1. Spirit Fanfics >
  2. Kiss and Tell - Imagine Winwin >
  3. Único.

História Kiss and Tell - Imagine Winwin - Capítulo 1


Escrita por: e tuliptears


Notas do Autor


essa é a primeira vez que faço uma parceria aqui e inclusive, eu tô feliz por ter feito por com ela e quero agradecer por ela ter tirado um tempo da madrugada dela pra isso, inclusive!

Capítulo 1 - Único.


Fanfic / Fanfiction Kiss and Tell - Imagine Winwin - Capítulo 1 - Único.

Kun podia ser um repleto idiota, mas Sicheng não era. Ele não era cego pra perceber a maneira que Hendery olhava pra você ou como você era o alvo favorito dele de elogios, dizendo como seu cabelo era bonito, como aquele batom rosado ressaltava seus lábios e como você era, sem dúvidas, a mulher mais linda que ele já havia visto. Sicheng ria sozinho, em meio ao completo silêncio, quando se lembrava disso. Ele também não podia esquecer da noite em que flagrou Hendery gemer o seu nome dentro de um quarto trancado, ele não tinha como provar ou até mesmo saber se você estava lá dentro junto com ele, mas o que ele tinha certeza mesmo, era que naquele dia, Kun estava ocupado demais no estúdio junto de Yangyang.

— Eu sei o que você anda fazendo. – ele disse, encostando-se na pia da cozinha, bastante próximo, sussurrando para que só você ouvisse enquanto sua atenção estava na esponja contra o prato sujo.

— Ahn? – de princípio, você realmente não tinha entendido. Os seus olhos viraram-se para o rosto magro do chinês, observando as expressões sérias e simples.

— Você e o Hendery. Eu sei.

Suas mãos não foram capazes de segurar o prato com firmeza, antes mesmo que você o colocasse na secadora de louças, ele escapou de seus dedos e espatifou no chão, quebrando em múltiplos pedaços. Sicheng sorriu minimamente, os dentes nem ousaram aparecer, ocupando apenas o canto dos lábios pequenos e finos.

— Eu sei que você e o Hendery transam às vezes, ___. E eu não faço a mínima ideia do que fazer com essa informação. – ele logo se afastou, cruzando a cozinha enquanto você o analisava em silêncio, o coração pulsando tão rápido que você sentiu-se tonta.

Os olhos de Sicheng estavam presos em você durante todo o jantar. Todos estavam lá, Hendery próximo de Dejun, Kun no meio. Ten estava ao seu lado esquerdo e Sicheng em sua direita. Yukhei estava numa ponta e Yangyang em outra, assim completando todo o grupo em torno de uma mesa no chão.

Você suspirou ao perceber o pequeno sorriso travesso que cresceu nos lábios de Hendery aos seus olhos cansados pousarem sobre ele; você não pôde esconder o quanto seu rosto se tornou vermelho. Por sorte, Kun não havia percebido, mas Sicheng continuou com seu olhar indecifrável ao rolar os olhos entre Hendery, alcançando em seguida, você.

— Você está bonita, ___. – Sicheng proferiu, eliminando todo o silêncio entorno do jantar. A provocação era clara, ele estava visivelmente brincando com você e os olhos de Hendery brilharam, focando-se em sua direção. — Você não acha, Kunhang?

— Né? – ele disse, animado como sempre. — Kun-ge é tão sortudo!

Você sente sua mão tremer, o talher se movendo entre seus dedos enquanto seu rosto se torna mais avermelhado que antes. Suas orelhas queimam e você decide manter seu olhar na sopa de legumes preparada pelo seu namorado, seu coração tão apertado que doía um pouco. O resto dos meninos não entenderam muito bem, mas o clima repleto de tensão foi perceptível.

— Ah! – Kun ri, mesmo que você não olhasse, a risada fofa era alta o suficiente. — Ela é perfeita, não é? Eu realmente tenho sorte em ter ela só pra mim.

Seus olhos se fecham, você podia sentir apenas o desespero tomar conta de cada parte de você. A vergonha e o medo caindo sobre seus ombros, Winwin com os olhos grandes presos em você, levando a colher aos lábios.

— Sim, sim, Kun-ge. Você tem.

— O que você pensa que está fazendo?

Você grita, empurrando o corpo alto e, consideravelmente, mais alto do que o seu contra a parede. Sicheng a olha com a testa franzida, rolando os olhos ao redor do corredor do dormitório, constatando a ausência do seu namorado, seu amante e todos os restos dos meninos. Ele levou os dedos longos e finos até seu queixo, o segurando e fazendo com que os seus olhos estivessem focados nos olhos apertados do chinês.

— O que é que *você* está fazendo? – ele ri com o canto dos lábios, divertindo a si mesmo com a situação incrivelmente inusitada, mas bastante possível. Sicheng amaldiçoa a si mesmo por não pensar nessa sua reação.

— Você pode ficar quieto? Pode simplesmente fingir que não sabe de nada? – você quase grita, os olhos suplicantes e os fios de cabelo caindo sobre o rosto; seus lábios rachados e atrativos não passaram despercebidos pela percepção de Sicheng.

— Eu não sei se posso, querida... – o chinês encosta a própria cabeça na parede atrás de si, entregando um olhar preguiçoso e, talvez, provocativo em sua direção. — Sabe o quanto Kun ficaria desapontado se soubesse que a namorada perfeita dele anda fodendo com o Hendery por todo o dormitório?

As lágrimas não demoram a aparecer no canto dos seus olhos e através do nervosismo, você leva seu lábio inferior entre seus dentes, aproximando seu rosto do dele, buscando qualquer compaixão nos olhos grandes.

— Por favor. Por favor, Sicheng… – sua voz falha conforme as palavras escapam da sua boca, seus lábios tão próximos dos deles que a sua respiração quente batia contra a pele bronzeada. — Por favor, não conte ao Kun.

A coxa torneada de Sicheng alcança o seu ventre coberto, o pressionando com leveza. O olhar penetrante do chinês se concentra em seu rosto avermelhado de nervosismo, seus olhos não foram capazes de se desviarem da expressão de divertimento do rapaz a sua frente. Seu estômago afundou, você sentiu a culpa atingir a si mesma novamente, dessa vez, o desejo se misturava junto dela.

— Por favor? – ele repetiu, em um tom claramente sarcástico. — Se você fez isso algumas vezes, porque se importa de fazer mais uma vez?

A mão de Winwin toca sua cintura, apertando os dedos contra a sua pele com força, você pode sentir todo o seu corpo esquentar através daquele único toque perigoso. Você estava cruzando uma linha que poderia estragar todo o seu relacionamento, mas sua mente se concentrava no rosto bonito e visivelmente atraído por você, a sua frente.

Naquele segundo, todas as suas forças sumiram. A pressão que Winwin tinha sobre seu corpo estava te enlouquecendo. Os dedos pressionavam a carne macia e sem saber como contornar a situação, apenas se deixou levar, mesmo que com os olhos presos aos dele.

— Você acha que ainda tem algum direito de pedir algo? Quer dizer. — Ele posicionou o joelho entre suas pernas com mais firmeza, raspando a área de forma suave o suficiente para te enlouquecer. Os lábios vermelhinhos se esticaram, enquanto ele sorria sutilmente. Cafajeste. — Quantas vezes você fodeu com Hendery por todo o dormitório, deixando belos chifres no Kun.. e agora, me implora para não contar? Oh, doce ____, eu não sou tão fácil de agradar.

A voz de Sicheng havia ficado rouca. Seu corpo estava sucumbindo ao calor do inferno, queimando em seus pecados. A força que fazia para não cair em tentações ultrapassava seus limites. Com o resto de vergonha na cara que tinha, apertou com força as unhas contra a pele coberta pela camisa. O ombro dele, com certeza, teria marcas mais tarde.

— Nem pense em contar a ele, Sicheng.. Eu juro..

Nem ao menos tinha forças de terminar sua fala. Você nem pensou nas consequências. O corpo molenga estava sobre os comandos de Winwin, querendo ou não. Com facilidade, ele moveu o joelho, arrastando-o em sua calcinha. O vestido que escolheu usar naquela noite não ajudava em nada! Com o tecido macio e alças finas, um decote elegante que realçava seus seios e as coxas fartas ficavam bem torneadas na curta peça preta.

— Puta merda. — Você sussurrou, sentindo o segundo sinal de vida em sua boceta, já úmida.

— Pobre, Kun, nem imagina o quão submissa sua namorada fica diante de Hendery.. e agora, perante à mim. — Winwin soprou contra seu rosto avermelhado, sorrindo em escárnio.

Sicheng deixou que você fechasse os olhos e encostasse a testa em seu ombro, choramingando por mais do contato. Já estava tudo nos ares, e Winwin não era nenhum monstro de sete cabeças. Pelo contrário, era como um príncipe, um dos mais ousados e irritantes, mas que você com certeza cederia aos caprichos.

Os olhos rápidos do chinês varreram o corredor, encontrando muito mais que silêncio. Com rapidez, tirou seu corpo do chão, trocando as posições. Ele não esperaria nem por um segundo ir para um quarto para poder te fazer dele. A calcinha úmida, colada na intimidade inchada, deixava o momento ainda mais quente.

Você nem pode respirar, enquanto, com pressa, Sicheng forçava estocadas falsas e duras contra seu ventre, ainda totalmente cobertos. O pau duro do garoto estava te deixando maluca.

— Se contar ao Kun.. — Você tentou dizer, mas apenas recebeu um sorriso sapeca e brilhante.

— Eu não vou.. desde que não conte nosso segredinho.

Habilmente, juntou seus lábios, chupando o seu com voracidade. Afoito demais para te beijar com calma, Winwin bateu ambos os dentes suavemente, enquanto tentava inutilmente abrir o zíper do jeans, apenas o suficiente para seu pau sair.

O som abafado de suas respirações se misturavam. O olhar desesperado de Sicheng era tão visível quanto o seu. Você percebeu naquele momento que estava maluca. Transando com Hendery e, agora, Winwin, amigos e praticamente irmãos de seu namorado.

Se sentiu culpada por alguns segundos, que duraram poucos, pois com certeza o garoto que beijava seu pescoço, ainda não estava pensando nas consequências. Enquanto uma mão sustentava seu corpo, a outra forçava o tecido negro de sua calcinha sair do caminho.

Nada saiu dos lábios de Winwin, e muito menos dos seus. Você queria gritar e gemer alto, mas se contentou em olhar o rosto vermelho e suado do chinês, que entrava tão lentamente dentro de você, como se disputasse o último lugar de uma competição.

Os olhos redondos e brilhantes de Sicheng se fecharam quando pôde te sentir apertando-o. Palavrões desconexões saiam em mandarim. Os cabelos dele começavam a grudar contra a testa, mesmo fazendo apenas 20°c no local, mas seus corpos ferviam como se estivesse 40°c.

Em um gemido sôfrego, você se entregou completamente. E alguns segundos depois, levou o maior susto, apesar de ter amado. Winwin iniciou estocadas ritmadas, te forçando a encará-lo. Seus seios pulavam no vestido e suas unhas praticamente rasgavam o tecido branco da camisa dele.

O perigo maior de ser pego, foi apenas um estímulo para tudo ser mais rápido. Ele acelerava e com firmeza segurava sua cintura. Seus olhos reviram pelo prazer intenso. O pau grosso dentro de si nem tem espaço para se aconchegar, cada vez buscando por mais.

Sentia suas costas queimarem pelo contato incessante com a parede atrás de si. Sicheng não tinha piedade e cada vez mais o barulho de seus corpos se chocando ficava maior, ecoando pelo corredor. E de uma coisa ele pode ter total certeza, enquanto socava com força em seu interior: o paraíso estava no meio de suas pernas.

Não aguentando, você gemeu alto o suficiente para ecoar com mais firmeza. Revirou os olhos com tamanho força, que jurou que talvez eles não voltariam ao lugar. Com as pálpebras juntas, como se estivessem coladas, você evitou abri-las. O medo de perder a sensação de prazer te afetou. Você apenas escutou uma risadinha, antes de mais estocadas violentas. Por fim, seu interior se contraiu e se fechou ao redor do pau de Sicheng, dificultando a passagem rápida entre seus íntimos. A boceta pulsante agora parecia começar a se acalmar.

Tudo parecia estar indo certo. Winwin estava quase gozando. As bochechas vermelhas como pimentões e os olhos fechados com força, enquanto apertava com possessão a cintura alheia. Você não conseguiu parar de encará-lo, ainda sentindo a movimentação difícil dele dentro de sua vagina.

E quando Dong Sicheng jogou a cabeça para trás e abriu os lábios, ameaçando gemer, você escutou a porta do dormitório ser destrancada, pouco mais de dez metros de distância. Ele engoliu qualquer barulho e diminuiu a pressão entre seus corpos, se entregando ao orgasmo. Jatos quentes invadiram seu interior e você não teve como não sorrir, apesar do medo de ser encontrada naquele estado com Winwin.

— Não conte a ele, por favor.. — Você implorou uma última vez ao chinês com as pernas bambas e ele se afastava, sem senso de direção algum.

— É o nosso segredo, _____.


Notas Finais


tô sumida né, desculpa!!!! tô planejando uma long fic cheia de smut e muito complexa pra vocês. em menos de 1 semana sai, ok? besinhos :(


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...