1. Spirit Fanfics >
  2. Kuroshitsuji: O Livro do Dragão - AU >
  3. Esse Mordomo: De volta ao Lar

História Kuroshitsuji: O Livro do Dragão - AU - Capítulo 31


Escrita por:


Notas do Autor


Boa Leitura

Capítulo 31 - Esse Mordomo: De volta ao Lar


Fanfic / Fanfiction Kuroshitsuji: O Livro do Dragão - AU - Capítulo 31 - Esse Mordomo: De volta ao Lar

[__~~ Arthur Wordsmith ~~__]

 

 

 

Estava olhando a face do Padre Jeremy arrancando uma máscara, ou melhor dizendo a face do mordomo Sebastian arrancando a máscara de Padre Jeremy que ele estava usando. Meu corpo não conseguia parar de tremer, como se um abalo sísmico estivesse ocorrendo, não sabia se meu corpo tremia de medo, adrenalina, se era toda a situação que finalmente havia se encaixado perfeitamente, ou todas as hipóteses juntas.

 

 

- I-Isso é...Inacreditável - As palavras quase não saiam de minha boca, eu tinha dificuldade para falar diante da situação - ...Como algo tão inacreditável assim, está acontecendo? 

 

- Ora Sir Arthur...Você voltou pois tinha certeza absoluta disso, não? - Suas sobrancelhas se arquearam mostrando a confusão no rosto do mordomo. Fitei a senhorita Anyel ainda com os olhos arregalados

 

- ...V-Você sabia disso tudo? - Ela desviou o olhar, parecia triste por ter mentido.

 

- Essa revelação não é a única inacreditável que você provavelmente verá hoje. - Disse de forma simplista sem me olhar

 

- Mas v-você chorou, chorou como se realmente tivesse perdido alguém e...Naquela situação...

 

- As coisas são mais profundas e complicadas, até mesmo para mim, eu não serei a melhor pessoa para lhe esclarecer tudo....Se você tivesse voltado para sua casa, poderia retornar a sua tranquilidade...Eu sinto muito Sir Arthur... - Relaxei um pouco, ela parecia que iria acabar chorando a qualquer minuto

 

- Porque decidiu voltar mesmo estando tremendo de medo desta forma? - Fora a vez do mordomo, mais que vivo, pronunciar

 

 

Respirei fundo e senti um pouco de coragem começar a passar por todo o meu corpo.

 

 

- Porque...Se a minha intuição estiver certa e não for apenas fruto da minha imaginação eu terei de correr para alcançar a carruagem da polícia

 

 

O Conde Phantomhive que parecia completamente despreocupado e tranquilo, deu risada de minhas palavras.

 

 

- O senhor tem um senso de justiça muito forte huhuhuhuhuhu não me surpreende em nada que suas obras possuam uma clara referencia as histórias dos cavaleiros do Rei Arthur...Contudo... - Ele perdeu o ar de riso e ficou sério me encarando, seu olhar era frio e penetrante me fez engolir em seco -... Não lhe ocorreu que poderia nunca mais voltar para casa caso descobrisse a verdade? 

 

- O q-que? - Senti meu coração errar uma batida e minhas pernas falharem, suor estava escorrendo pelo canto de minha testa e nuca novamente

 

- Huhuhuhuhu..Brincadeirinha. - Relaxei com essas palavras do Conde, não muito, apenas um pouco para que meu corpo não ficasse ainda mais em choque do que já estava

 

- Sua posição está correta - Disse enquanto prosseguia em subir as escadas da entrada da mansão - Woodley não é o assassino, pelo menos não neste caso. 

 

- Mas aquele humano barulhento e chato mereceu ser levado naquela carruagem - Anyel comentou em tão de birra, aparentemente ela não perdoaria Woodley tão cedo por ter feito um enorme escanda-lo com ela. 

 

- Do que estão falando? 

 

- Em vez de continuarmos aqui em pé, porque não vamos tomar um chá? Sebastian, Anyel! - Ordenou por fim, eu fico impressionado com o fato dele conseguir ordenar mesmo em entrelinhas.

 

- Sim. - Curvou-se o mordomo

 

- Haaai! - Anyel disse animada enquanto levava uma das mãos a testa, batendo continência, me impressiona o jeito que ela consegue mudar de humor tão rapidamente. 

 

- Tenha a bondade de me acompanhar. - O mordomos e virou para mim sorrindo perversamente, Anyel estava a dois passos atrás dele sorrindo, por mais que ela estivesse com os olhos fechados seus sorriso era tão perverso quanto o do mordomo. Pareciam realmente serem pai e filha.

 

 

Recuei um passo para trás, temendo ambos

 

 

- Huhuhuhu deseja saber a verdade, não é? Não precisa ter medo, ninguém aqui irá devora-lo vivo huhuhuhu...A única que poderia desejar sua morte seria Anyel, mas ela gostou de você então não irá lhe machucar. - Continuei olhando para Anyel, engoli em seco eu sentia como se realmente fosse ser devorado 

 

 

Os segui pelos enormes corredores da mansão, Anyel estava andando a nossa frente como se fosse nossa guia, o mordomo estava ndando ao meu lado. Eu não conseguia desviar o olhar da pequena moça a nossa frente, sinto que cada vez que fico a seu lado meu coração é enlaçado mais e mais por ela, me sinto cada vez mais apaixonado.

 

 

- Não a fique encarando muito Sir, irão pensar que está apaixonado por ela - Direcionei meu olhar ao mordomo e engoli em seco, ele estava sorrindo, mas seus olhos diziam "Cuidado, não se aproxime muito e não toque de mais ou eu irei acabar com a sua raça" 

 

- Hahahaha não é isso, estou apenas curioso....E não é como se eu tivesse alguma chance com ela, aparentemente a senhorita Anyel já tem alguém que ela aprecie bastante.

 

 

Vi os olhos do mordomo se arregalares por alguns segundos, depois de se recompor ele voltou a melhor de forma tenebrosa

 

- Tem certeza disso?

 

- N-Não...B-Bem... - Engulo em seco mais uma vez pensando em como dizer aquilo, estava temendo pela minha vida naquele momento, mais uma vez. - Ao menos foi o que parecer quando ela falava dele...Pareca sincera em seus gestos e palavras.  

 

 

Ele nada mais respondeu apenas virou seu olhar para frente, não olhava nada em específico estava com uma expressão pensativa, um pouco desgostoso.

 

 

- Isso me aparenta ser um problema - Ele sussurrou deve ter sussurrado mais para si do que para mim, porém ainda consegui o escutar

 

 

 

[~~...~~]

 

 

 

- Para hoje preparei o chá Darjeeling Second Flush, da Fortnum e Mason. Biscoitos amanteigados e torta de chocolate com morango para acompanha - Apresentou o mordomo enquanto a senhorita Anyel nos servia.

 

 

Eu olhava para o chá que havia sido servido a mim, não conseguia parar de pensar em tudo que passamos nos últimos dias e como eu estou aqui agora tomando chá com um bando de mentirosos.

 

 

- Pode se servir a vontade Sir, não se preocupe não estão envenenados huhuhu - Diz o jovem Conde. Ele havia perdido todo o ar infantil quando eu o conheci, assim como Anyel seus olhos pareciam mais frios, sádicos e perversos.

 

- Não vai comer a torta Anyel? Você me torrou a paciência pedindo para que eu falasse ao Sebastian para prepara-la, agora não vai comer? - O Conde falava de forma calma, mas suas palavras pareciam um pouco espinhosas.

 

- Eu vou, eu vou - Ela se sentou entre mim e o Conde e ela própria se serviu com o chá de forma tão perfeita quando o mordomo negro. Sem esperar nada ela se colocou a comer a torta.

 

- Então...Como o senhor descobriu que ele ainda estava vivo? 

 

- Na verdade para ser exato eu não tinha certeza de que ele estivesse vivo. Entretanto fiquei muito intrigado durante o tempo todo, não sei quais palavras seriam melhora para explicar...Ele..Era perfeito de mais. 

 

 

Parei para pensar um pouco, para que eu pudesse em fim organizar as palavras que eu diria

 

 

- A figura do mordomo Sebastian e do padre Jeremy eram intrigantes, eles tinham álibis perfeitos e extremamente sólidos...Tão sólidos a ponto de levantarem suspeitas.

 

- Posso pedir que não de um exemplo, por favor? - O mordomo que até então estava calado resolveu se pronunciar quando se aproximou para limpar o rosto de Anyel com um lenço.

 

- É inacreditável que alguém tenha se preparado tão bem para a própria morte...Pior, antes de "ser morto" os preparativos das refeições, a coruja, as palavras que dirigiu a mim...Isso está muito além da intuição apenas! O Padre Jeremy apareceu logo depois com um álibi completamente perfeito...Por fim as palavras na despedida, na hora em que ouvi aquilo eu vi que a probabilidade inconcebível que estava rondando minha mente poderia ter acabado com todas as nossas teorias.

 

- Probabilidade inconcebível? - O Conde questiona 

 

- A probabilidade do mordomo Sebastian não ter morrido, quando percebi não consegui me conter...

 

- Quer dizer que voltou para cá por ouvir aquelas palavras e acreditar naquela hipótese? Huhuhu agora entendo porque suas obras cativaram tanto o Jovem Mestre e a Anyel. 

 

- Sim!

 

- De todo errado você não está Sir Arthur, há uma explicação para que... - Ela parou de falar e encarou o mordomo por alguns segundos, depois voltou a me olhar sorrindo como uma criança que tinha ganhado doce - O papai Sebastian não tivesse morrido, mesmo com os golpes que recebeu, assim como tem uma explicação ao Conde do porque eu decidi voltar aqui e trabalhar ao seu lado, mesmo depois de ter dito que não poderia mais ficar ao lado dele...Tudo isso foi um belo jogo.

 

- E-Espera! Como assim um belo jogo? Você já sabia que os assassinatos aconteceriam?

 

- Sim - Respondeu o Conde e logo após bebericou seu chá

 

- O QUE? - Acabei falando alto surpreso com a confissão.

 

- Sabíamos que Lorde Siemens seria sacrificado, que eu acabaria sendo morto e que a senhorita Anyel levaria a culpa por algumas pequenas coisas - O mordomo explicou 

 

- Se o Woodley tivesse encostado um dedo em mim eu teria o destroçado na frente de todos! - Rosnou com raiva em mencionar o homem.

 

- Anyel, tenha modos! Eu não lhe criei e ensinei a agir como um animal! - Sebastian a repreendeu.

 

- Desculpe.

 

 

 

 

[~~...~~]

 

 

 

 

- Foi tudo armado para dar credibilidade a figura do Padre Jeremy - Explicou por fim o mordomo

 

- Anyel você acredita nisso? - Perguntei olhando a moça comer mais um pedaço de torta, era o quarto que ela estava devorando totalmente feliz por comer doce.

 

- Como eu lhe disse há uma explicação sir Arthur.

 

 

Passei as mãos pelos meus cabelos, chocado, completamente chcocado

 

- U-um momento! Nó revistamos o seu corpo na presença do padre Jeremy!

 

- Aquele corpo era do Senhor Phelps, Blueberry não teve a reação muito rápido para fingir passar mal então eu tomei as rédeas da situação, mas acabei realmente passando mal naquele quarto.

 

- Oe eu já te disse para não me chamar de Blueberry! - Protestou o Conde

 

- Tudo isso foi um grande jogo, Ciel cometeu um erro e foi punido por isso, mas eu não achei que a Rainha fosse o incriminar de um assassinato. Todos fomos usados como peças de um jogo, todos fomos peões do Blueberry, eu fui, você foi, o papai foi, querendo ou não éramos peões que o Ciel usaria como bem entender. - O jeito que ela está falando está me dando arrepios - Se ele desejasse me descartar como seu peão eu teria sido descartada, mas ele preferiu usar o Woodley como um bode expiatório, tudo isso foi um jogo regrado de atuação. Todos tivemos nossas posições como num tabuleiro de xadrez. 

 

- Porque fez isso com Woodley já que ele era inocente? - Vociferei, irritado com a crueldade do Conde

 

- Eu lhe disse, ele mereceu ser levado aquela carruagem, não foi Anyel?

 

- Undertaker trabalha na funerária, no tempo que eu fiquei com ele vi várias coisas e ele me ensinou várias coisas, além de ter me contado informações muito valiosas. Undy trabalha a muito tempo no submundo da cidade, ele sabe dos podres de todos e me contou os principais e mais interessantes. A um tempo atrás eu cuidei do corpo do presidente da Companhia Rose, foi bem fácil saber quem mandou matar ele.

 

- Então ele foi assassinado?

 

- Sim, o assassino foi o Woodley, um dos podres dele é que uma parte do dinheiro da lapidação de diamantes ele usava para contrabandear armas e revende-las em áreas de conflito. Por sentir que seu império de lapidação estava ameaçado ele mandou matarem o presidente da Companhia Rose.

 

- Isso não faz sentido...Undertaker não deveria ser quem deveria estar aqui no lugar de Anyel? - Perguntei, ela não encaixa na história agora, tudo parece confuso.

 

- Anyel trabalhava para mim até um imprevisto ter acontecido e ela foi embora por conta própria, pedi a Undertaker que a trouxesse de volta pois preciso dela e também porque Undertaker não poderia representar em todo o caso.

 

- Então só me trouxe aqui porque precisava das minhas informações? Blueberry você é malvado... - Resmungou a garota um pouco tristonha

 

- Lhe trouxe de volta pois esse é seu verdadeiro lar e não com Undertaker que não sabe cuidar nem de si mesmo sozinho! - Ciel respondeu bravo - Seu lugar é aqui ao meu lado e ao lado de Sebastian, independente de qualquer problema, você deveria saber que não se pode se livrar de mim tão facilmente... 

 

- Woont que fofo Blueberry sentiu minha falta do lado dele, eu também senti a falta de vocês - Anyel riu de forma infantil

 

- Eu não disse isso!

 

 

Tudo parecia tão confuso, tudo finalmente estava esclarecido em minha mente, toda a história dos assassinatos, mas uma nova dúvida surgiu na minha cabeça....Quem é o Conde Phantomhive e quem são as duas figuras que sempre estão o acompanhando? 

 

 

- Se me permite eu tenho mais uma pergunta.....Afinal...Quem é o senhor, Conde Phantomhive?

 

- Minha tarefa e capturar as pessoas que quebram as leis que regem o submundo do país e dar um fim adequado a elas. Em outra palavras eu sou o Cão de Guarda da Rainha. - O fitava com os olhos arregalados, meu corpo tremia em puro pavor - Este caso foi apenas um jogo de sua Majestade para testas se tenho as qualidades para manter meu posto.

 

 

 

 

[__~~ Sebastian Michaelis ~~__]

 

 

 

 

Ele cerrou os punhos e os bateu na mesa, estava tremendo feito um terremoto, eu sentia o pavor correndo por seu sangue, escutava se coração acelerado como se houvesse uma manada de cavalos selvagens correndo por um enorme pasto. 

 

- É mentira!...S-Se isso for verdade...O mordomo...Ela...Eles... - Abaixou a cabeça e começou a fitar o chão para esconder seu pavor

 

- Não é dito que quanto mais aparente é a verdade mais fácil ela passa despercebida diante os olhos? - Troquei um olhar com Anyel que sorriu de forma perversa e divertida para mim, ela entendeu o que eu desejava fazer.

 

Um escritor criativo como ele certamente ficaria submerso em êxtase em panico. Anyel se levantou e veio para o meu lado, ao mesmo tempo revelamos nossos verdadeiros olhares, ela revelou ainda o seu ser...Um dragão, não estou surpreso. eu já sabia disso.

 

Em um piscar de olhos eu e Anyel estávamos ao lado do escritos fracassado, um passo mais atrás dele, cada um de um lado sussurrando em seu ouvido

 

- De fato a verdade é esta que o apavora e irá apavorar por toda a sua existência...De fato o senhor tem razão em temer, eu e ela não somos humanos.

 

Ele caiu da cadeira e começou a se arrastar no chão completamente amedrontado do que havia descoberto e do que estava vendo. Anyel deu um impulso com as asas e pousou na frente dele, se abaixou na frente do mesmo sorrindo de forma maléfica, aos poucos sua pele se tornou escuta tal qual a Criatura da Noite que ela possui dentro de si. Contrastando de forma harmoniosa com seus cabelos azuis claros.

 

- Agora que sabe da verdade vai fazer de tudo para esquece-la não é sir? - A voz dela estava distorcida como se houvessem duas pessoas falando ao mesmo tempo

 

Ele levanta e sai correndo em disparada para a entrada, berrando completamente apavorado. Soltei um breve riso e estalei os dedos, apareci em sua frente oque resultou dele se chocando contra mim e caindo no chão.

 

- Deve imaginar o que ocorrerá com o senhor se revelar isso ao mundo, não é? - Sorriu de forma perversa mostrando as presas para ele e o segurei pelo colarinho

 

- EU JURO QUE NÃO DIREI NADA! NÃO CONTAREI A NINGUÉM! EU PROMETO! - Conseguiu reunir um pouco de coragem e se soltou de mim voltando a correr para a saída.

 

- Anyel, persiga-lo! - Ordenei

 

 

A garota passou rapidamente pelo meu lado correndo igual um cão demoníaco em suas quatro patas perseguindo cruelmente sua presa indefesa e ingênua, brincando com ela, a cansaria primeiro para depois não ter que se esforçar muito para a abater. Ela estava quase o pegando com suas garras, muito próximo de o capturar.

 

- Tenha certeza de sempre se lembrar destas palavras Sir, estaremos lhe observando...Anyel volte! - Ela desviou o caminho voltando correndo para o meu lado como ordenei e parou em minha frente, ela estava ofegante realmente como se tivesse participado de uma caçada. Passei uma das mãos por seus cabelos e pouco a pouco voltamos ao normal depois da carruagem de Arthur ter ido embora.

 

- Porque revelaram suas identidades? - Perguntou meu jovem mestre

 

- Ele é um escritor, claramente vai fazer uma obra relatando o que passou nas nossas mãos, vai ser uma enorme diversão pra mim, eu já li todos os livros na biblioteca, depois de terminar de arrumar a mansão não tem nada pra fazer e nenhum livro para ler, é entendiante não ter nada pra se distrair e não poder sabir pra brincar e não tem ninguém pra brincar comigo. -  Anyel quando chegou a mansão não sabia ler, escrever muito menos se comunicar, agia feito um verdadeiro animal, creio que ela tenha ficado daquela forma pois deve ter vindo de sua criação. Mas por sorte entendia quando eu a repreendida por ter feito algo errado apenas pelo meu tom de voz e expressões, ela entendia quado fazia algo errado e quando era recompensada por ter feito algo certo, isso facilitava a minha comunicação com ela e o modo que eu conseguia a ensinar e instruir.

 

 

Na época foi um pouco complicado a ensinar do zero, mas quando consegui a ensinar a ela foi questão de tempo até que ela devorasse todos os livros da biblioteca, ela gosta de histórias isso foi uma coisa que eu notei. Depois de a ensinar a ler foi fácil a ensinar a escrever e falar, mas ainda tem coisas que ela não sabe falar e nem ler, mas há tempo pra ela aprender.

 

 

Depois do chá da tarde mostrei a meu mestre a décima sexta pessoa, era nada mais nada menos que Snake um dos integrantes do circo Arca de Noé que investigamos a um tempo atrás. Anyel ajudou na investigação também, mas ficando de fora do circo, tive que a deixar de fora pois a mesma estava se envolvendo de mais com o circo e poderia ser capturada. Depois de uma tarde agitada voltamos aos afazeres de um dia a dia comum, agora tendo de volta uma antiga serva e um novo servo.


Notas Finais


O início da primeira temporada chegou, mas não se preocupe esse não é o final da história, ainda tem mais temporadas a virem, em breve elas serão postadas. Eu rei dar mais detalhes mais em breve nas minhas redes sociais e ainda to preparando mais coisinha pra vocês! Fiquem ligados meus queridos.

Se puderem comentar o que acharam eu fico completamente agradecido <3

Eu já postei um Spin-Off do Undertaker, contando a história dele, quem se interessar ta aí o link pra ler:

https://www.spiritfanfiction.com/historia/my-past--undertaker-18222320


Os convido a me seguirem no Twitter é a rede social que eu mais sou ativo, lá é onde mais vai receber atualizações

TT: https://twitter.com/MaxuelPhantom

Página no Face: https://www.facebook.com/MaxPhamtomhive/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...