1. Spirit Fanfics >
  2. Killing me >
  3. Primeiro teste de resistência

História Killing me - Capítulo 21


Escrita por:


Capítulo 21 - Primeiro teste de resistência


Fanfic / Fanfiction Killing me - Capítulo 21 - Primeiro teste de resistência

Angel on

Mais tarde...

- Em casa de novo sá e salva - anunciou June assim que parou com o seu carro na porta do lugar aonde Bobby morava  - e novamente  nos braços dele  como eu havia lhe  prometido - ele me olhou de um jeito estupidamente estranho que meu deu medo, e pra completar ainda mais esse clima sinistro,ficou sorrindo pra mim como até então nunca havia sorrido antes - e sem nenhum arranhão. 

- Isso tudo foi um sonho? - indaguei ao dar um suspiro profundo,enquanto o olhava como se já esperasse ou prevesse que ele fosse tentar me agarrar, ou simplesmente fosse querer choramingar no meu colo,pra que eu pudesse ficar ao seu lado naquela noite  um pouco mais. 

- Acho que não  - ele me respondeu enquanto me admirava atentamente sem parar,como se eu fosse uma espécie de pintura muito famosa,mas que estaria em exposição em um Museu  muito importante, somente naquele dia - Porque pra mim isso foi tão real - ele suspirou fazendo cara de bobo apaixonado,enquanto se recordava daquele curto período de tempo em que estivemos juntos outra vez depois de 5 anos, sem que eu precisasse ter que pedí-lo pra parar de dar de cima de mim e de ficar me comendo com aqueles seus olhos gulosos,à cada meio segundo - que mesmo que eu não seja o seu escolhido no fim deste jogo - ele pausou  ficando pensativo e nostálgico   - nunca irei me esquecer desse dia...nem em um bilhão de anos.

- Está mesmo satisfeito com o modo como as coisas vão rolar por aqui  entre a gente,June? - lhe interroguei. 

- Estou. E por que diabos eu não estaria,hein? - ele me fitou com seu olhar repreensivo  - Por acaso não confia mais em mim não hein,Angel? - ele disparou e eu logo o fitei de volta com meu olhar crítico.

- E eu deveria fazer isso agora,June? - o questionei o deixando todo desconcertado diante de mim  - Creio que não. Porque você sabe muito bem,que  eu ainda tenho muitos e vários motivos pra  não querer mais confiar em você de novo,depois de tudo o que me fez. Não concorda comigo? - o delatei.

- Eu sei que errei muito com você. E também sei que  você sabe disso tanto quanto eu  - ele se defendeu  - Tanto que  hoje eu até posso entender a sua falta de confiança em mim  - o encarei olho no olho enquanto ele falava comigo - Mas eu mudei mesmo,Angel. E vou te provar isso o tempo todo em que passar comigo daqui pra frente. Porque eu estou realmente e plenamente  disposto a te  fazer recuperar outra vez   toda aquela  confiança que antes você havia depositado cegamente em mim. Nem que essa seja a última coisa que eu faça de bom nesta vida - fiquei surpresa com as palavras dele. E esperava sinceramente que ele pudesse mesmo querer e tentar se esforçar pra  cumprir pelo menos metade do terço de cada promessa que havia me feito - Agora vai! - ele me pediu gentilmente. 

- Pra onde? - me perdi dentro de seus olhos sem perceber. 

- Pra onde mais seria,hein? - ele rebateu - É claro que para  o aconchego e calor dos braços dele,Angel.

- Saber que estou com ele e que poderei dormir na mesma que ele - o interroguei  -  Isso não te perturba mais,June? - me senti um tanto estranha e fora de mim,enquanto lhe fazia tal pergunta,que logo comecei a me perguntar intimamente :  Se havia mesmo tomado a decisão certa,em tê-lo deixá-lo assim tão longe de mim?

- Sim.

- E?

- Farei de conta que  nada sei desta parte para o bem de nós três,toda vez que eu for dormir sozinho na minha cama sozinho - ele me relatou -  e começar a pensar que você não  estará  lá deitada comigo de novo,mas sim  estará do lado dele e na cama dele - ele deu uma risada bem forçada pra tentar  descontrair,mas ambos sabíamos perfeitamente,que no fundo  no fundo,todas essas coisas chatas  acabavam machucando não só apenas ele,mas a mim também. Porque mesmo que eu quisesse e que tivesse diversos  motivos pra querer odiá-lo mortalmente e querer  vê-lo bem longe de mim,eu não poderia negar que eu ainda o amava muito e que  tinha  muito medo de querer amá-lo cada vez mais daqui pra frente - Porque creio que assim ficará mais fácil saber lidar com o fato,de que talvez,eu nunca mais consiga te reconquistar - pensei em me aproximar dele para consolá-lo,porque ele havia ficado bem triste naquele momento. Mas antes  que eu pudesse fazer qualquer coisa ou tentar qualquer aproximação exagerada entre nós que pudesse acabar colocando tudo á perder por ali,ele destravou as portas do carro,e falou - Agora vai! Anda! Ele deve estar te esperando lá dentro na maior agonia e se sentindo  todo ansioso ,pensando que talvez você nunca mais voltará  pra ele,depois te ter saído comigo - ele engoliu em seco  e completou seu discurso  -  e também deve estar bem preocupado com toda essa demora,não acha?

- Te verei de novo amanhã? - lhe fiz esta pergunta  como o nó garganta e com um peso no coração,como se tivesse com medo de despertar na manhã seguinte longe dele, e  mais tarde descobrir, da pior maneira possível e  por bocas alheias : que ele teria embora outra vez dali,e me deixando de lado e pra trás,pela segunda vez consecutiva. 

- Você vai mesmo querer me ver  de novo amanhã? - ele indagou.

- Acho que sim. Por quê? Não posso? - fiquei aflita só de pensar na possibilidade de saber l,que talvez,não pudesse mais revê-lo no dia seguinte. 

- Eu quero muito te ver de novo amanhã,depois de amanhã  e também quem sabe...sei lá...talvez todos os outros  dias em que eu ainda estiver por aqui - sua resposta me deixou radiante  - se você também quiser me ver amanhã,depois de amanhã e nos outros dias. Sem que isso se torne uma tormenta na relação de vocês dois. Porque eu realmente não vou tentar te reconquistar passando por cima dele e muito menos atropelando os ternos sentimentos que ele senti por você. 

- Eu quero - fui estupidamente apressada em dar  a minha resposta,mas logo me contive,quando os olhos dele se fixaram nos meus e me olhou como se ali fossem a sua morada eterna -  Eu quero muito te ver todos os dias sem cessar,enquanto você ficar por aqui.Claro que farei isso,se você também  quiser fazê-lo - me corrigi. 

- Nos vemos no hotel amanhã cedo. Que tal? - ele me sugeriu. 

- Okay - concordei com ele enquanto se soltava do cinto de segurança e logo pensava em abrir a porta do carro. Mas nesse meio tempo mudei de ideia muito rápido  e fui tentada em ter a  proposital  intenção de me aproximar dele apenas pra me despedir,mas  acabei me excedendo um pouco quando resolvi  lhe dar um selinho no rosto bem próximo aos seus lábios,confesso. E isso quase  acabou nos colocando novamente no ponto inicial daquele teste. Ele ousaria em querer me dar um beijo na boca? Fiquei me perguntando mentalmente  enquanto o encarava e estando  agora próxima demais dele pra recuar. Ele ousaria em pensar que poderia tocar o meu corpo com suas mãos afoitas,ao me ter tão vulnerável e tão  carente bem diante dos seus braços? Creio que esta seria a oportunidade perfeita para testá-lo e ver  se ele iria mesmo se não  corromper após o meu gesto impensável. Ou se iria se manter neutro diante daquela situação tão constrangedora. 

- Boa noite,Angel! - isso foi tudo o que ele me disse  naquele momento,enquanto mantinha suas mãos safadas bem distantes das curvas sedutoras  do meu corpo e deixava seus lábios macios e carnudos se distanciarem da maciez natural  e da secura absoluta dos meus,que naquela hora desejavam como nunca,um beijo ardente apenas seu - Te vejo amanhã - ele me deu então  um beijo na testa e se afastou de mim parecendo estar satisfeito apenas com isso,me deixando absurdamente descompensada com sua atitude - Durma bem.

- Não vai me pedir pra poder sonhar com você está noite,June? - disparei ao tentá-lo mais uma vez com um segundo teste,enquanto mordia freneticamente os meus lábios e agora ficava mexendo algumas mexas soltas de cabelo que me caíam sobre os ombros,em seguida as joguei  pra trás deixando o meu pescoço descoberto diante das vistas dele,pra ver se assim,eu  conseguia atiçar uma possível ereção nele.

- Não - ele engoliu em seco e logo fechou suas pernas enquanto tentava não  se sentir seduzido pelo meu gesto  meramente provador. 

- Por que não? - fiz uma terceira tentativa pra checar mesmo quais eram as suas verdadeiras  intenções com relação a mim.

- Porque  pra ser bem sincero e sem falsa modéstia,eu sei que você  não precisa fechar os seus olhos pra poder sonhar comigo - ele me lançou um olhar bem sexy neste instante sem cair em tentação,mas  isso me deixou fora de órbita,ainda mais  se tratando de alguém como ele - Pois consegue facilmente  fazer isso mesmo estando acordada e mantendo seus olhos bem abertos.

- Não vai mesmo tentar me beijar e nem me tocar,June? - lhe perguntei enquanto me continha perto dele e parava de jogar com ele aquele joguinho de gato e rato.

- Não - ele respondeu rápido. 

- Posso saber o por quê? 

- Se ele fez isso uma vez  - June me disse em plena convicção estando em seu juízo perfeito e totalmente sóbrio  - eu também posso fazer. 

- Tudo bem - me dei por vencida,abri a porta do carro e saltei dali sem que ele pudesse me implorar pra que ficasse ali com ele. Mas antes de correr para os braços de Bobby,cheguei meu rosto perto da janela do veículo e lhe dei um recado - Você passou com honras e méritos no seu primeiro teste - ele arregalou os olhos pra mim e ficou me analisando como se já tivesse  suspeitado de tudo  isso antes mesmo de ter tocado naquele assunto com ele - Agora vamos ver como você vai conseguir  se sair no seu próximo teste. Já que cada um deles será bem distinto um do outro. 

- Pode me testar quantas vezes você quiser,sua sádica  - ele rebateu enquanto sorria pra mim com cara de vitorioso  - Porque em todas elas,eu irei me dar bem. Muito bem.

- Seja o que for?

- Seja o que for.

- Boa noite,June! - me despedi dele antes de lhe dar as costas e poder perdê-lo de vista por algumas horas  - Durma bem - lhe desejei  - A gente se vê de novo amanhã lá no hotel. Okay?

- Não vai me pedir pra poder sonhar com você,Angel? - ele me perguntou assim que afastei do carro e segui na direção oposto a ele.

- E pra quê? - indaguei ao olhar de relance pra ele antes de sumir de cena - Se vai ficar pensando em mim até pegar no sono. E depois disso,o mais certo é  que sonhe comigo,tudo isso apenas  em uma questão de segundos. Já que eu fui a última pessoa que você  manteve em seus pensamentos e dentro do seu ser antes de fechar seus olhos. Não é mesmo? 

[...]

- Angel? - indagou Bobby ao ficar me olhando com cara de pasmo  e incrédulo ,assim que abriu a porta  de seu apê e me viu ali bem diante de seus olhos outra vez - Você voltou mesmo pra mim? Ou eu   adormeci e só estou sonhando com você?

- Isso parece ser apenas um sonho pra você,Bobby? - perguntei pra ele assim que me aproximei,enlacei meus braços em torno do seu pescoço e em seguida antes que ele pudesse pensar em me dizer qualquer coisa sem sentido,apenas fechei os meus olhos com bastante  força e lhe dei um beijo bem dado na boca. Enquanto eu tentava controladamente e compulsivamente  conter a imensa vontade que eu teve naquele momento de querer  pensar somente em alguém além do normal e me segurava  pra não ter que ir atrás dessa pessoa estando nos braços de outro. E para o meu desespero, esse alguém que eu tanto queria abraçar e beijar,não era o Bobby.

[...]

É claro que acabamos fazendo amor  loucamente depois daquele beijo. E fizemos isso sem querer falar ou em  pensar em mais naquela noite,além disso e de nós dois.  Por algumas horas seguidas estando nós dois deitados um do lado do outro naquela cama,evitamos ter qualquer tipo de conversa ,no qual essa pudesse se remeter ao  assunto  principal do momento : que era sobre a volta de June e o fato de que eu havia passado o dia inteiro junto com ele. Mas existem coisas que por que mais que sempre tentemos evitá-las algumas vezes,uma hora ou outra,essas mesmas coisas insistem em querer nos confrontar querendo a gente ou não. E nessas horas infelizmente não temos como fazer de conta que elas existem. Porque elas simplesmente nunca vão deixar de existir,mesmo que tentemos ignorá-las o tempo todo.

- E então? - Bobby me perguntou serenamente e fez isso  sem ter que  me fazer muita  cobrança sobre  esse assunto,enquanto me tinha deitada e completamente nua sobre o dorso do seu antebraço - Como está sendo pra você  tê-lo de volta e estando aqui deitada comigo ,sabebdo que está perdendo o seu tempo com alguém tão insignificante feito eu,quando eu sei que era com ele com quem você queria estar neste momento?

- Pensei que a gente não fosse mais tocar sobre esse assunto por hoje? - intercalei - Achei que tudo já havia sido dito e muito bem  explicado com a minha volta pra casa - respirei fundo enquanto me virava na cama pra poder olhar diretamente nos olhos dele - Mas parece que não. 

- Você sabe que é muito difícil pra mim tê-lo de volta por aqui - Bobby se explicou  - e não conseguir não ter medo ou sequer não sentir nada  sobre isso com relação a gente,não sabe? 

- Eu sei - tentei contornar aquela situação da melhor maneira possível para não ter que magoá-lo - Mas eu estou aqui com você agora e não com ele,não estou?

- Está  - ele me tomou - Mas até quando,Angel? Até quando isso vai durar? - os questionamentos e as preocupações de Bobby com relação à volta de June me fizeram perder o rumo - Até quando eu vou ter  que deixar sair sozinha com ele por aí sem poder ir junto com vocês? E até quando eu vou ter que ficar assentado aqui como se nada tivesse acontecendo lá fora com vocês dois soltos neste mundo sem a minha vigilância,hein? Quando uma hora ou outra,eu sei que poderei acabar te perdendo pra sempre e em pouco tempo sei que acabarei te vendo ir embora daqui pra Seoul junto com ele...sem que eu possa fazer nada pra que você  ainda queira continuar morando aqui  neste fim de mundo comigo...sabendo que é dele que você gosta,que é dele que sempre gostou e que é dele que  sempre você vai gostar...e não de mim...não imposta o que eu faça e nem o que eu lhe diga...ele sempre vai ser e vai continuar sendo o seu preferido. 

- Eu terei dois meses pra poder me acostumar com a volta dele na nossa nova rotina de agora em diante  - descrevi aquela situação com mais pura destreza  - e você também. Não posso negar que me senti subitamente balançada com a volta dele. E muito menos posso negar que meu coração não  dói e tão pouco  não posso tentar esconder de mim mesma,que a  minha alma grita horrores estando presa dentro de mim,toda vez que sei que vou vê-lo e sei que terei que de ficar perto dele de novo. Mas estamos juntos agora - sorri ternamente para poder tranquilizá-lo,após a volta do fantasma June que sempre iria infernizar as nossas vidas ter voltado pra ficar,e em seguida delicadamente resolvi tocar seu rosto com a ponta dos meus dedos,enquanto eu prosseguia com meu relato - e ainda vamos continuar juntos até que eu consiga tomar alguma decisão satisfatória  com relação a volta dele. E se você souber me dividir com ele esses dias e tiver um pouco de paciência comigo - me aproximei sorrateiramente dele como quem não quer nada,enquanto sentia que um par de braços quentes adentrarem o cobertor e começarem a tocar carinhosamente e intensamente  a minha pele nua e fria sem pudores,logo me convidando novamente ao prazer instantâneo que aqueles toques causavam em mim,de acordo com a necessidade que eu precisava deles pra que o nosso amor tentasse e conseguisse  sobreviver intacto até o fim,depois da volta de June - juro que tudo isso poderá ficar cada vez mais fácil com o passar de cada segundo. Porque eu não quero ter que ser injusta com nenhum dos dois no fim desta coisa toda. Tudo bem pra você se as coisas forem assim por esses dias? E se algumas vezes eu tiver que estar lá com ele e não aqui com você?

- Se eu  ainda puder te ter de qualquer maneira sempre aqui comigo  durante todo esse tempo - disse Bobby - Acho que conseguirei suportar qualquer coisa daqui pra frente...por mais horrível que isso me pareça  ser...até mesmo a volta dele...e saber que agora teremos que conviver todos juntos em harmonia por aqui,em prol de  um bem maior :  que é você. 

- Adoro você,sabia? - pulei pra cima dele com tudo e imediatamente devorei seus doces lábios,que tomaram os meus como sendo seus,quase que instantaneamente.

Continua...   



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...