História Justice And Patience - Undertale - Capítulo 2


Escrita por: e Sasha_Blouse

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Asriel Dreemurr, Chara, Flowey, Grillby, Mettaton, Muffet, Napstablook, Papyrus, Personagens Originais, Sans, Toriel, Undyne, W. D. Gaster
Tags Undertale
Visualizações 7
Palavras 3.178
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Lembranças parte 2 - Capítulo 2


Quebra-de-Tempo*

 

P.O.V Harley*

 

Pronto, melhor eu ir para a sala de aula, vou andando pelo corredor, até ser barrada pela diretora e as três garotas.

 

Diretora: Para a minha sala, agora mocinha!

 

Dou meia-volta e ando até a sala dela, logo me sento na cadeira. 

 

Diretora: O que veio você pensar em bater nessas garotas?!

 

Harley: Justiça.

 

Diretora: Como?

 

Harley: Essas três garotas fizeram bulliyng com a minha melhor amiga, e apenas, quis defendê-la.

 

Diretora: É verdade meninas?

 

Garotas: Não! Ela só está querendo se livrar de seu castigo!

 

Harley: Tenho provas vivas, me sigam.

 

Ando até a enfermaria, e vejo Miyu sentada em uma das camas.

 

Diretora: Miyu, me confirme, elas te fizeram bullying?

 

Miyu: Bem...sim…

 

Harley: Viu, eu disse! ~Dizia entusiasmada.

 

Diretora: Mas infelizmente, vou ter que dar suspensão para as quatro, três dias de suspensão, para Harley e para as garotas.

 

Grrr, que raiva. Saio e vou direto para a aula enquanto as três me olhavam com raiva.


 

Quebra-De-Tempo*

 

Finalmente as aulas acabaram, agora vou ficar em casa durante três dias, até que não foi tão ruim hehe.

 

P.O.V Miyu

 

Fico na enfermaria até a aula acabar, os diretores ligam para meus pais irem me buscar, pois segundo eles, eu não teria condição de voltar sozinha para casa. Enquanto isso eu ia em meu armário a fim de trocar os sapatos.

Vou chegando lentamente, minhas pernas doíam e eu estava meio sonolenta, chego ao meu armário e o abro me apoiando nos armários ao lado, sem perceber, calço meus sapatos e sinto algo diferente nele, estavam cheios de algo pegajoso e pontudo, estava perfurando meus pés, retiro-os rapidamente e vejo o que havia em seu interior, vendo um monte de cola e percevejos, aposto a minha vida que foram as mesmas garotas de mais cedo.

Então, irei voltar para minha casa descalça mesmo, já que a escola proíbe a saída com seus sapatos. Quando saio do portão da escola, meus pés começam a arder, a calçada estava muito quente com o calor do sol, ainda acho que os percevejos machucaram bastante meus pés, ele estava repleto de marcas de furos… Ando até o meu carro, minha mãe dirigia ele, espera… Ela sabe dirigir? 

 

Miyu: Mãe, você sabe dirigir? Nunca havia te visto dirigindo.

 

Mãe: Eu nunca disse que sabia não é mesmo? -Seu cheiro me lembrava da vez em que meu pai apareceu bêbado em casa.

 

Miyu: O-oque?  -Seu cheiro era suspeito...Agora que me lembrei, é cheiro de álcool, deve ter bebido por causa de pai.

 

O carro ia de um lado para o outro, cambaleando, aperto meu cinto de segurança, vejo um clarão branco e a última coisa que escuto, são sirenes de ambulâncias… 

 

P.O.V Harley*

 

Vou andando calmamente pela calçada até minha casa, fiquei até tarde na escola, a diretora ainda me deu um castigo de limpar a biblioteca, paro em uma faixa de pedestres, vou atravessando quando quase sou atropelada por uma ambulância, ela mata um monte de gente para salvar apenas uma? Uau, bem, vejo se não havia mais carros passando e atravesso o resto da rua. Chego em casa e vejo minha mãe sentada na cadeira da mesa, dormindo? Vou até sua frente e vejo em sua mão comprimidos, ah, já é de se esperar. Vou até meu quarto e jogo minha mochila na cama, e vou para a sala, ligando a televisão num noticiário, onde estava apresentando um acidente entre um carro e um trem.

 

Apresentadora: Boa tarde telespectadores, notícias de última hora, parece que houve um caso de acidente, uma mulher aparentemente com sua idade na faixa de 30 á 40 anos, e sua filha na faixa de 15 a 17 anos, as duas pareciam estar voltando da escola, a mulher estava totalmente alcoolizada, sem sinal de estar sóbria e sabendo o que estava fazendo, parece que não tinha carteira. O carro abordado, parecia ser alugado, e a mesma passou pelos trilhos bem na hora em que o trem iria passar, agora vamos passar para nosso repórter Yoshi, como estão as coisas por aí Yoshi?

 

Repórter Yoshi: Olha, as ambulâncias acabaram de chegar aqui no local do acidente, a mulher que estava no controle do volante, parece ter morrido na hora da batida, mas a garota junto da mulher, está desacordada e com ferimentos graves, voltamos mais tarde, com a identidade das mesmas.

 

A cena corta e aparece os comerciais, quem será elas? Espero que não seja nenhuma conhecida heh. Levanto e olho para a mesa, vejo que minha mãe não está mais lá, vou aproveitar e sair um pouco, vou passar na casa da Miyu. 

Saio de casa e vou caminhando até a casa da mesma, vejo Mikan, o gato dela, a esperando na esquina de sua casa, ela já não voltou? Vou até Mikan e o pego no colo. Acho melhor o deixar ali dentro, é perigoso ele ficar aqui fora, além disso, está anoitecendo. Vou até a casa de Miyu e vejo tudo aberto.

 

Harley: Senhora Seino! 

 

Ninguém responde, entro e deixo Mikan dentro do quarto de Miyu e fecho a porta. Saio de sua casa, e a fecho por precaução de não ser roubada. Caminho mais um pouco e vejo os trilhos de trem e um carro totalmente destruído, com um amontoado de pessoas ao redor dele, me aproximo e desvio de muitas pessoas para chegar próximo, quando consigo me aproximar, tento enxergar as pessoas dentro do carro mas elas já estavam na maca, logo, olho para o repórter.

 

Repórter Yoshi: Parece que os bombeiros e médicos descobriram sua identidade, seus nomes são Seino Miyu, e Seino Ryuki, Miyu parecia estar na faculdade, tendo 15 anos, e Ryuki com 38 anos. 

 

Miyu?! Ultrapasso as faixas e corro até sua maca.

 

Harley: Me deixa ir junto com ela! Eu sou a melhor amiga dela!

 

Um policial me afasta da maca, e os médicos a levam para dentro da ambulância.

 

Policial: Apenas familiares poderão acompanhar.

 

Abaixo minha cabeça e me afasto, caminhando para casa, sem ter o que fazer para ajudar, droga! Me sinto inútil assim...O corpo de sua mãe estava coberto por um pano escuro  e o de Miyu estava ligado em máquinas. A ambulância se dirige ao hospital mais próximo. Sigo a ambulância correndo, mas não consigo acompanhá-la. Depois de um tempo, chego no hospital e vou desesperadamente falar com a recepcionista.

 

Harley: Moça, poderia me dizer se Seino Miyu está neste hospital? ~Ela verifica uma lista.

 

Recepcionista: Ela chegou agora, mas está em cirurgia, seu estado é grave, se quiser aguardar, e cirurgia durará 4 horas.

 

Fico com medo, Miyu pode morrer? Me sento em uma cadeira e começo a mexer em meu celular, Miyu havia me mandado uma mensagem antes de seu acidente:

 

~~Hey, já que você não irá na aula amanhã por minha causa, queria ir comigo ao parque para mim poder te retribuir, vai querer?~~

 

Encaro a tela de meu celular segurando minhas lágrimas. 

 

*Quebra-de-tempo*após a cirurgia*

 

Vejo um médico saindo da sala de cirurgia e vindo até a recepcionista.

 

Harley: A Miyu tá bem? Me diz que ela vai ficar bem!

 

Médico: A cirurgia foi um sucesso, ela teve algumas fraturas, mas não eram tão sérias, ela só precisa descansar, pode ficar sossegada. -Diz ele com um sorriso no rosto.

 

Dou um pulo de alegria e agradeço ao médico por ter salvado minha amiga.

 

Harley: Posso ver ela agora?

 

Médico: Pode, mas ela está com anestesia ainda, você tem algum contato com os pais dela?

 

Harley: É provável que seu pai está trabalhando, e sua mãe… era a motorista.

 

Médico: Bem, ela não poderá receber alta a não ser que algum responsável venha buscá-la.

 

Harley: Entendo, acho que ele voltará 00:00, mas, posso chamar minha mãe e buscá-la?

 

Médico: Creio que sim, agora tenho que cuidar de um cliente. -Fala enquanto entrava em um quarto.

 

Ele deixa um estranho levar um paciente para a casa? Acho que ele não deve se importar muito com os seus pacientes na questão de quem levará para casa após a alta. Bem, quando ela receber alta acho que vão avisar. Caminho até seu quarto e olho para ela, estava com o braço esquerdo e seus pés enfaixados ,pois segundo os médicos seus pés já estavam machucados antes do acidente, me sento ao seu lado, e converso um pouco com ela, mesmo estando inconsciente pela anestesia, acho que ela pode me escutar, eu olhava para ela naquela situação, ao seu redor haviam várias máquinas as quais ajudariam em sua respiração e circulação de sangue.

 

*Uns meses depois…

 

Miyu já havia acordado e estava ótima, já até haviam retirado suas ataduras. Ela já pode voltar para a escola também, agora, estou a caminho do hospital para buscá-la e acompanhá-la até sua casa. Chego lá e vou direto em seu quarto, ela já estava em pé, pronta para ir embora.

 

Harley: Vamos?

 

Nós saímos e vamos até a recepção, agradecemos a moça e ao médico e saímos do hospital em direção a sua casa.

 

Miyu: Sabe...eu andei pensando de ir ao monte Ebott.

 

Harley: Dizem que quem vai até lá, nunca mais retorna.

 

 Miyu: Minha vida tem sido um grande fracasso nos últimos dias, minha mãe não pode me interromper da minha decisão, e meu pai nem liga, ele só quer trabalhar e ganhar seu salário, tenho certeza de que é isso que quero.

 

Harley: Eu vou junto com você, minha mãe está gastando tudo com drogas… Então, acho que o melhor seria a gente fugir para lá.

 

Miyu: Sim, que dia poderia ser?

 

Harley: Nós combinamos por celular em casa, okay?

 

Miyu: Okay então, até mais

 

Harley: Até mais.

 

Saio andando, era por cerca de seis da tarde, então é melhor eu me apressar. Chego em casa com minha ‘mãe’ me esperando na porta.

 

‘Mãe’ de Harley: Demorou…

 

Harley: E daí?

 

Ela me pega pelos cabelos e me puxa para dentro.

 

‘Mãe’ de Harley: Você sabe que não gosto de atrasos, vê se faz minha janta!

 

Harley: Argh tá bom.

 

Ela me solta e faço uma coisa qualquer de mal jeito, vou pro quarto e organizo debaixo da cama minha mochila, me deito e fecho os olhos descansando, sinto a porta abrir e alguém se aproximar, fico normal, mas logo sinto um forte tapa em minhas costas, e um corte em minha costela.

 

‘Mãe’ da Harley: Da próxima vez que me fazer uma janta assim, você não vai mais conseguir fazer nem sua própria refeição… - Ela sai do quarto.

 

Levanto com calma e enfaixo o corte e passo uma pomada no tapa, logo durmo novamente.

 

*P.O.V Miyu*

 

Meu médico já havia me liberado para fazer diversas atividades, e deveria andar bastante para me acostumar, pego meu celular e ligo para Harley.

 

~Oie! Cheguei agora em casa, estou liberada para andar e correr, que tal irmos ao Monte Ebott hoje?

 

Harley ~ Hoje, hum, que tal as 23 e 30?

 

~Okay, onde podemos nos encontrar?

 

Harley ~ No pé da montanha, depois da trilha que vai até lá, mas, nós vamos subir juntas o Monte Ebott.

 

~ Certo, até mais.

 

Desligo o celular, olho para os lados e já pego uma mochila de dentro do armário, estava toda empoeirada, mas dei uns tapinhas nela e já retirei parte da poeira, separo alguns remédios, dinheiro, meu celular, fones de ouvido e carregador portátil, roupa, comida… E claro, uma faca pontiaguda para utilizar caso tenha que me defender de algo. E é claro que irei levar Mikan, então separo uma bolsa especial onde guardo toda a ração dele e algumas vestimentas que havia pegado no pet-shop, caso ele sinta frio. 

Olho para meu relógio e vejo que já eram 23 em ponto, acho melhor ir esperar ela lá, mas antes, vou deixar minha cama arrumada de algum jeito que meu pai não perceba ou sinta minha ausência.

Coloco alguns travesseiros e um cobertor por cima deles, acho que dá para disfarçar né?

Saio de casa junto com Mikan e sigo até a trilha onde leva ao Monte Ebott, chego ao final e me sento ao pé da montanha, esperando pela Harley.

 

P.O.V Harley*

 

Acordo cerca de 23:28, me levanto silenciosamente e pego minha mochila, abro ela e vejo se estava tudo que precisava, alguns medicamentos, roupa, minha pistola com munição, agora é só complementar, saio do quarto e vejo onde estava minha ‘mãe’, e como sempre, tá jogada na cama, provavelmente drogada, vou até a cozinha e vejo sua carteira em cima da mesa, vejo se tem dinheiro, ela estava cheia, a coloco dentro de minha bolsa, vou até a geladeira e pego umas frutas e água. Pronto, melhor indo até lá.

Chegando lá, percebo que Miyu já estava a minha espera, me aproximo e ela se levanta, solto um sorriso e a mesma retribui, afago minha mão entre as orelhas de Mikan, onde o mesmo solta um ronronar. Começamos a escala, estava bem escuro e frio, Mikan não parava de miar.

 

Harley: Por que não deixou Mikan em casa? Eu sei que gosta dele, mas assim ele pode morrer de frio ou fome…

 

Miyu: Eu sei, mas meu pai não iria o alimentá-lo e deixaria ele morrer aos poucos, e também gostamos da presença um do outro, irei me esforçar para cuidar dele.

 

Harley: Tá bom então…

 

Chegamos ao topo, eu olho para um grande buraco ao centro.

 

Harley: Uau…

 

Acabo me aproximando e algumas pedrinhas se soltam, acabou escorregando e caindo, me seguro na camiseta de Miyu, fazendo nós duas caímos no buraco.

Acordo em uma cama, será que foi um sonho? Porém a cama não era minha, eu estava em um lugar diferente...onde estou? Miyu e Mikan estavam deitados na cama ao lado. Olho para o lado e vejo um pedaço de torta, e a guardo em minha mochila. Escuto um som de porta de abrindo e logo me finjo a dormir, ela se abria lentamente e com muito barulho. De repente aparece uma mulher semelhante a uma cabra, com um nariz alongado e estava com uma longa roupa. Ela olhava fixamente para as duas camas, cada vez meu coração batia mais e mais rápido, ela saiu silenciosamente e fecha a porta, me levanto rapidamente da cama e tento acordar Miyu, poxa, seu sono é profundo mesmo. Após um esforço, ela acaba acordando.

 

Miyu: O-oque? Onde estamos?

 

Harley: É isso que também quero saber, uma mulher misteriosa acabou de entrar neste quarto, acho que veio verificar se ainda estávamos dormindo.

 

Miyu: Perfeito! Fomos salvas! -Diz se preparando para  se levantar, fazendo Mikan acordar.

 

Harley: Nem pensar! -Fala cochichando. Ela não deve ser humana, haviam pequenos chifres nela.

 

Miyu: Você deve estar com sono quando viu ela e…

 

A porta se abre, era ela novamente.

 

Toriel: Ah então vocês acordaram, havia ouvido alguém conversar.

 

Ela não era normal, mas seu jeito parecia gentil.

 

Miyu: Onde estamos? 

 

Toriel: Eu estava checando se algum humano havia caído lá de cima, então resolvi ajudá-las.

 

Harley: Aquele buraco?

 

Toriel: Sim, vocês estavam escalando o Monte Ebott, certo? E acabaram caído no subsolo.

 

Miyu: Agora faz sentido… 

 

Toriel: Bem, eu vou ensiná-las tudo sobre aqui em baixo, me acompanhem… 

 

Ela é muito gentil, nos deixou bem à vontade em sua casa, nos mostrou as ruínas e nos ensinou o básico de como funcionava sobre nossas almas e sobre o L.O.V.E, em torno disso, parece ser muito entediante isso aqui, também fizemos amizade com um fantasma, se chama napstablook, e uma florzinha que ajudou Toriel a nos mostrar as ruínas.

 

Harley: Tudo aqui é tão novo, deve ser bem tranquilo de se viver aqui, certo?

 

Toriel: Pode ter certeza de que é. - Ela solta uma risada baixa. - Bom, vamos voltar para casa crianças? A torta já deve estar fria.

 

Seguimos caminho de volta para aquela casinha fofa e aconchegante, entramos com um aroma de caramelo e canela pela casa, o cheiro é divino.

 

Toriel: Venham para a sala de jantar, servirei a torta para vocês.

 

Eu e Miyu entramos e nos sentamos ao lado da outra, Toriel chega com dois pratos na nossa frente, volta para a cozinha e vem com talheres e uma forma arredondada com uma torta dentro, a torta já estava cortada, mas nosso trajeto pelas ruínas e tantos puzzles, nos deixaram famintas.

Toriel nos serve e comemos a torta com rapidez, realmente estávamos com fome.

 

Toriel: coma com calma, vão se afogar. - Ela diz entre risos.

 

Miyu: Mas tá muito bom!

 

Harley: Eu já terminei.

 

Me levanto e deixo meu prato na cozinha,  observo ao redor e percebo que o fogão está extremamente limpo, parece que ela usa algum tipo de magia para cozinhar. Saio da cozinha e vou para o corredor. Miyu estava ainda comendo, e Toriel estava lendo um livro, posso por agora , explorar o resto dos cômodos.

Entro em um quarto com uma cama enorme, acho que deve ser o quarto de Toriel, vejo uma espécie de diário em cima de uma escrivaninha, a página onde estava aberta, estava repleta de piadas sobre esqueletos. "Qual o instrumento preferido do esqueleto? O tromBONE." É tão ruim que é bom. Escuto uma voz me chamar, parecia vir de fora do quarto. Saio do quarto, indo até o corredor, mas não tinha ninguém lá, ou parecia não ter. Entro no quarto e pego meu celular, vejo algo para eu fazer, hum, vou escutar música mesmo.

 

P.O.V Miyu*

 

Ela nos oferece um pedaço de torta, aceito, pois estava faminta, Mikan também estava, então dei ração á ele. Toriel resolveu ir ler um livro, e Harley foi 'explorar' a casa, me levanto e começo a procurar ela.

Caminho pela sala quando me deparo com uma escadaria, resolvi então descer e ver o que tem depois da escadaria, havia um enorme corredor onde dava a um enorme portão, volto e subo novamente a escadaria e sigo até a sala, onde estava Toriel, ela estava sentada em uma poltrona, lendo um livro sobre… Caracóis… 

 

Toriel: Oh, não notei você aí, pequena, aconteceu algo?

 

Miyu: Eu queria saber o que é aquele portão, depois daquela escadaria.

 

Toriel: Ah, nós iremos visitar amanhã, então é melhor ir dormir agora, sim?

 

Miyu: Vou alertar Harley, Boa Noite, sra Toriel!

 

Toriel: Não seja tão formal, afinal de contas, vocês não me falaram os nome né? Aquela garota, você acabou de chamá-la de Harley, certo?

 

Miyu: Perdão! Me chamo Seino Miyu, e ela, é a Trennor Harley, sim?

 

Toriel: Oh, correto, meu nome é Toriel Dreemurr, sei que já falei antes, mas acabei esquecendo o sobrenome né? Bem, podes ir dormir agora, pequena.

 

Saio da sala, é bom que vamos conhecer o resto do subsolo amanhã, só espero não sair daqui tão cedo. Chego no quarto e Harley estava dormindo, com o celular caído sobre a cama, quase caindo no chão, retiro seus fones e coloco seu celular sobre a mesa ao lado, cubro Harley com um cobertor, tiro meus sapatos e me deito na cama, me cobrindo e logo, adormecendo.

 


Notas Finais


oie, não sei se não ficou muito curto, se ficou me perdoem, vamos fazer mais da próxima, mas, talvez daí demore mais, perdão de novo, espero que gostem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...