. Isso deixou Miyeon ainda mais atordoada, ele nunca fez isso antes.

Se afastando, Weiyi soltou os ombros dela e caminhou até a porta com um olhar preocupado. Ele já não tinha mais noção do tempo que havia passado e se estava tão atrasado e ferrado quanto imaginava que estivesse.

Miyeon não percebeu quando ele saiu, muito menos ouviu o clique da porta fechando, apenas uma coisa continuava rodando e rodando dentro das engrenagens em sua cabeça: “Oppa?”

--x--x--

Quando saiu mais cedo do escritório, acompanhada da gerente do administrativo, e sua amiga mais próxima, ela não conseguia se concentrar em nada que Naeun dizia. Muitas coisas estavam retumbando em sua mente. Primeiro, os números do “capital de giro” que não pareciam nada favoráveis com as projeções que Weiyi havia feito logo quando começaram o negócio. Faziam 8 meses desde que a “Love in Sight” havia começado suas operações, mas ela tinha tanta fé no seu algoritmo, que ela não achava que qualquer coisa poderia dar errado. Lá estavam os números que Jihoon mostrou para ela dois dias atrás, caindo sobre sua cabeça como um balde de água fria. 

Segundo, foi sua “conversa” com Weiyi. Os dois haviam se tornando muito bons amigos quando começaram essa empreitada juntos. Ele era muito confiante no negócio e nas suas medidas e estratégias, seus cálculos de negócios pareciam muito promissores, um retorno de 20% no primeiro ano, isso pareceu muito bom para a leiga que ela era com negócios. Mas a bem da verdade, ela nunca havia chamado-o de Oppa, e estava muito certa de que nunca faria isso. Eles eram amigos, mas não eram “amigos”, se é que isso faz sentido. Weiyi era o tipo de amigo que a chama para falar dos casos dele de sexta a noite enquanto tomam o brunch de domingo, um hábito que ele adquiriu durante os anos vivendo na inglaterra, em uma cafeteria perto do apartamento milionário dele. Eles eram amigos, de verdade, conseguiam rir um do outro e até tinham um ou outro segredo do outro que poderiam usar como arma para uma ameaça branda, talvez uma foto dele vestido de coelhinho da páscoa, ou um vídeo dela muito alterada depois de uma cirurgia dentária. Mas eles não tinham intimidade para que se tratassem de maneira tão “doce” e “próxima” assim. Ela nem sabe se gostaria de chamá-lo de oppa um dia. Oppa é um termo tão íntimo para ela, quando existe uma amizade muito forte, de muitos anos. Não é uma palavra qualquer banalizada pela internet. Mas Weiyi não era coreano, e talvez não se importasse tanto com isso quanto ela se importava. Talvez ela estivesse pensando nisso mais do que deveria, talvez estivesse dando muita importância para algo que ele não deu nenhuma. Isto estava deixando-a com dor de cabeça. Isto ou as três garrafas de soju de mirtilo que ela havia tomado uma atrás da outra. Para onde foi Naeun? Ela nem tinha notado quando a amiga havia ido embora.

Mais uma dose! Miyeon já havia tomado ao menos três garrafas de soju inteiras sozinhas, mas ela queria muito tomar mais uma. Talvez agora misturada com cerveja, para dar uma mudada no gosto. Porém, alguma coisa a impedia de levantar o braço, de pedir mais uma garrafa. Um sono incomum invadiu seu corpo e tudo que ela conseguiu fazer foi deitar na mesa a sua frente, com o queixo apoiado no tampo de madeira, com os braços caídos ao lado do corpo. Como estava difícil manter os olhos em foco.

Piscando algumas vezes, ela viu um borrão preto se aproximar, crente de que era o garçom, mas mesmo assim ela não conseguia pedir outra dose. Como ele parecia distante ainda, ela decidiu fechar os olhos e descansar um pouco, talvez recuperar um pouco de energia para que quando ele parasse em sua mesa ela pudesse pedir outra garrafa.

Weiyi entrou no salão varrendo o lugar com o olhar. Ele sabia que Miyeon e Naeun acabariam ali hoje à noite graças a uma mensagem da gerente. Se ele não estivesse tão preocupado, ele poderia rir. Ele sabia que ela estava preocupada também, mas sua preocupação era outra. De fato, empreendimentos novos, em fase inicial sofrem com alterações no mercado, mudanças de gosto do público, e outros fatores mercadológicos relevantes. Mas eles, elas não estavam com sérios problemas, não ainda. Tudo o que o negócio deles precisava era de um bom plano de marketing para este verão e um plano estratégico de longo prazo para ultrapassar a marca que a maioria dos aplicativos e sites de relacionamentos enfrentava como deadline, ou o declínio no ciclo de vida do produto, que nestes casos era curto. Eles ainda não haviam entrado no primeiro ano do “Love in Sight” e ela já estava preocupada assim, imagina quando chegassem no quinto ano?! Sabendo disso, e depois de pensar muito, ele precisava pôr um de seus planos brilhantes em ação, mas sabia que não poderia contar nada para ela antes de ter tudo muito bem estruturado.

Vendo-a praticamente deitada em uma das mesas do fundo, perto do bar, ele suspirou mais aliviado e correu até lá enquanto sinalizava para um garçom lhe levar uma água. Ele sentou na cadeira em frente e encarou a garota por alguns minutos, esperando. Depois que o jovem garoto lhe entregou a garrafa de água e levou as outras de soju vazias, ele tirou alguns segundos para encará-la. Sentindo o celular vibrar no bolso ele o puxou para fora, respondeu as duas mensagens de alguns investidores e guardou o aparelho rapidamente. 

Miyeon continuava fora do ar, ela não estava dormindo, estava flutuando, sua mente estava, pois seu corpo parecia pesado como um pedaço de tecido molhado no fundo de uma bacia, difícil de mexer. Ela suspirou, chamando a atenção dele. 

— Miyeon-ah, tudo bem? - se aproximou mais do rosto dela. Tudo o que ela conseguiu responder foi um gemido de desconforto. — Miyeon ssi, está me ouvindo? 

— heum. - ela confirmou 

— Consegue ficar de pé? Vou te levar para a casa. - ela responde apenas balançando a cabeça, o que o fez suspirar cansado. — Vou te ajudar, ok? 

A primeira coisa que Miyeon fez foi recusar. O que ela me os queria era mover qualquer músculo naquele momento. Ela o ouviu abrir alguma coisa e abriu um olho para enxergar. O barulho parecia uma tampa de rosca, que logo a fez pensar no soju que ela não conseguiu pedir. Estendeu a mão com um esforço hercúleo e recebeu a garrafa dele. Tomando um gole ela não sentiu a queimação ou o gosto característico de álcool, nem o cheiro do mirtilo, ou do pêssego, que era o sabor favorito dele. Depois de mais alguns goles, ela largou a garrafa sobre a mesa e voltou a deitar a cabeça, agora em cima do próprio braço. 

— Hey Mimi, hora de ir pra casa. - Weiyi levantou caçando todos os pertences dela, a bolsa preta e o casaco cinza, e deixou algumas notas para pagar a conta. Chegando mais perto dela, ele laçou um braço na cintura da moça enquanto outro segurava enganchada em seu pescoço. Eles foram assim até a entrada, onde ele a colocou sentada para lhe ajudar a vestir o casaco. Depois, a abraçou de novo seguindo o seu rumo.

No meio do caminho Miyeon tropeçou duas vezes no caminho até o carro e quase o derrubou pelo menos três vezes além de quase vomitar nele. Agora, após uma pequena parada para que ela pudesse vomitar no acostamento, mais uma vez, eles finalmente haviam chegado ao prédio dela, e ela a carregava nas costas até seu apartamento. Ela dormiu mais da metade do caminho do restaurante até ali, mas agora que ele precisava subir os dois lances de escada com ela nas costas, ela parecia bastante acordada, e irritada. A respiração dela na orelha dele dava cócegas e ele quase a derrubou por isso. Chegando a porta, ele rapidamente usou a digital dela para abrir e entrou no apartamento. Depois de tirar os sapatos, ainda com ela no colo, levou-a para o quarto colocando-a deitada na cama. Ele tirou o casaco pesado, os sapatos e os brincos dela. Puxando a coberta, ele a aconchegou no lugar e arrumou o cabelo, tirando-o do seu rosto. 

— Miyeon-ah, eu sei que você está preocupada, eu também estou. É normal ficar preocupado numa situação dessas. Mas também é normal que esse tipo de coisa aconteça em um negócio novo, é difícil ter bons resultados logo no primeiro ano. - Sentou ao lado dela, ele aproveitou que ela não estava muito acordada para conversar. — As coisas vão melhorar, não precisa ficar com medo. Vou cuidar de tudo, eu prometo. Só confie em mim um pouquinho, tudo bem? - deixou um beijo na testa dela e foi embora. 

--x--x--

Quando acordou, pela manhã, Miyeon sentia uma enorme dor de cabeça martelando seu cérebro. Estar acordada doía, respirar doìa. Ela no primeiro momento levantou assustada até que se acostumou com a luz fraca vindo do contorno das cortinas e percebeu que estava em casa. Ao percorrer o lugar com os olhos, um pequeno pedaço de papel amarelo preso ao relógio de cabeceira chamou sua atenção.

“Mimi, tome bastante água hoje, e descanse. Não pense em aparecer na empresa antes das 14h. W.”

Ao lado do aparelho celular, que marcava estava uma cartela de advil e uma garrafinha com água. Percebendo que ainda estava cedo, ela tomou o remédio e - com uma dor de cabeça absurda e um sorriso bobo no rosto - voltou a dormir.

 


Notas Finais


Olá de novo!
Aqui se encontram todas as informações pertinentes para a execução das fichas e para a compreensão da história.

M E N U : https://docs.google.com/document/d/1t3U4gPtvujRc1KvP390oOVXLNnNZgPozwMJGvJ4EbYA/edit?usp=sharing
R E G R A S : https://docs.google.com/document/d/1c6PkEV6IB1c3reJekEIgh2uBZ0JgB8CybxYmghPOkfM/edit?usp=sharing

Teremos um comentário para dúvidas fixado logo logo. Sobre as reservas, apenas preenchendo o formulário. Peço encarecidamente que leiam as regras antes de fazer uma reserva.

R E S E R V A S : https://forms.gle/d5Gqvu8krPoPpcuh8

[edit 21/05: Alguém me atentou para o fato de que vocês não tem informações sobre as reservas de aparência, por isso estou vou separar um comentário para informar players escolhidos e noivos para vocês poderem ter uma noção.]

x.o.x.o


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...