História Karma (Segunda Temporada) - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony, One Direction
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Harry Styles, Lauren Jauregui, Louis Tomlinson, Niall Horan, Normani Hamilton
Tags Camila Cabello, Camren, Fifth Harmony, Lauren Jauregui
Visualizações 927
Palavras 3.751
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi pessoal, como vocês estão após aquele ENEM do capiroto? Espero que estejam se hidratando, alimentando e sendo gentis consigo mesmo, porque senão titia Natália vai ficar bolada com vocês, bjssss

Então, eu confesso que ri muito escrevendo esse capítulo, e eu espero que vocês se divirtam com ele tanto quanto eu me diverti. Coloquei um flashback para vocês entenderem melhor as coisas que rolaram no passado, e então voltei para o presente para vocês terem plena consciência do que vai acontecer no presente.

Para o capítulo de hoje sugiro as músicas: Do You do Ne-Yo, I Hate That I Love You da Rihanna feat Ne-Yo, Dangerously do Charlie Puth e Paper Houses do Niall Horan.

Boa leitura:

Capítulo 5 - De Novo Não


Fanfic / Fanfiction Karma (Segunda Temporada) - Capítulo 5 - De Novo Não

“Suspiro alto ao ver os contornos do rosto de Lauren. Aquela mulher é tão perfeita que chega a ser um crime. Aproximo meu rosto do seu e aspiro o cheiro delicioso de seus cabelos, faço questão de roçar meu nariz em sua bochecha, sentindo meu coração aquecido por mais um momento como aquele.

Após minha formatura tínhamos feito amor a noite toda até que não aguentamos mais e nos arrastamos exaustas para nossa cama. Mesmo depois de tantas transas em diferentes momentos, todas as vezes conseguiam ser extremamente apaixonadas e únicas, especiais e intimas.

Fazer amor com Lauren era sinônimo de unir nossos corpos de outra maneira.

- Babe, pare de me olhar... – Ri, ficando de costas para mim, rio baixinho, abraçando sua cintura e escondendo meu rosto em sua nuca, sentindo o delicioso cheiro de seus cabelos.

- Estou te admirando, você é linda... – Beijo sua nuca e ela se encolhe – Você é o amor da minha vida. – Ela suspira e me puxa ainda mais contra o seu corpo.

- Você é o amor da minha vida. – Respiro aliviada – Vamos passar o resto de nossas vidas juntas, Camz.

- Vamos... – Mordo meu lábio inferior – Casa comigo? – Lauren ri, beliscando a lateral da minha cintura.

- Boba... – Me afasto um pouco dela e então escuto a cama se movimentar.

Olho rapidamente pela casa e rio baixo ao ver um ring-pop fechado sobre a cabeceira da cama. Lauren gostava de ficar chupando aquilo enquanto fazia seus trabalhos, então pegou a mania de sempre ter aquilo pela casa, já que é tão prático que nem segurar você precisa, apenas colocar no dedo. Estico minha mão e pego o mesmo, o abrindo rapidamente, desço da cama e me ajoelho ao lado da mesma.

- Casa comigo, Lauren! – Ela franze o cenho – Estou falando sério, vamos nos casar, morar juntas e vamos dar continuidade a vida que temos. – Suspiro alto, vendo sua cara surpresa e confusa.

Cada célula do meu corpo aclamava por Lauren Jauregui, queria passar a minha vida toda ao seu lado, porque tinha plena consciência que só seria inteiramente feliz se pudesse ter o seu amor e desfrutar do mesmo todos os dias de minha vida. Queria que oficializássemos aquilo que já sabíamos que mais cedo, ou mais tarde, iria acontecer.

- Camila... isso é... – Suspira alto – Isso é adorável. – Franzo o cenho.

- Estou esperando outra resposta. – Rio baixinho, ela se ajeita sobre a cama – Você não quer se casar comigo? – Pergunto depois de mais segundos sem resposta.

Lauren me olhava com pesar e com confusão, podia sentir meu coração pesado e até um certo ataque por tamanha demora para resposta, prontamente me levanto. Estava constrangida naquele momento. Foram incontáveis ‘eu te amo’, ‘devemos nos casar’ e ‘quero passar o resto da minha vida ao seu lado’, quando proponho ela não me responde?

- Camz... eu amo você e amo a ideia de estar casada com você, mas existem tantas coisas acontecendo em nossas vidas para nos preocuparmos com um casamento agora... – Passo a mão pelos meus cabelos, totalmente constrangida – Recebi uma proposta muito importante de emprego e você vai começar um estágio, em outro estado. Nós não temos dinheiro para manter uma casa, ou sequer um apartamento. – Me viro, pegando a camisa social que eu havia usado por baixo da beca e visto um short – Camila, babe, por favor me escute, isso é algo que deve ser pensado e...

- Apenas, me deixe sozinha. – Sem encará-la mais uma vez, saio do apartamento e bato a porta com força.”

Puxo o ar com vontade e me remexo na cama, sentindo uma falta de ar gigantesca. Passo as mãos pelo cabelos e sinto os mesmos um pouco úmidos, eu estava muito suada. Me estico na cama e fecho os olhos novamente, empurrando as cobertas com as pernas para não me dar mais calor ainda.

Desde a minha discussão com a estúpida da Lauren no banheiro do clube, não consegui mais relaxar, o pior foram todos os olhares dos meus amigos fixos em mim após Lauren simplesmente sumir. Quem ela pensava que era para simplesmente dizer todas aquelas coisas, quase me beijar e então partir?

Me lembro como se fosse ontem quando voltei horas depois para o apartamento e o que houve entre Lauren e eu.

“Empurro a porta, cambaleando para dentro por estar um pouco bêbada. Encontro Lauren falando ao celular no centro da pequena sala, assim que me vê disse ‘ela acabou de chegar’ simplesmente e desligou logo em seguida. A princípio ela gritou comigo por eu sumir tantas horas daquela maneira, alegando que estava morrendo de preocupação que algo poderia ter acontecido comigo.

- Não é como se você fosse importar mesmo... – Resmungo, pegando o cereal e uma tigela de vidro – Nós não vamos nos casar, não precisa se preocupar com a minha segurança. – Me olha incrédula, apenas levo uma colher do cereal sem qualquer leite até a boca.

- Camila. – Rosna irritada – Olha o que você está dizendo! – Passa a mão pelos cabelos, respirando fundo e contando algumas vezes – Você está bêbada. – Se aproxima, com uma expressão completamente diferente – Vou te dar um banho e aí você pode continuar comendo.

- Você arruinou minha formatura, Lauren. – A olho no fundo dos olhos e vejo ela tragar saliva, comprimindo os lábios – Era para você ter dito que aceitava ser minha esposa. – Solto a tigela sobre o balcão – Era para você querer casar comigo tanto quanto eu quero casar com você!

- E eu quero, Camila. – Segura meu rosto, me obrigando a olhar para ela – Eu quero. Mas você acha que nosso casamento vai longe assim? Com cada vez que a gente brigar você fugir para beber? Ou que vamos sobreviver nos afogando de dividas por não ter dinheiro para pagar comida ou um lugar para viver? – Empurro suas mãos do meu rosto – Ou você quer depender financeiramente dos nossos pais? Mesmo sabendo que eles não tem condição de fazerem isso.

- Para de estragar isso para mim! – Lauren franze o cenho – Nós podemos nos casar daqui alguns anos, nada nos impede de ficarmos noivas. – Me levanto da cadeira, irritada com a minha namorada.

- Isso vai nos apressar, Camila. – Suspira alto – Sempre existirá uma pressão nossa e das pessoas a nossa volta sobre casamento, e eu sei o quanto isso não vai nos permitir evoluir em outras coisas. – Acaricia meu rosto – Nossas carreiras sempre foram nossa prioridade, o que mudou?”

Aquela havia sido a pergunta que ecoou em minha cabeça por meses. Tanto Lauren quanto eu priorizamos nossos estudos e carreiras, desde o princípio, e ao fazer aquele pedido a Lauren, eu passei a priorizar outra coisa. Naquela noite nós conversamos a noite toda, choramos bastante até que concordamos que talvez fosse melhor priorizar outras coisas naquele momento, e foi o que fizemos.

Me sentei na cama, passando a mão pelos cabelos e me levantando logo em seguida, colocando os chinelos ao lado da cama, dei os dois primeiros passos e então bati com tudo contra algo. Primeiro comecei a gemer de dor, sentindo meu nariz doer como o inferno e logo em seguida comecei a tatear pelo espaço a procura do que estava a minha volta.

Assim que me levantei comecei a tatear pelo espaço apenas com uma mão enquanto a outra estancava o sangue do meu nariz, tomando muito cuidado para bater em algum lugar novamente, finalmente achei a porta e consequentemente um interruptor do lado, acendi o mesmo e não consegui prender o berro que soltei.

- PORRA. – Abro a primeira porta, encontrando um corredor, volto para trás e abro a segunda porta dentro do quarto, encontrando um banheiro gigante – PORRA! – Grito ao ver o reflexo de Lauren refletido no espelho – DE NOVO NÃO, MERDA. – Grito alto, espalmando as mãos com força na pia de mármore preto.

Não consigo evitar de abrir a porta com uma força desnecessária, segurando ‘meu’ nariz, olho pelo quarto a procura de um telefone ou celular, não encontrando nada. Caminho timidamente pelo corredor, não escutando absolutamente nada. Quando cheguei na sala não pude evitar de abrir a boca surpresa, não pelo lugar ser gigantesco e ter uma televisão gigante, mas por conta da enorme bagunça.

Haviam caixas da mudança espalhadas por todos os lados e muitos cacos de vidro espalhados por todos os lados, a cadeira da sala de jantar estava tombada no chão e havia um pedaço de uma garrafa quebrada. Passo as mãos pelo cabelo e respiro fundo, o que havia acontecido aqui na noite passada?

Piso com muito cuidado entre os cacos e caminho até a cozinha, encontrando uma área de limpeza na pequena porta do canto, peguei uma vassoura e a pazinha para que fosse possível dar um jeito naquela bagunça toda mais tarde. Finalmente achei um telefone, foi então que parei no lugar; para quem eu ligaria? O que iria dizer exatamente?

Acabei decidindo fazer algo completamente diferente, corri de volta para o quarto onde havia acordado. Acontece que o apartamento novo de Lauren era gigante, e isso me deixava meio perdida, só em seu quarto haviam três portas. Uma para sair dele, uma para o banheiro e uma terceira que dava para um mini-hall de um closet enorme. Não demorei para achar o espaço onde ela tinha roupas mais casuais, peguei a primeira calça jeans que achei e vesti a mesma, saindo dali e indo direto para a porta de saída, onde a chave do apartamento e de carro estavam penduradas.

O caminho até meu apartamento foi rápido, para a minha surpresa, subi os degraus e minha autorização foi aceita, meu porteiro ficou encarando horrorizado ao –provavelmente- ver o nariz inchado e ainda com sangue. Me impediu de chegar até o elevador, mas logo disse que Karla Camila Cabello queria falar urgentemente comigo e até passei a palavra chave de autorização, até que ele autorizou a subida.

- LAUREN. – Grito dentro do meu apartamento, assim que uso a chave reserva presa debaixo o extintor – LAUREN MICHELLE JAUREGUI. – Grito mais uma vez, andando pelo apartamento.

Assim que abro a porta do meu quarto vejo ‘ela’ apagada em minha cama.

- LAUREN. – Grito e então ela se mexe, um pouco assustada.

- Que porra? Para de gritar. – Leva a mão até a cabeça quando acerta a mesma com tudo na parede – Como você entrou aqui? – Levanta a cabeça e então solta um grito alto quando me olha melhor – O QUE? – Salta da minha cama – DE NOVO? NÃO, NÃO MESMO. – Abre a primeira porta que vê, entrando no meu banheiro – EU NÃO POSSO SER VOCÊ DE NOVO, MERDA. – Passa a mão pelos cabelos – MEU DEUS, ISSO NÃO PODE ESTAR ACONTECENDO DE NOVO, CAMILA!

- VOCÊ ACHA? – Grito irritada e ela me encara – Meu Deus, o que nós vamos fazer? Nós temos que trocar agora.

- Você acha que eu não sei? Eu tenho um audiência na próxima semana super importante, estou trabalhando a semanas nesse caso! – Joga água no rosto, respirando fundo.

Ficamos em silencio por longos minutos e podia ver que Lauren estava raciocinando, provavelmente pensando no que poderíamos fazer para reverter toda aquela situação. Agora não tínhamos aulas que poderíamos ficar em silencio e revisar a matéria depois, agora possuímos trabalhos, pessoas e responsabilidades que dependem inteiramente de nós.

Lauren se virou e então ergueu a mão, tocando a ‘minha’ bochecha e apertando a mesma, me fazendo gemer de dor e dar um tapa em ‘sua’ mão.

- Ouch!

- Não toque em mim!

- Nós já falamos sobre isso antes! Tecnicamente falando você sou eu, então eu posso sim tocar em meu próprio rosto! – Gemo frustrada e lhe acerto um novo tapa quando ela tenta encostar em mim novamente.

- Lauren, foco. – Falo irritada – Não é hora para ser infantil! Olha o que aconteceu de novo e você ainda tem a capacidade de brincar com isso?!

Lauren podia ser a pessoa mais madura que qualquer outra iria conhecer, mas também poderia ser a mais infantil de todos os tempos, tudo dependia de como você a tratava e quem você é. Lembro a maneira infantil que minha ex-namorada me tratava antes de trocarmos de corpos e como ela fazia questão de transformar minha vida em um inferno com todas aquelas provocações, mas também me recordo da maneira cuidadosa e protetora que ela agia após nos conhecermos melhor e como ela moveu montanhas para que ninguém jamais me tratasse daquela maneira novamente.

Tinha plena consciência de que Lauren estava me tratando daquela maneira hostil e sendo rude por conta da nossa discussão no jantar de ontem. Minha ex-namorada estava furiosa com o fato de eu não mencionar o casamento para ela em momento algum durante todas as vezes que havíamos nos reunido para falar sobre Yale. Mas eu apenas não consegui dar essa notícia para ela.

Sabia que nesse curto período Lauren Jauregui faria tudo que estivesse em seu alcance para me irritar, e pareceria a adolescente irritante de anos atrás e nada com a advogada respeitada que é.

- Você não tem o direito de falar assim comigo, isso é tudo culpa sua! – Me acusa.

- Culpa minha?

- É claro, se você não fizesse o que fez, nós não estaríamos nessa situação e muito menos estaríamos sepa... – Para de falar no mesmo momento, sinto ‘meu’ coração acelerar com a possibilidade dela terminar aquela frase – O-O q-que nos fez trocar para o normal da última vez?

A encaro por longos minutos, aquela havia sido uma bandeira branca, não voltaria a discutir com ela novamente, não após ontem. Cruzo os braços e franzo o cenho, pensando no que havia acontecido anos atrás para o que havia feito nos trocar: primeiro havia sido o fato que nos odiávamos, então eu aprendi a jogar softball por ela e Lauren aprendeu muitas matérias importantes para mim, comemoramos notas altas e meu ponto final no jogo, foi então que nós quase nos beijamos e aí trocamos.

- Nós... nós quase nos beijamos quando trocamos. – Falo sem muita vontade e ela arregala os olhos.

- Jura? – Assinto, revirando os olhos – Uh, então tudo bem, vamos fazer isso logo. – Se aproxima e eu vou para trás no mesmo momento – Eu não vou te beijar de verdade, nós temos que quase nos beijar. Eu não beijo pessoas comprometidas, não se preocupe com isso, Karla. – Trinco os dentes e a fuzilo com o olhar.

Eram meus olhos “me encarando”, mas era o olhar de Lauren, aquele jeito intenso dela me olhar.

Nossos corpos estavam próximos e eu me sentia muito estranha, eu estava prestes a –quase- me beijar, e isso não fazia sentido algum. Nós duas não parecíamos a vontade com aquilo, o que era real, e não existia a mesma faísca e tensão de como quando nos beijamos quase pela primeira vez. E eu apenas soube que não daria certo.

- Não deu certo. – Me afasto prontamente, ficando de costas – A estátua não trocava pessoas de volta porque elas se beijavam, isso seria estupidez. – Olho meu banheiro, estava com dor de cabeça e precisava de uma aspirina.

- É, tem razão. – Vejo ela se apoiando na pia do banheiro – Nós temos que viver em harmonia novamente, era isso, certo?! – Bufo, fechando os olhos com força.

- Certo.

- Então vamos fazer isso, o mais rápido possível. – Assinto, me sentindo nervosa com a aquela possibilidade, isso significaria ter Lauren o tempo todo por perto – Agora me de espaço, eu preciso fazer xixi. – Faz um sinal para eu sair.

- Lauren.

- O quê? É a sua bexiga, não a minha! – Me acusa e eu rosno, saindo do banheiro.

Observei meu quarto e franzi o cenho, confusa com toda aquela situação, por que havíamos trocado novamente? Ontem, durante a briga no banheiro do clube nós duas chegamos em um consenso, eu iria me casar com Hailee e ponto final, isso significava que cada uma seguiria seu caminho e acabou.

Sabia totalmente o que iria acontecer se eu tivesse Lauren o tempo todo próxima de mim. Sabia exatamente o que iria acontecer ter sempre sua personalidade incrível e seu jeito único ao meu redor. Sabia perfeitamente o que iria acontecer se ela despertasse todos os sentimentos guardados dentro de mim.

A porta do banheiro foi aberta e ‘eu’ sai do mesmo. Entortei um pouco a cabeça, eu havia engordado e as minhas coxas enormes deixavam isso bem claro. ‘Lauren’ tinha o cenho franzido e parecia um pouco confusa, automaticamente me sinto nervosa, o que ela havia encontrado ou visto?

- O que foi?

- Você não está mais depilando? – Arregalo os olhos e sinto todo o sangue do corpo se concentrar em ‘minhas’ bochechas.

- Lauren. – Rosno irritada e encabulada ao mesmo tempo – Eu não acredito que você olhou para a minha...

- Eu não olhei, bem, não diretamente para ela. Olhei os pelos. – Aquela situação seria cômica, se não fosse constrangedora – Hailee gosta de algo mais natural, então? – Eu deveria estar roxa de vergonha – Fico bonitinho, tudo aparado e...

- Pare agora mesmo de falar da minha vagina. – Enfio o indicador em ‘sua’ cara.

Eu sabia exatamente o que iria acontecer se Lauren descobrisse que Hailee nunca havia me tocado mais intimamente, ela caçoaria até a morte, não porque ela achava aquilo errado ou coisa do tipo, mas porque era Hailee que não queria fazer. Aquilo era algo íntimo e que não dizia respeito a Lauren, ou qualquer outra pessoa que não fosse minha noiva e eu.

Eu continuava me depilando como sempre, entretanto agora não depilava tão ‘cavado’ como antes por conta daquela área não ser utilizada e muito menos tocada pela minha noiva. Quando Lauren e eu estávamos juntas, a princípio, deixava da mesma maneira que estava agora e com o passar dos anos acabei optando por um visual mais ‘liso’, por isso o choque dela.

- Eu apenas estou dizendo que Hailee tem cara de ser super nojenta e não gostar de pelo em lugar nenhum. – Reviro os olhos, começando ajeitar a cama – Ela tem alguma mania estranha na cama? Você é a ativa nessa relação? Ou vocês são relativas?

- Lauren, cale a boca. – Rosno irritada.

Aquilo era extremamente babaca e típico de Lauren, bem, a Lauren de antes de namorarmos. Eu lembro como se fosse ontem a maneira petulante e escrota que minha ex-namorada agia ao meu redor, como ela fazia questão de fazer um escândalo na frente de todo mundo somente para reforçar seu ego. Lauren era como um pavão, precisava se exibir para marcar território de alguma maneira, fazendo aquelas perguntas e agindo daquela maneira só reforçava que ela estava com o ego ferido e precisava provar para nós duas que estava ‘ok’ com toda aquela situação.

Hailee é uma pessoa muito boa e eu jamais deixaria Lauren dizer ou fazer algo para machuca-la, porque minha noiva não merecia aquilo. Minha ex-namorada sabia ser muito má quando queria, e eu sabia disso, principalmente quando a situação me envolvia.

- Qual é, somos amigas, me conta... – Bufo irritada, dobrando o edredom – Tenho que saber o que dizer ou fazer caso Hailee tente me...

- Hailee é extremamente cortês, Lauren. – Me viro, encarando minha ex-namorada no fundo dos olhos – Ela é gentil. Sempre se preocupa com o meu bem-estar, sempre coloca ele em primeiro lugar. Hailee é perfeita. – Não estava mentindo, aquilo era realmente verdade.

Havia um limite: nós não transarmos. Apesar de nunca me tocar de uma maneira mais intima, Hailee era sempre cuidadosa comigo, seus beijos eram ótimos e ela fazia eu me sentir protegida. Era como se minha noiva fosse a calmaria após uma tempestade que destruiu tudo, no caso, Lauren era a tempestade.

Notei o meu rosto se contorcer em raiva e então indiferença, e lá estava a Lauren maldosa. Podia ser o meu rosto, mas era a sua expressão.

- Algo me diz que ela é ruim de cama. – Ri maldosa – Mas não sou eu quem vou casar com ela, então é indiferente para mim. – Trinco os dentes - Devemos começar a ajeitar tudo e então conversar sobre coisas que devemos saber uma sobre a outra.

E foi o que fizemos, ajeitamos todas as coisas no meu apartamento e acabamos entrando em meu escritório para que pudesse mostrar fotos para Lauren. Minha ex-namorada conhecia todas as pessoas da minha vida de anos atrás, entretanto, não tinha noção alguma de quem eram meus colegas de trabalho ou meus amigos com Hailee.

Enquanto tomávamos café da manhã, acabei mostrando fotos através do celular, Lauren prestava muita atenção e repetia os nomes três vezes para que pudesse decorar os mesmos. Quando revisamos os nomes, Lauren soube responder facilmente, mas alertou que deveríamos rever todos os nomes mais algumas vezes.

Lauren acabou mostrando todas as pessoas que eu deveria saber, que não eram muitas, mas ainda assim eram uma boa quantidade. Não pude evitar de ficar curiosa quando ela mostrou a foto de uma mulher chamada Madison, com um sorriso convencido e sem desviar o olhar por um segundo sequer do meu, Lauren informou que Madison era a mulher que eu trabalhava e consequentemente eu deveria tratar muito bem.

Sorri de canto quanto Lauren decidiu que deveríamos pedir comida chinesa para comer, diferente de Hailee, Lauren não é nem um pouco saudável em seus hábitos alimentares. Minha noiva gosta de preparar a comida, e abomina pedir coisas para serem entregues em casa, sempre que quer comer algo de fora temos que ir até o local.

- Fazia tanto tempo que eu não comia isso. – Gemo em aprovação, pegando mais um pouco de yakisoba – É a coisa mais gostosa e horrível do mundo. – Lauren ri, negando com a cabeça.

- Você? Sem pedir comida? – Assinto com a cabeça – Me deixe adivinhar, Srta. Perfeição não gosta de pedir comida fora? – Encaro minha comida, ficando em silencio – Mais cedo ou mais tarde você vai ter que falar dela, Camila, por mais que eu odeie saber tudo sobre, tenho que saber, afinal, ela é sua noiva.

- Hailee é uma pessoa legal, Lauren, se você dar uma chance para ela, você pode...

- Não, Camila. – Me interrompe, irritada – Eu vou tentar entender ela enquanto ficarmos esses dias trocadas, mas só, depois que trocarmos de volta eu não quero nunca mais ver ela ou você, porque você fez sua escolha e eu não sou obrigada a viver com isso. – Se levanta, pegando seu celular e saindo da cozinha.

Comprimo os lábios, me sentindo desconfortável e muito mal com toda aquela situação, ter Lauren em minha vida novamente –ainda mais daquela maneira- não estava em meus planos.


Notas Finais


AHA ALGUÉM ESTAVA ESPERANDO POR ESSA?????? Eu ainda estou rindo delas voltando a agir como antigamente, confesso, eu amo essas provocações e todas esse amor encubado!!!

Gostaria de agradecer todos os votos, comentários e todo mundo que me procura para pedir atualização. Gostaria de me desculpar por não corrigir esse capítulo, nenhum erro foi proposital, então me desculpem qualquer coisa. Caso queiram falar comigo, sobre qualquer coisa, é só me chamar no Twitter ou no CuriousCat (switch5hearts).

Por favor, se cuidem!! Sejam gentis consigo mesmo e com todos ao seu redor.

NatáliaxX(:


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...