1. Spirit Fanfics >
  2. Kingdom >
  3. Prólogo - Entre quedas e surpresas

História Kingdom - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, está é a minha primeira fanfic que posto, já escrevi várias, porém minha insegurança impediu que eu postasse. Já tive outros perfis aqui e sou uma leitora antiga, contudo foram poucas às vezes que mexi no sistema de postagem então, ainda não estou totalmente adaptada, mas irei me esforçar para aprender e deixar esta estória bem organizadinha para vocês.

Capítulo 1 - Prólogo - Entre quedas e surpresas


Suas pernas começavam a falhar com tamanho cansaço, em outras circunstâncias se admiraria em conseguir correr nesta velocidade afinal não era alguém com uma incrível aptidão física, porém no momento, seus pensamentos estavam dispersos se concentrando apenas em correr como se estivesse fugindo da morte.

Bem, não era ao todo uma mentira.

Passou a língua pelos seus lábios secos se recostando em um tronco de uma árvore morta que era grossa o suficiente para esconder seu corpo. No entanto, não tardou muito em escutar os passos do proprietário da fazenda, onde foi pego em flagrante em uma invasão? Não sabia ao certo como definir as palavras em que seu azar lhe meteu. 

Só queria pegar seu bendito chapéu, que foi levado pelo vento exatamente a residência daquele senhor que lhe perseguia, e agora se encontrava nesta situação. 

Maldito cheiro de ômega.

Era impossível fugir de alguém quando aquele cheiro impregnava seu corpo, principalmente, quando estava com as emoções a flor da pele. O fato de ser um ômega puro fazia com o que o seu cheiro fosse ainda mais forte.

— Prometo que se eu conseguir sair desta situação sem ser punido, nunca mais farei isso novamente. — Sussurrou com a respiração entrecortada pelo cansaço e com os olhos fechados como se fizesse uma oração.

— Pirralho maldito! — Seu perseguidor o procurava tentando sentir o cheiro do ômega, era um ótimo caçador, mas está manhã acordou resfriado e seu nariz escorrendo dificultava seu olfato. — Apareça e lhe darei uma lição para aprender a nunca mais tentar roubar algo em minha casa. 

Roubar? O que teria para roubar ali? Parecia mais um lixão que estava sujo a séculos, até mesmo os animais estavam em um estado precário. — Jimin pensou consigo mesmo, duvidaria muito que naquele lugar houvesse algo de valor.

— Te peguei! — Seu coração palpitou e deixou um grito escapar de sua garganta quando sentiu as mãos grotescas do velho ao redor dos seus ombros. — Vou lhe ensinar bons modos, seu ladrãozinho. — Sua visão enturvou quando notou que o homem estava desafivelando o cinto, se apanhasse temeria mais pelo fazendeiro do que por si mesmo. 

— Me solta! — Se debateu como um peixe na rede temendo pelo seu destino. 

O homem de cabelos grisalhos o deixou escapar por uns instantes, desconcertado pela maneira que o garoto se debatia. Park Jimin aproveitou a deixa para se virar e chutar o beta onde o sol não batia com todas as suas forças.

Um gemido escapou pelos lábios do barbudo que levou automaticamente as mãos ao lugar chutado pelo mais novo.

O jovem garoto aproveitou para voltar a correr novamente com toda a energia que lhe restava, fazendo zigue-zague entre as árvores da floresta, deixou um sorriso escapar de seus lábios enquanto corria olhando para trás e supondo que o beta já o tinha perdido de vista.

— Idiota. — Começou a rir.

Talvez cedo demais.

Gritou novamente quando notou que pisou literalmente no ar, o gelo do inverno rigoroso não cobria aquele solo e era tarde demais para pensar em voltar, quando já estava girando ladeira abaixo e freando alguns metros depois com a sua cara no chão. 

Pelo visto estava pagando todo o carma de sua vida passada em apenas um dia.

— Está tudo bem? — Ouviu uma voz que soou melódica acima de si.

Levantou seu rosto vermelho e olhos marejados até enxergar a silhueta de um jovem, estreitou a visão para tentar enxergar já que mesmo com o tempo frio o sol brilhava forte no céu exatamente atrás do desconhecido.

— O que você acha? — Esbravejou limpando a neve dos cabelos loiros.

— Me desculpe, foi uma pergunta boba. — O desconhecido tentou sorrir para aliviar a tensão. — Posso lhe ajudar? — Estendeu a mão para o menor.

O loiro olhou por alguns segundos para a mão estendida em frente ao seu rosto antes de a estapear em um gesto agressivo.

— Me deixa em paz e volte para os seus afazeres, seja lá o que estivesse fazendo. — Se levantou limpando a roupa, mas antes de conseguir dar o primeiro passo para a frente tombou para o lado sentindo o joelho arder.

— Julgo que você machucou o joelho durante a avalanche. — O maior segurou o riso ao lembrar do outro caindo feito uma bola de neve. 

Tentou ficar sério ao ver o olhar de ódio que recebeu em troca, no entanto logo voltou a rir quando o loiro não estava olhando.

— Céus. — Jimin levou as mãos ao fios claros esfregando, se sentia angustiado com a situação.

— Vem, só vai demorar um minuto. — O outro puxou seus braços lhe ajudando a levantar. — Se me permite. — Colocou a mão na cintura do mais baixo segurando o peso do corpo dele.

Jimin acabou por ficar quieto e acompanhar o desconhecido em silêncio, não queria admitir, mas realmente não conseguiria dar um passo com seu joelho ardendo daquele jeito.

Pararam na frente de uma casa humilde, com um cercado de muros baixo que cercava um jardim pequeno, contudo, bem preservado, o garoto que acabara de conhecer, o guiou lhe ajudando a sentar em um banco ao lado de algumas flores.

— Espere só um instante, já volto. — Lançou um sorriso reconfortante para Jimin enquanto abria e adentrava a porta de madeira da casa. 

O Park examinou os arredores vendo algumas crianças que brincavam logo a frente, as flores ao seu lado cheiravam maravilhosamente, por um momento desejou ter algum conhecimento sobre flores para saber distinguir a variedade que estavam em seu âmbito.

Como dito, não demorou muito para o outro voltar com um recipiente e um pano limpo. O maior se ajoelhou em sua frente. 

— Levante a calça para que eu possa ver o ferimento. — Falou enquanto molhava o pedaço do pano no líquido que estava dentro do recipiente. — É uma mistura medicinal, vai ajudar a cicatrizar mais rápido.

Hesitante Jimin fez o que o outro pediu aproveitando para observar o desconhecido melhor agora.

Ele possuía uma pele branca, porém um pouco bronzeada, os cabelos eram negros como uma noite sem lua e caiam um tanto bagunçados sobre sua testa, seus olhos eram redondinhos o que lhe dava um olhar um tanto infantil, o nariz saliente encaixava em uma medida perfeita para o seu rosto e seus lábios finos pareciam secos em consequência do frio. Jimin diria que ele era bonito para um plebeu.

Balançou sua cabeça ao perceber estar olhando para os lábios do desconhecido, afinal de contas, não era muito apropriado.

— A propósito, eu me chamo Jungkook. — Aplicou a parte molhada do pano no joelho ferido de Jimin, o fazendo soltar um gemido de dor com a ardência. — Desculpe, mas é que você fez um belo estrago aqui. — Torceu a boca ao ver o inchaço no local, se aproximou para enxergar melhor, curvou seus lábios em um biquinho e assoprou com delicadeza o ferimento.

Jimin sentiu suas bochechas esquentarem, tentou evitar, sobretudo não resistiu em fungar um pouco o cheiro de Jungkook. Era um pouco… 

Cítrico.

Sem sombra de dúvidas, um alfa.

— Então… Qual é o seu nome? — Olhou para o loiro, vendo o baixinho torcer o rosto como quem não estava a fim de conversar. — Tudo bem, não precisa dizer se não quiser. — Rasgou o pano em uma tira, descartando a parte molhada e amarrando o pedaço seco sobre o joelho do menor. — Prontinho, tente ficar em pé.

Jimin se pôs de pé, seu joelho ainda ardia, porém não tanto como antes.

— Se precisar de ajuda para ir até em casa, posso lhe acompanhar. — Sorriu doce.

— Jimin.

— Hum? — O moreno murmurou sem entender muito bem.

— Jimin, Park Jimin. Esse é o meu nome. — Foi até a frente do pequeno portão de madeira. — Obrigado. — Correu até se perder da vista de Jungkook.

Jungkook se perguntou se o joelho dele não voltou a doer com os movimentos bruscos do mais baixo, porém logo voltou a sorrir iluminado antes de entrar em casa, nunca tinha conhecido alguém tão esquisito como Jimin, chegava a ser cômico o jeito do loirinho.

Jungkook se perguntava o que ele escondia por trás daquele jeito retraído e desconfiado.


Notas Finais


Espero que tenham gostado do primeiro capítulo foi apenas uma introdução a fanfic.
Até mais, um abraço de urso. <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...