História Kamen Rider: Mirror Warriors - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Akame ga Kill!, Ao no Exorcist, Bleach, Boku no Hero Academia (My Hero Academia), Capuz Vermelho e os Fora-da-lei, Chaves, Death Note, Digimon, Harry Potter, Kamen Rider, RWBY, Sword Art Online, The Loud House, The Witcher, Tokyo Ghoul
Personagens Capuz Vermelho, Chaves, Cirilla "Ciri" Fiona Elen Riannon, Davis Motomiya, Harry Potter, Ichigo Kurosaki, Izuku Midoriya (Deku), Jaune Arc, Kazuto "Kirito" Kirigaya, Ken Kaneki, Lincoln Loud, Personagens Originais, Rin Okumura, Tatsumi, Touka Kirishima, Yukio Okumura
Visualizações 10
Palavras 2.013
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Steampunk, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 14 - Capítulo 13: Raia


Fanfic / Fanfiction Kamen Rider: Mirror Warriors - Capítulo 14 - Capítulo 13: Raia

-Fazer o que né? Hoje durmo na rua mesmo. – diz Tatsumi sentado encostado em uma ponte com sua mochila do lado, ele estava com um pouco de raiva por ter sido enganado por aquela garota loira mais cedo, agora ele estava sem dinheiro, sozinho e com frio a noite. –Cochilar, cochilo em qualquer lugar... – conclui ele fechando os olhos antes de sentir algo em sua calça.

Abrindo os olho Tatsumi retira de seu bolso o deck que ele recebeu. Enquanto olhava o deck ele pensava na possibilidade dos poderes, pra que ele usaria? Para si mesmo? Pelos outros? Sua aldeia? Perguntas como essas permeavam sua cabeça não permitindo que ele dormisse.

-Que dilema, hein? – diz ele.

-Se não tiver onde dormir, pode dormir na minha casa. – fala uma garota em sua frente. Tatsumi levanta a cabeça e vê uma garota loira usando um vestido aparentemente caro com olhos azuis, ela era linda. Entretanto Tatsumi não entendeu porque ele ficou imediatamente em guarda, era quase como se ele soubesse que...Ela era má.

Ele já tinha sentido isso antes, na loira que o enganou mais cedo, mas ele ignorou isso. Agora ele não iria cair duas vezes na mesma brincadeira.

-não, eu só parei um pouco para descansar. – fala ele fazendo a garota fazer uma pequena careta.

-mas aqui é tão escuro e frio, tenho certeza que você adoraria uma casa quente e segura para ficar a noite. – quando ela disse isso o sentimento de Tatsumi aumentou. Ele a encarou desconfiado antes de olhar rapidamente os guardas pegando em suas armas.

-Tenho certeza, com licença. – disse ele antes de se afastar. Tatsumi, notou os guardas lhe seguindo e começou a correr com eles em perseguição. O garoto correu pelas ruas antes de entrar em um beco vazio, ele olhou para todos os lados a procura de uma rota pra fugir. Ele estava desesperado até ver seu reflexo em uma poça d’água.

Os dois guardas entraram no beco a procura de Tatsumi, mas acharam apenas o local vazio. Logo a menina loira entrou no beco com calma.

-E então? Vocês o pegaram? – pergunta ela docemente para o qual os guardas ficam de olhos arregalados antes de se encararem.

-não senhora... Sinto muito. – disse o guarda com medo enquanto a garota acenava para eles antes de se virar.

-ok então, vamos embora eu quero voltar a brincar com meus caipiras. – disse a menina voltando para a carruagem com os guardas a escoltando, quando eles embarcaram no veículo Tatsumi apareceu no vidro da carruagem olhando para eles.

“Eu não acredito que estou fazendo isso.” Pensa Tatsumi quando a carruagem começa a andar.

(Algumas horas depois)

Tatsumi chegou em uma grande mansão e observou como a menina, que ele aprendeu ser Aria, conversava com seus pais sobre ter perdido outro caipira. Ele não gostou nem um pouco do que eles estavam falando e muito menos do jeito, mesmo observando dos espelhos e reflexos das janelas ele ainda ficava silencioso. Até que ele vomitou.

-Droga... Eles são doentes... – fala Tatasumi depois de ter ouvido tudo que esses monstros em pele humana planejavam com os “caipiras”, o armazém...caipiras…oh deus.

-pelo amor de deus deixe eu está errado. – diz Tatsumi antes de sair correndo pela mansão, um destino claro em mente, o armazém. Sayo e Ieyasu tinham ido primeiro em direção a capital enquanto ele ficava para trás, eles podiam ter sido vítimas desse bando de monstros.

Quando Tatsumi chegou no galpão ele abriu a porta antes de arregalar os olhos, vomitando vendo os instrumentos de tortura e as gaiolas. –porra... eu sei que eu vou me arrepender de fazer isso... –

(No mundo real)

A janela do armazém começou a ondular antes de Tatsumi sair do reflexo e observar as várias pessoas presas e feridas, ele olhou atordoado antes de ouvir uma tosse, se virando para a pessoa ele arregala os olhos vendo quem era. Era sayo.

-SAYO. – ele gritou antes de tira-la de suas correntes -Sayo você está bem? – Tatsumi pergunta a segurando em seus braços, Sayo olha para ele com um sorriso fraco.

-Tatsumi...- ela sussurra antes de fechar os olhos, o garoto arregala os olhos antes de colocar checar o pulso dela.

-está fraco...mas ela ainda está viva... – sussurra ele antes de abraça-la chorando de alegria.

-Tatsumi? É você? – pergunta uma voz masculina, Tatsumi se vira para a voz e vê Ieyasu com varias manchas vermelhas.

-TATSUMI, FUJA DAQUI E LEVE SAYO, AQUELAS PESSOAS SÃO DOENTES, A FILHA TOTUROU SAYO DESDE ONTEM! EU IREI MORRER EM BREVE, POR FAVOR SE SALVEM ENQUANTO PODEM. – Implora Ieyasu antes de tossi uma grande quantidade de sangue e cair morto, Tastumi o encara de olho arregalados antes de tremer.

Olhando para o seu reflexo no sangue do amigo Tatsumi retira seu deck deitando Sayo confortavelmente no chão. Ele aponta o objeto para o sangue, invocando o cinto do rider que gira se instalando em sua cintura liberando dois jatos de fumaça da lateral.

-Henshin, Raia. – fala ele antes de colocar o deck na abertura do cinto, fazendo três imagens vinhessem em sua direção da direita, esquerda e pela frente antes de se encontrarem nele e brilharem. Quando o brilho morreu estava um homem de armadura, ele vestia uma roupa preta metálica com pedaços de armadura roxa clara nele, ele tinha grandes ombreiras, seu capacete era a frente preta e prateada com a parte de trás roxa calara com um rabo de cavalo que se assemelhava a um rabo de arraia. Em seu braço esquerdo tinha o que parecia uma pequena arraia de metal roxa clara. Esse era Kamen Rider Raia.

O cavaleiro pegou a menina nos braços antes de deixa-la encostada na parede do armazém, ele passou a mão pela bochecha dela olhando fixamente.

-Não se preocupe Sayo, você nunca mais sofrera assim de novo, eu irei garantir isso. – promete Raia antes de se levantar e voltar a caminhar em direção a mansão. No caminho Raia puxou a cauda de seu escudo revelando um leitor de cartão, ele então retira um cartão e o insere.

<Chicote>

Com isso um chicote parecido com o rabo de uma arraia apareceu em suas mãos. Ele continuou avançando calmamente até chegar na frente da mansão onde tinha três guardas lá.

-EI VOCÊ PARADO! –gritou um dos guardas apontando sua arma para o cavaleiro que continuava avançando. Raia então estalou seu chicote, fazendo ele aumentar de tamanho, enrolando-o na cintura do guarda antes de puxa-lo.

O guarda começa a atirar em Raia, mas sua armadura o protege dos tiros, quando ele chega perto o cavaleiro dá um pulo horizontal chutando a cabeça do guarda, quebrando seu pescoço. Voltando para o chão o cavaleiro começa a correr na direção dos outros guardas que começaram a disparar nele.

Raia balança novamente sua arma fazendo com que ela batesse em um guarda arremessando-o pela parede. O cavaleiro chegou na frente do guarda e usou o chicote para amarrar o pescoço dele antes de ficar nas costas do guarda e puxar a arma fazendo o homem segurar a arma em seu pescoço.

-Nada pessoal amigo, só que você está no caminho. – diz ele antes de puxar de uma vez quebrando o pescoço do guarda. Olhando os corpos caídos o cavaleiro olha para a mansão com um brilho em seus olhos.

-Quem tem medo do lobo mau? – canta ele antes de entrar na mansão.

(Algum tempo depois)

-SENHORITA ARIA! – grita um guarda com sangue escorrendo pela sua testa, ele estava com várias manchas de sangue em seu corpo. A menina ao olhar ele arregala os olhos.

- o que houve? O que está acontecendo? – ela pergunta assustada. O guarda se aproxima dela e a pega pela mão antes de sair correndo.

-ESTAMOS SENDO ATACADOS! – fala o homem enquanto eles passavam pelo corredor principal, onde tinham várias manchas de sangue, guardas caídos imóveis sem se mover com marcas de estrangulamento, tinham até alguns presos nas paredes ou em cima de moveis quebrados.

-para onde nós vamos? – pergunta a menina enquanto eles saiam da casa.

-para o armazém, ficaremos lá esperando os soldados. – disse o guarda antes de um chicote pega-lo pela cintura. O homem olha para aria antes de empurra-la para longe, a menina olhou para a casa e viu um olho vermelho na escuridão.

-CORRA! - grita ele antes de ser puxado violentamente para a casa, quando ele passou pelas portas elas se fecharam de repente antes de um grito ecoar.

Aria não precisava de qualquer outra palavra antes de correr, ela foi em direção ao armazém, ela estava apavorada agora. Com certeza seus pais estavam mortos agora, nenhum outro guarda aparentava estar vivo para salva-la, o jeito era se refugiar no armazém e esperar.

Assim que ela chegou nele ela arregalou os olhos vendo as portas abertas e a caipira encostada na parede. Sua expressão de medo mudou para raiva.

-ENTÃO A CULPA DISSO TUDO É SUA, NÉ SUA VADIA? – grita a menina alterada enquanto avançava em direção a Sayo, mas antes que ela pudesse dar outro passo algo se enrolou em seu pé. Aria olha pra baixo para ver a mesma coisa que agarrou aquele guarda, ela olha para trás e vê Raia encarando ela das arvores.

-você...não vai chegar perto dela, nunca mais. – diz ele antes de puxar de uma vez o chicote torcendo o pé dela, a menina grita de dor antes de cair. Raia se aproxima dela antes de a encarando antes de se ajoelhar e olhar o armazém.

-você causou muita dor sabia? Estou aqui me perguntando se faço jus ao que você fez, ou se devo ser rápido, afinal você nem vale a pena... – declara Raia encarando fixamente a porta aberta, ele então encara a menina aterrorizada. –Você ao menos sente remorso? Culpa? ESTÁ ENOJADA COM O QUE FEZ!? –

A menina começou a chorar antes de balançar a cabeça em afirmação. Raia não gostou nem um pouco e a pegou antes de leva-la ao armazém, ela gritava e batia nele, deixando ela lá que berrava.

- Mentir é uma coisa feia e eu não gosto disso, mas não sou um monstro como você... – diz Raia antes de sair, Aria então ouviu um rosnado e olha para trás, ela arregalou os olhos antes de gritar.

Do lado de fora Raia pegou Sayo em seus braços e atravessou a janela.

(Uma hora depois)

Em um espelho Raia saiu carregando Sayo, ele fugiu o mais rápido que podia daquele covil de monstros. Ele fugiu até encontrar essa cabana isolada, ele deitou a garota na cama antes de uma linha de energia apareceu verticalmente ao redor dele antes de retirar sua armadura.

Tatsumi pegou uma cadeira e se sentou do lado da cama enquanto encarava Sayo.

-era isso que você queria dizer com poder para proteger? – pergunta Tatsumi quando o guardião espelho aparece atrás dele olhando a garota.

-Você lutou bem... o seu poder foi feito para proteger e salvar as pessoas, se tivermos de ser o carrasco nós somos. – fala o guardião enquanto coloca a mão no ombro de tatsumi. – Não se preocupe, ela está apenas em um coma, ela ficara bem você tem a minha palavra. - garante o guardião espelho enquanto Tatsumi tremia.

-... Quando ela vai acordar? – pergunta Tatsumi com uma voz quebrada, como se ele segurasse um soluço. O guardião o olha impassível, olhando para a garota na cama de repente ele viu uma outra garota, essa loira com orelhas pontudas. Ele balançou a cabeça afastando a imagem da cabeça.

-Eu não sei, mas vamos salvar ela, eu prometo. – diz o guardião, por algum motivo ele se sentia realmente tentado a cumprir essa promessa. Ele então desvia o olhar pro garoto.

-Você ainda tem que me dar uma resposta, para a oferta. - diz o guardião. Tatsumi então se lembra de como ele encontrou Sayo antes que fosse muito tarde, ele lembrou de como usou o deck para matar todas as pessoas naquela mansão, de como ele usou para salvar Sayo... olhando para a garota mais uma vez ele respirou fundo antes de encarar o guardião.

-Eu aceito... -


Notas Finais


E é isso pessoal, esse é o penúltimo capítulo das apresentação dos riders principais, agora terão outros (Como Kiva e Elysium), mas eles se revelaram apenas no decorrer da historia.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...