História Kalos True Journey - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Ash Ketchum, Dawn Hikari, Giovanni, Pikachu, Serena
Tags Ação, Amourshipping, Ash Dark, Ash Ketchum, Equipe Rocket, Giovanni, Investigação, Kalos, Liga Pokémon, Luta, Pearlshipping
Visualizações 114
Palavras 1.922
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção Adolescente, Fluffy, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Seinen, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


“Não havia tempo para olhar em seus olhos. Foi uma coisa de um instante que passou... que mais parecia uma eternidade. Mesmo assim, a presença e as palavras desse homem... me causaram alucinações de morte.”

Fala, pessoal. Estão prontos para um projeto com seriedade? Um Ash do mau? É isso mesmo produção? Bom, em partes. Eu espero que gostem dessa nova história. Além disso, devo deixar sempre uma abertura para cada arco. E a música que mais representa esse primeiro arco estará no link nas notas finais.

Capítulo 1 - Escuridão!


Fanfic / Fanfiction Kalos True Journey - Capítulo 1 - Escuridão!

“Onde eu estou?” – A pergunta retórica de Ash o afligia um pouco, mas no fundo ele sabia bem onde estava. Em seu quarto, mais uma vez amargurando uma derrota; e por mais uma vez, buscando respostas sobre o paradeiro de seu pai.

O moreno saiu de seus aposentos. Sua expressão era de ardor, um forte sentimento de decepção que ele não suportava mais. Três meses haviam passado desde sua derrota para Cameron na Liga Unova. O rapaz não via esperanças em prosseguir sua jornada, em perseguir seus sonhos.

“Acho que vocês terão que desocupar a casa.” – Falava uma voz de um homem. Um tom imponente e assustador que cortava o ar e ensurdecia os ouvidos.

*Assista a abertura. Sempre irei inserir dessa forma nos pontos chaves da história. O link sempre estará nas notas finais*

– Mas eu já disse, espera mais um pouco. Eu vou conseguir o dinheiro do aluguel. – Suplicava Délia Ketchum. A mãe de Ash. O rapaz escutava a conversa da porta. Aquele homem que em seu corpo vestia ternos caríssimo.

– Por favor, eu imploro. – Délia começou a chorar. – Por tudo que é mais sagrado. Você conheceu o Aaron melhor do que ninguém, por que está fazendo isso com a gente agora?

Aaron Ketchum. Um treinador Pokémon prodígio. Um que surgia a cada geração. Era ele o marido de Délia Ketchum e pai de Ash. Já fazia seis anos desde seu desaparecimento.

– São casos que ficaram no passado. Délia esteja fora dessa casa até amanhã. – O homem colocou seu chapéu.

– Quem você acha que é? – Ash assumiu uma postura ofensiva. – Você está cada vez mais parecido com seu pai. – O homem o olhou friamente.

– Não dispense a gente dessa forma. Eu vou conseguir dinheiro! Fiquei sabendo de uma liga nova... – Ash chorava. – Você quer perder de novo? Está decidido. – O homem saiu e deixou Délia de joelho aos prantos.

...

Uma cena de desolação. A porta fazia um barulho devido ao vento. As janelas batiam e naquele entardecer tudo parecia ter perdido o sentido. Os feixes de luz do sol se esgueiravam pelas gretas da janela; eram como os fios de esperança dos Ketchum.

– Isso não vai ficar assim. – Ash foi tomado por um súbito impulso. O moreno não aguentava ver aquela cena de desespero de sua mãe; não por mais uma vez. Ele deve ter corrido por uns minutos até alcançar aquele homem que aparentava ser muito importante.

– ESPERA! – O moreno fez aquele importante homem parar subitamente. – Devo admitir que você tem coragem, garoto. Realmente, lembra muito o seu pai. – O homem tirou o chapéu e vociferou com aquela estridente voz.

– Por favor, eu faço qualquer coisa. Qualquer coisa, mas não faz isso com a minha mãe. Ela já sofreu tanto! – Os olhos do moreno lacrimejavam. O homem cerrou os punhos e encarou Ash com seu olhar frio.

– Você e meu pai não eram amigos? SERÁ QUE ERAM AMIGOS DE VERDADE?! – O garoto de Pallet subiu o tom de voz.

– Eu sempre tive um bom relacionamento com seu pai, rapaz. Eu sinto todo o potencial dele em você. Talvez você mereça um voto de confiança da minha parte. – O homem colocou a mão sobre a cabeça de Ash.

– Mas há um preço para tudo. Minha organização busca controlar as coisas. E uma região em especial atraiu minha atenção. Ash Ketchum, quero que a partir de hoje você trabalhe para mim. Em prol da Equipe Rocket. Então, eu, Giovanni, garantirei a segurança, além da estabilidade financeira de sua família. – Vociferou Giovanni, a identidade daquele homem misterioso.

– Equipe... Rocket? – O moreno mordeu os lábios. Como ele poderia trabalhar para uma organização que tanto o atormentou?

– Eu vi muito bem do que você é capaz na Liga Sinnoh. E também da forma que me atrapalhou em Unova. Você tem sido uma pedra no sapato da minha organização não é de hoje. – Giovanni lançou um cortante olhar.

– Eu não tenho escolha, não é? – O moreno deu de ombros.

– Muito pelo contrário. Você não está sendo obrigado a nada. Entretanto, se aceitar a proposta, além de estar ajudando a sua mãe, também poderá achar informações sobre o seu pai. – Os olhos de Ash encheram de esperança. Um blefe impressionante da parte de Giovanni ou uma real oportunidade de resolver toda a situação?

“Meu pai? Em Kalos? Será que isso é verdade...” – Os pensamentos de Ash ecoavam meio a um breu que sua mente criara. Perturbado com a possibilidade, o moreno caiu de joelhos no chão.

– Por qual motivo... eu não lembro nada sobre o meu pai? – As mãos do rapaz puxavam seus cabelos.  

Quanto mais o jovem Ketchum pensava sobre seu pai, ou melhor, tentava forçar memórias sobre o ocorrido, sua cabeça doía instantaneamente. Era algo perturbador a ele; algo proveniente de lembranças ruins. Um trauma, uma espécie de bloqueio mental que o impedia de ver as coisas claramente.

– Você está jogando baixo, sabia? – O rapaz olhou com um semblante de perturbado para o homem. – Eu não tenho tempo. Pelo que eu entendi você prefere ver sua mãe na sarjeta. Que assim seja... – Giovanni colocou seu chapéu e virou-se para seguir seu caminho.

– Seja forte... Ash. – Um sorriso de um rosto o qual Ash não conseguia enxergar apareceu em sua mente. – ESPERE! – Levantando-se da posição em que estava.

– Se for pela minha mãe, eu faço qualquer coisa. – O moreno olhou com marasmo e rancor para Giovanni.

– Vejo que fez a melhor escolha, jovem Ash. Você terá outras oportunidades, poderá ganhar uma boa quantia em dinheiro se vencer a Liga Kalos. Faça seu melhor time e parta imediatamente. – Deixando um cartão nas mãos de Ash.

– Quero que saiba que se tentar me trair ou fazer qualquer coisa do tipo, eu mato pessoalmente a sua mãe e você das piores formas que puderem imaginar. – Aquela pressão colocada por Giovanni assombrou Ash. Suas pernas tremeram instantaneamente.

– Vejo que começou a tomar decisões precisas. Eu realmente não espero ter que interver em nada.

A visão de Ash começou a ficar vermelha. Vômito formou-se em seu estômago e toda aquela pressão instaurada por aquela voz estridente o colocou de joelhos mais uma vez.

“Não havia tempo para olhar em seus olhos. Foi uma coisa de um instante que passou... que mais parecia uma eternidade. Mesmo assim, a presença e as palavras desse homem... me causaram alucinações de morte.” – O moreno pensava enquanto a imagem de sua mãe estirada no chão junto dele o assombrava.

– Espere por minhas ordens. – Giovanni tomou a frente para continuar seu caminho.

...

A noite caíra de uma forma inesperada. Ash estava no laboratório do professor Carvalho e, ao lado dele, seu fiel companheiro Pikachu. O moreno sabia qual time levar; contar com suas principais forças seria o ideal.

– Pikachu, acabou a brincadeira de criança. Eu sei que tenho dezesseis anos, mas pela mamãe está na hora de agir como um adulto. – O moreno encarou Pikachu com olhos de uma pessoa determinada. – Pikachi. – O Pokémon concordou com a cabeça.

Sceptile.

Infernape.

Staraptor.

Além de Pikachu.

Era o time que Ash levava para sua nova jornada rumo a essa região desconhecida. Em direção a mistérios. – Então quer dizer que você vai realmente? – Délia apareceu subitamente na área em que o rapaz olhava as estrelas. – Eu não tenho escolha mãe. Vencer a Liga Kalos e ganhar aquele dinheiro é tudo o que nós precisamos agora.

– Vejo que colocou a roupa nova que eu fiz para você. – Ash portava seu visual característico da saga XY. – É o que me dá sorte. – Respondeu com um sorriso.

– Eu quero que saiba que você é um vencedor, independentemente da situação que fique. – A mãe do rapaz o deu um beijo na testa. – Conta comigo mãe. Nós vamos sair desse buraco. – Os olhos de Ash ferveram; junto desse fervor, um abraço caloroso lhe foi concedido.

 – Volta logo para casa. – Délia começou a chorar. – Eu vou voltar. E junto comigo, novos ventos virão, eu prometo à senhora. – O rapaz apertou sua mãe.

...

Algumas horas depois, Giovanni mandou um carro buscar Ash e o levar até a base da Equipe Rocket na cidade de Viridian. Antes de partir em sua jornada, Ash passou um mês por um intensivo treinamento de espionagem no QG da Equipe Rocket. Além disso, seus Pokémon ficaram bem mais fortes. Certo dia, ele foi chamado a sala de Giovanni. Quando o rapaz de Pallet entrou para o escritório de seu novo chefe, arrepios tomaram conta de seu corpo.

Aquele ambiente era obscuro, cheio de telões. Um lugar hostil; o qual nem uma pessoa de bem gostaria de ficar por muito tempo. Pikachu também não gostou muito do ambiente, mas o encarou.

“Um lugar desses, mas pelo bem da minha mãe... pelo bem da minha família; para saber o que houve com meu pai, eu devo fazer isso.” – Mordendo os lábios de ansiedade e nervosismo.

– Vejo que não demorou. Você pegará um voo fretado à cidade de Lumiose. Local de seu primeiro desafio. – Giovanni acariciava seu Persian.

– Meoow – Ronronou o Pokémon. – O mais importante, meu rapaz... é manter o sigilo. Você agirá como o Ash de sempre durante o dia. O jovem sonhador que almeja ser um mestre Pokémon. Mas no fundo, estaremos conduzindo o controle de Kalos. – Giovanni ajeitou o terno.

– Com sua licença, Giovanni-sama. Como pretende executar isso? – O garoto de Pallet não aceitava informações sem provas satisfatórias.

– Existe uma organização criminosa em Kalos que planeja algo grande. Mas eles não se manifestam. Nosso objetivo de início é fazer essa tal equipe se manifestar a força. Depois disso o plano sucederá da forma mais adequada possível. – O chefe levantou.

O rapaz Ketchum portava um novo visual. Ele vestia apenas uma blusa preta. Além disso, Ash não estava usando seu boné e seu semblante era o mais sério possível. Uma pulseira com uma espécie de orbe vermelho com o “R” da Equipe Rocket figurava em seu pulso direito. Seu olhar era turvo e avermelhado.

 – Vejo que adotou um belo modo furtivo. – Giovanni sorriu em escárnio. – Sua primeira missão é chegar à Lumiose e fazer contato normalmente com o professor Sycamore. Pegue sua Pokedex e suas Pokébolas. Seus objetivos são claros em Lumiose. – Giovanni se aproximou do rapaz.

– Quais os reais? – Ash foi direto ao ponto. – O professor Sycamore é o melhor do mundo no quesito mega evolução. Quero todos os dados possíveis sobre isso. Além disso, há boatos sobre um herói agindo nessa cidade. Quero que cause um pequeno tumulto para ver se ele aparece; seja lá quem for esse homem... deve ter informações sobre quem procuramos. – O chefe colocou a mão direita sobre o ombro de Ash.

– Há tantos treinadores mais incríveis do que eu. Por que escolher a mim para um trabalho tão importante? – O moreno olhou baixo em marasmo.

– O motivo? Você tem um poder que somente seu pai tinha. E, além disso, os reais motivos de eu ter te escolhido, serão revelados logo. Agora, se dirija a Lumiose. – Giovanni deu as costas e dirigiu-se ao seu trono.

– Como o senhor quiser. – Ash e Pikachu fizeram uma reverencia. Aquele não era mais o moreno de Pallet. Ash, pelo bem de sua família e em prol de seus desejos, tornou-se uma máquina de executar missões com a maior precisão possível.

– Ante de ir, Ash. Você sabe qual a maneira correta de conquistar o controle? – Giovanni o encarou.

– Semeando o caos. – Ash respondeu por instinto. – Exatamente meu rapaz. A partir de agora, sua verdadeira jornada começou. Ash saia e seus passos ecoavam através do escritório. Seu olhar sombrio tinha ao fundo um sorriso de satisfação de Giovanni.

...


Notas Finais


Gostaram? Vamos discutir nos comentários. O que acharam dessa versão do nosso menino Ash? Agora ele ganha a Liga Pokémon?! Espero o feedback de vocês. Um abraço e até a próxima. \o

Opening: https://www.youtube.com/watch?v=NQCax11Q0Bs&t=2s

See ya! o/

Próximo capítulo: Jogada de mestre!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...