História Klaine Forever (Hiatus) - Capítulo 89


Escrita por:

Postado
Categorias Glee
Personagens Artie Abrams, Blaine Anderson, Brittany S. Pierce, Burt Hummel, Finn Hudson, Hunter Clarington, Jefferson "Jeff" Sterling, Kurt Hummel, Mercedes Jones, Nick Duval, Noah "Puck" Puckerman, Personagens Originais, Quinn Fabray, Rachel Berry, Sam Evans, Santana Lopez, Sebastian Smythe
Tags Amor, Blaine Anderson, Chris Colfer, Colegial, Crisscolfer, Dalton Academy, Darren Criss, Finchel, Gay, Glee, Klaine, Kurt Hummel, Love, Musical, Romance, Samcedes
Visualizações 261
Palavras 6.709
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha quem voltou do país do amor Klaine 🙌❤😍

Antes de tudo... HAPPY VALENTINE'S EVERYBODY 😘😘😘😘
Aos apaixonados por Klaine, por seus namorados e namorados, maridos e esposas... eu dedico esse capítulo ao amor! É disso que o mundo e as pessoas precisam ❤

Preciso agradecer imensamente a minha querida marida, sem ela, não teria capítulo hoje e não teria por mais um tempo. Tenho certeza que o capítulo não teria ficado tão especial quanto está. Obrigada dê 😘😘😘

Não teria foto melhor que essa para definir esse capítulo tão especial 💍💖

Vamos a leitura de mais de 6.000 palavras pra compensar vocês 😘😘😘

Capítulo 89 - A grande e inesquecível proposta!


Fanfic / Fanfiction Klaine Forever (Hiatus) - Capítulo 89 - A grande e inesquecível proposta!

Kurt (POV)

- Mercedes pega os talheres para salada por favor - pedi e ela foi até a cozinha.

- Já arrumaram a mesa? - meu pai perguntou.

- Quase tudo pronto já - Rachel disse.

- Oi gente - Blaine exaltou entrando pela porta da sala e eu abri um enorme sorriso junto a Rachel e Mercedes que já sabiam da minha surpresa - mãe - abraçou fortemente Pam - oi pessoal - Blaine foi abraçando um por um até chegar em mim e ficar parado na minha frente com um enorme sorriso - oi amor!

- Oi - suspirei sem tentar conter o gigantesco sorriso em meus lábios.

- Kurt, controla - Rachel cochichou disfarçadamente para mim.

- Blaine - David pareceu meio que repreender Blaine que logo balançou a cabeça para tentar parar de sorrir.

- Oi - Blaine repetiu o cumprimento dessa vez se aproximando e me abraçando.

Apertei bastante o abraço e fechei os olhos com meu rosto em seu pescoço, senti a respiração quente de Blaine em minha orelha e suas mãos deslizando delicadamente em minhas costas.

- Meu Deus, parece que eram vocês que estavam meses em estados diferentes - Finn comentou.

- Cala a boca Finn - Rachel disse com um enorme sorriso para mim e piscando não tão discretamente o olho.

- O Finn tá certo, porque esse abraço todo? - meu pai questionou sentando na mesa - algum motivo especial?

- Não, não, não! - logo neguei.

- Claro que não, são só saudades - Blaine disse balançando compulsivamente a cabeça - amor, posso falar com você? - Blaine perguntou.

- Claro - respondi e ele pegou minha mão me conduzindo até a pequena varanda na parte de trás da casa - Oque foi, amor?

- Eu tava pensando, nós fazemos um ano depois de amanhã e estamos de férias, oque você acha de usarmos as cortesias que minha mãe te deu da pousada dos apaixonados e passarmos uns dias apenas pra descansar e nos amar... - Blaine dizia rindo e segurando com firmeza nossas mãos.

- Amor, isso é perfeito! - o abracei circulando seu pescoço com meus braços e ele abraçou minha cintura.

- Que bom que gostou da ideia, acho que com toda correria de Nova York nós merecemos um tempinho pra nós - beijou meu pescoço.

- Mas pera... - afastei minha cabeça de seu ombro.

- Não, não precisamos fazer nada lá que você não queira, eu tô esperando...

- Não, não é isso. Voltaremos quando? Você disse uns dias...

- Não sei ué, a gente volta o dia que você quiser...

- Domingo! - eu disse rápido, até demais.

- Passaremos só uma noite lá? - questionou.

- É, a gente pode viajar juntos depois mas acho que deveríamos aproveitar essas férias da faculdade com nossa família - eu disse tentando o convencer.

- Se é oque você quer...

- Obrigada, que bom amor - o abracei novamente.

Depois de uns segundos entramos novamente e sentamos à mesa junto a todos.

- Você tinha ido aonde Blaine? - Pam questionou também sentando a mesa e eu olhei Blaine.

- É... eu tive que acompanhar o David em um lugar - respondeu um pouco nervoso.

- Que lugar? - questionei.

- Não é importante, deixa pra lá! - desconversou pegando a jarra de suco e eu o olhei confuso.

Decidi ignorar e lhe dei meu copo para que colocasse um pouco, todos já estavam a mesa e se servindo do almoço feito por Carole.

- Então, vão ficar aqui por quanto tempo? - Carole me perguntou.

- Amanhã nós iremos a pousada dos apaixonados e usaremos o presente da Pam que ela me deu de aniversário do ano passado - eu expliquei e dei uma leve piscada para Pam e as meninas por eu ter aceitado essa ideia de ir viajar agora somente para dar tempo das meninas arrumarem o quintal da casa de Blaine que seria o local que eu iria fazer a proposta.

- Sugeri da gente ir por conta do nosso aniversário - Blaine disse.

- Que romântico - Mercedes abriu um enorme sorriso pra nós.

- E voltam quando? - Carole perguntou.

- No domingo mesmo - respondi rapidamente.

- Eu gostaria de ficar mais um tempinho mas... - Blaine dizia.

- Pra que? - Pam o interrompeu - Depois vocês podem voltar lá e viajar de novo!

- Sim, foi oque eu disse a ele - eu disse de olhos arregalados.

- Calma gente - Blaine sorriu sem graça - eu só achei que o Kurt iria querer ficar mais um pouco lá.

- Não, ele quer voltar domingo! - Rachel disse com firmeza.

- Isso! Domingo! - frisei.

- Vocês estão estranhos. - Blaine disse nos olhando junto a David.

Meu pai começou a fazer perguntas sobre a nossa vida lá e apesar de contar tudo pra ele por telefone toda semana, eu contava agora para todos ouvirem. Ao final do almoço, David havia ido embora e Mercedes também, todos nós estávamos na sala conversando e rindo.

[...]

- Já falei pra Pam dormir no meu quarto, eu não me importo de dormir aqui na sala. - eu dizia.

- Oque houve com o quarto do Finn? - Rachel perguntou.

- A cama quebrou - Carole disse.

- Como? - Finn perguntou.

- Ah, você sabe - Carole disse dando um sorrisinho e meu pai a acompanhou nos fazendo arregalar totalmente os olhos.

- Aaaaaah - Finn reclamou levantando do sofá - que nojooo, no meu quarto não!

- Finn! - Carole o repreendeu.

- Enfim... - cortei o assunto fechando com força os olhos na esperança de não imaginar a cena - Pam dorme na minha cama, Blaine, Rachel, Finn e eu dormimos aqui na sala! - exclamei.

- Okay então - Pam concordou.

- Eu vou pegar um pijama meu pra te emprestar, Pam - Carole disse subindo junto a Burt.

- Até amanhã pessoal - Burt disse.

- Boa noite - respondemos juntos.

- Kurt... - Pam se aproximou de mim - vocês já... - arregalou os olhos - na sua cama?

- Não - respondi arregalando os olhos.

- E mesmo assim trocaram a roupa de cama né mãe - Blaine disse.

- Amor, a gente nunca fez aqui... - o olhei e ele me olhou confuso - na minha cama.

- Porque eu não faria nada na casa do seu pai né Kurt - Blaine disse.

- Mesmo assim - eu realmente estava impressionado com esse fato.

Pam subiu nos dando boa noite e Carole desceu com muitos lençóis e travesseiros para fazer a cama no tapete e subiu também.

- Tá, Rachel vai dormir no sofá e nós três vamos dormir aqui no chão - eu determinei.

- Eu queria dormir no sofá - Finn resmungou baixo.

- Mas você é um cavalheiro, lembra!? - Rachel disse sorrindo.

- Tem razão, e eu também não dormiria tranquilo com você deitada no chão com dois homens - Finn disse e eu e Blaine nos olhamos confusos.

- É verdade né, eu poderia aproveitar que você tá dormindo e apertar a bunda dela durante a noite - zombei começando a forrar o tapete e Blaine e Rachel gargalharam.

- É, ou eu poderia apertar os peitos dela - Blaine zombou e nós demos mais gargalhadas.

- Vocês são muito engraçadinhos né, quero ver conseguirem dormir uma noite sem ser ao lado um do outro. - Finn disse - aposto que não conseguem!

- Conseguir nós conseguimos - Blaine disse - mas não queremos!

- Há, dizem isso porque não conseguem, sempre tem que ser um grudado no outro, até no sofá vocês sentam agarrados - rebateu Finn.

- Porque nós gostamos de ficar juntos na maior parte do tempo - eu disse terminando de arrumar nossa "cama".

- Em TODO o tempo você quis dizer - deu ênfase - eu tenho um desafio pra vocês, por hoje, somente por hoje durmam com distância um do outro - Finn disse e eu e Blaine nos olhamos - No chão dorme o Blaine, eu e depois o Kurt!

- Finn...

- Vamos lá, provem que vocês não precisam do outro pra respirar.

- Na verdade, o Kurt é o ar que eu respiro! Um ar muito cheiroso por sinal. - Blaine disse sorrindo apaixonado e eu me aproximei dele.

- Ah amor, que lindo - beijei sua bochecha.

- Tá vendo, se desgrudem um pouco - Finn disse - aceitam o desafio?

Eu e Blaine nos encaramos e olhamos Rachel em seguida que estava com uma expressão comum.

- Aah... - resmunguei.

- Aceitaram! Ótimo! - Finn foi até Rachel lhe dar um selinho - eu vou dormir entre vocês hoje - disse deitando no meio da "cama" que eu arrumei.

Olhei Blaine com uma cara desanimada e ele também estava com a mesma expressão, Rachel deitou no sofá logo se cobrindo e eu apaguei as luzes e fui até Blaine que segurou minha cintura com suas mãos.

- Boa noite amor - sussurrei e lhe dei um beijinho no nariz.

- Eu não queria dormir assim - sussurrou com a cara emburrada.

- Eu sei... A gente consegue né!?

- Oque?

- Passar uma noite assim - apontei para o tapete e Blaine só me olhou emburrando mais a cara.

- Boa noite meu anjo! - se aproximou me dando um selinho demorado - eu te amo! - sorriu indo até o meu pescoço e me dando um longo cheiro me fazendo rir - Até amanhã - outro selinho.

- Até.

Deitei entre o Finn e o móvel da sala e Blaine deitou entre o Finn e o sofá em que Rachel estava.

Obviamente iria demorar um pouco até pegar no sono mas eu não imaginaria que seriam horas... Okay, exagero meu. Faz apenas 25 minutos que eu estou tentando dormir e não conseguindo, já virei para todos os lados, fechei os olhos e pensei em coisas boas, cantei mentalmente músicas lentas e nada.

Comecei a sentir algo na minha perna e quando olhei era Blaine subindo em cima de mim, abri um imenso sorriso ao vê-lo.

- Porque demorou tanto? - sussurrei de maneira bem baixa.

- Eu queria ter certeza que você não tinha dormido ainda, aí você virou e eu vi seus olhinhos abertos - cochichou entrando debaixo do meu edredom - dificuldades pra dormir?

- Claro, eu tava sem você - sorri beijando sua nuca enquanto ele ajeitava o corpo - vamos ter que nos espremer pra não encostar no Finn.

- Que sacrifício - ele zombou e eu sorri um pouco alto - Shiii.

Blaine deitou metade do seu corpo sobre mim e metade do tapete por conta do espaço, sua cabeça estava em meu pescoço e meu braço circulava seu pescoço fazendo um cafuné em seus cachinhos. Blaine, de olhos fechados, mexia em minha orelha delicadamente com sua mão e com sua perna sobre as minhas.

- Boa noite meu anjo precioso, eu sou o homem mais sortudo por ter você ao meu lado - Blaine sussurrava de maneira bem baixa - eu sei que teremos muitas crises, briguinhas bobas e até discussões no futuro. Mas eu prometo nunca desistir do amor que eu sinto por você, você é o homem que eu quero e que eu preciso pra ser feliz e completo, obrigada por tudo que você forneceu a minha vida! Eu te amei ontem, eu te amo hoje e te amarei pra todo o sempre!

Fechei meus olhos tentando conter as lágrimas mas mesmo assim elas ousaram escorrer. Blaine levantou a cabeça e começou a limpar delicadamente meu rosto em seguida beijando o mesmo de forma carinhosa.

- Não precisa falar nada, sei que você sente o mesmo! - depositou um selinho demorado em meus lábios.

- Eu tenho mais certeza do que nunca que é você e que eu tô fazendo a escolha certa - sussurrei ainda de olhos fechados.

- Que escolha? - questionou.

- Ah - abri os olhos - namorar com você, a melhor coisa que eu poderia fazer é namorar você! - sorri lhe dando um beijo para mudar de assunto.

[...]

Sábado (manhã)

Blaine (POV)

- Senhor Burt, eu sei, eu já esperava que o senhor achasse apressado e tal, mas eu sinto, eu sei que esse é o momento. Eu quero me casar com o seu filho, eu quero muito chamá-lo de meu marido!

Burt que antes me olhava, agora, olha o nada soltando uma risadinha rápida.

- Oque foi? - questionei.

- Nada disso parece real sabe, a um ano eu havia mudado o Kurt de colégio por conta do bullying que ele sofria por ser quem é, eu o ouvia falar que ele nunca encontraria alguém que o amasse do jeito dele, com a aparência que ele tem e com a voz que ele possui... Mas aí apareceu você. - sorriu - um garoto inteligente, simpático e que já deu inúmeras provas de que ama meu filho mais do que tudo. E agora estamos aqui, um ano depois, com você me pedindo a benção pra se casar com o meu pequeno menino - uma longa pausa olhando o chão - apesar de achar vocês jovens e muito novos pra um compromisso tão importante... Eu abençoo vocês, eu abençoo essa união!

- Meu Deus! - pus as mãos sobre a boca - obrigada senhor Burt, muito obrigada - fui até ele o abraçando fortemente.

- Você é um bom garoto Blaine... um ótimo garoto! - retribuiu o abraço - como vai fazer o pedido?

Me afastei do abraço limpando uma pequena lágrima de emoção que escorreu.

- Bom, essa viagem é uma desculpa porque lá é muito romântico e eu quero fazer o pedido assim que amanhecer o dia do nosso aniversário.

- Bem romântico.

- É, só não fala com ninguém por favor. - pedi.

- Não, não, pode deixar!

Saímos do quarto de Finn para não levantar muitas suspeitas sobre o porquê de estarmos conversando em um quarto fechado e eu desci rapidamente as escadas.

- Vamos amor? - chamei Kurt que conversava com minha mãe e Rachel.

- Ah, sim, vamos! - se exaltou bem alto - até meninas, eu confio em vocês! - falou mais baixo porém eu escutei e lhe olhei um pouco confuso.

Pegamos nossas malas e fomos para o carro.

- Até amanhã - nós dissemos.

- Boa viagem - Carole acenou sorrindo.

Eu liguei o carro, Kurt ligou o som e assim demos partida rumo a pousada mais romântica segundo minha mãe. Não era tão longe por isso iríamos de carro mesmo, apenas em duas horas conseguiríamos chegar ao local. Kurt e eu conversávamos e ele estava bem animado cantando, mexendo os braços no ritmo das canções e falando comigo.

- Aí dá pra acreditar que ele ousou usar aquele tecido em pleno 2018!? - ele dizia - é totalmente irracional.

- Sim, totalmente irracional - concordei olhando a rua.

- Ainda mais nessa época do ano!

- Pois é! - eu só concordava.

- Eu primeiro chorei sangue por ver as cores que ele escolheu pra representar a coleção, aí depois eu fico sabendo dessa escolha de tecido! - sorria olhando a janela - é pedir pra falir a marca né.

- Com certeza!

- Você tá entediado com esse assunto? - questionou me olhando.

- Não, tá tudo bem - sorri e pus uma mão em sua coxa - eu gosto de ouvir você contando suas coisas.

- Podemos falar de outra coisa - sugeriu pondo sua mão por cima da minha.

- Nem precisa, já chegamos - sorri olhando a pousada a alguns metros de distância.

- Nossa, é bem na praia mesmo - Kurt comentou animado quase grudado no vidro da frente do carro admirando a paisagem.

Peguei meu óculos de sol amarelo e pus em meu rosto. Estacionei o carro em um local próprio para os carros dos hóspedes e cada um pegou sua mochila. Kurt andava admirando loucamente o local que por sinal era bem lindo e romântico. Haviam flores por todos os lados, uma decoração linda e uma pousada enorme com pequenas sacadas nos quartos, uma piscina enorme e por todo lindo gramado haviam vários coelhinhos correndo por todo lugar na qual Kurt foi atrás na hora.

- Boa tarde - uma mulher bem animada me cumprimentou na porta.

- Boa tarde - respondi.

- Possui reserva? - questionou.

- Mais ou menos - eu disse pegando as cortesias no bolso - me perdoa eu não sei muito bem como funciona mas minha mãe deu de presente e eu acho que vale pra data que quisermos. - lhe entreguei.

- Ah sim, essa cortesia é especial, ela vale pela melhor suíte e com todas as cortesias da pousada como refeições, champangne e tudo que quiserem pedir pelo serviço de quarto já pago. - me explicou.

- Que bom, e já podemos nos hospedar?

- Claro, me acompanhe - começou a andar - sua namorada já está a caminho?

- Na verdade já tá aqui, ele deve estar atrás dos coelhos pra tirar foto - eu disse rindo.

- Espera, ele? - questionou se virando para mim.

- Sim - respondi a olhando atentamente.

- Você é filho de Pam Anderson? - me perguntou.

- Sim.

- Ah, finalmente resolveram usar essas reservas né - ele abriu um caderno com um grande sorriso.

- Como assim? - questionei confuso.

- Eu me chamo Aria e sou a dona da pousada, eu e Pam somos muito amigas, quando ela e o Eric se separaram ela vinha aqui sozinha só pra poder passar um tempo, pensar, ela gosta desse lugar, às vezes vinha até pra me fazer uma visita quando estava por essa região. - apontou para o lugar - Só que a muito tempo ela reservou essa cortesia dizendo que é para o filho dela e o namorado super lindo que você, no caso, tinha arrumado - ela disse e eu sorri - Ela dizia que o sonho dela era ver você feliz com o homem que ama aproveitando esse lugar porque ela gosta muito. Aí como você me mostrou as reservas especiais e falou namorado eu liguei a ela sabe!?

- Tudo bem, eu entendi. Fico feliz de ter conhecido uma amiga da minha mãe e esse lugar é muito lindo mesmo - me aproximei - e é exatamente por isso que eu quis vir aqui nessa data, amanhã eu e meu namorado fazemos um ano juntos - eu disse e ela abriu a boca em um enorme sorriso, me aproximei sussurrando a próxima parte - e eu adoraria que você pudesse me ajudar na organização pra pedi-lo em casamento amanhã!

- AAH - não conteve um pequeno gritinho levando suas mãos a boca - meu Deus, que lindo! Pode contar comigo!

- Oi, tá tudo bem aqui? - Kurt se aproximou.

- Amor - pus a mão em sua cintura - tudo ótimo, essa daqui é a Aria, ela é amiga da minha mãe e a dona da pousada.

- Prazer - Kurt estendeu a mão para Aria que logo apertou - eu sou o Kurt!

- Esse é o meu lindo namorado que minha mãe falou - eu comentei rindo circulando com meu braço a cintura de Kurt que me olhou com os olhos arregalados provavelmente por eu ter falado aquilo.

- Que coisa linda, sua mãe não poupou nos elogios pra falar de vocês mas agora eu vejo que todos estavam a altura - sorriu.

- Obrigada - sorri.

- Bem, venham, vou levá-los ao quarto de vocês - pegou uma chave dourada em formato de coração.

Aria começou a caminhar até as escadas e nós a acompanhamos de mãos dadas logo atrás, tudo era muito elegante, todos os enfeites eram no tema romance e paixão. Kurt apontava para os detalhes me chamando para ver e sorrindo apertando minha mão em felicidade. Chegamos ao quarto de número 35 e Aria abriu a porta para nós. O quarto era simplesmente lindo e elegante, todo em cores vivas em diferentes tons de vermelho, branco e dourado, um sofá enorme, o chão totalmente coberto por um veludo vermelho claro, uma sacada linda com vista para o mar com direito a um pequeno ofurô feito para dois, mas parte que mais me chamou atenção e me deixou até de certa forma excitado foi a gigantesca cama de casal redonda e vermelha com diversas almofadas vermelhas e brancas redondas e em formato de coração.

- Eu estou completamente encantado - Kurt dizia olhando a vista da sacada - nós podemos usar o ofurô a hora que quisermos? - Kurt perguntou.

- Claro, enquanto estiverem hospedados ele está a espera de vocês para ser usado a hora que quiserem - Aria respondeu sorrindo - essa porta é o banheiro... - abriu a porta.

O banheiro era relativamente grande em granito bege com uma enorme banheira cheia de pétalas de rosas e toalhas e roupões vermelhos.

- No armário tem loções do amor e óleos da paixão - piscou sorrindo para nós apontando para o armário em questão.

- Não devia ter dito isso, esse garoto aqui ama loções de banho - eu disse apontando para Kurt e os dois gargalharam.

- Bom, os deixarei a sós agora - Aria se aproximou da porta do quarto - devo somente informá-los que o serviço de quarto atende 24 horas do dia para trazerem oque vocês desejarem, basta ligar por aquele telefone, a recepção é aberta 24 horas também então vocês podem sair e entrar a qualquer hora que sempre estará alguém para recebê-los. - apontou para um telefone na parede - no criado mudo possui proteção, só não tenho certeza se o quarto está equipado com lubrificantes mas é só vocês pedirem que eles trazem pra vocês!

- Ah, obrigada - agradeci franzindo os lábios.

- Acho que é isso, obrigado por se hospedarem em nossa pousada. - sorriu e saiu pela porta.

- Ela é bem simpática né - eu disse.

- É... Esse quarto é bem chique né - Kurt olhou para a cama que até véu em volta possuía - bem romântico. - ele disse um pouco mais baixo e eu notei uma pequena preocupação em seu olhar.

- Amor - me aproximei por trás - não faremos nada, só porque estamos nesse lugar não muda o fato de que nós não estamos fazendo sexo.

- Mas essa cama meio que pede né - pôs a mão em frente aos lábios olhando a enorme cama.

- Verdade, mas não precisamos pensar nisso, nada vai mudar. Okay? - indaguei.

- Okay - virou para mim sorrindo - oque você quer fazer?

- Eu quero ir pra praia - abri um enorme sorriso.

- Então vamos!

- Perai - segurei sua mão - eu quero ir pra praia agora mas eu também quero ir amanhã.

- Tá bom, a gente vai - sorriu.

- Mas eu quero ir de madrugada, amanhã - eu disse e ele me olhou confuso - vamos ver o sol nascer na praia juntos.

- Mas porque tão cedo?

- Porque eu quero ver o nascer do sol com você, no nosso aniversário.

- Tá bom, você me acorda se não eu não vou levantar.

- Eu sei - gargalhei.

Kurt foi até sua mochila que estava sobre o sofá e o olhei somente pensando no pedido de amanhã. Nada mais romântico que ver o sol nascer no dia do nosso aniversário de um ano e pedi-lo em casamento sobre a areia da praia com várias pétalas de rosa, balões e velas cedidos por Aria que seria minha grande cúmplice no pedido.

[...]

10 horas depois...

- Hmm - Kurt suspirou apertando meus cachos com sua mão.

Eu estava, de quatro, sobre Kurt beijando seu pescoço de forma intensa e molhada. Kurt roçava sua perna em minhas nádegas de maneira levantada sobre meu corpo. Comecei a chupar seu pescoço e Kurt soltou uma espécie de gemido e com uma mão ele puxava meus cachos e a outra começou a arranhar minha pele na parte das costas de maneira forte com suas unhas.

Desci meus lábios por seu peitoral distribuindo beijos e pequenas mordiscadas chegando ao seu peito o apalpando com minhas mãos enquanto lhe olhava nos olhos, levei meus lábios até seu mamilo passando minha língua e depois o mordendo de uma forma sensual.

- Hm - gemeu fechando os olhos.

Sorri e continuei a descer meus lábios por seu corpo chegando até sua barriga e lambendo-a de forma molhada. E para minha emoção eu pude ver sob o pano de sua cueca sua ereção enorme que a tantos meses eu não tinha o prazer de ver, e Kurt aparentava conforto com seus olhos fechados enquanto apertava meus cachos.

- Amor, eu posso... - sussurrei olhando sua ereção - beijar ele?

Kurt abriu os olhos me olhando por cima e respirando de forma ofegante pelas sensações fornecidas.

- Por cima da cueca, por favor? - pedi novamente e Kurt apenas me olhou fixamente nos olhos.

Kurt engoliu em seco e assentiu com a cabeça. Voltei a olhar seu órgão e lambi meus próprios lábios os levando entre abertos até seu membro por cima do pano da sua cueca verde clara. Suspirei e dei uma longa lambida deixando o pano da cueca molhada por minha saliva.

- Aah - Kurt gemeu um pouco alto contorcendo o corpo na cama.

- Meu Deus - sussurrei fechando os olhos com força.

Levei minha mão até seu pênis deslizando meus dedos por cima com delicadeza.

- Você é um tesouro humano - sussurrei dando um selinho em seu membro.

Deslizei mais um pouco meus dedos até a barra de sua cueca e fui abaixando de maneira lenta, chegando na virilha pouquissimo antes de seu pênis Kurt abriu os olhos.

- Bee, eu não quero que você veja... - pediu.

- Tudo bem - soltei sua cueca, lhe dei mais um selinho em sua ereção e subi sobre seu corpo voltando a beija-lo nos lábios.

Continuamos com os quentes amassos porém sem passar daquele nível de intimidade. Após muitos longos minutos nos pusemos a dormir, Kurt de barriga para cima e comigo o abraçando por cima de seu corpo com a perna dobrada sobre sua barriga, apenas de cueca sem absolutamente nada entre nossos corpos oque de fato nunca havíamos feito depois do trauma.

[...]

- Ele já tá descendo! - eu disse - eu tô tão nervoso - confessei.

- Calma, vai dar tudo certo! - Aria pôs a mão sobre meu ombro.

- Já tá tudo arrumado? - questionei pela 5° vez.

- Da maneira mais romântica e especial possível! - sorriu por ter que me responder isso de novo - Blaine, acalme-se, vai dar tudo certo!

- Bom dia! - Kurt disse descendo as escadas coçando os olhos.

- Bom dia - Aria o respondeu.

- Tá pronto? - questionei enquanto ele deitava a cabeça em meu ombro pelo sono.

- Sim - sussurrou de olhos fechados.

- Então vamos? - perguntei.

- Sim, tá vendo oque é amor - Kurt disse levantando a cabeça olhando para Aria - eu não estaria acordado 5:30 da manhã para nenhum outro homem nesse mundo! - Garanto que você não vai se arrepender - eu disse beijando sua bochecha - Já vamos então, até daqui a pouco!

- Até - Aria acenou para nós com um enorme sorriso.

Peguei a mão de Kurt e começamos a caminhar para fora da pousada. O plano era ir até a praia no local arrumado e deitarmos no lençol olhando o céu até o minuto que o dia começar a amanhecer e será nesse exato momento que eu irei me ajoelhar e pedir a mão de Kurt. O anel estava no meu bolso e Aria me garantiu que tudo já estava arrumado na praia, um lençol vermelho forrado na areia com várias rosas e pétalas jogadas com algumas velas em volta.

A medida que atravessavamos a rua para chegar a praia eu notei que o céu estava mais do que escuro, olhei várias vezes o relógio para ter certeza da hora e era exatamente 5:40 da madrugada, o sol nasceria a qualquer momento mas o céu não indicava isso de jeito nenhum. Chegamos na areia e de longe eu vi o local arrumado por Aria e sua amiga da pousada, Kurt ainda não havia visto pois seu olhar estava focado no mar com ondas batendo com força.

- Ih - Kurt disse e eu o olhei - um pingo de água, acho que vai chover, amor. - Kurt disse limpando a água do rosto.

- Será? - questionei olhando o céu e senti uma gota em meu braço - não pode ser - eu dizia não acreditando.

- Tá sim amor - Kurt disse olhando os pingos que começaram a cair com mais frequência na areia.

- Porra! - exclamei indignado.

- Calma, bee - Kurt me olhou - é só uma chuva.

- Não Kurt, é uma maldita chuva que veio na pior hora. - soltei sua mão limpando a água do meu rosto - droga!

Kurt estava claramente confuso com minha reação e os pingos d'água só aumentavam começando a nos molhar de verdade, olhei para o local onde seria o pedido e as velas já estavam apagadas com o lençol começando a encharcar.

- Merda! - exclamei em raiva.

- Oque foi Blaine? - Kurt perguntou me olhando com os braços cruzados em frio.

- Nada, vamos voltar, você vai acabar ficando resfriado - peguei sua mão e comecei a andar o levando de volta a pousada.

Em menos de 3 minutos nós estávamos na porta da pousada com Aria olhando de olhos arregalados o tempo.

- Eu não acredito - ela dizia pasma - que absurdo!

- Gente, é só uma chuva - Kurt disse - calma.

- Oque vocês vão fazer agora? - Aria questionou me olhando.

- Vamos subir e tirar essa roupa molhada - eu disse.

- E depois? - perguntou relativo ao pedido e Kurt franziu as sobrancelhas.

- Eu vou ter que dar meu jeito! - respondi - vamos subir.

Peguei novamente a mão de Kurt e nós começamos a subir as escadas.

- Eu acho a Aria bem simpática mas ela não é muito intrometida? - Kurt indagou tirando a camisa - sei lá, fica perguntando oque a gente vai fazer...

- Pode ser - eu disse frustrado fechando a porta.

- Eu não vou tomar banho não - Kurt disse tirando a bermuda - vou só voltar a dormir.

- Tá - caminhei até a sacada olhando a praticamente tempestade que caía lá fora.

- Tira essa roupa molhada amor - Kurt disse se jogando na cama.

- Tá. - respondi voltando a olhar a praia e começando a retirar minha roupa.

- Dá pra você não fazer isso aí - Kurt pediu - tem quartos aí na frente e eu não quero você se exibindo assim pros outros.

Apenas assenti com a cabeça e saí da sacada fechando as portas, eu estava mega frustrado e chateado com a situação. Meu pedido de casamento acabou de ser estragado e eu não tinha um plano B. Ou tinha?

- Amooor - Kurt me chamou me tirando de meus devaneios - vem deitar comigo - pediu de maneira manhosa só de cueca na cama.

Sorri para ele e subi na cama indo para o seu lado, Kurt me deu um selinho demorado nos lábios com as mãos sobre meu rosto.

- Não fica chateado não, ainda teremos muitos amanheceres para vermos juntinhos - abraçou suas pernas nas minhas.

Apenas assenti com a cabeça e ele beijou minha testa, Kurt me abraçou de frente e pelo sono de ter acordado cedo logo voltou a dormir, eu alisava seu rosto de forma carinhosa. Assim que tive certeza de que Kurt entrara em um sono profundo me afastei com calma e sem fazer barulho levantando da cama. Peguei meu celular, vesti o short e saí do quarto.

- Alô, mãe. Preciso da sua ajuda - eu disse ao telefone.

[...]

Autora (POV)

- Não vamos chegar a lugar nenhum com essa discussão! - Burt disse.

- Oque nós podemos fazer Burt? - Pam retrucou.

- Contar a eles oque tá acontecendo! - Burt rebateu.

- E estragar o planejamento de pedido dos dois!? - Carole indagou - que ideia de lixo!

- E você quer mandar os dois pro quintal com cada um pensando que é o seu pedido? - Burt rebateu.

- Sim, nós não podemos fazer nada! - David exclamou - Blaine ta sonhando com esse pedido e pelo que a Rachel disse o Kurt também. Os dois compraram alianças e se eles logo chegarão aqui e nós vamos recebe-los dizendo "Oi, vocês iam se pedir em casamento e nós não tivemos uma ideia melhor do que estragar tudo e contar a vocês! Desculpa!" - David fingiu o diálogo - não dá gente, eu não vou fazer isso ao meu amigo!

- Mas gente, não temos oque fazer a não ser dizer oque tá rolando. - Finn disse.

- Gente - Rachel levantou do sofá - o Kurt confiou em mim, na Mercedes e na Pam pra fazer o jantar mais romântico pra ele propor o Blaine. Eu não vou estragar isso!

- Eu também não! - Mercedes disse.

- O Blaine vem planejando esse pedido a muito tempo, eu não vou deixar que contêm ao Kurt da surpresa! - David rebateu.

- Mas temos que fazer isso! - Finn rebateu também.

- Não temos escolha! - Pam aumentou a voz levantando do sofá - eles nos pediram algo, e nós vamos fazer isso pra eles! - finalizou de maneira firme.

[...]

- Here we go again, I kinda want to be more than friends... - Kurt cantava rebolando no banco do carro - So take it easy on me, I'm afraid you're never satisfied... - Kurt fazia uma cara extremamente sexy enquanto cantava.

- Isso tá me deixando excitado - Blaine anunciou e mudou a rádio do carro.

- Ah, eu amo essa música - Kurt disse ao ouvir a melodia de "The boy is mine" e começou a cantar - ...had about enough, It's not hard to see, The boy is mine... - ele cantava como se estivesse cantando pra alguém - I'm sorry that you, Seem to be confused, Blaine belongs to me, The Blaine is mine.

- Kurt!? - Blaine indagou o olhando.

- Oque? Eu só tô cantando - deu de ombros.

- Pra quem em particular? Porque parecia que você tava querendo deixar nítido pra alguém que eu sou seu! - Blaine vira em uma curva.

- Bom, eu não preciso dizer, o mundo já sabe que você é meu, todiiiinho meu. - Kurt disse voltando a olhar a janela.

- Okay, chega de música, é melhor! - desligou o rádio.

- Chegamos até que rápido né - Kurt disse ao entrar na rua da casa de Pam.

Blaine assentiu com a cabeça e após alguns metros estacionou o carro na calçada de sua casa. Kurt e Blaine saem do carro e se dão a mão com os dedos entrelaçados.

- São 20:40, até que chegamos cedo - Blaine diz olhando o relógio em seu pulso.

- Você tá cansado? Eu disse pra eu dirigir na volta - Kurt diz segurando o braço de Blaine e deitando a cabeça em seu ombro.

- Não precisava, eu nem tô cansado a gente acordou tarde pra caramba por causa de você!

- Ah para, você gostou de ficar até 11 horas na cama deitadinho comigo - Kurt beijou o pescoço de Blaine o fazendo rir.

Continuamos caminhando até em fim chegar na porta principal, ao destrancar a porta os meninos tem uma enorme surpresa. Uma trilha de pétalas brancas e vermelhas com pequenas velas com proteção faziam um caminho no chão da casa, Kurt e Blaine se olharam e decidiram seguir a trilha. A casa estava escura com as luzes bem fracas, não havia nenhum sinal de alguém que possa estar presente na residência.

A trilha levava até o quintal, Blaine arrasta a porta de vidro que dá ao enorme gramado e se deparam com a linda visão de uma mesa com duas cadeiras no meio do quintal, a mesa estava forrada em uma toalha vermelha com dois pratos em cima e taças com uma garrafa de champangne ao lado, velas e presas nas árvores haviam pisca piscas deixando o céu a parecer bem estrelado e iluminado.

Os olhos dos meninas brilhavam em tamanho encantamento pela romântica, sofisticada e linda visão. Se olharam novamente sorrindo e caminharam até a mesa. Blaine se sentou e Kurt fez o mesmo em seguida, ambos mantinham os olhares fixos nos olhos um do outro em total curiosidade. Ambos estavam de fato intrigados por não ver tamanha surpresa nos olhares do amado já que o mesmo não sabia desse jantar todo.

- Vamos comer então - Blaine deu uma risada nervosa.

Kurt o acompanhou e ambos levantaram suas tampas revelando um rico prato de macarrão.

- Fetuccine Alfredo, meu favorito! - Kurt abriu um enorme sorriso.

- Nosso! - Blaine sorriu também - tá com uma cara ótima.

Blaine pegou a garrafa de champangne e serviu os dois pondo meia taça apenas. Nervosos, pegaram suas taças e as ergueram.

- À uma noite inesquecível! - brindaram juntos arregalando os olhos por terem dito a mesma coisa logo cedendo a uma risada.

Começaram a comer fazendo expressões de admiração pelo prato por estar tão apetitoso. Após alguns minutos de apenas talheres batendo nos pratos, sorrisos nervosos e olhares apaixonados e tímidos, Kurt quebrou o silêncio.

- Eu adorei a pousada, podemos voltar lá mais vezes.

- Eu vou amar, na verdade tudo que envolva você eu com certeza amarei! - Blaine disse e Kurt sorriu corando - Podemos ir pra lá a cada 6 meses pra tirar um tempo pra relaxarmos e passarmos uns dias namorando. - sugeriu.

- Sim, eu tava pensando a mesma coisa.

- Temos pensado muito igual ultimamente - Kurt disse baixando a cabeça.

- Também percebi isso - Blaine concordou comendo mais uma garfada do macarrão - sabe, até que passamos um bom aniversário juntos.

- E ainda não acabou... - Kurt disse com um sorriso misterioso intrigando Blaine por um momento.

- Com certeza não! - concordou.

Após mais olhares, mais sorrisos e ao final da refeição, Blaine e Kurt fixaram seus olhares um no outro com o coração batendo de forma mais acelerada.

- Blaine, eu te amo!

- Eu te amo, Kurt!

Ambos estavam sérios e completamente nervosos por dentro apesar de estarem seguros do que queriam com toda a certeza.

- Eu sinto que... que não existe mais ninguém como você no mundo - Kurt dizia - e... eu tenho certeza de nunca seria tão feliz com outra pessoa como eu sou com você!

- Você me provou que sim, existe alma gêmea, existe amor a primeira vista, existe amor verdadeiro porque você é isso tudo pra mim, você é o meu tudo Kurt! - Blaine tinha lágrimas nos olhos.

- Você é o meu tudo Blaine, eu não saberia viver sem o seu amor, sem você ao meu lado. - Kurt não estava diferente de Blaine e tinha seu rosto bem avermelhado.

- Eu sonhava em encontrar o amor, eu insistia em pessoas erradas tentando provar pra mim mesmo que as músicas de amor eram verdadeiras, e com você... eu escrevo nossas próprias músicas de amor!

- A ideia de me apaixonar, amar, casar e ter filhos me apavorava muito porque eu tinha medo de me aproximar de alguém e não ser recíproco. Mas eu tenho certeza absoluta que você sente tudo isso por mim e muito mais.

- Você é o amor da minha vida! - Blaine deixou uma lágrima escorrer.

- Você é o amor da minha vida! - Kurt exclamou com um enorme sorriso.

Blaine e Kurt levantaram de suas respectivas cadeiras ficando totalmente em pé, caminharam até o lado da mesa e se olharam. Blaine levou sua mão ao bolso de trás da calça e Kurt em seguida, Blaine baixou o olhar completamente emocionado, pelo oque estava prestes a fazer, ao mesmo tempo que Kurt se ajoelha. Blaine o olha confuso e se ajoelha também. Os dois continuam se olhando ambos com um joelho no chão e o outro dobrado e mesmo em completa confusão não falam absolutamente nada até o momento que erguem as caixinhas para frente.

Blaine olha a caixinha vermelha de veludo de Kurt e abre a boca em total surpresa. Kurt olha a caixinha preta de Blaine e seu rosto paralisa começando a ficar completamente molhado por suas lágrimas que começaram a escorrer sem parar.

- Meu Deus! - Blaine sussurrou sem tirar os olhos da caixinha vermelha.

Kurt caiu em total choro pondo as mãos no rosto. Blaine completamente estático abriu sua caixa, Kurt olhou o lindo anel dourado e se pôs a chorar mais. Passou a mão no rosto em tentativa de limpa-lo e ergueu sua caixinha novamente a abrindo e o mostrando uma aliança um pouco mais grossa que a de Blaine também em ouro.

- Kurt... - Blaine não conseguia dizer mais nada pois a comoção e emoção consumiam seu corpo totalmente.

- Blaine... - Kurt sussurrou - você quer... - as palavras de Kurt também sumiram em vista que sua respiração era completamente ofegante porém com um sorriso enorme no rosto.

- Kurt... - Blaine disse como se não conseguisse pronunciar mais nada a não ser o nome de seu amado.

Os dois se olharam fixamente nos olhos de cada um e chegaram a conclusão que não iriam ser capazes de fazer tal pedido. Então apenas pronunciaram juntos...

- Sim!


Notas Finais


E ai??? Oque acharam do capítulo???
GOSTARIA MUITO DE SABER OQUE ACHARAM DESSE CAPÍTULO!!! ❤

Beijos e até domingo 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...