História Kingsman - A ordem dos Juízes - Capítulo 40


Escrita por:

Postado
Categorias Colin Firth, Kingsman: Serviço Secreto
Personagens Gary "Eggsy" Unwin, Personagens Originais
Tags Eggsy, Galahad, Ginger, Kingsman, Merlin, Roxy, Tequila
Visualizações 88
Palavras 1.731
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Sim! Estou viva!!!!

Dei uma sumidinha daqui, porque precisava me dedicar às outras fics, e ainda deixei duas para trás... Preciso correr com isso..

Bom , a imagem eu peguei no Google, e seria o Chalé em que Gale vive com Merlin e sua filhinha.

Sem mais,
Boa leitura!

Capítulo 40 - Quarenta.


Fanfic / Fanfiction Kingsman - A ordem dos Juízes - Capítulo 40 - Quarenta.

 

            Interrompendo a reapresentação dos cavalheiros conhecidos de longa data, Gale entrou na sala com uma bandeja em suas mãos, ficando meio constrangida por atrapalhar.

— Oh, George… Não sabia que já estava aqui… — ruborizou-se um pouco, passando por Merlin e deixando os utensílios do café na mesinha de centro.

— Não se preocupe Sweet child¹, está tudo bem. — o ex navegador da Kingsman sorriu, depositando um selinho nos lábios Gale, antes de ela deixar a sala.

            Naquele momento, a mente de Harry divagou, e ele se viu acertando o punho fechado no queixo de Merlin, e em seguida chutando-o no estômago repetidas vezes.

— Harry, Harry! — Eggsy sacudiu o mentor, que mantinha-se encarando ao homem careca de forma estranha, enquanto o outro lhe estendia a mão amigavelmente.

— Oh, eu estava distraído. — Arthur respondeu, apertando forte a mão de George, que aguentou a força sem pestanejar.

            Gary ficou olhando de um para o outro, meio preocupado. Ele sabia que tudo aquilo estava mexendo de forma negativa com o psicológico do seu parceiro, afinal, não é todo dia que se reencontra o amor de sua vida, casada com o seu falecido companheiro de trabalho e amigo.

— O café vai esfriar… — o mais jovem se manifestou, já servindo uma xícara com café, e entregando-a para seu chefe. — Tome Harry, deve estar uma delícia. — sorriu nervoso, se sentando sem ser convidado.

            Estava nevando lá fora, mas o jovem agente sentia que ardia nas chamas do inferno. A tensão entre Merlin e Arthur era gritante, pois claro, o novo líder da Kingsman deixou escapar seu olhar mais indignado e raivoso ao ver Gale e Merlin trocando um inocente selinho.

— Sim, com certeza este café está saboroso! — o careca sorriu, desfazendo a cara emburrada, sentando-se e se servindo. — Gale tem mãos maravilhosas…

            Gary ouviu a golada de café ser engolida por Harry. Na mente do mais velho, apenas o contexto sexual foi identificado, mas era o seu ciúme falando alto demais, pois essa não fora a real intenção do analista.

— Com certeza ela prepara refeições dignas de um rei! — Eggsy soltou, suando ao ver o punho de Harry, bem fechado em sua canhota. — Por Deus… — murmurou angustiado.

            Parece que o Senhor, nosso bom Deus, teve misericórdia do rapaz em agonia, pois como um anjinho salvador, a pequena Natalie chegara à sala também, já de banho tomado em um vestidinho azul, repleto de borboletinhas amarelas. Ela puxou a lateral da calça de Merlin, que a olhou de imediato.

Dad, mommy não sabe que estou aqui. — disse baixinho, sorrindo sapeca com a boquinha banguela.

— Que vestido lindo… — Harry não resistiu. Também nem poderia, era a sua menina, com um vestidinho repleto de borboletinhas!

— Obrigada. — ela sorriu, apontando para o sapatinho, que tinha uma borboletinha prateada sobre ele. — Eu adoro borbor… Borborle…

— Borboletas… — Gale surgiu no cômodo, e a menina fez uma expressão engraçada, afinal, fora flagrada.

— Sim, mommy…

— Senhorita Natalie Ward, o que faz aqui? Eu não lhe disse que esta era uma conversa de cavalheiros? — a morena fez falsa pose severa, enfarruscando a cara e levando as mãos à cintura, pegando a pequena de maneira desengonçada em seguida; novamente a amparando pelo abdômen, mas deixando-a com as perninhas balançando. — Desculpe, amor. — ela sorriu para Merlin, que apenas negou com a cabeça, a tranquilizando.

            Natalie ficou dando tchau com suas mãozinhas, até que Gale sumiu novamente do campo de visão dos homens. Harry permanecia distraído, olhando para a passagem pela qual a sua família havia passado momentos atrás.

— Ela é linda… — Gary quebrou o gelo, referindo-se à Natalie. — Uma garotinha adorável.

— Oh, Natalie é um presente de Deus. — Merlin sorriu boamente. — Minha menina é tudo para mim.

— Claro. — Galahad, Eggsy, sorriu. — Mas diga-nos como conheceu sua formosa senhora, com todo o respeito.

— Obrigado. — George sorriu também, se ajeitando melhor na poltrona. — Gale é uma economista excepcional, nos conhecemos no trabalho. A atração foi imediata e…

— Oh! — Harry deixara a xícara de café quente, cair propositalmente na coxa direita de Merlin. — Sinto muito, eu realmente sinto muito…

— Não foi nada, vou trocar de roupa e já volto.

            Assim que o antigo navegador da Kingsman se retirou da sala, Gary deu uma boa olhada para seu amigo, e quis bater nele ao ver o sorrisinho de vencedor que o veterano trazia em seus lábios.

— Harry, que porra é essa? Como você pode fazer uma coisa dessas? Isso é imaturo! — começou o mais jovem, vermelho e irritado.

— Foi um acidente, rapaz! Não leve as coisas tão a sério, faz mal ao coração.

            Ele continuavam a discutir na sala, mas não muito longe dali, uma Gale muito confusa se questionava internamente sobre o próprio rubor, coração acelerado e vontade imensa de chorar. Ela não entendia que a causa para todos os seus vazamentos emocionais, estava na sala de estar conversando com seu “marido”, Merlin. Encostada à parede da cozinha, a morena pensava e pensava, se sentindo imensamente cansada. Depois de tanto se martirizar psicologicamente, a jovem decidira bordar algumas das toalhinhas de Natalie, que assistia televisão deitada no tapete em outra sala do imenso chalé.

            George retornara do quarto com roupas limpas, com seu costumeiro sorriso reto nos lábios finos. Sentando-se novamente frente os cavalheiros, discutiram por mais alguns minutos sobre investimentos de pouco risco e longo prazo, de forma que os agentes Kingsman se passaram por homens de negócios, recebendo as informações que Ned repassava aos colegas por seus óculos comunicadores.

— Claro que tudo isso deve ser bem pensado, pois se trata do dinheiro de vocês… — Merlin concluía, gesticulando com as mãos.

— Bem, era só isso, por enquanto. — Eggsy levantou-se, olhando incisivamente para seu parceiro, que manteve-se sentado. — Vamos, Harry?

— Oh, claro. — o veterano pensou um pouco, falando em seguida: — Desculpe, mas necessito ir ao toalete.

— Fica no fim do corredor, a terceira porta à esquerda. — o careca informou, olhando para Gary.

— Nesse caso, conte-me mais sobre como escolheu essa carreira, Mister Ward. — o loiro sentou-se novamente no sofá, olhando Harry se afastar com certo desespero. “O que ele fará agora?”.

           

....................................

            Arthur não tinha muito tempo a perder, então quando tomou sua decisão, teve que adiantar-se em realizar sua vontade, porque se deixasse o tempo passar, não teria mais coragem. Andou a esmo pela casa, seguindo a voz de sua filhinha, vendo-a deitada no tapete onde suas mãozinhas apoiavam a cabeça e ela agitava os pés calçados apenas com meias coloridas. Gale estava concentrada em um bordado, linda e serena, os cabelos escuros soltos a cair pelas costas. Eles haviam crescido tanto! Ele nunca imaginaria ver sua querida amada, com as melenas tão longas a passar do meio das costas, o que dava à ela a aparência de uma menina mulher, o que ela sempre fora para ele.

            Com um movimento ágil, Harry tampou a boca de Gale, que no susto nem soube o que fazer. Sua filha ainda continuava distraída sem saber que sua mãe estava sendo puxada para fora da sala. A morena debateu-se, mas algo dentro dela se acendia. Era vigoroso, agradável e avassalador. A pouca atração que ela tinha por seu marido, Merlin, virou poeira perto do que experimentava naquele momento. As mãos daquele desconhecido, seguravam sua cintura e rosto, e quando ela menos esperava, suas costas foram encostadas com certa brutalidade contra uma parede.

— Eu nem acredito que a encontrei… — murmurou ele, cheirando o rosto, pescoço e colo de Gale, que tinha o coração pulando para fora da boca.

— Por Deus! O que pensa estar fazendo, senhor? — questionou ela, num sussurro preocupado com a filha.

— Eu vou beijar meu grande amor… — com firmeza, segurou ambos os lados do rosto de Gale, olhando-a sério antes de dizer: — Fique quieta agora. — selou os lábios aos dela.

            Aquilo foi estranho. Gale não queria corresponder, não racionalmente, mas seu corpo a fez reconhecer o imenso prazer e desejo que nem mesmo lembrava possuir dentro de si. Seus lábios eram sugados, e mãos assanhadas passeavam por sua pele, apertando-a, descobrindo-a a cada toque.

— Hum! — grunhiu a jovem, quando percebeu que o homem segurava ambos os seus seios com volúpia, esfregando uma vigorosa ereção contra sua púbis.

— Te amo tanto…  — Harry distribuiu beijos pelo rosto de Gale, que mexia-se contra ele, o excitando mais.

            Teriam de parar! A pequena Natalie estava a uma mera parede de distância, fora que a qualquer momento dariam pela falta do agente, contudo, as línguas se encostando deliciosamente, as unhas da mulher roçando no couro cabeludo do veterano, que gemia desavergonhadamente contra a boca de sua amada, tão perdida quanto ele, intimamente úmida, suada, descabelando-se em meio ao frenético “esfrega” que faziam. Teve um momento insano; Harry segurou as ancas de Gale, puxando-a contra o pênis teso sufocado pelas roupas, atritando as pelves de forma explícita e indecente, lambendo do pescoço até a orelha da jovem, que gemeu alto, perdendo o controle.

— Volto te ver, juro que volto te ver e te levar de volta, meu amor… — disse ele, se afastando, deixando a morena encostada à parede, agora muito fria, vendo-o partir.

            Com a boca seca, Gale correu até o banheiro lavar seu rosto. Sua vulva estava escorregadia, seu clitóris latejava e ela nem imaginava como disfarçaria aquela feição de gata no cio em sua face. Balançava a cabeça para os lados, querendo rir, chorar, gritar, feliz como não esteve em 5 anos.

 

.............................................

            Ao chegar novamente onde Gary se encontrava, Harry nem se apercebeu de sua aparência. O mais jovem quase deu um grito; o veterano estava com o pênis notavelmente ereto por baixo das roupas, além de vermelho, despenteado e com a boca inchada.

— Estou passando mal! — Eggsy levou a mão à cabeça, enquanto fazia com o movimento dos seus olhos, uma mensagem para Harry, usando seus óculos comunicadores.

Infernos, Harry! Seu pau tá de pé! Sai daqui antes que esse corno veja!”

— O senhor quer uma água? — preocupado, George quis saber.

— Não — Respirou fundo. — Vamos indo, meu colega já saiu e eu fiquei aqui conversando…

— Ele saiu? Por quê?

— Ele é meio antissocial, perdoe-nos, sim? Ligaremos em breve, muito obrigado.

— Eu que agradeço. — Merlin respondeu, apertando a mão de Gary, antes de vê-lo correr em disparada em meio a neve.

            Eggsy ajudou Harry a dar umas boa dose de tranquilizante para Berta, jogando-a dentro de um quartinho que ficava atrás do chalé, e ambos partiram rapidamente para se aquecer em um hotel. Eles arquitetariam um plano para levar Gale e Natalie embora, custasse o que custasse.

 

.........................

 


Notas Finais


1. Doce criança.

O Harry ficou possuído!!!! AMASSO NO CANTINHO, A GENTE VÊ POR AQUI!!!

Beijos pessoas lindas!!!

Apareço em breve!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...