1. Spirit Fanfics >
  2. KillShot >
  3. Minha Família.

História KillShot - Capítulo 21


Escrita por:


Notas do Autor


Ola amores <3 Tudo bem com vocês? espero que sim <3
Anjinhos esse capitulo é um capitulo para divulgação também. Estou com uma nova historia SasuSaku (Um pouco mais dramatica) e gostaria muito que me acompanhassem lá também. Deixarei o link nas notas finais <3
Boa leitura <3

Capítulo 21 - Minha Família.


Fanfic / Fanfiction KillShot - Capítulo 21 - Minha Família.

CASA DE SAMWELL| Sasuke Uchiha.| 04hrs22min.

 

O vibrar do celular sobre a cabeceira da cama me faz abrir os olhos lentamente. À medida que me acostumo com a escuridão, vejo que Naruto me liga, franzo as sobrancelhas curioso. Naruto não é de me ligar, muito menos em plenas quatro da manhã. Sento-me na cama e deslizo o dedo pela tela atendendo a ligação.

 

Alô?

 

Preciso que me encontre na casa de Samwell, é a Naori. — Ele desliga a chamada e me coloco de pé. Ouço minha garota ronronar e logo seus olhos verdes ficam fixos nos meus.

 

— Aconteceu alguma coisa? — Seus cabelos deslizam por sua pele conforme ela se senta. — Sasuke?

 

— Naruto me ligou. Preciso sair. — Coloco a calça o mais rápido. — Aconteceu algo com a Naori, ele me pareceu nervoso no telefone.  — Noto Sakura se levantar.

 

— Eu vou com você. — Nego. — Não é um pedido Sasuke. — Vejo-a piscar e caminhar até o guarda roupa. Sem muito que fazer, termino de colocar minha camisa e pego minha arma na gaveta. Sakura colocou um vestido simples preto e sapatilhas, pego minha jaqueta e me aproximo dela.

 

— Esta frio lá fora. — Ela sorri colocando a jaqueta.

 

Pego meu telefone e chamo Naruto, tenho que saber o que está acontecendo, pois se for necessário terei que chamar reforços.

 

Sasuke. — Ouço-o engasgar no telefone.

 

O que está acontecendo Naruto?

 

Sasori e os outros seguiram Naori quando ela saiu da casa do Madara. Houve perseguição de carros, rocket launcher e muita destruição.

 

Dirijo pelas ruas o mais rápido que posso. Como está amanhecendo, o trânsito começa a se formar e com uma mulher grávida cochilando no banco, não poderei usar agora a velocidade que gostaria. Empurro as portas de madeira e encaro minha irmã desacordada sobre o leito. Ela está coberta de cortes e sangue escorre das faixas sobre sua coxa e abdômen. Sakura parece assustada e seus olhos brilham com lágrimas que sei que ela permitirá rolar. Olho para Samwell e o mesmo me chama com a cabeça. Atravesso o quarto e saio do mesmo acompanhado com Sam. Seu semblante está tenso.

 

Vejo Naruto com as mãos sobre o rosto enquanto mantém uma luta interna consigo mesmo. A frustração me consome e o ódio também. Quando Naruto me ligou e contou o que aconteceu, minha vontade foi ir até Mizukage e matá-la, mas Sakura me impediu. E mesmo que eu queira matar aquela vagabunda, eu não posso fazer isso agora, vou precisar de tempo, tempo o suficiente para pegá-la e matá-la sem erros e interrupções.

 

— Naori precisa de doação de sangue. — O choque percorre meu corpo. Samwell suspira e limpa a testa suada. — Não a nada que eu possa fazer sem um doador. — Ele lambe os lábios e suas mãos tremem. Samwell é o único médico que confio. Fomos amigos na infância e conforme seguimos caminhos diferentes, ele crescia no mundo da medicina e eu no mundo da Máfia. E como o destino gosta de brincar, acabamos nos encontrando novamente. Agora ele é um médico, um dos melhores e mais confiáveis.

 

— Meu sangue é compatível, não é? — Ele nega.

 

— Não! Infelizmente não. Precisamos de um tipo especial, sem isso, sua irmã não vai aguentar por muito tempo. — Praguejo.

 

— Talvez eu seja. — Olhamos para Sakura. Os braços cruzados sobre os seios e os olhos vermelhos.

 

— Não querida. Você está grávida, será arriscado de mais. — Me aproximo dela.

 

— É a sua irmã Sasuke. Eu posso ser doadora. E eu farei isso se eu for compatível com Naori. — Sua convicção me orgulha. Como pode um ser tão frágil ser mais forte que qualquer um que já conheci? — Como saberei se posso doar? — Ela olha diretamente para Samwell.

 

— Irei recolher uma amostra do seu sangue, assim saberei se poderá ou não, doar sangue para Naori. — Meu amigo responde.

 

— Você tem certeza? — Apesar de tudo, não quero que ela se machuque.

 

— Sim, eu tenho. — Sorri. — Naori é sua irmã e agora vocês são minha família. — Lágrimas se formam em seus lindos olhos e seus lábios tremem conforme ela as segura. — Podemos começar? Não podemos perder tempo! — Samwell balança a cabeça positivamente.

 

— Venha comigo. — Ele anda pelo corredor e olho para Naruto antes de seguir minha mulher é Sam. Assim que Sakura se senta na cama de lençóis brancos. Encosto-me na parede e cruzo os braços encarado os movimentos de Sam. Ele parece nervoso em minha presença, todavia ele é assim. E não confiaria minha mulher ou minha irmã a ninguém mais do que ele.

 

— E se Naruto for compatível? — Questiono, mesmo que seja lindo Sakura querer doar, eu temo por sua gravidez.

 

— Naruto já fez o teste antes. — Samwell diz. — Nossa única esperança é ela. — Vejo quando o sangue da minha garota colore de vermelho o vidro transparente da seringa.

 

— Vai ficar tudo bem querido. Não se preocupe. — Ela diz sorrindo. Sam termina e coloca um pequeno adesivo cobrindo o lugar perfurado. Aproximo-me de Sakura e me sento ao seu lado na cama, ela deita a cabeça em meu peito e beijo o topo de sua cabeça.

 

— Você não sabe o quanto isso me alegra. — Digo. Ela segura minha mão e suspira.

 

— Eu sei. — Diz baixinho, Samwell nos deixa sozinhos.

 

— Você sabe que não precisa. — Ela olha para mim.

 

— Eu quero Sasuke, Naori precisa e se eu for compatível, irei doar e ajudá-la. — Volta a deitar em meu peito. — Não temos que pensar sempre no pior. — Enlaço seus dedos nos meus.

 

— Eu quero que se case comigo. — Sakura ri e me encara novamente.

 

— Não tá falando isso porque estou ajudando sua irmã, não é? — Nego.

 

— Eu estou te pedindo porque acabei de perceber que você é a mulher da minha vida. — Ela sorri largamente e a beijo.

 

— Você tem certeza disso? — Usa minhas palavras contra mim e arqueio a testa. — Okay. — Ri. — Eu aceito me casar com você. — Beijo seus lábios doces e Samwell entra no quarto.

 

— Então, eu poderei doar? — Sam olha para mim e depois para Sakura e acena.

 

— Sim, você é compatível. — Sakura se levanta.

 

— Ótimo. Vamos começar logo com isso. — Diz sorridente. Sam me lança um olhar de desculpas antes de concordar com a minha garota. Faz vinte minutos desde que Sakura está sentada ao lado da cama de Naori. Ela parece feliz em doar seu sangue para minha irmã e não demostrou nada além de sorrisos. Assim que ela acabar, Samwell irá fazer a transfusão para minha irmã.

 

Naruto não se moveu e se negou a ser cuidado por Samwell. As faixas sujas foram trocadas e Naori usa apenas uma roupa branca que se parece com uma camisola de velhinhas. Minha irmã treme vez ou outra e volta a ficar imóvel sobre a cama. Mordo a carne da minha bochecha e me pergunto como uma mulher tão bonita se tornou tão feia e podre. Mizukage se tornou uma mulher doente, rancorosa, egoísta e baixa, nada se comparado com a mulher sonhadora e brilhante de antes, me pergunto como fui gostar de Mizukage antes? Talvez a solidão tenha feito com que eu ficasse cego e não enxergar quem ela é de verdade.

 

Pergunto-me também se tudo seria diferente se meus pais fossem vivos. Naori seria uma menina normal, provavelmente uma excelente jogadora de futebol ou lutadora profissional. Itachi seria um empresário, como sempre sonhou. Izumi seria a modelo da Victoria's Secret que tanto desejou. E eu seria um homem normal. Provavelmente casado e com filhos.

 

— Tudo bem? — Sakura se coloca ao meu lado e me pergunto quanto tempo fiquei pensando na vida que nunca terei.

 

— Está sim. — Respondo. Ela me abraça. Sam olha para nós.

 

— Preciso que esperem lá fora. — Ele diz. Aceno que sim e guio Sakura para fora. Nos sentamos no pequeno sofá e vejo o quão pálida minha pequena ficou. Seus braços finos se enroscam em meu braço e ela deita sua cabeça ali. Naruto ergue a cabeça assim que ouvimos um grito vindo de Naori. Rapidamente nos levantamos e como uma cena de terror, Naori se remexe na cama de um lado a outro enquanto treme, chora e sangra. Samwell parece desesperado enquanto tenta segurar minha irmã, rapidamente Naruto se coloca de um lado e eu de outro enquanto tentamos segurar minha irmã. A força absurda dela nos dá um bom trabalho, até que por fim conseguimos mantê-la quieta.

 

Vejo Sam colocar algo na seringa e aplicar em Naori fazendo-a se acalmar e seu peito subir e descer lentamente.

 

— O que aconteceu? — Questiono. Sam enxuga a testa novamente.

 

— Ela teve uma hemorragia. — Diz erguendo as pernas da minha irmã. — Deuses. — Seu semblante muda drasticamente.

 

— Samwell? — Naruto parece mais nervoso do que eu agora. Sam direciona seu olhar para nós.

 

— Preciso que saiam. — Pede.

 

— O que aconteceu? — Questiono.

 

— Apenas saiam. — Seu olhar duro me faz afastar da cama e puxar Naruto comigo. Sakura se encontrava na porta em prantos.

 

— Ela vai ficar bem, não vai? — Sinto meus olhos umedecerem e abraço-a.

 

— Espero que sim querida, espero que sim. — Fecho os olhos com força me proibindo de chorar. Minha irmã ficará bem, sei que vai.

 

— Eu deveria ter impedido ela de ir sozinha. — Olho para Naruto, seu rosto está triste e seus olhos demonstram culpa. — Eu devia ter insistido mais. — Ele fecha as mãos em punho.

 

— Não foi sua culpa, Naruto. — Falo. — A culpa foi da Mizukage. Ela é a culpada.

 

— Eu sabia que ia acontecer algo cara. Eu sabia que ia acontecer! — As lágrimas deslizam de seus olhos e percorrem toda sua pele até caírem em sua camisa manchada de sangue. Sakura se solta de mim e vejo-a caminhar até Naruto. Ela o abraça em seguida e ele parece surpreso com a atitude dela, mas logo trata de abraça-la.

 

A cena me deixa fascinado, em tão pouco tempo essa mulher conseguiu conquistar não só a mim, como minha irmã e Naruto. E mesmo sem muito convívio com os outros, sei que sentem carinho pela mesma, eu sei que fiz uma escolha certa! Sei que Sakura é a mulher certa para mim. Sei também que independentemente do que vier acontecer, ela será protegida por todos.

 

Alguns minutos se passam e a tensão e a culpa corrói cada vez mais. Sakura parece bem mais aflita do que os dois homens ao seu lado. Naruto voltou a se prender em uma bolha de culpa e eu estou quase na mesma.

 

— Não aguento esperar. — Resmungo me levantando. Os dois fazem o mesmo e antes que eu pudesse dar um passo, Sam abre a porta do quarto e suas roupas contém gotículas de sangue e sua testa suada da mesma maneira de antes. Ele olha para nós, um por um antes de suspirar.

 

— Naori teve uma hemorragia. — Ele dá uma pausa. — A-acho que ninguém tinha conhecimento da gravidez dela, correto?  — Arregalo os olhos. Grávida? Naori grávida?

 

— Do que é que você está falando? — Naruto se coloca a frente de nós. Samwell engole seco.

 

— Naori estava grávida de dois meses. — Sam diz. Ele encara Naruto.

 

— Estava? Isso quer dizer...

 

— Sim, Naruto. O tiro que ela recebeu no abdômen foi certeiro, e a hemorragia foi fatal. — Sakura se aperta a mim e seu choro baixo me faz praguejar baixinho. — Eu sinto muito.

 

— Eu devia ter lutado mais. — Naruto cai de joelhos e seus ombros caem. Ouço seu choro baixo seguido de um doloroso grito de dor. Ele parece tão perdido quanto eu. Mesmo que eu deseje que seja um sonho, não é. É mais um pesadelo, um pesadelo doloroso e cruel. — Eu devia ter impedido. Eu devia ter matado Sasori, mas ele  foi mais rápido. — Os soluços altos fazem meu sangue ferver. — Eu o matei tarde demais. — Ele tem as mãos fechadas em punho e eu também. — Mizukage passou dos limites. — Ele bate as mãos fechadas no chão.

 

— Sim, ela passou. — A raiva me consome por inteiro. — Eu irei mata-la Naruto. Eu irei terminar com isso hoje. — Viro-me para sair, mas Sakura me segura.

 

—  O que você pensa que está fazendo? – Sakura me fita com seus olhos verdes marejados de dor e tristeza.

 

— Vou resolver isso de uma vez.

 

— Não, não vai. É exatamente isso que ela quer, que vocês sejam imprudentes, que ajam cegos pelo ódio e pela dor. Se saírem agora, vão dar a ela exatamente o que ela tanto quer e você sabe disso Sasuke.

 

 — ELA MATOU O MEU FILHO! — Naruto grita de dor e desespero.

 

— Eu sei e eu sinto mais do que consigo dizer Naruto, acredite em mim. Mas nesse exato momento Naori precisa de nós. De sua família, toda família.

 

— Você tem razão meu amor.  — Digo já sacando meu telefone do bolso.

 

 — Alô?

 

Izumi, preciso falar com você e Kakashi, é urgente, é sobre a Naori.

 

KONOHA| Mizukage.

 

 

Desço do carro com Gaara atrás de mim. O barulho dos cacos de vidro sendo quebrados são ouvidos conforme eu ando para dentro do restaurante. Pessoas curiosas estão por todos os lados e por mais que eu queria mata-las uma por uma, tenho assuntos mais importantes para resolver. Vejo a janela quebrada e deduzo que Naori tenha se jogado por ela. O primeiro corpo que vejo é de George. O louro imbecil se encontra de olhos abertos enquanto o sangue seco fez uma poça em torno de sua cabeça.

 

Sobre uma mesa se encontra Theodoro. Grandalhão idiota feito George, subestima de mais os inimigos e não iria demorar muito para ser morto por uma garotinha idiota. E por último, Sasori.

 

— Fique na entrada e não permita que ninguém entre. — Digo a Gaara. Sem uma resposta ele me dá as costas e faz o que peço.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...