1. Spirit Fanfics >
  2. Killing me >
  3. Dive

História Killing me - Capítulo 20


Escrita por:


Notas do Autor


Capítulo inspirado na música " Dive " do Ikon (ver tradução).

Capítulo 20 - Dive


Fanfic / Fanfiction Killing me - Capítulo 20 - Dive

Junhoe on

Após alguns instantes de espera  eis que a vi surgindo bem diante dos meus olhos feito um anjo sem asas e propositalmente ela andou na direção do meu carro  deslumbrando aquele seu corpo sedutor bem na minha frente sem escrúpulos,o que logo me deixou imensamente fora de mim.

- Satisfeito agora? - ela me atacou brutalmente  assim que entrou dentro daquele veículo e ficou me secando com aquele seu olhar frio,enquanto se prendia ao cinto de segurança. 

- Bastante - fui sarcástico com ela enquanto buscava o brilho radiante  dos seus olhos,após a brusca aproximação que arrisquei em dar,assim que soube que havia vencido aquela primeira batalha contra o mala do Bobby e  isso acabou nos deixando cara a cara dentro daquele pequeno espaço que nos oprimia entre o câmbio de macha e o volante - E você?

- Nenhum pouco - ela me respondeu com fúria em suas palavras e logo quis dar um jeito de tentar se afastar de mim.

- E por que não? - brinquei com fogo.

- Não vai me dizer agora que você não faz ideia do que acabou de causar lá dentro,quando resolveu abrir essa sua boca grande e contou tudo pro Bobby sobre a noite passada,June? - ela imediatamente  me denunciou. 

- Uê - tentei me explicar  - Alguém tinha que fazer isso por ele,não acha? Porque se fosse depender de você. Eu sei perfeitamente que não iria contar nada disso pra ele. Ou ia? - ela logo me fitou com seu olhar mortal e frio mais uma vez.

- Não acho não  - ela cruzou seus braços e fechou a cara pra mim na mesma hora. 

- E por que não hein? - ousei a questionar enquanto tentava me aproximar dela de novo.

- Porque a sua atitude impensável só piorou ainda  a minha situação com o Bobby - ela argumentou ainda me deixando como o único culpado por tudo aquilo  - e você foi aparecer por lá justo no momento em que eu estava conseguindo contornar aquela situação por conta própria. Saco! - ela deu um berro e me socou com força  - Por que você não ficou me esperando aqui fora como a gente a tinha combinado que você ficaria,hein?

- Aí! - gemi de dor enquanto tentava me defender de seus ataques de fúria,mas mesmo assim fui atingido em cheio por ela exatamente aonde aquele filho da puta do Bobby havia acabado de me bater e isso me fez recuar pra trás.

- Desculpa! - ela me pediu assim que percebeu que havia passado da conta por ali e logo começou a ter pena de mim - Eu não fiz por mal - ela se soltou do cinto de segurança e com isso acabou trazendo todo o seu corpo pra perto do meu,sem notar que era disso que eu estava necessitando naquele instante : de tê-la junto ao calor do meu corpo e pertinho das batidas descompassadas do meu coração - Eu te machuquei,não foi? Está doendo,não está? - ela começou a me tocar com delicadeza até que encontrou o meu rosto e ficando cara a cara comigo mais uma vez  nossos olhares acabaram se chocando um contra o outro instantaneamente feito uma colisão perfeita entre  dois meteoros aleatórios no meio do espaço sideral - Aonde?

- Aqui - respondi enquanto me mantinha  subitamente preso dentro do seu olhar.

- Aonde? - ela agora me tratava com doçura.

- Bem aqui - contei pra ela enquanto pegava suas mãos e as depositava bem em cima do meu peito - É aqui que dói - ela me olhou com ternura enquanto engolia em seco e até tentou desviar seu olhar do meu pra me evitar,mas  me olhar agora  era algo tão doloroso pra ela quanto era pra mim,por conta de toda aquela nossa súbita aproximação,que tentar evitar isso agora seria ainda  tão doloroso,do que ter que admitir o que ambos sabíamos  : que um ainda era o infinito um do outro,e que isso pra sempre ainda continuaria sendo   assim,mesmo tendo o Bobby entre  a gente ou não.

- Não era disso que eu estava falando,sabia? - ela tentou mudar de assunto na mesma hora. 

- Eu sei - me expliquei - Mas aqui dói toda vez que olho pra você  - respirei fundo enquanto a tinha bem diante dos meus olhos e bem próxima de mim - e eu sei que não posso mais te ter apenas pra mim como costumava ser há 5 anos atrás,sem antes ter que  passar pelo Bobby pra pedir permissão pra ele,pra você  ficar  alguns meros segundos  cronometrados no relógio ao meu lado - suspirei profundamente  - Até quando isso vai ser assim hein,Angel? - fiquei emotivo. 

- Nada disso precisaria ser assim - ela  simplesmente acabou comigo(mas não a culpo por me tratar assim) - se você nunca tivesse ido embora e me deixado sozinha aqui com ele,não acha? - engoli em seco após ter ouvido isso saindo da boca dela e simplesmente me calei - Se me amava tanto assim como você diz que agora me amava naquela época   - ela prosseguiu com seus ataques,que agora atingia algo bem mais profundo dentro da minha alma - Então por que foi embora? E por que diabos  só voltou aqui 5 depois pra tentar reaver o que você havia deixado pra trás naquele dia,hein? - agora foi a minha vez de tentar desviar o meu olhar do dela,mas ela segurou meu rosto  com força na direção do seu assim que tentei evitá-la e o manteve pertinho do seu enquanto continuava falando comigo - Você me ama mesmo,June? - ela me interrogou - Ou só pensa que me ama e acha que precisa me ter de volta. Porque até hoje não conseguiu encontrar alguém que de fato suporte você  ou ature seu modo de ser...como um dia eu te suportei e te aturei,ham? 

- Eu sei que vacilei feio com você naquela época,Angel. E sei que agora devo pagar  por todos os meus erros que cometi te vendo ser feliz ao lado de outro cara que não seja eu - me defendi  - E até consigo entender e aceitar que nessa história toda,o Bobby tenha sido o o único por aqui,que  fez a coisa certa  quando fui embora daqui ao ter te dado  todo o apoio que eu não lhe dei. A atitude dele foi tão nobre - pausei -  que isso não me dá o direito de ficar o julgando por agora ser o seu namorado...e não eu. Mas apesar de ser como eu era e de agir como eu agia com você,eu sei que naquele tempo eu não sabia lhe demonstrar de forma recíproca,todas as minhas emoções com relação as coisas e muito menos sabia deixar transparecer todos os  sentimentos que sentia com relação a gente  como você tanto queria que eu fizesse naquele tempo.Só que eu te amava sim - ela se manteve presa dentro dos meus olhos enquanto ouvia as minhas explicações e parecia estar bem surpresa com todas elas naquela hora - Do meu jeito,é claro. Mas eu te amei de verdade desde o primeiro dia em que te vi naquela clínica de reabilitação e continuei te amando  incansavelmente durante os últimos 5 anos  sem cessar até voltar pra você,Angel. E aqui estou eu de novo...bem diante do seu alcance e totalmente disposto à lutar por você contra quem for com unhas e dentes. 

- June... - ela tentou interromper o meu discurso,mas logo a silenciei com um beijo bem calmo e demorado naquele momento, que ela nem pôde ter como evitá-lo desta vez - Eu tô com o Bobby agora - ela insistiu em querer continuar falando enquanto eu a beijava - e... - intensifiquei e aprofundei aquele beijo um pouco mais,só na intenção de fazê-la se calar e querer  aproveitar aquele instante comigo e deixando todo o resto pra trás,incluindo o Bobby.

- Eu sei disso - falei por alto enquanto deslizava meus lábios na direção do seu pescoço pra poder beijá-lo e com isso aproveitava a deixa pra tocar  seu corpo á vontade  com minhas mãos  - E daí? - ela parecia estar gostando da minha investida, pois até o presente momento ainda não havia me pedido pra parar e também nesse meio curto  tempo não havia tentado ou pensado  nenhuma vez em conter ou cortar  os meus avanços. Então continuei lhe beijando e lhe tocando cada vez mais e de  forma inusitada ,com desenrolar daquela situação  - Eu não ligo pra nada disso - tentei conter a minha respiração ofegante  enquanto falava.

- Eu disse que sim - ela me surpreendeu bastante com essa frase,mas isso não me fez querer parar de beijá-la e  te tocá-la  como eu vinha fazendo. 

- Pra quê? - lhe questionei ainda sem ter entendido nada - E pra quem? 

- Para o pedido que me fez Bobby - ela me contou.

- Que pedido? - buguei.

- De casamento. 

- Você não fez isso comigo? - fiquei fora de mim.

- Fiz.

- E o que ele disse? - reformulei a minha frase - Ou melhor - me soltei dela e tentei racionar enquanto me ajetava no banco do carro pra poder vê-la  dali por um ângulo melhor,enquanto eu lhe confrontava - Quero dizer - fui mais específico desta vez  -  como ele reagiu depois da sua resposta,sabendo que a gente havia dormido juntos na noite passada e que agora  eu estou de volta aqui pra poder lutar por você,ham? 

- Ele ficou chocado no início com a minha súbita resposta. E creio que um pouco  feliz  com isso no fim daquele desfecho - ela respondeu - Mas apesar disso,ele preferiu me orientar a querer  pensar melhor naquela proposta,antes de ter tomado qualquer decisão precipitada sobre isso,com base no que eu havia feito ou não na noite passada com você. 

- Não entendi? 

- Ele acha que com sua a volta por aqui - ela declarou  - eu ainda não deveria - ela suspirou enquanto se mexia naquele banco pra arrumar a sua roupa no seu corpo e seu gesto nada sutil quase me cegou - lhe dar nenhum tipo de resposta sobre seu pedido de casamento   - ela  pausou pra morder seus lábios como isso fosse algo natural do ser,mas  isso só  me fez perder ainda mais  o meu fôlego e o meu foco -    à menos que... - a interrompi. 

- À menos que o quê? - fiquei curioso. 

- Que antes disso eu tenha sobrevivido  e lutado bravamente contra furacão chamado  :  Junhoe. 

- E isso quer dizer que o que,hein? -  me aproximei dela novamente sem parar de lhe olhar com aquele meu olhar malicioso de sempre. E  estando perto demais dela,numa fração de segundos depois de seu discurso,vi que qualquer tipo de aproximação entre nós dois de agora em diante,sempre lhe deixaria nas nuvens. Então foi aí que eu soube que o Bobby já era e que aquele pedido de casamento se evaporaria em uma questão de dias da cabeça dela,se ela pudesse passar mais tempo  comigo,do que passaria com ele. O que me fez ficar cada vez mais  esperançoso  com relação ao nosso possível futuro juntos em Seoul.

- Que você  vai ter a sua tão sonhada chance de provar pra mim - ela relatou enquanto me olhava de volta e me avaliava com cara de misteriosa  - com base no que  você acabou de me dizer - fiquei radiante - que veio pra cá só por minha causa  e pra tentar  me ter de volta na sua vida - tentei uma aproximação mais íntima e calorosa  desta vez,mas fui contido por ela antes mesmo de conseguir  fazer isso.

- O que foi agora,hein? - reclamei.

- Mas  durante todo esse tempo em que passar por aqui tentando me reconquistar - fiquei arrasado com sua declaração  - ainda continuarei sendo a garota do Bobby - murmurei - Portanto não poderá mais ficar tentando me tocar ou pensando  em me beijar toda vez em que estivermos juntos e sozinhos  por aí...até que antes disso eu  já tenha me decidido com qual dos dois vou escolher  ficar no fim desses dias. Okay?

- Por quê? - fiquei angustiado. 

- Porque isso não seria justo com ele,ora bolas - ela se explicou. 

- E comigo você pode ser,é? - protestei enquanto me afastava dela,cruzava os braços  em um estado lastimável de inquietação e em seguida  ia me refugiar no meu banco sozinho,triste,carente e fazendo cara de bravo pra ver se isso a faria sentir um pouquinho de dó de mim - Me diga por que,merda?

- É simples - ela me disse  - Eu já estava namorando com ele antes de você pensar em voltar pra cá.

- Isso não basta como explicação pra mim,sabe - me revoltei - Pensei que você  só ficaria com um de nós depois de ter feito tal escolha. Só que á meu ver...parece que eu serei o único por aqui  em total desvantagem. Mas por quê? - lhe encarei ainda com cara de arrasado. 

- Quer mesmo que eu te diga isso agora,June? - ela me repreendeu com seu olhar congelante.

- Melhor não  - mudei de ideia.

- Regras são regras  - ela achou graça disso  - E se quiser mesmo vencer esse jogo desta vez  - ela pontuou  - terá que seguí-las á risca - bufei de raiva  - se quiser mesmo ficar comigo no lugar dele.

- Isso não é nada justo comigo,sabia? - fiz birra perto dela - Ele vai poder te beijar,te tocar e até  dormir com você...quando ele quiser e como ele quiser  durante todo o tempo em que eu estiver por aqui. E eu vou ficar fazendo o que  por aqui nesse tempo todo,hein? Me diga?

- Uê  - ela foi irônica comigo   - Você estará  de férias por aqui por dois belos e longos meses,June. E sendo agora um cara rico e cheio de influência    - ela me sugeriu isso como uma segunda opção  - creio que opções não irão lhe faltar  neste tempo,pra que  você possa  fazer o que quiser e quando quiser, sem que necessariamente precise ter que me tocar,me beijar ou ter que dormir comigo em todos esses dias,não acha?

- Mas eu decidi vir pra cá só por sua causa e pra ficar pertinho de você  - fiquei decepcionado com os termos que ela usou pra guiar aquele bendito jogo á sua maneira  - E como eu poderei te reconquistar e te ter de volta nos meus braços em apenas dois meses   - fui sensato - se nesse meio curto período de tempo...você vai passá-lo  24h ao lado do Bobby e o tendo sempre na sua cola  te afastando de mim hein,Angel?

- Mas quem te  disse que você não poderá ter algumas horas exclusivas do meu dia pra poder ficar só comigo e eu bem longe dele,hein?

- Quando? - fui apressado  - Como? - a interroguei  - Se nada disso vai ter graça alguma,se eu não puder chegar até você como eu tanto quero fazer desde que te vi de novo na minha frente  hein,Angel? Se você só sabe trabalhar,trabalhar e ficar fugindo de mim o tempo todo desde que voltei pra cá,ham?

- Quando eu estiver no hotel sendo a sua escrava pessoal,Sr do quarto 305  - ela jogou comigo e isso me fez querer revirar os olhos pra ela - E você precisa saber que existem outras que duas pessoas adultas podem fazer estando uma na companhia da outra,sem que ambas necessitem subitamente ter que se submeterem apenas ao prazer carnal, June. Sabia disso?  

- Tipo o quê? - tentei entendê-la. 

- Tipo conversando e tendo um bom dia juntos,sem que precissem se tocar  ou se beijar o tempo todo - ela me disse - Ou quem sabe até,talvez, apenas saindo juntos por aí pra se divertirem,sem esperar que no fim daquele dia,isso os levem diretamente  á  obrigação de terem que ir  pra cama. Essas coisas,sabe? O que acha disso?

- Quer saber mesmo o que penso sobre tudo isso? - ela fez que sim com a cabeça - Uma chatice só  - soquei o volante do carro pra descontar toda a minha fúria em cima dele.

- Por quê? - ela jogou comigo mais uma vez. 

- Você sabe perfeitamente o motivo disso,não sabe? - a interceptei  - E por que ainda continua jogando comigo nesse seu joguinho sujo...como se não soubesse de  fato de absolutamente nada hein,Angel? - lhe sequei com meu olhar crítico. 

- Porque fazer isso é divertido  - ela me revelou.

- Me deixar na pior e pra baixo é algo divertido pra você agora,é ? - lhe critiquei -  Então desde quando me torturar começou a ser seu joguinho preferido,Angel?

- Sim - ela confirmou  - E eu  tenho até  um palpite,sabe.Que  isso  só tenha começado - fiquei cabisbaixo  - o dia em que fiquei sozinha e caída no chão daquela estação de trem sem você,June - sua resposta me deixou sem palavras. 

- Então como vou poder te reconquistar,sabendo que agora terei que ficar  quilômetros de distância de você,Angel? Me diga? - lhe perguntei ao tentar mudar  o rumo daquela conversa. 

- Sabia que o Bobby fez o mesmo tempos atrás  - ela me contou - quando você foi embora?  - fiquei surpreso com aquela revelação da parte dela - Ele conseguiu me conquistar sem que precisasse  me tocar ou me beijar pra me fazer gostar dele. 

- Mas você já gosta de mim que eu sei,caramba  - berrei - E não venha me comparar com aquele idiota de novo,que ficarei bravo com você. 

- Digamos que eu ainda goste de você... - a interrompi. 

- Digamos não Angel  - a corrigi  - Você ainda gosta.

- Talvez. Eu não sei. Quem sabe. Sei lá. Eu ainda goste mesmo de você. Satisfeito? - ela ficou brava comigo - Mas isso não vem ao caso agora. Okay? 

- Melhor assim - me senti mais tranquilo agora - Prossiga! - pedi - Por favor! 

- Por um segundo sequer,eu poderia muito bem  ter deixado de gostar de você, por conta do que fez comigo - ela indagou - E antes que vá pensando que está em vantagem nesse jogo,porque talvez eu goste mais de você do que goste dele. Sinto lhe dizer,June. Que ainda sim. Ele possui mais chantagens reais  agora de ficar comigo,do que você.  

- Como assim? - fiquei preocupado.

- Porque ele sempre teve paciência comigo e me entendia muito bem,quando estava tentando me ajudar a te esquecer e a te superar  - fiquei sem chão  - E em tempo algum enquanto ele tentava se aproximar de mim - ela engoliu seu choro  - ele fez ou tentou fazer algo comigo,que eu não  queria que ele tivesse o feito,sem a minha permissão. 

- Está me dizendo que ele não te tocou e que nem tentou te beijar durante todo esse tempo  - deduzi - enquanto você não o permitiu que assim ele pudesse fazê-lo com sua permissão,Angel. É isso?

- Sim.

- Quem é ele afinal de contas,ham? - me exaltei um pouco  - Um santo? 

- Depois de tudo o que você me fez e de toda a dor que me causou quando foi embora daqui,June - ela me delatou -  Espero que você não tenha pensado,que eu ainda correria para os seus braços feliz da vida e que tão  facilmente  eu pularia no seu colo como se nada tivesse acontecido,pois isso aconteceu. E se sinta orgulhoso,hoje,por eu ainda querer ou pensar em te dar outra chance pra  tentar consertar e remendar o que fez comigo depois disso,June. 

- Quer que eu fique na mesma situação que te deixei 5 anos atrás,não é? - fui maldoso com ela -   E já vejo que você vai adorar me observar,enquanto eu sinto o mesmo que  você sentiu,quando eu te deixei pra trás,não é? - supôs  - Por isso ainda vai continuar namorando com ele,eu suponho? 

- Eu deveria ter ficado lá dentro com ele - ela me deu as costas e levou a sua mão na direção da porta do carro pra poder abri-la - e nunca deveria ter pensando em deixá-lo lá sozinho,só pra vir falar com você - ela se puniu enquanto dava de ombros pra mim -  Eu sou mesmo uma grande  tola  -  a travei ali antes mesmo que ela conseguisse alcançá-la e a joguei de volta no banco do carona com força,usando  apenas uma das minhas mãos  - Me solta,June! - ela ordenou enquanto me fitava com seu olhar mortal e frio.

- Se é  assim que você quer - falei rápido  - Então é assim que as coisas  vão  ser de agora em diante  - ela me olhou com cara de assustada - Vou te ter de volta ao seu modo,mesmo o tendo na sua mira o tempo todo  - fiquei confiante  - E depois disso você vai ver - cheguei meu rosto pra perto dela,só na intenção de provocá-la com esse gesto impensável da minha parte - que eu realmente mudei e que não sou mais aquele velho June que você conheceu há 5 anos atrás,Angel - sorri pra ela quando notei o quão tensa ela ficava toda vez que eu me aproximava dela, em seguida me afastei e liguei o carro. 

- Pra onde vamos? - ela me perguntou com ar de desconfiada,assim que subitamente  nos tirei dali sem lhe dizer nada antes de fazer isso  - Pra onde vai me levar? - ela arregalou os olhos na minha direção ,como se estivesse ficado com medo de mim - Posso saber? - ela gritou comigo quando lhe deixei no vácuo   - Eu tenho o direito de saber disso agora,não tenho?

- Relaxa Angel! - isso foi tudo o que eu lhe disse naquele momento  - Eu não vou te tocar e nem vou tentar te beijar enquanto estiver do meu lado - ela me encarou com cara de perplexa - E te prometo sem falta,que te levarei de volta pra ele ao fim deste dia,sem nenhum arranhão - olhei pra ela de relance enquanto prestava atenção na estrada.

- O que isso quer fizer afinal de contas? - ela me perguntou enquanto se prendia ao cinto de segurança. 

- Que quero aproveitar ao máximo  cada dia e cada momento em que puder estar comigo da melhor maneira possível  - me expliquei -  Porque o tempo em que estou com você passa rápido demais - me virei para o lado enquanto dirigia e a peguei olhando pra mim,no instante exato, em que eu a olhava de volta na mesma sintonia   - pra que possamos perdê-lo com tantas besteiras,não acha?

- Isso seria uma nova versão de você que eu não conheço,June? - ela rebateu. 

- Acho que sim - respondi  - Por quê? - voltei toda a minha atenção para a estrada,mas fiquei feliz por saber que ela ainda continuaria me olhando,enquanto eu agisse assim. 

- Porque se permanecer sempre assim enquanto tenta me reconquistar  - ela falou - creio que ao fim deste jogo,poderei acabar gostando cada vez mais de você depois disso,do eu que gostava antes de você ter ido embora.

- Vai mesmo? - fiquei fora de órbita.

- Vou sim - ela sorriu pra mim  de forma doce e isso me serviu como uma espécie de bônus  naquela hora. 

Junhoe off





 







 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...