História La dominatrix - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Rebelde
Tags Christopheruckerman, Dulcemaria, Hot, Rbd, Vondy
Visualizações 2
Palavras 1.149
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa tardeeeee!

Capítulo 6 - Capítulo 06


Sou Maite Perroni uma mulher determinada e totalmente forte, sempre fui assim? Não, minha vida sempre foi uma eterna bagunça sou fruto de uma traição minha mãe Marina Beorlegui se envolveu com os estimado empresário Javier Perroni que era casado com Gabriela Viana e que tinha seu filho João Gabriel de aproximadamente 10 anos.

  Quando meu pai descobriu a gravidez de minha mãe ficou totalmente puto com ela e até propôs o aborto mais minha mãe rapidamente negou alegando que não precisava do fudido dinheiro dele e nem de nada. Após meu nascimento minha mãe foi morar em outro país tentando esquecer seu passado e me dando uma boa vida estável.   Os anos passaram e aos meus quase 8 anos o filho da puta do meu pai apareceu alegando que queria minha mãe de volta e que estava desposto até se casar com ela e dar a porra do sobrenome dele para mim já que sua esposa Gabriela falecera, claro que minha mãe não aceitou de cara mais depois de 2 anos era ressolvel de dar uma chance ao "meu pai".

    Minha vida já começou a ser um inferno quando " meu pai" e o filho da puta do meu meio irmão João Gabriel começou a viver juntamente comigo e com minha mãe. O muleque era o diabo em pessoa não me deixava em paz e sempre me culpava de ter separado os pais dele é claro que na frente dos meus pais ele se fazia de anjinho. O tempo passou e eu pensei que minha vida não tinha como piorar mais , mais tinha João Gabriel apesar de ter alcançado sua maior idade ainda morava juntamente comigo e meus pais e aos meus 14 anos aconteceu o que eu nunca esperaria João Gabriel me estrupou e isso se estendeu até meus 18 anos quando pude sair de casa para cursar minha faculdade fora, apesar de eu finalmente ter falado o que tinha ocorrido durante aqueles 4 anos para os meus pais nem um deles acreditou e rapidamente me acusaram de mentirosa e preferiram acreditar na " inocência" do desgraçado do meu meio irmão. Os anos passaram terminei minha faculdade fora do país e resolvi morar em São Paulo aqui conheci minhas amigas que tenho até hoje e apesar delas serem umas vadias são minhas vadias elas me fizeram o que sou hoje a maravilhosa.... Esmeralda...

Angélique Boyer


   Minha vida sempre foi um boa vadia vida, e não eu não estou brincando ela foi uma vadia comigo. Desde muito pequena convivi com meu pai batendo quase todas as noites na minha mãe a chamando de " vadia drogada" confesso que minha mãe tinha se envolvido com drogas mais quando descobriu que estava grávida parou rapidamente com o vício ela sempre me falava que eu era a vida dela e a alegria que ela não tinha. Com meus quase 11 anos meu pai saiu de casa e tudo parecia em perfeito estado minha mãe tinha se curado dos ematomas que meu pai deixou em seu corpo , eu já não chorava e nem tinha noites de insônia a noite, minha mãe tinha arranjado um bom emprego, nós passeacamos sempre a tarde para tomar sorvete e até minha mãe tinha aberto uma conta já começando a juntar dinheiro para o meu sonhado curso técnico, mais como nem tudo e flores e o diabo sempre volta quando tinha acabado de completar meus 16 anos meu pai volta. Ainda consigo me lembrar dos gritos....


Flash back


Sua vadia - Eu estou em meu quarto e com o grito acordo rapidamente, já são quase 3:00 da manhã e com o medo reconheço rapidamente a voz de meu pai vindo do quarto da minha mãe.


Você é uma vagabunda como pode fazer isso comigo sua desgraçada - começa a espancala .


Por favor para para - Ela súplica em plantos.


Você merece muito mais como pode se deitar com aquele riquinho desgraçado e ainda mais engravidar dele e falar que aquela porra de garota é minha filha - Pega em seus cabelos e arrasta ela sobe as escadas até a sala logo em baixo.


Não, não, não por favor - Grita com desespero.


   Começo a tremer e sinto minha pernas fracas meu coração pusa rapidamente e as lágrimas deramam sobre meu rosto, como assim? Ele não e meu pai? Meu Deus por favor não permita que ele não faça nada com minha mamãe. Com muito medo e sem fazer barulho engatinhou perto da escada, mais a sena que vejo me faz para abrupitamente.  Vejo os desgraçado esfaqueando várias vezes o estômago de minha mãe com um grande facão. Me encontro tão fria que não sinto meu sangue em meu corpo quando ele percebe minha presença para com o esfaqueamento e sai rapidamente correndo de minha casa.


Filha - escuto minha mãe com sua voz totalmente fraca. Vou rapidamente até ela e coloco sua cabeça sobre meu colo.


Mamãe por favor não me deixa - suplico com minha voz embargada com as lágrimas. Por favor alguém me ajude - Grito com todas as únicas forças que tinha.


Filha a mamãe não vai aguentar desculpa meu amor a mamãe só escondeu a verdade por que sabia que ele ia de agredir até a morte - Ela fala com dificuldade já que em uma boca a sangue.


Não mamãe eu te amo e não tenho que te desculpar por nada você não tem culpa por esse desgraçado, mais por favor fica comigo. - Acaricio meu rosto.


A mamãe vai partir filha mais seja feliz encontre uma família que cuide bem de você e faça o que sempre sonhou, nunca se esqueça que você sempre foi meu melhor presente e que sempre eternamente vou te amar - Ela passa a mão sobre meu rosto e aos poucos fecha os olhos com "adeus" sobre eles.


MAMÃE NÃO - grito.


Após não sei quantas horas que permaneci ali abraçada com o corpo da minha mãe sem vida sobre os meus  braços sinto alguém me pichar para longe e rapidamente aplicar algo sobre meu braço. Quando finalmente acordei estava no hospital, após vários exames para ver se estava tudo bem comigo fui mandada direto para um orfanato só de garotas lá eu sempre erra a estranha que só aprontava com todo mundo.
Flash back off...


Passei por varios psicológos e quando tinha 17 anos fui adotada pelo casal Costa, não sei o que eles viram em mim já que os desprezava no começo. Ao passar do tempo conhecendo eles melhor me apaixonei pelo casal que logo quando quiz levar flores todos os meses para minha mãe aceitou sem exitar.


     Bem os anos passaram e aqui estou eu uma mulher madura, bonita, elegante e dominadora, meu passado ? Para mim morreu juntamente com minha mãe, procurar meu verdadeiro pai jamais já basta o " pai" puto desgraçado que tive. Agora sou mulher sou.... Rubi...


                                    


Notas Finais


Por favor não deixem de dar suas opiniões sobre a fábrica ok😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...