História KorrAsami - capítulos únicos - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Avatar: A Lenda de Korra
Personagens Asami Sato, Bolin, Korra, Kuvira, Mako, Personagens Originais, Tenzin
Tags Asami, Avatar, Historiascurtas, Korra, Korrasami, Ones, One-shot, Thelegendofkorra, Únicos
Visualizações 85
Palavras 1.054
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishounen, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Harem, LGBT, Luta, Poesias, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Survival, Universo Alternativo, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu sei que dia das crianças é só dia 12. Mas como não tenho atualizado nada por conta de bloqueios, vim trazer isso já que saiu algo.
Boa leitura.

Capítulo 13 - Kids day


Pov: Asami


- Korra, acorda, Korra! – A chamei sacudindo de leve para não assusta-la. Já havia amanhecido, eram por volta de dez horas, quando a avatar não tinha tantas obrigações com a cidade, ela aproveitava o final de semana para dormir até tarde, principalmente porque agora, tínhamos... filhos.

- Já acordei! – ela se levantou coçando os olhos e com os cabelos curtos desgrenhados. Me sentei ao seu lado, ajeitando seus fios e ela me olhou, ainda grogue pelo sono e sorriu.

- Bom dia! – eu disse.

- Bom dia, amor. – Sua voz ainda rouca soou pelo ar.

- Levanta, vamos levar as crianças para fazer piquenique, lembra? Você prometeu a elas, que inclusive, estão te esperando.

- Ai... Eu já vou! Queria dormir só mais cinco minutos, não foi suficiente.

- Nada disso, tome um banho gelado, te espero lá embaixo. – Dei um beijo em seu rosto e desci as escadas para falar com as crianças.

- Saori, Kane! Desçam já do sofá! Vocês só vão parar de pular se quebrarem um braço?

- Desculpa, mama. – Kane disse descendo e ajudando Saori a fazer o mesmo.

- Pede desculpa para a mama, Saori. – ele disse.

- Desculpa, mama. A mommy vai demorar? Quero brincar com ela logo!

- Ela está tomando banho, vão ver desenho enquanto vou por as cestas de comida no isopor e levar para o carro, tudo bem? – eles assentiram e correram até o sofá e ligaram a tevê.

Depois de longos e exaustivos minutos Korra apareceu e as crianças pularam nela todas felizes. Ter esta visão todas as manhãs era tudo o que eu poderia pedir, era claro que as crianças eram completamente apegadas a Korra e Korra com as crianças. O que as vezes formava um complô contra mim por eu ser a mãe rabugenta da história. Mas são só cuidados!

- Vamos gente?

- Sim!!!

- Amor, você já pegou as malas?

- Sim, estão no porta-malas.

- Mulher, eu te amo. Eu esqueci de fazê-las ontem.

- Eu sabia que você iria esquecer e fiz a de todos nós. Você só não esquece a cabeça porque está grudada.

- Desculpa.. – ela fez um biquinho me fazendo ir beija-la. As vezes eu não sei quem era mais crianças: nossos filhos ou Korra.

Entramos no carro e dirigi até uma casa de campo que usávamos para passar as férias. Era um lugar tranqüilo, ficaríamos até Domingo e viriamos embora a tarde, a cachoeira que havia era perfeita para as crianças brincarem. A viagem durou cerca de duas horas, com uma Korra cantarolando por todo o trajeto. As crianças riam de seus falsetes e ela dizia que nunca poderiam rir de uma musa do pop.

Logo que chegamos, depois de deixarmos nossas coisas na casa, tirei as cestas que estava em um isopor em conserva e Korra montou tudo depois de por um pano para que sentássemos.

O dia bonito e tranqüilo, toda a natureza havia de estar feliz aquele dia. Fizemos a refeição proveitosamente, Korra contava as famosas histórias sobre quando era criança, histórias essas que as crianças estavam cansadas de saber mas que ainda a ouviam com tamanho brilho nos olhos. Sua mãe era uma heroína e uma figura pública completamente prestigiada pelo povo, o que aumentava ainda mais a imaginação daqueles que a ouviam.

A avatar era cuidadosa com aqueles que amava, por mais que seu trabalho fosse duro, eu tinha certeza que ela lutava dez vezes mais por ter a alguém para quem retornar, alguém com quem pudesse contar mais de suas histórias que eram fascinantes até para mim. E por que não seriam? Toda a admiração que eu sinto por essa mulher, sentada a minha frente, com o sorriso tão lindo, era sem igual e imensurável.

- Vamos fazer cócegas na mama? – Korra falou e as crianças me olharam com cara levada e vieram para cima de mim, por mais que eu tentasse afastá-los era tarde demais, até a morena estava em cima de mim acertando os pontos que me faziam rir cada vez mais alto.

Sem fôlego algum, eu pedi arrego e todos se deitaram ao meu lado e começamos a observar o céu.

- Olha mama, aquela nuvem parece a Naga! Grande, fofa e branquinha! – Saori disse apontando para a nuvem que realmente parecia a cão urso polar.

- Aquela parece um coração! – Kane disse.

- Hmmm... aquela parece... um..

- elefante! – Korra concluiu minha fala e eu a olhei rindo de sua empolgação.

As horas pareciam passar devagar enquanto estávamos deitados. Após recolhermos tudo e lavar, Korra quis entrar na água da cachoeira com as crianças e eu fiquei apenas na borda, apoiada em uma pedra enquanto Korra jogava jatinhos de água nas crianças com sua dominação e de vez em quando jogava em mim também, de implicância. Me juntei a elas, para atacar Korra.

- Não pode usar sua dominação, avatar! É injusto!

Korra se rendeu e tentou se defender das aguas que ia para cima dela. Quando já nos vimos cansadas, saímos e deixamos as crianças brincando por ali.

- Acho que estou ficando velha.. – Korra disse, deitando com a cabeça apoiada em meu colo.

- Percebeu agora, avatar?

- Hm.. acho que sim.. quer dizer, eu sei que uma parte de mim vai ser uma eterna criança.

- Certamente que sim. Você é minha criança no fim das contas, eu cuido de ti, sua mãe apenas te deu uma eterna babá.

- Uma melhor amiga, uma namorada, esposa, amante e uma babá? Eu sou muito sortuda por ter tudo isso em uma única mulher.

- Feliz dia das crianças, então?

- Cadê o meu presente, mama?

- Mais tarde eu te entrego, quando nossos filhos estiverem dormindo.

- Mas as crianças não devem dormir cedo? Como vai funcionar, mama?

- Prometo que te farei dormir do melhor jeito possível!

Ela sorriu com os olhos brilhando e seguimos o fim de tarde daquela forma. Diante de muitas brincadeiras com nossas crianças, porque no fim, nós não seremos para sempre e nem elas serão crianças para sempre, por isso, preservamos sua inocência a cada dia lhes dando o melhor de nós e cá entre nós: não há nada melhor do que deixar fluir nossa criança interior, todos somos uma!

Feliz dia das crianças para você ai do outro lado da tela também!


Notas Finais


Desculpa se ficou uma porcaria bsjsjajsjs
Eu tentei.
Bom dia amanhã proces, um beijo.
Ah, as crianças são as mesmas do "mothers day"


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...