1. Spirit Fanfics >
  2. KiriBaku it's real >
  3. O famoso clichê... - Parte 4

História KiriBaku it's real - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Nada como um bom lemon nesse fim de semana de quarentena né?

Se protejam, não saiam de casa, fiquem lendo fanfics ❤️

Comecemos com Bakugou Uke

Capítulo 12 - O famoso clichê... - Parte 4


Katsuki realmente está disposto a levar isso adiante, seus quadris não param de se remexer enquanto as mãos de Kirishima permanecem em sua cintura com muito esforço. O ruivo rosna como um animal selvagem que tenta conter seus instintos e leva uma de suas mãos até a bunda de Bakugou, apertando-a com vontade. O loiro não esperava por tal reação selvagem e logo sua boca está sendo preenchida com a língua de Eijirou, ele segura sua nuca e invade seus lábios com volúpia sem ao menos hesitar.

Bakugou raramente seria subjugado por alguém, mas naquele momento, seu corpo cedeu completamente aos encantos daquele beijo, ele aprecia o sabor doce da boca de Eijirou e geme sem pudor fazendo Kirishima sorrir diabolicamente no meio do ósculo. O ruivo já não respondia mais por si e seu tesão o levou a deixar sua mão escorregar para dentro do tecido que cobria os glúteos de Bakugou, aquilo havia pego o outro de surpresa, mas o suspiro sofrego que saira dos lábios do loiro deixava claro que não existia reprovação.

As mãos de Bakugou pousam levemente sobre o peitoral de Kirishima enquanto seu corpo pende suavemente para frente, ele não queria parecer um pervertido e muito menos um gay tão atirado, mas sua mente parecia se desligar do bom senso e seu corpo somente obedecia a sensação quente que o tomava. Pode-se jurar que o olhar de ambos faiscavam pelo contato que mantinham, não tinha resquícios de controle e tudo estava sendo levado pela enxurrada de tesão que sobrepunha qualquer razão.

- Você parece experiente nisso… Ah! Cabelo de Merda… - Katsuki declara gemendo no meio da frase com o aperto de Kirishima em sua bunda agora com as duas mãos dentro de sua Boxer. O ruivo não satisfeito com somente esse contato, leva uma de suas mãos ao mamilo de Bakugou apertando-o entre o polegar e o indicador, arrancando um arfar erótico do parceiro para deixar seu pau ainda mais duro que antes.

- Não tanto como eu gostaria - Eijirou responde com um sorriso malicioso em seus lábios, isso não passa despercebido pelo loiro e ele sente uma raiva inexplicável de repente. Outra pessoa já havia tocado Kirishima? E se for? Porque isso o deixava tão possesso? Algumas dúvidas começaram a rondar sua mente, mas os beijos molhados de Eijirou em seu pescoço logo o tiraram desse dilema, levando-o a um outro patamar em sua mente nublada. O gemido baixo escapa de seus lábios e ele morde os lábios para tentar conter, seu orgulho está ferido por se mostrar tão manhoso dessa forma, mas como poderia resistir? Essas sensações o deixavam a beira do abismo, ele sentia sua pele queimar, desejava mais, precisava de mais.

Eijirou sentia cada pequeno trecho da pele quente de Katsuki sobre seus lábios, ele podia sentir ate mesmo sua pulsação rápida na jugular ao passar sua língua brevemente pelo local. A respiração curta de Bakugou o excitava cada vez mais e por ventura, ele gostaria de mostrar isso para o loiro. Suas mãos retornam à cintura de Katsuki e sem vergonha alguma, Kirishima prensa o corpo do loiro contra o seu, fazendo com que as ereções sejam prensadas uma contra a outra, tendo somente duas camadas de tecido separando-as. Ainda que não tivessem contato direto, ambos perderam o ar com o movimento certeiro de Eijirou, não havia como não sentir o tesão sólido que alimentavam cada vez mais entre si.

Bakugou morde o lábio de Kirishima e se esfrega um pouco mais buscando novamente o contato prazeroso, isso fazia com que Eijirou se mostrasse cada vez mais sedento pelo loiro e o mesmo não se conteve ao inverter a posição em que se encontravam. Logo o corpo de Bakugou jazia deitado sobre a cama e Kirishima não perde a oportunidade de prensar seus quadris contra a virilha de Katsuki, roçando suas ereções mais uma vez com desenvoltura o suficiente para fazer Bakugou perder qualquer resquício de Dominância que poderia exercer naquele momento.

- Eu vou te foder se continuar assim… - Kirishima resmunga com a voz estrangulada, seus dentes estão cerrados e sua respiração é incerta enquanto suas mãos sobem pelas laterais do tronco de Bakugou em um carinho firme. Ele não era lerdo, só precisava ter uma confirmação verbal antes de se deixar levar completamente.

- Então fode, porra… - Bakugou diz um tanto exasperado e logo arregala os olhos com as bochechas queimando pela vergonha, como ele pode soar tão necessitado? Kirishima por sua vez sorri largo com a resposta automática de Katsuki e leva seus lábios de encontro aos dele novamente, tirando o tempo que ele teria para se martirizar por tal fala.

O ruivo se afasta inclinando o corpo para o lado da cama a fim de alcançar sua mala no chão próximo, Katsuki estranha sua ação e abre a boca para reclamar, mas tudo o que sai é um gemido baixo e rouco pela movimentação saliente dos quadros de Kirishima sobre seu pau coberto pela cueca.

Antes que Katsuki pudesse retornar aos seus protestos, Eijirou o cobre novamente com seu corpo, deixando o lubrificante e a camisinha no colchão discretamente. Ele não tinha aquilo por esperar que isso acontecesse, mas agradecia por estar com tais artefatos naquele instante tão necessário. A mão do ruivo desce para a coxa de Bakugou enquanto o loiro aperta os fios vermelhos em sua nuca, gemendo ao sentir o toque na parte interna de suas coxas. As digitais de Eijirou subiam vagarosamente por sua pele levando um arrepio por toda a sua coluna, os lábios de Kirishima não tardam em colar novamente no pescoço exposto de Katsuki enquanto o mesmo respirava ofegante pela sensação morna dentro de si.

O cheiro doce de canela que emana da pele de Bakugou é viciante para Kirishima, ele inspira profundamente na curva do pescoço do loiro enquanto leva seus dentes ao lóbulo do mesmo, mordiscando suavemente para ouvi-lo gemer mais uma vez. As mãos de Bakugou arranham levemente suas costas quando ele leva seus lábios agora para os mamilos rosados do loiro, ele suga um deles com vontade olhando para cima a fim de apreciar a expressão sórdida e entregue do amado com suas carícias tentadoras. Não havia visão melhor, ele teria que ter isso pelo resto de sua vida se for possível.

Katsuki se entrega por completo ao momento, sem sequer reclamar quando as mãos de Eijirou alcançam sua cueca e os dedos adentram o tecido de forma desavergonhada. Seu corpo arde por inteiro e ele sente seu coração bater rápido ao deixar de ter o peso de Kirishima sobre o seu corpo. Quando a peça de roupa chega ao chão, Eijirou não tarda em levar sua mão ao pau de Bakugou apertando-o levemente antes de começar a movimentar com calma. O loiro geme alto levando uma mão a boca e a outra segura o pulso do ruivo que se encontra ajoelhado entre suas pernas.

- Calma… ah! - Bakugou diz entredentes enquanto busca ar para seus pulmões. Kirishima fica preocupado com sua reação e deixa de movimentar sua mão, olhando fixamente para o loiro ainda sem se afastar totalmente.

- Eu te machuquei? - O ruivo questiona com temor em sua voz e Katsuki se apressa em acenar negativamente para tranquiliza-lo. Porra, isso com certeza não havia machucado, ele só estava surpreso sobre o quão bom isso era de verdade. Kirishima sente as mão de Bakugou esquentando em seu pulso e tenta compreender se essa reação é algo bom ou ruim enquanto não há esclarecimento verbal da outra parte. Katsuki respira profundamente apos conseguir se controlar e desvia o olhar sentindo sua face queimar ao procurar palavras para explicar.

- Eu nunca… é…. - Ele tenta falar de uma vez, mas nunca se encontrou na necessidade de dizer isso para alguém. Afinal, ele nunca havia pensado que teria um contato tão íntimo com alguém como agora. Kirishima olha para o mesmo com os olhos arregalados ao tomar compreensão sobre o que ele procurava dizer, aquilo era um tanto surreal, portanto precisava mesmo botar em palavras para ter certeza.

- Você nunca se masturbou? - Ele pergunta sem parar de encarar a face avermelhada do loiro, o que parece deixa-lo ainda mais constrangido do que já estava. Ele suspira novamente e reúne coragem para olhar nos olhos vermelhos que o fitavam.

- Eu já tentei, mas quando estou perto não consigo controlar muito bem a minha quirk... - Ele diz com a voz baixa e o ruivo morde os lábios para segurar o riso. - Não ri, caralho! Eu não quero explodir meu pau.

Kirishima o encara com tesão e essa descoberta parece deixá-lo ainda mais sedento pelo que está por vir, ele precisava fazer Bakugou gozar, era uma questão de honra agora ser o primeiro a levá-lo ao clímax.

- Então é minha missão te ajudar - Eijirou se ajeita ajoelhado entre as pernas do loiro e volta a bombear seu pau vagarosamente a princípio, Bakugou segura o antebraço de Kirishima que esta apoiado ao seu lado enquanto a outra mão cobre sua boca para que os gemidos não soem alto demais no quarto. Eijirou parece ter outros planos, pois ainda que não parasse de movimentar sua mão, ele leva a outra para a boca de Bakugou, retirando sua mão e apertando dois de seus dedos na língua do loiro. - Chupa - Ele ordena com os olhos escurecidos pelo prazer, suas pupilas dilatam ainda mais quando sua ordem é prontamente atendida por Katsuki que geme baixinho com a velocidade aumentando em seu pau.

Kirishima observa cada reação do loiro sentindo seu pau pulsar por alívio enquanto se deleita com a expressão de prazer e luxúria no rosto de Bakugou. Aquilo estava sendo inédito para Katsuki, ele sentia suas pernas tremendo pela excitação e seu pau endurecia a cada segundo, mais do que ele mesmo considerava possível. Por reflexo, Bakugou chupa com mais vigor os dedos de Kirishima em sua boca e Eijirou percebe que isso é sinal de sua entrega cada vez mais intensa. Ele tira os dedos repentinamente da cavidade molhada de Katsuki e os leva para sua própria boca, deixando uma boa quantidade de saliva nos mesmos para prosseguir com o que pretendia a princípio.

O aumento da velocidade da mão de Eijirou no pau de Katsuki teve efeito imediato e o loiro não pode deixar de conter seus gemidos com ambas as mãos, em vista de que não conseguia sequer conter a entonação grave de sua sonoridade. Como se já não bastasse o que estava acontecendo, Kirishima leva os dedos molhados à entrada de Bakugou que tensiona imediatamente olhando para o ruivo entre os cílios, apertando o lençol ao seu lado torcendo para que não queimasse-os com sua individualidade.

- Relaxa… - Kirishima diz aproximando seu rosto do loiro, deixando um beijo no meio do seu peito e diminuindo a velocidade da punheta antes de seguir com seu dedo indicador no interior apertado de Bakugou. Aquilo era uma sensação nova para Katsuki, mas a agilidade de Kirishima em manter a harmonia entre ambas as ações fez com que tal inexperiência não fosse um problema. A penetração era vagarosa enquanto o pau de Bakugou era ordenhado cada vez mais agressivamente, de forma que não seria sequer possível aguentar por muito tempo. Quando o mesmo ja havia se acostumado com um dedo dentro do seu cu, o orgasmo se formava contundente, sendo adiado apenas pela parada repentina de Kirishima com seus toques.

- Caralho, o que você… - Katsuki geme frustrado e levanta a cabeça para encarar Eijirou quando seus olhos alcançam o frasco de lubrificante nas mãos do ruivo. Ele olha para o mesmo e depois novamente para o frasco, tentando decifrar o que aquilo significava, já que tudo que sua mente gritava era… - Você planejou tudo isso?

Kirishima fica tão corado que Bakugou se pergunta se era o mesmo pervertido que o estava deixando louco a poucos momentos atrás. O ruivo abre o lubrificante despejando um pouco em sua mão e em seus dedos, fechando-o logo em seguida para então olhar novamente para Bakugou.

- Minhas mãos são meio ásperas e… eu não imaginava que dividiria um quarto… - as palavras de Eijirou deixavam tudo subentendido, mas Katsuki era rápido em decifrar esse tipo de coisa. Ele sorri maliciosamente e vê Kirishima se encolher um pouco pela vergonha, algo que ele não imaginava acontecer quando o mesmo estava tão cheio de confiança.

- Seu tarado - Bakugou declara com um sorriso travesso e Kirishima retribui da mesma forma, voltando a segurar a ereção de Katsuki com firmeza enquanto o penetra com dois dedos de uma vez. O loiro perde o ar e olha para ele com surpresa em sua expressão, Eijirou parece estar tomado por uma aura dominadora que Katsuki é incapaz de definir completamente, aquilo era surreal e agora, ele só conseguia se manter gemendo.

- Eu vou te mostrar o que está perdendo, depois você me julga por isso… - Kirishima diz aumentando a velocidade da sua mão ao máximo enquanto mete seus dedos o mais profundo possível. Bakugou geme alto arfando como se não pudesse tragar o ar que necessita, seu corpo queima por completo e ele aperta o travesseiro com as mãos, ja desistindo de não fazer barulho. Que se foda!

- Caralho, Eijirou, eu vou… - Bakugou geme ainda mais levando suas mãos ao rosto de Kirishima que agora jaz quase por cima de sua face, o ruivo o encara com um semblante compenetrado e isso deixa Katsuki ainda mais excitado fazendo-o fechar os olhos e jogar a cabeça para trás quando seu orgasmo chega o atingindo como um soco. O sêmen se espalha por seu abdômen e ele morde o lábio inferior respirando pesadamente, Eijirou aprecia cada fase da expressão de Bakugou, desde a contração da sua boca com a junção de suas sobrancelhas franzidas até o relaxamento que toma conta de todo o seu corpo gradativamente.

O ruivo permanece com as mãos ao lado do corpo de Bakugou enquanto o mesmo respira para recuperar-se do ápice recente, Katsuki havia experimentado algo que sempre tivera curiosidade, mas isso ainda não se mostrava suficiente em vista da situação avançada em que já se encontravam. Bakugou puxa o rosto de Kirishima para perto e o beija voluptuosamente, puxando o lábio inferior do ruivo com os dentes e apreciando o gemido rouco que ecoa na garganta de Eijirou.

- Tá esperando o que? - Ele questiona olhando no fundo dos olhos de Kirishima e o mesmo não se faz de rogado, ele sabe muito bem do que se trata. Eijirou se levanta tirando a cueca e jogando-a para o lado, fazendo seu pau saltar pra fora já enrijecido ao extremo. Bakugou não estava esperando se deparar com tamanho… volume, mas agora não haveria como voltar atrás.

- Não olha assim, não vou te machucar - Kirishima diz subindo na cama novamente ao debruçar seu corpo sobre o de Katsuki, ele se surpreende quando o loiro empurra seu corpo para que ele fique ajoelhado entre as pernas do mesmo.

- É bom mesmo - Bakugou declara com um ar de desdém e antes que Eijirou possa raciocinar para lhe responder, o mesmo puxa o ar profundamente ao sentir a boca de Katsuki sobre seu pau. O loiro segura a base da ereção e engole com cautela, testando o quanto seria capaz de obter sem engasgar. Aquilo realmente não era fácil, mas ainda assim, se mostrava um tanto quanto fascinante. A textura macia e quente que preenchia sua boca, o quanto o pau de Kirishima estava duro e pulsava em sua língua, certamente, valia a pena ser tão gay.

- Ah! Calma - Eijirou pede ao sentir que isso pode acabar indo longe demais, ele segura os fios loiros de Bakugou e puxa sua cabeça para longe do seu pau a fim de conter sua excitação. Katsuki não reclama e apenas sorri maliciosamente para o outro com orgulho de suas investidas efetivas. Kirishima pega logo a camisinha ao seu lado com certo nervosismo, ainda que esteja apto para prosseguir, ele se enrola um pouco com o pequeno pacote e Bakugou parece perder a paciência.

- Da essa porra aqui - Ele exclama arrancando a camisinha das mãos de Kirishima, rapidamente ele abre o pacote e pega o látex entre os dedos antes de se aproximar de Eijirou. O ruivo tem seu rosto mais vermelho que seu próprio cabelo ao sentir os dedos ágeis de Katsuki empunhando a camisinha no seu pau já que ele mesmo estava ansioso demais para tal. Aquilo soava um tanto íntimo e isso de fato agradava Kirishima, não imaginava que se encontraria nessa situação em dado momento.

Eijirou empurra o tronco do loiro para o colchão novamente fazendo-o se deitar, ele usa o lubrificante para espalhar sobre o seu pau e também um pouco mais nos dedos. A tortura inicial retorna e Bakugou geme baixo com as duas digitais que o penetram vagarosamente. Aquilo já soava prazeroso demais, porém sabia que era apenas o começo do que estava por vir.

- Me avise se eu tiver que parar… - Kirishima diz posicionando seu pau no lugar onde seus dedos estavam a poucos momentos, ele pressiona levemente até conseguir entrar um pouco no interior apertado de Bakugou. Ele trinca o maxilar e avança somente um pouco mais, sentindo as mãos de Katsuki em suas costas e as unhas curtas fincando-se em sua pele.

- Caralho… - Bakugou geme fechando os olhos com força ao sentir o pau de Eijirou entrando no seu cu de forma que o deixa completamente perdido na sensação de dor e prazer. Intenso é a palavra certa, o loiro se encontrava em um dilema sobre como poderia aguentar aquilo e sua vontade de ter ainda mais. Com seu orgulho em jogo, é claro que sua vontade seria vitoriosa e o temor pela dor seria uma desistência a qual ele não se renderia. - Mete logo de uma vez!

Kirishima não tarda em obedece-lo, investindo com força para entrar de uma vez em Bakugou, aquilo havia sido mais do que o loiro esperava e o gemido manhoso de sua boca reverbera pelo quarto, deixando Eijirou ainda mais trêmulo e tenso que ante. O ruivo sentia o aperto ao redor do seu pau e procurava ao máximo se controlar para ir além nessa brincadeira, ele sente o corpo de Bakugou tenso abaixo de si e isso o leva a tomar consciência sobre seus deveres como um bom parceiro. Ele leva sua boca ao pescoço de Katsuki, deixando ali beijos e mordidas justamente por saber que Bakugou tinha muita sensibilidade por ali. O loiro sentia-se literalmente arrombado, mas com os toques sinceros e carinhosos de Kirishima, aos poucos seus músculos relaxavam e ele sentia que podia parar de arranhar as costas do ruivo por ora. 

- Você tá bem? - Eijirou questiona segurando o rosto de Bakugou com uma das mãos enquanto a outra permanece na cintura do loiro, garantindo que estivesse completamente dentro do mesmo. A face corada de Katsuki revela muita coisa, mas o olhar dele para o ruivo, este sim, significava ainda mais.

- Sim - Bakugou diz sem qualquer xingamento para acompanhar sua fala, sua resposta é simples, mas de fato nada precisava ser dito naquele momento. Ele já havia se acostumado com a invasão e decide que deve ser o primeiro a mostrar continuidade, Katsuki segura a cintura do ruivo acima de si e rebola um pouco para testar os ângulos da posição, Kirishima arfa ao sentir a fricção mínima em seu pau e Bakugou parece gostar bastante da sua reação. - É bom pra você? - Katsuki questiona somente por buscar uma confirmação verbal para inflar mais seu ego, afinal, a expressão atordoada de prazer que o ruivo mantinha era suficiente para responder sua pergunta se quisesse.

- Sim, você é tão… apertado - Eijirou diz saindo lentamente apenas até a metade de seu pau, somente para empurra-lo novamente com a mesma intensidade inicial. Katsuki geme com os dentes cerrados e suas mãos apertam a cintura do ruivo. Kirishima continua se movimentando lentamente a princípio, movendo seus quadris de forma que alargasse o loiro cada vez mais, acostumando-o com todo o seu volume.

Os gemidos de Bakugou era baixos e o mesmo parecia tentar se conter ao máximo, seu pau aos poucos dava sinais de vida. Eijirou havia percebido que o outro mantinha-se estável com suas investidas suaves então, decidiu que era hora de elevar o nível da coisa.

- Foda-se os outros, eu quero ouvir você gemer, Katsuki - Ele declara erguendo o tronco e antes que Bakugou pudesse ter qualquer reação, ele começa a meter com forca segurando a cintura de Katsuki com as mãos firmes, é provável que as marcas de seus dedos ficassem sobre a pele de Bakugou, mas nenhum dos dois parecia se importar com isso naquele momento. Kirishima muda a posição levando suas mãos para as coxas de Katsuki e com destreza, ele eleva as pernas do loiro, fazendo com que seu pau chegue ainda mais fundo no interior do mesmo.

Bakugou geme alto pela surpresa e se deixa levar pelo prazer, agradecendo mentalmente pela mudança brusca de Kirishima, ele queria mesmo ser fodido com brutalidade, ainda que não tivesse tanta coragem para expor isso em palavras. Katsuki leva sua mão à coxa de Eijirou apertando-a conforme o prazer se tornava mais veemente enquanto colocava dois de seus dedos em sua boca, Eijirou sentia que não aguentaria por muito mais tempo e diminui gradativamente o ritmo para que não gozasse ainda. Bakugou tinha plena consciência de que o ruivo logo sucumbiria ao ápice e prezava por isso, a expressão contraída e concentrada de Kirishima só aumentava o seu tesão, mas ele ainda iria querer ver outras faces naquele rostinho.

- Não ouse parar de me foder! - Bakugou declara com a voz grave e Kirishima se vê obrigado a continuar no ritmo alucinante, ele geme alto enquanto volta a estocar com determinação e Katsuki aproveita o momento masturbando-se vagarosamente, ele puxa o ruivo para perto e beija-o de forma desajeitada enquanto as investidas se tornam ainda mais certeiras acertando um local dentro de Bakugou que o mesmo não estava esperando. O loiro geme alto pelo prazer insano que o acomete com aquele simples movimento e joga a cabeça para trás rolando os olhos. Aquilo seria o fim de Kirishima, ele continua a estocar no ângulo que deixava Katsuki ainda mais ensandecido de prazer e os gemidos altos do loiro logo levaram Eijirou ao seu limite.

- Eu vou gozar, cacete… - Kirishima rosna enterrando o rosto na curva do pescoço de Bakugou enquanto mete mais algumas vezes antes de gemer longamente, aquele palavrão rosnado pelo ruivo havia acendido ainda mais o tesão que Bakugou já estava sentindo, ele adorava ver esse lado de Eijirou e claro, não podia deixar que isso acabasse tão cedo.

Depois de alguns momentos para que Kirishima recuperasse o fôlego, ele sai de dento de Katsuki que estremece um pouco pela falta de costume. Um sorriso meigo perdura nos lábios de Eijirou e ele olha com atenção para o loiro ao se deitar ao seu lado de bruços. Antes que o ruivo tivesse a chance de dizer alguma coisa, Bakugou se adianta ficando sentado sobre as coxas de Kirishima, tendo uma visão mais privilegiada da bunda avantajada do ruivo. Ele inclina o corpo para colar seu peitoral nas costas de Eijirou e sussurra perigosamente em seu ouvido enquanto puxa seu cabelo com delicadeza.

- Você acha mesmo que vamos parar por aqui? Agora eu vou foder seu cu até você implorar por mais. 


Notas Finais


Desculpa a demora e... Acho que dá pra fazer mais ainda e.e


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...