História K-Idol In My Life - BTS (Jimin) - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Amor, Bangtan Boys, Bts, Drama, Família, Festa, J-hope, Jimin, Jungkook, K-idol, Romance, Shoujo, Suga, Taehyung
Visualizações 220
Palavras 1.755
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


➻ Annyeonghaseyo meus nenemmm disse que voltava hoje, voltei não é mesmo?
➻ Bom vamos aos agradecimentos obrigada pelos 20 favoritos meus amores e obrigada aos últimos que não agradeci no capitulo anterior ~SuperAmrmyShophia, ~Hirono,~Otaku-Chan23,~NaraBlackPotter e ~Yandere-Dorgas
➻ Obrigada também aos nenens que comentarão no ultimo, serio não me canso de dizer o quanto é importante esse apoio de vocês pra quem esta do lado de cá escrevendo.
➻ Espero que gostem e tenham um boa leitura.
➻ Ah e pra quem não conhece a Chuu, minha inspiração quando penso na Hani é ela na foto de capa. (tentei introduzir a foto no capitulo, mas não sei se deu muito certo)

Capítulo 7 - Blood, Sweat and Tears


Fanfic / Fanfiction K-Idol In My Life - BTS (Jimin) - Capítulo 7 - Blood, Sweat and Tears

♫ 

"Meu sangue, suor e lágrimas. Minha respiração fria, pegue tudo e vá"

Blood, Sweat and Tears - BangTan

A vida ás vezes nos prega peças, em mim ela pregou algumas vezes. Aliás algumas muitas vezes desde aquele primeiro fansing. 

Digo isso porque pastei, penei, sofri. Pra ser sincera até por doida já passei juro que tentei o meu máximo agir normalmente, no entanto chegou um dia que não pude mais esconder e tudo veio a tona. 

FlashBack On 

♫ 

6:59 da manhã 

Fazia algumas semanas desde que aconteceu o caso com a carta do Jiminie. Se não estou enganada era uma tempestuosa terça-feira eu e Eve encontrava-nos super atrasadas para o colégio, pois aquelas últimas semanas estavam sendo difíceis, ou melhor insanas pra mim. 

Sem querer parecer maluca e indo direito ao ponto era porque via Jimin a todo momento nos lugares mais improváveis e impossíveis que pode imaginar. Detalhe, ouvia sua voz tão nitidamente que parecia real, sem contar que me pegava conversando com o mesmo frequentemente. Por vezes tinha total consciência de que era uma alucinação, outras pareciam tão concreto que chegava ao ponto de ficar conversando sozinha por horas pensando que ele realmente permanecia ali comigo. 

Evidentemente não sentia-me bem e de fato eu não estava bem, confesso fiquei piscada em Park Jimin. Naquela altura do campeonato não conseguia mais esconder que algo de muito errado acontecia comigo. Yves foi a primeira que percebeu. 

Dirigindo-nos pra escola naquele dia sinistro que tudo aconteceu, estava atravessando a avenida do meu apartamento mais apressada que nunca, pois havia acordado atrasada já que recentemente sofria muito com insônias e já deveríamos ter chegado no colégio. Carregava minha mochila no ombro, unnie corria ao meu lado, algumas gostas de chuva pingavam no meu rosto e o vento frio cortava a minha pele. Saímos tão apressadas que nem tive tempo de pegar guarda-chuvas. 

Até aí tudo bem, tudo começou a desandar quando ao olhar de relance atentei Jimin parado do outro lado da calçada sorrindo pra mim com aquele sorriso rechonchudo e maravilhoso que possui. 

Sem pensar duas vezes parei onde me encontrava observando curiosa. 

Por sua vez Jiminie me encarava acenando — Hani-ahh — ele disse, deu pra ouvir perfeitamente mesmo estando do outro lado da avenida. 

Como se estivesse sendo puxada por um imã, depois de ouvir suas palavras andei em sua direção sorrindo sem me importar com nada — Jimin oppa. 

A última coisa que ouvi foi o grito da Yves, e o som estridente dos freios pela derrapagem dos pneus na pista molhada. Uma pressão forte foi contra meu corpo e tudo escureceu. 

Naquela hora não passou por minha cabeça que eu tivesse morrido, não me lembrava de nada, não sabia quem era. Não sei se foi por horas ou minutos, mas não enxergava nada e não ouvia nada desde então. Estava tudo vazio, minha mente encontrava-se em um completo breu. 

— JIMIN — gritei sem folego abrindo os olhos. 

O cheiro horrível de desinfetante vencido adentrou minhas narinas. Atentei ainda com a visão embasada aquela sala de paredes brancas e uma janela na lateral que permitia um pouco de luz entrar no local. Logo um desconforto no braço e perna esquerda chamou atenção, minha cabeça latejava e rodava bastante.... 

— Yoon Ha Ni graças a deus minha filinha. — Reconhecia muito bem aquela doce voz, era minha Omma Yoon Hyri que proferia apertando-me dentro do seu abraço muito estreito.  — Você nos assustou meu anjo. 

Sua voz chorosa alertou-me de que não conseguia respirar. —  Omma está me sufocando— reclamei. 

Compassadamente tudo pareciam voltar ao normal — Sente algo minha filha? — meu Appa ao meu lado questionou indo direto ao ponto. Yoon Suk seu nome, ele é um renomado neurologista e não precisa ser muito inteligente pra perceber que estava no hospital no qual trabalha. — Querida, você vem tendo alucinações? 

Kim Yves a linguaruda. 

— Appa eu to be...” 

Ainda sendo segurada pela minha Omma ele jogava uma luzinha dentro dos meus olhos todo atencioso. — Não Yoon, você não está bem! — Appa me interrompeu bravo já olhando sua caderneta enquanto minha Omma ainda me envolvia — Escoriações nas coxas e braço, um galo na testa, ombro deslocado e perna esquerda fraturada. Você foi atropelada por um carro Hani não está nada bem. Agora responda minha pergunta, vem tendo ou não tendo alucinações?” 

Suspirei recebendo seu olhar reprovador, meu appa é super protetor como qualquer pai e provavelmente já sabe de tudo devido a Eve que deve ter ficado preocupada e acabou dizendo o que andei sentindo essas últimas semanas. 

— Às vezes appa. — Murmurei desvencilhando da minha omma sentindo que cada parte do meu corpo doía. 

— Quando isso começou? —  não tive resposta — Quem é Jimin, Hani.— Ainda o fitava — Me diga minha filha, preciso saber pra te ajudar. 

Acabei por contar o essencial aos dois, desde o segundo fansing. Disse que tudo começou após ter recebido a carta e a atenção de Jimin, obviamente que tive que explicar que Park Jimin era integrante da BTS, não meu "namorado". Contei o que sentia toda vez que ele aparecia nas alucinações e implorei para que eles não me proibissem de vê-los.  

— Vou pedir uma tomográfia completa Hani, mas já tenho minhas suspeitas. — Appa escrevia algo na caderneta em sua mão.  

— Vou morrer Appa? — questionei sem perceber. 

Appa e Omma sorriram, e ele depositou a mão em minha cabeça afagando meus cabelos — Não querida, não vai. Isso é algo normal, mas só depois dos exames que vou poder confirmar. — suspirei aliviada segurando minha Omma. — Ah depois conversaremos sobre esse tal de Park Jimin.  

O resultado daquela terça feira foram quatro horas desmaiada, arranhões por todo corpo, cabeça em faixada, atadura no joelho e tipoia no braço esquerdo devido o deslocamento do ombro. Uma tomografia que não deu nada grave e o diagnóstico de que devido a euforia excessiva do fansing meu corpo ficou em loop enterno e repassava aquela sensação pro meu cérebro repetidas vezes consequentemente criando as alucinações.   

No final meu Appa recomendou que não pensasse tanto naquele dia e me passou um calmante com isso meu corpo pararia de mandar tais sensações ao meu cérebro e aos poucos voltaria ao normal. 

Fiquei em choque quando confirmei que realmente estava ficando louca. 

Claro que desde então não podia faltar os sermões matinais dos meus pais de que “Esses garotos só dão prejuízo Hani, você poderia ter morrido.” 

FlashBack Off

♫ 

Por isso que quando vi Jimin, ali parado na minha frente na lojinha da Ajumma pensei ser uma alucinação e foi pensando naquela fatídica terça feira que não recordo-me como cheguei na casa da Eve para estudarmos.  

Quero dizer, depois que por algum motivo fui parar na estação de metrô que fica a uns 10 km de casa. Eu finalmente me encontrava sentada na cama de lençóis rosas da unnie. 

Parecia que minha cabeça explodiria de tanto que esforçava-me para entender o que havia acontecido no decorrer daquele dia, todavia era muita informação pra tão pouco prazo e minha mente não acompanhava. 

Pensar que Park Jimin esse tempo todo foi me procurar na loja da Chan era surreal demais. E por que ele não foi direito na minha escola era bem mais fácil já que creio que ele se recordaria. Eram coisas que não batiam.

Certo, pensando calmamente ele é um k-idol né. Não seria adequado chegar naquele carrão na porta de uma escola secundária, chamaria muita atenção... 

— Yaaaaaaaaaaa Hannnni-ah — Eve me empurrou em sua cama abruptamente. — O QUE ACONTECEU COM VOCÊ UNNIE? DEMOROU TANTO CHEGOU PÁLIDA NÃO FALOU UMA PALAVRA O QUE HA? — Parecia um boneco de pano em sua mão — ALGUÉM FEZ ALGO COM VOCÊ UNNIE? ME CONTA!!!! 

Aigoo escandalosa, não adianta esconder ela não vai parar até souber a verdade — Encontrei Jiminie. 

O olhar que recebi da unnie foi o mesmo de quando sai do hospital, — Está tomando seus remédios certinho? 

A prescrição do appa havia acabado a muito tempo. Após um suspiro sentei na cama e comecei a contar tudo o que aconteceu mesmo sabendo que não acreditaria. 

Ora bolas nem eu estava acreditando, mas enfim contei timtim por timtim. 

— Unnie você andou bebendo o que? Voltou a ter as alucinações quando? Contou pro Ajosshi Suk?— Colocou a mão na minha testa aparentemente medindo minha temperatura. — Jiminie foi até a conveniência da Ajumma Chan só por causa dos seus macarros?— Ela sorriu sarcástica — Minha unnie pirou de vez. 

Realmente — Devo ter pirado mesmo né?— fui convencida me jogando na cama e olhando pro teto lilás cheio de florzinhas. 

Eve por sua vez também se deitou do meu lado fazendo o mesmo que eu — A parte mais louca foi ele ter pedido seu número. — Assenti — Quer que eu chame os homens do sanatório agora ou quer despedir-se dos seus pais? 

Gargalhei com sua ideia, ela me faz rir nas piores situações. — Vamos estudar vamos." sentei.

♫ 

Horas mais tarde 

— Aishhhhhh Hani-ah não dá pra estudamos hoje. — Unnie jogou os livros no chão enquanto comia o último fini de hallowen — Você tá com a cabeça no mundo da lua. E dá pra parar de me responder em inglês! 

— I'm sorry, quero dizer desculpe unnie. — fechei o livro atentando meu celular já eram oito horas da noite. — Acho que podemos parar mesmo, está ficando tarde. 

Eve levantou-se pegando uma toalha dentro da cômoda de ferro maciço ao lado da cama — Vou tomar banho não vá embora ainda precisamos conversar. 

Concordei jogada em sua cama exausta e mais uma vez para não ser consumida por minha mente paranoica terminei pegando o celular a fim de jogar alguns joguinhos.  

Foi quando iniciei o quinto jogo, pois nenhum dos anteriores haviam me interessado que senti o celular vibrar em minha mão alertando uma mensagem. 

[Número Desconhecido] 

 

"Oi garota dos macarons" (20:12) 

 

"Jimin-ah aqui" (20:12) 

 

"Recorda-se?" (20:12) 

 

Todo mundo tá vendo que estou tentando mais que qualquer um não parecer louca e ser normal. Foi com esse pensamento que fiquei por sei la quanto tempo fitando aquelas três mensagens mortificada na cama de Kim Yves. 

— Unnie tudo bem? — mal piscava. — O que você tanto olha? Sério Yoon Ha Ni você está começando a me assustar. — Eve aproximou-se enrolada na toalha. 

Única coisa que fui capaz de fazer foi virar a tela pro meu celular e esperar até que ela aproximasse e lesse na esperança de que não ligasse para os "homens do sanatório" quando terminasse. — Não me diga que estou ficando louca unnnie.   

Em contrapartida Eve deu um grito após alguns momentos de silêncio e foi nesse exato momento que ela surtou.

E eu? Eu amigos já estou morta. 


Notas Finais


➻ AAAAAAAAAA EU ESPERO DO FUNDO DO CORAÇÃO QUE VOCÊS ESTEJAM CONSEGUINDO ENTENDER A MENSAGEM DA FANFIC.
➻ E a Hani ainda vai amadurecer muito com o decorrer dela tá
➻ Espero que tenham gostado, pois eu amo escrever KML amo muito muito muito. Tanto que já tenho o final pensando na cachola.
➻ Mini Spoiler: Próximo capitulo será mensagens, com um pouco de narração. Nome: DNA
➻ Tentarei voltar amanhã a noite, ou sábado de manhã.
➻ Kissus!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...