História La Kamé House - Capítulo 39


Escrita por:

Postado
Categorias Dragon Ball
Personagens Androide Nº 18, Bills, Bulma, Freeza, Goku, Kuririn, Marron, Nappa, Vegeta, Whis, Yamcha
Tags Bulma, Burlesque, Dragon Ball, Freeza, Gangsters, Goku, Saiyajins, Vegebul, Vegeta
Visualizações 136
Palavras 5.789
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oie gente! Como estão?! Capítulo novinho!

"Chega a tão esperada véspera de natal. Todos parecem felizes e focados nas novidades que vêm por aí. Entretanto, Broly guardou um presente de natal para cada um dos Les Sept.

Obrigada aos favoritos! Somos 99! YAYYY! Falta pouquinho mesmo para os 100! hihihi

Gratidão aos comentários queridos! Chegamos aos 700 comentários! Muito feliz! Obrigada pelo apoio até aqui!
@Girodri, @ BatataReal, @Godinight, @CintiaCris, @Zuzuomelete, @Deborabriefs, @ralfhx, @CLARA2512, @RAY1369, @Mabelcarli, @pedritaetrs, @Camomila151, @Controlz, @Arenapipe, @Danni_1, @nissotan, @Bra2918, @ValeryBriefs, @LolitaBriefs66, @Aysha1995, @aline_carneiro, @Bra_briefs6.

Bom capítulo e boa leitura!

Capítulo 39 - Ato principal: Les sept


Fanfic / Fanfiction La Kamé House - Capítulo 39 - Ato principal: Les sept

~~ Manhã de Véspera de Natal~~ 

~~Bulma ~~

Aí, meu Kami! Mais uma vez atrasada. Whis deve estar com aquela cara de indignação de sempre. Consegui pegar o presente, mas perdi muito tempo esperando a loja abrir. Acho que perdi mais da metade da manhã aguardando a bendita vendedora. Pelo menos,  tudo está indo como planejado. A surpresa está preparada. Cheguei na Kamé House e fui correndo para a sala de ensaio, joguei meu casaco em um cabide, abri a porta e gritei antes de deixar o Whis me engolir: 

- DESCULPA WHIS, NÃO FOI DE PROPÓSITO E... 

Quando abri os olhos e prestei atenção, notei algo estranho. 

- Ué... Não tem ninguém?!  

“Como assim?! Desmarcaram o ensaio e ninguém me avisou?! Poxa vida!”  

Joguei minha mochila no canto e me sentei no chão. Essa correria toda havia me deixado exausta.  

“ Fala sério... Hoje era meu último ensaio... Eles poderiam ter tido mais consideração...” 

Fiquei bem chateada. Com meus hormônios bem loucos, comecei a sentir vontade de chorar, quando de repente: 

- SURPRESA! 

- Aaaah! – Eu gritei 

Eu tomei o maior susto. Meus amigos da Kamé House entraram todos pela porta. Whis segurava alguns balões, Lunch tinha um bolo enorme nas mãos, Tenshin e Kuririn carregavam um cartaz; Chichi, Maron e Lazuli trouxeram bandejas de salgadinhos e Kakaroto trazia um isopor enorme com a ajuda de Piccolo. 

“ Bonne Chance, Saphir!” – eles me desejavam boa sorte no cartaz. 

Fiquei surpresa. Chichi, Kakaroto e Maron também estavam por lá. 

- Hahahaha. Te pegamos direitinho. – disse Chichi.  

- Amiga! Mas, você não estava organizando sua festa? 

- Ah, já deixamos quase tudo pronto. Não podíamos perder sua festa de despedida de jeito nenhum. – disse Chichi.

- É isso aí! Jamais que eu perderia essa boca livre. Hehehehe. – disse Kakaroto. 

- Aff... Estraga clima...  – disse Lazuli, com a cara amarrada. 

- Saphir, vou morrer de saudades. Snif...  – disse Maron, que me abraçou chorando. 

- Aí, assim eu vou chorar. Snif...

- Ah, não! Nada de tristeza! Vamos nos alegrar! Você vai sair para ter uma vida muito melhor, Saphir. Liga o som, Piccolo! Vamos animar essa despedida! – disse Lunch. 

- Pode deixar! – disse Piccolo. 

Colocaram uma música super animada. Começamos a conversar e a nos divertir. Os meninos levaram algumas bebidas. Eu só pude me consolar com meu suco de laranja mesmo. De repente, alguém apareceu  na porta. Era Monsieur Kame. 

- Hohohoho. Cheguei atrasado, mas cheguei. – ele disse.

Rapidamente, abaixaram o volume do som. Todos ficaram alinhados em uma fileira. 

- Bom dia, Monsieur Kame. – dissemos em um coro. 

- Hohohoho. Não precisa toda essa formalidade. Relaxem. Podem continuar se divertindo. - disse Monsieur Kame. 

- Ufa...  

- Bem, eu vim aqui para me despedir da nossa querida estrela da Kamé House. Em nome da nossa casa de shows, agradeço por esses anos de dedicação e por embelezar e encantar nossos clientes com seu charme e ousadia. Acho que ainda lembro do seu primeiro dia. Você era uma moça bem reservada e tímida, mas foi evoluindo a cada instante. Fico feliz que esteja iniciando uma nova etapa. Lhe desejo o melhor. – disse Monsieur Kame.

Eu me permiti abraça-lo. Querendo ou não, ele sempre foi muito bom comigo. Eu sei que ele deve ter me aceitado aqui inicialmente a pedido do meu pai, mas, ele sempre respeitou suas dançarinas e as tratou muito bem.

-  Obrigada pela oportunidade, Monsieur Kame.

- Hohohoho. Disponha. Saiba que estamos sempre de portas abertas para você. – disse Monsieur Kame.

- Obrigada!

- Bem, agora, esse velho aqui vai voltar ao escritório. Continuem se divertindo, meus caros amigos. Mas, nada de exageros. Lembrem-se de que à noite temos o festival de natal, o encerramento das atividades desse ano. Maron, minha querida, me acompanhe, por gentileza. Até mais, pessoal. – disse Monsieur Kame.

- Eu já volto, Saphir. – disse Maron, que saiu seguindo Monsieur Kame.

~~Escritório do Monsieur Kame ~~

- Oi, tio. O que o senhor quer falar comigo? – perguntou Maron.

- Sente-se, querida. – disse Monsieur Kame.

Maron se sentou em uma poltrona na frente dele.

- Bem, eu sei que ainda estamos em período de despedidas, mas, como você deve saber, o show não pode parar. Então, eu estava pensando na reabertura da Kame House do próximo ano. Como sabe, nossa artista principal está saindo da casa de shows, então teremos uma vaga disponível. Quero lhe perguntar se você não tem interesse em preencher essa vaga. – disse Monsieur Kame.

- Como é? Você quer que eu seja a nova estrela da Kamé House? Me amassa que eu tou passada! – disse Maron.

- Hã?! Que gírias estranhas que vocês jovens têm. E então? Pretende aceitar minha oferta? – disse Monsieur Kame.

- Ai, mas será que eu estou pronta? E se der tudo errado? – perguntou Maron.

- Não precisa se preocupar. Com treino e dedicação, sairá tudo bem. Confio em você. – disse Monsieur Kame.

- Bem, acho que não faz mal tentar. Hihihi. Obrigada, tio. Vou fazer o meu melhor. – disse Maron.

- Maravilha. Conto com você! Bem, pode voltar para a comemoração com seus amigos. Eu vou sair e retorno à noite. – disse Monsieur Kame.

- Está bem, com licença. – disse Maron.

Quando Maron estava saindo da sala de Monsieur Kame, ela tropeçou em algo no caminho.

- Ai, que isso! – ela disse.

Maron encontrou uma maleta preta, que lembrava muito uma maleta de maquiagem. Ela tentou abrir, mas a maleta parecia ser trancada com um código.

- Que estranho... Será que a equipe do Lohan que deixou aqui? Bem, melhor eu guardar isso no camarim. Caso ele apareça, eu pergunto se essa maleta é dele. – disse Maron, pegando a maleta do escritório e a levando para o camarim. – Puxa, que pesada! – ela disse.

~~Bulma~~

Continuamos na comemoração até o começo da tarde. Eu decidi voltar a meu apartamento para organizar minha roupa para o jantar de noivado da Chichi e do Kakaroto. Eu teria que levar para a Kamé House. Eu iria me trocar por lá e ir para a mansão dos Black. Espero que Vegeta consiga chegar a tempo de me assistir hoje à noite.  Essa véspera de natal é um período agitado nos restaurantes. Tem muitas reservas e ele tem que supervisionar tudo. Mas, ele prometeu que viria.

A tarde foi bem tranquila. Apenas aproveitei para organizar minhas coisas que desde muito tempo estavam reviradas. Organizei tudo o que precisava. Enfim, veio a noite e o grande momento chegou. Aqui estou eu, no camarim, bem nervosa. Parece que em vez de uma despedida, eu estou indo dançar pela primeira vez. Queria muito que Chichi estivesse aqui, mas eu sei que hoje é um grande dia para ela também. Eu fiquei com a abertura, pois ainda vou ajudar Chichi nos últimos ajustes do jantar. As outras meninas irão mais tarde, quando terminarem suas apresentações. Felizmente, Vegeta conseguiu chegar a tempo. Mas, ele só vai me assistir e voltar para o restaurante. Nos encontraremos mais tarde na mansão dos Black e então... Ai, eu mal posso esperar para ver como ele vai reagir. Meu Kami, que ele fique feliz...

- Madames e Monsieurs, boa noite! Bem-vindos ao Festival de Natal da Kamé House! Esperamos que todos tenham uma noite agradável e cheia de diversão. Nossos funcionários estão a disposição para atende-los nas mesas de jogos e para tirar qualquer dúvida. Bem, para abrirmos nossa noite com muito glamour e beleza, aí vem: a linda e esplendorosa: Saphir! – disse Whis, que estava como o apresentador da noite.

Meu coração estava batendo acelerado. Eu achei que ele iria sair pela boca. Mas, respirei fundo e subi no palco. Eu consegui ver alguns dos meus amigos lá embaixo. Engraçado, fazia muito tempo desde a última vez que eu tinha visto o Yamcha. Mas, ele parecia animado. Ele estava em pé ao lado da Fasha. Mas, no fim das contas, meus olhos se viraram para quem realmente interessava: Vegeta. Ele parecia estar bem feliz. Acho que ele entendia o quanto aquilo era importante para mim. Eu fiz a melhor apresentação da minha vida. E no fim, fui bastante aplaudida. E ele me aplaudiu de pé. Quase não consegui segurar as lágrimas no palco. Mal saí para os bastidores, comecei a me desmanchar. Lunch veio e me abraçou.

- Foi a apresentação mais linda que eu já vi você fazer. – disse Lunch.

- Buaa!

- Calma, calma. A vida é assim mesmo. É feita de ciclos e esse terminou para você. Mas, vai dar tudo certo, Saphir. Você vai ver. – disse Lunch.

As outras meninas vieram me abraçar antes de suas apresentações, menos Lazuli, que não havia chegado ainda.

- Ai, não é possível! Ela vai faltar justo hoje? Eu vou surtar! – disse Whis.

Não demorou muito, Vegeta apareceu pelo corredor. Eu pulei em seu pescoço e ele me abraçou com força.

- Você estava linda como nunca. – ele disse.

- Snif... Acabou, Vegeta. Não serei mais a Saphir... Buá... – comecei a soluçar em seus braços.

Ele deslizou a mão pelos meus cabelos e deu um sorriso.

- Não acabou, Bulma. Está apenas começando. Uma vida nova nos espera. – ele disse, sorrindo.

- Ah, Vegeta... – eu juntei nossos lábios e nosso beijos foi longo e gentil. Quando nossos lábios se separaram, ele disse:

- Bulma, vou voltar correndo o restaurante para finalizar algumas coisas. Nos encontramos na mansão do senhor Bardock, tudo bem? – ele perguntou.

- Sim, nos encontramos mais tarde. – eu disse, me despedindo com um selinho.

Voltei ao camarim e comecei a me arrumar. Eu notei uma maleta preta em um dos cantos da sala, mas imaginei que deveria ser de uma das meninas. Consegui me vestir rapidamente e logo estava caminhando para o meu carro, até que encontrei Lazuli no telefone encostada nele.

- Lazuli? Não vai dançar hoje? Whis está louco atrás de você!

- Ah! Oi, Saphir! É que eu tive um probleminha em casa. Estava aqui terminando de resolver. Hahahaha. Já vai, flor? – perguntou Lazuli.

- Sim, estou indo para o jantar da Chichi. Você vai, né?

- Claro! Não perderia por nada... – disse Lazuli. – Bem, até mais tarde. – ela disse, entrando na Kame House.

“Nossa... Lazuli está tão esquisita...”

Alguns minutos depois, eu estava a caminho da mansão da família Black.

~~Vegeta~~

Comecei o dia cedo no escritório para tentar agilizar as coisas. Hoje é o dia da última apresentação de Bulma na Kamé House e ela pediu para eu estar presente. E se isso é importante para ela, com certeza, eu farei o possível para comparecer. Estava tudo acontecendo como de costume, até que recebi uma ligação. Era meu irmão, Tarble.

- E aí, mano! Como está? – ele perguntou.

- Tarble! Que surpresa! Estou bem e você?

- Estou ótimo! Sabe, como é véspera de natal, decidi ligar para dar um oi. – ele disse.

- Hum... Algo novo por aí?

- Ah! O de sempre! Mamãe e o marido dela estão organizando a ceia de natal para a família. Sério, Vegeta, quando você vai se juntar a nós? Eu sei que a mamãe não foi lá a melhor mãe do mundo, mas ela sente sua falta. Ela sempre reclama que você não liga para ela... – disse Tarble.

- Ah... Ela sente minha falta? Nossa... Essa é uma novidade e tanto.

- Mano... Você deveria dar uma chance para ela se redimir. Eu sei que ela te deixou de lado por muito tempo, mas, nunca é tarde para recuperar o tempo perdido. – disse Tarble.

Infelizmente, o tempo que foi perdido não pode ser mais recuperado. Minha mãe preferiu me excluir de sua vida desde que eu era bem jovem. Por que eu me daria ao trabalho de ser decepcionado mais uma vez?

- Tarble, não existe solução para tudo. Muito menos, para tempo perdido. Eu já te disse, quando quiser vir, eu lhe receberei de braços abertos. Mas, não me peça para ir até onde essa senhora mora.

- Tch... Como você é teimoso, mano. Sorte sua você ser meu irmão preferido. Senão, ia aí te dar uns tabefes. Hahahaha. – disse Tarble.

- Hahahaha. Como se você fosse conseguir essa façanha com esse seu corpo franzino.

- Poxa, não precisa humilhar também! Hahahahaha. Mano, eu quero te desejar um feliz natal. Que você tenha uma ceia divertida. – disse Tarble.

- Obrigado, irmão. Desejo o mesmo a você. Divirta-se!

- Obrigado! Sinto sua falta aqui... Assim que tiver férias do trabalho, eu vou te visitar, está bem? – perguntou Tarble.

- Combinado. Estarei te esperando. Feliz natal, Tarble.

- Feliz natal, mano! Até mais! – disse Tarble, desligando a ligação.

Eu bem que gostaria de ter a companhia de Tarble em um dia como esse. Acho que faz uns quatro anos desde a última vez que nos vimos. Mas, teremos outras oportunidades. Mas, não faço muita questão da presença da minha mãe. 

- Vegeta, tudo em ordem  com os produtos do Lá Fierté. Eu mesmo recebi tudo e verifiquei a ficha dos funcionários. Aparentemente, está tudo dentro dos conformes. Podemos ficar mais aliviados. E então? Quais os planos para hoje? - perguntou Nappa.

- Bem, cuidar dos preparativos do restaurante, assistir a última apresentação da Bulma na Kamé House e ir ao jantar na casa do Bardock. Acho que vou conseguir dar conta de tudo hoje. 

- Dia agitado, hein? – disse Nappa. 

 - Animado é pouco... Ah, Nappa, isso é para você.  

- Hã? Uma embalagem de presente? – perguntou Nappa. 

- É para você. Um presente de natal adiantado. Abra!  

- Mas, não precisa disso, Vegeta! Não gaste seu dinheiro comigo. – disse Nappa. 

- Humpf... Isso não é gasto algum. Isso é pouco diante de tudo que você já fez por mim. 

- Caramba! É aquele relógio que te mostrei naquele dia! Mas, isso é caro! – disse Nappa. 

- Não se preocupe com isso. Você merece! Tem certeza que não vai passar a véspera de natal conosco?

- Ah, eu tenho outros planos para a noite. A mãe da minha namorada vai estar na cidade e eu vou jantar com as duas. – disse Nappa.

- Hum... Jantar com a sogra? Tomara que ela não seja tão animada quanto a minha. Hahahaha.

- Assim espero... Bem, vou continuar com o trabalho. Muito obrigado pelo presente, jovem Vegeta. Foi muito gentil de sua parte. – disse Nappa, me dando alguns tapinhas no ombro.

- Não precisa agradecer.

Nappa se retirou do escritório e eu passei o resto da tarde resolvendo alguns pequenos problemas. O dia passou até rápido. Quando dei por mim, já era noite. Fui em casa rapidamente tomar um banho e trocar de roupa. Minutos depois, já estava na Kamé House.

- Vegeta! Que surpresa te ver por aqui! – disse Fasha, que me cumprimentou na recepção.

- Olá, Fasha! Como vai?

- Tudo bem! E contigo? – ela perguntou.

- Eu estou ótimo. A Bulma já chegou?

- Sim, ela deve estar no camarim agora. Pode ir. As outras garotas ainda não chegaram. – disse Fasha, piscando o olho para mim.

Caminhei em direção ao camarim e bati na porta. De repente, a porta se abriu.

- Oi?

- Oi, minha princesa. – Bulma havia aberto a porta.

- Vegeta! Que bom que veio! – ela disse, me abraçando.

- Eu não perderia isso de forma alguma. Está nervosa?

- Ai, estou uma pilha de nervos. Espero que eu não esqueça de nada. – ela disse.

- Você vai se sair bem, como sempre. Apenas respira fundo e faça seu melhor.

- Vegeta, eu vou ter um treco. Tem muita coisa acontecendo hoje. – ela disse.

- Calma! Por que tanta ansiedade? Você já faz isso a um tempão. Vai ficar tudo bem, amor.

- Não é isso... É que... Ah, eu não posso falar. Vai estragar a surpresa. – disse Bulma.

- Aff... Você quer me deixar mais curioso, não é? Hahahaha. Tudo bem, vamos ver que surpresa será essa. Mas, por enquanto, apenas relaxa. – eu disse, a puxando para meus braços e a abraçando.

- Obrigada, amor. Ia ser mais difícil sem você aqui. – ela disse.

Eu deslizei a mão em seus cabelos e a puxei para perto de mim. Lhe dei um beijo de boa sorte.

- Ummmm... Olha essa bagunça aqui nesse camarim, viu? – disse Maron, que tinha acabado de chegar.

Bulma e eu ficamos rindo um para o outro.

- É melhor eu ir. Não posso ficar no camarim das moças, não é? Nos vemos no fim da sua apresentação.

- Está bem, Veggie. – disse Bulma.

Minutos depois, o apresentador chamava “Saphir” ao palco. Devo dizer: que visão gloriosa. Ela era mesmo linda! Eu deveria me incomodar com as poucas peças de roupa, mas na verdade, tinha muito orgulho de tudo aquilo ser meu. Enquanto suas curvas recebiam o brilho das luzes da Kamé House, eu sentia meu coração acelerar.

“Tenho certeza. Eu a amo.”

Momentos depois de sua apresentação terminar, fui encontra-la nos bastidores. Ela estava chorando, talvez pelo mistos de emoções entre a alegria e a tristeza que aquele momento representava. Eu a peguei no colo e a abracei com força. Depois, trocamos um beijo longo e terno. Eu queria que ela fosse comigo ao restaurante e de lá fôssemos para a mansão dos Black, mas ela pediu para se arrumar por lá. Saí em direção ao La Fierté apenas para verificar se estava tudo bem e depois eu iria para a mansão do Bardock.

~~Mansão dos Black~~

- Ah, fala sério! Eu tenho mesmo que vestir isso? – perguntou Kakaroto, ajeitando a gravata.

- Ora, garoto, quer ir vestido como? De boné e chinelo? Vão ter pessoas importantes aqui, deve-se vestir como um verdadeiro Black: elegante e com estilo. Não está vendo seu pai aqui, todo gostosão? – disse Bardock, ajeitando o terno.

- Hahahaha. Ai, um tiozão desses. Está bem, pai. Acho que tenho que estar apresentável para meu sogro. Falando nisso, pelo amor de Kami, se comporta, pai! – disse Kakaroto.

- Ué... Eu sempre sou bem comportado. Não tenho culpa de eu ser o mais descolado dessa casa. Humpf... – disse Bardock, cruzando os braços.

- Pai... Estou falando sério... – disse Kakaroto, encarando o pai.

- Tá... Tá bom... Eu já entendi. Vou ser um velho caretão. Mas, só por hoje, viu? Hahahaha. Ai, meu filhão mais novo já vai casar. O tempo passar rápido mesmo. – disse Bardock, abraçando Kakaroto.

- Pai, será que ele vai gostar de mim? – perguntou Kakaroto.

- Claro, moleque! Quem não gosta dos Black, a família mais legal de Satan City? Hahahahaha. – disse Bardock, fazendo um cafuné nos cabelos de Kakaroto. – Seja apenas você mesmo, meu filho.

- Hahahaha. Obrigado, pai. – disse Kakaroto. – Bem, estou indo ao aeroporto pegar o pai da Chichi. Eu já volto.

- Vai lá. Sua mãe e eu estaremos esperando.- disse Bardock.

- Oww... Isso foi muito fofo da sua parte, querido. – disse Gine, abraçando Bardock.

- Não vai se acostumando, hein?! Só estou dando uma moralzinha para o garoto. – disse Bardock.

~~Aeroporto de Satan City~~~

- Oh, minha querida Chichi. Que saudades! – disse senhor Cutelo, pai de Chichi. – ele era um homem alto, bem forte e com cabelos e barbas escuros.

- Paizinho querido! Que bom te ver! – disse Chichi, o abraçando.

Kakaroto se sentia nervoso. O pai de Chichi era um homem enorme. Ele facilmente lhe derrubaria com um tapa.

- Boa noite, senhor Cutelo. Eu sou Kakaroto, noivo de Chichi. – ele disse, estendendo a mão.

Senhor Cutelo se aproximou dele com uma expressão bem séria, mas logo agarrou Kakaroto pelo braço e o abraçou com força e deu umas tapinhas em suas costas.

- Oh! Você é o meu futuro genro! Que rapaz forte você é! Estou muito feliz que Chichi tenha encontrado alguém que a faça feliz como ela merece.

Kakaroto se sentiu aliviado, mas sufocado ao mesmo tempo.

“Ele tem força para caramba! Vou morrer sem ar desse jeito” – pensou Kakaroto.

Mas, senhor Cutelo o soltou e eles foram para o carro. Senhor Cutelo ficaria hospedado no apartamento de Chichi. Eles foram deixar suas coisas e voltaram para a mansão dos Black.

~~ Mansão dos Black~~

- Bem-vindo, senhor Cutelo. – disse Toma, um dos seguranças de Bardock.

- Obrigado! – disse senhor Cutelo. – Esplêndido! Essa casa é sensacional!

- Gostou? E é porque você nem viu o resto. – disse Bardock, se aproximando. – Aliás, muito prazer. Sou Bardock Black, pai de Kakaroto e essa é Gine, minha esposa.

- Muito prazer, senhor e senhora Black. – disse senhor Cutelo.

- Bebe alguma coisa?- perguntou Bardock.

- Aceito uma água. Não tomo nada alcóolico. – disse senhor Cutelo.

- O QUE?! E COMO É QUE VOCÊ SE DIVERTE?! – perguntou Bardock.

- Hahahaha. Parece estranho, não é? Mas, eu deixei de beber desde que minha esposa se foi... – disse senhor Cutelo.

- Ah... Eu entendo... Não é a mesma coisa sem ela, não é verdade? – perguntou Bardock.

- Mudou muita coisa, mas até que já acostumei. – disse Cutelo.

- Bem, mas vamos entrando! Vou lhe mostrar o resto da casa. – disse Bardock, acompanhando senhor Cutelo.

- Eu perdi alguma coisa?! O que aconteceu com o papai?! – perguntou Raditz, que havia acabado de chegar.

- É... Nem eu consigo acreditar... Ele passou mais de 2 frases sem dizer uma piada sequer. Incrível.- disse Kakaroto.

“Espero que ele continue assim...” – ele pensou.

A festa foi começando e alguns dos convidados foram chegando. Senhor Cutelo permaneceu na companhia de Chichi e Kakaroto, enquanto Bardock e Gine recebiam os convidados. Senhora e senhora Briefs foram os próximos a chegar.

- Ora, doutor Briefs! Saiu da toca, finalmente! Que surpresa! – disse Bardock, apertando a mão dele.

- Hohohoho. Bem, datas especiais estimulam a gente a sair de casa. – disse doutor Briefs.

- OH! Que lugar lindo! Meu bem, temos que reformar a nossa casa! Essa é maravilhosa! Temos que ter uma igual. – disse senhora Briefs.

- Opa! Esse design é exclusivo dos Black, dona Briefs! – disse Bardock.

- Oh! Bardockzinho, querido! Como está elegante! Hohoho. – disse senhora Briefs.

- Obrigado! Digo o mesmo! – disse Bardock.

- Você vai cair para trás quando Bulma chegar com uma surpresa. – disse senhora Briefs.

- Chichi também tem uma grande surpresa para anunciar essa noite. – disse Bardock.

Senhora Briefs se aproximou de Bardock e sussurrou em seu ouvido.

- Tire o cavalinho da chuva! Eu vou ser avó primeiro! E meu neto vai ser mais lindo e mais inteligente que o seu! Hohohoho.

- Isso é o que nós vamos ver, loira! – sussurrou Bardock.

Bills chegou acompanhado de alguns seguranças.

- Ora, grande Bills! Que prazer em vê-lo! – disse Bardock.

- O prazer é todo meu, meu caro Bardock. Fico feliz em ter sido convidado. - disse Bills.

- Entre e fique à vontade. Logo, daremos início a festa.- disse Bardock.

Passaram-se duas horas.

- Onde está Bulma? Ela já deveria ter chegado! – disse Chichi.

- Vegeta também não chegou ainda. Nem a Maron. – disse Raditz.

- Será que aconteceu alguma coisa? – perguntou senhor Briefs.

- Ah! Eles só devem estar atrasados... Bem, vamos começar. – disse Gine.

Após algumas falas de Bardock e Gine, Chichi decide contar a boa nova ao pai.

- Bem, vocês estão aqui inicialmente por causa do noivado. Mas, eu tenho uma outra surpresa para todos vocês. – disse Chichi.

- Outra surpresa? – perguntou senhor Cutelo.

- Gostaríamos de anunciar que temos... Um novo membro para as famílias Black e Cutelo! – disse Kakaroto.

- Como assim, um novo membro? – perguntou Cutelo, ficando de pé.

- Papai... O senhor vai ser avó! – disse Chichi, sorrindo.

- Oh, meu Kami! Minha filhinha vai ser mãe?! E eu vou ser... Avô?! Quanta felicidade! – disse senhor Cutelo que levantou Chichi no ar.

Todos os presentes bateram palmas, animados.

- Está vendo, Briefs loira, o anúncio do meu neto foi primeiro. Hehehehe. Com certeza, ele vai ser primeiro lugar em tudo! Diferente do seu... – disse Bardock, provocando senhora Briefs.

- Humpf... Hohohoho. Meu netinho vai ser o mais inteligente e seu neto vai trabalhar para ele. – disse senhora Briefs.

- Vai sonhando... – disse Bardock.

- Espera só para ver... – disse senhora Briefs.

De repente, a campainha toca.

- Quem será dessa vez? – perguntou Gine.

~~ Kamé House~~

Lazuli entrou na Kamé House tranquilamente. Ela passou por Fasha e disse:

- Linda noite, não é mesmo? As luzes de natal nunca foram tão encantadoras...

Fasha apenas a observou passar. Mas, algum tempo depois, decidiu segui-la.

Lazuli entrou no camarim, onde Maron trocava de roupa.

- Ah... É você... Não vai dançar hoje? – perguntou Maron, que olhou de relance para Lazuli e continuou se vestindo.

- Hahahaha. A única que vai dançar hoje é você, flor. – disse Lazuli.

Maron escuta um barulho em suas costas. Quando ela virou-se, Lazuli apontava uma arma em sua direção.

- AHHHH! O QUE PENSA QUE ESTÁ FAZENDO? – ela gritou.

- Hahahaha. Ora, eu apenas, estou me livrando de pequenos estorvos, como você, por exemplo. – disse Lazuli.

- La-la-zuli, não faça isso... Por-por favor, snif... – disse Maron, que se ajoelhou e começou a chorar.

- Oww... Que peninha... A linda Opale implorando pela minha misericórdia... Sinto muito! Você deveria ter pensando melhor antes de me provocar por todo esse tempo. ADEUS, FO-FA! – Lazuli mirou em direção a cabeça de Maron.

- NÃAO!

O som do tiro ecoou pelo camarim.

Maron chorava até perceber que algo havia acontecido.

- Foge daqui, Maron! Vai pedir ajuda. – disse Fasha, que lutava com Lazuli para tirar sua arma.

- SUA COVARDE! VOCÊ IA GANHAR MUITO DINHEIRO SE ME AJUDASSE! – gritou Lazuli!

- EU NÃO SOU COMO VOCÊ! EU NÃO PRECISO DE DINHEIRO SUJO! – gritou Fasha.

Fasha conseguiu jogar a arma de Lazuli no chão, mas a loira a acertou com um soco no rosto, a agarrou e a jogou por cima da mesa, a fazendo cair no chão, do outro lado da sala. Lazuli abriu sua bolsa e tirou uma espécie de controle de dentro dela.

- SOCORRO! SOCORRO! – Maron saiu gritando pelo corredor. A primeira pessoa que ela encontrou foi Kuririn.

- O que foi, Maron?! – ele perguntou.

- A Lazuli... Ela... Ela enlouqueceu! Ela está no camarim! Precisamos de ajuda! – disse Maron

- Como assim? Eu vou lá ver! – disse Kuririn, que saiu correndo em direção ao camarim.

- ESPERA! É PERIGOSO! – gritou Maron.

- HAHAHAHA. Você pode até ter atrapalhado meu plano inicial, mas não vai me impedir de terminar minha missão. – gritou Lazuli.

- O que você vai fazer?! – perguntou Fasha.

- Eu coloquei uma bomba no escritório do Monsieur Kame. E esse é o controle. Diga adeus para o seu chefe querido. – disse Lazuli.

- MAS, O QUE ESTÁ ACONTECENDO? – disse Kuririn, que chegou correndo.

- KURIRIN, CUIDADO! – gritou Fasha.

- Hahahaha. Querido, diga adeus ao seu chefe amado. – disse Lazuli, apertando o botão do controle.

- O QUE? – disse Kuririn.

De repente, uma grande explosão ocorreu nas costas de Lazuli, a fazendo ser arremessada para longe, juntamente com Kuririn. Uma grande quantidade de fogo de espalhou pelo camarim e começou a tomar conta da casa de shows. Maron veio correndo com Piccolo e Tenshinhan, mas o fogo começava a tomar de conta do corredor. Yamcha chegou logo em seguida.

- OH, MINHA NOSSA! FOGO! – gritou Yamcha.

- Vamos, temos que pegar os extintores! – gritou Tenshin.

- ESPERA! A FASHA! A FASHA ESTÁ LÁ DENTRO! – gritou Maron.

- O QUE?! ESSA NÃO! EU VOU ENTRAR! – gritou Yamcha.

- Está maluco?! Você vai morrer! – disse Tenshinhan.

- ESPERA! - gritou Piccolo.

Yamcha ignorou seu aviso e entrou em meio às chamas.

-YAMCHAAA! – gritou Maron.

As chamas começaram a tomar conta de todo corredor e a se estender para as paredes forradas. Um grande incêndio começou a se formar na Kamé House. Maron correu até Whis, que logo avisou a todos para se retirarem. Uma grande correria e gritaria começou na casa de shows.

~~ Mansão dos Black~~

A campainha havia tocado há alguns minutos, mas ninguém havia entrado. Tomo havia ido abrir o portão, mas não voltou para anunciar ninguém.

- Opa! Boa noite, pessoal. Desculpem chegar assim, sem avisar, mas me disseram que tinha uma boquinha livre por aqui.

- Quem é você? E o que faz na minha casa? Saia! – disse Gine, encarando o convidado indesejado.

- Ora, vejam só. Quanta valentia, senhora. Eu sou Boo. Vim em nome de um grande amigo de vocês, Broly, desejar um feliz natal! – disse Boo, sacando uma arma e atirando contra o peito de Gine, que caiu no chão.

- GINEEE! – gritou Bardock.

- Hora do show, pessoal! Vamos, Lápis, Zamasu... e Black. – disse Boo.

- DESGRAÇADOO! – gritou Bardock, que tirou uma arma do paletó e começou a atirar.

- MÃEE! – gritou Raditz, que pegou Gine nos braços e a carregou para um dos quartos.

- OH! Que péssimo, meu amor. Eles estão estragando a festa. E EU NÃO GOSTO NADA DISSO! – disse Senhora Briefs, que sacou uma arma da bolsa e começou a atirar.

Alguns convidados se abaixaram e começaram a se arrastar no chão.

- Tch... Que saco... Logo no dia que eu resolvi sair... Quitela, minha metralhadora. – disse Bills. Quitela abriu uma maleta e jogou a arma para ele. Bills  começou a atirar. Boo e Bills trocavam tiros entre as mesas

- SENTIU MINHA FALTA, DESGRAÇADO?! – gritou Boo.

- MALDITO! COMO SAIU DA PRISÃO?! – gritou Bills.

- EU TENHO MEUS CONTATOS! MAS, AGORA, VAMOS FALAR DE COMO VOCÊ QUER MORRER HOJE! – gritou Boo.

- DESCULPA, BOO. MAS, NÃO VAI SER EU QUEM VAI MORRER. – disse Bills.

- O QUE?!

Boo foi atingido com vários tiros nas costas.

- Hohohoho. Eu estava mesmo enferrujado. – disse Senhor Briefs, que estava atrás de Boo.

- Muito bem, docinho! 10 pontos por cada cara que for derrubado. Quem fizer mais pontos, faz a massagem nos pés do outro. – disse Senhora Briefs.

- OBA! VAMOS NESSA! – gritou senhor Briefs.

O grupo de Boo começou a diminuir gradualmente.

- MERDA! ME ATINGIRAM! AQUELA MULHER É TERRÍVEL!- gritou Lápis, segurando o ombro que apresentava uma grande mancha vermelha.

- ESTAMOS EM DESVANTAGEM! MELHOR NOS RETIRARMOS ENQUANTO AINDA TEMOS TEMPO! – gritou Zamasu.

Kakaroto pegou Chichi e correu para dentro da casa, quando encontrou Goku Black na sala.

- GOKU! ESTÃO ATIRANDO DE TODOS OS LUGARES! AJUDA O PAPAI! – ele gritou – Chichi, suba e se esconda, tranque a porta. Depois, volto para te buscar.

- Está bem... – disse Chichi, que rapidamente subiu as escadas.

- VAMOS,GOKU! O QUE ESTÁ ESPERANDO! – gritou Kakaroto, que ia sair correndo, quando Black gritou.

- AONDE PENSA QUE VAI, IRMÃOZINHO? – ele apontava uma arma para o irmão.

- O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO, SEU MALUCO! NÃO É HORA PARA ISSO! VAMOS! TEMOS QUE AJUDAR O PAPAI! – gritou Kakaroto.

- Desculpa, maninho. Nada pessoal! – disse Goku Black, disparando contra Kakaroto.

- Venha, Black! Vamos dar o fora! – gritou Zamasu.

 Black olhou para o irmão rapidamente e começou a correr. Quando eles estavam saindo do carro, Bardock chegou atirando.

- AHHH! MALDITOS! – gritou Bardock.

A última imagem que Bardock viu do carro foi a de Black sorrindo vitorioso para ele.

~~ Bulma ~~

- Ai, minha nossa, que trânsito horrível. Desse jeito, não vou conseguir chegar nunca.

Eu já estava impaciente. Eu queria chegar logo para revelar minha surpresa ao Vegeta. Eu admirava a caixinha de presente que estava no banco do passageiro.

“Que ele ame a notícia, meu Kami!”

Eu estava parada no sinal, quando uma mulher em um carro conversível se emparelhou com meu carro. Ela tinha cabelos longos e escuros. Eu olhei de relance para ela e voltei a olhar para o sinal. O sinal abriu e voltei a dirigir normalmente. De repente, o conversível começou a acelerar em minha direção. Por reflexo, consegui desviar para o lado, quase me bati contra um carro estacionado. Aquela louca quase me matou do coração. Eu resolvi acelerar, mas, pelo visto, a mulher ainda não tinha terminado. Ela emparelhou nossos carros e começou a tentar me fechar. Eu tentava desviar o quanto podia.

- O QUE VOCÊ QUER, SUA LOUCA!

A mulher apenas parecia se divertir do carro. De repente, o sinal fechou. Eu tentei frear, mas o freio não acionou. Um outro carro veio da outra pista. Tudo o que eu lembro é da buzina dele e de um grande clarão de luz.

~~ Vegeta~~

Eu tinha acabado de sair do La Fierté. Tentei ligar para Bulma. Mas, ela não atendeu. Achei muito estranho. De repente, eu vi um grande aglomerado de pessoas. O trânsito estava mais lento. De longe, eu vi um carro tombado ao longe e outro carro com a dianteira arrebentada. Um homem dava um depoimento à polícia.

“Minha nossa. A essa hora da noite?!”

Mas, o problema foi quando eu passei próximo ao carro tombado. Meu coração parou por alguns instantes.

“Espera aí... Aquela placa...”

- É O CARRO DA BULMA?!

Estacionei o carro bem próximo de qualquer jeito e saí correndo que nem um louco. Quando ia me aproximar do carro, um policial me parou.

- Desculpe, rapaz, não pode passar da faixa de segurança.

- A-a-aquele carro! É da minha noiva! É O CARRO DA MINHA NOIVA!

- Então, você conhece a vítima? – perguntou o policial.

“VÍTIMA?!”

- O QUE FOI QUE ACONTECEU? ONDE ELA ESTÁ?

- Ela foi levada ao hospital do centro. Ela não estava muito bem.

- NÃO PODE SER! – levei as mãos à cabeça. Eu estava desesperado. O que será que tinha acontecido?

- Calma, ela já está sendo atendida. Preciso que o senhor assine algumas coisas antes de ir. É para podermos levar o carro.

Eu queria socar a cara dele. Como assim? Quem perderia tempo assinando papeis quando alguém querido está em risco de vida?

“SEU PUTO!”

Eu risquei de qualquer jeito os papéis e logo peguei meu carro e fui em direção ao hospital. Ao chegar lá, entrei correndo pela recepção. Perguntei por Bulma e eles me disseram que ela estava estável, mas o que eu ouvi além disso foi que me deixou em choque.

- Sua noiva está fora de perigo, senhor Sadala. Mas, não temos certeza quanto ao bebê.- disse o médico.

- Bebê?!

“Como é? Bebê?! Do que ele está falando?”

- Você não sabia? Sua noiva está grávida. – disse o médico.

Eu senti minhas pernas faltarem nessa hora. Eu apenas me joguei na cadeira da sala de espera.

“Grávida?!”

Uma policial veio em minha direção.

- Senhor, encontramos isso no carro. Deve ser algo importante. – ela disse, me entregando um presente amassado.

Quando eu abri, eu não consegui conter minhas lágrimas. Eu estava aflito e sozinho. Peguei a roupinha e li a frase que estava nela escrita:

“Estou chegando, papai”

Acho que nunca tinha sentido uma dor tão grande no peito.

~~ Escritório de Broly~~

- Jingle bells, jingle bells, lalalala. Hahahahaha. Ah! Que noite divina! - disse Broly, bebendo um gole de seu Whisky.- Um feliz natal a todos os Les Sept! 


Notas Finais


Oie gente! Pois é! Chegamos ao capítulo principal da nossa fic! ~Yay~
A partir desse ponto, é o início do fim. (Hehehehe. Eu ainda estou avaliando em qual capítulo vou encerrar.)

Eu iria postar apenas na sexta, mas como vou estar ocupada no fds, decidi antecipar. Espero que gostem!

Bem, muita coisa aconteceu. Eu avisei que era para se preparar, não foi? Pois, então.E agora? Quem morreu?! Podem chutar! xD

O que acharam? Acho que peguei pesado, mas foi necessário para dar a guinada final da fic. (Sorry, not sorry!)

Obrigada por ler! Jajá sai o capítulo novo! Beijinhos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...