História Just The Way You Are - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Bellatrix Lestrange, Dino Thomas, Dobby, Dolores Umbridge, Draco Malfoy, Fenrir Greyback, Franco Longbottom, Gregory Goyle, Harry Potter, Hermione Granger, Horácio Slughorn, Lílian Evans, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Mundungo Fletcher, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Nymphadora Tonks, Parvati Patil, Pedro Pettigrew, Personagens Originais, Remo Lupin, Rodolfo Lestrange, Ronald Weasley, Severo Snape, Sirius Black
Visualizações 80
Palavras 1.803
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Hentai, Literatura Feminina, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 30 - By your side


Samantha estava inerte diante da presença de Rodolpho. Não conseguia decifrar o significado daquele olhar. Conhecia o homem apenas pelas breves descrições de Sirius. Sabia que ele amava Bellatrix. Ou que pelo menos, amou um dia.

_Eu... Eu já estou indo - abraçou seu corpo com as mãos, como quisesse esconder-se dele. Por alguma razão, não se sentia nada confortável em sua companhia.

_Você está muito bonita – declarou com sinceridade.

_O... Obrigada – respondeu, ainda constrangida. Mas quem diabos era esse homem? Um comensal da morte desalmado ou um amante amargurado? - Diga a eles que já vou.

_Claro – reverenciou brevemente e fechou a porta do quarto. Seu coração se dividia entre dois sentimentos absolutamente opostos. De um lado, era como estar entregando sua filha ao futuro marido. De outro, a eterna lembrança da traição de Bellatrix, que insistia em lhe assombrar dia após dia.

~~~~~~~~xx~~~~~~~~

O tão aguardado momento chegou. Sirius não pôde deixar de conter algumas lágrimas ao ver sua filha tão linda. Mal podia acreditar que em poucos minutos, a entregaria a outro homem e que já não seria mais o único em sua vida. Ter de dividir o amor de sua filha não era uma tarefa fácil. Aceitar que dali em diante sua vida seguiria e ele seria um mero espectador.

Conduziu-a ao pomposo altar à melodia de um violino suave. Era bem típico de sua menina não ostentar qualquer luxuosidade. De seu vestido a seus cabelos, a simplicidade era o que a fazia mais linda.

_Cuide bem da minha filha – dirigiu-se a Severo com um ar mais amigável. Descontraído, talvez. Bem ou mal, ele pertenceria à sua família agora. Não ouviu uma resposta, apenas um sorriso fino, porém sincero.

O oficial de cerimônia não se demorou no discurso, percebendo que a noiva gestava e parecia longinquamente cansada.

_Façam seus votos e coloquem as alianças - proferiu docemente o homem bem vestido.

Severo tomou a aliança menor, encaixada em um porta-alianças que flutuava sobre o altar. Jamais se sentira tão extasiado em toda a vida. Era uma sensação desconhecida, porém, intensa. Olhar nos olhos dela e saber que poderia finalmente assumi-la perante o mundo.

_Eu, Severo Prince Snape, recebo-te, Samantha Middleton, como minha legítima esposa, prometo amá-la e respeitá-la até que a morte nos separe – inseriu o delicado anel dourado no trêmulo anelar da garota. Um sorriso abobado se recusava a abandonar sua face angelical. 

_Eu, Samantha Middleton, te recebo, Severo Prince Snape como meu legítimo esposo, prometo amá-lo e respeitá-lo até que a morte nos separe – repetiu o gesto e aguardou que o oficial lançasse sobre eles o feitiço de bênção.

_Eu vos declaro casados – sorriu gentil e acompanhou com gosto a sessão de pétalas de acônito lançada sobre os noivos. Era mesmo uma cena adorável. Esperava profundamente que sobre eles recaíssem as mais puras bênçãos. Lhe parecia um dos amores mais sinceros que já vira.

~~~~~~~xx~~~~~~

Após algumas – muitas – doses de licor de alcaçuz, Sirius se deparou com a imagem de Bellatrix do outro lado do grande salão. Não sabia bem descrever o que sentia ao vê-la depois de tantos anos. Dezesseis anos, e ela ainda lhe remetia àquela garota soberba e presunçosa por quem se apaixonou. Apenas uma coisa havia mudado. O brilho nos olhos dela se extinguira por completo. Muito de sua beleza encantadora havia desaparecido. Azkaban teria deixado suas marcas.

Relutava consigo mesmo entre aproximar-se ou não. Ainda que seu único sentimento por ela nesse momento fosse ódio, seu peito clamava por uma resposta. Uma razão para que tivesse abandonado o amor que sentiam um pelo outro. Abandonar a filha com quem ele sempre sonhara.

_Será que nós podemos conversar? - proferiu em tom baixo ao pé do ouvido da prima, segurando levemente seu braço e fazendo com que ela pousasse os olhos em si. Seu corpo tremia diante daquele olhar penetrante e frio.

_Pensei que sua filha tivesse me proibido de falar com você - sorveu um gole de sua bebida com aparente indiferença.

_Não seja ridícula! - segurou com mais força o braço da mulher e forçou-a a virar-se para si novamente.

_Mas o que é que você quer?! - questionou entre os dentes.

_Quero conversar com você! Já disse! - de certo, nada nesse mundo era mais encorajador a um homem que umas boas doses de álcool. Após a irritadiça concordância da bruxa, caminharam separadamente até um dos cômodos da mansão.

Não entendia muito bem o que lhe fazia querer encará-la após tantos anos. Há algum tempo, jurou a si mesmo que assim que se deparasse com ela novamente, caso isso acontecesse, a mataria sem pensar duas vezes. E agora lá estava, traindo a si mesmo. Traindo suas promessas como fizera há mais de dezesseis anos.

_Me chamou aqui para conversar e não disse uma só palavra – debochou, andando em círculos sobre o tapete luxuoso da sala. A taça ainda em suas mãos e um sorriso fino de sarcasmo.

_Por que você fez isso?

_Isso o quê? - tocou o queixo e voltou a disparar com ironia.

_O que foi que você se tornou, Bellatrix? - sua voz soava incrédula e amargurada.

_Foi você quem abandonou a família sem pensar duas vezes e se acha no direito de me cobrar? - disse firme – Ah, Sirius – revirou os olhos - Você não tem ideia do que eu passei – voltou a debochar.

_Por que não me contou? Por que não me contou que esperava um filho meu?! - segurou-a pelos ombros com desespero.

_Eu ia contar! Eu descobri poucos dias antes de você simplesmente desertar da nossa família! Virar as costas para todos nós como um renegado!

_MAS EU FUI RENEGADO! - respirou fundo – Eu fui julgado por fazer o certo!

_Chama isso de fazer o certo?! Apoiar Andrômeda em uma atitude como aquela? Caso não se lembre, ela engravidou de um sangue-ruim! Ela traiu o nosso nome e a nossa família! Quando você a apoiou, fez o mesmo que ela.... - suspirou com peso – Contar sobre essa gravidez seria assinar a minha sentença de morte! E diferente de você, EU NÃO QUERIA ME TORNAR NINGUÉM!

_O seu egoísmo foi maior que seu amor por mim... Foi maior que o seu amor de mãe! - disparou com amargor - Você não é mais a minha Bella... Há muito tempo você não é mais!

_Mas você ainda é aquele Sirius – mirou-o com desdém - Aquele mesmo Sirius egocêntrico, infantil e imaturo que se acha o centro do universo – revirou os olhos com desprezo – Eu vou descer, meu marido pode sentir minha falta.

_Seu marido – sorriu debochado e a interceptou quando fez menção de sair – Eu só quero entender uma coisa.

_Me deixe em paz!

_Você nunca vai ter paz na sua vida, Bellatrix – sorriu fraco – Depois de tudo que fez, ainda acha que é capaz de ter paz?

_Eu quero passar – empunhou sua varinha.

_Ele sabia? Lestrange sabia que esperava um filho meu? - ignorou a ordem da outra.

_Que diferença isso faz agora? - apertou os olhos escuros na direção do outro – O que foi feito está feito.

_Por que abandonou a nossa filha? Sabe o que ela sente?

_Sei – disparou com rispidez – Ela me odeia. Me deixe sair – sentiu seu braço ser segurado novamente – Mas o que é que você quer?!

_Eu quero te dar um aviso – olhou profundamente nos olhos negros – Jamais faça a minha filha sofrer. Jamais – percebeu um sorriso fino nos lábios de Bellatrix – Quer parar de cinismo? - empregou mais força contra o braço dela - Será que você é incapaz de amar?

_Eu fiz o que pude para livrar a garota de todo esse caos – voltou-se para ele e desvencilhou seu braço - Não havia decisão melhor! Depois que me propus a seguir o Lorde das Trevas, fiz coisas que assustaria até o próprio diabo – sorriu fino – Pense no que teria acontecido com a garota depois que fossemos para Azkaban.

_Por que então você se propôs a seguir esse miserável?! Esse maldito?! - bradou com fúria.

_Por que eu quis – respondeu em tom óbvio - Agora que seu recado está dado, você pode por favor me dar licença? - sorriu com deboche, percebendo que ele saiu de seu caminho e lhe cedeu passagem.

Mais essa, agora. Dar satisfações a esse renegado. Era tudo o que não precisava nesse momento. Voltou para o salão principal com a naturalidade que conseguia demonstrar. Mirava a filha de longe. O pouco de amor que ainda sobrara em seu peito lhe fazia entender que tomara a atitude correta. Sabia que não seria uma boa mãe. Talvez tenha agido da melhor forma que pôde.

~~~~~~~~xx~~~~~~~~

Findada a festividade, os convidados retornaram às suas casas. Os membros da Ordem retornaram à sede. Ainda processavam em suas mentes o fato de estarem lado a lado com os Malfoy. Com os Lestrange. Era um acordo de paz difícil de ser cumprido, porém, acreditavam que Samantha merecia seus esforços.

Tonks brincava insistentemente com o buquê de flores que pegara de Sam. Notou a entrada desconfortável de Remo. Ele parecia um tanto perturbado. Não era para menos. A presença de todas aquelas... Pessoas, era desconfortável. Insuportável, por assim dizer.

_Eu consegui salvar um pedaço do bolo – sorriu largo – Aceita? Está muito bom – ofereceu um pedaço ao ex-professor, que sorriu fraco ao aceitar.

_Você tem – insinuou que a garota usasse o guardanapo – Acho que é glacê.

_AH! - tapou o rosto instintivamente. Sentia-se envergonhada por estar parecendo uma criança toda lambuzada – Eu não posso comer na frente das pessoas! - limpou o rosto freneticamente, mas não retirou o recheio do canto da boca.

_Ainda...- riu sutilmente – Ainda está sujo – sentou-se ao lado dela – Com licença - aproximou-se da outra e limpou o doce de sua boca. Sentiu o rubor tomar conta de sua face pálida ao encontrar o olhar dela fixo no seu – Acho que... Acho que está limpo agora – sorriu desconcertado.

_Remo...- colocou sua mão sobre a dele - Será que... Será que você... - aproximou sua boca da dele e não sentiu resistência por parte dele. Saltou da cadeira ao ouvir a porta da cozinha se abrir com um estrondo.

_Eu já disse para guardarem esses doces! - senhora Weasley carregava os gêmeos pelas orelhas – Ah...- ao se dar conta de que provavelmente teria estragado um momento importante, retirou-se do recinto com os dois e se desculpou com Tonks.

_Eu... Eu preciso ir, Ninfadora – fez menção de levantar-se. Não podia negar que seu sentimento por ela era forte. Porém, não podia ir adiante. Ela era uma menina muito jovem. Não podia oferecer muito a ela. Em verdade, não tinha nada a oferecer. Preferia vê-la feliz com outro homem que pudesse ser para ela o que não poderia. Retirou-se da cozinha com o coração apertado ao olhar nos olhos tristonhos e decepcionados da garota. Infelizmente, era o melhor a se fazer.


Notas Finais


Espero que tenham gostado (mesmo que não tinha ficado tão grande assim)

Beijineos e até o próximo ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...