História KakaoTalk - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Blackpink, Got7, HyunA
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V)
Tags Costura, Kakaotalk, Mensagens, Moda, Momentos, Passado, Taekook, Thereeshort, Yoonmin
Visualizações 18
Palavras 3.801
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Capítulo 02


– Tem certeza? – Jimin me perguntou, segurando meu rosto analisando cada parte.

– Absoluta, tenho muitas encomendas essa semana, se eu perder esse número meus clientes podem ir falar com Jackson – Yoongi negou, afastando as mãos de Jimin do meu rosto. 

– Você sabe muito bem que as roupas de Jackson não são nada comparadas as suas – Sorriu de canto –Olhei para meu relógio vendo os ponteiros passando devagar, assim como estou perdendo tempo olhando para o mesmo.

– Quer que a gente te leve até o metrô? –Nego com o rosto.

– Não precisa o ônibus vai passar daqui alguns minutos.

Estávamos no ponto de ônibus, os garotos disseram que esperaria o veículo comigo, apenas com o pretexto de que o dono do meu número poderia ser alguém perigoso e me matar na esquina, então basicamente isso era uma "despedida".

Avistei o ônibus chegando, pelos meus cálculos é provável que eu chegaria alguns minutos atrasado, esperaria meia hora se ele não aparecesse eu iria embora e assim que chegasse em casa ligaria para ele e o xingaria inteirinho. 

Assim que cheguei na rua marcada, percebi que a mesma se encontrava completamente vazia exceto por dois policiais conversando em frente à delegacia e uma mulher no lugar que era para eu estar, será que é ela a dona do número? Mas não era um homem? Fiquei ao lado da mesma esperando ela dar indícios de que poderia ser a suposta dona, porém os óculos escuros e roupas caras denunciavam o quão a garota não estava nem se importando com a minha presença. Os saltos eram de um tom vinho misturado com o preto assim como a sua calça rasgada e uma blusa folgada, as pequenas joias eram delicadas na pele de porcelana, eu tinha que admitir ela era bonita e daria uma ótima modelo para as minhas coleções. 

Um homem com o uniforme branco da base naval apareceu, estava de máscara branca e com um chapéu nas mãos, ele parou na frente da mulher me dando as costas e eu como um curioso nato me aproximei, ficando longe e perto o suficiente para escutar a conversa. Enquanto isso nada do dono do número chegar.

– Oppa, estou extremamente chateada – Ela falou dengosa, e ele tirou a máscara a abraçando, falando algo no seu ouvido. “Droga era para ele ter falado alto”. O estopim foi quando ela tirou os óculos de sol e me olhou, arregalei os olhos assim como ela. 

– Taehyung? 

– Chaeyoung? – Ela saiu do abraço e ele virou na minha direção.

– Jungkook? 

Não contive a emoção, andando rápido em direção aos mesmo e os envolvendo em um abraço, eu pude sentir o cheiro cítrico dela assim como o sabonete de bebê dele, foi como se eu estivesse voltado no tempo e as lembranças me atingindo com força, um sentimento de nostalgia foi tão forte que eu precisei respirar bem fundo para não chorar na frente deles, tamanha saudade sentia de casa. Depois de um tempo nos desfizemos do abraço. 

– Eu estou até agora em choque, por onde você andou? – Chaeyoung perguntou sorrindo. 

– Eu que o diga, vocês dois sumiram quando eu voltei para Busan – Os traços infantis do rosto continuavam os mesmos, porém o corpo havia mudado assim como a voz e o olhar de responsabilidade estavam presentes. 

– Você mudou tanto, TaeTae – Jungkook falou gentilmente, me olhando de uma forma, admirável? Não sei, mas eu sempre ficava com vergonha desse olhar e depois de anos não havia mudado nesse quesito. 

– Eu queria poder conversar mais com você, porém estou atrasada para o trabalho, me passa o seu número para marcarmos algo depois – Ela relatou, e eu como um tolo já ia dizendo o número, porém lembrei do pequeno incidente. 

– Eu vim aqui justamente pegar o meu número. 

– Por acaso você é a pessoa que me ligou ontem desesperado para recuperar o meu número que era o seu? – Jungkook perguntou. 

– Omo! Mais coincidência que isso só os livros de romance em que a protagonista esbarra com o cara bonitão da faculdade e eles se apaixonam – Acabamos dando risada da piada que não deixava de ser verdade. 

– Bom, depois você me passa então – Ela me abraçou de novo assim como o irmão, seguindo para um carro que estava estacionado na calçada. 

–Vamos, entre comigo –Jungkook indicou a base naval, assenti seguindo o mesmo. 

Um lugar amplo o chão feito com pequenas pedras e árvores ao redor, seria até tranquilo morar aqui, as pequenas casas indicavam o local do dormitório cada qual divididas em alas, assim como uma casa maior no centro indicando onde os superiores ficavam. Um grupo de soldados vieram marchando de forma igualitária. Jungkook colocou o chapéu rapidamente, escondendo os seus fios que brilhavam na luz do sol me segurei para não tocar, era tão vivo e chamativo que era impossível não observar a beleza surreal. 

– Sentindo! – Jungkook gritou e eu pude ver o quanto ele tinha amadurecido durante esses anos, a feição meiga e carinhosa de poucos minutos atrás se converteu para uma séria fazendo com que qualquer um tivesse medo, mas eu achei aquilo tão… provocativo? Não sei ao certo a palavra.

–  Primeiro tenente, leve todos para o treinamento ao ar livre irei ter uma reunião agora de poucos minutos, volto já. 

– Sim, senhor Major. – E assim eles marcharam para uma área mais afastada, lembrei o quanto eu sofri no exército e depois de longos anos ter quase desistido do meu sonho de ser estilista para continuar na carreira, não sei o que me fez gostar de uma hora para outra, mas o sentimento de vitória e conquista foi se apossando aos poucos. 

– Quando você me ligou falando aquelas coisas, vou te contar que fiquei com pena – Jungkook relatou, estávamos em uma sala, sentados em uma mesa e uma mulher de idade colocou um Americano e biscoitinhos de goma. 

– Mas eu fiquei realmente desesperado! Você sabe que sempre foi meu sonho ser estilista, perder tudo que eu conquistei de uma hora para outra foi como se eu estivesse tendo um pequeno colapso –Jungkook pegou o celular do bolso, ligando o mesmo e me entregando –  Por isso que eu te liguei e você não atendeu. 

– Lógico, meu telefone nunca foi tão badalado na vida como foi de ontem para hoje –Dei risada para o seu pequeno drama – Mas eu fico feliz que você esteja conquistando o seu sonho. 

– Eu também estou feliz de ter te encontrado e você está conseguindo atingir sua meta, major certo? – Ele sorriu e inclinou o rosto para o lado de uma forma tão fofa que eu quase me inclinei para apertar as suas bochechas. 

– Você ainda lembra – Murmurou, e eu peguei o celular em cima da mesa fazendo um backup das conversando passando assim para o meu. 

– Lógico que eu lembro! Às vezes eu ficava pensando aonde você estava, lembrava dos nossos momentos – A minha fala foi ficando baixa enquanto as palavras saiam da minha boca, me dando conta do que eu tinha confessado.

– O destino foi bondoso conosco – “O Jungkook tímido que eu conhecia voltou”. Ele olhou para suas mãos que estavam entrelaçadas em cima da mesa
– Quando você foi embora eu pedi para minha mãe me levar na sua casa ou até mesmo ligar para a senhora Kim, mas ela disse que não tinha o endereço e quando ligava para o telefone ninguém atendia. 

– Mamãe mudou de celular, eu voltei para Busan mas sua mãe disse que você já estava a caminho do alistamento foi no mesmo dia que você tinha ido embora – Devolvi o celular pois já tinha recuperado as mensagens assim como colocado o novo chip que eu havia comprado no celular dele. 

– Eu senti sua falta – Sussurrou, se eu não estivesse perto o suficiente não teria escutado. 

– Quer sair comigo? –Perguntei levantando o seu queixo para olhar na minha direção. 

– Quero! – Eu me aproximei para sentir mais uma vez seu cheiro suave, mas um grito me fez afastar rapidamente.

– Major! – Um homem alto chamou e Jungkook levantou.

– Reunião com as forças especiais – Dito isso ele foi embora, tão rápido quanto apareceu. – Preciso ir agora. – Assinto levantando também. 

– Meu número estar na agenda do seu contato – Ele concorda com o rosto.

– Até breve, TaeTae. – Eu não esperava, mas ele me abraçou e eu retribui com todas as forças que eu tinha, cheirando o seu pescoço sentindo o mesmo estremecer.

– Até breve, Kookie. – Pronunciei quando ele já estava longe, entrando no casarão dos superiores.

A mesma mulher que havia posto o café e os biscoitos me guiou para fora da base, e ali na calçada eu comecei a entrar em desespero pois eu tenho muitas roupas para entregar em um curto período de tempo. 

                               ♡♡♡

Estou devendo quatro vestidos a Hynua desde semana passada, cinco camisas a Yougjae, quatro jaquetas personalizadas a Bambam fora as calças customizadas do Mark. 

O relógio na mesa de centro indicava três e quarenta e quatro da madrugada, já tinha confeccionado a maior parte das roupas mas faltava muito e todas eram para ser entregues daqui a pouco, pensei seriamente em faltar a faculdade, porém a aula de hoje seria uma das que eu mais tenho dificuldade. Respirei fundo, voltando assim para o trabalho. 

Senti o celular vibrando em cima da mesa, peguei o mesmo sentindo as minhas costas doerem e estalarem, esfreguei os olhos bocejando alto. 

– Nossa eu te acordei? – A voz no telefone se pronunciou e eu arregalei os olhos, vendo o número desconhecido no meu celular.

– TaeTae? Sou eu Kookie. 

– Bom dia, Kookie – Saldei sorrindo, olhando as horas no telefone, constando que ainda faltava duas horas para chegar na faculdade.

– Bom dia, desculpe ter te acordado.

– Tudo bem, ainda bem que você me ligou se não ia acabar perdendo o horário – Respondi, organizando todas as roupas que estavam recém feitas. 

–  Você dormiu bem? Sua voz parece de alguém extremamente cansado. 

– Passei a noite toda confeccionando, e agora vou para faculdade – Relatei me jogando no sofá da sala. 

– Poxa, eu ia te chamar para sair essa noite, hoje estarei de folga. 

– É provável que eu vá trabalhar pela tarde, você poderia vim aqui em casa, então a gente assistiria um filme, falta pouco para terminar as peças, posso tirar um cochilo.

– Não quero atrapalhar seu sono, eu posso ir no final de semana. 

– Kookie, você sabe muito bem que nunca me atrapalhou e nem agora que a gente se reencontrou vai atrapalhar. – Ouvi ele soltar um risinho do outro lado e eu sorrir com o ato imaginando suas bochechas corada.

– Então eu passo na sua casa umas sete da noite, tudo bem? 

– Estarei te esperando – Assim que ele desligou a chamada, me permitir levantar e começar a me arrumar, seria um longo dia.

Mas antes passei na oficina para pegar o meu carro, pois o mesmo já tinha quase três dias lá, a bateria havia se oxidado e o carro simplesmente morreu em uma rua deserta, tive muita sorte de não ser assaltado.

                               ♡♡♡

Observava o tempo se fechando os passarinhos correndo para seus ninhos, afim de proteger seus pequenos filhotes enquanto algumas pessoas do lado de fora abriam guarda-chuva, outras simplesmente corriam para não se molhar com os respingos de água. Me pergunto o que o Jungkook estaria fazendo agora, talvez dormindo aproveitando esse friozinho gostoso, não vou negar que faria o mesmo no seu lugar…

– Kim Taehyung! – Pulei de susto quando duas mãos bateram com força na minha mesa.

– Que susto, Jimin! – Ele sorriu malicioso.

– Me conta logo o que estar acontecendo para o meu pequeno estar tão sonhador – Yoongi do seu lado acaba dando risada, murmurando um simples "ele é maior que você", o qual foi respondido com um belo dedo do meio. 

– Ontem, eu encontrei o dono do meu celular – Eles me interromperam.

– Se apaixonou de cara, tenho certeza –Yoongi resmungo. 

– O dono é o Jungkook – Jimin arregalou os olhos, começando a tossir por estar bebendo suco. Dei alguns tapinhas nas suas costas tentando tranquiliza-lo.

– O Jungkook que você tirou o BV dele e ele o seu? O Jungkook que você era apaixonado? O Jungkook de Busan? O Jungkook que você até hoje é apaixonado? – Indagou tudo de vez. 

– Esse mesmo meu amigo, em carne e osso – Toquei no seu queixo para fechar sua boca que estava aberta.

– Nem sei o que te dizer. 

– Pois eu sei, aproveite o seu momento e faça das lembranças do passado se multiplicarem para melhores – Yoongi se levantou dando dois tapinhas no meu ombro. 

– Quando ele fala assim, sinto que estou namorando o cara certo – Jimin observava sonhador, o moreno se afastando.  

– Só você mesmo – Neguei com o rosto.

– Eu vou atrás do Yougjae e do Mark. 

– Boa sorte com eles, e quando você ver o Jungkook diga que eu mandei lembranças. 

–Eu vou vê-lo mais tarde – Pisquei um olho saindo do refeitório sorrindo triunfante, ouvindo os gritos do Jimin para eu lhe explicar direito essa história.

Os corredores com o passar do tempo estavam se enchendo, dando mais trabalho para achar os dois. Andei mais alguns minutos procurando a sala deles, foi quando os avistei conversando com algumas garotas em frente aos armários onde guardamos nossos pertences. Parei atrás do mesmo levantando as sacolas de papel personalizadas, indicando que as roupas já estavam prontas, observei os dois se afastarem do grupinho, caminhando assim na minha direção. 

– Você fez mais rápido do que eu pensei – Mark falou, pegando a sua sacola, abrindo assim a mesma na frente de todos, avaliando as calças customizadas .

 – Ficou ótimas, Taehyung, desculpe pela grosseria de ontem, eu preciso disso para a festa de amanhã. 

– Tudo bem, eu te entendo dessa vez realmente eu demorei – Yougjae avaliou as suas camisas também. 

– Eu já esperava um resultado maravilhoso, então não vou falar muito para não aumentar o seu ego.
 – Dei uma risadinha baixa e me despedir de ambos. Seguindo caminho para a garagem, até porque as roupas ainda não haviam acabado. 

                               ♡♡♡

O vestido que eu tinha acabado de confeccionar estava perfeito, até as costuras estavam bem ornamentas, cada segmento do babado caia sobre finas camadas no manequim que por coincidência, era da mesma medida que a cintura da Hyuna, a estampa com um vermelho vivo contrastando com o delicado laço atrás das costas, mas quando chegava na frente o mesmo era provocante com um decote chamativo, da forma que ela queria. Os outros eram simples, pois ela só iria usar nas férias de verão com a família, apostei em estampas florais assim como pequenos pedaços de renda nas mangas. 

A única coisa que faltava era fazer a bainha de todos os vestidos e das jaquetas de Bambam, peguei a máquina de costura, preparado para terminar tudo e depois apenas focar em dormir um pouco para quando Jungkook chegar. Porém fui interrompido pelo interfone do apartamento, aposto que era Jimin ou Yoongi, querendo marcar mais uma de suas reuniões para fofocar da vida alheia. Mesmo com essa chuva toda, eles viriam. 

– Senhor Kim? Tem um rapaz aqui na entrada do prédio com uma moto, ele disse que veio visita-lo – Uma moto?! – Franzi o cenho, pois meus amigos não tinham moto alguma.

– O nome dele é Jeon Jungkook. 

– Pode deixá-lo entrar, senhor Hyun-Ki – Sorri, mas logo o meu sorriso murchou ao olhar para o estado da minha roupa. Meu apartamento, uma vez por semana a faxineira aparecia aqui e como eu só usava o estúdio e quase não comia em casa é bem provável que o ateliê estar uma baderna.

Corri para o quarto, mas antes de chegar escutei a campainha tocando, parei e fiquei em dúvida de atender a portar ou ir me trocar rapidinho. A calça larga cinza não combinava nem um pouco com uma camisa bem larga que eu fiz anos atrás cheia de remendos, fora as pantufas que já caíram de moda a mais de três anos atrás, mas foi tão cara que fiquei com pena de me desfazer. Decidir abrir a porta primeiro, pois não queria que ele achasse que eu não o queria receber umas cinco horas antes do horário combinado. 

– Jungkook! – Exclamei, arregalando os olhos. 

O seu estado estava deplorável, cabelos encharcados por conta da chuva assim como suas vestimentas e eu poderia apostar que elas estavam sujas por ele ter vindo de moto, mas era camuflada pelo mesmo estar todo de preto. 

– Entre rápido, deixe sua mochila em cima de algo. 

Ele entrou na minha casa molhando a entrada do apartamento, porém eu não liguei, estava mais preocupado com sua saúde. Deixando a mochila no chão mesmo.

– Hyung, desculpa tá molhando sua casa – Toquei nas suas costas o levando para o banheiro.

– Isso é o que menos importa, tome um banho quente e deixe suas roupas do lado de fora, vou pegar e colocar na máquina de lavar, tem toalha no armário da pia. – Antes que ele falasse algo, empurrei-o de leve, fechando a porta em seguida.

Caminhei para a cozinha, deixei preparando um chocolate quente e assim logo voltei para a porta do banheiro, peguei suas roupas e as coloquei na máquina de lavar. Entrei no meu quarto escolhendo uma roupa, apesar do mesmo ter trazido uma mochila não quis abrir. Coloquei a nova muda de roupas de volta na porta do banheiro e esperei o Jungkook na sala. 

– Hyung, tem um secador para me emprestar? – Ele apareceu na sala passando a toalha várias vezes pelos fios cor de ébano, a camisa jeans ficou larga, assim como ficava em mim, e a calça folgada de cor bege, deixando-o com um aspecto pequeno e extremamente fofo. Preferi não pegar um agasalho pois o aquecedor estava ligado. 

– Você ficou fofo com essas roupas – Levantei do estofado e ele me seguiu.

– Nem parece o homem que chegou aqui todo trevoso de preto – Ele dá uma risadinha e eu indico para o mesmo se sentar na cama do meu quarto. 

– A maioria das minhas roupas são pretas, uma cor que nunca saiu de moda – Peguei o secador, ficando na sua frente, comecei a passar pelos fios. 

– Isso é um argumento válido, preto e branco nunca saíram de moda – Passei a mão pelos fios, eram tão macios, não queria que seu cabelo secasse nunca, só para continuar acariciando.

– A propósito, nós não tínhamos marcado para cinco da tarde?

– Estava entediado em casa. Fora que fiquei com medo desse horário estar chovendo mais forte, se eu não tivesse vindo agora era provável que só poderia estar aqui no final do mês.
 
Terminei de enxugar seus cabelos e passei uma escova para alinhar os fios.

– Obrigado por ter vindo, mesmo nessa chuva toda. – Falei deixando a escova de lado. De maneira abrupta ele segurou meu pulso, me encarando.

– Você sabe, eu estaria aqui mesmo que estivesse tendo terremoto – Sorri, pois, ele sempre foi persistente.

– Eu sei, sempre foi teimoso e não pensando direito na sua saúde, agora vou cuidar de você – Ele levantou me abraçando.

– Eu sentir tanto sua falta, Hyung, do seu carinho, do cuidado, do seu amor – Jungkook tirou o rosto do meu pescoço, me encarando.
 
– Você ainda me ama? – Ele perguntou, toquei sua bochecha em cima da pequena cicatriz, na qual foi feito por mim.

– Claro que eu amo seu bobo, eu não esperei esse tempo todo para não amar. – Ele sorriu, fazendo com que algumas rugas fossem vistas do lado dos seus olhos.

– Eu trouxe um vinho e alguns ingredientes para fazer Chikin. 

– Eu ainda tenho algumas roupas para terminar, poderia até te ajudar na cozinha, porém o prazo acaba amanhã. 

– Tudo bem, termine suas roupas, eu vou estar tocando fogo na cozinha– Revirei os olhos.

– Até parece que você tocaria fogo na minha cozinha, é mais fácil eu tocar fogo do que você – Ainda estávamos abraçados, mas o que me surpreendeu foi o pequeno selinho que ele me deu, foi tão rápido que não tive tempo de pensar direito, quando pisquei os olhos ele já estava na porta do quarto procurando a cozinha.

– Deixei chocolate quente em cima da pia para você! 

Desde sempre Jungkook adorava cozinhar, ao contrário de mim, sempre em festinhas minha mãe me chamava para ajudá-la na cozinha, eu ia mas não gostava, porém quando o mesmo estava brincando comigo nem precisava a minha mãe pedir, ele automaticamente se oferecia a ajudar e minha mãe enaltecia seu ego, dizendo o quanto ficaria feliz por ter um filho que a ajudasse na cozinha e eu como um bom ciumento ficava emburrado, quando Jungkook vinha conversar comigo eu sempre dizia que ele não era mais meu amigo. Para depois de cinco minutos eu estar chamando ele para brincar, pois estava me sentindo sozinho. 

Lembro que eu sempre dizia querer ser um estilista renomado de Paris, e ele sempre dizia que iria com os policiais proteger o desfile para nenhum terrorista invadir. Pegávamos toalhas, eu cortava e fazia um short costurando com pregador de roupa, mamãe brigava com a gente e sempre prometíamos que não iríamos fazer mais e no final do dia já tinha outra toalha cortada. Eram bons tempos de infância, e guardo-os em meu coração até hoje. 

– Tae?  – Jungkook apareceu na porta – Terminou aí? Que vestido lindo – Ele entrou no ateliê, olhando tudo em volta como se estivesse encantado.

– Não repara na bagunça. 

– Você melhorou muito para alguém que cortava toalhas e juntava os pedaços com pregador de roupa – Dei risada assim como ele, lembrando dos velhos tempos. 

–Bons tempos – Ele assentiu, com um sorriso genuíno em seu rosto –  Acabei de fazer o chikin. 

– Eu também acabei aqui, poderíamos assistir um filme enquanto comemos – Respondi saindo do cômodo. 

– Concordo plenamente. 

Passamos a maior parte da tarde conversando, contando o que vivenciamos durante os anos separados. Jungkook me disse que no começo que entrou na corporação foi muito difícil, passou fome e até sofreu de comentários maldosos que lançaram sobre ele quando o descobriram sua homossexual, porém foram todos ignorados quando ele deu o seu melhor em algumas provas e foi convocado para as forças especiais. E eu contei sobre a dificuldade que foi entrar na faculdade, assim como iniciar uma miniempresa pelas redes sociais, a concorrência com Jackson e os desafios quando uma peça dava errado em alguma remessa.

– Mês que vem estarei de férias – Comentou, pegando uma almofada, colocando em cima do seu colo.

– Eu também, férias de verão – Dei de ombros olhando para a televisão – Nem sei o que vou estar fazendo.

– Poderíamos marcar de ir em Busan, juntar as famílias, viajar para Dubai ou até mesmo poderíamos ir em Daegu, visitar orfanatos e ver um apartamento maior – Franzi o cenho confuso.

– Visitar orfanato? Apartamentos? – Ele sorriu fofamente e se aproximou de mim, encostando ambos os joelhos. 

– Não está óbvio que eu quero um futuro com você? 

E assim ele se aproximou encostando ambos os lábios, em meio a tanta afobação, eu soube que realmente o futuro esperava a gente. Viajar para Dubai, visitar orfanatos e tudo citado na lista, parecia até que ele estava prevendo o futuro. 




Notas Finais


Demorei mas acabei. 
Espero que tenham gostado, o próximo capítulo será um bônus do passado e será na terceira pessoa. 💖 

Então basicamente a história acaba aqui. Mas voltem para o bônus pois estar ficando muito soft.
Vou da o meu máximo para não demorar tanto. 

Se gostaram do capítulo, por favor, não se esqueçam de comentar e da um coração.

Obrigado ao Phernando, por ter betado esse capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...