1. Spirit Fanfics >
  2. Killer Queen. >
  3. Amar-te é um de meus maiores erros.

História Killer Queen. - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Olá meu amores, tudo bem com vocês? eu estou bastante feliz pelo nosso 5 favoritos, apesar de ser pouco, já da uma incrível felicidade e incentivo de escrever mais, agradeço a todos que estão apoiando e favoritando, obrigada!
Vem bomba neste capítulo? Talvez.
Se não ficar longo, mil desculpas kkkk, escrever da preguiça e as vezes falha a criatividade.
Sem mais delongas, vamos lá!

Capítulo 2 - Amar-te é um de meus maiores erros.


Fanfic / Fanfiction Killer Queen. - Capítulo 2 - Amar-te é um de meus maiores erros.

— Fala sério, o que eu estou fazendo? — Bufo enquanto me vestia, trajava um vestido tubinho vermelho tomara-que-caia, faço questão de ir o mais elegante possível. 

Uma coisa que não saiu da minha cabeça foi aquela voz rouca, tinha uma leve impressão que já a ouvi em algum canto, mas não me recordava. O que me tirou de meus pensamentos foi a porta do quarto abrindo, dando a loira de olhos verdes-água entrando.

— Sakura! Vamos, se apresse, vou com você até a Iron Maiden. — Sorriu a loira que se chamava Ino, como poderia explicar a nossa relação? nós éramos meio que "amantes", as vezes nós pegamos escondido do noivo dela, Kiba.

— Certeza Innie? Se você presencear mortes não fique traumatizada depois. — Disse enquanto passava o batom ultra-violeta, da Yes!Cosmetics, era um rosa bem escuro, eu odiava rosa claro, ou seja, detesto a cor do meu cabelo também, mas, isso me faz ficar confortável porquê é a mesma cor da cerejeira que a mamãe costumava a amar, foi daí o meu nome, Sakura.

“você é delicada como uma flor, sua pele é macia como as pétalas, assim como seus lábios, seus olhos verdes esmeraldas combinam com seu cabelo, estes seriam as folhas. você não pode ser bonita como imagina, você não pode ter o corpo como queria, mas você é especial, Sakura. É com todo esse orgulho meu e amor, que lhe batizo de Sakura.”

Pensei nesta frase que a mamãe falou um dia antes dela e do papai morrer, isso me emocionou. Antes que eu percebesse, estava chorando. Isso assustou Ino, mas logo ela entendeu e me abraçou pelas costas, esta era mais alta que eu, possuía 1.70m, enquanto eu tinha 1.65m. Ela acariciou meu cabelo, e deu leves beijos em meu pescoço.

— Eles fazem falta, não? — Suspirou enquanto apertava mais o abraço — Foi doloroso, não? Sakura, você tinha tudo para ser uma mulher de ouro, mas eles arruinaram sua vida e tirou seus queridos pais. Mas você suspirou e aguentou por 15 anos esse aperto e dor em seu peito. Você agora quer se vingar, sinceramente acho melhor você não se vingar, ódio gera mais ódio, vingança gera mais  vingança. — Ela disse me virando para frente dela, logo com seus dedos levemente morenos e macios, foram até a minha bochecha e enxugaram minhas lágrimas. Selou seus lábios aos meus em seguida, separando logo. — Sim, isso é considerado traição de minha parte com o Kiba, mas eu nunca vou te abandonar, sendo sua amiga, namorada, amante ou algo do tipo, vou te confortar de minha forma. Agora, para de chorar senão vai borrar a maquiagem mulher.

Sorri, logo assorando o meu nariz, beijei os lábios da loira novamente, eles me confortavam. Ela retribuiu calorosamente, levando suas mãos até minha cintura. Separei sem ar, ofegantemente e ela o mesmo. Sentei-me na cadeira da penteadeira, voltando a arrumar-me. Ino foi arrumando o meu cabelo. 

22:37 PM, Rua Dionysus, N°66 Empresa Iron Maiden.


Desço do carro, meio receosa e nervosa, não sabia o que me esperava. Ino me acompanhou até a entrada, logo sorriu e parou de andar.

— Me prometa que vai ficar bem, Sakura — Ela disse me abraçando, logo retribuo.

— Boba, eu sei me defender. Eles não vou me intimidar por causa do poder deles e pelo fato de terem matado meus pais. — Digo sorrindo, logo beijo ela, que logo retribui, ela separou lentamente, sorrindo também.

— Estou aqui embaixo lhe aguardando. — Ela disse entrando no carro, antes selou meus lábios.

Suspirei, agora era a hora. A porta automática abriu e eu entrei, os olhares se voltaram a mim, havia vários homens no local, e pouquíssimas mulheres, mas as poucas mulheres, eram empregadas, essa empresa deveria ser machista, aposto. As mulheres que me olhavam, me viam com certa admiração, também ouvia alguns cochichos como “Meu Deus, que linda! Finalmente uma no comando! Espero que ela mude está regra!”, Fiquei meio preocupada e motivada, aquelas mulheres deviam sofrer bastante, creio eu. Veio um mordomo até mim, ele possuía cabelos negros e era muito pálido, parecia um vampiro.

— Você é a Senhorita Sakura Haruno? — Ele cochichou perto de meu ouvido, e eu respondi um “sim” baixo. — Me chamo Sai, me siga. — Ele fez uma referência para segui-lo, logo fiz o mandado. Ele me levou até o elevador, antes que eu entrasse ele puxou meu braço, me fez virar para ele. 

— O q-que foi? — Gaguejei nervosa, logo me entregou um cartão, escrito Killer Queen. 

— Cuidado no caminho. — Ele sorriu me empurrando para dentro do elevador, logo saindo. — Não faça nada de imprudente, se não for a sua intenção de morrer. — As portas logo se fecharam, fiquei assustada com a sua última frase, nunca senti tanto medo acumulado num dia só. Encostei-me na parede do elevador, suspirando em seguida. Virei para o espelho, notando que estava elegante e atraente, corei levemente ao tocar nos meus lábios, me lembrando dos lábios de Ino. As portas do elevador se abrem, outro rapaz estava lá me aguardando.

— Me mostre o seu cartão, por gentileza. — Mostro o meu, logo o rapaz se surpreendeu. — Me acompanhe.

Assenti e o segui, ele me levou até uma sala bem lá no fundo do corredor, cada passo que dava era possível ouvir uma certa discussão, fiquei um pouco assutada, as vozes que no qual eram masculinas ficaram mais graves e fortes conforme eu ia me aproximando, o rapaz parou de andar.

— Siga até a sala sozinha, não posso passar daqui. — Ele diz sorrindo gentilmente e me dando as costas, logo voltando onde estaria antes. Nada disse, apenas continuei, cada passo que dava, minha confiança aumentava, o medo já se foi. Cheguei até a porta, mas antes de abrir ouvi alguém gritando, isso me assustou.

— Seu idiota! Você acha que eu estou fazendo isso por mim!? ISSO É POR NÓS, SEU INÚTIL!!!! 

Estava para abrir a porta, mas tirei a minha mão da maçaneta ao ouvir aquela frase, afundei-me por alguns segundos em meu pensamento, mas fui tirada deles ao ouvir barulho de cadeira quebrando. Desesperada abri a porta e presenciei dois rapazes se batendo, um alto de cabelos longos crespos bagunçados e outro de cabelos longos lisos preso. Fui até os dois e tentei parar-los, mas recebi um tapa e um empurrão, me fazendo gemer agudo ao cair em cima da cadeira quebrada, os dois logo pararam e me encaram.

— YAA! VOCÊS ESTÃO LOUCOS? AISH! — Gritei enquanto me levantava furiosa, acariciando minha bochecha vermelha.

— Perdão, a senhorita está bem? — Disse o de cabelos lisos, me ajudando a levantar-me, logo olhou para o meu crachá por alguns segundos e me encarou de volta, mas ignorou.

— Peço perdão pelo ocorrido, senhorita Haruno. — Disse o mais alto de cabelo crespo bagunçado, que era o dono daquela voz rouca sexy do telefone. — Saía da sala Itachi, agora!

— Seu psicopata! — O tal Itachi sai batendo a porta, o outro presente suspirou, logo voltando a atenção até mim. 

— Sente-se por favor. Novamente, desculpe pelo ocorrido. — Me sento na poltrona de veludo, pego o pires com a xícara de café matte e bebo um gole. — Me chamo Madara Uchiha. — Derrubei a xícara com o café em cima de mim mesma ao o homem mencionar o seu nome, um flashback passou em minha mente.

flashback on
— SASUKE-KUN! — Digo correndo atrás do garoto, que me olhava friamente.
— Será que dá pra me deixar em paz, sua irritante? — Disse grosseiro quando chegava perto do carro vermelho, que saiu um jovem rapaz de cabelos curtos crespos bagunçados, que se aproximou da discussão.
— Sasuke-kun, você não pode me tratar tão friamente assim... Você sabe que não escolhi lhe amar! — Digo entre soluços.
— Se não escolheu, me deixe em paz então, você não deveria alimentar este sentimento de merda que chamam de amor! — Ele disse me empurrando, logo o rapaz atrás correu até nós e me segurou.
— Sasuke, comporte-se. — Ele disse enxugando minhas lágrimas. — Perdoe-me, minha jovem. Me chamo Madara Uchiha, sou irmão dele, sinto muito pelo temperamento dele. — Sorriu caloroso, logo saindo se perto e pegando Sasuke e o arrastando até o carro, antes se despediu e entrou no carro em seguida. Madara Uchiha, esse homem...

Logo lembrei que ele estava no assasinato dos meus pais, juntamente do tal Itachi, Sasuke também, Amar-te foi o meu maior erro, Sasuke.

— Meu Deus, você está bem? — O rapaz foi até mim, logo forcei um sorriso.

— M-Me desculpe, eu soluçei e acabei derrubando, mil perdões.

— Está nervosa? Está tudo bem, não tenho intenção de matar-lá como fiz com os seus pais. — Sorriu sacana. — Na verdade, te chamei por outro motivo, minha querida Killer Queen. — Após ele falar a última palavra, fiquei séria.

— O que você quer dizer com isso? — Disse firme, logo me limpando.

— Case-se comigo, Sakura. — Ele disse indo até mim.

— O q-quê?! 



continua....



Notas Finais


Iae, gostaram do cap de hoje? espero que sim! Minha imaginação colaborou bastante, irra! Caso vocês estavam duvidando qual é a idade exata da Sakura, ela possuí 25 anos, na morte de seus pais ela possuía 10 anos, como se passaram 15 anos, 10 + 15 = 25. Entenderam? Espero que sim.
Continuem me motivando a escrever mais, agradeço pela colaboração de vocês ♥️!

postei e saí correndo fiquem com kamisama!

goodbye, sayonara, adiós, au revoir.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...