História Karamel - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Arrow, Supergirl, The Flash
Personagens Alex Danvers, Barry Allen (Flash), Dra. Caitlin Snow (Nevasca / Killer Frost), Felicity Smoak, John Diggle, Kara Zor-El (Supergirl), Lena Luthor, Oliver Queen (Arqueiro Verde), Personagens Originais, Roy Harper (Arsenal), Thea Queen
Tags Amor, Barry^^, Caitlin, Felicity, Imra, Kara, Karamel, Lenaluthor, Mon-el, Olicity, Oliver, Rhéa, Romance, Roy, Snowbarry, Thea, Theroy
Visualizações 51
Palavras 1.326
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Adultério
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente eu acho que eu não vou postar mais capítulos hoje.

Capítulo 12 - Briga de Família


No dia seguinte... (quarta-feira)

P.O.V Kara

                        Confesso que o passeio de ontem mexeu com os meus sentimentos, mexeu com a minha cabeça, ver a Maia tão feliz por estar comigo e com o pai, ver o Mon-el tão feliz em saber que é pai, em passear comigo e com a Maia, naquele momento eu pensei que eu continuo amando o Mon-el e ela continua me amando se simplesmente eu pedi para ele não assinar o divórcio ele faria e poderíamos ser uma família, eu, ele e a Maia.

                        Acordo e vou me arrumar, depois de pronta vou até o quarto de Maia que para minha surpresa já estava acordada e pronta, descemos e tomamos café da manhã, Thea e Felicity me olharam estranho durante todo o café da manhã, eles devem estar pensando em besteira só pode.

                    Depois do café da manhã, Felicity e Thea pediram para falar comigo, então eu deixei Maia na cozinha tomando sorvete que o Oliver tinha comprado e fui para o meu quarto com as duas.

-Então o que vocês querem? –Eu pergunto

-Mon-el como ele reagiu a noticia de que é pai? –Felicity  pergunta

-Reagiu bem na medida do possível, a sua primeira reação foi ficar bravo comigo mas eu dou razão para ele, afinal eu escondi a nossa filha dele por cinco anos. –Eu digo

-Um passarinho me contou que ele chegou tarde em casa. Vocês três foram passear, mas voltaram cedo o que aconteceu depois? –Thea pergunta com um sorrisinho sem vergonha na cara

-Não aconteceu nada. –Eu digo

-Kara Danvers Matthew não minta para a gente que damos um jeito de descobrir a verdade. –Felicity fala

-Tá bom, nós saímos para comer um lanche no shopping, chegamos um pouco cedo até, mas a Maia estava cansada então nós fomos para o quarto e contamos uma história para a Maia dormir, depois ele foi embora. Satisfeitas? Contei tudo o que aconteceu. –Eu digo

-Tem certeza que só aconteceu isso? Nem um beijinho de boa noite? –Thea pergunta

-Eu estava lá Thea, foi só isso que aconteceu e não não teve nenhum beijinho de boa noite. –Eu digo, como elas sempre conseguem arrancar informações de mim? Essas duas andam fazendo feitiçaria só pode.

-Nossa que sem graças, sem beijinho de boa noite, que tipo de marido e mulher vocês são? –Felicity fala, tipo divorciados querida

-Tipo divorciados queridinha. –Eu respondo

-Na verdade vocês ainda não estão divorciados e vocês ainda podem desistir do divórcio. –Thea falou

-A Thea esta certa, Kara você ainda ama ele e eu sei que ele ainda te ama, é só você dizer para ele que ainda ama ele, que com certeza ele não vai assinar o divórcio e vocês três vão ser uma família, uma família linda. –Felicity falou

-Não acredito que vou dizer isso mas vocês tem razão eu ainda amo ele e ele ainda me ama. –Eu digo

-É isso Kara, vai conversar com ele e diz isso que te falamos. –Thea falou

-Vou pensar. –Eu digo

                        Depois das duas saírem do meu quarto eu comecei a pensar se eu deveria falar ou não para Mon-el que ainda o amo e que quero ficar com ele.

P.O.V Mon-el

                 Ontem foi o melhor dia da minha vida, passear com a Kara e com a Maia foi digamos que mágico, eu percebi que não posso, não devo assinar aquele divórcio, e não digo isso pensando em mim e sim na Maia.

              Acordo me arrumo e vou tomar café da manhã e contar as boas novas para a Imra e para a mamãe, as duas já estavam comendo, que falta de educação, nem me esperaram, Imra estava com um sorrisinho bobo na cara, o que será que ela aprontou na noite passada?

-Bom dia. –Mamãe e Imra falam

-Bom dia. –Eu digo me sentando a mesa

-Parece que alguém dormiu bem ontem. O que aconteceu Mon? –Imra pergunta

-Eu sou pai. –Eu digo mamãe quase se engasga surpresa com a noticia, mas a Imra ficou com uma cara nada surpresa, ela sabia e não me contou.

-Sério Mon? –Ela pergunta

-Você sabia? –Eu pergunto

-Sabia, duas coisas a menina é a sua cara e com quem mais a Kara teria uma filha? –Imra diz

-Não tô entendendo nada, recapitula para mim. –Mamãe diz

-Ontem eu descobri que eu e a Kara tivemos uma filha. –Eu digo calmamente

-Eu sou titia. –Imra fala batendo palminha.

-Você engravidou aquela vaca loira? –Mamãe pergunta, não é surpresa para ninguém essa reação minha mãe nunca gostou da Kara sempre a chamou de vaca loira e a Kara também nunca gostou da minha mãe, mas ela nunca xingou a minha mãe.

-Ela não é uma vaca, ela é a mulher que eu amo, a minha esposa, mãe da minha filha, mãe da sua neta.- Eu digo estressado

-Então aquela menininha que estava com a Kara quando eu falei com ela é sua filha? –Mamãe pergunta

-É sim minha filha. –Eu digo

-Maninho parabéns. –Imra diz e me abraça

-Obrigada maninha. –Eu digo

-E você mamãe não vai parabenizar seu filho? Ele agora é pai. –Imra diz

-Eu até parabenizaria mas ela é filha daquela vaca loira então meus pêsames. –Mamãe diz

-Meus pêsames realmente, eu e a Imra não merecemos ser seus filhos, o papai era bom mas você, você é podre, obscura, a partir de hoje esqueça que eu existo e que eu sou seu filho eu vou embora dessa maldita casa e nunca mais voltarei. –Digo saindo da cozinha, eu ainda não havia tomado café da manhã, mas estava muito furioso, então subi e fui para o meu quarto arrumar as malas, iria viver em um hotel ou algo do tipo, qualquer coisa seria melhor do que continuar nessa casa, continuar convivendo com minha mãe.

P.O.V Imra

                          Vaca loira sério? Minha mãe é absurdamente cruel com a Kara e com muitas outras pessoas, até mesmo comigo que sou sua filha.

-E esquece que eu sou sua filha, nunca mais você me verá, eu vou embora junto com o Mon. –Eu digo também saindo da sala, eu não consigo acreditar como minha mãe pode ser tão má?

                              Ao invés de ir para o meu quarto eu vou para o quarto do Mon tentar conversar com ele.

-Mon. –Eu digo abrindo a porta

-Imra entra. –Ele diz

-Maninho eu sinto muito pela reação da mamãe, sempre soubemos que ela não gostava da Kara. –Eu digo sentando em sua cama enquanto ele tirava as roupas do guarda-roupa.

-Ela pode não gostar da Kara, mas eu sou filho dela, e geralmente as mães ficam felizes quando seus filhos estão felizes, por que a mamãe é diferente? –Mon pergunta triste

-Mon, você sabe que a mamãe não é uma mãe comum, ela nunca cuidou da gente, até acho que nunca nos amou, diferente do papai. –Eu digo

-Você tem razão ela nunca nos amou. –Mon diz triste

-Agora vamos esquecer ela, e vamos falar sobre a minha sobrinha, e sobre a minha querida cunhadinha. –Eu digo e ele sorri, ele ainda ama a Kara isso eu tenho certeza.

-Imra se eu te contar uma coisa você promete que não vai contar para ninguém? –Mon me pergunta é claro que não vou contar para ninguém maninho

-É claro que eu não contarei para ninguém. –Eu digo

-Foi maravilhoso, por um segundo eu pensei em não assinar esse maldito divórcio, eu pensei que podíamos viver felizes juntos, que poderíamos ser uma família, eu a Kara e a Maia. –Mon diz nossa essa noticia é maravilhosa

-Esse segredo é maravilhoso Mon, você precisa dizer para Kara que ainda a ama e que quer voltar com ela, que isso é o melhor para vocês dois e para a Maia. –Eu digo

-Você esta certa maninha, eu vou conversar com ela. –Mon diz

-Agora eu preciso ir, tenho que arrumar minhas malas também, não vou ficar aqui com aquela mulher sem você. –Eu digo e saio do quarto


Notas Finais


Comentem o que acharam desse capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...